SlideShare uma empresa Scribd logo
APRESENTAÇÃO ORAL DE
TRABALHOS CIENTÍFICOS

Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
         rilva@ccm.ufpb.br
OBJETIVOS
   Orientar sobre o preparo de
 apresentações orais de trabalhos
            científicos;
Prover orientações de como fazer a
        apresentação oral;
  Fornecer dicas sobre como se
      comportar durante a
         apresentação.
FALAR EM ENCONTROS
CIENTÍFICOS É SOMENTE PARA
     ALGUNS INICIADOS?

 •Falar em público para um grupo
 acadêmico, é para todos os que
 fazem a academia: professores e
             alunos;
   • Os dois maiores inimigos que
   bloqueiam a apresentação são
TIMIDEZ e DESPREPARO, que podem
           ser combatidos.
POR QUE FALAR EM ENCONTROS
 CIENTÍFICOS É IMPORTANTE?
• Falar em encontros científicos é falar
     CIÊNCIA. E contra fatos
 (comprovados) não há argumentos
    • Em uma fala científica vários
elementos são avaliados; dois, porém,
            são cruciais:
          A maneira de FALAR
      A maneira de APRESENTAR.
O COMEÇO…
 É normal ficar nervoso (a) /
   tenso (a) nas primeiras
 apresentações, e mesmo
          depois...
  Os minutos iniciais são decisivos;

  Forma-se uma opinião sobre o
apresentador nos instantes iniciais.
O COMEÇO…
  Ficar em frente do público, sem
  qualquer barreira física (mesa,
              estante)
  Olhar descontraído e amigável,
 mesmo quando se está perto do
            “pânico”...
  Olhar para a platéia em silêncio,
para construção do contato inicial,
  em seguida, começar a falar...
Em pé:
melhor




 Atrás de
uma tribuna   Sentado
O COMEÇO…
   Saudar a banca avaliadora
    Cuidado com a forma de
tratamento: senhor, senhora / título
            acadêmico
       Primeiro, saudam-se os
professores convidados e depois o
 professor orientador; a seguir, o
    coordenador do curso (se
            presente).
ATRIBUTOS DE UMA BOA
    COMUNICAÇÃO
        Entonação
    Elocução pausada
 Clareza de articulação
    Modulação da voz:
variação do volume e tom
 (evitar tom monótono)
ATRIBUTOS DE UMA BOA
     APRESENTAÇÃO
 O tom deve crescer ao se
 pronunciarem palavras de
grande importância na frase
         (ênfase)
Função da mímica: fisionomia,
 movimento dos braços e das
           mãos
ATRIBUTOS DE UMA BOA
       APRESENTAÇÃO
Utilização efetiva dos recursos visuais
     Contato visual adequado
  Clareza na pronúncia e fluência
Manter uma velocidade adequada
        de apresentação
Movimentos de postura e do corpo,
     sugerindo a confiança
INCONVENIENTES DE UMA
     APRESENTAÇÃO
      Defeitos da mímica
Movimentos descontrolados das
            mãos
        Tom monótono
Pôr ênfase indiscriminadamente
 em vocábulos acessórios de
             ligação
INCONVENIENTES DE UMA
     APRESENTAÇÃO
Tiques de linguagem: “né”, “tá”,
   “certo” – poluem o discurso

Gírias e modismos de linguagem

     Palavras complicadas

Fixar o olhar em pontos: janela,
           teto, chão
Ainda…
  Ainda… evitar dizer…
                dizer…
  “Todo mundo já sabe que…”

“É bem conhecido na literatura…”

 “Isso não é importante, vamos
        passar adiante…”

  “Era só isso que eu tinha para
              dizer…”
ANTES DA APRESENTAÇÃO
Preparar os slides
Repensar os slides (conteúdos e ordem)
Treinar a apresentação
 ajuda a lembrar o que falar em cada
 tópico
 ajuda a associar cada palavra-chave ao
 que se deve falar
 permite saber o tempo total da
 apresentação
 permite entender o tempo necessário
 para cada slide
ANTES DA APRESENTAÇÃO
Preparar o ambiente
 Iluminação: nem demais nem de menos (algumas
 pessoas fazem anotações e lêem complementos);

 Tela ou pano de fundo;
 Verificar equipamento;
 Ver compatibilidade entre computador e
projetor;
 Rever as cores usadas (podem modificar no
ambiente ou com o equipamento)
ANTES DA APRESENTAÇÃO
Verifique os recursos multimídia
          disponíveis
Ver a versão do PowerPoint do
   computador da sala de
        apresentação
 Visite a sala no dia anterior à
         apresentação
ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO
A parte introdutória e de revisão
bibliográfica deve ser resumida
 Supõe-se que a banca já leu e tem
 pleno conhecimento desta parte
 Serve para mostrar para a banca
 que o aluno domina o conteúdo
Terminar esta parte deixando claro
qual é o problema de pesquisa
tratado e sua justificativa
RESULTADOS E DISCUSSÃO
    • “Alma   do trabalho”
•Diferente do trabalho escrito,
    as apresentações dos
RESULTADOS e da DISCUSSÃO
       são simultâneas
  • Não há slides com título
         DISCUSSÃO
APRESENTAÇÃO PESSOAL
  • Vestir-se adequadamente: roupas
             claras e discretas;
  • Sapatos e sandálias confortáveis de
             salto mediano;
• Mantenha a simplicidade, crie empatia;
            • Pontualidade;
 •Nenhuma técnica é mais importante
       que a sua naturalidade.
Sem
exageros...
Escolha uma roupa mais
 sóbria e apropriada...
POSTURA
    • Ficar sempre bem posicionado,
 distribuindo o peso do corpo nas duas
                 pernas
  •Apresente-se de pé, somente o faça
 sentado com a autorização da banca
 • Não se apoiar em objetos (cadeiras,
                mesas)
•Não ficar “brincando” com a caneta na
 mão: tira a concentração da banca e
               dos ouvintes
POSTURA
 • Evitar colocar as mãos nos bolsos,
cruzar os braços ou se debruçar sobre
               a mesa
 • Procurar demonstrar serenidade,
      naturalidade e simpatia
 • Demonstrar humildade, mas sem
          subserviência
 • Não caminhar em frente à tela de
             projeção
POSTURA
 Não dar as costas para a
banca nem para a platéia
   Evitar ficar parado no
mesmo ponto durante todo
o tempo da apresentação
      Evitar piadas…
POSTURA
     Demonstrar
      energia,
      vontade,
      interesse
   Não aparentar
      apatia e
    indiferença
PONTUALIDADE
Chegar ao local com
  antecedência
Verificar as condições
        gerais
 Promover ajustes, se
     necessário
DURANTE A APRESENTAÇÃO
Usar um apontador laser
◦ é inadequado ficar apontando com o dedo
◦ usar uma caneta pode dificultar apontar o lugar correto
◦ Dispensa a aproximação da tela ou parede

Olhar as pessoas nos olhos

Não fixar o olhar por muito tempo

Não olhar somente para uma mesma pessoa

Se ficar nervoso, não olhar para os olhos das pessoas

Não pensar em quem está na platéia (evitar ficar
nervoso ao saber que há um espectador importante
assistindo)
DURANTE A APRESENTAÇÃO
Respirar fundo antes de começar;
Ir devagar durante toda a apresentação;
Cuidado: em geral, as pessoas gastam mais
tempo no início e depois precisam “correr” nos
últimos slides;
Não usar expressões como:
 “eu acho”
 “parece”
 “desculpe”
 “não lembro”
DURANTE A APRESENTAÇÃO
 Ter “atitude”
 Ficar de pé de frente para a platéia
 Movimentar-se: alternar, virando para a
banca, para a platéia e para os slides;
 Andar calmamente de um lado para
outro;
 Cuidado para não passar na frente do
projetor nem pisar em fios
 Usar tons de voz diferentes (ore falar
mais baixo, ora mais alto para enfatizar)
PREPARAÇÃO DE SLIDES
  Respeitar o limite de 1cm para as
               margens;

  Nunca usar fonte menor que 24;

Preferencialmente, usar fonte arial, 36
 a 40 para o corpo e 44 a 54 para o
         título de cada slide;

 Calcular em média um minuto por
              slide.
PREPARAÇÃO DE SLIDES
 Evitar “superlotação” do slide
   com palavras e imagens
Não mais que seis palavras por
linha e não mais que seis linhas
           por slide
 Evite grande quantidade de
números e estatísticas em um só
             slide
PREPARAÇÃO DE SLIDES
Usar cores com contraste adequado
        entre fundo e texto;

   Se necessário, usar negrito para
        aumentar o contraste;

  Ser criativo: escolher cores e inserir
               ilustrações.

Ter várias cópias (pendrive, CD, e-mail)
PREPARAÇÃO DE SLIDES
Se houver muitos itens
Não apresentar todos no mesmo slide;
Procurar dividir em mais slides;
É preferível passar mais rápido os slides do que
ficar muito tempo no mesmo slide:
apresentação mais ágil

Fazer mais slides e ficar menos tempo
em cada um;
Dividir o conteúdo em vários slides.
PREPARAÇÃO DE SLIDES
• Cada gráfico ou slide necessita
  comunicar um ponto único;
• Reduzir a informação à sua
  essência para reforçar a
  mensagem;
• Deixar também espaço em branco;
• Um bom número é de seis linhas de
  texto de seis palavras, por slide
QUANTOS SLIDES SÃO
       NECESSÁRIOS?
 Título                  1
 Introdução              3
 Objetivos               1
 Resultados              8 a 10
 Conclusão               2
 Total                   15 a 20
- slide mensagem final
CUIDADO COM AS

FONTES
Não existe só Times New Roman
CUIDADO COM A
LEGIBILIDADE
CUIDADO COM O

CONSTRASTE
Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a
incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos
a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na
análise da melhor postura de trabalho no setor de costura
da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar
dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o
conhecimento científico e o conhecimento proveniente do
senso comum, procurando trazer, para um debate mais
consistente, a manifestação direta daquele que executa a
atividade no setor de costura: o trabalhador. ‘




Evite situações como esta
FUGIR DOS

CLIPARTS!...

  Não acrescentam nada ao
         trabalho...
CUIDADO COM AS




CO R E S
Excesso de cores prejudica a visualização
Melhor assim:
Dividir o que se quer transmitir em
tópicos
Apresentar as ideias em frases curtas
Não ler slides: é entediante para os
espectadores
Passa a impressão de que o
apresentador não conhece bem o
assunto
FIGURAS E EFEITOS
Figuras demais desviam o foco
Gifs animados podem fazer o
espectador fizar-se mais na figura que
no texto ou ideia
Somente use efeitos com algum
objetivo
Não usar efeitos apenas para mostrar
que você conhece bem o software
Alguns efeitos atrapalham a leitura
Erro comum: Apresentar apenas
            títulos
Tópico 1



Tópico 2



Tópico 3
Solução
Procurar colocar palavras-chave
associadas a cada tópico

Tópico 1
 lembrete 1
 lembrete 2

Tópico 2
 lembrete 1
 lembrete 2
Falar demais…
Quando há poucas guias nos slides, a
tendência é falar mais tempo que o
necessário: o apresentador terá que
lembrar o que falar
Falar de algo que não foi planejado
pode ser perigoso…
Planejar os slides para guiá-lo durante
a apresentação (o que falar e em que
ordem)
“…e este diagrama explica indubitavelmente o
princípio subjacente a este importante constructo.
USE O SÍMBOLO DA

INSTITUIÇÃO
APRESENTAÇÃO X TEMPO
  • Um dos obstáculos: limite de
    tempo estrito – 15 minutos
• É impossível transmitir todo o TCC
   em uma apresentação curta -
 apresentações orais não incluem
 todo o material incluído no artigo
 • Nunca ler textualmente o que
          está no slide
REVISANDO…
Conteúdo dos slides:
  A justificativa do estudo ficou
  evidenciada na Introdução?
  Há coerência entre objetivos,
  desenvolvimento, resultados e
  conclusões?
  Os resultados principais estão
  adequadamente enfatizados?
NÃO DEIXE PARA A

ÚLTIMA HORA...
A IMPORTÂNCIA DO ENSAIO

"É preciso três semanas para
  preparar um bom discurso”

                  Mark Twain
COMO ENSAIAR A
       APRESENTAÇÃO?
Sozinho (a); gravando se possível;
Com colegas, familiares (pedir os
pontos positivos e negativos);
Colegas que dominam ou não o
assunto;
Com o (a) orientador (a)
DEPOIS DE FINALIZAR
•   Arguição: Perguntas, perguntas,
              perguntas
    • Responder às perguntas com
        honestidade intelectual
• Tratar avaliadores com respeito
         e nunca atacá-los
       • Anotar
              pontos importantes
       decorrentes da discussão
DEPOIS DE FINALIZAR
•    É importante ter cópia do artigo,
        igual à via da banca, para
    facilitar o acompanhamento dos
              questionamentos

    • Os questionamentos devem ser
       objetivamente respondidos
DEPOIS DE FINALIZAR
  • Aceite   as sugestões e críticas
             humildemente
    • Defenda, se for o caso, a
  fundamentação adotada na
pesquisa, porém não imponha seu
         posicionamento
PORQUE OS AVALIADORES
   PERGUNTAM/ COMENTAM?
porque querem uma informação adicional;

porque não compreenderam bem;

porque querem ajudar;

porque estão avaliando sua postura e
domínio;

porque querem cumprir seu papel de
avaliador…
DICAS FINAIS
   Escolha sabiamente os
   professores da banca
      examinadora…
 Mantenha sempre contato
  com o orientador, visando
 solucionar os problemas da
    monografia antes da
apresentação oral ou defesa
DICAS FINAIS
   O elemento mais
 importante para uma
apresentação correta e
   eficiente é estar
      preparado
Para manter a calma, é
preciso estar preparado
DICAS FINAIS
    Não ficar pedindo
desculpas; ignorar os erros
de apresentação e seguir
        adiante
Retificar erro apenas se for
  de conteúdo, não de
       apresentação
“A beleza de estilo, a
graça, a harmonia e o
     ritmo adequados
        dependem da
         simplicidade”

              (Platão)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativajlpaesjr
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisamauricio aquino
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisarivanialeao
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTRosineia Oliveira dos Santos
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisarichard_romancini
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaIsabella Marra
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaLeticia Strehl
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaRicardo Alexandre
 
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de PesquisaAula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de PesquisaGhiordanno Bruno
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4Geisi Rojas Barreto
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTMicheli Wink
 

Mais procurados (20)

Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisa
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 
Revisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da LiteraturaRevisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da Literatura
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Slides para a qualificação
Slides para a qualificaçãoSlides para a qualificação
Slides para a qualificação
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa Bibliografica
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográfica
 
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de PesquisaAula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
 
Aula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tccAula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tcc
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
 

Destaque

Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesabebel2011
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Rogerio Sena
 
Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Rogerio Sena
 
Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Rogerio Sena
 
Regras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralRegras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralBrunoXina
 
Apresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointApresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointKizzy Ørberg
 
Como Fazer Apresentacao Em 10 Minutos
Como Fazer Apresentacao Em 10 MinutosComo Fazer Apresentacao Em 10 Minutos
Como Fazer Apresentacao Em 10 Minutosfudeww
 
Guia Para ApresentaçãO Oral
Guia Para ApresentaçãO OralGuia Para ApresentaçãO Oral
Guia Para ApresentaçãO Oralgalegoo
 
Como Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralComo Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralJosé Alemão
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Graça Moutinho
 
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slideSlide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slideVera Moreira Matos
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?becastanheiradepera
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioMike Barria
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroFernanda Ribeiro
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosPatrícia Éderson Dias
 

Destaque (20)

Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesa
 
Slides artigo científico
Slides artigo científicoSlides artigo científico
Slides artigo científico
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1
 
Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3
 
Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2
 
Cristalino
CristalinoCristalino
Cristalino
 
Regras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralRegras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oral
 
Apresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointApresentação tcc power point
Apresentação tcc power point
 
Como Fazer Apresentacao Em 10 Minutos
Como Fazer Apresentacao Em 10 MinutosComo Fazer Apresentacao Em 10 Minutos
Como Fazer Apresentacao Em 10 Minutos
 
Guia Para ApresentaçãO Oral
Guia Para ApresentaçãO OralGuia Para ApresentaçãO Oral
Guia Para ApresentaçãO Oral
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Como Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralComo Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação Oral
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
 
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slideSlide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
Slide referenciação bibliográfica segundo normas da abnt slide
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
 

Semelhante a Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz

Dicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosDicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosAna Valeria Silva
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralnilzilenelucindo
 
Saber fazer apresentações orais
Saber fazer apresentações oraisSaber fazer apresentações orais
Saber fazer apresentações oraisBiblioteca FCT/UNL
 
Como fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdfComo fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdfDrikaSato
 
Referencial apresentação oral 2
Referencial   apresentação oral 2Referencial   apresentação oral 2
Referencial apresentação oral 2LUIS ABREU
 
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptx
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptxoratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptx
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptxnaimmoreira
 
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.elisangelalfaria
 
Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Luciano Cavalcante
 
5 Cristiana Martins
5 Cristiana Martins5 Cristiana Martins
5 Cristiana MartinsCarlos Lopes
 
Como fazer uma apresentação oral trabalhos
Como fazer uma apresentação oral trabalhosComo fazer uma apresentação oral trabalhos
Como fazer uma apresentação oral trabalhosAnaigreja
 
Como Apresentar Tcc Banca Ii
Como Apresentar Tcc   Banca IiComo Apresentar Tcc   Banca Ii
Como Apresentar Tcc Banca IiFlaviacristina74
 
Curso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade CorporativaCurso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade CorporativaLeonardoQuintiliano
 

Semelhante a Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz (20)

Comunicacao em-publico
Comunicacao em-publicoComunicacao em-publico
Comunicacao em-publico
 
Apresentacao de Alto Impacto
Apresentacao de Alto ImpactoApresentacao de Alto Impacto
Apresentacao de Alto Impacto
 
Dicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosDicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminarios
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oral
 
Tecnicas de apresentação
Tecnicas de apresentaçãoTecnicas de apresentação
Tecnicas de apresentação
 
Saber fazer apresentações orais
Saber fazer apresentações oraisSaber fazer apresentações orais
Saber fazer apresentações orais
 
Como fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdfComo fazer apresentações.pdf
Como fazer apresentações.pdf
 
Referencial apresentação oral 2
Referencial   apresentação oral 2Referencial   apresentação oral 2
Referencial apresentação oral 2
 
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptx
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptxoratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptx
oratoria-e-dicas-de-apresentacao-05maio2016_final.pptx
 
Apostila de oratória
Apostila de oratóriaApostila de oratória
Apostila de oratória
 
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.
ORATÓRIA, NOSSA COMUNICAÇÃO: VERBAL E CORPORAL.
 
Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2Tecnicas para-falar-em-publico 2
Tecnicas para-falar-em-publico 2
 
5 Cristiana Martins
5 Cristiana Martins5 Cristiana Martins
5 Cristiana Martins
 
Arte de falar em público
Arte de falar em públicoArte de falar em público
Arte de falar em público
 
Como fazer uma apresentação oral trabalhos
Como fazer uma apresentação oral trabalhosComo fazer uma apresentação oral trabalhos
Como fazer uma apresentação oral trabalhos
 
Como Apresentar Tcc Banca Ii
Como Apresentar Tcc   Banca IiComo Apresentar Tcc   Banca Ii
Como Apresentar Tcc Banca Ii
 
Curso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade CorporativaCurso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade Corporativa
 
Curso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade CorporativaCurso Oratória Universidade Corporativa
Curso Oratória Universidade Corporativa
 
Apresentação oral
Apresentação oralApresentação oral
Apresentação oral
 
Oratória
OratóriaOratória
Oratória
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 

Último

Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 

Último (20)

Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 

Apresentação Oral de Trabalhos Científicos - Profa. Rilva Muñoz

  • 1. APRESENTAÇÃO ORAL DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. OBJETIVOS Orientar sobre o preparo de apresentações orais de trabalhos científicos; Prover orientações de como fazer a apresentação oral; Fornecer dicas sobre como se comportar durante a apresentação.
  • 3. FALAR EM ENCONTROS CIENTÍFICOS É SOMENTE PARA ALGUNS INICIADOS? •Falar em público para um grupo acadêmico, é para todos os que fazem a academia: professores e alunos; • Os dois maiores inimigos que bloqueiam a apresentação são TIMIDEZ e DESPREPARO, que podem ser combatidos.
  • 4. POR QUE FALAR EM ENCONTROS CIENTÍFICOS É IMPORTANTE? • Falar em encontros científicos é falar CIÊNCIA. E contra fatos (comprovados) não há argumentos • Em uma fala científica vários elementos são avaliados; dois, porém, são cruciais: A maneira de FALAR A maneira de APRESENTAR.
  • 5. O COMEÇO… É normal ficar nervoso (a) / tenso (a) nas primeiras apresentações, e mesmo depois... Os minutos iniciais são decisivos; Forma-se uma opinião sobre o apresentador nos instantes iniciais.
  • 6. O COMEÇO… Ficar em frente do público, sem qualquer barreira física (mesa, estante) Olhar descontraído e amigável, mesmo quando se está perto do “pânico”... Olhar para a platéia em silêncio, para construção do contato inicial, em seguida, começar a falar...
  • 7. Em pé: melhor Atrás de uma tribuna Sentado
  • 8. O COMEÇO… Saudar a banca avaliadora Cuidado com a forma de tratamento: senhor, senhora / título acadêmico Primeiro, saudam-se os professores convidados e depois o professor orientador; a seguir, o coordenador do curso (se presente).
  • 9. ATRIBUTOS DE UMA BOA COMUNICAÇÃO Entonação Elocução pausada Clareza de articulação Modulação da voz: variação do volume e tom (evitar tom monótono)
  • 10. ATRIBUTOS DE UMA BOA APRESENTAÇÃO O tom deve crescer ao se pronunciarem palavras de grande importância na frase (ênfase) Função da mímica: fisionomia, movimento dos braços e das mãos
  • 11. ATRIBUTOS DE UMA BOA APRESENTAÇÃO Utilização efetiva dos recursos visuais Contato visual adequado Clareza na pronúncia e fluência Manter uma velocidade adequada de apresentação Movimentos de postura e do corpo, sugerindo a confiança
  • 12. INCONVENIENTES DE UMA APRESENTAÇÃO Defeitos da mímica Movimentos descontrolados das mãos Tom monótono Pôr ênfase indiscriminadamente em vocábulos acessórios de ligação
  • 13. INCONVENIENTES DE UMA APRESENTAÇÃO Tiques de linguagem: “né”, “tá”, “certo” – poluem o discurso Gírias e modismos de linguagem Palavras complicadas Fixar o olhar em pontos: janela, teto, chão
  • 14. Ainda… Ainda… evitar dizer… dizer… “Todo mundo já sabe que…” “É bem conhecido na literatura…” “Isso não é importante, vamos passar adiante…” “Era só isso que eu tinha para dizer…”
  • 15. ANTES DA APRESENTAÇÃO Preparar os slides Repensar os slides (conteúdos e ordem) Treinar a apresentação ajuda a lembrar o que falar em cada tópico ajuda a associar cada palavra-chave ao que se deve falar permite saber o tempo total da apresentação permite entender o tempo necessário para cada slide
  • 16. ANTES DA APRESENTAÇÃO Preparar o ambiente Iluminação: nem demais nem de menos (algumas pessoas fazem anotações e lêem complementos); Tela ou pano de fundo; Verificar equipamento; Ver compatibilidade entre computador e projetor; Rever as cores usadas (podem modificar no ambiente ou com o equipamento)
  • 17. ANTES DA APRESENTAÇÃO Verifique os recursos multimídia disponíveis Ver a versão do PowerPoint do computador da sala de apresentação Visite a sala no dia anterior à apresentação
  • 18. ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO A parte introdutória e de revisão bibliográfica deve ser resumida Supõe-se que a banca já leu e tem pleno conhecimento desta parte Serve para mostrar para a banca que o aluno domina o conteúdo Terminar esta parte deixando claro qual é o problema de pesquisa tratado e sua justificativa
  • 19. RESULTADOS E DISCUSSÃO • “Alma do trabalho” •Diferente do trabalho escrito, as apresentações dos RESULTADOS e da DISCUSSÃO são simultâneas • Não há slides com título DISCUSSÃO
  • 20. APRESENTAÇÃO PESSOAL • Vestir-se adequadamente: roupas claras e discretas; • Sapatos e sandálias confortáveis de salto mediano; • Mantenha a simplicidade, crie empatia; • Pontualidade; •Nenhuma técnica é mais importante que a sua naturalidade.
  • 22. Escolha uma roupa mais sóbria e apropriada...
  • 23. POSTURA • Ficar sempre bem posicionado, distribuindo o peso do corpo nas duas pernas •Apresente-se de pé, somente o faça sentado com a autorização da banca • Não se apoiar em objetos (cadeiras, mesas) •Não ficar “brincando” com a caneta na mão: tira a concentração da banca e dos ouvintes
  • 24. POSTURA • Evitar colocar as mãos nos bolsos, cruzar os braços ou se debruçar sobre a mesa • Procurar demonstrar serenidade, naturalidade e simpatia • Demonstrar humildade, mas sem subserviência • Não caminhar em frente à tela de projeção
  • 25. POSTURA Não dar as costas para a banca nem para a platéia Evitar ficar parado no mesmo ponto durante todo o tempo da apresentação Evitar piadas…
  • 26. POSTURA Demonstrar energia, vontade, interesse Não aparentar apatia e indiferença
  • 27. PONTUALIDADE Chegar ao local com antecedência Verificar as condições gerais Promover ajustes, se necessário
  • 28. DURANTE A APRESENTAÇÃO Usar um apontador laser ◦ é inadequado ficar apontando com o dedo ◦ usar uma caneta pode dificultar apontar o lugar correto ◦ Dispensa a aproximação da tela ou parede Olhar as pessoas nos olhos Não fixar o olhar por muito tempo Não olhar somente para uma mesma pessoa Se ficar nervoso, não olhar para os olhos das pessoas Não pensar em quem está na platéia (evitar ficar nervoso ao saber que há um espectador importante assistindo)
  • 29. DURANTE A APRESENTAÇÃO Respirar fundo antes de começar; Ir devagar durante toda a apresentação; Cuidado: em geral, as pessoas gastam mais tempo no início e depois precisam “correr” nos últimos slides; Não usar expressões como: “eu acho” “parece” “desculpe” “não lembro”
  • 30. DURANTE A APRESENTAÇÃO Ter “atitude” Ficar de pé de frente para a platéia Movimentar-se: alternar, virando para a banca, para a platéia e para os slides; Andar calmamente de um lado para outro; Cuidado para não passar na frente do projetor nem pisar em fios Usar tons de voz diferentes (ore falar mais baixo, ora mais alto para enfatizar)
  • 31.
  • 32. PREPARAÇÃO DE SLIDES Respeitar o limite de 1cm para as margens; Nunca usar fonte menor que 24; Preferencialmente, usar fonte arial, 36 a 40 para o corpo e 44 a 54 para o título de cada slide; Calcular em média um minuto por slide.
  • 33. PREPARAÇÃO DE SLIDES Evitar “superlotação” do slide com palavras e imagens Não mais que seis palavras por linha e não mais que seis linhas por slide Evite grande quantidade de números e estatísticas em um só slide
  • 34. PREPARAÇÃO DE SLIDES Usar cores com contraste adequado entre fundo e texto; Se necessário, usar negrito para aumentar o contraste; Ser criativo: escolher cores e inserir ilustrações. Ter várias cópias (pendrive, CD, e-mail)
  • 35. PREPARAÇÃO DE SLIDES Se houver muitos itens Não apresentar todos no mesmo slide; Procurar dividir em mais slides; É preferível passar mais rápido os slides do que ficar muito tempo no mesmo slide: apresentação mais ágil Fazer mais slides e ficar menos tempo em cada um; Dividir o conteúdo em vários slides.
  • 36. PREPARAÇÃO DE SLIDES • Cada gráfico ou slide necessita comunicar um ponto único; • Reduzir a informação à sua essência para reforçar a mensagem; • Deixar também espaço em branco; • Um bom número é de seis linhas de texto de seis palavras, por slide
  • 37. QUANTOS SLIDES SÃO NECESSÁRIOS? Título 1 Introdução 3 Objetivos 1 Resultados 8 a 10 Conclusão 2 Total 15 a 20 - slide mensagem final
  • 38. CUIDADO COM AS FONTES Não existe só Times New Roman
  • 39.
  • 42. Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o conhecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais consistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. ‘ Evite situações como esta
  • 43. FUGIR DOS CLIPARTS!... Não acrescentam nada ao trabalho...
  • 44. CUIDADO COM AS CO R E S Excesso de cores prejudica a visualização
  • 45. Melhor assim: Dividir o que se quer transmitir em tópicos Apresentar as ideias em frases curtas Não ler slides: é entediante para os espectadores Passa a impressão de que o apresentador não conhece bem o assunto
  • 46. FIGURAS E EFEITOS Figuras demais desviam o foco Gifs animados podem fazer o espectador fizar-se mais na figura que no texto ou ideia Somente use efeitos com algum objetivo Não usar efeitos apenas para mostrar que você conhece bem o software Alguns efeitos atrapalham a leitura
  • 47. Erro comum: Apresentar apenas títulos Tópico 1 Tópico 2 Tópico 3
  • 48. Solução Procurar colocar palavras-chave associadas a cada tópico Tópico 1 lembrete 1 lembrete 2 Tópico 2 lembrete 1 lembrete 2
  • 49. Falar demais… Quando há poucas guias nos slides, a tendência é falar mais tempo que o necessário: o apresentador terá que lembrar o que falar Falar de algo que não foi planejado pode ser perigoso… Planejar os slides para guiá-lo durante a apresentação (o que falar e em que ordem)
  • 50. “…e este diagrama explica indubitavelmente o princípio subjacente a este importante constructo.
  • 51. USE O SÍMBOLO DA INSTITUIÇÃO
  • 52. APRESENTAÇÃO X TEMPO • Um dos obstáculos: limite de tempo estrito – 15 minutos • É impossível transmitir todo o TCC em uma apresentação curta - apresentações orais não incluem todo o material incluído no artigo • Nunca ler textualmente o que está no slide
  • 53. REVISANDO… Conteúdo dos slides: A justificativa do estudo ficou evidenciada na Introdução? Há coerência entre objetivos, desenvolvimento, resultados e conclusões? Os resultados principais estão adequadamente enfatizados?
  • 54. NÃO DEIXE PARA A ÚLTIMA HORA...
  • 55. A IMPORTÂNCIA DO ENSAIO "É preciso três semanas para preparar um bom discurso” Mark Twain
  • 56. COMO ENSAIAR A APRESENTAÇÃO? Sozinho (a); gravando se possível; Com colegas, familiares (pedir os pontos positivos e negativos); Colegas que dominam ou não o assunto; Com o (a) orientador (a)
  • 57. DEPOIS DE FINALIZAR • Arguição: Perguntas, perguntas, perguntas • Responder às perguntas com honestidade intelectual • Tratar avaliadores com respeito e nunca atacá-los • Anotar pontos importantes decorrentes da discussão
  • 58. DEPOIS DE FINALIZAR • É importante ter cópia do artigo, igual à via da banca, para facilitar o acompanhamento dos questionamentos • Os questionamentos devem ser objetivamente respondidos
  • 59. DEPOIS DE FINALIZAR • Aceite as sugestões e críticas humildemente • Defenda, se for o caso, a fundamentação adotada na pesquisa, porém não imponha seu posicionamento
  • 60. PORQUE OS AVALIADORES PERGUNTAM/ COMENTAM? porque querem uma informação adicional; porque não compreenderam bem; porque querem ajudar; porque estão avaliando sua postura e domínio; porque querem cumprir seu papel de avaliador…
  • 61. DICAS FINAIS Escolha sabiamente os professores da banca examinadora… Mantenha sempre contato com o orientador, visando solucionar os problemas da monografia antes da apresentação oral ou defesa
  • 62. DICAS FINAIS O elemento mais importante para uma apresentação correta e eficiente é estar preparado Para manter a calma, é preciso estar preparado
  • 63. DICAS FINAIS Não ficar pedindo desculpas; ignorar os erros de apresentação e seguir adiante Retificar erro apenas se for de conteúdo, não de apresentação
  • 64. “A beleza de estilo, a graça, a harmonia e o ritmo adequados dependem da simplicidade” (Platão)