SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
PLANEJAMENTO FAMILIAR 
Luciane Santana¹ 
Msª Margarete Feio Boulhosa² 
RESUMO 
O presente trabalho trata da análise de alguns aspectos do Planejamento Familiar 
voltados para a contracepção, buscando perceber o posicionamento da 
Enfermagem. Estes resultados sugerem que a Enfermagem de algum modo 
reconhece o Planejamento Familiar como pauta de discussão. As PSF nesse desafio 
do planejar e cuidar. A metodologia utilizada possibilitou identificar quais os 
compromissos da Enfermagem em relação ao Planejamento Familiar, enquanto 
necessidade do ser humano nas suas relações com o Estado e a Sociedade. 
Palavra-Chave: Planejamento, Cuidar, Genograma e Ecograma. 
_____________________ 
¹ SANTANA,Luciane,Santana-Discente do curso de enfermagem do 4º semestre da instituição, FAPEN-Unidade 
Tamandaré-Belém-PA. E-mail:lucisantt@yahoo.com.br 
² BOULHOSA,Margarete, Feio,Boulhosa-Mestra e Docente do curso de enfermagem da instituição FAPEN-Unidade 
Tamandaré-Belém-PA.
2 
Introdução 
A assistência ao planejamento familiar é oferecida, atualmente, no Brasil, 
pelas equipes do Programa Saúde da Família (PSF), um modelo de política pública 
de saúde que traz a proposta do trabalho em equipe, de vinculação dos profissionais 
com a comunidade e de valorização e incentivo à participação comunitária. 
Corresponde a uma das sete áreas prioritárias de intervenção na atenção básica, 
definidas na Norma Operacional da Assistência. O PSF tem o propósito de reverter a 
forma de oferta da assistência à saúde, ou seja, incorporando ações coletivas de 
cunho promocional e preventivo a substituir progressivamente o atendimento 
individualizado, curativo, de alto custo e de baixo impacto. Neste aspecto, é 
imprescindível o estabelecimento de parcerias Inter setoriais com educação, ação 
social, trabalho, outras instâncias governamentais e a sociedade Brasil, o PSF teve 
implantação iniciada em 1994, oferecendo cobertura de 56% da população no 
período deste estudo, com equipes atuando. 
As equipes do PSF são constituídas por um médico, um enfermeiro, um 
auxiliar de enfermagem e seis agentes comunitários de saúde (ACS), responsáveis 
pela saúde de cerca de mil famílias. Apesar das condições mencionadas, 
negligências ocorrem nos serviços de atenção ao planejamento familiar, quando 
maior ênfase é dada à contracepção, permitindo o desenvolvimento de uma política 
controladora, na qual a mulher exerce um papel muito mais de objeto do que de 
sujeito da sua história sexual e reprodutiva; a variedade de métodos 
anticoncepcionais é limitada e sua provisão irregular; e não há definição de papéis 
dos profissionais que compõem a equipe ,percebendo-se, pois, uma distância entre 
o que está proposto na política do MS e o que é prática no PSF.Uma estrutura 
simples para avaliar serviços de planejamento familiar foi proposta por 
estabelecendo seis elementos que norteiam a qualidade nessa área: oferta e livre 
escolha dos métodos anticoncepcionais; informação dada ao cliente; competência 
técnica profissional; relacionamento interpessoal profissional cliente; 
acompanhamento dos usuários; e rede apropriada de serviços, sendo a avaliação
deste último o objeto deste estudo.Para responder às expectativas dos 
clientes e facilitar seu acesso, uma rede apropriada de serviços de planejamento 
familiar deve 
estar disponível, e que seja conveniente e aceitável. O atendimento há de 
estar próximo de onde as pessoas 
vivem, promover a autonomia dos usuários e entregar os métodos de forma 
descentralizada. Portanto, às equipes de PSF compete estabelecer integração com 
os serviços de pós-parto, de pós-aborto, de prevenção do câncer de colo uterino, de 
controle das doenças sexualmente transmissíveis, pois, tendo nas mulheres em 
idade reprodutiva sua clientela-alvo, ensejarão oportunidades para expandir a rede 
de atendimento e aperfeiçoar o contato da usuária com a equipe de saúde. Sistemas 
baseados em comunidades, envolvimento de pontos comerciais e operações nos 
próprios serviços de saúde que incentivem o retorno das usuárias de métodos 
anticoncepcionais para um fornecimento de contraceptivo com fácil acesso, são 
relevantes para o alcance do objetivo geral de continuidade de uso dos métodos. 
3 
O Genograma 
Familiar é uma representação gráfica que mostra o desenho ou mapa da família. 
Também chamado de Genograma trata-se de um instrumento amplamente utilizado 
na Terapia Familiar na atenção primária à saúde Na terapia e no aconselhamento 
familiar, o Genograma é utilizado como um instrumento para engajar a família, 
destravar o sistema, rever dificuldades familiares, verificara composição familiar, 
clarificar os padrões relacionais familiares e identificar a família extensa. 
Frequentemente, sua confecção identifica a razão pela qual a família procura a 
terapia, ou seja, clarifica a demanda existente por trás da queixa explicitada pela 
família.
Profissionais que estejam realizando a formação em terapia familiar comumente 
confeccionam o Genograma de suas famílias de origem, com o intuito de averiguar a 
composição e dinâmica familiar, elucidando seus padrões, regras, valores, crenças e 
mitos e sua influência na prática profissional Este empreendimento costuma fazer 
parte do trabalho realizado no estudo do self do terapeuta, ou seja, a partir da 
investigação da estrutura e dinâmica da família de origem, examinam-se quais 
possíveis dificuldades e facilidades o terapeuta de família teria no desempenho da 
função terapêutica. A aplicação do Genograma em saúde da família é extensa. Pode 
ser utilizado como instrumento importante na caracterização cadastramento dos 
grupos familiares na Estratégia de Saúde de Família. 
Além disso, permite uma visualização do processo de adoecer e das principais 
enfermidades que acometem os membros familiares, facilitando o plano terapêutico 
e permitindo à família uma melhor compreensão sobre o desenvolvimento de suas 
doença. Atualmente, o Genograma tem sido difundido como um instrumento 
científico para coleta de dados, especificamente em pesquisas qualitativas com 
famílias. Sua utilização tem se mostrado adequada para a pesquisa com famílias em 
Diferentes fases de transição, em processos psicoterapêuticos, em famílias de 
crianças acometidas por doenças crônicas, famílias de idosos etc. 
4 
Vejamos um exemplo de Genograma usando a família de Dona Maria:
Dona Maria aqui Vê ela uma idosa cardiopata e Seu Esposo Sr.José de 73 anos 
com CA.e sua família. 
Ecograma: As concepções sobre família e criança sofreram transformações ao longo 
do tempo, sendo influenciadas em cada período histórico pelos avanços no 
conhecimento e pelo envolvimento dos vários agentes e segmentos da sociedade. 
No século XX, muitas dessas mudanças se evidenciaram na infância e nas famílias 
ocorrendo, em várias sociedades, a criação e a educação da prole como 
preocupações centrais, aspectos esses que receberam ênfase ainda maior quando 
os índices de mortalidade infantil sofreram uma diminuição drástica. 
Desse modo, a vida familiar tem passado por modificações quanto à sua 
constituição e valor perante a sociedade, havendo várias definições e maneiras de 
compreender a família, cada uma atendendo a uma finalidade. A família pode ser 
5
definida como um grupo unido por laços de casamento, sangue ou adoção, vivendo 
em um único espaço, com papéis de marido e de esposa, de mãe e de pai, de irmão 
e de irmã e que criam uma cultura comum. Pode constituir-se em um sistema social 
semi-aberto, composto por indivíduos ligados por compromisso mútuo, em geral 
afetivo, que interagem entre si no desenvolvimento de papéis estruturados pela 
cultura e pela sociedade4. As famílias podem ter papéis e funções, considerando que 
seu principal valor reside nos relacionamentos, sendo as emoções, positivas e 
negativas, construtivas e destrutivas, o tecido da composição familiar. A família vem 
sendo estudada enquanto contexto de desenvolvimento humano, em que os 
indivíduos aprendem, vivencia e exercita os modelos que servirão de protótipo para 
as relações que desenvolverão ao longo da vida. 
O conhecimento do funcionamento da família, de suas características, do contexto 
social, cultural e econômico no qual está inserida, é de fundamental importância 
para a realização do planejamento das intervenções de saúde. O trabalho com 
famílias ocorre em contextos variados; na área da saúde, pode ocorrer no ambiente 
hospitalar e na comunidade. Os anos 90 trouxeram para o setor saúde uma 
revalorização do tema Família culminando, em 1994, com a criação do Programa de 
Saúde da Família (PSF), com a proposta de reacender a atenção primária à saúde 
centrada nas dimensões comunidade e família7. O Ministério da Saúde, na tentativa 
de reorganizar a atenção básica em saúde, assumiu o desafio da estratégia de 
saúde da família, em basada nos princípios da universalidade, equidade e 
integralidade da assistência8. A abordagem no PSF é a atenção centrada na família, 
a qual é vista e entendida a partir do seu ambiente físico e social. Essa prática 
propicia uma compreensão ampliada do processo saúde-doença e da necessidade 
de intervenções que vão para além das práticas curativas. 
O PSF tem como pressuposto uma atuação diferenciada, em que o vínculo, a 
corresponsabilidade e o sentimento de pertencer à comunidade são traduzidos em 
6
valorização profissional; tem as famílias como aliadas na construção de uma vida 
saudável e no processo de cura e de reabilitação; pressupõe uma grande interação 
com a comunidade, para o conhecimento da sua realidade, definição das 
prioridades, desenvolvimento de ações individuais e coletivas, que promovam a 
qualidade de vida na direção do município saudável.O objetivo geral do programa é 
melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de um modelo 
assistencial de atenção baseado na prevenção, promoção, proteção, diagnóstico 
precoce, tratamento e recuperação da saúde, em conformidade com os princípios e 
diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e dirigido aos indivíduos, à família e à 
comunidade; incorporar os agentes comunitários de saúde ao SUS, com a finalidade 
de contribuir para a sua consolidação, bem como na construção de um novo modelo 
assistencial, mais compatível com as necessidades da população. 
Conhecer a estrutura da família, sua composição, como os membros se organizam e 
interagem entre si e com o ambiente, os problemas de saúde, as situações de risco, 
os padrões de vulnerabilidade, é vital para o planejamento do cuidado à saúde da 
família. Essas informações são obtidas mediante vários instrumentos de 
levantamento de dados para a estruturação e organização da assistência à saúde da 
população descrever a aplicação dos instrumentos genograma e ecomapa, com 
vistas à reflexão sobre sua utilização no PSF. 
7
8 
Exemplo de Ecograma.
Metodologia: Pesquisa avaliativa com o propósito de averiguara dinâmica do 
serviço de planejamento familiar, na perspectiva de se encontrar respostas para as 
questões práticas do cotidiano. Reforça esse raciocínio, ao enfatizar a ideia de que a 
avaliação em planejamento familiar mostra aquilo que funciona e o que não funciona 
e o exemplo do genograma. 
Resultados: Dinâmica do atendimento em planejamento familiar no PSFA 
dinâmica de atendimento e de entrega dos métodos anticoncepcionais variou de 
equipe para 
Equipe, inclusive no mesmo município, não sendo observada uma padronização ou 
rotina formal de atendimento a ser seguida de maneira sistemática pelas equipes de 
PSF. A prescrição e a entrega dos métodos anticoncepcionais como o planejamento 
da família e cuidados com as doenças mais acometidas. 
9 
Discussão: Apesar da larga atuação do enfermeiro nas ações de 
planejamento familiar na unidade estudada, as equipes não dispunham de “rotina 
aprovada pela “Instituição de saúde”, requisito indispensável à prática legal do 
enfermeiro, conforme enunciado na “Lei do Exercício Profissional” (Lei no.7.498), de 
25 de junho de 1986, regulamentada pelo Decreto no. 94.406, de 8 de junho de 
1987.No aspecto privativo de sua atuação e como integrante da equipe de saúde, no 
caso a equipe do PSF, referida lei determina que compete ao enfermeiro: “realizar a 
prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública 
e em rotina aprovada pela instituição de saúde.
Conclusão: O trabalho com famílias ocorre em contextos variados; na área 
da saúde, pode ocorrer no ambiente hospitalar e na comunidade. Os anos 90 
trouxeram para o setor saúde uma revalorização do tema Família culminando, em 
1994, com a criação do Programa de Saúde da Família (PSF), com a proposta de 
reacender a atenção primária à saúde centrada nas dimensões comunidade e 
família. O Ministério da Saúde, na tentativa de reorganizar a atenção básica em 
saúde, assumiu o desafio da estratégia de saúde da família, em baseada nos 
princípios da universalidade, equidade e integralidade da assistência8. A abordagem 
no PSF é a atenção centrada na família, a qual é vista e entendida a partir do seu 
ambiente físico e social. Essa prática propicia uma compreensão ampliada do 
processo saúde-doença e da necessidade de intervenções que vão para além das 
práticas curativas. O objetivo geral do programa é melhorar o estado de saúde da 
população, mediante a construção de um modelo assistencial de atenção baseado 
na prevenção, promoção, proteção, diagnóstico precoce, tratamento e recuperação 
da saúde, em conformidade com os princípios e diretrizes do Sistema Único de 
Saúde (SUS) e dirigido aos indivíduos, à família e à comunidade; incorporar os 
agentes comunitários de saúde ao SUS, com a finalidade de contribuir para a sua 
consolidação, bem como na construção de um novo modelo assistencial, mais 
compatível com as necessidades da população. 
10
11 
Referências: 
Biasoli-Alves ZMM. Crianças e adolescentes: a questão da tolerância na 
socialização das gera ções mais novas. In: Biasoli-Alves ZMM & Fishmann R (orgs.). 
Crianças e adolescentes: cons truindo uma cultura da tolerância. São Paulo:Edusp; 
2001. p.79-93. 
Nery CB. Atenção de enfermagem à mãe e à crian ça. In: Vanzin AS, Nery MES. 
Atenção integral à saúde da criança: um enfoque epidemiológico. Porto Alegre: 
RM&L Gráfica; 1998. p. 29-35. 
Mauro MYC. A criança no núcleo familiar e no contexto comunitário: uma 
abordagem de enfer magem. In: Vanzin AS, Nery MES. Atenção inte gral à saúde da 
criança: um enfoque epidemiológico. Porto Alegre: RM&L Gráfica; 1998. p. 55-70.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
Reg Tom
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a Saúde
Catarina Regina
 
01 dissertacao
01 dissertacao01 dissertacao
01 dissertacao
Emanuel Wanghon
 
Programa saude na escola parte 1
Programa saude na escola parte 1Programa saude na escola parte 1
Programa saude na escola parte 1
SMEC PANAMBI-RS
 
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosEducação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Gabriela Montargil
 
PSE
PSEPSE
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
secretariamsj
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
Ivanilda Milfont
 
Saúde Mental na Escola
Saúde Mental na EscolaSaúde Mental na Escola
Saúde Mental na Escola
Narjara Aline Zanoli Cruz
 
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da FamíliaTrabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
Centro Universitário Ages
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
Rosemeire Rocha D. Fukue
 
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o paísSemana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
Ministério da Saúde
 
Presse
PressePresse
Presse
macjok
 
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
EducaSaude1
 
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
bibliotecasaude
 
Promoção e Educação para a Saúde
Promoção e Educação para a SaúdePromoção e Educação para a Saúde
Promoção e Educação para a Saúde
Sandra Freitas
 
Saúde Infantil
Saúde Infantil Saúde Infantil
Saúde Infantil
pedagogiaparaofuturo
 
Saúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenilSaúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenil
multicentrica
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
Rosemeire Rocha D. Fukue
 

Mais procurados (20)

Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a Saúde
 
01 dissertacao
01 dissertacao01 dissertacao
01 dissertacao
 
Programa saude na escola parte 1
Programa saude na escola parte 1Programa saude na escola parte 1
Programa saude na escola parte 1
 
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosEducação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitos
 
PSE
PSEPSE
PSE
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
 
Saúde Mental na Escola
Saúde Mental na EscolaSaúde Mental na Escola
Saúde Mental na Escola
 
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da FamíliaTrabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
Trabalhando com Grupos na Estratégia Saúde da Família
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o paísSemana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
Semana Saúde na Escola: mobilização ocorre até 11 de abril em todo o país
 
Presse
PressePresse
Presse
 
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
 
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
Caracterização dos Gerentes de unidades de saúde da família, zona leste do mu...
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
 
Promoção e Educação para a Saúde
Promoção e Educação para a SaúdePromoção e Educação para a Saúde
Promoção e Educação para a Saúde
 
Saúde Infantil
Saúde Infantil Saúde Infantil
Saúde Infantil
 
Saúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenilSaúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenil
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
 

Destaque

ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
williansfiori
 
Holding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiarHolding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiar
Fatima Garcia
 
Ebd lição 3
Ebd lição 3Ebd lição 3
Ebd lição 3
Escol Dominical
 
Manual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarManual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiar
Karla Vivianne
 
4102497
41024974102497
4102497
Aline Souza
 
Planejamento noivos1
Planejamento noivos1Planejamento noivos1
Planejamento noivos1
Adila Trubat
 
Planjamento familiar
Planjamento familiarPlanjamento familiar
Planjamento familiar
Alinebrauna Brauna
 
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no BrasilEstado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Telediu
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
Romane Cristine Rodrigues
 
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúdePlanejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Leili Santos
 
Curso holding familiar
Curso holding familiarCurso holding familiar
Curso holding familiar
pccarmo
 
Planejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclatPlanejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclat
Luis Carlos Silva
 
Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4
RASC EAD
 
Método de ovulação billings
Método de ovulação billingsMétodo de ovulação billings
Método de ovulação billings
MAE, DONA DE CASA
 
Fundamentos de Saúde Coletiva
Fundamentos de Saúde ColetivaFundamentos de Saúde Coletiva
Fundamentos de Saúde Coletiva
Eduardo Egisto
 
Sexualidade e planejamento familiar
Sexualidade e planejamento familiarSexualidade e planejamento familiar
Sexualidade e planejamento familiar
MAE, DONA DE CASA
 
Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivos
BESL
 

Destaque (17)

ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
 
Holding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiarHolding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiar
 
Ebd lição 3
Ebd lição 3Ebd lição 3
Ebd lição 3
 
Manual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarManual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiar
 
4102497
41024974102497
4102497
 
Planejamento noivos1
Planejamento noivos1Planejamento noivos1
Planejamento noivos1
 
Planjamento familiar
Planjamento familiarPlanjamento familiar
Planjamento familiar
 
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no BrasilEstado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúdePlanejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
 
Curso holding familiar
Curso holding familiarCurso holding familiar
Curso holding familiar
 
Planejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclatPlanejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclat
 
Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4
 
Método de ovulação billings
Método de ovulação billingsMétodo de ovulação billings
Método de ovulação billings
 
Fundamentos de Saúde Coletiva
Fundamentos de Saúde ColetivaFundamentos de Saúde Coletiva
Fundamentos de Saúde Coletiva
 
Sexualidade e planejamento familiar
Sexualidade e planejamento familiarSexualidade e planejamento familiar
Sexualidade e planejamento familiar
 
Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivos
 

Semelhante a Planejamento familíar

Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
CENAT Cursos
 
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da famíliaA enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
cristinadf
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
Nome Sobrenome
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Nasf orientações
Nasf orientaçõesNasf orientações
Nasf orientações
Bruna Rodrigues
 
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIROATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
Centro Universitário Ages
 
livro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdflivro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdf
AndersonSouzaCapacit
 
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdfcarreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
ElderMarinho3
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
Geovana26
 
Cetep sertão produtivo
Cetep sertão produtivoCetep sertão produtivo
Cetep sertão produtivo
Robson Ricards
 
cartilha_do_pai
cartilha_do_paicartilha_do_pai
cartilha_do_pai
estrategiabrasileirinhos
 
ESF Slides.pdf
ESF Slides.pdfESF Slides.pdf
ESF Slides.pdf
kethunynandi
 
A Esf como objeto de educação em saúde
A Esf como objeto de educação em saúdeA Esf como objeto de educação em saúde
A Esf como objeto de educação em saúde
Junior Anzoategui
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Instituto Consciência GO
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Literacia em Saúde
 
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatalNascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDe
Luiza Farias
 

Semelhante a Planejamento familíar (20)

Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
 
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da famíliaA enfermagem e o cuidado na saúde da família
A enfermagem e o cuidado na saúde da família
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Nasf orientações
Nasf orientaçõesNasf orientações
Nasf orientações
 
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
 
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIROATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
 
livro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdflivro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdf
 
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdfcarreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
carreira medica, transtorno do espectro autista.pdf
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
 
Cetep sertão produtivo
Cetep sertão produtivoCetep sertão produtivo
Cetep sertão produtivo
 
cartilha_do_pai
cartilha_do_paicartilha_do_pai
cartilha_do_pai
 
ESF Slides.pdf
ESF Slides.pdfESF Slides.pdf
ESF Slides.pdf
 
A Esf como objeto de educação em saúde
A Esf como objeto de educação em saúdeA Esf como objeto de educação em saúde
A Esf como objeto de educação em saúde
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
 
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatalNascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
Nascimento Seguro: uma proposta para diminuir a mortalidade neonatal
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDe
 

Mais de Luciane Santana

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
Luciane Santana
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
Luciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Luciane Santana
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
Luciane Santana
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Autismo
AutismoAutismo
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Luciane Santana
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Luciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Luciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
Luciane Santana
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Planejamento familíar

  • 1. 1 PLANEJAMENTO FAMILIAR Luciane Santana¹ Msª Margarete Feio Boulhosa² RESUMO O presente trabalho trata da análise de alguns aspectos do Planejamento Familiar voltados para a contracepção, buscando perceber o posicionamento da Enfermagem. Estes resultados sugerem que a Enfermagem de algum modo reconhece o Planejamento Familiar como pauta de discussão. As PSF nesse desafio do planejar e cuidar. A metodologia utilizada possibilitou identificar quais os compromissos da Enfermagem em relação ao Planejamento Familiar, enquanto necessidade do ser humano nas suas relações com o Estado e a Sociedade. Palavra-Chave: Planejamento, Cuidar, Genograma e Ecograma. _____________________ ¹ SANTANA,Luciane,Santana-Discente do curso de enfermagem do 4º semestre da instituição, FAPEN-Unidade Tamandaré-Belém-PA. E-mail:lucisantt@yahoo.com.br ² BOULHOSA,Margarete, Feio,Boulhosa-Mestra e Docente do curso de enfermagem da instituição FAPEN-Unidade Tamandaré-Belém-PA.
  • 2. 2 Introdução A assistência ao planejamento familiar é oferecida, atualmente, no Brasil, pelas equipes do Programa Saúde da Família (PSF), um modelo de política pública de saúde que traz a proposta do trabalho em equipe, de vinculação dos profissionais com a comunidade e de valorização e incentivo à participação comunitária. Corresponde a uma das sete áreas prioritárias de intervenção na atenção básica, definidas na Norma Operacional da Assistência. O PSF tem o propósito de reverter a forma de oferta da assistência à saúde, ou seja, incorporando ações coletivas de cunho promocional e preventivo a substituir progressivamente o atendimento individualizado, curativo, de alto custo e de baixo impacto. Neste aspecto, é imprescindível o estabelecimento de parcerias Inter setoriais com educação, ação social, trabalho, outras instâncias governamentais e a sociedade Brasil, o PSF teve implantação iniciada em 1994, oferecendo cobertura de 56% da população no período deste estudo, com equipes atuando. As equipes do PSF são constituídas por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e seis agentes comunitários de saúde (ACS), responsáveis pela saúde de cerca de mil famílias. Apesar das condições mencionadas, negligências ocorrem nos serviços de atenção ao planejamento familiar, quando maior ênfase é dada à contracepção, permitindo o desenvolvimento de uma política controladora, na qual a mulher exerce um papel muito mais de objeto do que de sujeito da sua história sexual e reprodutiva; a variedade de métodos anticoncepcionais é limitada e sua provisão irregular; e não há definição de papéis dos profissionais que compõem a equipe ,percebendo-se, pois, uma distância entre o que está proposto na política do MS e o que é prática no PSF.Uma estrutura simples para avaliar serviços de planejamento familiar foi proposta por estabelecendo seis elementos que norteiam a qualidade nessa área: oferta e livre escolha dos métodos anticoncepcionais; informação dada ao cliente; competência técnica profissional; relacionamento interpessoal profissional cliente; acompanhamento dos usuários; e rede apropriada de serviços, sendo a avaliação
  • 3. deste último o objeto deste estudo.Para responder às expectativas dos clientes e facilitar seu acesso, uma rede apropriada de serviços de planejamento familiar deve estar disponível, e que seja conveniente e aceitável. O atendimento há de estar próximo de onde as pessoas vivem, promover a autonomia dos usuários e entregar os métodos de forma descentralizada. Portanto, às equipes de PSF compete estabelecer integração com os serviços de pós-parto, de pós-aborto, de prevenção do câncer de colo uterino, de controle das doenças sexualmente transmissíveis, pois, tendo nas mulheres em idade reprodutiva sua clientela-alvo, ensejarão oportunidades para expandir a rede de atendimento e aperfeiçoar o contato da usuária com a equipe de saúde. Sistemas baseados em comunidades, envolvimento de pontos comerciais e operações nos próprios serviços de saúde que incentivem o retorno das usuárias de métodos anticoncepcionais para um fornecimento de contraceptivo com fácil acesso, são relevantes para o alcance do objetivo geral de continuidade de uso dos métodos. 3 O Genograma Familiar é uma representação gráfica que mostra o desenho ou mapa da família. Também chamado de Genograma trata-se de um instrumento amplamente utilizado na Terapia Familiar na atenção primária à saúde Na terapia e no aconselhamento familiar, o Genograma é utilizado como um instrumento para engajar a família, destravar o sistema, rever dificuldades familiares, verificara composição familiar, clarificar os padrões relacionais familiares e identificar a família extensa. Frequentemente, sua confecção identifica a razão pela qual a família procura a terapia, ou seja, clarifica a demanda existente por trás da queixa explicitada pela família.
  • 4. Profissionais que estejam realizando a formação em terapia familiar comumente confeccionam o Genograma de suas famílias de origem, com o intuito de averiguar a composição e dinâmica familiar, elucidando seus padrões, regras, valores, crenças e mitos e sua influência na prática profissional Este empreendimento costuma fazer parte do trabalho realizado no estudo do self do terapeuta, ou seja, a partir da investigação da estrutura e dinâmica da família de origem, examinam-se quais possíveis dificuldades e facilidades o terapeuta de família teria no desempenho da função terapêutica. A aplicação do Genograma em saúde da família é extensa. Pode ser utilizado como instrumento importante na caracterização cadastramento dos grupos familiares na Estratégia de Saúde de Família. Além disso, permite uma visualização do processo de adoecer e das principais enfermidades que acometem os membros familiares, facilitando o plano terapêutico e permitindo à família uma melhor compreensão sobre o desenvolvimento de suas doença. Atualmente, o Genograma tem sido difundido como um instrumento científico para coleta de dados, especificamente em pesquisas qualitativas com famílias. Sua utilização tem se mostrado adequada para a pesquisa com famílias em Diferentes fases de transição, em processos psicoterapêuticos, em famílias de crianças acometidas por doenças crônicas, famílias de idosos etc. 4 Vejamos um exemplo de Genograma usando a família de Dona Maria:
  • 5. Dona Maria aqui Vê ela uma idosa cardiopata e Seu Esposo Sr.José de 73 anos com CA.e sua família. Ecograma: As concepções sobre família e criança sofreram transformações ao longo do tempo, sendo influenciadas em cada período histórico pelos avanços no conhecimento e pelo envolvimento dos vários agentes e segmentos da sociedade. No século XX, muitas dessas mudanças se evidenciaram na infância e nas famílias ocorrendo, em várias sociedades, a criação e a educação da prole como preocupações centrais, aspectos esses que receberam ênfase ainda maior quando os índices de mortalidade infantil sofreram uma diminuição drástica. Desse modo, a vida familiar tem passado por modificações quanto à sua constituição e valor perante a sociedade, havendo várias definições e maneiras de compreender a família, cada uma atendendo a uma finalidade. A família pode ser 5
  • 6. definida como um grupo unido por laços de casamento, sangue ou adoção, vivendo em um único espaço, com papéis de marido e de esposa, de mãe e de pai, de irmão e de irmã e que criam uma cultura comum. Pode constituir-se em um sistema social semi-aberto, composto por indivíduos ligados por compromisso mútuo, em geral afetivo, que interagem entre si no desenvolvimento de papéis estruturados pela cultura e pela sociedade4. As famílias podem ter papéis e funções, considerando que seu principal valor reside nos relacionamentos, sendo as emoções, positivas e negativas, construtivas e destrutivas, o tecido da composição familiar. A família vem sendo estudada enquanto contexto de desenvolvimento humano, em que os indivíduos aprendem, vivencia e exercita os modelos que servirão de protótipo para as relações que desenvolverão ao longo da vida. O conhecimento do funcionamento da família, de suas características, do contexto social, cultural e econômico no qual está inserida, é de fundamental importância para a realização do planejamento das intervenções de saúde. O trabalho com famílias ocorre em contextos variados; na área da saúde, pode ocorrer no ambiente hospitalar e na comunidade. Os anos 90 trouxeram para o setor saúde uma revalorização do tema Família culminando, em 1994, com a criação do Programa de Saúde da Família (PSF), com a proposta de reacender a atenção primária à saúde centrada nas dimensões comunidade e família7. O Ministério da Saúde, na tentativa de reorganizar a atenção básica em saúde, assumiu o desafio da estratégia de saúde da família, em basada nos princípios da universalidade, equidade e integralidade da assistência8. A abordagem no PSF é a atenção centrada na família, a qual é vista e entendida a partir do seu ambiente físico e social. Essa prática propicia uma compreensão ampliada do processo saúde-doença e da necessidade de intervenções que vão para além das práticas curativas. O PSF tem como pressuposto uma atuação diferenciada, em que o vínculo, a corresponsabilidade e o sentimento de pertencer à comunidade são traduzidos em 6
  • 7. valorização profissional; tem as famílias como aliadas na construção de uma vida saudável e no processo de cura e de reabilitação; pressupõe uma grande interação com a comunidade, para o conhecimento da sua realidade, definição das prioridades, desenvolvimento de ações individuais e coletivas, que promovam a qualidade de vida na direção do município saudável.O objetivo geral do programa é melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de um modelo assistencial de atenção baseado na prevenção, promoção, proteção, diagnóstico precoce, tratamento e recuperação da saúde, em conformidade com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e dirigido aos indivíduos, à família e à comunidade; incorporar os agentes comunitários de saúde ao SUS, com a finalidade de contribuir para a sua consolidação, bem como na construção de um novo modelo assistencial, mais compatível com as necessidades da população. Conhecer a estrutura da família, sua composição, como os membros se organizam e interagem entre si e com o ambiente, os problemas de saúde, as situações de risco, os padrões de vulnerabilidade, é vital para o planejamento do cuidado à saúde da família. Essas informações são obtidas mediante vários instrumentos de levantamento de dados para a estruturação e organização da assistência à saúde da população descrever a aplicação dos instrumentos genograma e ecomapa, com vistas à reflexão sobre sua utilização no PSF. 7
  • 8. 8 Exemplo de Ecograma.
  • 9. Metodologia: Pesquisa avaliativa com o propósito de averiguara dinâmica do serviço de planejamento familiar, na perspectiva de se encontrar respostas para as questões práticas do cotidiano. Reforça esse raciocínio, ao enfatizar a ideia de que a avaliação em planejamento familiar mostra aquilo que funciona e o que não funciona e o exemplo do genograma. Resultados: Dinâmica do atendimento em planejamento familiar no PSFA dinâmica de atendimento e de entrega dos métodos anticoncepcionais variou de equipe para Equipe, inclusive no mesmo município, não sendo observada uma padronização ou rotina formal de atendimento a ser seguida de maneira sistemática pelas equipes de PSF. A prescrição e a entrega dos métodos anticoncepcionais como o planejamento da família e cuidados com as doenças mais acometidas. 9 Discussão: Apesar da larga atuação do enfermeiro nas ações de planejamento familiar na unidade estudada, as equipes não dispunham de “rotina aprovada pela “Instituição de saúde”, requisito indispensável à prática legal do enfermeiro, conforme enunciado na “Lei do Exercício Profissional” (Lei no.7.498), de 25 de junho de 1986, regulamentada pelo Decreto no. 94.406, de 8 de junho de 1987.No aspecto privativo de sua atuação e como integrante da equipe de saúde, no caso a equipe do PSF, referida lei determina que compete ao enfermeiro: “realizar a prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde.
  • 10. Conclusão: O trabalho com famílias ocorre em contextos variados; na área da saúde, pode ocorrer no ambiente hospitalar e na comunidade. Os anos 90 trouxeram para o setor saúde uma revalorização do tema Família culminando, em 1994, com a criação do Programa de Saúde da Família (PSF), com a proposta de reacender a atenção primária à saúde centrada nas dimensões comunidade e família. O Ministério da Saúde, na tentativa de reorganizar a atenção básica em saúde, assumiu o desafio da estratégia de saúde da família, em baseada nos princípios da universalidade, equidade e integralidade da assistência8. A abordagem no PSF é a atenção centrada na família, a qual é vista e entendida a partir do seu ambiente físico e social. Essa prática propicia uma compreensão ampliada do processo saúde-doença e da necessidade de intervenções que vão para além das práticas curativas. O objetivo geral do programa é melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de um modelo assistencial de atenção baseado na prevenção, promoção, proteção, diagnóstico precoce, tratamento e recuperação da saúde, em conformidade com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e dirigido aos indivíduos, à família e à comunidade; incorporar os agentes comunitários de saúde ao SUS, com a finalidade de contribuir para a sua consolidação, bem como na construção de um novo modelo assistencial, mais compatível com as necessidades da população. 10
  • 11. 11 Referências: Biasoli-Alves ZMM. Crianças e adolescentes: a questão da tolerância na socialização das gera ções mais novas. In: Biasoli-Alves ZMM & Fishmann R (orgs.). Crianças e adolescentes: cons truindo uma cultura da tolerância. São Paulo:Edusp; 2001. p.79-93. Nery CB. Atenção de enfermagem à mãe e à crian ça. In: Vanzin AS, Nery MES. Atenção integral à saúde da criança: um enfoque epidemiológico. Porto Alegre: RM&L Gráfica; 1998. p. 29-35. Mauro MYC. A criança no núcleo familiar e no contexto comunitário: uma abordagem de enfer magem. In: Vanzin AS, Nery MES. Atenção inte gral à saúde da criança: um enfoque epidemiológico. Porto Alegre: RM&L Gráfica; 1998. p. 55-70.