SlideShare uma empresa Scribd logo
Monitorização hemodinâmica não
invasiva
Enfª: R1 Ana Karla Tertuliano
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz
Tavares
Programa de Especialização Multiprofissional em Cardiologia
Modalidade Residência
Recife, 2016
Monitorização hemodinâmica
não invasiva
Objetivos:
• Identificar equipamentos, materiais e acessórios utilizados para a
monitorização hemodinâmica não invasiva;
• Descrever os parâmetros vitais e os procedimentos de verificação que
compreendem a monitorização hemodinâmica não invasiva
• Descrever a sistematização da assistência de enfermagem (SAE) na
instalação e manutenção da monitorização hemodinâmica não invasiva.
Monitorização hemodinâmica
não invasiva
• Consiste na medição dos sinais vitais na avaliação da condição patológica
e fisiológica do paciente;
• Auxiliam no diagnóstico, evolução e no controle do tratamento;
• Menor risco de complicações, fácil manuseio e menor custo;
(PALOMO, 2007)
Monitorização hemodinâmica
não invasiva
Monitorização
Cardiopulmonar
Monitorização hemodinâmica
não invasiva
(PALOMO, 2007)
Temperatura
Temperatura corporal:Temperatura corporal:
• calor produzida pelos processos corporais X calor perdida para o ambiente.
Parâmetros
Normotermia 36,6°C a 37,2°C
Hipotermia <36°C
Hipertermia >38,8°C
Febrícula até 37,5°C
Febre Moderada 37,6°C a 38,5°C
Febre alta ou elevada > 38,6°C
(PALOMO, 2007; POTTER, 2009)
Temperatura
• Aferição da Temperatura:Aferição da Temperatura:
Locais: axilar, retal e oral.
• Aumento da Temperatura:Aumento da Temperatura:
- Processo infeccioso
- Processo não-infeccioso
• ↑ da temperatura metabolismo celular consumo de O2 e→ →
produção de CO2 demandas ao coração e aos pulmões estresse↑ →
adicional ao sistema cardiopulmonar do paciente.
(PALOMO, 2007)
Termômetro de mercúrio
Termômetro digital
sensor
Frequência Respiratória
• Frequência RespiratóriaFrequência Respiratória
É o mecanismo que o corpo utiliza para trocar os gases entre
a atmosfera e o sangue, e entre o sangue e as células.
Parâmetros da FR
Neonato: 30 a 60 ipm
Lactente <6m: 30 a 50 ipm
Pré-escolar: 25 a 32 ipm
Criança: 20 a 30 ipm
Adolescente: 16 a 19 ipm
Adultos: 12 a 20 ipm
FR: precoce na
insuficiência Pulmonar
FR: perda de volume
pulmonar
(PALOMO, 2007; POTTER, 2009)
Saturação Parcial de
Oxigênio(SpO2)
• Monitorização contínua e não invasiva da oxigenação do paciente;
• Hemoglobina disponível para o transporte de oxigênio;
• SpO2 em ar ambiente, isto é, para uma fração inspirada de oxigênio
(FiO2) próxima a 21%, são maiores que 90%.
Fonte:google imagens,2016.
Fonte:google imagens,2016.
(MEDEIROS, 2015; STIEGLER,2015)
Frequência Cardíaca
Frequência Cardíaca:Frequência Cardíaca:
• Define-se pelo número de vezes que o coração bate por
minuto;
• Classificado de acordo com ritmo, intensidade e amplitude;
(POTTER;PERRY, 2009)
Frequência Cardíaca
Parâmetros da Frequência Cardíaca
Normocardia: FC normal :60-100 bpm no
adulto
Bradicardia FC<60 bpm no adulto
Taquicardia: FC > 100 bpm no adulto
Pulso irregular ou
arrítmico:
alteração na formação e/ou
condução do impulso elétrico
Ritmo sinusal ritmo fisiológico regular do
coração
•Ritmos anormais podem indicar: Arritmias, Cardiopatias isquêmicas,
Insuficiência Cardíaca(IC);
(PALOMO, 2007)
Pressão arterial
Pressão arterial:Pressão arterial:
• É a pressão exercida nas artérias durante a sístole e diástole dos ventrículos.
• PA: DCxRVP (mmhg)PA: DCxRVP (mmhg)
Fonte:google imagens,2016.Fonte:google imagens,2016.
(PALOMO, 2007)
Pressão Arterial não Invasiva:Pressão Arterial não Invasiva:
• Método da Pressão Arterial não Invasiva(PNI):Método da Pressão Arterial não Invasiva(PNI): Manual, automático,
Rápido.
• Principais indicações:Principais indicações:Pós operatório de cirurgias cardíacas;Controle da
hipotensão aguda;Uso de medicamentos;
(SBC,SBH;SBN, 2010)
Monitorização Cardíaca
•Posição dos eletrodos:
Fonte:google imagens,2016.
Monitorização Cardíaca
Monitor multiparamétrico
Fonte:google imagens,2016.
Monitor multiparamétrico
Fonte: PHILIPS , 2012
(PHILIPS , 2012)
Diagnósticos de
Enfermagem
Prescrição de
Enfermagem
Resultados
Esperados
1. Risco de temperatura
corporal desequilibrada.
• Monitorar os sinais e
sintomas de
hipotermia e
hipertermia, e relata-
los.
• Repostas do paciente à
terapêutica
medicamentosa
instituída para controle
da termorregulação.
2. Risco de débito cardíaco
diminuido
• Observar e
comunicar os sinais e
sintomas de débito
cardíaco diminuido.
•Alterações dois
sinais vitais, arritmias.
• Horário e frequência ,
ritmo, e amplitude de
pulso.
(NANDA, 2010)
Diagnósticos de
Enfermagem
Prescrição de
Enfermagem
Resultados
Esperados
3. Risco de padrão
respiratório ineficaz
• Monitorar o padrão
respiratório
•Avaliar e comunicar
alterações de
temperatura e coloração
da pele e mucosas,
• Horário e valor da
frequência
respiratória;
alterações na
ausculta dos sinais
(NANDA, 2010)
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica / Ministério da
Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério
da Saúde, 2014
• Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2009-2011/
NANDA International; tradução Regina Machado Garcez. - Porto Alegre: Artmed, 2010.
• MEDEIROS, Ana Lúcia et al. OXIMETRIA DE PULSO EM TRIAGEM DE CARDIOPATIAS
CONGÊNITAS: CONHECIMENTO E ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO. Cogitare Enfermagem,
v. 20, n. 3, 2015.
• PALOMO, Jurema da Silva Rebas. Enfermagem em Cardiologia: Cuidados avançados.1°
Ed. Barueri, SP :Manole, 2007.
• POTTER, P.A; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara, 2009.
• SMELTZER; S.C; BARE, B.G. Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-
Cirúrgica. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014
• STIEGLER, Sônia Aparecida; DE CAMPOS JÚNIOR, Abel Pompeu; DA SILVA, André Luiz
Fernandes. INTERFERÊNCIA DA COLORAÇÃO DO ESMALTE DE UNHA E DO TEMPO NA
OXIMETRIA DE PULSO EM INDIVÍDUOS SADIOS. Revista Eletrônica Interdisciplinar, v.
1, n. 13, 2015.
Obrigada!
“O melhor monitor é o profissional observador e dedicado”
DONALD F.EAGAN

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
RCP
RCPRCP
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
ThiagoCunha93
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)
joao rodrigo
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
Leila Daniele
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
José Augusto Casagrande
 

Mais procurados (20)

Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
 

Destaque

Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Semiologia cardiovascular
Semiologia cardiovascularSemiologia cardiovascular
Semiologia cardiovascular
Ka Ladeia
 
Exame físico abdome I
Exame físico abdome IExame físico abdome I
Exame físico abdome I
pauloalambert
 
Sistema cardio
Sistema cardioSistema cardio
Sistema cardio
Desapegos Da Kekel
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
Wesley Lima de Oliveira
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
resenfe2013
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 

Destaque (7)

Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Semiologia cardiovascular
Semiologia cardiovascularSemiologia cardiovascular
Semiologia cardiovascular
 
Exame físico abdome I
Exame físico abdome IExame físico abdome I
Exame físico abdome I
 
Sistema cardio
Sistema cardioSistema cardio
Sistema cardio
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 

Semelhante a Monitorização Hemodinâmica não invasiva

OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfOFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
GleicySantos11
 
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primáriosCardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
Catarina Possacos
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
LviaParanaguNevesdeL
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
Aroldo Gavioli
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
vhmsantos
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Renato Bach
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
Márcio Borges
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
resenfe2013
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
Reila Silva
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 201921635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
gisa_legal
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
gisa_legal
 
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOLAula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
AlexRoberto13
 
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOCEstudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
GeizeReisdeAlmeida
 
Simpósio de Cardiologia
Simpósio de CardiologiaSimpósio de Cardiologia
Simpósio de Cardiologia
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
RaissaEufrazio
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 

Semelhante a Monitorização Hemodinâmica não invasiva (20)

OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfOFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
 
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primáriosCardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
Cardiopneumologia – papel nos cuidados de saúde primários
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 201921635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
21635c mo --hipertensao_arterial_infanc_e_adolesc sbp 2019
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
 
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOLAula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
Aula SEMIOLOGIA , APRESENTAÇÃO DE SEMIOL
 
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOCEstudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
 
Simpósio de Cardiologia
Simpósio de CardiologiaSimpósio de Cardiologia
Simpósio de Cardiologia
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 

Monitorização Hemodinâmica não invasiva

  • 1. Monitorização hemodinâmica não invasiva Enfª: R1 Ana Karla Tertuliano Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização Multiprofissional em Cardiologia Modalidade Residência Recife, 2016
  • 2. Monitorização hemodinâmica não invasiva Objetivos: • Identificar equipamentos, materiais e acessórios utilizados para a monitorização hemodinâmica não invasiva; • Descrever os parâmetros vitais e os procedimentos de verificação que compreendem a monitorização hemodinâmica não invasiva • Descrever a sistematização da assistência de enfermagem (SAE) na instalação e manutenção da monitorização hemodinâmica não invasiva.
  • 3. Monitorização hemodinâmica não invasiva • Consiste na medição dos sinais vitais na avaliação da condição patológica e fisiológica do paciente; • Auxiliam no diagnóstico, evolução e no controle do tratamento; • Menor risco de complicações, fácil manuseio e menor custo; (PALOMO, 2007)
  • 6. Temperatura Temperatura corporal:Temperatura corporal: • calor produzida pelos processos corporais X calor perdida para o ambiente. Parâmetros Normotermia 36,6°C a 37,2°C Hipotermia <36°C Hipertermia >38,8°C Febrícula até 37,5°C Febre Moderada 37,6°C a 38,5°C Febre alta ou elevada > 38,6°C (PALOMO, 2007; POTTER, 2009)
  • 7. Temperatura • Aferição da Temperatura:Aferição da Temperatura: Locais: axilar, retal e oral. • Aumento da Temperatura:Aumento da Temperatura: - Processo infeccioso - Processo não-infeccioso • ↑ da temperatura metabolismo celular consumo de O2 e→ → produção de CO2 demandas ao coração e aos pulmões estresse↑ → adicional ao sistema cardiopulmonar do paciente. (PALOMO, 2007) Termômetro de mercúrio Termômetro digital sensor
  • 8. Frequência Respiratória • Frequência RespiratóriaFrequência Respiratória É o mecanismo que o corpo utiliza para trocar os gases entre a atmosfera e o sangue, e entre o sangue e as células. Parâmetros da FR Neonato: 30 a 60 ipm Lactente <6m: 30 a 50 ipm Pré-escolar: 25 a 32 ipm Criança: 20 a 30 ipm Adolescente: 16 a 19 ipm Adultos: 12 a 20 ipm FR: precoce na insuficiência Pulmonar FR: perda de volume pulmonar (PALOMO, 2007; POTTER, 2009)
  • 9. Saturação Parcial de Oxigênio(SpO2) • Monitorização contínua e não invasiva da oxigenação do paciente; • Hemoglobina disponível para o transporte de oxigênio; • SpO2 em ar ambiente, isto é, para uma fração inspirada de oxigênio (FiO2) próxima a 21%, são maiores que 90%. Fonte:google imagens,2016. Fonte:google imagens,2016. (MEDEIROS, 2015; STIEGLER,2015)
  • 10. Frequência Cardíaca Frequência Cardíaca:Frequência Cardíaca: • Define-se pelo número de vezes que o coração bate por minuto; • Classificado de acordo com ritmo, intensidade e amplitude; (POTTER;PERRY, 2009)
  • 11. Frequência Cardíaca Parâmetros da Frequência Cardíaca Normocardia: FC normal :60-100 bpm no adulto Bradicardia FC<60 bpm no adulto Taquicardia: FC > 100 bpm no adulto Pulso irregular ou arrítmico: alteração na formação e/ou condução do impulso elétrico Ritmo sinusal ritmo fisiológico regular do coração •Ritmos anormais podem indicar: Arritmias, Cardiopatias isquêmicas, Insuficiência Cardíaca(IC); (PALOMO, 2007)
  • 12. Pressão arterial Pressão arterial:Pressão arterial: • É a pressão exercida nas artérias durante a sístole e diástole dos ventrículos. • PA: DCxRVP (mmhg)PA: DCxRVP (mmhg) Fonte:google imagens,2016.Fonte:google imagens,2016. (PALOMO, 2007)
  • 13. Pressão Arterial não Invasiva:Pressão Arterial não Invasiva: • Método da Pressão Arterial não Invasiva(PNI):Método da Pressão Arterial não Invasiva(PNI): Manual, automático, Rápido. • Principais indicações:Principais indicações:Pós operatório de cirurgias cardíacas;Controle da hipotensão aguda;Uso de medicamentos; (SBC,SBH;SBN, 2010)
  • 14. Monitorização Cardíaca •Posição dos eletrodos: Fonte:google imagens,2016.
  • 17. Monitor multiparamétrico Fonte: PHILIPS , 2012 (PHILIPS , 2012)
  • 18. Diagnósticos de Enfermagem Prescrição de Enfermagem Resultados Esperados 1. Risco de temperatura corporal desequilibrada. • Monitorar os sinais e sintomas de hipotermia e hipertermia, e relata- los. • Repostas do paciente à terapêutica medicamentosa instituída para controle da termorregulação. 2. Risco de débito cardíaco diminuido • Observar e comunicar os sinais e sintomas de débito cardíaco diminuido. •Alterações dois sinais vitais, arritmias. • Horário e frequência , ritmo, e amplitude de pulso. (NANDA, 2010)
  • 19. Diagnósticos de Enfermagem Prescrição de Enfermagem Resultados Esperados 3. Risco de padrão respiratório ineficaz • Monitorar o padrão respiratório •Avaliar e comunicar alterações de temperatura e coloração da pele e mucosas, • Horário e valor da frequência respiratória; alterações na ausculta dos sinais (NANDA, 2010)
  • 20. Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014 • Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2009-2011/ NANDA International; tradução Regina Machado Garcez. - Porto Alegre: Artmed, 2010. • MEDEIROS, Ana Lúcia et al. OXIMETRIA DE PULSO EM TRIAGEM DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS: CONHECIMENTO E ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO. Cogitare Enfermagem, v. 20, n. 3, 2015. • PALOMO, Jurema da Silva Rebas. Enfermagem em Cardiologia: Cuidados avançados.1° Ed. Barueri, SP :Manole, 2007. • POTTER, P.A; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2009. • SMELTZER; S.C; BARE, B.G. Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014 • STIEGLER, Sônia Aparecida; DE CAMPOS JÚNIOR, Abel Pompeu; DA SILVA, André Luiz Fernandes. INTERFERÊNCIA DA COLORAÇÃO DO ESMALTE DE UNHA E DO TEMPO NA OXIMETRIA DE PULSO EM INDIVÍDUOS SADIOS. Revista Eletrônica Interdisciplinar, v. 1, n. 13, 2015.
  • 21. Obrigada! “O melhor monitor é o profissional observador e dedicado” DONALD F.EAGAN