SlideShare uma empresa Scribd logo
Demostração da Visita técnica hospitalar
DISCENTES
Carlos SILVA
Josiane Tavares
Luciane Santana
Marly de Fátima
Maria das Graças Gomes
ACAD.6º semestre de ENFERMAGEM
TURMA;Q77
TEMA: Visita técnica
hospitalar
ORGANOGRAMA DA ENFERMAGEM
Recepção
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015.
Entrada
Sala de enfermagem
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
Demostração da Visita técnica hospitalar
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-
FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
De acordo com as normas e regras da direção
desse hospital, Não foi permitida a divulgação
Do nome do local.
Nossos agradecimentos
Pela gentileza da enfermeira: Ana Silva
Que nos ajudou na maneira dentro do possível
na contribuição desse trabalho.
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-
FAPEN
NOV-2015
UTI-Neo
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
Posto de enfermagem
Sala de urgência
E emergência.
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
Apartamentos
E
Enfermarias
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-
FAPEN
NOV-2015
FOTOS FEITA PELOS
Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN
NOV-2015
UCI centro de cuidados intensivo
PERGUNTAS FEITAS PRA ENFERMEIRA ANA SILVA
1-O que faz o coordenador de enfermagem?
Enfª Ana Silva: O coordenador de enfermagem tem como papel planejar a organização do
trabalho da enfermagem nas suas diferentes unidades; promover e manter o desenvolvimento da
assistência de enfermagem ininterruptamente; aproximar a tomada de decisão da Direção
Executiva ao nível operacional das atividades; contribuir para a formação de profissionais da
área da saúde; incentivar programas de qualificação profissional para os trabalhadores;
incentivar e apoiar ações de humanização; promover a assistência direta e indireta ao paciente
em nível hospitalar e ambulatorial; buscar continuamente o conhecimento da satisfação no
trabalho e a realização da assistência de enfermagem de forma eficiente e eficaz; planejar
estrategicamente a organização do trabalho de enfermagem no âmbito de sua coordenação;
administrar recursos humanos, materiais e orçamentários, e oferecer a educação continua aos
funcionários tanto o corpo técnico de enfermagem e no modo geral, envolve todos os
funcionários do local. Desde os cuidados com as normas e regras do hospital, escala de serviço
atenção CCIH. Enfim meu papel é indispensável ao hospital, considero que a enfermagem é o
coração do excelente funcionamento do hospital.
2-Quais os principais sinais observados para
estabelecer a prioridade de atendimento entre os
pacientes?
Enfª Ana Silva: Segundo a legislação, pacientes com
idade superior a 65 anos, portadores de deficiência física
ou ainda gestantes. Além disso, tem as urgências e
emergências com características próprias para priorizar
atendimentos, Como vimos a entrada do hospital,
paciente vai até a recepção pra registrar sua entrada,
logo em seguida ele entra numa determinada sala pra
ser avaliado por um enfermeiro obedecemos o protocolo
de Manchester ,classificação de risco, é colocado a
pulseirinha de acordo com avaliação do seu atendimento.
3-Quais os principais pontos que uma gestão deve ter para manter a
qualidade de seus serviços?
Enfª Ana Silva: Bom, Como já havia falado em alguns tópicos,
reforçando O coordenador de enfermagem deve ser responsável pela
organização do trabalho de enfermagem na unidade que chefia e pelo
desenvolvimento do seu processo de trabalho/assistência. Além disso,
ele deve estimular o trabalho da equipe por meio da participação, da
comunicação, das relações, do exercício de autonomia e da criatividade;
promover e programar a integração multiprofissional no cotidiano da
assistência de enfermagem, bem como incentivar o processo de
sistematização da assistência de enfermagem; planejar e encaminhar as
escalas de trabalho do grupo que chefia; incentivar a reflexão sobre a
assistência de enfermagem, buscando a eficiência e eficácia no processo
de trabalho, possibilitando, também, a qualificação do trabalhador de
enfermagem. Ele deve, ainda, favorecer a descentralização da tomada
de decisões, ampliando a participação dos trabalhadores de
enfermagem, sem comprometer a eficiência e eficácia na assistência de
enfermagem.
4- Como a senhora organiza sua equipe e tem uma visão em manter um
atendimento humanizado com uma demanda grande de pacientes?
Enfª Ana Silva: Antes de qualquer coisa o enfermeiro precisa conhecer
tudo sobre sua equipe, adquirir confiança e confiar em sua equipe,
participar da integração do mesmo e preparar seus colaboradores pra
qualquer ocasião, Educação continua e acima de tudo a humanização
refere-se a um modo de organização e funcionamento dos serviços de
saúde em que os avanços da medicina, o respeito às necessidades dos
cidadãos usuários e a atenção aos anseios dos profissionais são
valorizados na mesma medida e de forma integrada. Ela se expressa com
a criação de espaços de diálogo entre administradores e profissionais da
saúde, a adoção de práticas de gestão participativa e o desenvolvimento
de uma capacidade crescente para ouvir a voz dos pacientes. É elemento
decisivo para o alcance de melhores índices de adesão dos pacientes ao
tratamento e de melhoria das condições de saúde.
CONFORME AS NORMAS DO
HOSPITAL DA VISITA:
Dados como número de funcionários,
fornecimentos de outros índices do setor em
geral, não poderão ser fornecidos pra nós
acadêmicos do 6º semestre de enfermagem
da turma:q77-FAPEN.
Devido algumas a cláusulas que não
obedecíamos, para o prosseguimento do
nosso trabalho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Aroldo Gavioli
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Proqualis
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDELATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF
 
História da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalhoHistória da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalho
Marcos da Silva
 
Curriculo:Enfermeiro
Curriculo:Enfermeiro Curriculo:Enfermeiro
Curriculo:Enfermeiro
Vili Rodrigues
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
rafasillva
 
Saúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susSaúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et sus
MARY SOUSA
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
AlineBarreto56
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
Bianca Lazarini Forreque Poli
 
Anotações de Enfermagem.pdf
Anotações de Enfermagem.pdfAnotações de Enfermagem.pdf
Anotações de Enfermagem.pdf
PinheiroNeto2
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
NEELLITON SANTOS
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 

Mais procurados (20)

Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDELATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
 
História da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalhoHistória da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalho
 
Curriculo:Enfermeiro
Curriculo:Enfermeiro Curriculo:Enfermeiro
Curriculo:Enfermeiro
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
 
Saúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susSaúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et sus
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Anotações de Enfermagem.pdf
Anotações de Enfermagem.pdfAnotações de Enfermagem.pdf
Anotações de Enfermagem.pdf
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 

Semelhante a Demostração da Visita técnica hospitalar

Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Luciane Santana
 
Anais
AnaisAnais
Guia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_corenGuia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_coren
DefesaCivildeCamaari
 
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
Aroldo Gavioli
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Aroldo Gavioli
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Guilherme Barcellos
 
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptxPadrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
Frederico Brandão
 
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
 "FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA”  STS Cidade Tiradentes "FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA”  STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptxUnidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
LUCIENESOUZANASCIMEN
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Whevergton Santos
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
taynara da rosa nicolletto
 
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdfAula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
marrudo64
 
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Centro Universitário Ages
 
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
P0rtas
 
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdfComo melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
MissionrioOtavioSant
 
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdfmanual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
cristina798147
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
rrbonci
 
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção DomiciliarAssociação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
Leonardo Savassi
 
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 

Semelhante a Demostração da Visita técnica hospitalar (20)

Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Anais
AnaisAnais
Anais
 
Guia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_corenGuia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_coren
 
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
Gerenciamento do serviço de urgência e emergência: previsão e provisão de rec...
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
 
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptxPadrões-de-Qualidade-slides.pptx
Padrões-de-Qualidade-slides.pptx
 
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
 "FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA”  STS Cidade Tiradentes "FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA”  STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
 
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptxUnidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
Unidade de Internação Pediátrica - Projeto.pptx
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdfAula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
Aula 6 - Gestão dos Serviços de Enfermagem.pdf
 
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
 
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
 
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdfComo melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
Como melhorar a experiencia do paciente na sua clinica medica.pdf
 
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
_new_247565.pwafewjfhkwejhfkjhauiahfuieh
 
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdfmanual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
 
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção DomiciliarAssociação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
Associação Paulista de Medicina: Formação Médica para Atenção Domiciliar
 
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
"FORTALECENDO ATENÇÃO BÁSICA” STS Cidade Tiradentes
 

Mais de Luciane Santana

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Luciane Santana
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
Luciane Santana
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
Luciane Santana
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Autismo
AutismoAutismo
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Luciane Santana
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Luciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Luciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
Luciane Santana
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Luciane Santana
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 

Demostração da Visita técnica hospitalar

  • 2. DISCENTES Carlos SILVA Josiane Tavares Luciane Santana Marly de Fátima Maria das Graças Gomes ACAD.6º semestre de ENFERMAGEM TURMA;Q77
  • 5. Recepção FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 6. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015. Entrada
  • 7. Sala de enfermagem FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 9. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem- FAPEN NOV-2015
  • 10. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 11. De acordo com as normas e regras da direção desse hospital, Não foi permitida a divulgação Do nome do local. Nossos agradecimentos Pela gentileza da enfermeira: Ana Silva Que nos ajudou na maneira dentro do possível na contribuição desse trabalho. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 12. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 13. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 14. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem- FAPEN NOV-2015 UTI-Neo
  • 15. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015 Posto de enfermagem
  • 16. Sala de urgência E emergência. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015
  • 17. Apartamentos E Enfermarias FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem- FAPEN NOV-2015
  • 18. FOTOS FEITA PELOS Acad.6º semestre de Enfermagem-FAPEN NOV-2015 UCI centro de cuidados intensivo
  • 19. PERGUNTAS FEITAS PRA ENFERMEIRA ANA SILVA 1-O que faz o coordenador de enfermagem? Enfª Ana Silva: O coordenador de enfermagem tem como papel planejar a organização do trabalho da enfermagem nas suas diferentes unidades; promover e manter o desenvolvimento da assistência de enfermagem ininterruptamente; aproximar a tomada de decisão da Direção Executiva ao nível operacional das atividades; contribuir para a formação de profissionais da área da saúde; incentivar programas de qualificação profissional para os trabalhadores; incentivar e apoiar ações de humanização; promover a assistência direta e indireta ao paciente em nível hospitalar e ambulatorial; buscar continuamente o conhecimento da satisfação no trabalho e a realização da assistência de enfermagem de forma eficiente e eficaz; planejar estrategicamente a organização do trabalho de enfermagem no âmbito de sua coordenação; administrar recursos humanos, materiais e orçamentários, e oferecer a educação continua aos funcionários tanto o corpo técnico de enfermagem e no modo geral, envolve todos os funcionários do local. Desde os cuidados com as normas e regras do hospital, escala de serviço atenção CCIH. Enfim meu papel é indispensável ao hospital, considero que a enfermagem é o coração do excelente funcionamento do hospital.
  • 20. 2-Quais os principais sinais observados para estabelecer a prioridade de atendimento entre os pacientes? Enfª Ana Silva: Segundo a legislação, pacientes com idade superior a 65 anos, portadores de deficiência física ou ainda gestantes. Além disso, tem as urgências e emergências com características próprias para priorizar atendimentos, Como vimos a entrada do hospital, paciente vai até a recepção pra registrar sua entrada, logo em seguida ele entra numa determinada sala pra ser avaliado por um enfermeiro obedecemos o protocolo de Manchester ,classificação de risco, é colocado a pulseirinha de acordo com avaliação do seu atendimento.
  • 21. 3-Quais os principais pontos que uma gestão deve ter para manter a qualidade de seus serviços? Enfª Ana Silva: Bom, Como já havia falado em alguns tópicos, reforçando O coordenador de enfermagem deve ser responsável pela organização do trabalho de enfermagem na unidade que chefia e pelo desenvolvimento do seu processo de trabalho/assistência. Além disso, ele deve estimular o trabalho da equipe por meio da participação, da comunicação, das relações, do exercício de autonomia e da criatividade; promover e programar a integração multiprofissional no cotidiano da assistência de enfermagem, bem como incentivar o processo de sistematização da assistência de enfermagem; planejar e encaminhar as escalas de trabalho do grupo que chefia; incentivar a reflexão sobre a assistência de enfermagem, buscando a eficiência e eficácia no processo de trabalho, possibilitando, também, a qualificação do trabalhador de enfermagem. Ele deve, ainda, favorecer a descentralização da tomada de decisões, ampliando a participação dos trabalhadores de enfermagem, sem comprometer a eficiência e eficácia na assistência de enfermagem.
  • 22. 4- Como a senhora organiza sua equipe e tem uma visão em manter um atendimento humanizado com uma demanda grande de pacientes? Enfª Ana Silva: Antes de qualquer coisa o enfermeiro precisa conhecer tudo sobre sua equipe, adquirir confiança e confiar em sua equipe, participar da integração do mesmo e preparar seus colaboradores pra qualquer ocasião, Educação continua e acima de tudo a humanização refere-se a um modo de organização e funcionamento dos serviços de saúde em que os avanços da medicina, o respeito às necessidades dos cidadãos usuários e a atenção aos anseios dos profissionais são valorizados na mesma medida e de forma integrada. Ela se expressa com a criação de espaços de diálogo entre administradores e profissionais da saúde, a adoção de práticas de gestão participativa e o desenvolvimento de uma capacidade crescente para ouvir a voz dos pacientes. É elemento decisivo para o alcance de melhores índices de adesão dos pacientes ao tratamento e de melhoria das condições de saúde.
  • 23. CONFORME AS NORMAS DO HOSPITAL DA VISITA: Dados como número de funcionários, fornecimentos de outros índices do setor em geral, não poderão ser fornecidos pra nós acadêmicos do 6º semestre de enfermagem da turma:q77-FAPEN. Devido algumas a cláusulas que não obedecíamos, para o prosseguimento do nosso trabalho.