SlideShare uma empresa Scribd logo
IPTU - Imposto Predial e
Territorial Urbano
Tácio Lacerda Gama
Professor da graduação e pós-graduação da PUC-SP
Doutor, Mestre e Especialista em Direito Tributário
Advogado
Formas de Estudar Direito Tributário
Legitimidade (Competência)
Versus
Apuração (RMIT)
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Legitimidade
Análise da Competência Tributária
C = E . M
[Sc . P(p1.p2.p3...)] → [S (Sa . Sp) . M(s.e.t.c)]
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Critérios de análise da Legitimidade
1) Quem pode criar?
2) Como deve ser criado?
3) Sobre o que pode incidir?
4) Quais os condicionantes positivos?
5) Quais os condicionantes negativos?
6) Quais são as regras gerais?
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quem pode criar o IPTU?
Enunciado Constitucional
• Art. 156. Compete aos
Municípios instituir
impostos sobre:
• I - propriedade predial e
territorial urbana;
Efeitos imediatos
• A União e os Estados não podem
isentar (isenções heterônomas);
• Cada município tem o seu IPTU.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Como o IPTU deve ser criado?
Diplomas fundamentais do IPTU
Constituição Federal de 1988
Regulamentos municipais
Leis Municipais
Código Tributário Nacional
Portarias, Resoluções, comunicados, etc.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Sobre o que pode incidir o IPTU?
Enunciado Constitucional
Art. 156. Compete aos
Municípios instituir
impostos sobre:
I - propriedade predial e
territorial urbana;
Que torna o IPTU devido?
• Aquisição e manutenção da
propriedade predial e
territorial urbana;
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Sobre o que pode incidir o IPTU?
CTN
Art. 32. O imposto, de competência
dos Municípios, sobre a propriedade
predial e territorial urbana tem como
fato gerador a propriedade, o
domínio útil ou a posse de bem
imóvel por natureza ou por acessão
física, como definido na lei
civil, localizado na zona urbana do
Município.
Zona urbana é:
Critério estrutural
e
Critério Funcional
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Que é área urbana?
Critério estrutural
§ 1º Para os efeitos deste imposto, entende-se
como zona urbana a definida em lei municipal;
observado o requisito mínimo da existência de
melhoramentos indicados em pelo menos 2 (dois)
dos incisos seguintes, construídos ou mantidos pelo
Poder Público:
I - meio-fio ou calçamento, com canalização de
águas pluviais;
II - abastecimento de água;
III - sistema de esgotos sanitários;
IV - rede de iluminação pública, com ou sem
posteamento para distribuição domiciliar;
V - escola primária ou posto de saúde a uma
distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel
considerado.
§ 2º A lei municipal pode considerar urbanas as
áreas urbanizáveis, ou de expansão
urbana, constantes de loteamentos aprovados
pelos órgãos competentes, destinados à
habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que
localizados fora das zonas definidas nos termos do
parágrafo anterior.
Critério funcional
O “Estatuto da Terra” é a norma de
direito privado que positiva definição
funcional de propriedade rural que
seria aquela que desempenha
alguma atividade extrativista animal
ou vegetal. Assim, havendo
propriedade utilizada para estas
finalidades, ainda que localizada em
“zona urbana”, será considerada zona
rural para fim de tributação.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
TRIBUTÁRIO. IPTU. ITR. FATO GERADOR. IMÓVEL SITUADO NA ZONA URBANA.
LOCALIZAÇÃO. DESTINAÇÃO. CTN, ART. 32. DECRETO-LEI N. 57/66. VIGÊNCIA.
1. Ao ser promulgado, o Código Tributário Nacional valeu-se do critério topográfico para
delimitar o fato gerador do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)
e o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR): se o imóvel estivesse situado na
zona urbana, incidiria o IPTU; se na zona rural, incidiria o ITR.
2. Antes mesmo da entrada em vigor do CTN, o Decreto-Lei nº 57/66 alterou esse
critério, estabelecendo estarem sujeitos à incidência do ITR os imóveis situados na zona
rural quando utilizados em exploração vegetal, agrícola, pecuária ou agroindustrial.
3. A jurisprudência reconheceu validade ao DL 57/66, o qual, assim como o CTN, passou a
ter o status de lei complementar em face da superveniente Constituição de 1967. Assim, o
critério topográfico previsto no art. 32 do CTN deve ser analisado em face do comando do
art. 15 do DL 57/66, de modo que não incide o IPTU quando o imóvel situado na zona
urbana receber quaisquer das destinações previstas nesse diploma legal.
4. Recurso especial provido.
(REsp 492869/PR, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, julgado em 15/02/2005, DJ
07/03/2005, p. 141)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Que é área urbana?
Que é área urbana?
IMPOSTO PREDIAL. CRITÉRIO PARA A CARACTERIZAÇÃO DO IMÓVEL COMO RURAL
OU COMO URBANO. A FIXAÇÃO DESSE CRITÉRIO, PARA FINS TRIBUTÁRIOS, E
PRINCÍPIO GERAL DE DIREITO TRIBUTÁRIO, E, PORTANTO, SÓ PODE SER
ESTABELECIDO POR LEI COMPLEMENTAR. O C.T.N. SEGUNDO A JURISPRUDÊNCIA
DO S.T.F., E LEI COMPLEMENTAR. INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 6., E SEU
PARAGRAFO ÚNICO DA LEI FEDERAL 5.868, DE 12 DE DEZEMBRO DE 1972, UMA
VEZ QUE, NÃO SENDO LEI COMPLEMENTAR, NÃO PODERIA TER ESTABELECIDO
CRITÉRIO, PARA FINS TRIBUTÁRIOS, DE CARACTERIZAÇÃO DE IMÓVEL COMO
RURAL OU URBANO DIVERSO DO FIXADO NOS ARTIGOS 29 E 32 DO C.T.N.
RECURSO EXTRAORDINÁRIO CONHECIDO E PROVIDO, DECLARANDO-SE A
INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 6. E SEU PARAGRAFO ÚNICO DA LEI
FEDERAL 5.868, DE 12 DE DEZEMBRO DE 1972.
(RE 93850, Relator(a): Min. MOREIRA ALVES, TRIBUNAL PLENO, julgado em 20/05/1982, DJ
27-08-1982 PP-08180 EMENT VOL-01264-02 PP-00336 RTJ VOL-00105-01 PP-00194)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes positivos
à criação do IPTU?
• Princípios gerais da tributação:
- Legalidade (art. 150, I, CR)
- Anterioridade (art. 150, III, “b” e “c”, CR)
- Irretroatividade (art. 150, III, “a”, CR)
- Capacidade contributiva (art. 145, 1º)
- Isonomia (art. 150, I)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes positivos
à criação do IPTU?
• Princípios específicos:
- Progressividade e Seletividade - art. 156, § 1º, da
CR/88:
“Sem prejuízo da progressividade no tempo a que se
refere o art. 182, § 4º, inciso II, o imposto previsto no
inciso I poderá:
I - ser progressivo em razão do valor do imóvel; e
II - ter alíquotas diferentes de acordo com a
localização e o uso do imóvel.”
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes positivos
à criação do IPTU?
• Princípios específicos:
- Progressividade e Seletividade: Súmula 668 do STF:
É inconstitucional a lei municipal que tenha
estabelecido, antes da Emenda Constitucional
29/2000, alíquotas progressivas para o IPTU, salvo se
destinada a assegurar o cumprimento da função social
da propriedade urbana.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Progressividade de alíquotas: repercussão geral
CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. IPTU. PROGRESSIVIDADE
ANTERIOR À EC 29/2000. INCONSTITUCIONALIDADE. COBRANÇA
COM BASE NA ALÍQUOTA MÍNIMA. RELEVÂNCIA JURÍDICA E
ECONÔMICA DA QUESTÃO CONSTITUCIONAL. EXISTÊNCIA DE
REPERCUSSÃO GERAL.
(RE 602347 RG, Rel. Min. RICARDO LEWANDOWSKI, julgado em
22/10/2009, DJe 19.11.2009)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes negativos
à criação do IPTU?
• Imunidades tributárias
Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à
União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
VI - instituir impostos sobre:
a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;
b) templos de qualquer culto;
c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das
entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência
social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão.
3º - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao
patrimônio, à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades
econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em
que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem
exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente
ao bem imóvel.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Imunidades: Repercussão geral
IMUNIDADE – SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA –
ARRENDATÁRIA DE BEM DA UNIÃO – IPTU – AFASTAMENTO NA
ORIGEM – RECURSO EXTRAORDINÁRIO – REPERCUSSÃO GERAL
CONFIGURADA. Possui repercussão geral a controvérsia acerca
da obrigatoriedade de recolhimento do IPTU, incidente em
terreno localizado na área portuária de Santos, pertencente à
União, pela Petróleo Brasileiro S/A – PETROBRAS, mesmo
quando esta estiver na condição de arrendatária da
Companhia Docas do Estado de São Paulo – CODESP.
(RE 594015 RG, Rel. Min. MARCO AURÉLIO, julgado em
14/04/2011, DJe 31.05.2011)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes negativos
à criação do IPTU?
• Imunidades tributárias
Súmula 724 do STF:
Ainda quando alugado a terceiros, permanece
imune ao IPTU o imóvel pertencente a qualquer das
entidades referidas pelo art. 150, vi, "c", da
constituição, desde que o valor dos aluguéis seja
aplicado nas atividades essenciais de tais entidades.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Apuração
Análise da RMIT
Hip [Cm(v.c). Ce. Ct] Cons [Cs(Sa.Sp).Cq (bc.al)]
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Critérios de Análise da Apuração
1) Que torna o tributo devido?
2) Onde o tributo se torna devido?
3) Quando ele se torna devido?
4) Quem deve pagar?
5) Quem deve receber?
6) Como se calcula o que deve
ser pago?
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Que torna o IPTU devido?
Critério Material
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Art. 2º Constitui fato gerador do
imposto predial a propriedade, o
domínio útil ou a posse de bem
imóvel construído, localizado na
zona urbana do Município.
Lei Municipal SP nº 6.989/66
Art. 156. Compete aos Municípios
instituir impostos sobre:
I - propriedade predial e territorial
urbana;
Onde o IPTU se torna devido?
O IPTU se torna devido no local em que se
localizar o imóvel.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quando o IPTU se torna devido?
Lei Municipal nº 6.989/66 :
§ 1º. Considera-se ocorrido o fato gerador do Imposto Predial:
I - em 1º de janeiro de cada exercício;
II - no primeiro dia do mês subsequente ao que ocorrer:
a) construção ou modificação de edificação que implique alteração
do valor venal do imóvel, nos termos da Lei nº 10.235, de 16 de
dezembro de 1986, com as alterações posteriores;
b) constituição de novo terreno, sobre o qual haja edificação
incorporada;
c) instituição de condomínio edilício em planos horizontais ou em
planos verticais.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quem deve pagar o IPTU?
(art. 34 CTN)
Critério Pessoal (CTN)
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Lei Municipal SP nº 6.989/66
Art. 34. Contribuinte do imposto
é o proprietário do imóvel, o
titular do seu domínio útil, ou o
seu possuidor a qualquer título.
Art. 9º Contribuinte do imposto é o proprietário
do imóvel, o titular do seu domínio útil. ou o seu
possuidor a qualquer título.
Art. 10. O imposto é devido, a critério da
repartição competente:
I - por quem exerça a posse direta do
imóvel, semprejuízo da responsabilidade
solidária dos possuidores indiretos;
II - por qualquer dos possuidores indiretos, sem
prejuízo da responsabilidade solidária dos
demais e do possuidor direto.
Parágrafo único. O disposto neste artigo, aplica-
se ao espólio das pessoas nele referidas.
Quem deve pagar o IPTU?
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• CTN:
Art. 123. Salvo disposições de lei em contrário, as convenções
particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de
tributos, não podem ser opostas à Fazenda Pública, para
modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações
tributárias correspondentes.
• Súmula STJ 399:
Cabe à legislação municipal estabelecer o sujeito passivo
do IPTU.
Quem deve receber o IPTU?
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
O IPTU é devido ao Município em que se
localizar o imóvel.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Art. 7º O imposto calcula-se à razão de 1,0%
sobre o valor venal do imóvel, para imóveis
utilizados exclusiva ou predominantemente
como residência.
Parágrafo único. Para os efeitos de
enquadramento na alíquota estabelecida
nocaputdeste artigo, bem como nas faixas
de desconto ou acréscimo de alíquotas
previstas no artigo 8º, considera-se de uso
residencial a vaga de garagem não
pertencente a estacionamento
comercial, localizada em prédio utilizado
exclusiva ou predominantemente como
residência
Como se calcula o que deve ser pago?
Art. 33. A base do cálculo do
imposto é o valor venal do imóvel.
Parágrafo único. Na determinação
da base de cálculo, não se
considera o valor dos bens móveis
mantidos, em caráter permanente
ou temporário, no imóvel, para
efeito de sua
utilização, exploração, aformosea
mento ou comodidade.
Critério Quantitativo (CTN) Lei Municipal SP nº 6.989/66
Atualização da base de cálculo do IPTU
• STJ: Súmula 160
É defeso, ao Município, atualizar o IPTU, mediante decreto, em
percentual superior ao índice oficial de correção monetária.
• STF: RE 648245 (repercussão geral)
O reajuste do valor venal dos imóveis para fim de cálculo do
IPTU não dispensa a edição de lei, a não ser no caso de
correção monetária. “É cediço que os municípios não podem
majorar o tributo, só atualizar valor pela correção
monetária, já que não constitui aumento de tributo e não se
submete a exigência de reserva legal”.
Tácio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Base de cálculo: repercussão geral
Recurso Extraordinário. Tributo. Imposto sobre Propriedade
Territorial Urbana - IPTU. Majoração da base de Cálculo.
Publicação de mapas de valores genéricos. Necessidade de lei
em sentido formal. Repercussão geral reconhecida. Apresenta
repercussão geral o recurso extraordinário que verse sobre a
necessidade de lei em sentido formal para fins de atualização do
valor venal de imóveis.
(AI 764518 RG, Rel. Min. CEZAR PELUSO, julgado em 22/10/2009, DJe 04.02.2010)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
Iptu
IptuIptu
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
Jessica Namba
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula RMIT faap
Aula RMIT faapAula RMIT faap
Aula RMIT faap
marina589
 
Aurora tomzani de carvalho tsj - aula 6
Aurora tomzani de carvalho   tsj - aula 6Aurora tomzani de carvalho   tsj - aula 6
Aurora tomzani de carvalho tsj - aula 6
Betânia Costa
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Fernanda Moreira
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Rosangela Garcia
 
Aula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipvaAula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipva
ssclaudia2014
 
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho DiasFontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
CarolinaCDias
 
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Aula dr. clélio chiesa   04-06-14Aula dr. clélio chiesa   04-06-14
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Fernanda Moreira
 
Trabalho ICMS ''parte escrita''
Trabalho ICMS ''parte escrita''Trabalho ICMS ''parte escrita''
Trabalho ICMS ''parte escrita''
yurineres7
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Betânia Costa
 
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Fernando Favacho
 
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de TributoDireito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Fabiana Del Padre Tomé
 
7 - Extinção do Crédito Tributário
7 - Extinção do Crédito Tributário7 - Extinção do Crédito Tributário
7 - Extinção do Crédito Tributário
Jessica Namba
 
Fontes do direito tributário 2011-1
Fontes do direito tributário   2011-1Fontes do direito tributário   2011-1
Fontes do direito tributário 2011-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Entenda o ICMS e Substituição Tributária
Entenda o ICMS e Substituição TributáriaEntenda o ICMS e Substituição Tributária
Entenda o ICMS e Substituição Tributária
Antônio Júnior
 

Mais procurados (20)

Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
Iptu
IptuIptu
Iptu
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
 
Aula RMIT faap
Aula RMIT faapAula RMIT faap
Aula RMIT faap
 
Aurora tomzani de carvalho tsj - aula 6
Aurora tomzani de carvalho   tsj - aula 6Aurora tomzani de carvalho   tsj - aula 6
Aurora tomzani de carvalho tsj - aula 6
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
 
Aula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipvaAula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipva
 
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho DiasFontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
Fontes do direito tributário Ana Carolina Carvalho Dias
 
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Aula dr. clélio chiesa   04-06-14Aula dr. clélio chiesa   04-06-14
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
 
Trabalho ICMS ''parte escrita''
Trabalho ICMS ''parte escrita''Trabalho ICMS ''parte escrita''
Trabalho ICMS ''parte escrita''
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
 
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
 
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de TributoDireito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
 
7 - Extinção do Crédito Tributário
7 - Extinção do Crédito Tributário7 - Extinção do Crédito Tributário
7 - Extinção do Crédito Tributário
 
Fontes do direito tributário 2011-1
Fontes do direito tributário   2011-1Fontes do direito tributário   2011-1
Fontes do direito tributário 2011-1
 
Entenda o ICMS e Substituição Tributária
Entenda o ICMS e Substituição TributáriaEntenda o ICMS e Substituição Tributária
Entenda o ICMS e Substituição Tributária
 

Destaque

Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
Iptu itr-sao paulo-2011
Iptu itr-sao paulo-2011Iptu itr-sao paulo-2011
Iptu itr-sao paulo-2011
Rosangela Garcia
 
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
..*..
..*....*..
IPTUeITR
IPTUeITRIPTUeITR
IPTUeITR
ACCDias
 
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
Jean Simei
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Jean Simei
 
Impostos sobre o Patrimônio: IPTU
Impostos sobre o Patrimônio: IPTUImpostos sobre o Patrimônio: IPTU
Impostos sobre o Patrimônio: IPTU
Guilherme Henriques
 
IPTU 2012
IPTU 2012IPTU 2012
Ipva
IpvaIpva
Slides gabriel
Slides gabrielSlides gabriel
Slides gabriel
Jhonatan Borges
 
Cadastro técnico imobiliário multifinalitário
Cadastro técnico imobiliário multifinalitárioCadastro técnico imobiliário multifinalitário
Cadastro técnico imobiliário multifinalitário
chrystianlima
 
Apresentação ITR - SRB
Apresentação ITR - SRBApresentação ITR - SRB
Apresentação ITR - SRB
Sociedade Rural Brasileira (fan page)
 
Manual ITR 2014
Manual ITR 2014Manual ITR 2014
Manual ITR 2014
Portal Canal Rural
 
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com CâncerIniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
Oncoguia
 
Aula introdutória - tributos municipais
Aula introdutória - tributos municipaisAula introdutória - tributos municipais
Aula introdutória - tributos municipais
Fernandinhaparisi
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Betânia Costa
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios
ACCDias
 
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
Rural Pecuária
 
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributáriaAula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
ACCDias
 

Destaque (20)

Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
 
Iptu itr-sao paulo-2011
Iptu itr-sao paulo-2011Iptu itr-sao paulo-2011
Iptu itr-sao paulo-2011
 
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
 
..*..
..*....*..
..*..
 
IPTUeITR
IPTUeITRIPTUeITR
IPTUeITR
 
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
 
Impostos sobre o Patrimônio: IPTU
Impostos sobre o Patrimônio: IPTUImpostos sobre o Patrimônio: IPTU
Impostos sobre o Patrimônio: IPTU
 
IPTU 2012
IPTU 2012IPTU 2012
IPTU 2012
 
Ipva
IpvaIpva
Ipva
 
Slides gabriel
Slides gabrielSlides gabriel
Slides gabriel
 
Cadastro técnico imobiliário multifinalitário
Cadastro técnico imobiliário multifinalitárioCadastro técnico imobiliário multifinalitário
Cadastro técnico imobiliário multifinalitário
 
Apresentação ITR - SRB
Apresentação ITR - SRBApresentação ITR - SRB
Apresentação ITR - SRB
 
Manual ITR 2014
Manual ITR 2014Manual ITR 2014
Manual ITR 2014
 
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com CâncerIniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
Iniciativa pela Isenção do IPTU para Pacientes com Câncer
 
Aula introdutória - tributos municipais
Aula introdutória - tributos municipaisAula introdutória - tributos municipais
Aula introdutória - tributos municipais
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios
 
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
Perguntas e Respostas sobre ITR ( Imposto Territorial Rural )
 
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributáriaAula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
 

Semelhante a Iptu

Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdfAula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
tontis1
 
Iss
IssIss
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Iss puc - graduação
Iss   puc - graduaçãoIss   puc - graduação
Iss puc - graduação
luciapaoliello
 
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
LacerdaGama
 
Compet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facampCompet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facamp
luciapaoliello
 
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
Jean Simei
 
ISS
ISSISS
Puc graduação.iss.competência
Puc   graduação.iss.competênciaPuc   graduação.iss.competência
Puc graduação.iss.competência
Tacio Lacerda Gama
 
Icms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscalIcms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscal
luciapaoliello
 
Icms
IcmsIcms
Lei n° 594 abril 2012
Lei n° 594 abril 2012Lei n° 594 abril 2012
Lei n° 594 abril 2012
PrefeituradeItatira
 
Tributação sobre o patrímônio
Tributação sobre o patrímônioTributação sobre o patrímônio
Tributação sobre o patrímônio
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Compet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facampCompet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facamp
luciapaoliello
 
S iptu ufg14112012
S iptu ufg14112012S iptu ufg14112012
S iptu ufg14112012
LucasBevilacqua
 
Pmcmv
PmcmvPmcmv
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Tacio Lacerda Gama
 
Prot. 0985 15 pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
Prot. 0985 15   pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...Prot. 0985 15   pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
Prot. 0985 15 pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
Claudio Figueiredo
 

Semelhante a Iptu (20)

Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdfAula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
Aula 01 - DEF0530 - IPTU.2018.pdf
 
Iss
IssIss
Iss
 
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Lfg iss
 
Iss puc - graduação
Iss   puc - graduaçãoIss   puc - graduação
Iss puc - graduação
 
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
ABETEL 2007 - Não Cumulatividade - Direito ao crédito de ICMS na prestação de...
 
Compet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facampCompet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facamp
 
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Lfg iss
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
ISS
ISSISS
ISS
 
Puc graduação.iss.competência
Puc   graduação.iss.competênciaPuc   graduação.iss.competência
Puc graduação.iss.competência
 
Icms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscalIcms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscal
 
Icms
IcmsIcms
Icms
 
Lei n° 594 abril 2012
Lei n° 594 abril 2012Lei n° 594 abril 2012
Lei n° 594 abril 2012
 
Tributação sobre o patrímônio
Tributação sobre o patrímônioTributação sobre o patrímônio
Tributação sobre o patrímônio
 
Compet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facampCompet~encia e imunidade_-_facamp
Compet~encia e imunidade_-_facamp
 
S iptu ufg14112012
S iptu ufg14112012S iptu ufg14112012
S iptu ufg14112012
 
Pmcmv
PmcmvPmcmv
Pmcmv
 
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
 
Prot. 0985 15 pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
Prot. 0985 15   pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...Prot. 0985 15   pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
Prot. 0985 15 pl 013-2015 - institui os instrumentos para o cumprimento da ...
 

Mais de luciapaoliello

PIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e créditoPIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e crédito
luciapaoliello
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributárioCategorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributário
luciapaoliello
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário agosto de 2014
Categorias fundamentais do planejamento tributário   agosto de 2014Categorias fundamentais do planejamento tributário   agosto de 2014
Categorias fundamentais do planejamento tributário agosto de 2014
luciapaoliello
 
Tácio lacerda gama planejamento
Tácio lacerda gama   planejamentoTácio lacerda gama   planejamento
Tácio lacerda gama planejamento
luciapaoliello
 
Princípio da Anterioridade
Princípio da AnterioridadePrincípio da Anterioridade
Princípio da Anterioridade
luciapaoliello
 
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento TributárioCategorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
luciapaoliello
 
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento TributárioCategorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
luciapaoliello
 
Aula
AulaAula
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
luciapaoliello
 
Planejamento tributário aula
Planejamento tributário   aulaPlanejamento tributário   aula
Planejamento tributário aula
luciapaoliello
 
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
luciapaoliello
 
Rmit iss
Rmit   issRmit   iss
Rmit iss
luciapaoliello
 
Cogeae planejamento tributário - 2012
Cogeae   planejamento tributário - 2012Cogeae   planejamento tributário - 2012
Cogeae planejamento tributário - 2012
luciapaoliello
 
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
luciapaoliello
 
Congresso salvador
Congresso salvadorCongresso salvador
Congresso salvador
luciapaoliello
 
Irpf – exercício para casa
Irpf – exercício para casaIrpf – exercício para casa
Irpf – exercício para casa
luciapaoliello
 
Icms – aspectos gerais fundo branco
Icms – aspectos gerais   fundo brancoIcms – aspectos gerais   fundo branco
Icms – aspectos gerais fundo branco
luciapaoliello
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
luciapaoliello
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
luciapaoliello
 
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
luciapaoliello
 

Mais de luciapaoliello (20)

PIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e créditoPIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e crédito
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributárioCategorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributário
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário agosto de 2014
Categorias fundamentais do planejamento tributário   agosto de 2014Categorias fundamentais do planejamento tributário   agosto de 2014
Categorias fundamentais do planejamento tributário agosto de 2014
 
Tácio lacerda gama planejamento
Tácio lacerda gama   planejamentoTácio lacerda gama   planejamento
Tácio lacerda gama planejamento
 
Princípio da Anterioridade
Princípio da AnterioridadePrincípio da Anterioridade
Princípio da Anterioridade
 
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento TributárioCategorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
 
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento TributárioCategorias Fundamentais do Planejamento Tributário
Categorias Fundamentais do Planejamento Tributário
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
 
Planejamento tributário aula
Planejamento tributário   aulaPlanejamento tributário   aula
Planejamento tributário aula
 
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
 
Rmit iss
Rmit   issRmit   iss
Rmit iss
 
Cogeae planejamento tributário - 2012
Cogeae   planejamento tributário - 2012Cogeae   planejamento tributário - 2012
Cogeae planejamento tributário - 2012
 
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
 
Congresso salvador
Congresso salvadorCongresso salvador
Congresso salvador
 
Irpf – exercício para casa
Irpf – exercício para casaIrpf – exercício para casa
Irpf – exercício para casa
 
Icms – aspectos gerais fundo branco
Icms – aspectos gerais   fundo brancoIcms – aspectos gerais   fundo branco
Icms – aspectos gerais fundo branco
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
 
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
 

Iptu

  • 1. IPTU - Imposto Predial e Territorial Urbano Tácio Lacerda Gama Professor da graduação e pós-graduação da PUC-SP Doutor, Mestre e Especialista em Direito Tributário Advogado
  • 2. Formas de Estudar Direito Tributário Legitimidade (Competência) Versus Apuração (RMIT) Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 3. Legitimidade Análise da Competência Tributária C = E . M [Sc . P(p1.p2.p3...)] → [S (Sa . Sp) . M(s.e.t.c)] Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 4. Critérios de análise da Legitimidade 1) Quem pode criar? 2) Como deve ser criado? 3) Sobre o que pode incidir? 4) Quais os condicionantes positivos? 5) Quais os condicionantes negativos? 6) Quais são as regras gerais? Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 5. Quem pode criar o IPTU? Enunciado Constitucional • Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre: • I - propriedade predial e territorial urbana; Efeitos imediatos • A União e os Estados não podem isentar (isenções heterônomas); • Cada município tem o seu IPTU. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 6. Como o IPTU deve ser criado? Diplomas fundamentais do IPTU Constituição Federal de 1988 Regulamentos municipais Leis Municipais Código Tributário Nacional Portarias, Resoluções, comunicados, etc. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 7. Sobre o que pode incidir o IPTU? Enunciado Constitucional Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre: I - propriedade predial e territorial urbana; Que torna o IPTU devido? • Aquisição e manutenção da propriedade predial e territorial urbana; Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 8. Sobre o que pode incidir o IPTU? CTN Art. 32. O imposto, de competência dos Municípios, sobre a propriedade predial e territorial urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município. Zona urbana é: Critério estrutural e Critério Funcional Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 9. Que é área urbana? Critério estrutural § 1º Para os efeitos deste imposto, entende-se como zona urbana a definida em lei municipal; observado o requisito mínimo da existência de melhoramentos indicados em pelo menos 2 (dois) dos incisos seguintes, construídos ou mantidos pelo Poder Público: I - meio-fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais; II - abastecimento de água; III - sistema de esgotos sanitários; IV - rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar; V - escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel considerado. § 2º A lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis, ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos termos do parágrafo anterior. Critério funcional O “Estatuto da Terra” é a norma de direito privado que positiva definição funcional de propriedade rural que seria aquela que desempenha alguma atividade extrativista animal ou vegetal. Assim, havendo propriedade utilizada para estas finalidades, ainda que localizada em “zona urbana”, será considerada zona rural para fim de tributação. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 10. TRIBUTÁRIO. IPTU. ITR. FATO GERADOR. IMÓVEL SITUADO NA ZONA URBANA. LOCALIZAÇÃO. DESTINAÇÃO. CTN, ART. 32. DECRETO-LEI N. 57/66. VIGÊNCIA. 1. Ao ser promulgado, o Código Tributário Nacional valeu-se do critério topográfico para delimitar o fato gerador do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR): se o imóvel estivesse situado na zona urbana, incidiria o IPTU; se na zona rural, incidiria o ITR. 2. Antes mesmo da entrada em vigor do CTN, o Decreto-Lei nº 57/66 alterou esse critério, estabelecendo estarem sujeitos à incidência do ITR os imóveis situados na zona rural quando utilizados em exploração vegetal, agrícola, pecuária ou agroindustrial. 3. A jurisprudência reconheceu validade ao DL 57/66, o qual, assim como o CTN, passou a ter o status de lei complementar em face da superveniente Constituição de 1967. Assim, o critério topográfico previsto no art. 32 do CTN deve ser analisado em face do comando do art. 15 do DL 57/66, de modo que não incide o IPTU quando o imóvel situado na zona urbana receber quaisquer das destinações previstas nesse diploma legal. 4. Recurso especial provido. (REsp 492869/PR, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, julgado em 15/02/2005, DJ 07/03/2005, p. 141) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama Que é área urbana?
  • 11. Que é área urbana? IMPOSTO PREDIAL. CRITÉRIO PARA A CARACTERIZAÇÃO DO IMÓVEL COMO RURAL OU COMO URBANO. A FIXAÇÃO DESSE CRITÉRIO, PARA FINS TRIBUTÁRIOS, E PRINCÍPIO GERAL DE DIREITO TRIBUTÁRIO, E, PORTANTO, SÓ PODE SER ESTABELECIDO POR LEI COMPLEMENTAR. O C.T.N. SEGUNDO A JURISPRUDÊNCIA DO S.T.F., E LEI COMPLEMENTAR. INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 6., E SEU PARAGRAFO ÚNICO DA LEI FEDERAL 5.868, DE 12 DE DEZEMBRO DE 1972, UMA VEZ QUE, NÃO SENDO LEI COMPLEMENTAR, NÃO PODERIA TER ESTABELECIDO CRITÉRIO, PARA FINS TRIBUTÁRIOS, DE CARACTERIZAÇÃO DE IMÓVEL COMO RURAL OU URBANO DIVERSO DO FIXADO NOS ARTIGOS 29 E 32 DO C.T.N. RECURSO EXTRAORDINÁRIO CONHECIDO E PROVIDO, DECLARANDO-SE A INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 6. E SEU PARAGRAFO ÚNICO DA LEI FEDERAL 5.868, DE 12 DE DEZEMBRO DE 1972. (RE 93850, Relator(a): Min. MOREIRA ALVES, TRIBUNAL PLENO, julgado em 20/05/1982, DJ 27-08-1982 PP-08180 EMENT VOL-01264-02 PP-00336 RTJ VOL-00105-01 PP-00194) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 12. Quais os condicionantes positivos à criação do IPTU? • Princípios gerais da tributação: - Legalidade (art. 150, I, CR) - Anterioridade (art. 150, III, “b” e “c”, CR) - Irretroatividade (art. 150, III, “a”, CR) - Capacidade contributiva (art. 145, 1º) - Isonomia (art. 150, I) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 13. Quais os condicionantes positivos à criação do IPTU? • Princípios específicos: - Progressividade e Seletividade - art. 156, § 1º, da CR/88: “Sem prejuízo da progressividade no tempo a que se refere o art. 182, § 4º, inciso II, o imposto previsto no inciso I poderá: I - ser progressivo em razão do valor do imóvel; e II - ter alíquotas diferentes de acordo com a localização e o uso do imóvel.” Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 14. Quais os condicionantes positivos à criação do IPTU? • Princípios específicos: - Progressividade e Seletividade: Súmula 668 do STF: É inconstitucional a lei municipal que tenha estabelecido, antes da Emenda Constitucional 29/2000, alíquotas progressivas para o IPTU, salvo se destinada a assegurar o cumprimento da função social da propriedade urbana. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 15. Progressividade de alíquotas: repercussão geral CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. IPTU. PROGRESSIVIDADE ANTERIOR À EC 29/2000. INCONSTITUCIONALIDADE. COBRANÇA COM BASE NA ALÍQUOTA MÍNIMA. RELEVÂNCIA JURÍDICA E ECONÔMICA DA QUESTÃO CONSTITUCIONAL. EXISTÊNCIA DE REPERCUSSÃO GERAL. (RE 602347 RG, Rel. Min. RICARDO LEWANDOWSKI, julgado em 22/10/2009, DJe 19.11.2009) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 16. Quais os condicionantes negativos à criação do IPTU? • Imunidades tributárias Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: VI - instituir impostos sobre: a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros; b) templos de qualquer culto; c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei; d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão. 3º - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao patrimônio, à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 17. Imunidades: Repercussão geral IMUNIDADE – SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA – ARRENDATÁRIA DE BEM DA UNIÃO – IPTU – AFASTAMENTO NA ORIGEM – RECURSO EXTRAORDINÁRIO – REPERCUSSÃO GERAL CONFIGURADA. Possui repercussão geral a controvérsia acerca da obrigatoriedade de recolhimento do IPTU, incidente em terreno localizado na área portuária de Santos, pertencente à União, pela Petróleo Brasileiro S/A – PETROBRAS, mesmo quando esta estiver na condição de arrendatária da Companhia Docas do Estado de São Paulo – CODESP. (RE 594015 RG, Rel. Min. MARCO AURÉLIO, julgado em 14/04/2011, DJe 31.05.2011) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 18. Quais os condicionantes negativos à criação do IPTU? • Imunidades tributárias Súmula 724 do STF: Ainda quando alugado a terceiros, permanece imune ao IPTU o imóvel pertencente a qualquer das entidades referidas pelo art. 150, vi, "c", da constituição, desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades essenciais de tais entidades. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 19. Apuração Análise da RMIT Hip [Cm(v.c). Ce. Ct] Cons [Cs(Sa.Sp).Cq (bc.al)] Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 20. Critérios de Análise da Apuração 1) Que torna o tributo devido? 2) Onde o tributo se torna devido? 3) Quando ele se torna devido? 4) Quem deve pagar? 5) Quem deve receber? 6) Como se calcula o que deve ser pago? Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 21. Que torna o IPTU devido? Critério Material Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama Art. 2º Constitui fato gerador do imposto predial a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel construído, localizado na zona urbana do Município. Lei Municipal SP nº 6.989/66 Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre: I - propriedade predial e territorial urbana;
  • 22. Onde o IPTU se torna devido? O IPTU se torna devido no local em que se localizar o imóvel. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 23. Quando o IPTU se torna devido? Lei Municipal nº 6.989/66 : § 1º. Considera-se ocorrido o fato gerador do Imposto Predial: I - em 1º de janeiro de cada exercício; II - no primeiro dia do mês subsequente ao que ocorrer: a) construção ou modificação de edificação que implique alteração do valor venal do imóvel, nos termos da Lei nº 10.235, de 16 de dezembro de 1986, com as alterações posteriores; b) constituição de novo terreno, sobre o qual haja edificação incorporada; c) instituição de condomínio edilício em planos horizontais ou em planos verticais. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 24. Quem deve pagar o IPTU? (art. 34 CTN) Critério Pessoal (CTN) Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama Lei Municipal SP nº 6.989/66 Art. 34. Contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil, ou o seu possuidor a qualquer título. Art. 9º Contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil. ou o seu possuidor a qualquer título. Art. 10. O imposto é devido, a critério da repartição competente: I - por quem exerça a posse direta do imóvel, semprejuízo da responsabilidade solidária dos possuidores indiretos; II - por qualquer dos possuidores indiretos, sem prejuízo da responsabilidade solidária dos demais e do possuidor direto. Parágrafo único. O disposto neste artigo, aplica- se ao espólio das pessoas nele referidas.
  • 25. Quem deve pagar o IPTU? Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama • CTN: Art. 123. Salvo disposições de lei em contrário, as convenções particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos, não podem ser opostas à Fazenda Pública, para modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações tributárias correspondentes. • Súmula STJ 399: Cabe à legislação municipal estabelecer o sujeito passivo do IPTU.
  • 26. Quem deve receber o IPTU? Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama O IPTU é devido ao Município em que se localizar o imóvel.
  • 27. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama Art. 7º O imposto calcula-se à razão de 1,0% sobre o valor venal do imóvel, para imóveis utilizados exclusiva ou predominantemente como residência. Parágrafo único. Para os efeitos de enquadramento na alíquota estabelecida nocaputdeste artigo, bem como nas faixas de desconto ou acréscimo de alíquotas previstas no artigo 8º, considera-se de uso residencial a vaga de garagem não pertencente a estacionamento comercial, localizada em prédio utilizado exclusiva ou predominantemente como residência Como se calcula o que deve ser pago? Art. 33. A base do cálculo do imposto é o valor venal do imóvel. Parágrafo único. Na determinação da base de cálculo, não se considera o valor dos bens móveis mantidos, em caráter permanente ou temporário, no imóvel, para efeito de sua utilização, exploração, aformosea mento ou comodidade. Critério Quantitativo (CTN) Lei Municipal SP nº 6.989/66
  • 28. Atualização da base de cálculo do IPTU • STJ: Súmula 160 É defeso, ao Município, atualizar o IPTU, mediante decreto, em percentual superior ao índice oficial de correção monetária. • STF: RE 648245 (repercussão geral) O reajuste do valor venal dos imóveis para fim de cálculo do IPTU não dispensa a edição de lei, a não ser no caso de correção monetária. “É cediço que os municípios não podem majorar o tributo, só atualizar valor pela correção monetária, já que não constitui aumento de tributo e não se submete a exigência de reserva legal”. Tácio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 29. Base de cálculo: repercussão geral Recurso Extraordinário. Tributo. Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana - IPTU. Majoração da base de Cálculo. Publicação de mapas de valores genéricos. Necessidade de lei em sentido formal. Repercussão geral reconhecida. Apresenta repercussão geral o recurso extraordinário que verse sobre a necessidade de lei em sentido formal para fins de atualização do valor venal de imóveis. (AI 764518 RG, Rel. Min. CEZAR PELUSO, julgado em 22/10/2009, DJe 04.02.2010) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama