SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Dra. Adriana Dantas
UERGS,Vacaria, RS

 Enzimas são um grupo de substâncias orgânicas de
natureza geralmente proteica;
 Atividade intra ou extracelular;
 Funções catalisadoras, ou seja, catalisam reações
químicas que, sem a sua presença, aconteceriam a
uma velocidade demasiado baixa;
 A capacidade catalítica das enzimas torna-as
adequadas para uso na indústria de alimentos.
Introdução
 Iniciaram os estudos sobre digestão dos alimentos;
 Em 1831, o químico sueco Jöns Jacob Berzelius (1779-1848)
 constatou que certas substâncias continham uma “força catalítica”
 permitia acelerar determinadas reações.
História
Jöns Jacob Berzelius (1779-1848
• Os químicos franceses Anselme Payen (1795-1871) e
Jean-François Persoz (1805-1868);
• encontraram uma substância termolábil no precipitado
do álcool, extrato de malte, que convertia amido em
açúcar,
• primeiramente, chamada de diastase e, mais tarde,
denominada amilase;
• A primeira teoria sobre enzimas foi publicada em 1835
por Berzelius.

 Descreveu a Fermentação do açúcar em álcool pela levedura era catalisada por
fermentos
 Postulando que esses fermentos (as enzimas) eram inseparáveis da
estrutura das células vivas do levedo;
 Estabeleceu o conceito de que as enzimas eram células vivas.
Químico francês Louis Pasteur
(1822-1895)
Louis Pasteur (1822-1895)
Justus von Liebig (1803-1873)
• Químico alemão Justus von Liebig (1803-1873)
afirmou que a fermentação era provocada por
substâncias químicas.
• Denominação enzima [do grego énsimo (ενζυμο),
formado de én = em e simo = fermento ou
levedura] foi dada, em 1878, pelo fisiologista
alemão Alexander Friedrich Khune.

 Enzimas são proteínas, polímeros de cadeia longa com aminoácidos
sucessivamente ligados uns aos outros através de ligações peptídicas em uma
sequência determinada geneticamente, que apresentam atividade catalítica.
 As enzimas são catalisadores das reações bioquímicas, isto é, atuam tornando
possível uma nova reação com energia de ativação menor.
 Isso significa que simplesmente com a sua presença e sem serem consumidas
durante o processo, as enzimas conseguem acelerar os processos bioquímicos.
 A eficiência das enzimas como catalisadores é medida pelo número de
transformações moleculares, que é explicada pelo número de moléculas de
substrato que uma enzima converte por unidade de tempo.
Definição

 As enzimas são sintetizadas por células vivas e atuam em quase todas as reações
químicas do metabolismo dos organismos vivos e,
 Presentes nos vários alimentos, atuando na hidrólise do material alimentício em
compostos mais simples
 por exemplo, as lipases que hidrolisam as gorduras sem glicerol e ácidos graxos, e as amilases que
hidrolisam amido em açúcares mais simples.
 As enzimas convertem uma substância, chamada de substrato, em outra
denominada produto, e são extremamente específicas para a reação que catalisam.
 Isso significa que, em geral, uma enzima catalisa um e só um tipo de reação química.

 Uma enzima é uma proteína que catalisa ou acelera uma reação
biológica.
 Pode ser definida como um biocatalisador
 A natureza proteica determina a presença de certas propriedades tais como especificidade
de substrato, dependência da temperatura e dependência do pH.
 As enzimas são específicas
 Hidrolisam e sintetizam um composto em particular.
 Esta especificidade é devido ao sítio ativo
 parte da enzima que a difere da proteína, é capaz de se ligar a moléculas
denominadas substrato formando o complexo enzima-substrato
 A chave é o substrato, ajusta-se à fechadura, no caso a enzima, de modo
que cada enzima aja sobre um número muito limitado de compostos.
Teoria da chave-fechadura
Emil Fischer

 Enzima E reage com o substrato S formando um composto
intermediário conhecido como complexo ativado instável enzima-
substrato ES
 Se decompõe em enzima E e o produto de reação P.
 E + S ↔ ES → E + P
 A quantidade de enzima exigida no processo é pequena e não influi na
variação energética da reação.
 A cinética da reação é influenciada pela concentração do substrato e da
enzima.
Cinética da Reação
Michaelis e Menten

 A velocidade da reação aumenta com o aumento da
concentração de enzima para uma mesma concentração
de substrato.
 Se a concentração do substrato é baixa, temos uma
subutilização do sítio ativo da enzima e,
consequentemente, pouco produto é formado.
 Com o aumento da concentração do substrato, a reação
tende a atingir sua velocidade máxima, isto é, produzir a
máxima quantidade de produto para uma quantidade de
enzima pré-determinada- temos assim, uma reação
saturada.
Velocidade da reação enzimática

 A maioria das enzimas apresenta melhor desempenho em temperaturas que
variam de 30°C a 70°C e com valores de pH próximos à neutralidade (pH ≅ 7).
 Em geral, pode-se dizer que nenhuma enzima resiste por muito tempo à temperaturas
superiores a 100°C.
 A velocidade da reação duplica com o aumento de 10°C na temperatura da reação.
 Nas reações enzimáticas, a velocidade aumenta com a temperatura, até atingir
uma velocidade máxima, a partir da qual começa a decrescer.
 Enzimas reagem muito lentamente nas temperaturas de subcongelamento;
 Sua atividade aumenta com o aumento da temperatura até atingir uma
atividade ótima em temperaturas ao redor de 45°C, além das quais começa a
sua inativação.
Temperatura

 A ação catalítica de uma reação enzimática é alcançada dentro de limites muito
estreitos de pH.
 Cada reação tem um pH ótimo, que para a maioria das enzimas se situa entre
4,5 e 8,0, e no qual a enzima apresenta sua atividade máxima.
 O valor do pH ótimo varia de acordo com as várias enzimas e os diferentes
substratos sobre os quais atuam (veja Tabela I).
 Valores baixos ou altos de pH podem causar desnaturação proteica e inativação
enzimática.
pH
Importante:
Saber em que faixa de pH da enzima
é mais estável, já que o pH de
máxima estabilidade nem sempre
coincide com o de máxima atividade.

pH das enzimas

 Transdução de sinais e na regulação celular;
 Gerar movimento, ex. miosina que hidroliza ATP, gerando contrações musculares.
 Movimentam carga através da célula, pela ação do citoesqueleto.
 Algumas enzimas são ATPases (funcionam como bombas iônicas)
 se localizam na membrana celular, envolvidas do processo de transporte ativo.
 funções exóticas, como é o caso da luciferase que gera luz nos pirilampos;
 Vírus contém enzimas que auxiliam na infecção de células:
 HIV - integrase e transcriptase reversa
 Ou na libertação celular de vírus:
 neuraminidase no vírus influenza
 Uma importante função das enzimas tem lugar no sistema digestivo dos animais.
 Enzimas como as amilases e proteases quebram grandes moléculas, como o amido e proteínas,
respectivamente, em moléculas de menores dimensões, de maneira que estas possam ser absorvidas
no intestino.
 O amido não é absorvível no intestino, mas as enzimas hidrolizam as cadeias de amido em
moléculas menores, tais como a maltose e a glucose, podendo desta maneira serem absorvidas.
Funções
biológicas
 Diferentes enzimas atuam sobre diferentes tipos de alimentos.
 Nos ruminantes, que possuem uma dieta herbívora, bactérias no sistema digestivo produzem uma
enzima denominada celulase, que quebra as paredes celulares das células vegetais.
 As enzimas podem trabalhar em conjunto, seguindo uma ordem de atuação específica.
 Desta maneira podem formar vias metabólicas.
 Nestas vias, uma enzima processa o produto da ação de outra enzima, como o seu substrato.
 Após a reação catalítica, o produto é entregue a outra enzima.
 Mais do que uma enzima pode catalisar a mesma reação, em paralelo.
 As enzimas determinam os passos que ocorrem nessas vias metabólicas.
 Sem a presença de enzimas, o metabolismo não progride através dos mesmos passos, nem é
suficientemente rápido para que sirva as necessidades da célula.
 Uma via metabólica importante como a glicólise não poderia existir sem a presença de enzimas.
 A glucose, por exemplo, pode reagir diretamente com o ATP para dar origem a um produto fosforilado em um ou
mais carbonos.
 Na ausência de enzimas, este processo é tão lento que se torna insignificante.
Funções metabólicas

 Enzyme Commision (EC) propôs uma identificação
para cada enzima
 São colocados dígitos – A, B, C e D após símbolo EC
 A: representa o tipo de reação
 B: significa o subtipo, indicando o tipo de substrato
ou molécula a ser transferida;
 C: indica a natureza do co-substrato;
 D: é o numero individual da enzima.
Identificação das enzimas

 As enzimas podem ser classificadas de acordo com vários critérios.
 O mais importante foi estabelecido pela União Internacional de Bioquímica
(IUB), e estabelece seis classes:
Classificação

Aplicações nos Setores Industriais

Mercado Mundial das Enzimas
Mercado global de
enzimas industriais
saltou de US$ 300
milhões na década de
80 para a
impressionante cifra
de US$ 1,6 bilhões no
final da década de 90.

 A indústria alimentícia é uma das principais beneficiárias das enzimas;
 Tornam os alimentos mais saborosos, nutritivos, digestivos e até mais
bonitos
 A enzima amilase maltogênica, permite a fabricação de pães mais macios e volumosos
com sabor e aroma mais agradáveis e que permanecem frescos por muito mais tempo.
 A enzima quimosina permite a coagulação do leite para a produção dos mais variados
tipos de queijo
 A enzima beta-glicanase dá um tom mais atrativo à cerveja, deixando-a mais clara,
com um tom dourado.
 Em geral, as enzimas são consideradas como auxiliares no
processamento de alimentos.
 Não são consideradas como aditivos alimentares, ao contrário de
adoçantes, espessantes, antioxidantes, etc.
As enzimas e a indústria de alimentos

 De acordo com a sua origem, as enzimas podem ser classificadas em enzimas microbianas,
enzimas de origem animal e enzimas de origem vegetal.
São classificadas

 As principais vantagens de se utilizar células microbianas
como fontes de enzimas
 são a obtenção de elevadas concentrações de enzimas através
de manipulação genética
 ajuste das condições de cultivo, fácil e rápida triagem de
microrganismos super produtores,
 ciclos de fermentação curtos
 uso de meios de fermentação de baixo custo
 diversidade de enzimas que catalisam a mesma reação
 flexibilidade nas condições de uso.
As enzimas e a indústria de alimentos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
Gabriela Bruno
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Propriedades da água
Propriedades da águaPropriedades da água
Propriedades da água
Tales Junior
 
Proteínas
Proteínas   Proteínas
Proteínas
Mariana Lopes
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
Rebeca Vale
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Gabii Cardoso
 
Sais minerais.
Sais minerais.Sais minerais.
Sais minerais.
Lara Lídia
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
Tércio De Santana
 
ÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAISÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAIS
isabelalexandrapinto
 
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
Naisa Leal
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
Carla Nascimento
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
emanuel
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Fernando Mori Miyazawa
 
Aminoacidos
AminoacidosAminoacidos
Aminoacidos
DANIELLE BORGES
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratos
Tatiana Santos
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
Cláudia Moura
 
II. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídiosII. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídios
Rebeca Vale
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
Ronnie Carlos Lourenço
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Propriedades da água
Propriedades da águaPropriedades da água
Propriedades da água
 
Proteínas
Proteínas   Proteínas
Proteínas
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Sais minerais.
Sais minerais.Sais minerais.
Sais minerais.
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 
ÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAISÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAIS
 
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
 
Aminoacidos
AminoacidosAminoacidos
Aminoacidos
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratos
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
II. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídiosII. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídios
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 

Destaque

Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
UERGS
 
PROTEASE
PROTEASEPROTEASE
PROTEASE
Ivanise Queiroz
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
UERGS
 
Proteínas I e II
Proteínas I e IIProteínas I e II
Proteínas I e II
Camila Carvalho
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
igoraps
 
3 os microrganismos e os alimentos
3 os microrganismos e os alimentos3 os microrganismos e os alimentos
3 os microrganismos e os alimentos
Marlos Nogueira
 
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem MicrobianaProteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
Rianne Balbino
 
QuíM. De Alim. I Carboidratos Ii E Iii
QuíM. De Alim. I   Carboidratos Ii E IiiQuíM. De Alim. I   Carboidratos Ii E Iii
QuíM. De Alim. I Carboidratos Ii E Iii
Ricardo Stefani
 
Enzimas partte 3
Enzimas partte 3Enzimas partte 3
Enzimas partte 3
Ricardo Stefani
 
Voltametria e polarografia
Voltametria e polarografiaVoltametria e polarografia
Voltametria e polarografia
brunolafaetisantosesilva
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Micro
llillianna
 
Enzimas 3
Enzimas 3Enzimas 3
Enzimas 3
Ricardo Stefani
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Rossana Martins
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Eduardo Tibali
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
Gabi Campos
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
Adna Myrella
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
UERGS
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
Wendell Moura
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
krirocha
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
Ligia Coppetti
 

Destaque (20)

Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
 
PROTEASE
PROTEASEPROTEASE
PROTEASE
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
 
Proteínas I e II
Proteínas I e IIProteínas I e II
Proteínas I e II
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
3 os microrganismos e os alimentos
3 os microrganismos e os alimentos3 os microrganismos e os alimentos
3 os microrganismos e os alimentos
 
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem MicrobianaProteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
Proteínas, Enzimas e Aminoácidos de Origem Microbiana
 
QuíM. De Alim. I Carboidratos Ii E Iii
QuíM. De Alim. I   Carboidratos Ii E IiiQuíM. De Alim. I   Carboidratos Ii E Iii
QuíM. De Alim. I Carboidratos Ii E Iii
 
Enzimas partte 3
Enzimas partte 3Enzimas partte 3
Enzimas partte 3
 
Voltametria e polarografia
Voltametria e polarografiaVoltametria e polarografia
Voltametria e polarografia
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Micro
 
Enzimas 3
Enzimas 3Enzimas 3
Enzimas 3
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
 

Semelhante a Enzimas

Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
URCA
 
Oxidoredutases
OxidoredutasesOxidoredutases
Oxidoredutases
Kelly Mühl
 
Portfolio enzimas
Portfolio enzimasPortfolio enzimas
Portfolio enzimas
Amade Zambujal
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
Leonor Vaz Pereira
 
Proteínas enzimas
Proteínas  enzimasProteínas  enzimas
Proteínas enzimas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Enzimas.
Enzimas.Enzimas.
Enzimas.
jessicaanjos
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
igoraps
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Catir
 
2 aula- enzimas.pdf
2 aula- enzimas.pdf2 aula- enzimas.pdf
2 aula- enzimas.pdf
ThaynaChampedaSilva1
 
As Enzimas
As EnzimasAs Enzimas
As Enzimas
Adriana Alves
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Metabolismo de construção ii aulas 16 e 17
Metabolismo de construção ii   aulas 16 e 17Metabolismo de construção ii   aulas 16 e 17
Metabolismo de construção ii aulas 16 e 17
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
enzimas-regulatorias.pdf
enzimas-regulatorias.pdfenzimas-regulatorias.pdf
enzimas-regulatorias.pdf
MaxmilianoDenitoRaim
 
bioethics-masters-degree.pptx
bioethics-masters-degree.pptxbioethics-masters-degree.pptx
bioethics-masters-degree.pptx
KarinyRocha4
 
Biologia - Proteínas ( Enzimas)
Biologia - Proteínas ( Enzimas)Biologia - Proteínas ( Enzimas)
Biologia - Proteínas ( Enzimas)
Carson Souza
 
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietéticaAula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
SamantaFrancelino
 
ENZIMAS.pdf
ENZIMAS.pdfENZIMAS.pdf
Estrutura das enzimas
Estrutura das enzimasEstrutura das enzimas
Estrutura das enzimas
orlandonunes
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
guest5d7719
 

Semelhante a Enzimas (20)

Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Oxidoredutases
OxidoredutasesOxidoredutases
Oxidoredutases
 
Portfolio enzimas
Portfolio enzimasPortfolio enzimas
Portfolio enzimas
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
 
Proteínas enzimas
Proteínas  enzimasProteínas  enzimas
Proteínas enzimas
 
Enzimas.
Enzimas.Enzimas.
Enzimas.
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
2 aula- enzimas.pdf
2 aula- enzimas.pdf2 aula- enzimas.pdf
2 aula- enzimas.pdf
 
As Enzimas
As EnzimasAs Enzimas
As Enzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Metabolismo de construção ii aulas 16 e 17
Metabolismo de construção ii   aulas 16 e 17Metabolismo de construção ii   aulas 16 e 17
Metabolismo de construção ii aulas 16 e 17
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
enzimas-regulatorias.pdf
enzimas-regulatorias.pdfenzimas-regulatorias.pdf
enzimas-regulatorias.pdf
 
bioethics-masters-degree.pptx
bioethics-masters-degree.pptxbioethics-masters-degree.pptx
bioethics-masters-degree.pptx
 
Biologia - Proteínas ( Enzimas)
Biologia - Proteínas ( Enzimas)Biologia - Proteínas ( Enzimas)
Biologia - Proteínas ( Enzimas)
 
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietéticaAula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
Aula enzimas. bioquímica l módulo para nutrição e dietética
 
ENZIMAS.pdf
ENZIMAS.pdfENZIMAS.pdf
ENZIMAS.pdf
 
Estrutura das enzimas
Estrutura das enzimasEstrutura das enzimas
Estrutura das enzimas
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 

Mais de UERGS

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
UERGS
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
UERGS
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
UERGS
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
UERGS
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
UERGS
 
Conservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturasConservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturas
UERGS
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
UERGS
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
UERGS
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
UERGS
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
UERGS
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
UERGS
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
UERGS
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
UERGS
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
UERGS
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
UERGS
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
UERGS
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 

Mais de UERGS (20)

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
 
Conservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturasConservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturas
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 

Enzimas

  • 1. Prof. Dra. Adriana Dantas UERGS,Vacaria, RS
  • 2.   Enzimas são um grupo de substâncias orgânicas de natureza geralmente proteica;  Atividade intra ou extracelular;  Funções catalisadoras, ou seja, catalisam reações químicas que, sem a sua presença, aconteceriam a uma velocidade demasiado baixa;  A capacidade catalítica das enzimas torna-as adequadas para uso na indústria de alimentos. Introdução
  • 3.  Iniciaram os estudos sobre digestão dos alimentos;  Em 1831, o químico sueco Jöns Jacob Berzelius (1779-1848)  constatou que certas substâncias continham uma “força catalítica”  permitia acelerar determinadas reações. História Jöns Jacob Berzelius (1779-1848 • Os químicos franceses Anselme Payen (1795-1871) e Jean-François Persoz (1805-1868); • encontraram uma substância termolábil no precipitado do álcool, extrato de malte, que convertia amido em açúcar, • primeiramente, chamada de diastase e, mais tarde, denominada amilase; • A primeira teoria sobre enzimas foi publicada em 1835 por Berzelius.
  • 4.   Descreveu a Fermentação do açúcar em álcool pela levedura era catalisada por fermentos  Postulando que esses fermentos (as enzimas) eram inseparáveis da estrutura das células vivas do levedo;  Estabeleceu o conceito de que as enzimas eram células vivas. Químico francês Louis Pasteur (1822-1895) Louis Pasteur (1822-1895) Justus von Liebig (1803-1873) • Químico alemão Justus von Liebig (1803-1873) afirmou que a fermentação era provocada por substâncias químicas. • Denominação enzima [do grego énsimo (ενζυμο), formado de én = em e simo = fermento ou levedura] foi dada, em 1878, pelo fisiologista alemão Alexander Friedrich Khune.
  • 5.   Enzimas são proteínas, polímeros de cadeia longa com aminoácidos sucessivamente ligados uns aos outros através de ligações peptídicas em uma sequência determinada geneticamente, que apresentam atividade catalítica.  As enzimas são catalisadores das reações bioquímicas, isto é, atuam tornando possível uma nova reação com energia de ativação menor.  Isso significa que simplesmente com a sua presença e sem serem consumidas durante o processo, as enzimas conseguem acelerar os processos bioquímicos.  A eficiência das enzimas como catalisadores é medida pelo número de transformações moleculares, que é explicada pelo número de moléculas de substrato que uma enzima converte por unidade de tempo. Definição
  • 6.   As enzimas são sintetizadas por células vivas e atuam em quase todas as reações químicas do metabolismo dos organismos vivos e,  Presentes nos vários alimentos, atuando na hidrólise do material alimentício em compostos mais simples  por exemplo, as lipases que hidrolisam as gorduras sem glicerol e ácidos graxos, e as amilases que hidrolisam amido em açúcares mais simples.  As enzimas convertem uma substância, chamada de substrato, em outra denominada produto, e são extremamente específicas para a reação que catalisam.  Isso significa que, em geral, uma enzima catalisa um e só um tipo de reação química.
  • 7.   Uma enzima é uma proteína que catalisa ou acelera uma reação biológica.  Pode ser definida como um biocatalisador  A natureza proteica determina a presença de certas propriedades tais como especificidade de substrato, dependência da temperatura e dependência do pH.  As enzimas são específicas  Hidrolisam e sintetizam um composto em particular.  Esta especificidade é devido ao sítio ativo  parte da enzima que a difere da proteína, é capaz de se ligar a moléculas denominadas substrato formando o complexo enzima-substrato  A chave é o substrato, ajusta-se à fechadura, no caso a enzima, de modo que cada enzima aja sobre um número muito limitado de compostos. Teoria da chave-fechadura Emil Fischer
  • 8.   Enzima E reage com o substrato S formando um composto intermediário conhecido como complexo ativado instável enzima- substrato ES  Se decompõe em enzima E e o produto de reação P.  E + S ↔ ES → E + P  A quantidade de enzima exigida no processo é pequena e não influi na variação energética da reação.  A cinética da reação é influenciada pela concentração do substrato e da enzima. Cinética da Reação Michaelis e Menten
  • 9.   A velocidade da reação aumenta com o aumento da concentração de enzima para uma mesma concentração de substrato.  Se a concentração do substrato é baixa, temos uma subutilização do sítio ativo da enzima e, consequentemente, pouco produto é formado.  Com o aumento da concentração do substrato, a reação tende a atingir sua velocidade máxima, isto é, produzir a máxima quantidade de produto para uma quantidade de enzima pré-determinada- temos assim, uma reação saturada. Velocidade da reação enzimática
  • 10.   A maioria das enzimas apresenta melhor desempenho em temperaturas que variam de 30°C a 70°C e com valores de pH próximos à neutralidade (pH ≅ 7).  Em geral, pode-se dizer que nenhuma enzima resiste por muito tempo à temperaturas superiores a 100°C.  A velocidade da reação duplica com o aumento de 10°C na temperatura da reação.  Nas reações enzimáticas, a velocidade aumenta com a temperatura, até atingir uma velocidade máxima, a partir da qual começa a decrescer.  Enzimas reagem muito lentamente nas temperaturas de subcongelamento;  Sua atividade aumenta com o aumento da temperatura até atingir uma atividade ótima em temperaturas ao redor de 45°C, além das quais começa a sua inativação. Temperatura
  • 11.   A ação catalítica de uma reação enzimática é alcançada dentro de limites muito estreitos de pH.  Cada reação tem um pH ótimo, que para a maioria das enzimas se situa entre 4,5 e 8,0, e no qual a enzima apresenta sua atividade máxima.  O valor do pH ótimo varia de acordo com as várias enzimas e os diferentes substratos sobre os quais atuam (veja Tabela I).  Valores baixos ou altos de pH podem causar desnaturação proteica e inativação enzimática. pH Importante: Saber em que faixa de pH da enzima é mais estável, já que o pH de máxima estabilidade nem sempre coincide com o de máxima atividade.
  • 13.   Transdução de sinais e na regulação celular;  Gerar movimento, ex. miosina que hidroliza ATP, gerando contrações musculares.  Movimentam carga através da célula, pela ação do citoesqueleto.  Algumas enzimas são ATPases (funcionam como bombas iônicas)  se localizam na membrana celular, envolvidas do processo de transporte ativo.  funções exóticas, como é o caso da luciferase que gera luz nos pirilampos;  Vírus contém enzimas que auxiliam na infecção de células:  HIV - integrase e transcriptase reversa  Ou na libertação celular de vírus:  neuraminidase no vírus influenza  Uma importante função das enzimas tem lugar no sistema digestivo dos animais.  Enzimas como as amilases e proteases quebram grandes moléculas, como o amido e proteínas, respectivamente, em moléculas de menores dimensões, de maneira que estas possam ser absorvidas no intestino.  O amido não é absorvível no intestino, mas as enzimas hidrolizam as cadeias de amido em moléculas menores, tais como a maltose e a glucose, podendo desta maneira serem absorvidas. Funções biológicas
  • 14.  Diferentes enzimas atuam sobre diferentes tipos de alimentos.  Nos ruminantes, que possuem uma dieta herbívora, bactérias no sistema digestivo produzem uma enzima denominada celulase, que quebra as paredes celulares das células vegetais.  As enzimas podem trabalhar em conjunto, seguindo uma ordem de atuação específica.  Desta maneira podem formar vias metabólicas.  Nestas vias, uma enzima processa o produto da ação de outra enzima, como o seu substrato.  Após a reação catalítica, o produto é entregue a outra enzima.  Mais do que uma enzima pode catalisar a mesma reação, em paralelo.  As enzimas determinam os passos que ocorrem nessas vias metabólicas.  Sem a presença de enzimas, o metabolismo não progride através dos mesmos passos, nem é suficientemente rápido para que sirva as necessidades da célula.  Uma via metabólica importante como a glicólise não poderia existir sem a presença de enzimas.  A glucose, por exemplo, pode reagir diretamente com o ATP para dar origem a um produto fosforilado em um ou mais carbonos.  Na ausência de enzimas, este processo é tão lento que se torna insignificante. Funções metabólicas
  • 15.   Enzyme Commision (EC) propôs uma identificação para cada enzima  São colocados dígitos – A, B, C e D após símbolo EC  A: representa o tipo de reação  B: significa o subtipo, indicando o tipo de substrato ou molécula a ser transferida;  C: indica a natureza do co-substrato;  D: é o numero individual da enzima. Identificação das enzimas
  • 16.   As enzimas podem ser classificadas de acordo com vários critérios.  O mais importante foi estabelecido pela União Internacional de Bioquímica (IUB), e estabelece seis classes: Classificação
  • 18.  Mercado Mundial das Enzimas Mercado global de enzimas industriais saltou de US$ 300 milhões na década de 80 para a impressionante cifra de US$ 1,6 bilhões no final da década de 90.
  • 19.   A indústria alimentícia é uma das principais beneficiárias das enzimas;  Tornam os alimentos mais saborosos, nutritivos, digestivos e até mais bonitos  A enzima amilase maltogênica, permite a fabricação de pães mais macios e volumosos com sabor e aroma mais agradáveis e que permanecem frescos por muito mais tempo.  A enzima quimosina permite a coagulação do leite para a produção dos mais variados tipos de queijo  A enzima beta-glicanase dá um tom mais atrativo à cerveja, deixando-a mais clara, com um tom dourado.  Em geral, as enzimas são consideradas como auxiliares no processamento de alimentos.  Não são consideradas como aditivos alimentares, ao contrário de adoçantes, espessantes, antioxidantes, etc. As enzimas e a indústria de alimentos
  • 20.   De acordo com a sua origem, as enzimas podem ser classificadas em enzimas microbianas, enzimas de origem animal e enzimas de origem vegetal. São classificadas
  • 21.   As principais vantagens de se utilizar células microbianas como fontes de enzimas  são a obtenção de elevadas concentrações de enzimas através de manipulação genética  ajuste das condições de cultivo, fácil e rápida triagem de microrganismos super produtores,  ciclos de fermentação curtos  uso de meios de fermentação de baixo custo  diversidade de enzimas que catalisam a mesma reação  flexibilidade nas condições de uso. As enzimas e a indústria de alimentos