SlideShare uma empresa Scribd logo
TÓPICOS ESPECIAIS
BIODIESEL
Prof. Dra. Adriana Dantas
ENGENHARIA DE BIOTECNOLOGIA E BIOPROCESSOS
UERGS, Bento Gonçalves, RS
14/03/2016
INTRODUÇÃO
• O Biodiesel é um biocombustível derivado de
fontes renováveis como óleos vegetais, gordura
animal, óleos e gorduras residuais
• Na presença de um catalisador, reagem com o
álcool etílico ou metílico, resultando em um
combustível de alta qualidade e grande potencial
na substituição de óleo diesel.
PRIMEIROS ENSAIOS DE APLICABILIDADE
• O lançamento do PRODIESEL, feito após exaustivos testes de aplicabilidade
realizados ao longo dos anos de 1979 e 1980
• financiada pela FINEP apoio do Ministério da Aeronáutica.
• Fabricações sistemáticas de um novo combustível, implantou uma unidade piloto
industrial com a capacidade produtiva de 200 litros por hora de biodiesel.
• MATÉRIAS PRIMAS ENSAIADAS
• Diversificadas matérias primas foram empregadas na produção do diesel vegetal, onde se
incluem os óleos de soja, de babaçu, de amendoim, de algodão, de colza, de girassol, de
dendê, entre outras.
BIODIESEL DE MARACUJÁ
• Um fato curioso e pitoresco que merece destaque foi a produção de diesel
vegetal a partir de óleo de semente de maracujá
• Foi encomenda da AGROLUSA – Agro-industrial Luiz Guimarães SA, que
produzia grandes quantidades de suco desta fruta.
• Foi estabelecido um programa de produção de 1.000 litros por semana
durante 6 meses.
• O biodiesel de maracujá movimentou a frota daquela empresa durante todo
um semestre.
BIODIESEL DE ÓLEO DE PEIXE
• Processamento de 200 litros de óleo de peixe proveniente da Bélgica, matéria prima
enviada pela DeSmet, a maior e mais famosa empresa especializada no fornecimento
de equipamentos para extração de óleos.
Como a matéria prima era
originária de peixes, foi
produzido assim, de forma
inédita, óleo diesel animal, o
qual fez funcionar muito bem
um motor diesel, à
semelhança dos óleos diesel
de origem vegetal.
QUEROSENE VEGETAL DE AVIAÇÃO
• De um pacto que celebramos com o Tenente Brigadeiro Délio Jardim de
Matos (Ministro da Aeronáutica), desenvolvemos na PROERG um sucedâneo
vegetal do querosene de aviação
• No final de 1982, o querosene vegetal para aviões à jato estava pronto,
recebendo a denominação de PROSENE.
O combustível foi aprovado e homologado pelo CTA
– Centro Técnico Aeroespacial, e, no dia 23 de
outubro de 1983, no Dia do Aviador
Uma aeronave nacional, turbo hélice, de marca
“Bandeirante”, decolou de São José dos Campos
para sobrevoar Brasília.
PATENTE DA QUEROSENE VEGETAL
• Homologada do novo combustível foi doada para o Ministério da Aeronáutica
• PATENTE PI – 8007957
• Foram requeridas ao INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial, em 1980, duas
patentes de invenção, das quais uma foi homologada.
• A Patente PI –8007957, de 1980, foi a primeira patente, a nível mundial, do biodiesel e do
querosene vegetal de aviação, a qual entrou em domínio público, pelo tempo e desuso.
• .
O ABORTO DO DIESEL VEGETAL
BRASILEIRO
• Por várias razões, incluindo -se a diminuição dos preços do petróleo e o desinteresse
da PETROBRAS, as atividades de produção experimental de óleo diesel vegetal,
então PRODIESEL, foram paralisadas.
• A produção de óleo diesel vegetal a partir de óleos oriundos de sementes oxidadas,
por exemplo, que corresponde a cerca de 3% do total processado no Brasil poderia ser
viável, considerando o baixo preço da matéria prima.
• De qualquer forma a intenção de se produzir óleo diesel vegetal no Brasil foi abortada.
• O mesmo não aconteceu em outros países, principalmente na Europa e América do Norte
onde o assunto prosperou.
REAÇÕES CATALISADORAS
• Rota química (processo convencional)
• catalisadores químicos, ácidos ou básicos
• Rota biológica (processo não convencional)
• catalisadores biológicos, enzimas ou células imobilizadas.
• Diversidade de processos implementados
OBJETIVO DO TÓPICO
Discutir algumas considerações sobre a
produção de diferentes matérias-primas e
rotas tecnológicas no bioprocesso da
produção de bioediesel.
CONCEITOS E TERMINOLOGIA
• BIODIESEL
• combustível renovável, biodegradável e ambientalmente correto
• sucedâneo ao óleo diesel mineral
• constituído de uma mistura de ésteres metílicos ou etílicos de
ácidos graxos
• obtidos da reação de transesterificação de qualquer triglicerídeo
com um álcool de cadeia curta, metanol ou etanol, respectivamente.
• produzidos a partir de outras matérias primas
ECODIESEL
• Combustível obtido da mistura de biodiesel e óleo
diesel mineral, em proporções ajustadas
• EcoDiesel B -20 - corresponde a uma mistura
contendo 20% em volume de biodiesel
• Diferenciação conceitual - biodiesel x ecodiesel
• Está na melhoria quanto as emissões para a
atmosfera dos gases resultantes da combustão.
MISTURAS BIODIESEL
DIESEL MINERAL
• As mistura entre o biodiesel e o diesel mineral é
conhecida pela letra B + o número que corresponde
a quantidade de biodiesel na mistura
• Mistura tem 5% de biodiesel, é chamada B5, se tem
20% de biodiesel, é B20.
• A utilização do biodiesel puro ainda está sendo
testada, se for usado só biodiesel (100%) sem
misturar com o diesel mineral, é chamada de B100.
MISTURAS BIODIESEL / DIESEL MINERAL
• Diesel vendido nos postos pelo Brasil possui 5% de biodiesel e 95% de diesel (B5).
• Em julho de 2014 esse percentual subiu para 6% e em novembro de 2014 para 7%. .
CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM COMBUSTÍVEL
DIESEL
• Combustibilidade
• grau de facilidade em realizar a combustão no equipamento na forma
desejada, na produção de energia mecânica mais adequada.
• Impactos Ambientais das Emissões
• O teor de enxofre e de hidrocarbonetos aromáticos, além da
combustibilidade, são características importantes inerentes aos
impactos das emissões.
• Compatibilidade ao Uso
• representada pela lubricidade e pela corrosividade, sendo esta
última, definida teor de enxofre e pela acidez do combustível.
• Compatibilidade ao Manuseio
• diz respeito aos transportes, aos armazenamentos e a distribuição
do combustível, sendo a corrosividade, a toxidez e o ponto de fulgor
as propriedades mais importantes
CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM COMBUSTÍVEL
DIESEL
COMBUSTIBILIDADE
• Relaciona -se as seguintes propriedades essenciais do combustível
• poder calorífico e o índice de cetano.
• A viscosidade cinemática e a tensão superficial
• definem a qualidade de pulverização na injeção do combustível
• fatores de qualidade na combustão.
• O ponto de fluidez
• importante propriedade, sinalizando para a adição de aditivos
anticongelantes (países frios).
MATÉRIAS PRIMAS
• O conhecimento da matéria prima no processo industrial é um elemento
essencial para definir rotas e alternativas tecnológicas eficientes
• Aproveitamento de óleos e gorduras na produção de biodiesel
• Óleos Vegetais
• Óleos de frituras
• Óleos Vegetais Gorduras de Animais
• Óleos e Gorduras Residuais
REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO
• A reação de transesterificação é a etapa da conversão do óleo ou gordura, em ésteres
metílicos ou etílicos de ácidos graxos, que constitui o biodiesel.
• A reação pode ser representada pela seguinte equação química:
• Óleo ou Gordura + Metanol
• Ésteres Metílicos + Glicerol
• Óleo ou Gordura + Etanol Ésteres Etílicos + Glicerol
USO DE LIPASES
• A transesterificação utilizando catalizador enzimático lipases
imobilizadas vem sendo estudada no país disponíveis comercialmente,
assim como solúveis previamente imobilizadas em suportes.
• Vantagens de seu uso comparados às vias químicas tradicionais.
• diminuição de gastos com energia
• minimização da degradação térmica dos compostos
• Estas são provavelmente as principais atrações que levam à
substituição das tecnologias químicas atuais pelas biológicas.
BIOCATALISADOR IMOBILIZADO
• Imobilização de células microbianas por adsorção
• Os métodos de imobilização requerem uma interação fraca ou a formação de ligações
covalentes entre a lipase e o suporte
• Consiste no confinamento físico das células em uma região definida de espaço
• São mantidas suas atividades catalíticas em processos de operação contínua ou
descontínua
• Possibilita a reutilização das células
• utilizado pela sua simplicidade, baixo custo, fácil manipulação e grande diversidade de
suportes
MÉTODOS DE IMOBILIZAÇÃO DE ENZIMAS
ENVOLVIMENTO DE CÉLULAS
MICROBIANAS EM MATRIZES
• Habilidade de alguns microrganismos se fixarem naturalmente em superfícies de
diferentes ambientes,
• a colonização da superfície por formação de biofilmes é uma estratégia universal das
bactérias para a sobrevivência e pode ocorrer naturalmente.
• O método de envolvimento está baseado na inclusão artificial das células, que ficam
inseridas em uma malha rígida, ou semi-rígida que impede a difusão destas para o
meio de cultivo.
• possibilita a troca de nutrientes, metabólitos, gases durante o processo fermentativo.
PROCESSO DE PRODUÇÃO DO BIODIESEL
• Preparação da matéria-prima
• Transesterificação
• Separação de Fases
• Recuperação e desidratação do álcool
• Destilação da glicerina
• Purificação do Bioediesel
BIODIESEL E AMBIENTE
• A utilização de biodiesel como combustível vem sendo
estudada por apresentar um potencial promissor no mundo,
sendo um mercado que cresce devido
• A sua contribuição ao meio ambiente vem da redução
qualitativa e quantitativa dos níveis de poluição ambiental,
principalmente nos grandes centros urbanos, e como fonte
de energia renovável em substituição ao óleo diesel e outros
derivados do petróleo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plastico
mfcrrj
 
Biocombustíveis
BiocombustíveisBiocombustíveis
Biocombustíveis
Paulo Campino
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Arc Engenharia
 
Biogás
Biogás Biogás
Biogás
Compagas
 
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticosEstudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Manuel Vicente
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Josimar Nunes
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
taisy goncalves
 
Energia biomassa
Energia biomassaEnergia biomassa
Energia biomassa
Lucas Rocha
 
Princípios e Conceitos da Química Verde
Princípios e Conceitos da Química VerdePrincípios e Conceitos da Química Verde
Princípios e Conceitos da Química Verde
Giullyanno Felisberto
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
Jeferson Tabelini
 
Determinação do teor de álcool em gasolina
Determinação do teor de álcool em gasolinaDeterminação do teor de álcool em gasolina
Determinação do teor de álcool em gasolina
sebastiao junior
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
Ricardo Portela
 
Petróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e DerivadosPetróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e Derivados
Kelly Ruas
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Biogas
BiogasBiogas
Biogas
Jim Naturesa
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
Fabrízia Sampaio
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Felipe Dias
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
Carlos Dantas
 

Mais procurados (20)

O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plastico
 
Biocombustíveis
BiocombustíveisBiocombustíveis
Biocombustíveis
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
 
Biogás
Biogás Biogás
Biogás
 
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticosEstudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Energia biomassa
Energia biomassaEnergia biomassa
Energia biomassa
 
Princípios e Conceitos da Química Verde
Princípios e Conceitos da Química VerdePrincípios e Conceitos da Química Verde
Princípios e Conceitos da Química Verde
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
 
Determinação do teor de álcool em gasolina
Determinação do teor de álcool em gasolinaDeterminação do teor de álcool em gasolina
Determinação do teor de álcool em gasolina
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
 
Petróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e DerivadosPetróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e Derivados
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Biogas
BiogasBiogas
Biogas
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 

Destaque

Conservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturasConservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturas
UERGS
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
UERGS
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
belavideira
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
UERGS
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
Érico Maciel
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
UERGS
 
Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
UERGS
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Sérgio Valadão
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
UERGS
 
Seminário Web (Video)
Seminário Web (Video)Seminário Web (Video)
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
drtaylorjr
 
TI: Evitando contratar um imbecil
TI: Evitando contratar um imbecilTI: Evitando contratar um imbecil
TI: Evitando contratar um imbecil
Arank
 
16.01.14 Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
16.01.14  Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art16.01.14  Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
16.01.14 Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
Tamara Garcia
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
Artur Martins
 
Biosferaemfoco
BiosferaemfocoBiosferaemfoco
Biosferaemfoco
edu.biologia
 
Oficina ferramentas do google
Oficina ferramentas do googleOficina ferramentas do google
Oficina ferramentas do google
renatajaguaribe
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
Márcio Roberto de Mattos
 

Destaque (20)

Conservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturasConservação por utilização de temperaturas
Conservação por utilização de temperaturas
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
 
Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Seminário Web (Video)
Seminário Web (Video)Seminário Web (Video)
Seminário Web (Video)
 
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
Pl considera de utilidade pública municipal a ammj - associação dos moradores...
 
TI: Evitando contratar um imbecil
TI: Evitando contratar um imbecilTI: Evitando contratar um imbecil
TI: Evitando contratar um imbecil
 
16.01.14 Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
16.01.14  Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art16.01.14  Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
16.01.14 Lei estabelece utilidade pública do Centro Social Cri´art
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
 
Biosferaemfoco
BiosferaemfocoBiosferaemfoco
Biosferaemfoco
 
Oficina ferramentas do google
Oficina ferramentas do googleOficina ferramentas do google
Oficina ferramentas do google
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
 

Semelhante a Tópicos especiais biodiesel

Biodiesel novo
Biodiesel novoBiodiesel novo
Biodiesel novo
Vinicius Martins
 
Estudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao BiodieselEstudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao Biodiesel
Denis Borges Maurício
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
gustavo augusto
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Encontro de Química e Formação Docente
 
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdfJoana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
MrioCouto1
 
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
muskarya
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
Anderson Formiga
 
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
André Bellin Mariano
 
Cartaz biodiesel
Cartaz biodieselCartaz biodiesel
Cartaz biodiesel
belavideira
 
recolha de óleo alimentar
recolha de óleo alimentarrecolha de óleo alimentar
recolha de óleo alimentar
Patrícia Fernandes
 
Apresentaã§Ao Andresoares 1
Apresentaã§Ao Andresoares 1Apresentaã§Ao Andresoares 1
Apresentaã§Ao Andresoares 1
dom.bacelar
 
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdfENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
ssuser38300a
 
Nívea freitas
Nívea freitasNívea freitas
Biotecnologia aplicada à produção de energia
Biotecnologia aplicada à produção de energiaBiotecnologia aplicada à produção de energia
Biotecnologia aplicada à produção de energia
Guilherme Rocha
 
Gasolina de aviação
Gasolina de aviaçãoGasolina de aviação
Gasolina de aviação
kefferson
 
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo fritoProdução e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
Carlos Kramer
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil
 
RECICLAGEM DE LODOS
RECICLAGEM DE LODOSRECICLAGEM DE LODOS
RECICLAGEM DE LODOS
Sergio Tullio Cassinni
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
marcelo otenio
 
Artigo 2 biodiesel de microalgas composição e propriedades
Artigo 2   biodiesel de microalgas composição e propriedadesArtigo 2   biodiesel de microalgas composição e propriedades
Artigo 2 biodiesel de microalgas composição e propriedades
André Bellin Mariano
 

Semelhante a Tópicos especiais biodiesel (20)

Biodiesel novo
Biodiesel novoBiodiesel novo
Biodiesel novo
 
Estudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao BiodieselEstudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao Biodiesel
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
 
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdfJoana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
 
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
Apresentação PAP (prova de aptidão profissional) Técnico de analises laborato...
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
 
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...Artigo 5   determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
Artigo 5 determinação da eficiência energética do processo de obtenção do b...
 
Cartaz biodiesel
Cartaz biodieselCartaz biodiesel
Cartaz biodiesel
 
recolha de óleo alimentar
recolha de óleo alimentarrecolha de óleo alimentar
recolha de óleo alimentar
 
Apresentaã§Ao Andresoares 1
Apresentaã§Ao Andresoares 1Apresentaã§Ao Andresoares 1
Apresentaã§Ao Andresoares 1
 
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdfENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
ENERGIAS RENOVAVEIS - Aula 07-2016.pdf
 
Nívea freitas
Nívea freitasNívea freitas
Nívea freitas
 
Biotecnologia aplicada à produção de energia
Biotecnologia aplicada à produção de energiaBiotecnologia aplicada à produção de energia
Biotecnologia aplicada à produção de energia
 
Gasolina de aviação
Gasolina de aviaçãoGasolina de aviação
Gasolina de aviação
 
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo fritoProdução e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
 
RECICLAGEM DE LODOS
RECICLAGEM DE LODOSRECICLAGEM DE LODOS
RECICLAGEM DE LODOS
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
 
Artigo 2 biodiesel de microalgas composição e propriedades
Artigo 2   biodiesel de microalgas composição e propriedadesArtigo 2   biodiesel de microalgas composição e propriedades
Artigo 2 biodiesel de microalgas composição e propriedades
 

Mais de UERGS

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
UERGS
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
UERGS
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
UERGS
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
UERGS
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
UERGS
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
UERGS
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
UERGS
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
UERGS
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
UERGS
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
UERGS
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
UERGS
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
UERGS
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
UERGS
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
UERGS
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
UERGS
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
UERGS
 

Mais de UERGS (20)

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Tópicos especiais biodiesel

  • 1. TÓPICOS ESPECIAIS BIODIESEL Prof. Dra. Adriana Dantas ENGENHARIA DE BIOTECNOLOGIA E BIOPROCESSOS UERGS, Bento Gonçalves, RS 14/03/2016
  • 2. INTRODUÇÃO • O Biodiesel é um biocombustível derivado de fontes renováveis como óleos vegetais, gordura animal, óleos e gorduras residuais • Na presença de um catalisador, reagem com o álcool etílico ou metílico, resultando em um combustível de alta qualidade e grande potencial na substituição de óleo diesel.
  • 3. PRIMEIROS ENSAIOS DE APLICABILIDADE • O lançamento do PRODIESEL, feito após exaustivos testes de aplicabilidade realizados ao longo dos anos de 1979 e 1980 • financiada pela FINEP apoio do Ministério da Aeronáutica. • Fabricações sistemáticas de um novo combustível, implantou uma unidade piloto industrial com a capacidade produtiva de 200 litros por hora de biodiesel. • MATÉRIAS PRIMAS ENSAIADAS • Diversificadas matérias primas foram empregadas na produção do diesel vegetal, onde se incluem os óleos de soja, de babaçu, de amendoim, de algodão, de colza, de girassol, de dendê, entre outras.
  • 4. BIODIESEL DE MARACUJÁ • Um fato curioso e pitoresco que merece destaque foi a produção de diesel vegetal a partir de óleo de semente de maracujá • Foi encomenda da AGROLUSA – Agro-industrial Luiz Guimarães SA, que produzia grandes quantidades de suco desta fruta. • Foi estabelecido um programa de produção de 1.000 litros por semana durante 6 meses. • O biodiesel de maracujá movimentou a frota daquela empresa durante todo um semestre.
  • 5.
  • 6. BIODIESEL DE ÓLEO DE PEIXE • Processamento de 200 litros de óleo de peixe proveniente da Bélgica, matéria prima enviada pela DeSmet, a maior e mais famosa empresa especializada no fornecimento de equipamentos para extração de óleos. Como a matéria prima era originária de peixes, foi produzido assim, de forma inédita, óleo diesel animal, o qual fez funcionar muito bem um motor diesel, à semelhança dos óleos diesel de origem vegetal.
  • 7. QUEROSENE VEGETAL DE AVIAÇÃO • De um pacto que celebramos com o Tenente Brigadeiro Délio Jardim de Matos (Ministro da Aeronáutica), desenvolvemos na PROERG um sucedâneo vegetal do querosene de aviação • No final de 1982, o querosene vegetal para aviões à jato estava pronto, recebendo a denominação de PROSENE. O combustível foi aprovado e homologado pelo CTA – Centro Técnico Aeroespacial, e, no dia 23 de outubro de 1983, no Dia do Aviador Uma aeronave nacional, turbo hélice, de marca “Bandeirante”, decolou de São José dos Campos para sobrevoar Brasília.
  • 8. PATENTE DA QUEROSENE VEGETAL • Homologada do novo combustível foi doada para o Ministério da Aeronáutica • PATENTE PI – 8007957 • Foram requeridas ao INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial, em 1980, duas patentes de invenção, das quais uma foi homologada. • A Patente PI –8007957, de 1980, foi a primeira patente, a nível mundial, do biodiesel e do querosene vegetal de aviação, a qual entrou em domínio público, pelo tempo e desuso. • .
  • 9.
  • 10. O ABORTO DO DIESEL VEGETAL BRASILEIRO • Por várias razões, incluindo -se a diminuição dos preços do petróleo e o desinteresse da PETROBRAS, as atividades de produção experimental de óleo diesel vegetal, então PRODIESEL, foram paralisadas. • A produção de óleo diesel vegetal a partir de óleos oriundos de sementes oxidadas, por exemplo, que corresponde a cerca de 3% do total processado no Brasil poderia ser viável, considerando o baixo preço da matéria prima. • De qualquer forma a intenção de se produzir óleo diesel vegetal no Brasil foi abortada. • O mesmo não aconteceu em outros países, principalmente na Europa e América do Norte onde o assunto prosperou.
  • 11. REAÇÕES CATALISADORAS • Rota química (processo convencional) • catalisadores químicos, ácidos ou básicos • Rota biológica (processo não convencional) • catalisadores biológicos, enzimas ou células imobilizadas. • Diversidade de processos implementados
  • 12. OBJETIVO DO TÓPICO Discutir algumas considerações sobre a produção de diferentes matérias-primas e rotas tecnológicas no bioprocesso da produção de bioediesel.
  • 13. CONCEITOS E TERMINOLOGIA • BIODIESEL • combustível renovável, biodegradável e ambientalmente correto • sucedâneo ao óleo diesel mineral • constituído de uma mistura de ésteres metílicos ou etílicos de ácidos graxos • obtidos da reação de transesterificação de qualquer triglicerídeo com um álcool de cadeia curta, metanol ou etanol, respectivamente. • produzidos a partir de outras matérias primas
  • 14. ECODIESEL • Combustível obtido da mistura de biodiesel e óleo diesel mineral, em proporções ajustadas • EcoDiesel B -20 - corresponde a uma mistura contendo 20% em volume de biodiesel • Diferenciação conceitual - biodiesel x ecodiesel • Está na melhoria quanto as emissões para a atmosfera dos gases resultantes da combustão.
  • 15. MISTURAS BIODIESEL DIESEL MINERAL • As mistura entre o biodiesel e o diesel mineral é conhecida pela letra B + o número que corresponde a quantidade de biodiesel na mistura • Mistura tem 5% de biodiesel, é chamada B5, se tem 20% de biodiesel, é B20. • A utilização do biodiesel puro ainda está sendo testada, se for usado só biodiesel (100%) sem misturar com o diesel mineral, é chamada de B100.
  • 16. MISTURAS BIODIESEL / DIESEL MINERAL • Diesel vendido nos postos pelo Brasil possui 5% de biodiesel e 95% de diesel (B5). • Em julho de 2014 esse percentual subiu para 6% e em novembro de 2014 para 7%. .
  • 17.
  • 18. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM COMBUSTÍVEL DIESEL • Combustibilidade • grau de facilidade em realizar a combustão no equipamento na forma desejada, na produção de energia mecânica mais adequada. • Impactos Ambientais das Emissões • O teor de enxofre e de hidrocarbonetos aromáticos, além da combustibilidade, são características importantes inerentes aos impactos das emissões.
  • 19. • Compatibilidade ao Uso • representada pela lubricidade e pela corrosividade, sendo esta última, definida teor de enxofre e pela acidez do combustível. • Compatibilidade ao Manuseio • diz respeito aos transportes, aos armazenamentos e a distribuição do combustível, sendo a corrosividade, a toxidez e o ponto de fulgor as propriedades mais importantes CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM COMBUSTÍVEL DIESEL
  • 20. COMBUSTIBILIDADE • Relaciona -se as seguintes propriedades essenciais do combustível • poder calorífico e o índice de cetano. • A viscosidade cinemática e a tensão superficial • definem a qualidade de pulverização na injeção do combustível • fatores de qualidade na combustão. • O ponto de fluidez • importante propriedade, sinalizando para a adição de aditivos anticongelantes (países frios).
  • 21.
  • 22. MATÉRIAS PRIMAS • O conhecimento da matéria prima no processo industrial é um elemento essencial para definir rotas e alternativas tecnológicas eficientes • Aproveitamento de óleos e gorduras na produção de biodiesel • Óleos Vegetais • Óleos de frituras • Óleos Vegetais Gorduras de Animais • Óleos e Gorduras Residuais
  • 23.
  • 24. REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO • A reação de transesterificação é a etapa da conversão do óleo ou gordura, em ésteres metílicos ou etílicos de ácidos graxos, que constitui o biodiesel. • A reação pode ser representada pela seguinte equação química: • Óleo ou Gordura + Metanol • Ésteres Metílicos + Glicerol • Óleo ou Gordura + Etanol Ésteres Etílicos + Glicerol
  • 25.
  • 26. USO DE LIPASES • A transesterificação utilizando catalizador enzimático lipases imobilizadas vem sendo estudada no país disponíveis comercialmente, assim como solúveis previamente imobilizadas em suportes. • Vantagens de seu uso comparados às vias químicas tradicionais. • diminuição de gastos com energia • minimização da degradação térmica dos compostos • Estas são provavelmente as principais atrações que levam à substituição das tecnologias químicas atuais pelas biológicas.
  • 27. BIOCATALISADOR IMOBILIZADO • Imobilização de células microbianas por adsorção • Os métodos de imobilização requerem uma interação fraca ou a formação de ligações covalentes entre a lipase e o suporte • Consiste no confinamento físico das células em uma região definida de espaço • São mantidas suas atividades catalíticas em processos de operação contínua ou descontínua • Possibilita a reutilização das células • utilizado pela sua simplicidade, baixo custo, fácil manipulação e grande diversidade de suportes
  • 29. ENVOLVIMENTO DE CÉLULAS MICROBIANAS EM MATRIZES • Habilidade de alguns microrganismos se fixarem naturalmente em superfícies de diferentes ambientes, • a colonização da superfície por formação de biofilmes é uma estratégia universal das bactérias para a sobrevivência e pode ocorrer naturalmente. • O método de envolvimento está baseado na inclusão artificial das células, que ficam inseridas em uma malha rígida, ou semi-rígida que impede a difusão destas para o meio de cultivo. • possibilita a troca de nutrientes, metabólitos, gases durante o processo fermentativo.
  • 30. PROCESSO DE PRODUÇÃO DO BIODIESEL • Preparação da matéria-prima • Transesterificação • Separação de Fases • Recuperação e desidratação do álcool • Destilação da glicerina • Purificação do Bioediesel
  • 31. BIODIESEL E AMBIENTE • A utilização de biodiesel como combustível vem sendo estudada por apresentar um potencial promissor no mundo, sendo um mercado que cresce devido • A sua contribuição ao meio ambiente vem da redução qualitativa e quantitativa dos níveis de poluição ambiental, principalmente nos grandes centros urbanos, e como fonte de energia renovável em substituição ao óleo diesel e outros derivados do petróleo.