SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
CONCEITO DE SAÚDE MENTAL HOJE NO BRASIL 
Luciane Santana¹ 
Robson Rodrigues² 
Resumo 
O Estado tem redefinido suas diretrizes políticas nas últimas décadas. Dessa forma, 
preconiza que a assistência seja feita de modo predominante e que o evento 
psiquiátrico seja atendido na própria comunidade. Os avanços do saber e da prática, 
em saúde mental, não foram acompanhados por e passo pela enfermagem que, 
desde o seu início até hoje, permaneceu essencialmente, em que pesem as 
pressões e experiências no sentido de transformar sua prática e ensino, ao longo da 
história. As transformações necessárias só avançarão se os conhecimentos 
produzidos nesta produzidos nesta área tomarem, Graças à reforma e implantação 
da lei que assegura hoje o portador dessa saúde mental. Novos rumos uma vez que 
houve mudanças paradigmáticas na compreensão. 
Palavra-chave: Enfermagem; Saúde mental; Reforma da lei; Conceito; 
. 
________________________________ 
¹ SANTANA, Luciane Santana. Acadêmica do 4º semestre de enfermagem da Instituição FAPEN. E-mail: 
lucisantt@yahoo.com.br 
² RODRIGUES, Robson Rodrigues-Docente e orientador do curso de enfermagem da instituição 
FAPEN. E-mail: robson_cao@hotmail.com
2 
Introdução 
Vivemos um momento único no campo das Políticas Públicas de Saúde 
Mental no país. Finalmente, após mais de uma década tramitando no Congresso 
Nacional, a Lei no 3.657/89 foi aprovada e sancionada pelo Presidente da República, 
no dia 6 de abril de 2001. Esta lei dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas 
portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde 
mental. Entendo que a discussão em torno da necessidade de reformulação da 
assistência ao doente mental consiste em uma necessidade colocada e discutida já 
há várias décadas. No entanto, este tem se configurado em um campo de conflito 
bastante intenso visto que a reforma proposta por distintos grupos sociais apresenta 
divergências em relação às mudanças a serem realizadas, conforme a inserção 
social e interpretação dos sujeitos que a apresentam. Independente disto à 
discussão da mudança da legislação vigente tem se constituído em um fator 
importante no sentido de questionar os modelos hegemônicos de assistência ao 
doente mental e propor novos modos de pensar e fazer em saúde mental. 
Segundo (Amarante 1995), no campo da saúde mental tem-se, no ano de 
1989, dois marcos importantes que ajudam a compreender o processo de 
resistência à psiquiatria tradicional: a intervenção realizada pela Prefeitura de Santos 
na Casa de Saúde Anchieta em Santos/SP - único hospital psiquiátrico privado da 
região e que representava o universo manicomial - e a apresentação no Congresso 
Nacional do Projeto de lei No 3.657/89, de autoria do deputado Paulo Delgado, que 
previa a reestruturação da assistência psiquiátrica brasileira com a substituição 
progressiva dos manicômios por “novos dispositivos de tratamento e acolhimento”. 
No processo de mudança do paradigma sanitário brasileiro, encontramos os campos 
que têm se consolidado, tanto nas práticas de atenção à saúde, como nos meios da 
convivência desse paciente com a família e a sociedade, e enfermagem no papel do 
cuidado e planejamento do mesmo. (costa, 1987). Em meados do século XIX, “o 
doente mental que ainda podia desfrutar de apreciável grau de tolerância social e de 
relativa liberdade passou a ser tratado em Santas Casas de Misericórdia. A partir de 
1830, médicos da “Academia Imperial de Medicina” passaram a reivindicara 
competência para lidar com a loucura, mobilizando a opinião pública no sentido de
construíram hospício para os alienados. Criticavam e denunciavam os cuidados 
prestados pelas Santas Casas do Rio de Janeiro (Costa, 1981).Dois momentos 
importantes marcaram o início da Psiquiatria no Brasil: a inauguração, em 1852, do 
Hospício Pedro II pelo próprio imperador D. Pedro II e a Proclamação da República 
em 1889, coincidente com o advento da Psiquiatria Científica, Rapidamente se 
forma uma aliança entre a ciência psiquiátrica e os projetos estatais de controle 
social. De acordo com , só é, portanto, possível compreender o nascimento da 
psiquiatria brasileira a partir da medicina que incorpora a sociedade como novo 
objeto e se impõe como instância de controle social dos indivíduos e das 
populações. É no seio da medicina social que se constitui a psiquiatria. Nessa 
perspectiva, o doente da saúde mental passou ter qualidade humana ao seu trato na 
saúde em questão pela lei 10.216 de 6 de Abril de 2001.Graças há essa lei a saúde 
mental teve sua reforma As transformações, no papel do enfermeiro psiquiátrico, 
ocorreram concomitantemente à evolução da assistência prestada no asilo, isto é, 
acompanharam as transformações ocorridas na prática médica e, paralelamente, às 
tentativa desincorporação de novas técnicas e políticas direcionadas ao tratamento 
do doente mental. As novas técnicas que possibilitaram as transformações na 
assistência da enfermagem. A de institucionalização do doente mental traz no seu 
bojo. O desafio de dotar esse indivíduo de um mínimo de recursos vitais que lhe 
permita independência para as atividades de vida diária e exercício de Cidadania. 
Imaginar o crônico, há anos institucionalizado, Lentamente saindo do cotidiano do 
asilo, frequentando as oficinas ocupacionais, os hospitais-dia, as vilas-terapêuticas, 
as pensões protegidas, as repúblicas, enfim resgatando sua livre gestão e seu 
direito de ir e vir, é algo que além de muita imaginação requer obstinação e 
criatividade terapêutica. Em caráter de urgência: Ao considerar as recentes 
mudanças que ocorrem na assistência em saúde mental no contexto da reforma 
psiquiátrica, quanto à concepção de doença mental, as formas de tratamento e a 
inserção de novos serviços, então surge a necessidade de uma reflexão sobre a 
assistência prestada a estes pacientes. Incluem-se nesses serviços, as unidades de 
atendimento em emergência nas quais cabe aos profissionais de saúde realizar o 
acolhimento de pessoas com transtorno mental, destacando sua importância na 
prevenção das complicações e identificação dos quadros agudos que apresentem 
risco de vida. 
Neste sentido, emergência em saúde mental se refere a qualquer perturbação 
3
do pensamento, sentimentos ou ações que necessitam de uma intervenção imediata 
para proteger a pessoa ou a terceiros do risco de morte. Dentre as situações de 
emergência mais encontradas, têm-se o comportamento suicida, comportamento 
agressivo e distúrbios do pensamento e da percepção, sendo que 20% das pessoas 
atendidas em serviços de emergência em saúde mental têm problemas de suicídio e 
10% de comportamento violento. As ações de enfermagem devem incluir avaliação 
de fatores de estresse precipitantes, do estado físico e mental, do potencial suicida 
ou homicida e do uso de drogas. Em seguida há o planejamento da intervenção e 
posteriormente, a análise final da resolução da crise e planejamento prévio. 
Destarte, a melhor abordagem em situação de emergência é o ouvir reflexivo, pois 
as pessoas em crise revelam o quanto necessitam de apoio e palavras para 
conceituar o significado de sua crise e descobrir caminhos para a resolução. Quando 
não se consegue que o paciente diminua suas manifestações comportamentais 
exacerbadas e é compreendido que este apresenta riscos para si ou para terceiros. 
Objetivo: O presente estudo tem como objetivo de analisar criticamente o 
processo de introdução na da saúde e da enfermagem da temática da reforma 
psiquiátrica e os avanços e conceito. 
Metodologia: Como aulas dialogadas, realizados em sala de aula leitura e 
discussão de textos, discussão estudo de caso, ensino clínico e seminário. A 
Reforma Psiquiátrica, a como: reabilitação psicossocial e a rede de atenção em 
saúde mental configuram-se como eixos condutores das estratégias durante todo o 
desenvolvimento da disciplina. 
Resultados: De acordo com conhecimentos na base de leituras sobre o 
assunto e o seguimento das aulas administradas em sala, Aproveitando a Matéria da 
docente da Fapen Marcia Wilma da disciplina: enfermagem na psiquiatria e do nosso 
Docente: Robson Rodrigues. Tendo em questão que eu, Discente de Enfermagem 
do 4º semestre, Ainda não tive o contato direto com paciente de saúde mental 
mediante ao estagio da instituição. Tendo conhecimento somente didático. Vejo 
como ainda no nosso Brasil ainda temos muito que fazer pelo paciente de transtorno 
mental. E falta de capacitação e com o hoje, Implantação de uma nova diretrizes do 
sus.E o avanço da enfermagem da abordagem do paciente. 
4
Discursão: Portanto, a discussão desses resultados contribui para a 
realidade brasileira por apresentar falta de profissional desse setor equidade ao 
paciente. Entretanto, este panorama não é totalmente novo para os desafios que a 
educação da enfermagem psiquiátrica e saúde mental enfrentam ao longo da 
história. A interpretação que pode ser feita é que o avanço desses resultados 
depende também da comunidade científica de enfermagem psiquiátrica e saúde 
mental refletirem sobre o acúmulo de conhecimento produzido sobre educação 
nesse campo específico e produzir avaliar pesquisas em rede, com profissionais do 
ensino-assistência, para transformar o contexto das políticas públicas de educação e 
saúde mental no Brasil. É importante assinalar que o modelo clínico na realidade 
brasileira expandiu-se e contou com importante impulso durante o processo de 
industrialização nos anos 70, quando ocorreu uma grande expansão da indústria 
farmacêutica e de equipamentos médico-hospitalares. Chama-se a atenção para o 
fato de que enquanto o mundo voltava-se para a desespiralização, o Brasil, sob o 
cenário do golpe militar, investia na extensão dos cuidados psiquiátricos através 
uma rede de serviços de saúde mental capaz de suprir a demanda dos portadores 
de sofrimento psíquico de forma alternativa. Os serviços existem, mas são ainda 
insuficientes. Ainda, os serviços existentes carecem de constante reflexão de suas 
práticas e referenciais teóricos adotados a fim de não se institucionalizarem dentro 
de uma lógica de descaso. Considero um avanço para a enfermagem que 
profissionais envolvidos na criação de outros modos de pensar, viver e trabalhar 
com a loucura estejam neste momento divulgando suas experiências e suas 
inquietudes. Erroneamente, poderia se pensar que isto acontece tarde para a 
enfermagem, no entanto proponho que se pense de outra forma, já que o tempo 
histórico em que é possível questionar um antigo paradigma, secularmente 
consolidado e passar a pensar um novo paradigma emergente, depende de muitas 
outras relações bastante complexas considerando-se a formação histórica da 
profissão, ou até da própria sociedade brasileira. A discussão explicitada nas 
publicações retrata a complexidade de repensar a representação social da loucura 
no espaço asilar, a relação ensino-serviço neste novo contexto e o papel da 
enfermagem nos trabalhos interdisciplinares emergentes enquanto o processo. 
5
Conclusão: Ao se reavaliar a prática de Enfermagem, deve-se fazê-lo numa 
perspectiva humanista, criativa, reflexiva e imaginativa, considerando como 
categoria central da profissão o cuidar compreendido como processo dinâmico, 
mutável e inovadora valorização das influencias biopsicossociais no processo de 
adoecer tornou-se necessária frente à percepção do doente como ser humano e 
cidadão. A criação e a Manutenção do ambiente terapêutico e da interação 
profissional-doente fazem-se constantes sendo de responsabilidade da equipe 
interdisciplinar que atende nos Serviços extra-hospitalares. Nesse contexto, a 
capacidade de empatia, de uso da sua pessoa como mediadora do cuidado exige 
autoconscientização, desenvolvimento de autoestima e habilidades políticas dos 
profissionais, de forma que possam assumir todos os papéis que a profissão solicita. 
Conforme o referencial levantado, as ações de enfermagem devem adquirir 
uma postura que coadune com os objetivos da reforma psiquiátrica na inserção da 
comunidade na assistência ao portador de transtornos mentais. Desde a 
Década de 70 , essa política vem sendo implementada nos diferentes serviços de 
saúde mental, embora em alguns ainda se presencie a tendência A partir das 
décadas de 80 e 90 do século passado, muitos trabalhadores na área de saúde 
mental têm-se comprometido com a “desconstrução “dos aparatos manicomiais e a 
construção de novas formas de lidar com a loucura. 
No enfoque da mudança de paradigma, fica evidente a modificação de 
postura do enfermeiro para uma abordagem holística, considerando a 
individualidade do ser humano, o contexto de saúde e doença em que ele está 
inserido, o relacionamento interpessoal, permeando a coparticipação no processo da 
reabilitação e a promoção do autocuidado como forma de responsabilizar o sujeito 
pela sua saúde. 
6
7 
Referências Bibliográficas 
Amarante, P. (org.) (1995). Loucos pela Vida: a trajetória da Reforma Psiquiátrica no 
Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz. 
Costa, J. F. (1981). História da Psiquiatria no Brasil: um corte ideológico. Rio de 
Janeiro: Documentário. 
Costa-Rosa,A.(1987).http://pt.scribd.com/doc/2519946/A-violencia-na-teoria- 
Psicanalitica 
Brasil/MS (2001). III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília:Caderno de 
Textos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Lorena Albuquerque Vieira
 
Atenção psicossocial
Atenção psicossocialAtenção psicossocial
Atenção psicossocial
Rosane Domingues
 
V18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danosV18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danos
venanciom
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
multicentrica
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
A real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no susA real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no sus
Dra. Ofélia De Castro Maia
 
SaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso SocialSaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso Social
Renato Moura
 
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográficaMovimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Diego Piekas
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
Aroldo Gavioli
 
Relatorio final 1 mla 2009
Relatorio final 1   mla 2009Relatorio final 1   mla 2009
Relatorio final 1 mla 2009
lutantiumanicomial
 
2405
24052405
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Aroldo Gavioli
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
Alexandre Simoes
 
Saúde mental e cidadania
Saúde mental e cidadaniaSaúde mental e cidadania
Saúde mental e cidadania
Aroldo Gavioli
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
lucasliviett
 
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Aroldo Gavioli
 
111 441-1-pb
111 441-1-pb111 441-1-pb
111 441-1-pb
Flora Couto
 
Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)
Tathiane Souza
 

Mais procurados (19)

Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
Atenção psicossocial
Atenção psicossocialAtenção psicossocial
Atenção psicossocial
 
V18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danosV18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danos
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
 
A real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no susA real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no sus
 
SaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso SocialSaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso Social
 
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográficaMovimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Relatorio final 1 mla 2009
Relatorio final 1   mla 2009Relatorio final 1   mla 2009
Relatorio final 1 mla 2009
 
2405
24052405
2405
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
 
Saúde mental e cidadania
Saúde mental e cidadaniaSaúde mental e cidadania
Saúde mental e cidadania
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
 
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
Algumas Reflexões sobre a evolução do trabalho da enfermagem em saúde mental ...
 
111 441-1-pb
111 441-1-pb111 441-1-pb
111 441-1-pb
 
Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)
 

Destaque

Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Luciane Santana
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
davidjpereira
 
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de NassauBrand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
Faculdade Maurício de Nassau
 
Arquitetura de Computadores
Arquitetura de ComputadoresArquitetura de Computadores
Arquitetura de Computadores
Mayara Oliveira
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
Diretrizes curriculares
Diretrizes curricularesDiretrizes curriculares
Diretrizes curriculares
Cleia Printes
 
Treinamento CIPA - Mapa de Risco
Treinamento CIPA - Mapa de RiscoTreinamento CIPA - Mapa de Risco
Treinamento CIPA - Mapa de Risco
HugoDalevedove
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
Patrícia Rodrigues
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
hps22
 
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Edmilson Pachêco
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!
Guilherme Ferrari
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
Lene So
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação
Diretrizes curriculares nacionais para a educaçãoDiretrizes curriculares nacionais para a educação
Diretrizes curriculares nacionais para a educação
Elicio Lima
 
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Camila Coelho
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
EMS Indústria Farmacêutica
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
Niela Tuani
 

Destaque (20)

Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de NassauBrand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
 
Arquitetura de Computadores
Arquitetura de ComputadoresArquitetura de Computadores
Arquitetura de Computadores
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
DCNEIs
 
Diretrizes curriculares
Diretrizes curricularesDiretrizes curriculares
Diretrizes curriculares
 
Treinamento CIPA - Mapa de Risco
Treinamento CIPA - Mapa de RiscoTreinamento CIPA - Mapa de Risco
Treinamento CIPA - Mapa de Risco
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
 
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação
Diretrizes curriculares nacionais para a educaçãoDiretrizes curriculares nacionais para a educação
Diretrizes curriculares nacionais para a educação
 
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
 
Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos Riscos Ergonômicos
Riscos Ergonômicos
 

Semelhante a Conceito sobre saúde mental Hoje

Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
Rosane Domingues
 
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp0218demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
HelenLugao
 
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Simone Elisa Heitor
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
sara jane brazao pinto
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
sara jane brazao pinto
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
lucasliviett
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Psicologia_2015
 
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
Rubens Junior
 
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdfVISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
ceciliamonteiro12
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Marta Elini Borges
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
Denílson Maia
 
Trabalho conic
Trabalho conicTrabalho conic
Trabalho conic
SuellenLopes14
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
Ana Ferraz
 
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdfreformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
Lucilenesantos56
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
MirnaKathary1
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
BrendoArruda
 
Frossard2015
Frossard2015Frossard2015
Frossard2015
Thais Moura
 
Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)
Ana Célia Vieira
 
Na sinuca de bico a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
Na sinuca de bico   a precarização do trabalho do assistente social na rede d...Na sinuca de bico   a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
Na sinuca de bico a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
Rosane Domingues
 
Iv cnsm
Iv cnsmIv cnsm

Semelhante a Conceito sobre saúde mental Hoje (20)

Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
 
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp0218demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
 
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
 
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
 
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdfVISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
 
Trabalho conic
Trabalho conicTrabalho conic
Trabalho conic
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdfreformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
 
Frossard2015
Frossard2015Frossard2015
Frossard2015
 
Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)
 
Na sinuca de bico a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
Na sinuca de bico   a precarização do trabalho do assistente social na rede d...Na sinuca de bico   a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
Na sinuca de bico a precarização do trabalho do assistente social na rede d...
 
Iv cnsm
Iv cnsmIv cnsm
Iv cnsm
 

Mais de Luciane Santana

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
Luciane Santana
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
Luciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Luciane Santana
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
Luciane Santana
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
Luciane Santana
 
Autismo
AutismoAutismo
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Luciane Santana
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Luciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Luciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
Luciane Santana
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Luciane Santana
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Luciane Santana
 
Biossegurança na CME
Biossegurança na CMEBiossegurança na CME
Biossegurança na CME
Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
 
Biossegurança na CME
Biossegurança na CMEBiossegurança na CME
Biossegurança na CME
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Conceito sobre saúde mental Hoje

  • 1. 1 CONCEITO DE SAÚDE MENTAL HOJE NO BRASIL Luciane Santana¹ Robson Rodrigues² Resumo O Estado tem redefinido suas diretrizes políticas nas últimas décadas. Dessa forma, preconiza que a assistência seja feita de modo predominante e que o evento psiquiátrico seja atendido na própria comunidade. Os avanços do saber e da prática, em saúde mental, não foram acompanhados por e passo pela enfermagem que, desde o seu início até hoje, permaneceu essencialmente, em que pesem as pressões e experiências no sentido de transformar sua prática e ensino, ao longo da história. As transformações necessárias só avançarão se os conhecimentos produzidos nesta produzidos nesta área tomarem, Graças à reforma e implantação da lei que assegura hoje o portador dessa saúde mental. Novos rumos uma vez que houve mudanças paradigmáticas na compreensão. Palavra-chave: Enfermagem; Saúde mental; Reforma da lei; Conceito; . ________________________________ ¹ SANTANA, Luciane Santana. Acadêmica do 4º semestre de enfermagem da Instituição FAPEN. E-mail: lucisantt@yahoo.com.br ² RODRIGUES, Robson Rodrigues-Docente e orientador do curso de enfermagem da instituição FAPEN. E-mail: robson_cao@hotmail.com
  • 2. 2 Introdução Vivemos um momento único no campo das Políticas Públicas de Saúde Mental no país. Finalmente, após mais de uma década tramitando no Congresso Nacional, a Lei no 3.657/89 foi aprovada e sancionada pelo Presidente da República, no dia 6 de abril de 2001. Esta lei dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Entendo que a discussão em torno da necessidade de reformulação da assistência ao doente mental consiste em uma necessidade colocada e discutida já há várias décadas. No entanto, este tem se configurado em um campo de conflito bastante intenso visto que a reforma proposta por distintos grupos sociais apresenta divergências em relação às mudanças a serem realizadas, conforme a inserção social e interpretação dos sujeitos que a apresentam. Independente disto à discussão da mudança da legislação vigente tem se constituído em um fator importante no sentido de questionar os modelos hegemônicos de assistência ao doente mental e propor novos modos de pensar e fazer em saúde mental. Segundo (Amarante 1995), no campo da saúde mental tem-se, no ano de 1989, dois marcos importantes que ajudam a compreender o processo de resistência à psiquiatria tradicional: a intervenção realizada pela Prefeitura de Santos na Casa de Saúde Anchieta em Santos/SP - único hospital psiquiátrico privado da região e que representava o universo manicomial - e a apresentação no Congresso Nacional do Projeto de lei No 3.657/89, de autoria do deputado Paulo Delgado, que previa a reestruturação da assistência psiquiátrica brasileira com a substituição progressiva dos manicômios por “novos dispositivos de tratamento e acolhimento”. No processo de mudança do paradigma sanitário brasileiro, encontramos os campos que têm se consolidado, tanto nas práticas de atenção à saúde, como nos meios da convivência desse paciente com a família e a sociedade, e enfermagem no papel do cuidado e planejamento do mesmo. (costa, 1987). Em meados do século XIX, “o doente mental que ainda podia desfrutar de apreciável grau de tolerância social e de relativa liberdade passou a ser tratado em Santas Casas de Misericórdia. A partir de 1830, médicos da “Academia Imperial de Medicina” passaram a reivindicara competência para lidar com a loucura, mobilizando a opinião pública no sentido de
  • 3. construíram hospício para os alienados. Criticavam e denunciavam os cuidados prestados pelas Santas Casas do Rio de Janeiro (Costa, 1981).Dois momentos importantes marcaram o início da Psiquiatria no Brasil: a inauguração, em 1852, do Hospício Pedro II pelo próprio imperador D. Pedro II e a Proclamação da República em 1889, coincidente com o advento da Psiquiatria Científica, Rapidamente se forma uma aliança entre a ciência psiquiátrica e os projetos estatais de controle social. De acordo com , só é, portanto, possível compreender o nascimento da psiquiatria brasileira a partir da medicina que incorpora a sociedade como novo objeto e se impõe como instância de controle social dos indivíduos e das populações. É no seio da medicina social que se constitui a psiquiatria. Nessa perspectiva, o doente da saúde mental passou ter qualidade humana ao seu trato na saúde em questão pela lei 10.216 de 6 de Abril de 2001.Graças há essa lei a saúde mental teve sua reforma As transformações, no papel do enfermeiro psiquiátrico, ocorreram concomitantemente à evolução da assistência prestada no asilo, isto é, acompanharam as transformações ocorridas na prática médica e, paralelamente, às tentativa desincorporação de novas técnicas e políticas direcionadas ao tratamento do doente mental. As novas técnicas que possibilitaram as transformações na assistência da enfermagem. A de institucionalização do doente mental traz no seu bojo. O desafio de dotar esse indivíduo de um mínimo de recursos vitais que lhe permita independência para as atividades de vida diária e exercício de Cidadania. Imaginar o crônico, há anos institucionalizado, Lentamente saindo do cotidiano do asilo, frequentando as oficinas ocupacionais, os hospitais-dia, as vilas-terapêuticas, as pensões protegidas, as repúblicas, enfim resgatando sua livre gestão e seu direito de ir e vir, é algo que além de muita imaginação requer obstinação e criatividade terapêutica. Em caráter de urgência: Ao considerar as recentes mudanças que ocorrem na assistência em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica, quanto à concepção de doença mental, as formas de tratamento e a inserção de novos serviços, então surge a necessidade de uma reflexão sobre a assistência prestada a estes pacientes. Incluem-se nesses serviços, as unidades de atendimento em emergência nas quais cabe aos profissionais de saúde realizar o acolhimento de pessoas com transtorno mental, destacando sua importância na prevenção das complicações e identificação dos quadros agudos que apresentem risco de vida. Neste sentido, emergência em saúde mental se refere a qualquer perturbação 3
  • 4. do pensamento, sentimentos ou ações que necessitam de uma intervenção imediata para proteger a pessoa ou a terceiros do risco de morte. Dentre as situações de emergência mais encontradas, têm-se o comportamento suicida, comportamento agressivo e distúrbios do pensamento e da percepção, sendo que 20% das pessoas atendidas em serviços de emergência em saúde mental têm problemas de suicídio e 10% de comportamento violento. As ações de enfermagem devem incluir avaliação de fatores de estresse precipitantes, do estado físico e mental, do potencial suicida ou homicida e do uso de drogas. Em seguida há o planejamento da intervenção e posteriormente, a análise final da resolução da crise e planejamento prévio. Destarte, a melhor abordagem em situação de emergência é o ouvir reflexivo, pois as pessoas em crise revelam o quanto necessitam de apoio e palavras para conceituar o significado de sua crise e descobrir caminhos para a resolução. Quando não se consegue que o paciente diminua suas manifestações comportamentais exacerbadas e é compreendido que este apresenta riscos para si ou para terceiros. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo de analisar criticamente o processo de introdução na da saúde e da enfermagem da temática da reforma psiquiátrica e os avanços e conceito. Metodologia: Como aulas dialogadas, realizados em sala de aula leitura e discussão de textos, discussão estudo de caso, ensino clínico e seminário. A Reforma Psiquiátrica, a como: reabilitação psicossocial e a rede de atenção em saúde mental configuram-se como eixos condutores das estratégias durante todo o desenvolvimento da disciplina. Resultados: De acordo com conhecimentos na base de leituras sobre o assunto e o seguimento das aulas administradas em sala, Aproveitando a Matéria da docente da Fapen Marcia Wilma da disciplina: enfermagem na psiquiatria e do nosso Docente: Robson Rodrigues. Tendo em questão que eu, Discente de Enfermagem do 4º semestre, Ainda não tive o contato direto com paciente de saúde mental mediante ao estagio da instituição. Tendo conhecimento somente didático. Vejo como ainda no nosso Brasil ainda temos muito que fazer pelo paciente de transtorno mental. E falta de capacitação e com o hoje, Implantação de uma nova diretrizes do sus.E o avanço da enfermagem da abordagem do paciente. 4
  • 5. Discursão: Portanto, a discussão desses resultados contribui para a realidade brasileira por apresentar falta de profissional desse setor equidade ao paciente. Entretanto, este panorama não é totalmente novo para os desafios que a educação da enfermagem psiquiátrica e saúde mental enfrentam ao longo da história. A interpretação que pode ser feita é que o avanço desses resultados depende também da comunidade científica de enfermagem psiquiátrica e saúde mental refletirem sobre o acúmulo de conhecimento produzido sobre educação nesse campo específico e produzir avaliar pesquisas em rede, com profissionais do ensino-assistência, para transformar o contexto das políticas públicas de educação e saúde mental no Brasil. É importante assinalar que o modelo clínico na realidade brasileira expandiu-se e contou com importante impulso durante o processo de industrialização nos anos 70, quando ocorreu uma grande expansão da indústria farmacêutica e de equipamentos médico-hospitalares. Chama-se a atenção para o fato de que enquanto o mundo voltava-se para a desespiralização, o Brasil, sob o cenário do golpe militar, investia na extensão dos cuidados psiquiátricos através uma rede de serviços de saúde mental capaz de suprir a demanda dos portadores de sofrimento psíquico de forma alternativa. Os serviços existem, mas são ainda insuficientes. Ainda, os serviços existentes carecem de constante reflexão de suas práticas e referenciais teóricos adotados a fim de não se institucionalizarem dentro de uma lógica de descaso. Considero um avanço para a enfermagem que profissionais envolvidos na criação de outros modos de pensar, viver e trabalhar com a loucura estejam neste momento divulgando suas experiências e suas inquietudes. Erroneamente, poderia se pensar que isto acontece tarde para a enfermagem, no entanto proponho que se pense de outra forma, já que o tempo histórico em que é possível questionar um antigo paradigma, secularmente consolidado e passar a pensar um novo paradigma emergente, depende de muitas outras relações bastante complexas considerando-se a formação histórica da profissão, ou até da própria sociedade brasileira. A discussão explicitada nas publicações retrata a complexidade de repensar a representação social da loucura no espaço asilar, a relação ensino-serviço neste novo contexto e o papel da enfermagem nos trabalhos interdisciplinares emergentes enquanto o processo. 5
  • 6. Conclusão: Ao se reavaliar a prática de Enfermagem, deve-se fazê-lo numa perspectiva humanista, criativa, reflexiva e imaginativa, considerando como categoria central da profissão o cuidar compreendido como processo dinâmico, mutável e inovadora valorização das influencias biopsicossociais no processo de adoecer tornou-se necessária frente à percepção do doente como ser humano e cidadão. A criação e a Manutenção do ambiente terapêutico e da interação profissional-doente fazem-se constantes sendo de responsabilidade da equipe interdisciplinar que atende nos Serviços extra-hospitalares. Nesse contexto, a capacidade de empatia, de uso da sua pessoa como mediadora do cuidado exige autoconscientização, desenvolvimento de autoestima e habilidades políticas dos profissionais, de forma que possam assumir todos os papéis que a profissão solicita. Conforme o referencial levantado, as ações de enfermagem devem adquirir uma postura que coadune com os objetivos da reforma psiquiátrica na inserção da comunidade na assistência ao portador de transtornos mentais. Desde a Década de 70 , essa política vem sendo implementada nos diferentes serviços de saúde mental, embora em alguns ainda se presencie a tendência A partir das décadas de 80 e 90 do século passado, muitos trabalhadores na área de saúde mental têm-se comprometido com a “desconstrução “dos aparatos manicomiais e a construção de novas formas de lidar com a loucura. No enfoque da mudança de paradigma, fica evidente a modificação de postura do enfermeiro para uma abordagem holística, considerando a individualidade do ser humano, o contexto de saúde e doença em que ele está inserido, o relacionamento interpessoal, permeando a coparticipação no processo da reabilitação e a promoção do autocuidado como forma de responsabilizar o sujeito pela sua saúde. 6
  • 7. 7 Referências Bibliográficas Amarante, P. (org.) (1995). Loucos pela Vida: a trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz. Costa, J. F. (1981). História da Psiquiatria no Brasil: um corte ideológico. Rio de Janeiro: Documentário. Costa-Rosa,A.(1987).http://pt.scribd.com/doc/2519946/A-violencia-na-teoria- Psicanalitica Brasil/MS (2001). III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília:Caderno de Textos