SlideShare uma empresa Scribd logo
Conservação por Utilização de
Temperaturas Elevadas
Prof. Dra. Adriana Dantas
Princípios da Conservação dos Alimentos
UERGS, Caxias do Sul, RS
Introdução
 As várias espécies de micro organismos, assim como
os seus esporos, têm resistências muito diferentes às
temperaturas elevadas.
 Algumas destas diferenças devem-se a fatores
passíveis de controle humano, mas as restantes são
específicas dos micro organismos e ainda pouco
compreendidas.
Curva de termo resistência microbiana
O gráfico de distribuição de frequências (ou curva
de Termo resistência), representado na Figura
13.1, indica que, numa mesma população
microbiana, se encontram diversos graus de
termo resistência.
• entre A e B
• reduzido número de células
possui uma baixa resistência
• entre B e C
• Maioria das células tem uma
resistência média
• entre C e D
• Também reduzido número de
indivíduos são muito
resistentes
Fatores que influenciam a termo resistência dos
microrganismos
 Relação tempo – temperatura
 O tempo necessário para destruir as células vegetativas ou os esporos diminui com o
aumento da temperatura.
 Concentração inicial de células vegetativas ou de esporos
 Quanto maior for o número de microrganismos existentes, mais intenso será o
tratamento necessário para a sua total eliminação.
 Condições de crescimento dos microrganismos
 Tanto as condições do meio, como o tratamento posterior das células e esporos
influem na termo resistência dos microrganismos.
Fatores que influenciam a termo resistência dos
microrganismos
 Nutrientes
 Quanto mais rico em nutrientes for o meio de crescimento, mais
termo resistentes serão os microrganismos,
 Temperaturas ótimas
 Temos um aumento da termo resistência com o aumento da
temperatura à qual crescem as células ou se formam os esporos.
 Esse aumento é tanto maior quanto mais a temperatura se
aproxima da temperatura óptima de crescimento do
microrganismo.
Composição do substrato
 No qual se encontram os microrganismos que vão ser submetidos a tratamento
térmico
 é importante para a definição de qual o tipo e intensidade do tratamento.
 O calor úmido é mais eficaz na destruição de microrganismos que o calor seco.
 pH neutro ou próximo da neutralidade
 aumento da termo resistência tanto das células vegetativas como dos esporos
 pH com valores mais extremos, quer ácidos quer básicos
 aceleram a destruição térmica dos microrganismos, sendo, no entanto, os meios fortemente
ácidos aqueles em que a termo resistência é menor.
Influência do pH
Alimentos ácidos
pH é inferior a 4.5 (frutas e algumas conservas de legumes)
Alimentos de baixa acidez
pH vai de 4.5 até cerca de 7 (carne, alimentos de origem marinha,
leite e a maioria dos legumes).
A influência do pH do substrato a temperaturas elevadas
provocam uma diminuição do pH nos alimentos.
Componentes típicos dos substratos
 Cloreto de sódio
 em baixas concentrações, aumenta a termo resistência de alguns
esporos
 Açúcar
 Exerce ação protetora em algumas espécies microbianas, estando, ao
que parece, essa ação ligada à diminuição de aw causada pela
solvatação das moléculas de açúcar
 Proteínas e gorduras
 também aumentam a termo resistência da generalidade dos
microrganismos
TDT (do inglêsThermal DeathTime)
 A termo resistência dos microrganismos pode expressar-se como
tempo de morte térmica (TDT)
 Define o tempo necessário para destruir, a uma dada temperatura,
um dado número de microrganismos, sob condições específicas.
 Esta taxa é dependente da espécie, da presença e das condições do meio
 Três grandes grupos em que se dividem os microrganismos
 Bolores
 Leveduras
 Bactérias
Aplicação do calor nos micro organismos
 Bolores e seus esporos
 a maioria dos bolores e dos seus esporos são destruídos por
aplicações, entre 5 a 10 minutos, de calor húmido a 60ºC
 Esporos assexuados
 necessitam de temperaturas 5 a 10 ºC mais elevadas que os micélios,
para a sua destruição total.
 O calor seco é menos eficaz na destruição destes microrganismos
 Aplicação da temperatura de 120ºC para eliminar alguns esporos
Aplicação do calor nos micro organismos
 Leveduras e seus esporos
 as células vegetativas são destruídas por temperaturas de
50 a 58 ºC, aplicadas durante 10 a 15 minutos.
 Ascósporos
 apenas são destruídos por temperaturas 5 a 10 ºC
superiores às utilizadas para destruir as células vegetativas
que os originaram.
Levedura em brotamento
Saccharomyces cereviseae
 Bactérias e seus esporos
 termo resistência das células vegetativas varia muito de
espécie para espécie.
 as patogênicas são pouco resistentes e as termófilas
 necessitam de temperaturas da ordem de 80 a 90ºC,
aplicadas durante períodos longos, para total eliminação
Aplicação do calor nos micro organismos
As bactérias e o calor
1. bactérias com forma de cocos, são mais resistentes que os bacilos,
2. quanto mais elevada for a temperatura ótima e máxima de crescimento,
maior será a termo resistência da bactéria,
3. células que formam agregados são mais termo resistentes que as que
permanecem isoladas
4. bactérias com elevado teor de lipídeos são mais resistentes ao calor
5. termo resistência dos esporos bacterianos varia com o meio em que se
formaram
Objetivos dos tratamentos térmicos
 Inativar as enzimas capazes de alterar os alimentos, enquanto
armazenados.
 A maioria das enzimas, tanto as próprias dos alimentos como as dos
microrganismos, são destruídas a 80ºC,
 embora algumas possam suportar temperaturas mais elevadas, mas
nunca durante longos períodos.
 os tratamentos térmicos utilizados para destruir os microrganismos
também inativarão a maior parte das enzimas.
 As hidrolases (proteínases e lipases) suportam temperaturas elevadas
Métodos clássicos (de 1922) para detectar micro
organismos
 Método dos tubos, utiliza-se uma suspensão, em solução tampão, do alimento a
analisar, a qual se transfere para pequenos tubos de vidro, os quais são de seguida
hermeticamente fechados.
 Estes tubos são então aquecidos num banho-maria (se a temperatura desejada for
inferior a 100ºC) ou num banho de óleo (se a temperatura pretendida for igual ou
superior a 100ºC), cuja temperatura possa ser controlada, através de um termostato.
 A intervalos regulares, vão-se retirando e arrefecendo os tubos (geralmente em
banhos de água ou de gelo).
 Após arrefecidos, o seu conteúdo é cultivado num meio de crescimento apropriado e
incubado de modo a verificar se houve sobreviventes, os quais, caso existam, serão
então contados para determinar a taxa de morte térmica.
Gráficos deTDT
 A partir dos dados obtidos por este (ou outros) método(s) obtém-se gráficos deTDT,
em forma semi-logarítmica em uma reta
 Se representam os tempos de aquecimento, em minutos, em função dos valores das
várias temperaturas a que foi feito o tratamento.
Os pontos acima da reta representam os
valores correspondentes à existência de
sobreviventes enquanto aqueles abaixo
representam os tubos em que houve
destruição total de microrganismos.
A reta representa assim os valores fronteira
de tempo, a partir dos quais o tratamento a
uma dada temperatura é eficaz na total
destruição dos microrganismos presentes.
Fatores que determinam o tempo necessário para que
o centro do alimento alcance a temperatura de
esterilização
 Material de que é feito o recipiente
 alimento está contido numa embalagem, nem todos os materiais
conduzem o calor da mesma forma.
 Exemplo, um recipiente de metal aquece mais rapidamente que um
idêntico em vidro.
 Tamanho e forma do recipiente
 quanto maior for o recipiente, mais lenta será a penetração do calor
até ao centro do alimento nele contido.
 recipiente cilíndrico largo será mais lenta a disseminação do calor do que
num outro recipiente cilíndrico da mesma altura, mas mais estreito.
 Temperatura inicial do alimento
 o tempo de tratamento térmico é praticamente independente da
temperatura inicial do alimento.
 em certos casos de alimentos, o aquecimento se deve fazer
lentamente
 Temperatura da fonte de calor
 quanto mais elevada for a temperatura da fonte de calor, mais rápido
será o aquecimento e mais rapidamente o alimento alcançará a
temperatura de esterilização.
Fatores que determinam o tempo necessário para que
o centro do alimento alcance a temperatura de
esterilização
 Consistência, tamanho e forma do alimento
 em alimentos embalados, o tratamento escolhido e a sua intensidade
serão função das características do alimento.
 o aquecimento também deverá ser lento em alimentos que se
desagreguem facilmente;
 a consistência do conteúdo das embalagens é influenciada pela adição
de molhos, os quais, em geral, retardam a penetração do calor.
Fatores que determinam o tempo necessário para que
o centro do alimento alcance a temperatura de
esterilização
Para projetar o tratamento térmico necessário
submeter um alimento devem então conhecer:
1. o gráfico deTDT correspondente ao microrganismo
mais termo resistente que se saiba existir no
alimento
1. os gráficos de penetração de calor e de
arrefecimento (cujas leis físicas são semelhantes às
existentes para a penetração do calor).
2. utilizar um de entre vários métodos matemáticos
para calcular o tipo de tratamento térmico.
Determinação do tempo t (em minutos)
 Tempo tnecessário para destruir um determinado número de células microbianas (ou
esporos) num dado recipiente, por aquecimento à temperatura T(em graus
Fahrenheit),
 sendo conhecidos:
 valores de z(temperatura, em graus Fahrenheit, necessária para reduzir dez vezesTDT)
 valore de F(tempo, em minutos, necessário para destruir um microrganismo, num dado
meio a 250ºF = 121.1ºC), utiliza-se a equação:
A razão t/F representa o tempo necessário para destruir um
determinado microrganismo à temperaturaT, quando F = 1.
Cálculo pelo Método gráfico
 Exemplo do tratamento térmico de uma lata de milho contaminado por
esporos microbianos.
 Num gráfico, representam-se as taxas de mortalidade a duas
temperaturas diferentes, tomadas no centro do recipiente, tanto
durante a fase de aquecimento como durante a de arrefecimento.
 O comprimento de um dos lados dos quadrados equivale a uma taxa de
mortalidade de 0.01 e a um tempo de 10 minutos.
 Uma área sob a curva de mortalidade equivalente a dez quadrados
equivale à unidade, ou seja à destruição total de todos os esporos.
Curva de morte térmica
 Se esta área for inferior a dez quadrados, o tratamento térmico foi insuficiente; se,
pelo contrário, for superior, indica que o tratamento foi mais forte que o necessário.
 Conclui-se que:
 tanto uma temperatura de 121 ºC aplicada durante 75 minutos como uma temperatura
de 126.7 ºC aplicada durante 57 minutos são suficientes para destruir todos os esporos
presentes (Figura 13.4)
Efeito que o calor exerce nos alimentos
 Tanto a temperatura que se deve utilizar como a duração do tratamento
aplicado a um dado alimento, dependem do efeito que o calor exerce
sobre o alimento em questão e da utilização ou não de processos
complementares de conservação.
 O leite e as ervilhas, são muito sensíveis ao calor pelo que os
tratamentos térmicos a que são submetidos devem ser
limitados.
 Na posição oposta temos alimentos como o milho, que podem
facilmente suportar tratamentos intensos sem perderem as suas
características organolépticas.
Tratamentos térmicos que se
aplicam aos alimentos
 Pasteurização
 é um tratamento térmico que destrói apenas parte dos micro organismos
existentes nos alimentos, pela utilização de temperaturas inferiores a 100ºC.
 Aquecimento a cerca de 100 ºC
 O aquecimento pode ser feito através do emprego de vapor, água quente, calor
seco ou corrente elétrica.
 Após pasteurizados, os alimentos devem ser imediatamente arrefecidos.
Utilização da Pasteurização
 Para os tratamentos térmicos mais intensos provocam alterações nas
qualidades organolépticas do alimento;
 Apenas se pretende destruir os microrganismos patogénicos;
 microrganismos capazes de provocar alterações possuem baixa termo
resistência;
 Quando é necessário destruir microrganismos que competem com aqueles
que vão produzir fermentações desejáveis outros processos de conservação
(refrigeração, embalagem, adição de açúcar ou de conservantes químicos)
devem ser complementados
A pasteurização dos alimentos pode ser feita
empregando duas estratégias alternativas
 HTST
 HighTemperature - ShortTime
 temperatura alta - tempo curto
 empregam-se temperaturas mais elevadas durante curtos períodos
 LTH
 LowTemperature Heating
 aquecimento a baixa temperatura
 utilizam-se temperaturas mais baixas durante períodos mais longos
de tempo.
A lista seguinte exemplifica algumas das
utilizações destes dois tipos de pasteurização:
 Leite - 62.8 ºC durante 30 min (LTH) - 71.7ºC durante 15 seg (HTST)
 Mistura para gelados - 71.1ºC durante 30 min (LTH)
 - 82.2ºC durante 16 - 20 seg (HTST)
 Vinhos de uva - 82 - 85ºC durante 1 min
 “Vinhos” de frutas - 62.8ºC ou mais (são engarrafados quentes)
 Cerveja - 60ºC ou mais
 Sumo de maçã - 60ºC, se embalado - 85 - 87.8ºC durante 30 - 60 seg, não embalado
 Refrigerantes - 65.6ºC durante 30 min
O aquecimento a cerca de 100ºC é utilizado desde há
muito tempo para a elaboração de conservas caseiras
 eficaz para destruir todos os microrganismos contaminantes
dos alimentos, com exceção dos esporos bacterianos
 eficiente na conservação dos alimentos mais ácidos.
 métodos para atingir estas temperaturas - imersão do
recipiente, que contém o alimento, em água fervente ou a sua
exposição a vapor fluente.
Como exemplos de aplicação deste tipo de
tratamento podemos referir os seguintes:
 Branqueamento dos legumes frescos, antes da sua
congelação ou secagem;
 Durante a cocção do pão e bolos, a temperatura no seu
interior nunca alcança os 100ºC, muito abaixo daquela a que é
exposto o exterior;
 Assadura ou a fritura de carnes, em que a temperatura do
interior do alimento é sempre inferior a 100ºC
Aquecimento a mais de 100ºC
 É feito com autoclaves ou com caldeiras de vapor sob pressão.
 a temperatura dos alimentos aumenta com o aumento da pressão do
vapor.
 Empregando altas pressões, obtém-se rapidamente elevadas
temperaturas
 esterilização dos alimentos líquidos, antes de serem embalados.
 O leite pode ser aquecido a mais de 150ºC, através da injeção de vapor,
segue com uma “evaporação instantânea” do vapor de água e um rápido
 tratamentos a temperatura ultra-elevada, ou UHT (Ultra High
Temperature).
Conservação por utilização de temperaturas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliças
Geraldo Henrique
 
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Camila Moresco
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Alvaro Galdos
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
Filgueira Nogueira
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
Anderson Formiga
 
Relatório mel
Relatório melRelatório mel
Relatório mel
dancosta123
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Alvaro Galdos
 
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suína
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suínaDeterioração microbiana de carnes (bovina e suína
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suína
Alberto Gomes
 
Conservação dos alimentos
Conservação dos alimentosConservação dos alimentos
Conservação dos alimentos
Grazi Grazi
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
Alvaro Galdos
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
Alvaro Galdos
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
saraerthal
 
Relatorio analise de leite pratica
Relatorio analise de leite   praticaRelatorio analise de leite   pratica
Relatorio analise de leite pratica
CARDENE A. GUARITA CARDENE ANDRADE
 
Produtos de pescado
Produtos de pescadoProdutos de pescado
Produtos de pescado
Nicolli Fort
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
JosyeGirllan Viana
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
Lilian Keila Alves
 
Análise sensorial
Análise sensorialAnálise sensorial
Análise sensorial
Cátia Frizon
 
Cinzas
CinzasCinzas

Mais procurados (20)

Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliças
 
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Relatório mel
Relatório melRelatório mel
Relatório mel
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
 
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suína
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suínaDeterioração microbiana de carnes (bovina e suína
Deterioração microbiana de carnes (bovina e suína
 
Conservação dos alimentos
Conservação dos alimentosConservação dos alimentos
Conservação dos alimentos
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
 
Relatorio analise de leite pratica
Relatorio analise de leite   praticaRelatorio analise de leite   pratica
Relatorio analise de leite pratica
 
Produtos de pescado
Produtos de pescadoProdutos de pescado
Produtos de pescado
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
 
Análise sensorial
Análise sensorialAnálise sensorial
Análise sensorial
 
Cinzas
CinzasCinzas
Cinzas
 

Destaque

Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
UERGS
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
UERGS
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
UERGS
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
UERGS
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
UERGS
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
UERGS
 
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantesBioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
joelbadboy
 
Alimentos industrializados
Alimentos industrializadosAlimentos industrializados
Alimentos industrializados
Valeria Yesenia
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
Érico Maciel
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
UERGS
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Sérgio Valadão
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
Tamara Garcia
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
Artur Martins
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
Márcio Roberto de Mattos
 
biodiesel
biodieselbiodiesel
biodiesel
marinarruda
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
lidypvh
 
Biodiesel slide
Biodiesel slideBiodiesel slide
Biodiesel slide
wddan
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 

Destaque (20)

Bioquimica de alimentos proteases
Bioquimica de alimentos   proteasesBioquimica de alimentos   proteases
Bioquimica de alimentos proteases
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
 
Princípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentosPrincípios gerais da conservação de alimentos
Princípios gerais da conservação de alimentos
 
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantesBioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
Bioquímica dos alimentos aula 1 conservantes
 
Alimentos industrializados
Alimentos industrializadosAlimentos industrializados
Alimentos industrializados
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
Biodiesel
BiodieselBiodiesel
Biodiesel
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
 
biodiesel
biodieselbiodiesel
biodiesel
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
 
Biodiesel slide
Biodiesel slideBiodiesel slide
Biodiesel slide
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 

Semelhante a Conservação por utilização de temperaturas

Esterilização Industrial
Esterilização IndustrialEsterilização Industrial
Esterilização Industrial
Diogo Andreis
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Gildo Crispim
 
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Sigelfrann Soares
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
BrunaSayuriSuzuki
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
RosanaRocha49
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
TabathaLopes1
 
Conservação de alimentos pelo uso de calor
Conservação de alimentos pelo uso de calorConservação de alimentos pelo uso de calor
Conservação de alimentos pelo uso de calor
Keyla Sousa
 
4. Fundamentos microbiologicos,apostila
4. Fundamentos microbiologicos,apostila4. Fundamentos microbiologicos,apostila
4. Fundamentos microbiologicos,apostila
primaquim
 
Chaperoninas
ChaperoninasChaperoninas
Chaperoninas
emanuel
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Ana Paula Alves
 
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
Flavio Nicolielo
 
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
Priscila de Oliveira
 
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
sepb
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Juliana Rose
 
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentosTipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
isildateixeira
 
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdfAula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
AndreaGama16
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
kelilibardi
 
Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012
Rômulo Alexandrino Silva
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Celio Graz
 
Newsletter licinia de campos 40 processamento de alimentos
Newsletter licinia de campos 40   processamento de alimentosNewsletter licinia de campos 40   processamento de alimentos
Newsletter licinia de campos 40 processamento de alimentos
Marcos Azevedo
 

Semelhante a Conservação por utilização de temperaturas (20)

Esterilização Industrial
Esterilização IndustrialEsterilização Industrial
Esterilização Industrial
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
Controle crescimento-microbiano-140310201124-phpapp01
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
 
Conservação de alimentos pelo uso de calor
Conservação de alimentos pelo uso de calorConservação de alimentos pelo uso de calor
Conservação de alimentos pelo uso de calor
 
4. Fundamentos microbiologicos,apostila
4. Fundamentos microbiologicos,apostila4. Fundamentos microbiologicos,apostila
4. Fundamentos microbiologicos,apostila
 
Chaperoninas
ChaperoninasChaperoninas
Chaperoninas
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
Vida+de+prateleira+ +utfpr+2011
 
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
USO DA TECNOLOGIA DE ALTA PRESSÃO PARA INATIVAÇÃO DE MICRORGANISMOS EM PRODUT...
 
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
 
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentosTipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
 
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdfAula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
 
Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Newsletter licinia de campos 40 processamento de alimentos
Newsletter licinia de campos 40   processamento de alimentosNewsletter licinia de campos 40   processamento de alimentos
Newsletter licinia de campos 40 processamento de alimentos
 

Mais de UERGS

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
UERGS
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
UERGS
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
UERGS
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
UERGS
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
UERGS
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
UERGS
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
UERGS
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
UERGS
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
UERGS
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
UERGS
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
UERGS
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
UERGS
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
UERGS
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
UERGS
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
UERGS
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
UERGS
 

Mais de UERGS (20)

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
 
Nutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenéticaNutrigenômica e nutrigenética
Nutrigenômica e nutrigenética
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 
Analise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnéticaAnalise espectro eletromagnética
Analise espectro eletromagnética
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Segurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogmsSegurança alimentar e ogms
Segurança alimentar e ogms
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Conservação por utilização de temperaturas

  • 1. Conservação por Utilização de Temperaturas Elevadas Prof. Dra. Adriana Dantas Princípios da Conservação dos Alimentos UERGS, Caxias do Sul, RS
  • 2. Introdução  As várias espécies de micro organismos, assim como os seus esporos, têm resistências muito diferentes às temperaturas elevadas.  Algumas destas diferenças devem-se a fatores passíveis de controle humano, mas as restantes são específicas dos micro organismos e ainda pouco compreendidas.
  • 3. Curva de termo resistência microbiana O gráfico de distribuição de frequências (ou curva de Termo resistência), representado na Figura 13.1, indica que, numa mesma população microbiana, se encontram diversos graus de termo resistência. • entre A e B • reduzido número de células possui uma baixa resistência • entre B e C • Maioria das células tem uma resistência média • entre C e D • Também reduzido número de indivíduos são muito resistentes
  • 4. Fatores que influenciam a termo resistência dos microrganismos  Relação tempo – temperatura  O tempo necessário para destruir as células vegetativas ou os esporos diminui com o aumento da temperatura.  Concentração inicial de células vegetativas ou de esporos  Quanto maior for o número de microrganismos existentes, mais intenso será o tratamento necessário para a sua total eliminação.  Condições de crescimento dos microrganismos  Tanto as condições do meio, como o tratamento posterior das células e esporos influem na termo resistência dos microrganismos.
  • 5. Fatores que influenciam a termo resistência dos microrganismos  Nutrientes  Quanto mais rico em nutrientes for o meio de crescimento, mais termo resistentes serão os microrganismos,  Temperaturas ótimas  Temos um aumento da termo resistência com o aumento da temperatura à qual crescem as células ou se formam os esporos.  Esse aumento é tanto maior quanto mais a temperatura se aproxima da temperatura óptima de crescimento do microrganismo.
  • 6. Composição do substrato  No qual se encontram os microrganismos que vão ser submetidos a tratamento térmico  é importante para a definição de qual o tipo e intensidade do tratamento.  O calor úmido é mais eficaz na destruição de microrganismos que o calor seco.  pH neutro ou próximo da neutralidade  aumento da termo resistência tanto das células vegetativas como dos esporos  pH com valores mais extremos, quer ácidos quer básicos  aceleram a destruição térmica dos microrganismos, sendo, no entanto, os meios fortemente ácidos aqueles em que a termo resistência é menor.
  • 7. Influência do pH Alimentos ácidos pH é inferior a 4.5 (frutas e algumas conservas de legumes) Alimentos de baixa acidez pH vai de 4.5 até cerca de 7 (carne, alimentos de origem marinha, leite e a maioria dos legumes). A influência do pH do substrato a temperaturas elevadas provocam uma diminuição do pH nos alimentos.
  • 8. Componentes típicos dos substratos  Cloreto de sódio  em baixas concentrações, aumenta a termo resistência de alguns esporos  Açúcar  Exerce ação protetora em algumas espécies microbianas, estando, ao que parece, essa ação ligada à diminuição de aw causada pela solvatação das moléculas de açúcar  Proteínas e gorduras  também aumentam a termo resistência da generalidade dos microrganismos
  • 9. TDT (do inglêsThermal DeathTime)  A termo resistência dos microrganismos pode expressar-se como tempo de morte térmica (TDT)  Define o tempo necessário para destruir, a uma dada temperatura, um dado número de microrganismos, sob condições específicas.  Esta taxa é dependente da espécie, da presença e das condições do meio  Três grandes grupos em que se dividem os microrganismos  Bolores  Leveduras  Bactérias
  • 10. Aplicação do calor nos micro organismos  Bolores e seus esporos  a maioria dos bolores e dos seus esporos são destruídos por aplicações, entre 5 a 10 minutos, de calor húmido a 60ºC  Esporos assexuados  necessitam de temperaturas 5 a 10 ºC mais elevadas que os micélios, para a sua destruição total.  O calor seco é menos eficaz na destruição destes microrganismos  Aplicação da temperatura de 120ºC para eliminar alguns esporos
  • 11.
  • 12. Aplicação do calor nos micro organismos  Leveduras e seus esporos  as células vegetativas são destruídas por temperaturas de 50 a 58 ºC, aplicadas durante 10 a 15 minutos.  Ascósporos  apenas são destruídos por temperaturas 5 a 10 ºC superiores às utilizadas para destruir as células vegetativas que os originaram.
  • 14.  Bactérias e seus esporos  termo resistência das células vegetativas varia muito de espécie para espécie.  as patogênicas são pouco resistentes e as termófilas  necessitam de temperaturas da ordem de 80 a 90ºC, aplicadas durante períodos longos, para total eliminação Aplicação do calor nos micro organismos
  • 15.
  • 16. As bactérias e o calor 1. bactérias com forma de cocos, são mais resistentes que os bacilos, 2. quanto mais elevada for a temperatura ótima e máxima de crescimento, maior será a termo resistência da bactéria, 3. células que formam agregados são mais termo resistentes que as que permanecem isoladas 4. bactérias com elevado teor de lipídeos são mais resistentes ao calor 5. termo resistência dos esporos bacterianos varia com o meio em que se formaram
  • 17. Objetivos dos tratamentos térmicos  Inativar as enzimas capazes de alterar os alimentos, enquanto armazenados.  A maioria das enzimas, tanto as próprias dos alimentos como as dos microrganismos, são destruídas a 80ºC,  embora algumas possam suportar temperaturas mais elevadas, mas nunca durante longos períodos.  os tratamentos térmicos utilizados para destruir os microrganismos também inativarão a maior parte das enzimas.  As hidrolases (proteínases e lipases) suportam temperaturas elevadas
  • 18. Métodos clássicos (de 1922) para detectar micro organismos  Método dos tubos, utiliza-se uma suspensão, em solução tampão, do alimento a analisar, a qual se transfere para pequenos tubos de vidro, os quais são de seguida hermeticamente fechados.  Estes tubos são então aquecidos num banho-maria (se a temperatura desejada for inferior a 100ºC) ou num banho de óleo (se a temperatura pretendida for igual ou superior a 100ºC), cuja temperatura possa ser controlada, através de um termostato.  A intervalos regulares, vão-se retirando e arrefecendo os tubos (geralmente em banhos de água ou de gelo).  Após arrefecidos, o seu conteúdo é cultivado num meio de crescimento apropriado e incubado de modo a verificar se houve sobreviventes, os quais, caso existam, serão então contados para determinar a taxa de morte térmica.
  • 19.
  • 20. Gráficos deTDT  A partir dos dados obtidos por este (ou outros) método(s) obtém-se gráficos deTDT, em forma semi-logarítmica em uma reta  Se representam os tempos de aquecimento, em minutos, em função dos valores das várias temperaturas a que foi feito o tratamento. Os pontos acima da reta representam os valores correspondentes à existência de sobreviventes enquanto aqueles abaixo representam os tubos em que houve destruição total de microrganismos. A reta representa assim os valores fronteira de tempo, a partir dos quais o tratamento a uma dada temperatura é eficaz na total destruição dos microrganismos presentes.
  • 21. Fatores que determinam o tempo necessário para que o centro do alimento alcance a temperatura de esterilização  Material de que é feito o recipiente  alimento está contido numa embalagem, nem todos os materiais conduzem o calor da mesma forma.  Exemplo, um recipiente de metal aquece mais rapidamente que um idêntico em vidro.  Tamanho e forma do recipiente  quanto maior for o recipiente, mais lenta será a penetração do calor até ao centro do alimento nele contido.  recipiente cilíndrico largo será mais lenta a disseminação do calor do que num outro recipiente cilíndrico da mesma altura, mas mais estreito.
  • 22.
  • 23.  Temperatura inicial do alimento  o tempo de tratamento térmico é praticamente independente da temperatura inicial do alimento.  em certos casos de alimentos, o aquecimento se deve fazer lentamente  Temperatura da fonte de calor  quanto mais elevada for a temperatura da fonte de calor, mais rápido será o aquecimento e mais rapidamente o alimento alcançará a temperatura de esterilização. Fatores que determinam o tempo necessário para que o centro do alimento alcance a temperatura de esterilização
  • 24.  Consistência, tamanho e forma do alimento  em alimentos embalados, o tratamento escolhido e a sua intensidade serão função das características do alimento.  o aquecimento também deverá ser lento em alimentos que se desagreguem facilmente;  a consistência do conteúdo das embalagens é influenciada pela adição de molhos, os quais, em geral, retardam a penetração do calor. Fatores que determinam o tempo necessário para que o centro do alimento alcance a temperatura de esterilização
  • 25.
  • 26. Para projetar o tratamento térmico necessário submeter um alimento devem então conhecer: 1. o gráfico deTDT correspondente ao microrganismo mais termo resistente que se saiba existir no alimento 1. os gráficos de penetração de calor e de arrefecimento (cujas leis físicas são semelhantes às existentes para a penetração do calor). 2. utilizar um de entre vários métodos matemáticos para calcular o tipo de tratamento térmico.
  • 27. Determinação do tempo t (em minutos)  Tempo tnecessário para destruir um determinado número de células microbianas (ou esporos) num dado recipiente, por aquecimento à temperatura T(em graus Fahrenheit),  sendo conhecidos:  valores de z(temperatura, em graus Fahrenheit, necessária para reduzir dez vezesTDT)  valore de F(tempo, em minutos, necessário para destruir um microrganismo, num dado meio a 250ºF = 121.1ºC), utiliza-se a equação: A razão t/F representa o tempo necessário para destruir um determinado microrganismo à temperaturaT, quando F = 1.
  • 28. Cálculo pelo Método gráfico  Exemplo do tratamento térmico de uma lata de milho contaminado por esporos microbianos.  Num gráfico, representam-se as taxas de mortalidade a duas temperaturas diferentes, tomadas no centro do recipiente, tanto durante a fase de aquecimento como durante a de arrefecimento.  O comprimento de um dos lados dos quadrados equivale a uma taxa de mortalidade de 0.01 e a um tempo de 10 minutos.  Uma área sob a curva de mortalidade equivalente a dez quadrados equivale à unidade, ou seja à destruição total de todos os esporos.
  • 29. Curva de morte térmica  Se esta área for inferior a dez quadrados, o tratamento térmico foi insuficiente; se, pelo contrário, for superior, indica que o tratamento foi mais forte que o necessário.  Conclui-se que:  tanto uma temperatura de 121 ºC aplicada durante 75 minutos como uma temperatura de 126.7 ºC aplicada durante 57 minutos são suficientes para destruir todos os esporos presentes (Figura 13.4)
  • 30. Efeito que o calor exerce nos alimentos  Tanto a temperatura que se deve utilizar como a duração do tratamento aplicado a um dado alimento, dependem do efeito que o calor exerce sobre o alimento em questão e da utilização ou não de processos complementares de conservação.  O leite e as ervilhas, são muito sensíveis ao calor pelo que os tratamentos térmicos a que são submetidos devem ser limitados.  Na posição oposta temos alimentos como o milho, que podem facilmente suportar tratamentos intensos sem perderem as suas características organolépticas.
  • 31. Tratamentos térmicos que se aplicam aos alimentos  Pasteurização  é um tratamento térmico que destrói apenas parte dos micro organismos existentes nos alimentos, pela utilização de temperaturas inferiores a 100ºC.  Aquecimento a cerca de 100 ºC  O aquecimento pode ser feito através do emprego de vapor, água quente, calor seco ou corrente elétrica.  Após pasteurizados, os alimentos devem ser imediatamente arrefecidos.
  • 32. Utilização da Pasteurização  Para os tratamentos térmicos mais intensos provocam alterações nas qualidades organolépticas do alimento;  Apenas se pretende destruir os microrganismos patogénicos;  microrganismos capazes de provocar alterações possuem baixa termo resistência;  Quando é necessário destruir microrganismos que competem com aqueles que vão produzir fermentações desejáveis outros processos de conservação (refrigeração, embalagem, adição de açúcar ou de conservantes químicos) devem ser complementados
  • 33. A pasteurização dos alimentos pode ser feita empregando duas estratégias alternativas  HTST  HighTemperature - ShortTime  temperatura alta - tempo curto  empregam-se temperaturas mais elevadas durante curtos períodos  LTH  LowTemperature Heating  aquecimento a baixa temperatura  utilizam-se temperaturas mais baixas durante períodos mais longos de tempo.
  • 34. A lista seguinte exemplifica algumas das utilizações destes dois tipos de pasteurização:  Leite - 62.8 ºC durante 30 min (LTH) - 71.7ºC durante 15 seg (HTST)  Mistura para gelados - 71.1ºC durante 30 min (LTH)  - 82.2ºC durante 16 - 20 seg (HTST)  Vinhos de uva - 82 - 85ºC durante 1 min  “Vinhos” de frutas - 62.8ºC ou mais (são engarrafados quentes)  Cerveja - 60ºC ou mais  Sumo de maçã - 60ºC, se embalado - 85 - 87.8ºC durante 30 - 60 seg, não embalado  Refrigerantes - 65.6ºC durante 30 min
  • 35. O aquecimento a cerca de 100ºC é utilizado desde há muito tempo para a elaboração de conservas caseiras  eficaz para destruir todos os microrganismos contaminantes dos alimentos, com exceção dos esporos bacterianos  eficiente na conservação dos alimentos mais ácidos.  métodos para atingir estas temperaturas - imersão do recipiente, que contém o alimento, em água fervente ou a sua exposição a vapor fluente.
  • 36. Como exemplos de aplicação deste tipo de tratamento podemos referir os seguintes:  Branqueamento dos legumes frescos, antes da sua congelação ou secagem;  Durante a cocção do pão e bolos, a temperatura no seu interior nunca alcança os 100ºC, muito abaixo daquela a que é exposto o exterior;  Assadura ou a fritura de carnes, em que a temperatura do interior do alimento é sempre inferior a 100ºC
  • 37. Aquecimento a mais de 100ºC  É feito com autoclaves ou com caldeiras de vapor sob pressão.  a temperatura dos alimentos aumenta com o aumento da pressão do vapor.  Empregando altas pressões, obtém-se rapidamente elevadas temperaturas  esterilização dos alimentos líquidos, antes de serem embalados.  O leite pode ser aquecido a mais de 150ºC, através da injeção de vapor, segue com uma “evaporação instantânea” do vapor de água e um rápido  tratamentos a temperatura ultra-elevada, ou UHT (Ultra High Temperature).