SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
DEFINIÇÃO:
TEXTO       DE     C A R ÁT E R     E X P O S I T I V O - A R G U M E N TAT I V O ,
GERALMENTE            LONGO,         EM       QUE        OS      C I E N T I S TA S
A P R E S E N TA M U M A T E S E E / O U R E F U TA M T E S E S A L H E I A S .
Os artigos de divulgação científica e técnica têm hoje em dia
grande utilidade, sobretudo porque vive-mos num tempo que é
caracterizado pelo excesso de informação. (...) Além disso, nem
sempre a atual disponibilidade de dados corresponde a níveis
óbvios de hierarquização e de pertinência. (...) O jornalista
deverá (...) escolher qual o tópico preciso a divulgar, tendo como
base uma avaliação do que se poderá tornar útil, importante ou
até indis-pensável para os seus públicos.
Conceito e seu desenvolvimento


Um artigo científico é um trabalho técnico-científico e constitui um instrumento
de difusão de conhecimentos científicos a um determinado público.
Tem de expressar o pensamento pessoal ou argumentação de quem o elabora,
apoiado em autores conceituados, com quem se concorda, discorda ou se tem
divergência parcial.
Distingue-se do artigo de opinião, que pode exprimir apenas ideias próprias e,
frequentemente, surge nos meios de comunicação social.
Pode resultar de investigações experimentais originais, de estudos de caso, de
defesa de uma opinião, de trabalhos de revisão bibliográfica, de análise ou de
atualização a partir de novas descobertas e informações.
Em qualquer artigo científico ou técnico é fundamental saber o
    assunto (o que se quer comunicar), o destinatário (a quem se quer
    comunicar) e o objetivo (para que se quer comunicar).




Assunto
• Trata de questões científicas, apresentando resultados de estudos e
pesquisas:
    - é publicado em jornais, revistas, anais ou outros órgãos de divulgação
    científica especializados;
    - adequa a linguagem ao público a que se destina - mais acessível para um
    público mais amplo, mais específica e mais apurada para um público
    especializado.
Objetivo / Finalidade

O seu principal objetivo não é noticiar um acontecimento ou conjunto de
acontecimentos mas comentar, relacionar os factos com os seus antecedentes,
integrando-os num contexto mais amplo, interpretando e projetando o seu alcance
através da formulação de hipóteses.

    •   Comunicar resultados de pesquisas e ideias
    •   Clarificar ideias e assuntos
    •   Provar teorias ou confirmar hipótese
    •   Servir de medida em decisões
    •   Contribuir para a produtividade (qualitativa e quantitativa)
    •   Contribuir para o progresso científico e técnico
    •   Favorecer o intercâmbio científico
Classificação

Pode ser veículo de sensibilidades sociais, políticas e culturais, influenciando,
desse modo, a opinião pública.

Os artigos podem ser analíticos, classificatórios ou argumentativos.
     • Os analíticos definem e descrevem o assunto e têm em conta a forma e o
     objetivo que se tem em vista.
     • Os classificatórios ordenam aspetos de determinado assunto e explicam
     os seus constituintes.
     • Os argumentativos enfocam um argumento e apresentam factos que
     comprovam ou refutam o mesmo.
Estrutura
1. Título que reflete, adequadamente, o assunto;
2. Resumo com apresentação concisa de todos os pontos relevantes. É frequente surgir,
também, em inglês (abstract) e, algumas vezes, em francês (résumé).
3. Texto com introdução, corpo do trabalho e conclusão:
      3.1. Na introdução, surge a apresentação do tema, a sua natureza e importância, o
      enquadramento, a problemática, as hipóteses, as metodologias, os objetivos.
      3.2. No corpo do trabalho, aparece a moldura conceptual (com a revisão de
      literatura), para apoio teórico do tema, a partir de autores e estudos que o possam
      esclarecer. De seguida, deve haver uma breve descrição dos materiais e
      procedimentos básicos utilizados (amostragem, técnicas e métodos, análise dos
      dados). Por fim, há a apresentação e discussão dos resultados principais do estudo
      (dados concretos e estatísticos).
      3.3. Na conclusão, deve afirmar-se, em síntese, a ideia central e os pontos
      relevantes, deduzidos, logicamente, do que foi apresentado e discutido no corpo
      do trabalho.
4. Bibliografia, com a lista de referências usadas para a realização do trabalho.
Se necessário, pode ter notas de rodapé.
Características do discurso
   • Linguagem objetiva, rigorosa e precisa
   • Uso de vocabulário técnico e científico
   • Apresentação de argumentos e/ou contra argumentos
   • Utilização de numerais ordinais e cardinais
   • Citações
   • Destinado a público específico
Português
Profª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONAL
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONALO PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONAL
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONALFabiana Amado
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaTEYSON VASCONCELOS
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONASResenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONASRaedja Guimarães
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialpsicologiaazambuja
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundomarcaocampos
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas7 de Setembro
 
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Franciele Reiza
 
Modelo de relatorio
Modelo de relatorioModelo de relatorio
Modelo de relatorioatja12
 
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)thiagohermont
 

Mais procurados (20)

Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONAL
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONALO PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONAL
O PORTUGUÊS NO BRASIL COMO LÍNGUA TRANSNACIONAL
 
Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
 
O RelatóRio
O RelatóRioO RelatóRio
O RelatóRio
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONASResenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
 
Texto normativo
Texto normativoTexto normativo
Texto normativo
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Modelo de pre projeto tcc
Modelo de pre projeto tccModelo de pre projeto tcc
Modelo de pre projeto tcc
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Modelo de relatorio
Modelo de relatorioModelo de relatorio
Modelo de relatorio
 
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
 

Semelhante a Artigo científico e técnico

Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoFernanda Monteiro
 
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02Tarcísio Pedro Chokombonge
 
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisaMetodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisaAlfeu Barreto
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxFSCCarvalho
 
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxTEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxMarcela Apolonio
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisamarildabacana
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisamarildabacana
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisamarildabacana
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa Miryam Mastrella
 
Metodologia do Trabalho cientifico
Metodologia do Trabalho cientificoMetodologia do Trabalho cientifico
Metodologia do Trabalho cientificorenatacopi
 
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva MuñozComunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica Djesser Juan Vaes
 
Metodologia Princípios
Metodologia PrincípiosMetodologia Princípios
Metodologia PrincípiosFriFri
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaLucinea Lima Lacerda
 
Modelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestradoModelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestradopery-ap
 

Semelhante a Artigo científico e técnico (20)

Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
 
Artigo técnico
Artigo técnicoArtigo técnico
Artigo técnico
 
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
 
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisaMetodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxTEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
Metodologia do Trabalho cientifico
Metodologia do Trabalho cientificoMetodologia do Trabalho cientifico
Metodologia do Trabalho cientifico
 
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva MuñozComunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
 
Metodologia Princípios
Metodologia PrincípiosMetodologia Princípios
Metodologia Princípios
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
 
Mpp aula1
Mpp aula1Mpp aula1
Mpp aula1
 
Modelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertaçãoModelo de Projeto de dissertação
Modelo de Projeto de dissertação
 
Modelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestradoModelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestrado
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 

Artigo científico e técnico

  • 1. DEFINIÇÃO: TEXTO DE C A R ÁT E R E X P O S I T I V O - A R G U M E N TAT I V O , GERALMENTE LONGO, EM QUE OS C I E N T I S TA S A P R E S E N TA M U M A T E S E E / O U R E F U TA M T E S E S A L H E I A S .
  • 2. Os artigos de divulgação científica e técnica têm hoje em dia grande utilidade, sobretudo porque vive-mos num tempo que é caracterizado pelo excesso de informação. (...) Além disso, nem sempre a atual disponibilidade de dados corresponde a níveis óbvios de hierarquização e de pertinência. (...) O jornalista deverá (...) escolher qual o tópico preciso a divulgar, tendo como base uma avaliação do que se poderá tornar útil, importante ou até indis-pensável para os seus públicos.
  • 3. Conceito e seu desenvolvimento Um artigo científico é um trabalho técnico-científico e constitui um instrumento de difusão de conhecimentos científicos a um determinado público. Tem de expressar o pensamento pessoal ou argumentação de quem o elabora, apoiado em autores conceituados, com quem se concorda, discorda ou se tem divergência parcial. Distingue-se do artigo de opinião, que pode exprimir apenas ideias próprias e, frequentemente, surge nos meios de comunicação social. Pode resultar de investigações experimentais originais, de estudos de caso, de defesa de uma opinião, de trabalhos de revisão bibliográfica, de análise ou de atualização a partir de novas descobertas e informações.
  • 4. Em qualquer artigo científico ou técnico é fundamental saber o assunto (o que se quer comunicar), o destinatário (a quem se quer comunicar) e o objetivo (para que se quer comunicar). Assunto • Trata de questões científicas, apresentando resultados de estudos e pesquisas: - é publicado em jornais, revistas, anais ou outros órgãos de divulgação científica especializados; - adequa a linguagem ao público a que se destina - mais acessível para um público mais amplo, mais específica e mais apurada para um público especializado.
  • 5. Objetivo / Finalidade O seu principal objetivo não é noticiar um acontecimento ou conjunto de acontecimentos mas comentar, relacionar os factos com os seus antecedentes, integrando-os num contexto mais amplo, interpretando e projetando o seu alcance através da formulação de hipóteses. • Comunicar resultados de pesquisas e ideias • Clarificar ideias e assuntos • Provar teorias ou confirmar hipótese • Servir de medida em decisões • Contribuir para a produtividade (qualitativa e quantitativa) • Contribuir para o progresso científico e técnico • Favorecer o intercâmbio científico
  • 6. Classificação Pode ser veículo de sensibilidades sociais, políticas e culturais, influenciando, desse modo, a opinião pública. Os artigos podem ser analíticos, classificatórios ou argumentativos. • Os analíticos definem e descrevem o assunto e têm em conta a forma e o objetivo que se tem em vista. • Os classificatórios ordenam aspetos de determinado assunto e explicam os seus constituintes. • Os argumentativos enfocam um argumento e apresentam factos que comprovam ou refutam o mesmo.
  • 7. Estrutura 1. Título que reflete, adequadamente, o assunto; 2. Resumo com apresentação concisa de todos os pontos relevantes. É frequente surgir, também, em inglês (abstract) e, algumas vezes, em francês (résumé). 3. Texto com introdução, corpo do trabalho e conclusão: 3.1. Na introdução, surge a apresentação do tema, a sua natureza e importância, o enquadramento, a problemática, as hipóteses, as metodologias, os objetivos. 3.2. No corpo do trabalho, aparece a moldura conceptual (com a revisão de literatura), para apoio teórico do tema, a partir de autores e estudos que o possam esclarecer. De seguida, deve haver uma breve descrição dos materiais e procedimentos básicos utilizados (amostragem, técnicas e métodos, análise dos dados). Por fim, há a apresentação e discussão dos resultados principais do estudo (dados concretos e estatísticos). 3.3. Na conclusão, deve afirmar-se, em síntese, a ideia central e os pontos relevantes, deduzidos, logicamente, do que foi apresentado e discutido no corpo do trabalho. 4. Bibliografia, com a lista de referências usadas para a realização do trabalho. Se necessário, pode ter notas de rodapé.
  • 8. Características do discurso • Linguagem objetiva, rigorosa e precisa • Uso de vocabulário técnico e científico • Apresentação de argumentos e/ou contra argumentos • Utilização de numerais ordinais e cardinais • Citações • Destinado a público específico