SlideShare uma empresa Scribd logo
CRÉDITO TRIBUTÁRIO Profa. Helane Cabral
1. Noções gerais O crédito decorre da obrigação tributária e tem a mesma natureza desta. Só com o surgimento da obrigação tributária (que se dá com a ocorrência do fato gerador) pode o Fisco  exigir o pagamento do tributo? Pode o Fisco, diante da obrigação principal, assim como do descumprimento da obrigação acessória (que se converte em principal), fazer um lançamento, constituir um crédito a seu favor e exigir o objeto da prestação obrigacional, ou seja, o pagamento.
2. CRÉDITO TRIBUTÁRIO: conceito  É o vínculo jurídico, de natureza obrigacional, por força do qual o Estado (sujeito ativo) pode exigir do contribuinte ou responsável (sujeito passivo), o pagamento do tributo ou da penalidade pecuniária (objeto da relação obrigacional). A obrigação tributária não é afetada por nenhuma circunstância capaz de modificar o crédito tributário, sua extensão, seus efeitos, ou as garantias e privilégios a ele atribuídos, ou excluir sua exigibilidade. Ex: o lançamento pode ser nulo por falta de defesa, mas a obrigação tributária respectiva permanece intacta. Antes do lançamento existe a obrigação. A partir do lançamento surge o crédito .
Circunstâncias que podem alterar o crédito tributário Depois de constituído, somente por lei, o crédito tributário pode ser: Modificado Extinto Suspenso ou Excluído  A autoridade administrativa não pode: dispensar o seu pagamento e nem as suas garantias, sob pena de responsabilidade funcional.
3. Lançamento: conceito e objeto A Constituição do crédito tributário é de competência privativa da autoridade administrativa e se dá pelo  LANÇAMENTO . É o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, identificar o sujeito passivo, determinar a matéria tributável e calcular (ou por outra forma definir) o montante do crédito tributário, aplicando, se for o caso, a penalidade cabível (art. 142, CTN). O lançamento é ato administrativo constitutivo do crédito tributário e declaratório da obrigação correspondente.
3.1. Normas aplicáveis ao lançamento a)  No que se refere a parte substancial  ( definição da hipótese de incidência, base de cálculo, alíquota, identificação do sujeito ativo e passivo ),  aplica-se a lei em vigor na data em que se consumou a ocorrência do fato gerador da obrigação ; b) Quanto a penalidades, aplica-se a lei mais favorável ao sujeito passivo; c) Quanto aos aspectos formais (procedimento), aplica-se a lei em vigor na data do lançamento.
3.2. Fases do procedimento de lançamento a) Oficiosa – determina-se o valor do crédito e faz-se a notificação ao sujeito passivo; b) Contenciosa – abre-se a possibilidade de modificação do crédito, pelos seguintes motivos: b1) impugnação do sujeito passivo; b2) recurso de ofício; b3) iniciativa da própria autoridade administrativa
3.3. Critérios jurídicos no lançamento É possível a revisão de lançamento? Regra : a  modificação  feita de ofício ou em consequência de decisão administrativa ou judicial nos  critérios jurídicos  adotados pela autoridade administrativa durante o lançamento, só pode ser efetivada, em relação a um mesmo sujeito passivo, quanto a fato gerador ocorrido  posteriormente  à sua introdução (art. 146, CTN). Objetivo: evitar o efeito surpresa.
3.4. Modalidades de lançamento a) de ofício : O lançamento é feito por iniciativa da autoridade administrativa, independentemente de qualquer colaboração do contribuinte. Qualquer tributo pode ser lançado de ofício, desde que não tenha sido lançado regularmente em outra modalidade. Ex: IPTU e IPVA.  Características:  a) de iniciativa da autoridade tributária;  b) independe de qualquer colaboração do sujeito passivo
b) Por declaração O lançamento é feito com base na declaração fornecida pelo contribuinte ou por terceiro, quando um ou outro presta à autoridade administrativa informações quanto à matéria de fato indispensável à sua efetivação. Ex: apuração do imposto de importação decorrente de declaração do passageiro que desembarca do exterior.  Características: a) o sujeito passivo fornece informações à autoridade tributária; b) a autoridade tributária lança após receber as informações.
c) Por homologação (autolançamento) É o lançamento feito quanto aos tributos cuja legislação atribua ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade administrativa no que concerne à sua determinação. A autoridade administrativa toma conhecimento da determinação feita pelo contribuinte e homologa. Ex: IR, ICMS, IPI e ISS.  Características: a) sujeito passivo antecipa o pagamento; b) não há prévio exame da autoridade tributária; c) a autoridade tributária faz a homologação posterior;
Regras importantes 1. Se o contribuinte efetuar o pagamento antecipado extingue o crédito, sob condição resolutória da ulterior homologação. 2. Se a lei não fixar prazo à homologação, será ele de 5 anos, a contar da ocorrência do fato gerador; expirado esse prazo sem que a Fazenda Pública se tenha pronunciado, considera-se homologado e definitivamente extinto o crédito, salvo se comprovada a ocorrência de dolo, fraude ou simulação. 3. O objeto da homologação é a apuração do montante devido e não o pagamento, por isso é possível a homologação sem que tenha havido o pagamento
3.5. Revisão do lançamento O lançamento pode ser objeto de revisão, desde que seja constatado erro em sua elaboração e não esteja extinto pela  decadência do direito de lançar , que ocorre em 5 anos. A revisão pode se dar de  ofício  (por iniciativa da autoridade administrativa) e  a pedido do contribuinte  (pode configurar denúncia espontânea e não cabe a imposição de penalidade).
4. SUSPENSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO As hipóteses de suspensão do crédito tributário só alcançam a obrigação principal A exigibilidade do crédito tributário pode ser suspensa mesmo antes de sua constituição definitiva e pode ser: a) prévia, operando-se antes do surgimento da própria exigibilidade; e b) posterior, operando-se depois que o crédito está constituído e por isso mesmo exigível.
4.1. MORATÓRIA É a prorrogação do praz para pagamento do crédito tributário, com ou sem parcelamento. A concessão depende de lei, pois situa-se no campo da reserva legal. Afasta  a cobrança de multa, juros moratórios e correção monetária (art.152 a 155, CTN). Deve ser pago integralmente e não em parcelas.
a) Espécies de Moratória  a1) Geral : é concedida pelo ente federativo competente para instituir o tributo que deve determinar a região abrangida, indicar a classe ou categoria de pessoas físicas ou jurídicas. Deve resultar de previsão em lei e gera direito adquirido.
a2) Individual Deve ser requerida pelo interessado, que comprovar seu enquadramento na situação descrita na lei. É concedida por despacho da autoridade competente para fiscalizar e arrecadar o tributo e não gera direito adquirido.
A lei que concede a moratória deve prever: As condições para concessão do favor; Os tributos a que se aplica; O prazo para sua duração; Os vencimentos; As garantias a serem oferecidas pelo beneficiário para o pagamento da dívida.
O alcance da moratória Se a lei não dispuser de outro modo, a moratória abrange somente: Os créditos definitivamente constituídos à data da lei ou do despacho que a conceder; Os créditos cujo lançamento já tenha sido iniciado àquela data  e tenha sido o sujeito passivo notificado. Excluem-se: os beneficiários que agirem com dolo, fraude ou simulação.
Regras  1. A lei concessiva da moratória pode determinar que a mesma só se aplica em determinada região do território da pessoa jurídica que a expedir ou a determinada classe ou categoria de sujeitos passivos; 2. A moratória individual não gera direito adquirido e pode ser revogada de ofício, se o beneficiário deixa de satisfazer as condições legais. 3. Se a moratória for anulada o crédito torna-se exigível. 4. A moratória suspende a prescrição.
4.2. Depósito do montante integral do crédito Ocorre quando o sujeito passivo deposita o montante do crédito tributário objetivando suspender a exigibilidade do crédito porque pretende discutir judicialmente a cobrança, no todo ou em parte. Ocorre quando contribuinte entende não ser devido o tributo. Se entender que o valor devido é menor, o correto será pagar o que considera devido e depositar apenas o que entende ser indevido.
Espécies de depósito. Pode ser: a) prévio  (anterior a constituição definitiva do crédito) e não impede o lançamento, mas impede a cobrança do crédito respectivo. b) posterior  (quando feito depois do lançamento). Neste caso suspende a exigibilidade do crédito.
Importante  * Para suspender a exigibilidade do crédito, o depósito deve corresponder ao valor integral pretendido pela Fazenda Pública; * O depósito não constitui condição para que o sujeito passivo possa impugnar a exigência; Se o contribuinte for vencido na esfera administrativa, constitui-se definitivamente o crédito e o  depósito converte-se em renda  da entidade tributante, salvo se o sujeito passivo ingressar em juízo, no prazo de 30 dias. Tem a finalidade de evitar a aplicação de multa moratória, os juros moratórios e a correção monetária. O depósito pode ser feito em ação cautelar ou em ação de consignação em pagamento.
4.3. Reclamações e recursos administrativos São adotados pelo sujeito passivo que deseja discutir o crédito perante a autoridade competente para arrecadar e fiscalizar o tributo. Para suspenderem a exigibilidade do crédito devem ser feitos nos termos das leis reguladoras do procedimento administrativo, respeitando-se os prazos. São interpostos por meio de consulta ou recurso administrativo .
4.3. Reclamações e recursos administrativos São interpostos antes da constituição do crédito, pois a exigibilidade só existe quando não mais cabe recurso ou reclamação Impedem que o Fisco inscreva o crédito na Dívida Ativa. A consulta só é cabível quando não há qualquer procedimento de cobrança por parte do Fisco, mas o contribuinte não tem certeza se está sujeito ou não pagamento ou tem dúvidas quanto a aplicação da lei (cálculo, por ex.).
4.4. Medida liminar em mandado de segurança É usado quando o contribuinte entende que a cobrança é feita de forma abusiva. Como a atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, o contribuinte não precisa esperar esperar  para que se concretize o lançamento. O justo receio, a ensejar a propositura da ação, decorre do dever legal da autoridade de fazer a cobrança. Não é razoável presumir-se que a autoridade administrativa vai descumprir o seu dever.
Importante  * Na liminar em Mandado de Segurança pede-se a suspensão do ato que deu motivo ao pedido. * a liminar é sempre provisória e presta-se para manter a situação, afastando-se o ato impugnado até seu julgamento final, para evitar danos irreparáveis ou de difícil  reparação. *  A liminar vale por 90 dias, prorrogável por mais 30 dias.
4.5. Medida liminar e antecipação de tutela Produz os mesmos efeitos da liminar em sede de Mandado de Segurança.
4.6. Parcelamento É uma espécie de moratória, prevista em lei, e implica em confissão da dívida que fica com a exigibilidade suspensa até o pagamento da última parcela. O não pagamento do parcelamento implica no vencimento antecipado da dívida confessada e pode ser inscrita na dívida ativa. Não exclui a multa e  a correção monetária. A denúncia espontânea não se aplica em caso de parcelamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito civil 4
Direito civil 4Direito civil 4
Direito civil 4
Elder Leite
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
Jessica Namba
 
Títulos de Crédito
Títulos de CréditoTítulos de Crédito
Títulos de Crédito
Antonio Ap. Moro Junior
 
Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
Superprovas Software
 
Slides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional iSlides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional i
Keziah Silva Pinto
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Guido Cavalcanti
 
1.processo constitucional
1.processo constitucional1.processo constitucional
1.processo constitucional
geraldobatistajr
 
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedadeDireito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
Jordano Santos Cerqueira
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
Grupo VAHALI
 
Aula dra. fabiana 23-08-14
Aula dra. fabiana   23-08-14Aula dra. fabiana   23-08-14
Aula dra. fabiana 23-08-14
Fernanda Moreira
 
Trabalho - Direito Coletivo do Trabalho
Trabalho - Direito Coletivo do TrabalhoTrabalho - Direito Coletivo do Trabalho
Trabalho - Direito Coletivo do Trabalho
direitoturmamanha
 
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
Christian Moura Matos
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Daniel Oliveira
 
Direito das obrigações slide
Direito das obrigações slideDireito das obrigações slide
Direito das obrigações slide
Max Bortolassi Adolfo
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Direito tributário curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
Direito tributário   curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandreDireito tributário   curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
Direito tributário curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
edgardrey
 
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema RemuneratórioDireito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
Mentor Concursos
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
Pitágoras
 
Conceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontesConceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontes
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
Junior Ozono
 

Mais procurados (20)

Direito civil 4
Direito civil 4Direito civil 4
Direito civil 4
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
 
Títulos de Crédito
Títulos de CréditoTítulos de Crédito
Títulos de Crédito
 
Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
 
Slides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional iSlides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional i
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
 
1.processo constitucional
1.processo constitucional1.processo constitucional
1.processo constitucional
 
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedadeDireito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Aula dra. fabiana 23-08-14
Aula dra. fabiana   23-08-14Aula dra. fabiana   23-08-14
Aula dra. fabiana 23-08-14
 
Trabalho - Direito Coletivo do Trabalho
Trabalho - Direito Coletivo do TrabalhoTrabalho - Direito Coletivo do Trabalho
Trabalho - Direito Coletivo do Trabalho
 
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
 
Direito das obrigações slide
Direito das obrigações slideDireito das obrigações slide
Direito das obrigações slide
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Direito tributário curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
Direito tributário   curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandreDireito tributário   curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
Direito tributário curso para concursos - lfg - prof. ricardo alexandre
 
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema RemuneratórioDireito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
 
Conceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontesConceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontes
 
Modalidades das Obrigações
Modalidades das ObrigaçõesModalidades das Obrigações
Modalidades das Obrigações
 

Destaque

Obrigação tributária lançamento
Obrigação tributária lançamentoObrigação tributária lançamento
Obrigação tributária lançamento
zeramento contabil
 
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito TributárioDecadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
aldodepaulajr
 
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
ibiapinajus
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
Fabiana Del Padre Tomé
 
Ibet lançamento sp
Ibet lançamento spIbet lançamento sp
Ibet lançamento sp
Rosangela Garcia
 
Credito tributário e lançamento são paulo 23.03.12
Credito tributário e lançamento  são paulo 23.03.12Credito tributário e lançamento  são paulo 23.03.12
Credito tributário e lançamento são paulo 23.03.12
Rosangela Garcia
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
luciapaoliello
 
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de LançamentoAula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
Fernanda Moreira
 
66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario
Amanda Ribeiro
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de SáModelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Rogerio Sena
 

Destaque (13)

Obrigação tributária lançamento
Obrigação tributária lançamentoObrigação tributária lançamento
Obrigação tributária lançamento
 
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito TributárioDecadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
 
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
Aula 6 - TRIBUTÁRIO - 9o BLOCO AESPI - 2012.1
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
 
Ibet lançamento sp
Ibet lançamento spIbet lançamento sp
Ibet lançamento sp
 
Credito tributário e lançamento são paulo 23.03.12
Credito tributário e lançamento  são paulo 23.03.12Credito tributário e lançamento  são paulo 23.03.12
Credito tributário e lançamento são paulo 23.03.12
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
 
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de LançamentoAula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
Aula: Crédito Tributário, Lançamento e espécies de Lançamento
 
66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
 
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
DIREITO TRIBUTÁRIO OAB XX ESTRATÉGIA AULA 10
 
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de SáModelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
 

Semelhante a 6 - Crédito Tributário

Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
Ana Carolina Vingert
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
Priscila Souza
 
Slides pós de direito público 2011 (aula 4) 27 de agosto
Slides pós de direito público 2011 (aula 4)   27 de agostoSlides pós de direito público 2011 (aula 4)   27 de agosto
Slides pós de direito público 2011 (aula 4) 27 de agosto
Milena Sellmann
 
Tributario lcto x credito
Tributario lcto x creditoTributario lcto x credito
Tributario lcto x credito
simuladocontabil
 
66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario
Amanda Ribeiro
 
Aula 08
Aula 08Aula 08
Aula 09
Aula 09Aula 09
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
EXATA2012
 
Direito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdfDireito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdf
MateusAlmeidaMachado
 
Direito tributario simulado
Direito tributario simuladoDireito tributario simulado
Direito tributario simulado
Josue Guedes
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidiniAula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
Fernanda Moreira
 
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESAENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Julia De Menezes Nogueira
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Exercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributáriosExercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributários
nandalobao
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Fernanda Moreira
 
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
camilavergueirocatunda
 

Semelhante a 6 - Crédito Tributário (20)

Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
 
Slides pós de direito público 2011 (aula 4) 27 de agosto
Slides pós de direito público 2011 (aula 4)   27 de agostoSlides pós de direito público 2011 (aula 4)   27 de agosto
Slides pós de direito público 2011 (aula 4) 27 de agosto
 
Tributario lcto x credito
Tributario lcto x creditoTributario lcto x credito
Tributario lcto x credito
 
66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario66492448 exclusao-do-credito-tributario
66492448 exclusao-do-credito-tributario
 
Aula 08
Aula 08Aula 08
Aula 08
 
Aula 09
Aula 09Aula 09
Aula 09
 
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
 
Direito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdfDireito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdf
 
Direito tributario simulado
Direito tributario simuladoDireito tributario simulado
Direito tributario simulado
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
 
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidiniAula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
Aula do dia 30 08-14 - dra. karem jureidini
 
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESAENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Exercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributáriosExercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributários
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
 

Mais de Jessica Namba

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
Jessica Namba
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
Jessica Namba
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
Jessica Namba
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
Jessica Namba
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
Jessica Namba
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
Jessica Namba
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
Jessica Namba
 

Mais de Jessica Namba (8)

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

6 - Crédito Tributário

  • 2. 1. Noções gerais O crédito decorre da obrigação tributária e tem a mesma natureza desta. Só com o surgimento da obrigação tributária (que se dá com a ocorrência do fato gerador) pode o Fisco exigir o pagamento do tributo? Pode o Fisco, diante da obrigação principal, assim como do descumprimento da obrigação acessória (que se converte em principal), fazer um lançamento, constituir um crédito a seu favor e exigir o objeto da prestação obrigacional, ou seja, o pagamento.
  • 3. 2. CRÉDITO TRIBUTÁRIO: conceito É o vínculo jurídico, de natureza obrigacional, por força do qual o Estado (sujeito ativo) pode exigir do contribuinte ou responsável (sujeito passivo), o pagamento do tributo ou da penalidade pecuniária (objeto da relação obrigacional). A obrigação tributária não é afetada por nenhuma circunstância capaz de modificar o crédito tributário, sua extensão, seus efeitos, ou as garantias e privilégios a ele atribuídos, ou excluir sua exigibilidade. Ex: o lançamento pode ser nulo por falta de defesa, mas a obrigação tributária respectiva permanece intacta. Antes do lançamento existe a obrigação. A partir do lançamento surge o crédito .
  • 4. Circunstâncias que podem alterar o crédito tributário Depois de constituído, somente por lei, o crédito tributário pode ser: Modificado Extinto Suspenso ou Excluído A autoridade administrativa não pode: dispensar o seu pagamento e nem as suas garantias, sob pena de responsabilidade funcional.
  • 5. 3. Lançamento: conceito e objeto A Constituição do crédito tributário é de competência privativa da autoridade administrativa e se dá pelo LANÇAMENTO . É o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, identificar o sujeito passivo, determinar a matéria tributável e calcular (ou por outra forma definir) o montante do crédito tributário, aplicando, se for o caso, a penalidade cabível (art. 142, CTN). O lançamento é ato administrativo constitutivo do crédito tributário e declaratório da obrigação correspondente.
  • 6. 3.1. Normas aplicáveis ao lançamento a) No que se refere a parte substancial ( definição da hipótese de incidência, base de cálculo, alíquota, identificação do sujeito ativo e passivo ), aplica-se a lei em vigor na data em que se consumou a ocorrência do fato gerador da obrigação ; b) Quanto a penalidades, aplica-se a lei mais favorável ao sujeito passivo; c) Quanto aos aspectos formais (procedimento), aplica-se a lei em vigor na data do lançamento.
  • 7. 3.2. Fases do procedimento de lançamento a) Oficiosa – determina-se o valor do crédito e faz-se a notificação ao sujeito passivo; b) Contenciosa – abre-se a possibilidade de modificação do crédito, pelos seguintes motivos: b1) impugnação do sujeito passivo; b2) recurso de ofício; b3) iniciativa da própria autoridade administrativa
  • 8. 3.3. Critérios jurídicos no lançamento É possível a revisão de lançamento? Regra : a modificação feita de ofício ou em consequência de decisão administrativa ou judicial nos critérios jurídicos adotados pela autoridade administrativa durante o lançamento, só pode ser efetivada, em relação a um mesmo sujeito passivo, quanto a fato gerador ocorrido posteriormente à sua introdução (art. 146, CTN). Objetivo: evitar o efeito surpresa.
  • 9. 3.4. Modalidades de lançamento a) de ofício : O lançamento é feito por iniciativa da autoridade administrativa, independentemente de qualquer colaboração do contribuinte. Qualquer tributo pode ser lançado de ofício, desde que não tenha sido lançado regularmente em outra modalidade. Ex: IPTU e IPVA. Características: a) de iniciativa da autoridade tributária; b) independe de qualquer colaboração do sujeito passivo
  • 10. b) Por declaração O lançamento é feito com base na declaração fornecida pelo contribuinte ou por terceiro, quando um ou outro presta à autoridade administrativa informações quanto à matéria de fato indispensável à sua efetivação. Ex: apuração do imposto de importação decorrente de declaração do passageiro que desembarca do exterior. Características: a) o sujeito passivo fornece informações à autoridade tributária; b) a autoridade tributária lança após receber as informações.
  • 11. c) Por homologação (autolançamento) É o lançamento feito quanto aos tributos cuja legislação atribua ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade administrativa no que concerne à sua determinação. A autoridade administrativa toma conhecimento da determinação feita pelo contribuinte e homologa. Ex: IR, ICMS, IPI e ISS. Características: a) sujeito passivo antecipa o pagamento; b) não há prévio exame da autoridade tributária; c) a autoridade tributária faz a homologação posterior;
  • 12. Regras importantes 1. Se o contribuinte efetuar o pagamento antecipado extingue o crédito, sob condição resolutória da ulterior homologação. 2. Se a lei não fixar prazo à homologação, será ele de 5 anos, a contar da ocorrência do fato gerador; expirado esse prazo sem que a Fazenda Pública se tenha pronunciado, considera-se homologado e definitivamente extinto o crédito, salvo se comprovada a ocorrência de dolo, fraude ou simulação. 3. O objeto da homologação é a apuração do montante devido e não o pagamento, por isso é possível a homologação sem que tenha havido o pagamento
  • 13. 3.5. Revisão do lançamento O lançamento pode ser objeto de revisão, desde que seja constatado erro em sua elaboração e não esteja extinto pela decadência do direito de lançar , que ocorre em 5 anos. A revisão pode se dar de ofício (por iniciativa da autoridade administrativa) e a pedido do contribuinte (pode configurar denúncia espontânea e não cabe a imposição de penalidade).
  • 14. 4. SUSPENSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO As hipóteses de suspensão do crédito tributário só alcançam a obrigação principal A exigibilidade do crédito tributário pode ser suspensa mesmo antes de sua constituição definitiva e pode ser: a) prévia, operando-se antes do surgimento da própria exigibilidade; e b) posterior, operando-se depois que o crédito está constituído e por isso mesmo exigível.
  • 15. 4.1. MORATÓRIA É a prorrogação do praz para pagamento do crédito tributário, com ou sem parcelamento. A concessão depende de lei, pois situa-se no campo da reserva legal. Afasta a cobrança de multa, juros moratórios e correção monetária (art.152 a 155, CTN). Deve ser pago integralmente e não em parcelas.
  • 16. a) Espécies de Moratória a1) Geral : é concedida pelo ente federativo competente para instituir o tributo que deve determinar a região abrangida, indicar a classe ou categoria de pessoas físicas ou jurídicas. Deve resultar de previsão em lei e gera direito adquirido.
  • 17. a2) Individual Deve ser requerida pelo interessado, que comprovar seu enquadramento na situação descrita na lei. É concedida por despacho da autoridade competente para fiscalizar e arrecadar o tributo e não gera direito adquirido.
  • 18. A lei que concede a moratória deve prever: As condições para concessão do favor; Os tributos a que se aplica; O prazo para sua duração; Os vencimentos; As garantias a serem oferecidas pelo beneficiário para o pagamento da dívida.
  • 19. O alcance da moratória Se a lei não dispuser de outro modo, a moratória abrange somente: Os créditos definitivamente constituídos à data da lei ou do despacho que a conceder; Os créditos cujo lançamento já tenha sido iniciado àquela data e tenha sido o sujeito passivo notificado. Excluem-se: os beneficiários que agirem com dolo, fraude ou simulação.
  • 20. Regras 1. A lei concessiva da moratória pode determinar que a mesma só se aplica em determinada região do território da pessoa jurídica que a expedir ou a determinada classe ou categoria de sujeitos passivos; 2. A moratória individual não gera direito adquirido e pode ser revogada de ofício, se o beneficiário deixa de satisfazer as condições legais. 3. Se a moratória for anulada o crédito torna-se exigível. 4. A moratória suspende a prescrição.
  • 21. 4.2. Depósito do montante integral do crédito Ocorre quando o sujeito passivo deposita o montante do crédito tributário objetivando suspender a exigibilidade do crédito porque pretende discutir judicialmente a cobrança, no todo ou em parte. Ocorre quando contribuinte entende não ser devido o tributo. Se entender que o valor devido é menor, o correto será pagar o que considera devido e depositar apenas o que entende ser indevido.
  • 22. Espécies de depósito. Pode ser: a) prévio (anterior a constituição definitiva do crédito) e não impede o lançamento, mas impede a cobrança do crédito respectivo. b) posterior (quando feito depois do lançamento). Neste caso suspende a exigibilidade do crédito.
  • 23. Importante * Para suspender a exigibilidade do crédito, o depósito deve corresponder ao valor integral pretendido pela Fazenda Pública; * O depósito não constitui condição para que o sujeito passivo possa impugnar a exigência; Se o contribuinte for vencido na esfera administrativa, constitui-se definitivamente o crédito e o depósito converte-se em renda da entidade tributante, salvo se o sujeito passivo ingressar em juízo, no prazo de 30 dias. Tem a finalidade de evitar a aplicação de multa moratória, os juros moratórios e a correção monetária. O depósito pode ser feito em ação cautelar ou em ação de consignação em pagamento.
  • 24. 4.3. Reclamações e recursos administrativos São adotados pelo sujeito passivo que deseja discutir o crédito perante a autoridade competente para arrecadar e fiscalizar o tributo. Para suspenderem a exigibilidade do crédito devem ser feitos nos termos das leis reguladoras do procedimento administrativo, respeitando-se os prazos. São interpostos por meio de consulta ou recurso administrativo .
  • 25. 4.3. Reclamações e recursos administrativos São interpostos antes da constituição do crédito, pois a exigibilidade só existe quando não mais cabe recurso ou reclamação Impedem que o Fisco inscreva o crédito na Dívida Ativa. A consulta só é cabível quando não há qualquer procedimento de cobrança por parte do Fisco, mas o contribuinte não tem certeza se está sujeito ou não pagamento ou tem dúvidas quanto a aplicação da lei (cálculo, por ex.).
  • 26. 4.4. Medida liminar em mandado de segurança É usado quando o contribuinte entende que a cobrança é feita de forma abusiva. Como a atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, o contribuinte não precisa esperar esperar para que se concretize o lançamento. O justo receio, a ensejar a propositura da ação, decorre do dever legal da autoridade de fazer a cobrança. Não é razoável presumir-se que a autoridade administrativa vai descumprir o seu dever.
  • 27. Importante * Na liminar em Mandado de Segurança pede-se a suspensão do ato que deu motivo ao pedido. * a liminar é sempre provisória e presta-se para manter a situação, afastando-se o ato impugnado até seu julgamento final, para evitar danos irreparáveis ou de difícil reparação. * A liminar vale por 90 dias, prorrogável por mais 30 dias.
  • 28. 4.5. Medida liminar e antecipação de tutela Produz os mesmos efeitos da liminar em sede de Mandado de Segurança.
  • 29. 4.6. Parcelamento É uma espécie de moratória, prevista em lei, e implica em confissão da dívida que fica com a exigibilidade suspensa até o pagamento da última parcela. O não pagamento do parcelamento implica no vencimento antecipado da dívida confessada e pode ser inscrita na dívida ativa. Não exclui a multa e a correção monetária. A denúncia espontânea não se aplica em caso de parcelamento.