SlideShare uma empresa Scribd logo
COMUNICAÇÃO
  CIENTÍFICA:
Artigos Originais e Resumos para
          Congressos
 Reunião com Estudantes da Oncoliga -
                  UFPB
  Liga Acadêmica para o Estudo do Câncer

 Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz
            rilva@ccm.ufpb.br
A CIÊNCIA É UMA DAS
  MAIS IMPORTANTES
  CONTRIBUIÇÕES DA
INTELIGÊNCIA HUMANA
    PARA O MUNDO
  CONTEMPORÂNEO
Conhecimento científico: objetivo,
 factual (real), sistemático, verificável,
metódico, aproximadamente exato e...
                  falível...
       Verdades provisórias
Isto não impede que, às vezes,
   todos estejam errados e
assim permaneçam por longo
           tempo...
  “A Ciência está longe de ser
  um instrumento perfeito de
    conhecimento. É apenas o
          melhor que temos”

                      (Carl Sagan)
PROCESSO DE
 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA
    “As atividades associadas com a
    produção, disseminação e uso da
  informação, desde a hora em que o
 cientista tem a ideia da pesquisa até o
momento em que os resultados de seu
    trabalho são aceitos como parte
integrante do conhecimento científico”
                               (GARVEY, 1979)
                     Apud Zita A. Lago Rodrigues
PROCESSO DE
  COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 A Ciência que não se
    vê não existe
Os resultados de pesquisas precisam
 tornar-se acessíveis à comunidade
 científica e seus usuários – artigos
 em periódicos, anais de congressos
SISTEMA DE COMUNICAÇÃO NA
                    CIÊNCIA

                            2 CANAIS

                Diferentes Funções

                          INFORMAL
( INVISÍVEL AO PÚBLICO, AGIL, ATUAL, NÃO OFICIAL, NÃO CONTROLADO ....)


                            FORMAL
   ( VISÍVEL, LENTO MAS NECESSÁRIO, DIFUSÃO E OFICIALIZAÇÃO, PERMANENTES...)

                                           Apud Zita A. Lago Rodrigues
FASE DA REDAÇÃO
 Escrever é preciso...
Por que
escrever um
relatório ou
um resumo
científico?...
científico?...
O Estudante de Medicina escreve:
   Escreve relatório de Iniciação Científica
      Escreve resumos para congressos
      Artigos científicos completos
         Escreve livros e capítulos de livros
Ajuda o orientador a escrever projetos para solicitar
                       recursos
    Ajuda o orientador a escrever relatórios ...
                   NO FUTURO:
                 Projeto de Mestrado
               Dissertação de Mestrado
                Projeto de Doutorado
                  Tese de Doutorado
LIGAS ACADÊMICAS
   Frente Clínica: atividades práticas dos alunos,
como plantões e atendimentos ambulatoriais ou de
                    enfermaria
      Frente de Capacitação : seminários,
      discussões de casos clínicos, aulas de
                revisão/atualização
  Frente Científica ou de Eventos: encontros,
             jornadas ou congressos
  Frente de Pesquisa: atividades de produção de
                  conhecimento




         Projetos de pesquisa
      Resumos para congressos
     Artigos científicos completos
Portanto... Você não vai
escapar de escrever!...
MAS... É DIFÍCIL?!...
Alguns Pré-requisitos...
       Pré-
BOA PRÁTICA DE
    LEITURA
  Ler, ler, ler, ler, ler, ler e ler...
“É preciso ler, ler muito e ler bem”
                                                 (RUDIO, 1994)




  RUDIO, F. C. Introdução ao projeto de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1994
                                                                            14
APRENDER A ACESSAR A
 LITERATURA MÉDICA




  Aprender a buscar a
 Informação Científica
Aprendizado de Metodologia
    de Pesquisa Clínica
  Conhecer as técnicas usadas na área
      Conhecimento de estatística
      Conhecimento de métodos
Metodologia de coleta e análise de dados
  Saber comunicar: escrever e relatar
             resultados
  Conhecimentos de ética em pesquisa
Prática da pesquisa (Prof. Pedro Demo)
Adquirir destreza… exige
         destreza…
         prática!
         prática!
Pesquisa e Cooperação
   Pesquisa como
experiência coletiva




             Grupos
               de
            pesquisa
Sem publicação, a pesquisa
  não está completa...
Relatório de Pesquisa:
             Organização
 Dois paradigmas, de acordo com a área
       em que o estudo se insere:
American National Standard Institute (1972): "Instituto
         Nacional Americano de Padronização”
1) Ciências Humanas e Sociais: IDC
            I -> Introdução
   D -> Desenvolvimento (revisão da
        literatura em capítulos)
            C-> Conclusão
Relatório de Pesquisa:
       Organização
2) Ciências Naturais, Exatas,
   Tecnológicas e da Saúde:
          IRMRDC
           I -> Introdução
RMRD -> Desenvolvimento(revisão
 da literatura, métodos, resultados,
               discussão)
          C -> Conclusão
Textos científicos são uma forma
   especializada de comunicação
     É necessário ter base
metodológica e estatística para
  escrever artigos e resumos
             científicos            24
ARTIGO CIENTÍFICO
           ORIGINAL
     Artigo Original:
     “relato escrito e
  divulgado descrevendo
  uma pesquisa” (FERREIRA,
                             1994)
FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como escrever artigos, monografias,
                      dissertações e teses. Fortaleza: Edições UFC, 1994.
                                                                            25
Estrutura de um artigo científico
               •Título
            • Autor (es)
    • Resumo e palavras-chave
       •Abstract e Key-words
           • Introdução
          • Metodologia
           • Resultados
            • Discussão
            • Conclusão
           • Referências            26
Título
 Curto: não mais que 10-12 palavras
Conciso e atrativo para induzir à
             sua leitura
     Deve conter termos que
      identifiquem o conteúdo
  Títulos longos (> 15 palavras):
efeito antiestético; reflexo da falta de
        concisão e prolixidade
Último a escrever: requer habilidade
                                           27
Título
O título não deve conter palavras
 que “recheiam” ou alongam:
  “Introdução ao estudo de...”, ou
      “Considerações sobre...”
    Evitar artigos definidos e
      indefinidos: a, um, o
  Não agregam informações
importantes ao entendimento
   do conteúdo do artigo
                                 28
Título
 Um título adequado inclui
 geralmente: tipo do estudo,
principais variáveis e/ou amostra
   Apesar de haver regras
  úteis, só se aprende a ser
 um bom “resumidor” com
            a prática
  Prática, prática, prática     29
Por que se consolidou a prática
     de divulgar resumos?
   Em congressos científicos, o
 número de trabalhos submetidos
   e apresentados é elevado: as
 comissões selecionam os trabalhos a
         partir dos resumos
 O volume da pesquisa realizada
  internacionalmente é alto: o
  resumo é o ponto de partida da
       pesquisa bibliográfica
Como escrever um resumo?
   Síntese completa do artigo
      Objetivos, metodologia,
    resultados e conclusões
  Nas normas dos periódicos e dos
congressos define-se a extensão em
        número de palavras
     Evitar: “os autores" ou "este
               artigo”
Como escrever um resumo?
    A busca a simplicidade é
 fundamental: “Menos é mais”
      Princípio da Parcimônia
 Proposto no século XIV por Guilherme de
Occam (1285-1347), um dos fundamentos da
epistemologia científica: “... não multiplique as
        coisas desnecessariamente”
Como escrever um resumo?
       Um avaliador de resumos em
congressos científicos julga pelo mérito,
   pela conveniência, se determinado
           resumo é adequado
   Mas um resumo mal escrito também pode
 ser recusado, embora adequado para aquele
congresso e de boa qualidade metodológica e
                  científica
   Então é preciso aprender a fazer um
               bom resumo...
Resumo Estruturado
     Resumo de 150-300 palavras
    Dividido em sessões separadas:
objetivos, métodos, resultados e conclusões
Abreviações, referências e tabelas não
  devem ser utilizadas no resumo
CONCISÃO, CLAREZA, PRECISÃO E
       OBJETIVIDADE
    Conceber o resumo como um
  parágrafo coeso e contar palavras)
Palavras-
Palavras-chave ou Descritores

      Expressões que
  identificam o tema do
    artigo com vistas à
        catalogação
    Descritores DeCS
    (http://decs.bvs.br)
                                35
Introdução
     • Problema de pesquisa
              (Questão)
• Justificativa: argumentos apoiados na
           revisão da literatura
  • Revisão teórica: conhecimento
 existente que oferece conceitos sobre a
                 questão
    • Hipótese (s) de pesquisa
      • Objetivos do trabalho          36
Definição da Questão (Pergunta)
◦ Características de uma boa
           questão
 Factível: realizável
   Tamanho da amostra; capacidade
  técnica; suporte financeiro e
  disponibilidade
 Relevante
 Inovadora
 Eticamente aceitável
Definição da Questão
Que questões interessam em
        Medicina?
      ◦ Frequência, prevalência
◦ Associação, causalidade e etiologia
            ◦ Diagnóstico
     ◦ Tratamento e Prevenção
            ◦ Prognóstico
               ◦ Síntese
Introdução
  Deve despertar interesse:
      relevância, prevalência,
        morbimortalidade
 Deve indicar controvérsias e
  lacunas no conhecimento
Deve ser curta: 300 a 600 palavras
   Referências selecionadas
      Verbo no presente
     Texto sem subseções
                                     39
Metodologia
         Modelo da pesquisa
    Abordagem metodológica
          Local da pesquisa
        População e amostra
Instrumentos de coleta dos dados
   Análise estatística dos dados
           Aspectos éticos
  Precisão e objetividade: evitar
    informações e detalhes óbvios
          Verbo no passado          40
TIPOS DE
                    ESTUDOS

       Estudos                      Estudos
      descritivos                  analíticos
  Séries de
    casos       Observacional      Experimental
                                         ECR



Caso-controle       Transversal      Coorte

                       Revisão sistemática e Meta-
                                  análise
HIERARQUIA
 dos estudos
  científicos           1- Revisão
                      sistemática de
                  estudos randomizados
                 com ou sem meta-análise

                 2- Estudos experimentais
                       randomizados

                   3- Estudos de Coorte

                4- Estudos de Caso-Controle

                    5- Séries de Casos

                    6- Relato de Casos

                7- Opiniões de especialistas
Metodologia
    Definição detalhada da
    população do estudo:
critérios de inclusão e exclusão,
   processo de amostragem e
      amostra selecionada
   Descrição das variáveis:
     primária e secundárias;
  dependente e independente
                                43
Resultados
 • Seção mais importante do
             artigo
     • A apresentação dos
resultados deve se limitar à sua
           descrição
  • Complementar texto com
 tabelas e/ou gráficos, com os
 respectivos números e títulos
                                   44
Resultados
Apresentam-se primeiro
os resultados obtidos das
   análises descritivas
    seguindo-se os das
   análises inferenciais

                      45
Discussão
           Parte mais difícil...
 Iniciar com a resposta à questão,
   verbo no presente: a hipótese é
 corroborada pelos resultados? Explicar
como os resultados sustentam ou não a hipótese
Responder à pergunta da pesquisa: qual
      foi a resposta encontrada?
Comparar a resposta encontrada com
resultados de outros trabalhos da literatura
                                               46
Conclusões
    Devem ser diretamente
  relacionadas aos objetivos
 propostos: são as respostas às
        questões do estudo
    Objetivos # conclusões
◦ Evitar que conclusões não façam
    parte do objetivo inicial ou
◦ Evitar que o objetivo inicial não
        tenha sido concluído
                                      47
Conclusões
Podem incluir também:
        Aplicações
     Recomendações
       Implicações
Sugestão de outros estudos
para questões surgidas no
         trabalho
                             48
Referências
• Ordenadas   alfabeticamente ou
    numeradas por ordem de
      aparecimento no artigo
• O estilo pode ser Vancouver,
 ISO, ABNT, de acordo com as
   instruções normativas de
         cada periódico
                                   49
Redação e Estilo
 Linguagem técnico-científica sem
      expressões coloquiais
      Parcimônia: “Less is more...”
Objetividade: a linguagem objetiva deve
 afastar as expressões: “eu penso”, “eu
  acho”, “parece-me” - dão margem a
 interpretações simplórias e sem valor
                científico
                                      50
Redação e Estilo
  Estilo científico: objetividade,
   concisão, clareza, precisão,
       coerência, correção,
          encadeamento
 A linguagem científica é informativa,
racional, firmada em dados concretos;
podem-se apresentar argumentos de
ordem subjetiva, porém dentro de um
       ponto de vista científico.
                                  51
“O texto deve ter
três virtudes: clareza,
   clareza e clareza.”

        (Anatole France)
                      52
Elaborando a Comunicação...

            não deixe para a última hora                  escreva



 Leia relatórios
                                    faça um esboço
  ou resumos
                                                             revise



mostre ao orientador                           critique



                       reescreva/
                         corrija                     Envie o trabalho!
MUITO
             CUIDADO
              COM O
             PLÁGIO!...


Reescreva,
referencie
Congressos
Com publicação dos resumos em
              Anais
 Publicação em Revistas - ISSN
Seguir as normas para submissão
   de resumos do Congresso
Resumos simples ou expandidos
   Baixo índice de rejeição de
            trabalhos
Congressos
      Meio de participação
Exposição de grupos de pesquisa
    Troca de conhecimentos
    Crescimento acadêmico
    Mas grande parte dos
 trabalhos apresentados em
   congressos raramente é
          publicada...
Congressos
 A apresentação de trabalhos
 em congressos não pode ser
  considerada um fim em si
   mesma: o trabalho não se
          completa.
  Depois do congresso, escrever o
   artigo e submetê-lo à publicação
O trabalho publicado é o “troféu” para
       os autores e a instituição
Congressos
  Em geral, não são fornecidas
informações detalhadas sobre a
 estrutura do texto nas normas
    A maioria não pede para
 especificar modelo, seleção da
     amostra, limitações ou
  implicações dos resultados
Congressos
   Deveriam ser fornecidas
 orientações mais específicas
sobre a elaboração do resumo
   A qualidade dos resumos
deveria ser critério para seleção
dos melhores para apresentação
               oral
Congresso / Publicação de Artigo
    •Podem-se apresentar trabalhos em congressos e
        depois submetê-los à publicação em revistas
                         científicas
•   Nos anais dos congressos, são publicados apenas os
                          resumos
•   Não se pode submeter um artigo a duas revistas ao
                       mesmo tempo
•   Se rejeitado na primeira tentativa, o artigo deve ser
                  submetido a outra revista
•   Verificar o escopo de publicação da revista antes de
                     enviar o trabalho
      • Seguir rigorosamente as normas editoriais60
Periódicos
      Periódicos: apenas as revistas com ISSN, que
        •
    possuem corpo editorial qualificado e apresentam
     conteúdo composto exclusivamente por artigos
                      científicos.
        Qualis/Capes: produção intelectual dos
            •
    programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil
    •       Saúde: Educação Física, Enfermagem, Farmácia,
                Medicina I, Medicina II, Medicina III,
            Odontologia,Saúde coletiva = fator de impacto
•   Fator de impacto: publicado anualmente no Journal
                  Citation Reports (JCR)
                                                      61
Revistas – Publicação de
            Artigos
       Verificar Qualis/Capes:
http://qualis.capes.gov.br/webqualis/p
             rincipal.seam
 Periódicos internacionais (A,B,C) e
          nacionais (A,B,C)
  8 estratos em ordem decrescente
                de valor:
   A1 e A2 (excelência), B1, B2, B3, B4, B5 e C
                A1- Fator de Impacto igual ou superior a 3,800
                  A2- Fator de Impacto entre 3,799 e 2,500
                  B1- Fator de Impacto entre 2,499 e 1,300
                  B2- Fator de Impacto entre 1,299 e 0,001
Indicadores de Impacto
Impacto e qualidade de um trabalho
  científico não são sinônimos...
  Qualidade: conteúdo científico da
 publicação, adequação da metodologia,
 clareza da redação e originalidade do
    delineamento e das conclusões.
 Impacto: influência do artigo sobre as
  pesquisas afins em um determinado
               momento.
 O fator de impacto seria um indicador
  indireto da qualidade do periódico
Fator de Impacto
Fator de impacto de uma revista em um
dado ano: quociente entre o número de
citações recebidas neste ano pelos artigos
publicados nos dois anos anteriores e o
número de artigos publicados na revista
naqueles dois anos
Exemplo: O fator de impacto de uma revista X no ano de
2011 é definido como o número total de citações
recebidas durante o ano de 2011 pelos artigos publicados
nos anos de 2010 e 2009, dividido pelo número total de
artigos publicados por esta revista ao longo destes dois
últimos anos.
Fator de Impacto
      2012
   Revistas - Medicina
   Revistas - Oncologia
 Revistas Medicina - Brasil
2
0
1
2
2
0
1
2
Posição                 Título                             Editor                  Fator de impacto 2011                  Link
          Memórias do Instituto Oswaldo
  1                                     Instituto Oswaldo Cruz                 2.147                       http://memorias.ioc.fiocruz.br
          Cruz

  2       Clinics                             Faculdade de Medicina - USP      2.058                       www.clinics.org.br

          Journal of the Brazilian Chemical
  3                                         Sociedade Brasileira de Química 1.434                          http://jbcs.sbq.org.br
          Society
                                              Sociedade Brasileira de                                      www.jornaldepneumologia.com.b
  4       Jornal Brasileiro de Pneumologia                                     1.391
                                              Pneumologia e Tisiologia                                     r

  5       Revista de Saúde Pública            Faculdade de Saúde Pública - USP 1.328                       www.rsp.fsp.usp.br

          Revista Brasileira de Cirurgia      Sociedade Brasileira de Cirurgia
  6                                                                            1.239                       www.rbccv.org.br
          Cardiovascular                      Cardiovascular
                                              Associação Brasileira de
  7       Revista Brasileira de Psiquiatria                                    1.198                       www.rbppsiquiatria.org.br
                                              Psiquiatria

                                              Fundação de Pesquisas Científicas
  8       Genetics and Molecular Research                                       1.184                      www.geneticsmr.com
                                              de Ribeirão Preto

          Brazilian Journal of Medical and    Associação Brasileira de
  9                                                                            1.129                       www.bjournal.com.br
          Biological Research                 Divulgação Científica

          Anais da Academia Brasileira de
  10                                      Academia Brasileira de Ciências 1.094                            www.scielo.br/aabc
          Ciências

  11      International Braz J Urol           Sociedade Brasileira de Urologia 1.065                       www.brazjurol.com.br

                                              Sociedade Brasileira de
  12      Neotropical Ichtyhology                                              1.064                       www.scielo.br/ni
                                              Ictiologia

                                              Associação Brasileira de Ciência                             www.abeco.org.br/publicacoes/na
  13      Natureza & Conservação                                               1.049
                                              Ecológica e Conservação                                      tureza-e-conservacao

                                              Sociedade Brasileira de
  14      Jornal de Pediatria                                                  1.013                       www.jped.com.br
                                              Pediatria
          The Brazilian Journal of Infectious Sociedade Brasileira de
  15                                                                           1.005                       www.bjid.org.br
          Diseases                            Infectologia

          Revista do Instituto de Medicina Instituto de Medicina Tropical de
  16                                                                         1.000                         www.scielo.br/rimtsp
          Tropical de São Paulo            São Paulo - USP
Sugestões para leitura
Livros (Biblioteca Central UFPB)
ABRAHAMSOHN, P. Redação Científica. Rio de
 Janeiro: Guanabara Koogan, 2004
BARRASS, R. Os cientistas precisam escrever:
 Guia de redação para cientistas, engenheiros e
 estudantes. São Paulo: T. A. Queiroz, 1978.
FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como
  escrever artigos, monografias, dissertações e teses.
  Fortaleza: Edições UFC, 1994.

                                                 69
Sugestões para leitura
  Artigos sobre análise crítica da redação
                  científica
Em pdf
http://www.unerj.br/unerj/pesquisa/arquivos/Manual_Artigo_
  cientifico.pdf.
http://www.odonto.ufmg.br/index2.php?option=com_docma
  n&task=doc_view&gid=32&Itemid=98.
http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&task=d
  oc_download&gid=18&Itemid=15.
http://www.cb.ufrn.br/~araujo/textos/aula1.pdf.
Em HTML
FRIEDLANDER, M. R.; ARBUES-MOREIRA, M. T. Análise de
  um trabalho científico: um exercício. Rev. bras. enferm. v.
  60, n. 5, p. 573-578, 2007.
                                                        70
“Todo caminho para
uma nova compreensão
começa com uma certa
            confusão”

         (Mason Cooley)
Boas pesquisas a
vocês da Oncoliga...
  E “caprichem” na
  comunicação dos
     resultados!
Mas... Com qualidade...
Fonte: Jornal da Ciência, da SBPC


E não desistam facilmente...
  não

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
jaddy xavier
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
gallojunior
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
Laís Berlatto
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
Gaudierre Palhotto
 
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSCSlide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Cândido Silva
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
Larissa Almada
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Nicolau Chaud
 
Como Apresentar Tcc Banca Ii
Como Apresentar Tcc   Banca IiComo Apresentar Tcc   Banca Ii
Como Apresentar Tcc Banca Ii
Flaviacristina74
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
Carlos Eugenio Lima Silva
 
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
Bárbara Morim
 
Análise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dadosAnálise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dados
Adamo Cruz
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Textos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativosTextos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativos
Patricio Armando Sando
 
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativaPesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Taïs Bressane
 
Modelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorioModelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorio
Camila Neitzke
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográfica
Ricardo Alexandre
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científico
Ludmila Moura
 
Redação científica
Redação científicaRedação científica
Redação científica
Aparecido Oliveira
 
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva MuñozElaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais procurados (20)

Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
 
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSCSlide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Como Apresentar Tcc Banca Ii
Como Apresentar Tcc   Banca IiComo Apresentar Tcc   Banca Ii
Como Apresentar Tcc Banca Ii
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
OS CRITÉRIOS DE UMA BOA PERGUNTA DE PARTIDA”
 
Análise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dadosAnálise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dados
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Textos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativosTextos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativos
 
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativaPesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativa
 
Modelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorioModelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorio
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográfica
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científico
 
Redação científica
Redação científicaRedação científica
Redação científica
 
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva MuñozElaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
Elaboração de Pôsteres Científicos para Congressos - Profa. Rilva Muñoz
 

Destaque

Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva MuñozProjeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva MuñozApresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Comuniação cientifica
Comuniação cientificaComuniação cientifica
Comuniação cientifica
Camila Oliveira Cruz
 
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
Carlos Fernando Jung
 
Relatório Anual 2014
Relatório Anual 2014Relatório Anual 2014
Relatório Anual 2014
Carlos Fernando Jung
 
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura CientíficaCiência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
Cláudio França
 
Relatório Anual 2015
Relatório Anual 2015Relatório Anual 2015
Relatório Anual 2015
Carlos Fernando Jung
 
Módulo 2 - Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
Módulo 2 -  Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei CientíficaMódulo 2 -  Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
Módulo 2 - Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
Carlos Fernando Jung
 
Comunicação científica e convergência
Comunicação científica e convergênciaComunicação científica e convergência
Comunicação científica e convergência
cguardado
 
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva MuñozBusca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
Felipe Mago
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
Sarah Kalley
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva MuñozTCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Tipos de comunicação (2)
Tipos de comunicação (2)Tipos de comunicação (2)
Tipos de comunicação (2)
Telecomunicacoes
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientificaIII SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
Suelybcs .
 

Destaque (20)

Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva MuñozProjeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
Projeto de Pesquisa - Profa. Rilva Muñoz
 
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva MuñozApresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz
 
Comuniação cientifica
Comuniação cientificaComuniação cientifica
Comuniação cientifica
 
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
Fatores que Impactam o Desempenho de um Programa Estadual de Inovação Tecnoló...
 
Relatório Anual 2014
Relatório Anual 2014Relatório Anual 2014
Relatório Anual 2014
 
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura CientíficaCiência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
Ciência, Sistema de Comunicação Científica e Literatura Científica
 
Relatório Anual 2015
Relatório Anual 2015Relatório Anual 2015
Relatório Anual 2015
 
Módulo 2 - Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
Módulo 2 -  Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei CientíficaMódulo 2 -  Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
Módulo 2 - Hipótese, Modelo, Achado, Teoria e Lei Científica
 
Comunicação científica e convergência
Comunicação científica e convergênciaComunicação científica e convergência
Comunicação científica e convergência
 
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva MuñozBusca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva MuñozTCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
 
Tipos de comunicação (2)
Tipos de comunicação (2)Tipos de comunicação (2)
Tipos de comunicação (2)
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
 
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientificaIII SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
III SECIN Palestra Geracoes XYZ, web 2.0 e a comunicacao cientifica
 

Semelhante a Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz

Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
Jose Ribamar
 
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
Bibliotecas da Universidade de Aveiro
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
UNICEP
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Renata Aquino
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
FSCCarvalho
 
Metodologia_Pesquisa.ppt
Metodologia_Pesquisa.pptMetodologia_Pesquisa.ppt
Metodologia_Pesquisa.ppt
JanainaMatos20
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
Helena Coutinho
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
UNICEP
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
Solange Santana
 
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFEPalestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Universidade de São Paulo
 
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatórioComo fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Lucila Pesce
 
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_CientíficaTrabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Wagner Quirici
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
Fernanda Monteiro
 
Metodologia da pesquisa
Metodologia da pesquisaMetodologia da pesquisa
Metodologia da pesquisa
LURDINHA BEZERRA
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
Fernanda Monteiro
 
Metodologia Princípios
Metodologia PrincípiosMetodologia Princípios
Metodologia Princípios
FriFri
 
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Beta Campos
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
FABOLASOARESDOSREIS
 
Aula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucciAula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucci
Ronilson de Souza Luiz
 
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziComo elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Elizabeth Fantauzzi
 

Semelhante a Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz (20)

Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
Seleção de Fontes de Informação Científica - 2016
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
Metodologia_Pesquisa.ppt
Metodologia_Pesquisa.pptMetodologia_Pesquisa.ppt
Metodologia_Pesquisa.ppt
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
 
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFEPalestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
 
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatórioComo fazer projeto de pesquisa e relatório
Como fazer projeto de pesquisa e relatório
 
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_CientíficaTrabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
Metodologia da pesquisa
Metodologia da pesquisaMetodologia da pesquisa
Metodologia da pesquisa
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
 
Metodologia Princípios
Metodologia PrincípiosMetodologia Princípios
Metodologia Princípios
 
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
 
Aula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucciAula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucci
 
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziComo elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESMEDor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESMEDor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 

Último

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz

  • 1. COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: Artigos Originais e Resumos para Congressos Reunião com Estudantes da Oncoliga - UFPB Liga Acadêmica para o Estudo do Câncer Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. A CIÊNCIA É UMA DAS MAIS IMPORTANTES CONTRIBUIÇÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA PARA O MUNDO CONTEMPORÂNEO Conhecimento científico: objetivo, factual (real), sistemático, verificável, metódico, aproximadamente exato e... falível... Verdades provisórias
  • 3. Isto não impede que, às vezes, todos estejam errados e assim permaneçam por longo tempo... “A Ciência está longe de ser um instrumento perfeito de conhecimento. É apenas o melhor que temos” (Carl Sagan)
  • 4. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA “As atividades associadas com a produção, disseminação e uso da informação, desde a hora em que o cientista tem a ideia da pesquisa até o momento em que os resultados de seu trabalho são aceitos como parte integrante do conhecimento científico” (GARVEY, 1979) Apud Zita A. Lago Rodrigues
  • 5. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA A Ciência que não se vê não existe Os resultados de pesquisas precisam tornar-se acessíveis à comunidade científica e seus usuários – artigos em periódicos, anais de congressos
  • 6. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO NA CIÊNCIA 2 CANAIS Diferentes Funções INFORMAL ( INVISÍVEL AO PÚBLICO, AGIL, ATUAL, NÃO OFICIAL, NÃO CONTROLADO ....) FORMAL ( VISÍVEL, LENTO MAS NECESSÁRIO, DIFUSÃO E OFICIALIZAÇÃO, PERMANENTES...) Apud Zita A. Lago Rodrigues
  • 7. FASE DA REDAÇÃO Escrever é preciso...
  • 8. Por que escrever um relatório ou um resumo científico?... científico?...
  • 9. O Estudante de Medicina escreve: Escreve relatório de Iniciação Científica Escreve resumos para congressos Artigos científicos completos Escreve livros e capítulos de livros Ajuda o orientador a escrever projetos para solicitar recursos Ajuda o orientador a escrever relatórios ... NO FUTURO: Projeto de Mestrado Dissertação de Mestrado Projeto de Doutorado Tese de Doutorado
  • 10. LIGAS ACADÊMICAS Frente Clínica: atividades práticas dos alunos, como plantões e atendimentos ambulatoriais ou de enfermaria Frente de Capacitação : seminários, discussões de casos clínicos, aulas de revisão/atualização Frente Científica ou de Eventos: encontros, jornadas ou congressos Frente de Pesquisa: atividades de produção de conhecimento Projetos de pesquisa Resumos para congressos Artigos científicos completos
  • 11. Portanto... Você não vai escapar de escrever!...
  • 14. BOA PRÁTICA DE LEITURA Ler, ler, ler, ler, ler, ler e ler... “É preciso ler, ler muito e ler bem” (RUDIO, 1994) RUDIO, F. C. Introdução ao projeto de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1994 14
  • 15. APRENDER A ACESSAR A LITERATURA MÉDICA Aprender a buscar a Informação Científica
  • 16. Aprendizado de Metodologia de Pesquisa Clínica Conhecer as técnicas usadas na área Conhecimento de estatística Conhecimento de métodos Metodologia de coleta e análise de dados Saber comunicar: escrever e relatar resultados Conhecimentos de ética em pesquisa
  • 17.
  • 18. Prática da pesquisa (Prof. Pedro Demo)
  • 19. Adquirir destreza… exige destreza… prática! prática!
  • 20. Pesquisa e Cooperação Pesquisa como experiência coletiva Grupos de pesquisa
  • 21. Sem publicação, a pesquisa não está completa...
  • 22. Relatório de Pesquisa: Organização Dois paradigmas, de acordo com a área em que o estudo se insere: American National Standard Institute (1972): "Instituto Nacional Americano de Padronização” 1) Ciências Humanas e Sociais: IDC I -> Introdução D -> Desenvolvimento (revisão da literatura em capítulos) C-> Conclusão
  • 23. Relatório de Pesquisa: Organização 2) Ciências Naturais, Exatas, Tecnológicas e da Saúde: IRMRDC I -> Introdução RMRD -> Desenvolvimento(revisão da literatura, métodos, resultados, discussão) C -> Conclusão
  • 24. Textos científicos são uma forma especializada de comunicação É necessário ter base metodológica e estatística para escrever artigos e resumos científicos 24
  • 25. ARTIGO CIENTÍFICO ORIGINAL Artigo Original: “relato escrito e divulgado descrevendo uma pesquisa” (FERREIRA, 1994) FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como escrever artigos, monografias, dissertações e teses. Fortaleza: Edições UFC, 1994. 25
  • 26. Estrutura de um artigo científico •Título • Autor (es) • Resumo e palavras-chave •Abstract e Key-words • Introdução • Metodologia • Resultados • Discussão • Conclusão • Referências 26
  • 27. Título Curto: não mais que 10-12 palavras Conciso e atrativo para induzir à sua leitura Deve conter termos que identifiquem o conteúdo Títulos longos (> 15 palavras): efeito antiestético; reflexo da falta de concisão e prolixidade Último a escrever: requer habilidade 27
  • 28. Título O título não deve conter palavras que “recheiam” ou alongam: “Introdução ao estudo de...”, ou “Considerações sobre...” Evitar artigos definidos e indefinidos: a, um, o Não agregam informações importantes ao entendimento do conteúdo do artigo 28
  • 29. Título Um título adequado inclui geralmente: tipo do estudo, principais variáveis e/ou amostra Apesar de haver regras úteis, só se aprende a ser um bom “resumidor” com a prática Prática, prática, prática 29
  • 30. Por que se consolidou a prática de divulgar resumos? Em congressos científicos, o número de trabalhos submetidos e apresentados é elevado: as comissões selecionam os trabalhos a partir dos resumos O volume da pesquisa realizada internacionalmente é alto: o resumo é o ponto de partida da pesquisa bibliográfica
  • 31. Como escrever um resumo? Síntese completa do artigo Objetivos, metodologia, resultados e conclusões Nas normas dos periódicos e dos congressos define-se a extensão em número de palavras Evitar: “os autores" ou "este artigo”
  • 32. Como escrever um resumo? A busca a simplicidade é fundamental: “Menos é mais” Princípio da Parcimônia Proposto no século XIV por Guilherme de Occam (1285-1347), um dos fundamentos da epistemologia científica: “... não multiplique as coisas desnecessariamente”
  • 33. Como escrever um resumo? Um avaliador de resumos em congressos científicos julga pelo mérito, pela conveniência, se determinado resumo é adequado Mas um resumo mal escrito também pode ser recusado, embora adequado para aquele congresso e de boa qualidade metodológica e científica Então é preciso aprender a fazer um bom resumo...
  • 34. Resumo Estruturado Resumo de 150-300 palavras Dividido em sessões separadas: objetivos, métodos, resultados e conclusões Abreviações, referências e tabelas não devem ser utilizadas no resumo CONCISÃO, CLAREZA, PRECISÃO E OBJETIVIDADE Conceber o resumo como um parágrafo coeso e contar palavras)
  • 35. Palavras- Palavras-chave ou Descritores Expressões que identificam o tema do artigo com vistas à catalogação Descritores DeCS (http://decs.bvs.br) 35
  • 36. Introdução • Problema de pesquisa (Questão) • Justificativa: argumentos apoiados na revisão da literatura • Revisão teórica: conhecimento existente que oferece conceitos sobre a questão • Hipótese (s) de pesquisa • Objetivos do trabalho 36
  • 37. Definição da Questão (Pergunta) ◦ Características de uma boa questão Factível: realizável Tamanho da amostra; capacidade técnica; suporte financeiro e disponibilidade Relevante Inovadora Eticamente aceitável
  • 38. Definição da Questão Que questões interessam em Medicina? ◦ Frequência, prevalência ◦ Associação, causalidade e etiologia ◦ Diagnóstico ◦ Tratamento e Prevenção ◦ Prognóstico ◦ Síntese
  • 39. Introdução Deve despertar interesse: relevância, prevalência, morbimortalidade Deve indicar controvérsias e lacunas no conhecimento Deve ser curta: 300 a 600 palavras Referências selecionadas Verbo no presente Texto sem subseções 39
  • 40. Metodologia Modelo da pesquisa Abordagem metodológica Local da pesquisa População e amostra Instrumentos de coleta dos dados Análise estatística dos dados Aspectos éticos Precisão e objetividade: evitar informações e detalhes óbvios Verbo no passado 40
  • 41. TIPOS DE ESTUDOS Estudos Estudos descritivos analíticos Séries de casos Observacional Experimental ECR Caso-controle Transversal Coorte Revisão sistemática e Meta- análise
  • 42. HIERARQUIA dos estudos científicos 1- Revisão sistemática de estudos randomizados com ou sem meta-análise 2- Estudos experimentais randomizados 3- Estudos de Coorte 4- Estudos de Caso-Controle 5- Séries de Casos 6- Relato de Casos 7- Opiniões de especialistas
  • 43. Metodologia Definição detalhada da população do estudo: critérios de inclusão e exclusão, processo de amostragem e amostra selecionada Descrição das variáveis: primária e secundárias; dependente e independente 43
  • 44. Resultados • Seção mais importante do artigo • A apresentação dos resultados deve se limitar à sua descrição • Complementar texto com tabelas e/ou gráficos, com os respectivos números e títulos 44
  • 45. Resultados Apresentam-se primeiro os resultados obtidos das análises descritivas seguindo-se os das análises inferenciais 45
  • 46. Discussão Parte mais difícil... Iniciar com a resposta à questão, verbo no presente: a hipótese é corroborada pelos resultados? Explicar como os resultados sustentam ou não a hipótese Responder à pergunta da pesquisa: qual foi a resposta encontrada? Comparar a resposta encontrada com resultados de outros trabalhos da literatura 46
  • 47. Conclusões Devem ser diretamente relacionadas aos objetivos propostos: são as respostas às questões do estudo Objetivos # conclusões ◦ Evitar que conclusões não façam parte do objetivo inicial ou ◦ Evitar que o objetivo inicial não tenha sido concluído 47
  • 48. Conclusões Podem incluir também: Aplicações Recomendações Implicações Sugestão de outros estudos para questões surgidas no trabalho 48
  • 49. Referências • Ordenadas alfabeticamente ou numeradas por ordem de aparecimento no artigo • O estilo pode ser Vancouver, ISO, ABNT, de acordo com as instruções normativas de cada periódico 49
  • 50. Redação e Estilo Linguagem técnico-científica sem expressões coloquiais Parcimônia: “Less is more...” Objetividade: a linguagem objetiva deve afastar as expressões: “eu penso”, “eu acho”, “parece-me” - dão margem a interpretações simplórias e sem valor científico 50
  • 51. Redação e Estilo Estilo científico: objetividade, concisão, clareza, precisão, coerência, correção, encadeamento A linguagem científica é informativa, racional, firmada em dados concretos; podem-se apresentar argumentos de ordem subjetiva, porém dentro de um ponto de vista científico. 51
  • 52. “O texto deve ter três virtudes: clareza, clareza e clareza.” (Anatole France) 52
  • 53. Elaborando a Comunicação... não deixe para a última hora escreva Leia relatórios faça um esboço ou resumos revise mostre ao orientador critique reescreva/ corrija Envie o trabalho!
  • 54. MUITO CUIDADO COM O PLÁGIO!... Reescreva, referencie
  • 55. Congressos Com publicação dos resumos em Anais Publicação em Revistas - ISSN Seguir as normas para submissão de resumos do Congresso Resumos simples ou expandidos Baixo índice de rejeição de trabalhos
  • 56. Congressos Meio de participação Exposição de grupos de pesquisa Troca de conhecimentos Crescimento acadêmico Mas grande parte dos trabalhos apresentados em congressos raramente é publicada...
  • 57. Congressos A apresentação de trabalhos em congressos não pode ser considerada um fim em si mesma: o trabalho não se completa. Depois do congresso, escrever o artigo e submetê-lo à publicação O trabalho publicado é o “troféu” para os autores e a instituição
  • 58. Congressos Em geral, não são fornecidas informações detalhadas sobre a estrutura do texto nas normas A maioria não pede para especificar modelo, seleção da amostra, limitações ou implicações dos resultados
  • 59. Congressos Deveriam ser fornecidas orientações mais específicas sobre a elaboração do resumo A qualidade dos resumos deveria ser critério para seleção dos melhores para apresentação oral
  • 60. Congresso / Publicação de Artigo •Podem-se apresentar trabalhos em congressos e depois submetê-los à publicação em revistas científicas • Nos anais dos congressos, são publicados apenas os resumos • Não se pode submeter um artigo a duas revistas ao mesmo tempo • Se rejeitado na primeira tentativa, o artigo deve ser submetido a outra revista • Verificar o escopo de publicação da revista antes de enviar o trabalho • Seguir rigorosamente as normas editoriais60
  • 61. Periódicos Periódicos: apenas as revistas com ISSN, que • possuem corpo editorial qualificado e apresentam conteúdo composto exclusivamente por artigos científicos. Qualis/Capes: produção intelectual dos • programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil • Saúde: Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Medicina I, Medicina II, Medicina III, Odontologia,Saúde coletiva = fator de impacto • Fator de impacto: publicado anualmente no Journal Citation Reports (JCR) 61
  • 62. Revistas – Publicação de Artigos Verificar Qualis/Capes: http://qualis.capes.gov.br/webqualis/p rincipal.seam Periódicos internacionais (A,B,C) e nacionais (A,B,C) 8 estratos em ordem decrescente de valor: A1 e A2 (excelência), B1, B2, B3, B4, B5 e C A1- Fator de Impacto igual ou superior a 3,800 A2- Fator de Impacto entre 3,799 e 2,500 B1- Fator de Impacto entre 2,499 e 1,300 B2- Fator de Impacto entre 1,299 e 0,001
  • 63. Indicadores de Impacto Impacto e qualidade de um trabalho científico não são sinônimos... Qualidade: conteúdo científico da publicação, adequação da metodologia, clareza da redação e originalidade do delineamento e das conclusões. Impacto: influência do artigo sobre as pesquisas afins em um determinado momento. O fator de impacto seria um indicador indireto da qualidade do periódico
  • 64. Fator de Impacto Fator de impacto de uma revista em um dado ano: quociente entre o número de citações recebidas neste ano pelos artigos publicados nos dois anos anteriores e o número de artigos publicados na revista naqueles dois anos Exemplo: O fator de impacto de uma revista X no ano de 2011 é definido como o número total de citações recebidas durante o ano de 2011 pelos artigos publicados nos anos de 2010 e 2009, dividido pelo número total de artigos publicados por esta revista ao longo destes dois últimos anos.
  • 65. Fator de Impacto 2012 Revistas - Medicina Revistas - Oncologia Revistas Medicina - Brasil
  • 68. Posição Título Editor Fator de impacto 2011 Link Memórias do Instituto Oswaldo 1 Instituto Oswaldo Cruz 2.147 http://memorias.ioc.fiocruz.br Cruz 2 Clinics Faculdade de Medicina - USP 2.058 www.clinics.org.br Journal of the Brazilian Chemical 3 Sociedade Brasileira de Química 1.434 http://jbcs.sbq.org.br Society Sociedade Brasileira de www.jornaldepneumologia.com.b 4 Jornal Brasileiro de Pneumologia 1.391 Pneumologia e Tisiologia r 5 Revista de Saúde Pública Faculdade de Saúde Pública - USP 1.328 www.rsp.fsp.usp.br Revista Brasileira de Cirurgia Sociedade Brasileira de Cirurgia 6 1.239 www.rbccv.org.br Cardiovascular Cardiovascular Associação Brasileira de 7 Revista Brasileira de Psiquiatria 1.198 www.rbppsiquiatria.org.br Psiquiatria Fundação de Pesquisas Científicas 8 Genetics and Molecular Research 1.184 www.geneticsmr.com de Ribeirão Preto Brazilian Journal of Medical and Associação Brasileira de 9 1.129 www.bjournal.com.br Biological Research Divulgação Científica Anais da Academia Brasileira de 10 Academia Brasileira de Ciências 1.094 www.scielo.br/aabc Ciências 11 International Braz J Urol Sociedade Brasileira de Urologia 1.065 www.brazjurol.com.br Sociedade Brasileira de 12 Neotropical Ichtyhology 1.064 www.scielo.br/ni Ictiologia Associação Brasileira de Ciência www.abeco.org.br/publicacoes/na 13 Natureza & Conservação 1.049 Ecológica e Conservação tureza-e-conservacao Sociedade Brasileira de 14 Jornal de Pediatria 1.013 www.jped.com.br Pediatria The Brazilian Journal of Infectious Sociedade Brasileira de 15 1.005 www.bjid.org.br Diseases Infectologia Revista do Instituto de Medicina Instituto de Medicina Tropical de 16 1.000 www.scielo.br/rimtsp Tropical de São Paulo São Paulo - USP
  • 69. Sugestões para leitura Livros (Biblioteca Central UFPB) ABRAHAMSOHN, P. Redação Científica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004 BARRASS, R. Os cientistas precisam escrever: Guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. São Paulo: T. A. Queiroz, 1978. FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como escrever artigos, monografias, dissertações e teses. Fortaleza: Edições UFC, 1994. 69
  • 70. Sugestões para leitura Artigos sobre análise crítica da redação científica Em pdf http://www.unerj.br/unerj/pesquisa/arquivos/Manual_Artigo_ cientifico.pdf. http://www.odonto.ufmg.br/index2.php?option=com_docma n&task=doc_view&gid=32&Itemid=98. http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&task=d oc_download&gid=18&Itemid=15. http://www.cb.ufrn.br/~araujo/textos/aula1.pdf. Em HTML FRIEDLANDER, M. R.; ARBUES-MOREIRA, M. T. Análise de um trabalho científico: um exercício. Rev. bras. enferm. v. 60, n. 5, p. 573-578, 2007. 70
  • 71. “Todo caminho para uma nova compreensão começa com uma certa confusão” (Mason Cooley)
  • 72. Boas pesquisas a vocês da Oncoliga... E “caprichem” na comunicação dos resultados!
  • 74. Fonte: Jornal da Ciência, da SBPC E não desistam facilmente... não