SlideShare uma empresa Scribd logo
 
POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO
O QUE É HUMANIZAÇÃO  ? Humanização  É A VALORIZAÇÃO  DOS  DIFERENTES  SUJEITOS  IMPLICADOS  NO  PROCESSO  DE  PRODUÇÃO  DE  SAÚDE. Usuários Trabalhadores Gestores Resgata o respeito à vida humana, levando em conta as circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas presentes em todo relacionamento humano.
HUMANIZAÇÃO Alguns projetos de humanização, vêm sendo desenvolvidos há alguns anos, em áreas específicas da assistência, por exemplo, na saúde da mulher, na saúde da criança, entre outros. Atualmente têm sido realizada diversas ações visando à implantação de programas de humanização nas instituições de saúde, especialmente nos hospitais. O Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH)  do Ministério da Saúde de 2000, foi substituído pela Política Nacional de Humanização (PNH) em 2003,com o objetivo de ampliar a humanização dos serviços de saúde tanto nas relações quanto nos atendimentos,a qualidade de vida do trabalhador e a rejeição de qualquer tipo de preconceito.
Proposta de uma nova relação entre os usuários, os profissionais que o atendem e a comunidade; Proposta de um trabalho coletivo para que o SUS seja mais acolhedor, mais ágil, com locais mais confortáveis; Defesa de um SUS que reconhece e respeita a diversidade do povo brasileiro e a todos oferece o mesmo tratamento, sem distinção;  Luta por um SUS construído com a participação de todos os envolvidos e comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos.  O QUE É A PNH?
PNH reconhece que há um  SUS que dá certo , mas que existem desafios e problemas e que é necessário superá-los; É necessário dar visibilidade ao  SUS; Anunciá-lo como afirmação do horizonte utópico de que é possível produzir mudanças nas práticas de gestão e de atenção – movimento ativo de  produção de reencantamento  dos trabalhadores e da sociedade em geral pelo SUS, pela política pública solidária, inclusiva e de qualidade. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO
Princípios;Diretrizes;Dispositivos: COMO SE CONSTRÓI A PNH? No plano das políticas públicas é o que causa ou força determinada ação, o que dispara o  movimento. OS PRINCÍPIOS Transversalidade Inseparabilidade Autonomia
COMO SE CONSTRÓI A PNH? AS DIRETRIZES Orientações gerais de determinada política. No caso da PNH, suas diretrizes expressam o método da inclusão.  Clínica Ampliada Co-gestão Acolhimento Direitos do Usuário Grupalidade Saúde do  Trabalhador
Diretrizes estabelecem rumos para criação/experimentação de dispositivos Arranjos de trabalho que alterem a dinâmica da organização do trabalho construção de novas realidade institucionais de novos modos de gerir e cuidar  COMO SE CONSTRÓI A PNH?
POR QUE PRECISAMOS DE UMA POLÍTICA  NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO? Para enfrentar graves lacunas:  Acesso universal e equânime aos serviços e bens de saúde e à atenção integral à saúde; Para modificar o quadro de desvalorização dos trabalhadores da saúde:  Precarização das relações de trabalho, baixo investimento em educação permanente, baixa implicação no processo de gestão; Para romper com a fragmentação e a desarticulação  das ações e “programas” de humanização.
OBJETIVOS DO HUMANIZA-SUS  Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com os princípios e as diretrizes da humanização; Fortalecer iniciativas de humanização existentes; Desenvolver tecnologias relacionais e de compartilhamento das práticas de gestão e de atenção; Aprimorar, ofertar e divulgar estratégias e metodologias de apoio a mudanças sustentáveis dos modelos de atenção e de gestão; Implementar processos de acompanhamento e avaliação, ressaltando saberes gerados no SUS e experiências coletivas bem-sucedidas.
MACRO-OBJETIVOS DO HUMANIZA-SUS  Ampliar as ofertas da Política Nacional de Humanização aos gestores e aos conselhos de saúde, priorizando a atenção básica/fundamental e hospitalar, com ênfase nos hospitais de urgência e universitários; Incentivar a inserção da valorização dos trabalhadores do SUS na agenda dos gestores, dos conselhos de saúde e das organizações da sociedade civil; Divulgar a Política Nacional de Humanização e ampliar os processos de formação e produção de conhecimento em articulação com movimentos sociais e instituições.
VANTAGENS DA HUMANIZAÇÃO Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso; Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco; Implantação de modelo de atenção com responsabilização e vínculo; Garantia dos direitos dos usuários; Valorização do trabalho na saúde; Gestão participativa nos serviços.
Sorriso Acolhimento Humanização Vitória Satisfação Resultados Talento Protagonismo Coragem Boa auto-estima Certeza Felicidade Competência Produção QUANDO EXISTE HUMANIZAÇÃO !  Saúde Gestão Inovação
Financiamento de Saúde; Pouca agilidade da Máquina Administrativa; Insuficiência de Equipe; Estrutura Administrativa Inadequada; Rotatividade e Dificuldade de Contratação de Médicos; Consumo acentuado de Medicamentos e Serviços; Incorporação Acelerada de Inovação Tecnológica.  DIFICULDADES
Filas Demora Angústia Crise Cara Fechada Polícia Choro Tristeza Corredor Mal atendimento Stress Brigas Pânico Espera Falta  de Remédios Baixa  auto estima QUANDO NÃO EXISTE HUMANIZAÇÃO ! Morte
ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NA PNH Participar da equipe multidisciplinar; Grupo de Trabalho em Humanização – GTH; Ministrar cursos, seminários , oficinas e palestras sobre o tema; Produzir materiais educativos e divulgar experiências positivas de humanização no SUS.
VÍDEO
“ Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável e não uma personalidade. É necessário que adquira  um sentimento, um senso prático daquilo que vale ser empreendido,daquilo que é belo, do que é moralmente correto”. Albert Einstein
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ministério da Saúde  [email_address]   Portal do  Ministério da Saúde  www.saude.gov.br/humanizasus Página web Rede HumanizaSUS  www.redehumanizasus.net   Biblioteca Virtual em Saúde  www.saude.gov.br/bvs/humanizacao
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Slides sus
Slides susSlides sus
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
Saúde Hervalense
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Humanização na saúde
Humanização na saúdeHumanização na saúde
Humanização na saúde
Humaniza Brasil
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde

Mais procurados (20)

Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Humanização na saúde
Humanização na saúdeHumanização na saúde
Humanização na saúde
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 

Destaque

A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
Eugenio Rocha
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
Aprova Saúde
 
Pnab
PnabPnab
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
WM Treinamentos Cursos e Palestras Ltda
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Andressa Carmo
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
Jamessonjr Leite Junior
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
apemfc
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
Felipe Cavalcanti
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Frederico Brandão
 

Destaque (11)

A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
 

Semelhante a HumanizaSUS

aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
CarolMendona13
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
EvertonMonteiro19
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
danilo rodrigues
 
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
AULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdfAULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdf
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
adriellyrlima
 
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptxModelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
GustavoArouche1
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
RitaOliveira691334
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
Valdirene1977
 
Prontuario
ProntuarioProntuario
Prontuario
Rita Rosa
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
Yasmin Mattos
 
Gestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalhoGestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalho
Juliana Sarieddine
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
Juliana Azevedo
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
DomingosMagnoMeloCma
 
Cola
ColaCola
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Cassio Luiz Barbosa
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
Natha Fisioterapia
 
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_clienteGestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Márcia BEM
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
PROIDDBahiana
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
PROIDDBahiana
 

Semelhante a HumanizaSUS (20)

aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
AULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdfAULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdf
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
 
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptxModelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
Prontuario
ProntuarioProntuario
Prontuario
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
 
Gestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalhoGestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalho
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_clienteGestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 

HumanizaSUS

  • 1.  
  • 2. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO
  • 3. O QUE É HUMANIZAÇÃO ? Humanização É A VALORIZAÇÃO DOS DIFERENTES SUJEITOS IMPLICADOS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE SAÚDE. Usuários Trabalhadores Gestores Resgata o respeito à vida humana, levando em conta as circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas presentes em todo relacionamento humano.
  • 4. HUMANIZAÇÃO Alguns projetos de humanização, vêm sendo desenvolvidos há alguns anos, em áreas específicas da assistência, por exemplo, na saúde da mulher, na saúde da criança, entre outros. Atualmente têm sido realizada diversas ações visando à implantação de programas de humanização nas instituições de saúde, especialmente nos hospitais. O Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH) do Ministério da Saúde de 2000, foi substituído pela Política Nacional de Humanização (PNH) em 2003,com o objetivo de ampliar a humanização dos serviços de saúde tanto nas relações quanto nos atendimentos,a qualidade de vida do trabalhador e a rejeição de qualquer tipo de preconceito.
  • 5. Proposta de uma nova relação entre os usuários, os profissionais que o atendem e a comunidade; Proposta de um trabalho coletivo para que o SUS seja mais acolhedor, mais ágil, com locais mais confortáveis; Defesa de um SUS que reconhece e respeita a diversidade do povo brasileiro e a todos oferece o mesmo tratamento, sem distinção; Luta por um SUS construído com a participação de todos os envolvidos e comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos. O QUE É A PNH?
  • 6. PNH reconhece que há um SUS que dá certo , mas que existem desafios e problemas e que é necessário superá-los; É necessário dar visibilidade ao SUS; Anunciá-lo como afirmação do horizonte utópico de que é possível produzir mudanças nas práticas de gestão e de atenção – movimento ativo de produção de reencantamento dos trabalhadores e da sociedade em geral pelo SUS, pela política pública solidária, inclusiva e de qualidade. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO
  • 7. Princípios;Diretrizes;Dispositivos: COMO SE CONSTRÓI A PNH? No plano das políticas públicas é o que causa ou força determinada ação, o que dispara o movimento. OS PRINCÍPIOS Transversalidade Inseparabilidade Autonomia
  • 8. COMO SE CONSTRÓI A PNH? AS DIRETRIZES Orientações gerais de determinada política. No caso da PNH, suas diretrizes expressam o método da inclusão. Clínica Ampliada Co-gestão Acolhimento Direitos do Usuário Grupalidade Saúde do Trabalhador
  • 9. Diretrizes estabelecem rumos para criação/experimentação de dispositivos Arranjos de trabalho que alterem a dinâmica da organização do trabalho construção de novas realidade institucionais de novos modos de gerir e cuidar COMO SE CONSTRÓI A PNH?
  • 10. POR QUE PRECISAMOS DE UMA POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO? Para enfrentar graves lacunas: Acesso universal e equânime aos serviços e bens de saúde e à atenção integral à saúde; Para modificar o quadro de desvalorização dos trabalhadores da saúde: Precarização das relações de trabalho, baixo investimento em educação permanente, baixa implicação no processo de gestão; Para romper com a fragmentação e a desarticulação das ações e “programas” de humanização.
  • 11. OBJETIVOS DO HUMANIZA-SUS Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com os princípios e as diretrizes da humanização; Fortalecer iniciativas de humanização existentes; Desenvolver tecnologias relacionais e de compartilhamento das práticas de gestão e de atenção; Aprimorar, ofertar e divulgar estratégias e metodologias de apoio a mudanças sustentáveis dos modelos de atenção e de gestão; Implementar processos de acompanhamento e avaliação, ressaltando saberes gerados no SUS e experiências coletivas bem-sucedidas.
  • 12. MACRO-OBJETIVOS DO HUMANIZA-SUS Ampliar as ofertas da Política Nacional de Humanização aos gestores e aos conselhos de saúde, priorizando a atenção básica/fundamental e hospitalar, com ênfase nos hospitais de urgência e universitários; Incentivar a inserção da valorização dos trabalhadores do SUS na agenda dos gestores, dos conselhos de saúde e das organizações da sociedade civil; Divulgar a Política Nacional de Humanização e ampliar os processos de formação e produção de conhecimento em articulação com movimentos sociais e instituições.
  • 13. VANTAGENS DA HUMANIZAÇÃO Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso; Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco; Implantação de modelo de atenção com responsabilização e vínculo; Garantia dos direitos dos usuários; Valorização do trabalho na saúde; Gestão participativa nos serviços.
  • 14. Sorriso Acolhimento Humanização Vitória Satisfação Resultados Talento Protagonismo Coragem Boa auto-estima Certeza Felicidade Competência Produção QUANDO EXISTE HUMANIZAÇÃO ! Saúde Gestão Inovação
  • 15. Financiamento de Saúde; Pouca agilidade da Máquina Administrativa; Insuficiência de Equipe; Estrutura Administrativa Inadequada; Rotatividade e Dificuldade de Contratação de Médicos; Consumo acentuado de Medicamentos e Serviços; Incorporação Acelerada de Inovação Tecnológica. DIFICULDADES
  • 16. Filas Demora Angústia Crise Cara Fechada Polícia Choro Tristeza Corredor Mal atendimento Stress Brigas Pânico Espera Falta de Remédios Baixa auto estima QUANDO NÃO EXISTE HUMANIZAÇÃO ! Morte
  • 17. ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NA PNH Participar da equipe multidisciplinar; Grupo de Trabalho em Humanização – GTH; Ministrar cursos, seminários , oficinas e palestras sobre o tema; Produzir materiais educativos e divulgar experiências positivas de humanização no SUS.
  • 19. “ Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável e não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que vale ser empreendido,daquilo que é belo, do que é moralmente correto”. Albert Einstein
  • 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ministério da Saúde [email_address] Portal do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/humanizasus Página web Rede HumanizaSUS www.redehumanizasus.net Biblioteca Virtual em Saúde www.saude.gov.br/bvs/humanizacao
  • 21. FIM