SlideShare uma empresa Scribd logo
Oficina de Redação e
Revisão de Textos Científicos
Prof. Roberta Alvares Campos PhD.
VII JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU DE NATAL
16 de Maio de 2015
Etapas do desenvolvimento da pesquisa científica
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Etapa do Tema e Questão-problema
 A primeira etapa da pesquisa consiste em definir um TEMA, ou seja, um ASSUNTO que será o
núcleo, o centro das discussões do artigo. Nessa etapa, deve-se partir da bagagem teórica
e de práticas construídas ao longo da jornada acadêmica e/ou profissional.
 Após a etapa de definição do TEMA, convém passar para a delimitação do mesmo. Nessa
etapa de delimitação, é aconselhável procurar laborar uma QUESTÃO-PROBLEMA que
norteie a pesquisa.
 Essa QUESTÃO-PROBLEMA pode ser considerada uma espécie de PERGUNTA de partida que,
segundo Quivy e Campenhoudt (1998), deve ser construída de maneira a se aproximar ao
máximo do que se quer pesquisar e/ou compreender.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
1. Etapa do Tema e Questão-problema
Com o TEMA e a QUESTÃO-PROBLEMA definidos, pode-se iniciar a construção da montagem de
uma TEIA para o desenvolvimento de:
 REDAÇÃO E REVISÃO CIENTÍFICA ou TEXTO TÉCNICO CIENTÍFICO
 ARTIGO CIENTÍFICO
 MONOGRAFIA ou TRABALHO DE CONCLUSÃO
Essa teia consiste em uma espécie de estrutura gráfica que auxilia na delimitação do tema
escolhido, por meio de PALAVRAS-CHAVE relacionadas entre si. Quanto mais detalhada for a
teia, mas fácil se tornará o processo de escolha de um dos seguimentos do assunto.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Exemplo de TEIA – Área de estudo: Nutrição
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Teia Estado da Arte
O ESTADO DA ARTE é o nível mais alto de desenvolvimento de uma técnica ou de uma área
científica, alcançado em um tempo definido.
O "ESTADO DA ARTE" indica, portanto, o ponto em que o produto em questão deixa de ser um
projeto técnico para se tornar uma obra-prima.
Após a construção da teia, pode-se realizar o ESTADO DA ARTE, ou seja, com base nas
PALAVRAS-CHAVE e nos BANCOS ELETRÔNICOS de trabalhos científicos, é possível fazer uma
busca das publicações relacionadas com o tema escolhido, em um determinado período de
tempo (nos últimos 5 anos). Após a leitura dos trabalhos encontrados, pode-se escolher os
mais relevantes para a sua investigação.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Objetivo Geral do Artigo
A etapa seguinte é a de definição do OBJETIVO GERAL da pesquisa. Para o
desenvolvimento dessa etapa, o graduando ou pós-graduando pode se valer das
etapas anteriores, ou seja, parte-se do TEMA, que é transformado em um PROBLEMA
que, por sua vez, traz implícitas as diretrizes que devem ser seguidas e definidas para
que se deixe claro aonde se quer chegar com a pesquisa e os seus RESULTADOS.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Definição dos Objetivos
De forma simplificada, a etapa de definição dos objetivos, bem como das demais etapas
de desenvolvimento da PESQUISA E DO ARTIGO CIENTÍFICO, apresentadas até o momento,
respondem a algumas perguntas, escolha e delimitação:
DO TEMA (O QUÊ?)
JUSTIFICATIVA (POR QUÊ?)
Objetivo (PARA QUÊ? OU PARA CHEGAR AONDE?)
COMO?
Esta pergunta ajuda a definir os elementos principais constituintes dos procedimentos
Metodológicos.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Antes de começar o Artigo
Antes de começar a escrever e fazer a revisão bibliográfica do seu ARTIGO elabore um ESBOÇO
 Qual é a minha Justificativa para o TEMA abordado?
 Existe Referências de um trabalho sobre o mesmo TEMA e OBJETIVO que eu vou abordar no meu?
 Se sua resposta for SIM, talvez o seu trabalho NÃO seja RELEVANTE para comunidade Científica.
 Organize as suas ideias;
 Definir a sequencia em que serão apresentadas as ideias no texto;
 Organizar o material a ser apresentado de forma lógica para sustentar a sua linha de
argumentação;
 Evidenciar relacionamentos entre ideias;
 Estabelecer o escopo do texto, isto é, decidir o que será abordado e o que não será objeto de
discussão no seu texto.
 Se o seu trabalho vai ser uma copia de um trabalho já existe, CUIDADO, PLÁGIO é crime.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Tipo ou Modalidade da Pesquisa
Segundo Gil (1996), pode-se classificar as pesquisas quanto:
 à natureza, em básica ou aplicada;
 à abordagem do problema, em qualitativa, quantitativa ou ambas (quanti-
quali);
 a realização dos objetivos, em descritiva, exploratória ou explicativa;
 aos procedimentos técnicos, em bibliográfica, documental, levantamento,
estudo de caso, participante, pesquisa-ação e experimental.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Pesquisa: ponto de vista da sua natureza
 Pesquisa Básica: objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o
avanço das ciências sem aplicação prática prevista. Envolve
verdades e interesses universais.
 Pesquisa Aplicada: objetiva gerar conhecimentos para aplicação
prática dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve
verdades e interesses locais.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Sujeitos da Pesquisa
• Sujeitos: caracterização de quem vai ser investigado e o porquê, tomando o cuidado de
deixar claros os critérios de escolha desses sujeitos.
• Investigador: Esse é VOCÊ que realiza os ensaios e produz os resultados e analisa os dados.
• Orientador: o graduando ou pós-graduando geralmente escolhe seu ORIENTADOR um para
orientar sua PESQUISA, ou TRABALHO DE CONCLUSÃO de curso ou seu ARTIGO CIENTÍFICO.
• Colaboradores: Geralmente uma pesquisa científica não é realizada por uma única pessoa
(no caso, você) e sim por um grupo de pessoas, como o orientador, os colegas de pesquisa ou
colaboradores de outro laboratório ou centro acadêmico. Neste caso, dependendo o “GRAU
DE COLABORAÇÃO”, esse indivíduos vão ter coparticipação, como coautores, no seu ARTIGO
CIENTÍFICO.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
HIPÓTESE
 HIPÓTESE é um sinônimo de suposição. No ARTIGO CIENTÍFICO
hipótese é uma afirmação categórica de uma suposição, que
tenta responder ao PROBLEMA LEVANTADO no TEMA escolhido
para pesquisa. O trabalho de pesquisa, então, irá CONFIRMAR ou
NEGAR a hipótese (ou suposição) levantada.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
ORGANIZAÇÃO DO TEXTO TÉCNICO-CIENTÍFICO
Ele se distingue de outras elaborações textuais em função de suas exigências de VALIDAÇÃO.
O que torna um texto valido é sua ESTRUTURA, seu MÉTODO e seu RIGOR CONSTRUTIVO.
Ao organizar um texto técnico científico, O AUTOR, em função de seus OBJETIVOS, deve utilizar
a norma culta, linguagem clara e objetiva, ser rigoroso em seu PROCESSO DE PESQUISA,
DELIMITAR O SEU OBJETO DE INVESTIGAÇÃO e evidenciar o seu MÉTODO. Para tanto, precisará
organizar os ELEMENTOS TEXTUAIS. Tal organização requer um PLANEJAMENTO ou ESQUEMA
(ESQUELETO) do texto. A organização coerente desse plano de conteúdos deve respeitar os
OBJETIVOS DO TRABALHO, a ordenação do tema e a hierarquização dos assuntos que serão
tratados.
“A redação inicia-se pela ‘limpeza’ (seleção) dos dados; segue-se a organização dos blocos
de ideias; faz-se a hierarquização das ideias importantes. Agora as informações estão prontas
para serem redigidas.” (SANTOS, 2000).
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Cronograma
o O Cronograma é a previsão de tempo que será gasto na realização do trabalho de acordo
com as atividades a serem cumpridas.
o As atividades e os períodos serão definidos a partir das características de cada pesquisa e dos
critérios determinados pelo autor do trabalho.
o Os períodos podem estar divididos em: dias, semanas, quinzenas, meses, bimestres, trimestres ou
anos. Este serão determinados a partir dos critérios de tempo adotados por cada pesquisador.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Exemplo da organização, formato
e apresentação do artigo científico
área de Jornalismo.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Título:
“Palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou o
conteúdo de um documento.” (ABNT, NBR 6023, 2002).
 Deve ser objetivo identificando o tema abordado.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Subtítulo:
“Informações apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou
complementá-lo, de acordo com o conteúdo do documento.” (ABNT, NBR
6023, 2002).
 É facultativo, mas recomendado, pois é importante para a DELIMITAÇÃO
DO TEMA.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Resumo ou Abstract:
 Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR 14724 (2011), resumo é
a “Apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto, fornecendo visão
rápida e clara do conteúdo e das conclusões do trabalho.”
 Ressalta o tema abordado no artigo, o objetivo, o método e o conteúdo
pesquisado, bem como a síntese das considerações finais.
 É apresentado em uma sequência contínua de frases concisas, afirmativas, em um
parágrafo único. Deve conter, segundo a ABNT (NBR 6028, 2003), no caso de artigos
de periódicos, entre 100 e 250 palavras.
 Portanto, trata-se de uma breve síntese informativa do conteúdo, descrevendo
clara e concisamente os pontos mais relevantes do trabalho, inclusive, deve conter
os principais resultados da Pesquisa.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Palavras-chave:
São palavras que contêm a SIGNIFICAÇÃO GLOBAL DO ARTIGO. Deve-se escolher
de três a seis palavras que representem o conteúdo geral do texto.
Ex.: Estresse Oxidativo, Metabolismo, Desequilíbrios Hormonais
Exercício: Pesquise no Google: HSP104 + trypanosoma cruzi
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Introdução (Revisão Científica):
“A parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos
da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.” (ABNT, NBR
14724, 2011, p. 2).
A introdução deve anunciar a IDEIA CENTRAL DO TRABALHO, delimitando o ponto de vista
enfocado em relação ao assunto e a extensão; situar o problema ou o tema abordado, no
tempo e no espaço, enfocar a relevância do assunto e apresentar o objetivo central do
artigo.
A finalidade da introdução é SITUAR O LEITOR NO TEMA, definindo conceitos, apresentando
os objetivos do artigo e as linhas de pensamento relevantes para o estudo do assunto e as
possíveis controvérsias, explicitando qual dessas linhas que o autor seguirá e justificar a
escolha.
Também é aconselhável que o autor, nos últimos parágrafos da introdução, apresente a
estrutura do artigo, detalhando a ordem de apresentação do tema.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
MATERIAIS E MÉTODOS: O objetivo da seção é descrever exatamente O QUE FOI FEITO:
Experimentos feitos (ciências); Entrevistas realizadas (Jornalismo, Sociologia);
Estudos de casos (medicina, fisioterapia, sociologia); Modelos Matemáticos (Exatas);
Aplicação de questionários (trabalhos de conclusão); Revisões Cientificas (monografias).
Os equipamentos, o material e método e como e quando eles foram usados (no tempo).
• Ela deve fornecer detalhes suficientes para que os resultados possam ser verificados e
o estudo replicado por outros pesquisadores.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Desenvolvimento:
 Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR 14724 (2011), o desenvolvimento é a
“Parte principal do texto, que contém a exposição ordenada do assunto.
 Divide-se em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método.”
 Não existe exatamente uma norma rígida que oriente esta seção.
 O texto poderá conter ideias de autores, CITAÇÕES, dados da pesquisa (se for pesquisa de campo,
colocar gráficos e tabelas auxiliares) e interpretações.
 Tudo isto deve ser apresentado de forma integrada substancial, criativa e lógica.
 É nesta parte que se procuram explicar as HIPÓTESES e relacionar a teoria com a prática.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Discussão
 A Discussão mostra os relacionamentos entre os fatos e resultados observados.
Sugestões:
 apresente princípios, relações, generalizações mostrados nos Experimentos. Lembre-
se que é uma seção de discussão, na qual vocês discute, e não recapitula os
resultados já mostrados nos Experimentos.
 liste qualquer exceção ou qualquer falta de relação e defina pontos incertos.
 mostre que seus resultados e interpretações concordam (ou contrastam) com
trabalhos previamente publicados.
 Discuta implicações teóricas e possíveis aplicações práticas.
 Escreva o mais claramente possível.
 resuma as evidências para cada conclusão, não assuma que o leitor é capaz de
juntar todos os pontos sozinho, o leitor não entende a fundo do seu trabalho.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
• IMPORTANTE LEMBRAR
• A DISCUSSÃO é o coração do artigo e, em geral, precisa de várias
tentativas para ficar pronta.
• Deve apresentar as interpretações e opiniões dos autores, explicar as
implicações dos resultados e fazer sugestões de PESQUISAS FUTURAS E
PASSADAS.
• Sua principal função é responder às questões postas na
INTRODUÇÃO, explicando como os resultados apoiam essas respostas e
o que elas acrescentam ao conhecimento sobre a área.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Considerações finais:
 A ABNT, NBR 14724 (2011, p. 5), afirma que a conclusão é a “Parte final do texto, na qual
se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses.”
 As considerações finais devem limitar-se a uma síntese da argumentação desenvolvida
no corpo do trabalho e dos resultados obtidos. É importante lembrar que devem estar
todas fundamentadas nos resultados obtidos na pesquisa.
 Também podem ser discutidas recomendações e sugestões para o prosseguimento no
estudo do assunto. Portanto, esse item não deve trazer nada de novo e deve ser breve,
enérgico, consistente e abrangente.
 Sugere-se, que não sejam utilizadas citações nessa seção.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Referências Bibliográficas:
“Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um
documento, que permite sua identificação individual.” (ABNT, NBR 6023,
2002). Na lista de Referências, somente devem constar as fontes
efetivamente citadas no texto.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
 Agradecimentos (opcionais em artigos) Os agradecimentos, se
redigidos em textos como teses, dissertações ou monografias,
costumam ser apresentados no início do trabalho, em uma única
página.
 Sumário ou índice, quando o texto é mais extenso e possui diversas
páginas.
 Apêndices ou anexos (opcionais).
 Informações adicionais, não essenciais para o entendimento do
texto, que elucidam um pouco mais alguns pontos abordados.
Elementos Estruturais do Artigo Científico
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Oficina - Exercício em Duplas
 Escolha um TEMA da sua Área de Pesquisa ou de Estudos que seja do
seu interesse atual ou no futuro próximo.
 Faça uma TEIA de Palavras-chave, com o seu TEMA no centro da sua
TEIA e relacione todas as palavras.
 Selecione as revistas científicas mais importantes da sua área, ou
aquelas em que você gostaria de publicar um artigo;
• Leia 1 ou 2 artigos dessas revistas;
• Preste atenção nas seções dos artigos (introduções, métodos, resultados
e discussões).
• Tente verificar se elas estão mais ou menos de acordo com as sugestões
dadas nesta aula.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Portais de artigos científicos Brasil
 Banco de Teses e Dissertações - PPGEP/UFSC
http://teses.eps.ufsc.br/
O Banco de Teses e Dissertações do Programa de Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal tem como objetivo
apresentar as teses e dissertações em formato digital para pesquisa.
 Boletim Educação Física
http://www.boletimef.org/
Divulga informações científicas e culturais da educação física brasileira. Contém uma vasta biblioteca virtual com trabalhos
como teses, dissertações, artigos, anais de eventos, livros, etc.
 Dialógos & Ciência
http://www.ftc.br/revistafsa/index.asp
Portal da Faculdade de Tecnologia de Feira de Santana, disponibiliza artigos científicos da própria instituição e divulga trabalhos
enviados por outras fontes produtoras.
 Portal Brasileiro de Informação Científica (Capes)
http://www.periodicos.capes.gov.br/
O portal oferece acesso on line aos textos completos de artigos científicos de mais de 2400 revistas internacionais, nacionais e
estrangeiras, e as bases de dados com referências e resumos de documentos em todas as áreas do conhecimento. O uso do
Portal é livre e gratuito. O acesso é feito a partir de qualquer terminal ligado à Internet através das instituições participantes.
 Programa Prossiga
http://www.prossiga.cnpq.br/
Este site do CNPq contém mais de 8.000 livros e 320 periódicos científicos, além de teses, documentos de pesquisa e obras de
referência. Em português.
 SciELO
http://www.scielo.br
A Scientific Electronic Library Online - SciELO é uma biblioteca eletrônica que contém periódicos científicos brasileiros e faz parte
de um projeto de pesquisa da FAPESP em parceria com a BIREME e também conta com o apoio do CNPq. O objetivo do site é
proporcionar um amplo acesso a coleções de periódicos, fascículos de cada título e textos completos dos artigos. O acesso
pode ser feito através de índices e de formulários de busca. Em português, inglês e espanhol.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Portais de artigos científicos Exterior
 Exterior: Caltech Archives PhotoNet
http://www.caltech.edu/cgi-bin/arcquery
Base de dados com mais de 3.000 imagens relacionadas com a história da ciência. Em inglês.
 Biological Abstracts (BIOSIS)
http://www.biosis.org/site_tools/search.html
Biological Abstracts é uma base de dados da literatura internacional voltada para revistas da área biológica abrangendo mais de
4000 periódicos. Nela é possível pesquisar artigos a partir de 1969.Em inglês.
 Electronic Reference Library (ERL)
http://www.cdrompro.com.br/cruesp
Disponibiliza 40 bases de dados referenciais com acesso, via WEB, de qualquer equipamento conectado às redes de informação
das três Universidades Estaduais Paulistas, no próprio ambiente de trabalho do pesquisador ou nas bibliotecas dessas Instituições
 Lilacs
http://bases.bireme.br/cgi-
Literatura Latino-Americana e do Caribe voltada para Ciências da Saúde publicada nos países da Região, a partir de 1982. Contém
artigos de cerca de 670 revistas. Em inglês.
 Medline
http://bases.bireme.br/cgi-bin/
Medline é uma base de dados internacional da área médica e biomédica, que contém referências bibliográficas e resumos de mais
de 4000 títulos de revistas biomédicas publicadas nos Estados Unidos e em outros 70 países. A atualização da bases de dados é
mensal. Em inglês.
 Red de Revistas Científicas de America Latina y El Caribe, Espanã y Portugal
http://www.redalyc.com/
Estão disponíveis 100 revistas com cerca de 9.500 trabalhos. é possível encontrar revistas de economia, geogtafia, pisicologia,
relações internacionais, cultura, demografia e outras.
 Web of science
http://isi1.isiknowledge.com/portal.cgi
Web of Science é uma base de dados onde é possível encontrar informações na literatura mundial em ciências exatas (a partir de
1945), ciências humanas (a partir de 1956) e artes (a partir de 1975).Em inglês.
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Processo de Revisão de Artigos e Submissão
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_CientíficaTrabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Wagner Quirici
 
Anatomia do artigo cesp
Anatomia do artigo   cespAnatomia do artigo   cesp
Anatomia do artigo cesp
Eliete Correia Santos
 
P2 noite
P2 noiteP2 noite
Escrita Académica
Escrita AcadémicaEscrita Académica
Escrita Académica
Ana Carla Amaro
 
Artigo Acadêmico: revisão da literatura
Artigo Acadêmico: revisão da literaturaArtigo Acadêmico: revisão da literatura
Artigo Acadêmico: revisão da literatura
Eliete Correia Santos
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Herbert Santana
 
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultados
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultadosOficina de texto II - Seminário discussão e resultados
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultados
Eliete Correia Santos
 
Escrita científica
Escrita científica Escrita científica
Escrita científica
Idalina Jorge
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Geisi Rojas Barreto
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projetoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Daniela Cartoni
 
Como Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho CientificoComo Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho Cientifico
Lucila Pesce
 
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrnProjeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Sérgio Ferreira DA Silva
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
Jesrayne Nascimento
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
Jesrayne Nascimento
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
José Antonio Ferreira da Silva
 
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de PesquisaEstrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Humberto Serra
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
Carlos Eugenio Lima Silva
 
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
mondelo1944
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicos
profguilhermeterra
 
Relatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisaRelatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisa
cristianyours
 

Mais procurados (20)

Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_CientíficaTrabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
Trabalho de Conclusão_de_Curso_TCC_e_Pesquisa_Científica
 
Anatomia do artigo cesp
Anatomia do artigo   cespAnatomia do artigo   cesp
Anatomia do artigo cesp
 
P2 noite
P2 noiteP2 noite
P2 noite
 
Escrita Académica
Escrita AcadémicaEscrita Académica
Escrita Académica
 
Artigo Acadêmico: revisão da literatura
Artigo Acadêmico: revisão da literaturaArtigo Acadêmico: revisão da literatura
Artigo Acadêmico: revisão da literatura
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
 
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultados
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultadosOficina de texto II - Seminário discussão e resultados
Oficina de texto II - Seminário discussão e resultados
 
Escrita científica
Escrita científica Escrita científica
Escrita científica
 
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa -  parte 2 de 4
Estrutura e formatação de um projeto de pesquisa - parte 2 de 4
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projetoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
 
Como Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho CientificoComo Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho Cientifico
 
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrnProjeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
Projeto de pesquisa_-_orientacoes_ifrn
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Estrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de PesquisaEstrutura de Projeto de Pesquisa
Estrutura de Projeto de Pesquisa
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...Projeto De Pesquisa   Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
Projeto De Pesquisa Roteiro Para Facilitar A ElaboraçãO ...
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicos
 
Relatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisaRelatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisa
 

Semelhante a Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015

aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
Zoraide6
 
Modelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertaçãoModelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertação
Carlos Alberto Monteiro
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
FSCCarvalho
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
FABOLASOARESDOSREIS
 
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptxMétodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
elionaylima2
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
Evelise Faraco de Oliveira
 
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpertManual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Fabio Frossard
 
Manual tcc
Manual tccManual tcc
Manual tcc
Genilson Silva
 
Classificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisasClassificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisas
Andreza Patrícia Martins
 
PROJETO DE P
PROJETO DE PPROJETO DE P
PROJETO DE P
Cristiano Gomes Lopes
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
Ednaura Andrade
 
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_iiDiretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
Soeli Marques
 
PTCC - Metodologia
PTCC -  MetodologiaPTCC -  Metodologia
PTCC - Metodologia
alemartins10
 
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdfArtigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
IsaacBruno8
 
2- TCC.pptx
2- TCC.pptx2- TCC.pptx
2- TCC.pptx
cmmProfanalice
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
Professor de Química
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
ampla engenharia
 
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptxAPRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
EugrencioJooMaposse
 
Passos do projeto modelo
Passos do projeto   modeloPassos do projeto   modelo
Passos do projeto modelo
Marcelo Basi
 
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
UFMA e UEMA
 

Semelhante a Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015 (20)

aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
 
Modelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertaçãoModelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertação
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
 
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptxMétodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
 
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpertManual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
 
Manual tcc
Manual tccManual tcc
Manual tcc
 
Classificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisasClassificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisas
 
PROJETO DE P
PROJETO DE PPROJETO DE P
PROJETO DE P
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_iiDiretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
Diretrizes avaliativas 2014_2_ped_projeto_integrador_i_ii
 
PTCC - Metodologia
PTCC -  MetodologiaPTCC -  Metodologia
PTCC - Metodologia
 
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdfArtigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
 
2- TCC.pptx
2- TCC.pptx2- TCC.pptx
2- TCC.pptx
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
 
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptxAPRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
 
Passos do projeto modelo
Passos do projeto   modeloPassos do projeto   modelo
Passos do projeto modelo
 
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
 

Último

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 

Último (8)

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 

Oficina de redação de textos científicos VII Jornada Cientifica 2015

  • 1. Oficina de Redação e Revisão de Textos Científicos Prof. Roberta Alvares Campos PhD. VII JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU DE NATAL 16 de Maio de 2015
  • 2. Etapas do desenvolvimento da pesquisa científica Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 3. Etapa do Tema e Questão-problema  A primeira etapa da pesquisa consiste em definir um TEMA, ou seja, um ASSUNTO que será o núcleo, o centro das discussões do artigo. Nessa etapa, deve-se partir da bagagem teórica e de práticas construídas ao longo da jornada acadêmica e/ou profissional.  Após a etapa de definição do TEMA, convém passar para a delimitação do mesmo. Nessa etapa de delimitação, é aconselhável procurar laborar uma QUESTÃO-PROBLEMA que norteie a pesquisa.  Essa QUESTÃO-PROBLEMA pode ser considerada uma espécie de PERGUNTA de partida que, segundo Quivy e Campenhoudt (1998), deve ser construída de maneira a se aproximar ao máximo do que se quer pesquisar e/ou compreender. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 4. 1. Etapa do Tema e Questão-problema Com o TEMA e a QUESTÃO-PROBLEMA definidos, pode-se iniciar a construção da montagem de uma TEIA para o desenvolvimento de:  REDAÇÃO E REVISÃO CIENTÍFICA ou TEXTO TÉCNICO CIENTÍFICO  ARTIGO CIENTÍFICO  MONOGRAFIA ou TRABALHO DE CONCLUSÃO Essa teia consiste em uma espécie de estrutura gráfica que auxilia na delimitação do tema escolhido, por meio de PALAVRAS-CHAVE relacionadas entre si. Quanto mais detalhada for a teia, mas fácil se tornará o processo de escolha de um dos seguimentos do assunto. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 5. Exemplo de TEIA – Área de estudo: Nutrição Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 6. Teia Estado da Arte O ESTADO DA ARTE é o nível mais alto de desenvolvimento de uma técnica ou de uma área científica, alcançado em um tempo definido. O "ESTADO DA ARTE" indica, portanto, o ponto em que o produto em questão deixa de ser um projeto técnico para se tornar uma obra-prima. Após a construção da teia, pode-se realizar o ESTADO DA ARTE, ou seja, com base nas PALAVRAS-CHAVE e nos BANCOS ELETRÔNICOS de trabalhos científicos, é possível fazer uma busca das publicações relacionadas com o tema escolhido, em um determinado período de tempo (nos últimos 5 anos). Após a leitura dos trabalhos encontrados, pode-se escolher os mais relevantes para a sua investigação. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 7. Objetivo Geral do Artigo A etapa seguinte é a de definição do OBJETIVO GERAL da pesquisa. Para o desenvolvimento dessa etapa, o graduando ou pós-graduando pode se valer das etapas anteriores, ou seja, parte-se do TEMA, que é transformado em um PROBLEMA que, por sua vez, traz implícitas as diretrizes que devem ser seguidas e definidas para que se deixe claro aonde se quer chegar com a pesquisa e os seus RESULTADOS. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 8. Definição dos Objetivos De forma simplificada, a etapa de definição dos objetivos, bem como das demais etapas de desenvolvimento da PESQUISA E DO ARTIGO CIENTÍFICO, apresentadas até o momento, respondem a algumas perguntas, escolha e delimitação: DO TEMA (O QUÊ?) JUSTIFICATIVA (POR QUÊ?) Objetivo (PARA QUÊ? OU PARA CHEGAR AONDE?) COMO? Esta pergunta ajuda a definir os elementos principais constituintes dos procedimentos Metodológicos. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 9. Antes de começar o Artigo Antes de começar a escrever e fazer a revisão bibliográfica do seu ARTIGO elabore um ESBOÇO  Qual é a minha Justificativa para o TEMA abordado?  Existe Referências de um trabalho sobre o mesmo TEMA e OBJETIVO que eu vou abordar no meu?  Se sua resposta for SIM, talvez o seu trabalho NÃO seja RELEVANTE para comunidade Científica.  Organize as suas ideias;  Definir a sequencia em que serão apresentadas as ideias no texto;  Organizar o material a ser apresentado de forma lógica para sustentar a sua linha de argumentação;  Evidenciar relacionamentos entre ideias;  Estabelecer o escopo do texto, isto é, decidir o que será abordado e o que não será objeto de discussão no seu texto.  Se o seu trabalho vai ser uma copia de um trabalho já existe, CUIDADO, PLÁGIO é crime. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 10. Tipo ou Modalidade da Pesquisa Segundo Gil (1996), pode-se classificar as pesquisas quanto:  à natureza, em básica ou aplicada;  à abordagem do problema, em qualitativa, quantitativa ou ambas (quanti- quali);  a realização dos objetivos, em descritiva, exploratória ou explicativa;  aos procedimentos técnicos, em bibliográfica, documental, levantamento, estudo de caso, participante, pesquisa-ação e experimental. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 11. Pesquisa: ponto de vista da sua natureza  Pesquisa Básica: objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço das ciências sem aplicação prática prevista. Envolve verdades e interesses universais.  Pesquisa Aplicada: objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 12. Sujeitos da Pesquisa • Sujeitos: caracterização de quem vai ser investigado e o porquê, tomando o cuidado de deixar claros os critérios de escolha desses sujeitos. • Investigador: Esse é VOCÊ que realiza os ensaios e produz os resultados e analisa os dados. • Orientador: o graduando ou pós-graduando geralmente escolhe seu ORIENTADOR um para orientar sua PESQUISA, ou TRABALHO DE CONCLUSÃO de curso ou seu ARTIGO CIENTÍFICO. • Colaboradores: Geralmente uma pesquisa científica não é realizada por uma única pessoa (no caso, você) e sim por um grupo de pessoas, como o orientador, os colegas de pesquisa ou colaboradores de outro laboratório ou centro acadêmico. Neste caso, dependendo o “GRAU DE COLABORAÇÃO”, esse indivíduos vão ter coparticipação, como coautores, no seu ARTIGO CIENTÍFICO. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 13. HIPÓTESE  HIPÓTESE é um sinônimo de suposição. No ARTIGO CIENTÍFICO hipótese é uma afirmação categórica de uma suposição, que tenta responder ao PROBLEMA LEVANTADO no TEMA escolhido para pesquisa. O trabalho de pesquisa, então, irá CONFIRMAR ou NEGAR a hipótese (ou suposição) levantada. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 14. ORGANIZAÇÃO DO TEXTO TÉCNICO-CIENTÍFICO Ele se distingue de outras elaborações textuais em função de suas exigências de VALIDAÇÃO. O que torna um texto valido é sua ESTRUTURA, seu MÉTODO e seu RIGOR CONSTRUTIVO. Ao organizar um texto técnico científico, O AUTOR, em função de seus OBJETIVOS, deve utilizar a norma culta, linguagem clara e objetiva, ser rigoroso em seu PROCESSO DE PESQUISA, DELIMITAR O SEU OBJETO DE INVESTIGAÇÃO e evidenciar o seu MÉTODO. Para tanto, precisará organizar os ELEMENTOS TEXTUAIS. Tal organização requer um PLANEJAMENTO ou ESQUEMA (ESQUELETO) do texto. A organização coerente desse plano de conteúdos deve respeitar os OBJETIVOS DO TRABALHO, a ordenação do tema e a hierarquização dos assuntos que serão tratados. “A redação inicia-se pela ‘limpeza’ (seleção) dos dados; segue-se a organização dos blocos de ideias; faz-se a hierarquização das ideias importantes. Agora as informações estão prontas para serem redigidas.” (SANTOS, 2000). Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 15. Cronograma o O Cronograma é a previsão de tempo que será gasto na realização do trabalho de acordo com as atividades a serem cumpridas. o As atividades e os períodos serão definidos a partir das características de cada pesquisa e dos critérios determinados pelo autor do trabalho. o Os períodos podem estar divididos em: dias, semanas, quinzenas, meses, bimestres, trimestres ou anos. Este serão determinados a partir dos critérios de tempo adotados por cada pesquisador. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 16. Exemplo da organização, formato e apresentação do artigo científico área de Jornalismo. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 17. Elementos Estruturais do Artigo Científico Título: “Palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou o conteúdo de um documento.” (ABNT, NBR 6023, 2002).  Deve ser objetivo identificando o tema abordado. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 18. Subtítulo: “Informações apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo, de acordo com o conteúdo do documento.” (ABNT, NBR 6023, 2002).  É facultativo, mas recomendado, pois é importante para a DELIMITAÇÃO DO TEMA. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 19. Resumo ou Abstract:  Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR 14724 (2011), resumo é a “Apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto, fornecendo visão rápida e clara do conteúdo e das conclusões do trabalho.”  Ressalta o tema abordado no artigo, o objetivo, o método e o conteúdo pesquisado, bem como a síntese das considerações finais.  É apresentado em uma sequência contínua de frases concisas, afirmativas, em um parágrafo único. Deve conter, segundo a ABNT (NBR 6028, 2003), no caso de artigos de periódicos, entre 100 e 250 palavras.  Portanto, trata-se de uma breve síntese informativa do conteúdo, descrevendo clara e concisamente os pontos mais relevantes do trabalho, inclusive, deve conter os principais resultados da Pesquisa. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 20. Palavras-chave: São palavras que contêm a SIGNIFICAÇÃO GLOBAL DO ARTIGO. Deve-se escolher de três a seis palavras que representem o conteúdo geral do texto. Ex.: Estresse Oxidativo, Metabolismo, Desequilíbrios Hormonais Exercício: Pesquise no Google: HSP104 + trypanosoma cruzi Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 21. Introdução (Revisão Científica): “A parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.” (ABNT, NBR 14724, 2011, p. 2). A introdução deve anunciar a IDEIA CENTRAL DO TRABALHO, delimitando o ponto de vista enfocado em relação ao assunto e a extensão; situar o problema ou o tema abordado, no tempo e no espaço, enfocar a relevância do assunto e apresentar o objetivo central do artigo. A finalidade da introdução é SITUAR O LEITOR NO TEMA, definindo conceitos, apresentando os objetivos do artigo e as linhas de pensamento relevantes para o estudo do assunto e as possíveis controvérsias, explicitando qual dessas linhas que o autor seguirá e justificar a escolha. Também é aconselhável que o autor, nos últimos parágrafos da introdução, apresente a estrutura do artigo, detalhando a ordem de apresentação do tema. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 22. MATERIAIS E MÉTODOS: O objetivo da seção é descrever exatamente O QUE FOI FEITO: Experimentos feitos (ciências); Entrevistas realizadas (Jornalismo, Sociologia); Estudos de casos (medicina, fisioterapia, sociologia); Modelos Matemáticos (Exatas); Aplicação de questionários (trabalhos de conclusão); Revisões Cientificas (monografias). Os equipamentos, o material e método e como e quando eles foram usados (no tempo). • Ela deve fornecer detalhes suficientes para que os resultados possam ser verificados e o estudo replicado por outros pesquisadores. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 23. Desenvolvimento:  Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR 14724 (2011), o desenvolvimento é a “Parte principal do texto, que contém a exposição ordenada do assunto.  Divide-se em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método.”  Não existe exatamente uma norma rígida que oriente esta seção.  O texto poderá conter ideias de autores, CITAÇÕES, dados da pesquisa (se for pesquisa de campo, colocar gráficos e tabelas auxiliares) e interpretações.  Tudo isto deve ser apresentado de forma integrada substancial, criativa e lógica.  É nesta parte que se procuram explicar as HIPÓTESES e relacionar a teoria com a prática. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 24. Discussão  A Discussão mostra os relacionamentos entre os fatos e resultados observados. Sugestões:  apresente princípios, relações, generalizações mostrados nos Experimentos. Lembre- se que é uma seção de discussão, na qual vocês discute, e não recapitula os resultados já mostrados nos Experimentos.  liste qualquer exceção ou qualquer falta de relação e defina pontos incertos.  mostre que seus resultados e interpretações concordam (ou contrastam) com trabalhos previamente publicados.  Discuta implicações teóricas e possíveis aplicações práticas.  Escreva o mais claramente possível.  resuma as evidências para cada conclusão, não assuma que o leitor é capaz de juntar todos os pontos sozinho, o leitor não entende a fundo do seu trabalho. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 25. • IMPORTANTE LEMBRAR • A DISCUSSÃO é o coração do artigo e, em geral, precisa de várias tentativas para ficar pronta. • Deve apresentar as interpretações e opiniões dos autores, explicar as implicações dos resultados e fazer sugestões de PESQUISAS FUTURAS E PASSADAS. • Sua principal função é responder às questões postas na INTRODUÇÃO, explicando como os resultados apoiam essas respostas e o que elas acrescentam ao conhecimento sobre a área. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 26. Considerações finais:  A ABNT, NBR 14724 (2011, p. 5), afirma que a conclusão é a “Parte final do texto, na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses.”  As considerações finais devem limitar-se a uma síntese da argumentação desenvolvida no corpo do trabalho e dos resultados obtidos. É importante lembrar que devem estar todas fundamentadas nos resultados obtidos na pesquisa.  Também podem ser discutidas recomendações e sugestões para o prosseguimento no estudo do assunto. Portanto, esse item não deve trazer nada de novo e deve ser breve, enérgico, consistente e abrangente.  Sugere-se, que não sejam utilizadas citações nessa seção. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 27. Referências Bibliográficas: “Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual.” (ABNT, NBR 6023, 2002). Na lista de Referências, somente devem constar as fontes efetivamente citadas no texto. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 28.  Agradecimentos (opcionais em artigos) Os agradecimentos, se redigidos em textos como teses, dissertações ou monografias, costumam ser apresentados no início do trabalho, em uma única página.  Sumário ou índice, quando o texto é mais extenso e possui diversas páginas.  Apêndices ou anexos (opcionais).  Informações adicionais, não essenciais para o entendimento do texto, que elucidam um pouco mais alguns pontos abordados. Elementos Estruturais do Artigo Científico Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 29. Oficina - Exercício em Duplas  Escolha um TEMA da sua Área de Pesquisa ou de Estudos que seja do seu interesse atual ou no futuro próximo.  Faça uma TEIA de Palavras-chave, com o seu TEMA no centro da sua TEIA e relacione todas as palavras.  Selecione as revistas científicas mais importantes da sua área, ou aquelas em que você gostaria de publicar um artigo; • Leia 1 ou 2 artigos dessas revistas; • Preste atenção nas seções dos artigos (introduções, métodos, resultados e discussões). • Tente verificar se elas estão mais ou menos de acordo com as sugestões dadas nesta aula. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 30. Portais de artigos científicos Brasil  Banco de Teses e Dissertações - PPGEP/UFSC http://teses.eps.ufsc.br/ O Banco de Teses e Dissertações do Programa de Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal tem como objetivo apresentar as teses e dissertações em formato digital para pesquisa.  Boletim Educação Física http://www.boletimef.org/ Divulga informações científicas e culturais da educação física brasileira. Contém uma vasta biblioteca virtual com trabalhos como teses, dissertações, artigos, anais de eventos, livros, etc.  Dialógos & Ciência http://www.ftc.br/revistafsa/index.asp Portal da Faculdade de Tecnologia de Feira de Santana, disponibiliza artigos científicos da própria instituição e divulga trabalhos enviados por outras fontes produtoras.  Portal Brasileiro de Informação Científica (Capes) http://www.periodicos.capes.gov.br/ O portal oferece acesso on line aos textos completos de artigos científicos de mais de 2400 revistas internacionais, nacionais e estrangeiras, e as bases de dados com referências e resumos de documentos em todas as áreas do conhecimento. O uso do Portal é livre e gratuito. O acesso é feito a partir de qualquer terminal ligado à Internet através das instituições participantes.  Programa Prossiga http://www.prossiga.cnpq.br/ Este site do CNPq contém mais de 8.000 livros e 320 periódicos científicos, além de teses, documentos de pesquisa e obras de referência. Em português.  SciELO http://www.scielo.br A Scientific Electronic Library Online - SciELO é uma biblioteca eletrônica que contém periódicos científicos brasileiros e faz parte de um projeto de pesquisa da FAPESP em parceria com a BIREME e também conta com o apoio do CNPq. O objetivo do site é proporcionar um amplo acesso a coleções de periódicos, fascículos de cada título e textos completos dos artigos. O acesso pode ser feito através de índices e de formulários de busca. Em português, inglês e espanhol. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 31. Portais de artigos científicos Exterior  Exterior: Caltech Archives PhotoNet http://www.caltech.edu/cgi-bin/arcquery Base de dados com mais de 3.000 imagens relacionadas com a história da ciência. Em inglês.  Biological Abstracts (BIOSIS) http://www.biosis.org/site_tools/search.html Biological Abstracts é uma base de dados da literatura internacional voltada para revistas da área biológica abrangendo mais de 4000 periódicos. Nela é possível pesquisar artigos a partir de 1969.Em inglês.  Electronic Reference Library (ERL) http://www.cdrompro.com.br/cruesp Disponibiliza 40 bases de dados referenciais com acesso, via WEB, de qualquer equipamento conectado às redes de informação das três Universidades Estaduais Paulistas, no próprio ambiente de trabalho do pesquisador ou nas bibliotecas dessas Instituições  Lilacs http://bases.bireme.br/cgi- Literatura Latino-Americana e do Caribe voltada para Ciências da Saúde publicada nos países da Região, a partir de 1982. Contém artigos de cerca de 670 revistas. Em inglês.  Medline http://bases.bireme.br/cgi-bin/ Medline é uma base de dados internacional da área médica e biomédica, que contém referências bibliográficas e resumos de mais de 4000 títulos de revistas biomédicas publicadas nos Estados Unidos e em outros 70 países. A atualização da bases de dados é mensal. Em inglês.  Red de Revistas Científicas de America Latina y El Caribe, Espanã y Portugal http://www.redalyc.com/ Estão disponíveis 100 revistas com cerca de 9.500 trabalhos. é possível encontrar revistas de economia, geogtafia, pisicologia, relações internacionais, cultura, demografia e outras.  Web of science http://isi1.isiknowledge.com/portal.cgi Web of Science é uma base de dados onde é possível encontrar informações na literatura mundial em ciências exatas (a partir de 1945), ciências humanas (a partir de 1956) e artes (a partir de 1975).Em inglês. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 32. Processo de Revisão de Artigos e Submissão Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau
  • 33. Prof. Roberta Alvares Campos PhD - VII Jornada Científica Uninassau