SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA:METODOLOGIA DE REPROCESSAMENTO DE
ARTIGOS HOSPITALARES.
Docente:Profº Enfª: Eliane Da Costa Lobato
O que é Biossegurança?
Biossegurança ou segurança biológica
refere-se á aplicação do conhecimento,
técnicas e equipamentos com a finalidade de
prevenir a exposição
do trabalhador, laboratório e ambiente a
agentes potencialmente infecciosos ou
biorriscos.
Objetivo da Biossegurança na
CME :
Identificar os tipos de EPI utilizado pelos profissionais da
Central de Material Esterilizado.
E Verificar se os EPI utilizados são adequados as Normas de
Precauções Padrão de Biossegurança recomendada pelo
Ministério da Saúde.
EQUIPAMENTOS DE
SEGURANÇA
CCIH
A tarefa de reduzir a incidência e a gravidade
das IH deve ser uma meta abrangente a todo
hospital, com a participação de seus
colaboradores, usuários e voluntários.
NÃO HÁ PCIH EFICAZ SEM A INTEGRAÇÃO
DOS DIVERSOS SERVIÇOS DA INSTITUIÇÃO
CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS:
podem ser classificados em cinco tipos, de acordo
com a Portaria n0 3.214, do Ministério do Trabalho do
Brasil, de 1978. Esta Portaria contem uma série de
normas regulamentadoras que consolidam a
legislação trabalhista, relativas à segurança e
medicina do trabalho. Encontramos a classificação
dos riscos na sua Norma Regulamentadora n° 5
(NR-5)
Qualquer fator que possa interferir nas
características psicofisiológicas do
trabalhador, causando desconforto ou
afetando sua saúde. São exemplos de risco:
o levantamento de peso, ritmo excessivo de
trabalho, monotonia, repetitividade, postura
inadequada de trabalho, etc.
Riscos ergonômicos:
Consideram-se agentes de risco físico as
diversas formas de energia a que
possam estar expostos os trabalhadores, tais
como: ruído, calor, frio, pressão,
umidade, radiações ionizantes e não-
ionizantes, vibração, etc.
Riscos físicos:
Estão relacionados ás soluções quimicas
utilizadas e aos seus aerosois,gazes e vapores;
Poeiras oriondas do ambiente físico.
Riscos químicos:
Consideram-se como agentes de risco biológico
as bactérias, vírus, fungos, parasitos, entre
outros.
O profissional de saúde realizando todos
procedimentos estará praticando a
biossegurança e para isso é necessário
obedecer normas simples como o ato da
lavagem das mãos.
A importância dessas medidas resultará no
controle da infecção.
Mais diversos, entre eles podemos citar a
assepsia, antissepsia,
degermação,desinfecção e esterilização.
“Pois o conhecimento de
como identificar e prevenir
ou minimizar os fatores de
risco presentes no CME
tende a levar à redução da
ocorrência de acidentes e a
incidência.”
O ambiente de trabalho da CME
pode ser dividido em:
Área suja
Área limpa
Área
estéril
É uma medida imprescindível tanto à segurança dos
trabalhadores quanto à dos pacientes. Conhecer esta
realidade poderá contribuir para as ações
institucionais na busca de melhores condições de
trabalho e na qualidade do reprocessamento dos
artigos. pois o conhecimento de como identificar e
prevenir ou minimizar os fatores de risco presentes no
CME tende a levar à redução da ocorrência de
acidentes e a incidência
O uso dos EPI
NR 6 (06/1978): dispositivo ou produto
de uso individual utilizado pelo trabalhador
destinado à proteção de riscos.
Cumprimento
das Regras
Higiene e
postura do
profissional
EPI e EPC
Os instrumentos e materiais sujos com sangue,
fluidos corporais, secreções e excreções
devem ser manuseados de modo a prevenir a
contaminação da pele e mucosas (olhos, nariz e
boca), roupas, e ainda, prevenir a transferência
de microrganismos para outros pacientes e
ambiente.
Todos os instrumentos reutilizados tem rotina
de reprocessamento.
MANIPULAÇÃO DE
MATERIAIS
CORTANTES NA
CME
Resíduos são
materiais ou restos
de materiais que não
serão mais
utilizados.
CURIOSIDADES:
Historicamente, os profissionais de saúde não eram
considerados como categoria profissional de alto risco para
acidentes de trabalho.
profissionais que exerciam atividades em laboratórios onde
se dava a manipulação com microrganismos e material clínico
desde o início dos anos 40.
Para profissionais que atuam na área clínica, entretanto, somente a
partir da epidemia da Aids nos anos 80, as normas para as questões de
segurança no ambiente de trabalho foram melhor estabelecidas.
Existência de equipamentos para
proteção do trabalhador e diretrizes para
vivência segura no ambiente da CME é: A
segurança de todos depende do
cooperativismo.
Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância sanitária ANVISA. Curso básico de
Controle de Infecção
UNIVERSIDADE DE SANTA CATARINA. SILVA, G. Apostila de Enfermagem em
Centro Cirúrgico. Santa Catarina, 2012. Disponível em
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAaaMAH/centro-cirurgico-enfermagem
Acesso em :25/04/2014.
Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimento de Saúde – 2
ed. –Brasília, 1994
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
Eduardo Gomes
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
João Junior
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalar
PrLinaldo Junior
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Waslan Oliveira
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
Amanda Amate
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
Telma Justa Freitas
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Veras Reis Reis
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Lucas Fontes
 

Mais procurados (20)

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalar
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 

Semelhante a Biossegurança na CME

2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
keyzsilva
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
FabianoDoVale
 
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptxBiosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
ssuser87b501
 
Biossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratoriosBiossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratorios
Simone A. Ferreira Masioli
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
Kalinevaloesvidal
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
saraferraz09
 
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdfBiossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
Adriana Ferreira Alves
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
gelcine Angela
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
ojcn
 
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docxPrincípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
q2d2prgvxt
 
Angleza
AnglezaAngleza
Angleza
anglezamendes
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
DayanneNoronha4
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
AnielleAlvesMarchesi
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
Brunoaguiar97
 
ALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdfALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdf
MarcosAugusto100
 
Nr 32
Nr 32Nr 32
Nr32 resumo
Nr32 resumoNr32 resumo
Nr32 resumo
Rodrigo Tofoli
 
aula biossegurança.pptx
aula biossegurança.pptxaula biossegurança.pptx
aula biossegurança.pptx
RosaSantos738119
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
MaryCosta54
 
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdfbiossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
CleitonFernandes29
 

Semelhante a Biossegurança na CME (20)

2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
 
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptxBiosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
 
Biossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratoriosBiossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratorios
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdfBiossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
Biossegurança nas clínicas de estética e salão de beleza.pdf
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docxPrincípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
Princípios da Biossegurança - Odontologia 1 hhh.docx
 
Angleza
AnglezaAngleza
Angleza
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
 
ALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdfALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdf
 
Nr 32
Nr 32Nr 32
Nr 32
 
Nr32 resumo
Nr32 resumoNr32 resumo
Nr32 resumo
 
aula biossegurança.pptx
aula biossegurança.pptxaula biossegurança.pptx
aula biossegurança.pptx
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdfbiossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
 

Mais de Luciane Santana

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
Luciane Santana
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
Luciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Luciane Santana
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
Luciane Santana
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
Luciane Santana
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Autismo
AutismoAutismo
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Luciane Santana
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Luciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Luciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 

Último

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Biossegurança na CME

  • 1. DISCIPLINA:METODOLOGIA DE REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS HOSPITALARES. Docente:Profº Enfª: Eliane Da Costa Lobato
  • 2.
  • 3.
  • 4. O que é Biossegurança? Biossegurança ou segurança biológica refere-se á aplicação do conhecimento, técnicas e equipamentos com a finalidade de prevenir a exposição do trabalhador, laboratório e ambiente a agentes potencialmente infecciosos ou biorriscos.
  • 5. Objetivo da Biossegurança na CME : Identificar os tipos de EPI utilizado pelos profissionais da Central de Material Esterilizado. E Verificar se os EPI utilizados são adequados as Normas de Precauções Padrão de Biossegurança recomendada pelo Ministério da Saúde.
  • 7. CCIH A tarefa de reduzir a incidência e a gravidade das IH deve ser uma meta abrangente a todo hospital, com a participação de seus colaboradores, usuários e voluntários. NÃO HÁ PCIH EFICAZ SEM A INTEGRAÇÃO DOS DIVERSOS SERVIÇOS DA INSTITUIÇÃO
  • 8. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS: podem ser classificados em cinco tipos, de acordo com a Portaria n0 3.214, do Ministério do Trabalho do Brasil, de 1978. Esta Portaria contem uma série de normas regulamentadoras que consolidam a legislação trabalhista, relativas à segurança e medicina do trabalho. Encontramos a classificação dos riscos na sua Norma Regulamentadora n° 5 (NR-5)
  • 9.
  • 10. Qualquer fator que possa interferir nas características psicofisiológicas do trabalhador, causando desconforto ou afetando sua saúde. São exemplos de risco: o levantamento de peso, ritmo excessivo de trabalho, monotonia, repetitividade, postura inadequada de trabalho, etc. Riscos ergonômicos:
  • 11. Consideram-se agentes de risco físico as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, calor, frio, pressão, umidade, radiações ionizantes e não- ionizantes, vibração, etc. Riscos físicos:
  • 12. Estão relacionados ás soluções quimicas utilizadas e aos seus aerosois,gazes e vapores; Poeiras oriondas do ambiente físico. Riscos químicos:
  • 13. Consideram-se como agentes de risco biológico as bactérias, vírus, fungos, parasitos, entre outros.
  • 14.
  • 15. O profissional de saúde realizando todos procedimentos estará praticando a biossegurança e para isso é necessário obedecer normas simples como o ato da lavagem das mãos. A importância dessas medidas resultará no controle da infecção. Mais diversos, entre eles podemos citar a assepsia, antissepsia, degermação,desinfecção e esterilização.
  • 16. “Pois o conhecimento de como identificar e prevenir ou minimizar os fatores de risco presentes no CME tende a levar à redução da ocorrência de acidentes e a incidência.”
  • 17.
  • 18. O ambiente de trabalho da CME pode ser dividido em: Área suja Área limpa Área estéril
  • 19. É uma medida imprescindível tanto à segurança dos trabalhadores quanto à dos pacientes. Conhecer esta realidade poderá contribuir para as ações institucionais na busca de melhores condições de trabalho e na qualidade do reprocessamento dos artigos. pois o conhecimento de como identificar e prevenir ou minimizar os fatores de risco presentes no CME tende a levar à redução da ocorrência de acidentes e a incidência O uso dos EPI NR 6 (06/1978): dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador destinado à proteção de riscos.
  • 20. Cumprimento das Regras Higiene e postura do profissional EPI e EPC
  • 21. Os instrumentos e materiais sujos com sangue, fluidos corporais, secreções e excreções devem ser manuseados de modo a prevenir a contaminação da pele e mucosas (olhos, nariz e boca), roupas, e ainda, prevenir a transferência de microrganismos para outros pacientes e ambiente. Todos os instrumentos reutilizados tem rotina de reprocessamento.
  • 22. MANIPULAÇÃO DE MATERIAIS CORTANTES NA CME Resíduos são materiais ou restos de materiais que não serão mais utilizados.
  • 23.
  • 24. CURIOSIDADES: Historicamente, os profissionais de saúde não eram considerados como categoria profissional de alto risco para acidentes de trabalho. profissionais que exerciam atividades em laboratórios onde se dava a manipulação com microrganismos e material clínico desde o início dos anos 40. Para profissionais que atuam na área clínica, entretanto, somente a partir da epidemia da Aids nos anos 80, as normas para as questões de segurança no ambiente de trabalho foram melhor estabelecidas.
  • 25. Existência de equipamentos para proteção do trabalhador e diretrizes para vivência segura no ambiente da CME é: A segurança de todos depende do cooperativismo.
  • 26. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância sanitária ANVISA. Curso básico de Controle de Infecção UNIVERSIDADE DE SANTA CATARINA. SILVA, G. Apostila de Enfermagem em Centro Cirúrgico. Santa Catarina, 2012. Disponível em http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAaaMAH/centro-cirurgico-enfermagem Acesso em :25/04/2014. Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimento de Saúde – 2 ed. –Brasília, 1994 Referências