SlideShare uma empresa Scribd logo
AVALIAÇÃO GLOBAL DA
FARMACOTERAPIA
Cassyano J Correr MSc PhD
Departamento de Farmácia
Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas
Universidade Federal do Paraná
Uma Abordagem Sobre os Processos da Farmacoterapia
http://www.caregivercollege.org/scoa
/images/Medications-
audio_html_5361ec31.jpg
“Pessoas que tomam vários medicamentos
diariamente, comumente vivenciam
dificuldades, dúvidas, esquecimento, problema
s ou cometem erros ligados ao tratamento que
podem gerar desperdício, insucesso
terapêutico, dano, sofrimento e até a morte”
2
http://www.xhbv.com/wp-content/uploads/2010/12/medication-
history.jpg
Polimedicação no idoso
• ~20% das pessoas com
mais 65 anos utilizam 10 ou
mais medicamentos
• Eventos adversos a
medicamentos afetam 5 a
35% dos idosos por ano
• São responsáveis por ~10%
de todas as internações em
idosos
3
JAMA. 2010 Oct 13;304(14):1592-601. Review.
Relação entre reações adversas a medicamentos e polifarmácia
Cresswell K M et al. Br Med Bull 2007;83:259-274
© The Author 2007. Published by Oxford University Press. All rights reserved.
Freqüência de problemas relacionados com medicamentos (PRM) por
paciente em relação ao número de medicamentos utilizados na
internação (n= 827 pacientes).
5
From:
Br J ClinPharmacol. 2007 February; 63(2): 187–195.
Published online 2006 August 30. doi: 10.1111/j.1365-
2125.2006.02744.x.
6
Indicação Medicamento
Regime
Terapêutico
Padrão de
Adesão do
paciente
Exposição
Resultado
Terapêutico
Farmacoterapia Ideal
7
Segurança
- A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde
- A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes
Efetividade
- O paciente apresenta a resposta esperada à medicação
- O regime terapêutico está adequado ao alcance das metas terapêuticas
Adesão Terapêutica
- O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime terapêutico
- O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa
Necessidade
- O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita
- O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário
Correr & Otuki, 2011
P1
Seleção
P2
Administração
P3
Biofarmacêutico
P4
Farmacocinético
P5
Farmacodinâmico
P6
Resultados
Terapêuticos
Os Seis Processos da Farmacoterapia
8
Correr & Otuki, 2011
P1
Seleção
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A definição de um tratamento
farmacológico para uma indicação
clínica específica. Colaboração
profissional – paciente ou
automedicação
9
P1
Seleção
Modelo OMS
Indicação Clínica
Objetivo
terapêutico
Grupos
Eficazes
Medicamento-I
Fármaco
Forma farmac.
Regime
Terapêutico
Como escolher um medicamento
Definir o diagnóstico
Especificar o objetivo terapêutico
Fazer um levantamento de grupos
eficazes
Escolher um medicamento-I
Fármaco, forma farmacêutica, regime
terapêutico
OMS, 1998
Integração das melhores evidências de pesquisa com a
habilidade clínica e a preferência do paciente
Melhor evidência
científica
Experiência
clínica
Valores do
paciente
COOK; MULROW; HAYNES, 1997; WANNMACHER; FUCHS, 2000
Saúde Baseada em Evidências
Elo entre a boa ciência e a boa prática clínica
Hierarquia da Evidência
COOK et al., 1992; ECCLES; FREEMANTLE; MASON, 1998
P2
Administração
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A utilização do medicamento pelo
paciente ou a administração do
medicamento pelo profissional
14
P2
Administração
Modelos
Adesão ao
tratamento
Experiência de
Medicação
Persistência no
tratamento
Erros de
Administração
15
Drug Regimen Compliance: Issues in Clinical Trials and Patient Management 1999
Adesão & Eventos Adversos
Curva concentração x tempo
administração irregular
Fonte: Lüllmann, Color Atlas of Pharmacology © 2000
Thieme 17
Kaplan-Meier para 1.011 pacientes em
polifarmácia, de acordo com a adesão ao
tratamento
BMJ. 2006 September 9; 333(7567): 522.
RR 2.9
RR 1.8
Adesão vs. Persistência
ClinInterv Aging. 2008 June; 3(2): 279–297.
HCT = Health Care Team
OMS, 2003
As cinco dimensões da adesão terapêutica
20
Barreiras para a adesão ao tratamento
21
Paciente
Sistema de
Saúde
Provedor
•Interação do paciente com o
sistema de saúde
•A precariedade de acesso ou
consultas perdidas
•O tratamento inadequado pelos
funcionários da clínica
•Pobre acesso aos medicamentos
•Mudar para um formulário
diferente
•Incapacidade do paciente para
acessar farmácia
•Os altos custos de medicamentos
•Má comunicação provedor-
paciente
•O paciente tem uma má
compreensão da doença
•O paciente tem uma má
compreensão dos benefícios e
riscos do tratamento
•O paciente tem uma compreensão
deficiente do uso adequado dos
medicamentos
•Médico prescreve esquema
excessivamente complexo
•Interação do profissional com o sistema de saúde
•O pouco conhecimento dos custos dos medicamentos
•Pobre conhecimento sobre a cobertura de medicamentos
•Baixo nível de satisfação profissional
N Engl J Med 2005;353:487-97.
22
BAIXA
ADESÃO AO
TRATAMENTO
NÃO INTENCIONAL INTENCIONAL
• Esquecimento
• Compreensão
• Habilidades
físicas, cognitivas e
sensoriais
• Equívocos
• Recursos
• Motivação e
discernimento
• Crenças
• Experiência de medicação
Adesão vs. Regime Terapêutico
Dados extraídos de Claxton et al. 2001 PMID: 11558866
24
Medicamento / dose
7h30 12h00 16h30 20h00 23h
S/N Como está na prescriçãoCafé Almoço Lanche Jantar h.d.
A D A D A D A D -
HCTZ 1 Tomar 1 cpr pela manhã
METFORMINA 1 1 Tomar 1 cpr duas vezes ao dia
ENALAPRIL 1 1 Tomar 1 cpr de 12/ 12 h
DIGOXINA ½ Tomar 1/2 cpr ao dia
SINVASTATINA 1 Tomar 1 cpr pela noite
Número de tomadas diárias = 5
Medicamento / dose
7h30 12h00 16h30 20h00 23h
S/N Como está na prescriçãoCafé Almoço Lanche Jantar h.d.
A D A D A D A D -
HCTZ 1 Tomar 1 cpr pela manhã
METFORMINA 1 1 Tomar 1 cpr duas vezes ao dia
ENALAPRIL 1 1 Tomar 1 cpr de 12/ 12 h
DIGOXINA ½ Tomar 1/2 cpr ao dia
SINVASTATINA 1 Tomar 1 cpr pela noite
Número de tomadas diárias = 2
Experiência de Medicação
• Atitude
• Expectativas
• Receios
• Conhecimento
• Interferentes externos
• Comportamento
Pharmaceutical Care Practice: The Clinician's Guide 200425
Experiência de Medicação
• Atitude +
• Expectativas +
• Receios +
• Conhecimento +
• Interferentes externos
=
• Comportamento
Pharmaceutical Care Practice: The Clinician's Guide 200426
FORMAS DE MEDIR A ADESÃO
• Métodos Diretos
– Tratamento Diretamente
Observado
– Medida plasmática do
fármaco ou metabólito
– Medida de marcador
biológico no sangue
• Métodos indiretos
– Questionário, auto-relato
– Contagem de comprimidos
– Proporção de retirada de
comprimidos
– Avaliação da resposta
clínica
– Monitores eletrônicos
– Diários
27
TESTE DE HAYNES-SACKETT
• A maioria dos pacientes tem dificuldades para
tomar seus comprimidos. Você tem dificuldade
em tomar todos os seus:
Sim Não
• Neste último mês quantas vezes você
esqueceu-se de tomar o seu
remédio?____________
28
MEDIDA PSICOMÉTRICA DA ADESÃO AO TRATAMENTO
Morisky-Green-Levine (Modificado)
29
1. Esquece-se de tomar seus medicamentos?
2. Descuida-se do horário de tomar os medicamentos?
3. Pára de tomar os medicamentos porque está se sentindo melhor?
4. Pára de tomar os medicamentos porque está se sentindo pior?
5. Toma mais comprimidos do que o normal por estar se sentindo pior?
6. Interrompe o tratamento por ter deixado acabar os medicamentos?
7. Pára de tomar os medicamentos por alguma razão, que não a indicação
do médico?
NUNCA – QUASE NUNCA – ÀS VEZES – QUASE SEMPRE - SEMPRE
P1
Seleção
P2
Administração
ATIVIDADES
PROFISSIONAIS
Prescrição
Transcrição
Manipulação
Fracionamento
Preparo
Rotulagem
Separação
Dispensação
Administração (Enf.)
ERROS DE MEDICAÇÃO
30
P3
Biofarmacêutico
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A liberação do fármaco e sua
dissolução no local de absorção ou
de administração. Também
chamado biofarmacotécnico.
31
P3
Biofarmacêutico
Modelos
Sistemas de
Liberação
Classificação
Biofarmacêutica
dos Fármacos
Equivalência
Farmacêutica
Bioequivalência
32
Desvios de qualidade
NA FARMÁCIA
DIPIRONA
Lotes de referência e genéricos
dentro dos limites (teor de PA)
Similares. Pelo menos um lote de
cada marca com problemas
(teor pouco abaixo)
NO DOMICÍLIO
DIPIRONA
43% das amostras
com teor abaixo
Até 42,6% de perda de teor
Contaminação com S. aureus,
E. coli e Salmonellasp,
fungos e leveduras
Ciênc. saúde coletiva vol.15 supl.3 Rio de
Janeiro Nov. 2010
Rev. Bras. Cienc. Farm. vol.43 no.1 São
Paulo Jan./Mar. 2007
P4
Farmacocinético
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A chegada do fármaco ao local de
ação. A concentração de fármaco
distribuída pelos tecidos e o tempo
para que todo fármaco seja eliminado.
34
P4
Farmacocinético
Modelo ADME
Absorção
Biodisponi-
bilidade
Distribuição Clearance
Meia-Vida
Cinética linear
ou não linear
35
P5
Farmacodinâmico
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A interação entre o fármaco e
estruturas moleculares do organismo.
A produção do efeito farmacológico.
36
P5
Farmacodinâmico
Modelo Chave-Fechadura
Ação primária
-
tecido alvo
Ação primária
-
outros tecidos
Ação secundária
-
tecido alvo
Ação secundária
-
outros tecidos
37
Relação com a dose
(benefício:dano)
TempoSuscetibilidade
Paciente
Medicamento
Desfecho
Extrínseca
Intrínseca
Efeito
Resultado
Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1)
38
A relação com a dose
Hiper-suscetíveis
Respondedores
normais
Refratários
39
A relação com o tempo
Efeito / Tempo Ex. Benefícios Ex. Dano
Primeira dose Analgesia Hipotensão por captopril
Precoce Antibioticoterapia Diarréia por antibióticos
Intermediário Antihipertensivos
Hipersensibilidade
Tipo 2
Tardio Cálcio para osteopenia
Osteoporose por
corticóides
Retardados Vacinas Teratogênese
Independentes do
tempo
-
Queda por
benzodiazepínicos
40
Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1)
Fatores de suscetibilidade
41
FONTE DE
SUSCETIBILIDADE
Exemplos Implicações
Genética Polimorfismos CYP Screening?
Idade Neonatos
Idosos
Ajuste de dose
Sexo H/M Doses diferentes
Fisiologia alterada Gravidez Dose ou não uso
Fatores exógenos Interações Med Manejo ou não uso
Doenças Insuficiencia renal
Cirrose hepática
Screening
Ajuste de dose
Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1)
Interações medicamentosas
Medicamento -
Medicamento
Os efeitos de um ou
mais medicamentos
alterados pelo uso
simultâneo de
outro(s)
medicamento(s)
Medicamento -
Nutriente
Os efeitos de um ou
mais medicamentos
alterados pelo uso
simultâneo com
alimentos ou por
condições nutricionais
do paciente
Medicamento -
Doença
Exacerbações de
doenças, condições ou
síndromes pré-
existentes causadas
pelo uso de
medicamentos
específicos
P4
Farmacocinético
P5
Farmacodinâmico&P3
Biofarmacêutico &
Clinical Pharmacology – Bennett & Brown 2003
Interações Med-Med
44
http://reference.medscape.com/drug-interactionchecker
45
Glibenclamida
Metformina
Omeprazol
Considerar a
relevância clínica
P6
Resultados
Terapêuticos
Os Seis Processos da Farmacoterapia
A mudança no estado de saúde
decorrente do efeito farmacológico. As
manifestações biológicas, psíquicas e
sociais decorrentes dessa mudança.
46
DOENÇA SAÚDE
Efeito Placebo
Arte do terapeuta
História Natural da Doença
Regressão à média
Efeito intrínseco do medicamento
Farmacologia Clínica. 3aEd. 200547
P6
Resultados
Terapêuticos
Modelo
Efetividade Segurança
Avaliação de
Desfechos
48
Resultados Negativos
INEFETIVIDADE
• Não alcança o objetivo
terapêutico de modo
satisfatório
• Efetividade x Eficácia x
Eficiência
INSEGURANÇA
• Produz um novo problema
de saúde no paciente
• Agrava um problema de
saúde pré-existente
• Reações Adversas x
Toxicidade
49
Modelo ECHO
CLÍNICOS HUMANÍSTICOS ECONÔMICOS
ClinTher. 1993;15:1121–32.50
Risco absoluto para AVC por níveis pressóricos
Farmacologia Clínica. 3aEd. 200551
52
Tipologia de desfechos
Desfechos
Intermediários
Desfechos
Primordiais
Desfechos
Substitutos
Fuchs, 2010
Viver mais pode ser bom, mas as
pessoas não querem também viver
melhor?
Desfechos Humanísticos
53
54
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Pior estado de saúde
imaginável
Melhor estado de saúde
imaginável
Percepção Geral da Saúde
Qualidade de Vida
55
Qualidade
de vida
comunidade
educação
vida em
família
amizades
saúde
moradiacasamento
nação
auto-
estima
padrão de
vida
trabalho
Desfechos Econômicos
Viver mais e melhor seria ótimo,
mas quanto custa?
56
• Um tratamento pode ser avaliado do
ponto de vista econômico:
– Custo – Efetividade
$$ X Resultados Clínicos
– Custo – Utilidade
$$ X Qualidade de Vida (Utilidade)
– Custo – Benefício
$$ X economia de recursos $$
Desfechos Econômicos
57
Parametros fisiológicos e
biológicos
Quadro sintomático
Quadro funcional
Percepção geral da saúde
Qualidade de vida
relacionada à saúde
Exames laboratoriais e
medidores
Avaliação do
profissional
Resultados reportados
pelo paciente / cuidador
Modelo de desfechos em saúde
JAMA 1995;273:59–65
Avaliação de resultados do paciente
Fontes e Exemplos
Avaliados
pelo
Profissional
Fisiológicos
Relatados
pelo
cuidador
Relatados
pelo
paciente
Impressões globais
Observações
Testes de função
Dependência /
Autonomia
Estado Funcional
VEF1
HbA1c
PA
FC
Tamanho tumor
Percepção Geral
Bem estar
Sintomas
Qualidade de vida
Satisfação
http://www.ispor.org/terminology/
59
http://pasi.corti.li/
Exemplo: PASI (Psoríase)
http://3.bp.blogspot.com/_fN6jLRmSg8k/SKdTl
7we9wI/AAAAAAAAAlc/_nxU0AtPXgg/s400/es
cala+de+dor+a.jpg
Exemplo: Escala de dor
61
62
Paciente Seleção Administração Resultados
Terapêuticos
Fatores de risco
da farmacoterapia
Liberação => Cinética => Dinâmica
Idade
Sexo
Peso, Altura, Cintur
a
Doenças
Fisiologia alterada
Cognição & Função
História pregressa
Família, Meio Social
Comportamento
Indicações clínicas
Medicamentos
Regime terapêutico
(dose, freq.,
duração)
Objetivos
terapêuticos
Medicamentos sem
indicação clara
Condições não
tratadas
Rotina de medicação
Mapa posológico
Uso correto
(preparo, armazena
mento, administraçã
o)
Adesão ao
tratamento
Efetividade
(parâmetros
biológicos,
sintomas, quadro
funcional)
Segurança
Percepção da saúde
Qualidade de vida
Impacto econômico
(eficiência)
Idade
Fisiologia alterada
Doenças & Contra-
indicações
Genética
Terapêutica &
Interações
Fatores cognitivos,
funcionais e sociais
Construção do
Estado Situacional
Modelo de Avaliação Ampla da Farmacoterapia
Fatores que podem
alterar a qualidade,
cinética ou dinâmica de
medicamentos
Fatores ligados ao paciente, à seleção ou administração do medicamento que aumentam o risco de não
efetividade ou reações adversos
Correr & Otuki, 2011
Muito Obrigado!
Cassyano J Correr
Departamento de Farmácia
Universidade Federal do Paraná
cassyano@ufpr.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
Proqualis
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
Leonardo Souza
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013
Márcio Ravazoli
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Anderson Santana
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
adrianomedico
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
Caio Maximino
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
Jade Oliveira
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
Farmacêutico Digital
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
Paulo Henrique Campos Vilhena
 

Mais procurados (20)

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 

Destaque

Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Cassyano Correr
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapia
Cassyano Correr
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Cassyano Correr
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Cassyano Correr
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Cassyano Correr
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Cassyano Correr
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
JOFARUFPR
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Cassyano Correr
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Método dáder 3ª ed. 2014
Método dáder 3ª ed. 2014Método dáder 3ª ed. 2014
Método dáder 3ª ed. 2014
Carine Viana
 
Farma & farma no maranhão
Farma & farma no maranhãoFarma & farma no maranhão
Farma & farma no maranhão
farmaefarma
 
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDOPrescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
farmaefarma
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Isabela Jacyntho
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Cassyano Correr
 
Farmacia verde parcial
Farmacia verde parcialFarmacia verde parcial
Farmacia verde parcial
Marcelo Rigotti
 
Antibióticos
Antibióticos Antibióticos
Antibióticos
Veronica Burgos
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
Ricardo Farias
 
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejoAtenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Tatiana Pereira
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
angelitamelo
 

Destaque (20)

Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapia
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Método dáder 3ª ed. 2014
Método dáder 3ª ed. 2014Método dáder 3ª ed. 2014
Método dáder 3ª ed. 2014
 
Farma & farma no maranhão
Farma & farma no maranhãoFarma & farma no maranhão
Farma & farma no maranhão
 
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDOPrescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Farmacia verde parcial
Farmacia verde parcialFarmacia verde parcial
Farmacia verde parcial
 
Antibióticos
Antibióticos Antibióticos
Antibióticos
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejoAtenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
 

Semelhante a Avaliação Global da Farmacoterapia

praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
MarcioCruz62
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Nayara921526
 
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologia
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologiaInterações medicamentosas em pediatria e neonatologia
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologia
Sandra Brassica
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Marcelo Polacow Bisson
 
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdfPrincípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
LizaAguiar2
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Tiago Sampaio
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
MayaraPereira87
 
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
farmaefarma
 
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.pptReconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
OdilonCalian1
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
Francisco José
 
Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicos
Angelina Lessa
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
Jose Eduardo
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
MarciaRodrigues615662
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
MarciaRodrigues615662
 
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdfCongresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Leandro Brust
 
8901
89018901
8901
Mlopes008
 
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva MuñozReações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).pptEventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
MarthaAraujo8
 

Semelhante a Avaliação Global da Farmacoterapia (20)

praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
 
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologia
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologiaInterações medicamentosas em pediatria e neonatologia
Interações medicamentosas em pediatria e neonatologia
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdfPrincípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
Princípios da farmacoterapia no idoso - slides.pdf
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
 
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
 
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.pptReconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
Reconciliacao-medicamentosa farmacia-ppt.ppt
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
 
Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicos
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
 
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdfFarmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
Farmácia Clínica _ Passei Direto.pdf
 
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdfCongresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
 
8901
89018901
8901
 
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva MuñozReações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
 
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).pptEventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
 

Mais de Cassyano Correr

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Cassyano Correr
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
Cassyano Correr
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Cassyano Correr
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Cassyano Correr
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
Cassyano Correr
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Cassyano Correr
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
Cassyano Correr
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cassyano Correr
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de Aprendizagem
Cassyano Correr
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
Cassyano Correr
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
Cassyano Correr
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Cassyano Correr
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Cassyano Correr
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
Cassyano Correr
 
QSSF-Brasil
QSSF-BrasilQSSF-Brasil
QSSF-Brasil
Cassyano Correr
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Cassyano Correr
 
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Cassyano Correr
 

Mais de Cassyano Correr (20)

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de Aprendizagem
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
 
QSSF-Brasil
QSSF-BrasilQSSF-Brasil
QSSF-Brasil
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
 
Os problemas dos MIPs
Os problemas dos MIPsOs problemas dos MIPs
Os problemas dos MIPs
 
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 

Último (7)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 

Avaliação Global da Farmacoterapia

  • 1. AVALIAÇÃO GLOBAL DA FARMACOTERAPIA Cassyano J Correr MSc PhD Departamento de Farmácia Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas Universidade Federal do Paraná Uma Abordagem Sobre os Processos da Farmacoterapia
  • 2. http://www.caregivercollege.org/scoa /images/Medications- audio_html_5361ec31.jpg “Pessoas que tomam vários medicamentos diariamente, comumente vivenciam dificuldades, dúvidas, esquecimento, problema s ou cometem erros ligados ao tratamento que podem gerar desperdício, insucesso terapêutico, dano, sofrimento e até a morte” 2
  • 3. http://www.xhbv.com/wp-content/uploads/2010/12/medication- history.jpg Polimedicação no idoso • ~20% das pessoas com mais 65 anos utilizam 10 ou mais medicamentos • Eventos adversos a medicamentos afetam 5 a 35% dos idosos por ano • São responsáveis por ~10% de todas as internações em idosos 3 JAMA. 2010 Oct 13;304(14):1592-601. Review.
  • 4. Relação entre reações adversas a medicamentos e polifarmácia Cresswell K M et al. Br Med Bull 2007;83:259-274 © The Author 2007. Published by Oxford University Press. All rights reserved.
  • 5. Freqüência de problemas relacionados com medicamentos (PRM) por paciente em relação ao número de medicamentos utilizados na internação (n= 827 pacientes). 5 From: Br J ClinPharmacol. 2007 February; 63(2): 187–195. Published online 2006 August 30. doi: 10.1111/j.1365- 2125.2006.02744.x.
  • 6. 6 Indicação Medicamento Regime Terapêutico Padrão de Adesão do paciente Exposição Resultado Terapêutico
  • 7. Farmacoterapia Ideal 7 Segurança - A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde - A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes Efetividade - O paciente apresenta a resposta esperada à medicação - O regime terapêutico está adequado ao alcance das metas terapêuticas Adesão Terapêutica - O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime terapêutico - O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa Necessidade - O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita - O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário Correr & Otuki, 2011
  • 9. P1 Seleção Os Seis Processos da Farmacoterapia A definição de um tratamento farmacológico para uma indicação clínica específica. Colaboração profissional – paciente ou automedicação 9
  • 11. Como escolher um medicamento Definir o diagnóstico Especificar o objetivo terapêutico Fazer um levantamento de grupos eficazes Escolher um medicamento-I Fármaco, forma farmacêutica, regime terapêutico OMS, 1998
  • 12. Integração das melhores evidências de pesquisa com a habilidade clínica e a preferência do paciente Melhor evidência científica Experiência clínica Valores do paciente COOK; MULROW; HAYNES, 1997; WANNMACHER; FUCHS, 2000 Saúde Baseada em Evidências Elo entre a boa ciência e a boa prática clínica
  • 13. Hierarquia da Evidência COOK et al., 1992; ECCLES; FREEMANTLE; MASON, 1998
  • 14. P2 Administração Os Seis Processos da Farmacoterapia A utilização do medicamento pelo paciente ou a administração do medicamento pelo profissional 14
  • 16. Drug Regimen Compliance: Issues in Clinical Trials and Patient Management 1999 Adesão & Eventos Adversos
  • 17. Curva concentração x tempo administração irregular Fonte: Lüllmann, Color Atlas of Pharmacology © 2000 Thieme 17
  • 18. Kaplan-Meier para 1.011 pacientes em polifarmácia, de acordo com a adesão ao tratamento BMJ. 2006 September 9; 333(7567): 522. RR 2.9 RR 1.8
  • 19. Adesão vs. Persistência ClinInterv Aging. 2008 June; 3(2): 279–297.
  • 20. HCT = Health Care Team OMS, 2003 As cinco dimensões da adesão terapêutica 20
  • 21. Barreiras para a adesão ao tratamento 21 Paciente Sistema de Saúde Provedor •Interação do paciente com o sistema de saúde •A precariedade de acesso ou consultas perdidas •O tratamento inadequado pelos funcionários da clínica •Pobre acesso aos medicamentos •Mudar para um formulário diferente •Incapacidade do paciente para acessar farmácia •Os altos custos de medicamentos •Má comunicação provedor- paciente •O paciente tem uma má compreensão da doença •O paciente tem uma má compreensão dos benefícios e riscos do tratamento •O paciente tem uma compreensão deficiente do uso adequado dos medicamentos •Médico prescreve esquema excessivamente complexo •Interação do profissional com o sistema de saúde •O pouco conhecimento dos custos dos medicamentos •Pobre conhecimento sobre a cobertura de medicamentos •Baixo nível de satisfação profissional N Engl J Med 2005;353:487-97.
  • 22. 22 BAIXA ADESÃO AO TRATAMENTO NÃO INTENCIONAL INTENCIONAL • Esquecimento • Compreensão • Habilidades físicas, cognitivas e sensoriais • Equívocos • Recursos • Motivação e discernimento • Crenças • Experiência de medicação
  • 23. Adesão vs. Regime Terapêutico Dados extraídos de Claxton et al. 2001 PMID: 11558866
  • 24. 24 Medicamento / dose 7h30 12h00 16h30 20h00 23h S/N Como está na prescriçãoCafé Almoço Lanche Jantar h.d. A D A D A D A D - HCTZ 1 Tomar 1 cpr pela manhã METFORMINA 1 1 Tomar 1 cpr duas vezes ao dia ENALAPRIL 1 1 Tomar 1 cpr de 12/ 12 h DIGOXINA ½ Tomar 1/2 cpr ao dia SINVASTATINA 1 Tomar 1 cpr pela noite Número de tomadas diárias = 5 Medicamento / dose 7h30 12h00 16h30 20h00 23h S/N Como está na prescriçãoCafé Almoço Lanche Jantar h.d. A D A D A D A D - HCTZ 1 Tomar 1 cpr pela manhã METFORMINA 1 1 Tomar 1 cpr duas vezes ao dia ENALAPRIL 1 1 Tomar 1 cpr de 12/ 12 h DIGOXINA ½ Tomar 1/2 cpr ao dia SINVASTATINA 1 Tomar 1 cpr pela noite Número de tomadas diárias = 2
  • 25. Experiência de Medicação • Atitude • Expectativas • Receios • Conhecimento • Interferentes externos • Comportamento Pharmaceutical Care Practice: The Clinician's Guide 200425
  • 26. Experiência de Medicação • Atitude + • Expectativas + • Receios + • Conhecimento + • Interferentes externos = • Comportamento Pharmaceutical Care Practice: The Clinician's Guide 200426
  • 27. FORMAS DE MEDIR A ADESÃO • Métodos Diretos – Tratamento Diretamente Observado – Medida plasmática do fármaco ou metabólito – Medida de marcador biológico no sangue • Métodos indiretos – Questionário, auto-relato – Contagem de comprimidos – Proporção de retirada de comprimidos – Avaliação da resposta clínica – Monitores eletrônicos – Diários 27
  • 28. TESTE DE HAYNES-SACKETT • A maioria dos pacientes tem dificuldades para tomar seus comprimidos. Você tem dificuldade em tomar todos os seus: Sim Não • Neste último mês quantas vezes você esqueceu-se de tomar o seu remédio?____________ 28
  • 29. MEDIDA PSICOMÉTRICA DA ADESÃO AO TRATAMENTO Morisky-Green-Levine (Modificado) 29 1. Esquece-se de tomar seus medicamentos? 2. Descuida-se do horário de tomar os medicamentos? 3. Pára de tomar os medicamentos porque está se sentindo melhor? 4. Pára de tomar os medicamentos porque está se sentindo pior? 5. Toma mais comprimidos do que o normal por estar se sentindo pior? 6. Interrompe o tratamento por ter deixado acabar os medicamentos? 7. Pára de tomar os medicamentos por alguma razão, que não a indicação do médico? NUNCA – QUASE NUNCA – ÀS VEZES – QUASE SEMPRE - SEMPRE
  • 31. P3 Biofarmacêutico Os Seis Processos da Farmacoterapia A liberação do fármaco e sua dissolução no local de absorção ou de administração. Também chamado biofarmacotécnico. 31
  • 33. Desvios de qualidade NA FARMÁCIA DIPIRONA Lotes de referência e genéricos dentro dos limites (teor de PA) Similares. Pelo menos um lote de cada marca com problemas (teor pouco abaixo) NO DOMICÍLIO DIPIRONA 43% das amostras com teor abaixo Até 42,6% de perda de teor Contaminação com S. aureus, E. coli e Salmonellasp, fungos e leveduras Ciênc. saúde coletiva vol.15 supl.3 Rio de Janeiro Nov. 2010 Rev. Bras. Cienc. Farm. vol.43 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2007
  • 34. P4 Farmacocinético Os Seis Processos da Farmacoterapia A chegada do fármaco ao local de ação. A concentração de fármaco distribuída pelos tecidos e o tempo para que todo fármaco seja eliminado. 34
  • 36. P5 Farmacodinâmico Os Seis Processos da Farmacoterapia A interação entre o fármaco e estruturas moleculares do organismo. A produção do efeito farmacológico. 36
  • 37. P5 Farmacodinâmico Modelo Chave-Fechadura Ação primária - tecido alvo Ação primária - outros tecidos Ação secundária - tecido alvo Ação secundária - outros tecidos 37
  • 38. Relação com a dose (benefício:dano) TempoSuscetibilidade Paciente Medicamento Desfecho Extrínseca Intrínseca Efeito Resultado Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1) 38
  • 39. A relação com a dose Hiper-suscetíveis Respondedores normais Refratários 39
  • 40. A relação com o tempo Efeito / Tempo Ex. Benefícios Ex. Dano Primeira dose Analgesia Hipotensão por captopril Precoce Antibioticoterapia Diarréia por antibióticos Intermediário Antihipertensivos Hipersensibilidade Tipo 2 Tardio Cálcio para osteopenia Osteoporose por corticóides Retardados Vacinas Teratogênese Independentes do tempo - Queda por benzodiazepínicos 40 Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1)
  • 41. Fatores de suscetibilidade 41 FONTE DE SUSCETIBILIDADE Exemplos Implicações Genética Polimorfismos CYP Screening? Idade Neonatos Idosos Ajuste de dose Sexo H/M Doses diferentes Fisiologia alterada Gravidez Dose ou não uso Fatores exógenos Interações Med Manejo ou não uso Doenças Insuficiencia renal Cirrose hepática Screening Ajuste de dose Adaptado de: DrugSaf 2010; 33(1)
  • 42. Interações medicamentosas Medicamento - Medicamento Os efeitos de um ou mais medicamentos alterados pelo uso simultâneo de outro(s) medicamento(s) Medicamento - Nutriente Os efeitos de um ou mais medicamentos alterados pelo uso simultâneo com alimentos ou por condições nutricionais do paciente Medicamento - Doença Exacerbações de doenças, condições ou síndromes pré- existentes causadas pelo uso de medicamentos específicos P4 Farmacocinético P5 Farmacodinâmico&P3 Biofarmacêutico &
  • 43. Clinical Pharmacology – Bennett & Brown 2003
  • 46. P6 Resultados Terapêuticos Os Seis Processos da Farmacoterapia A mudança no estado de saúde decorrente do efeito farmacológico. As manifestações biológicas, psíquicas e sociais decorrentes dessa mudança. 46
  • 47. DOENÇA SAÚDE Efeito Placebo Arte do terapeuta História Natural da Doença Regressão à média Efeito intrínseco do medicamento Farmacologia Clínica. 3aEd. 200547
  • 49. Resultados Negativos INEFETIVIDADE • Não alcança o objetivo terapêutico de modo satisfatório • Efetividade x Eficácia x Eficiência INSEGURANÇA • Produz um novo problema de saúde no paciente • Agrava um problema de saúde pré-existente • Reações Adversas x Toxicidade 49
  • 50. Modelo ECHO CLÍNICOS HUMANÍSTICOS ECONÔMICOS ClinTher. 1993;15:1121–32.50
  • 51. Risco absoluto para AVC por níveis pressóricos Farmacologia Clínica. 3aEd. 200551
  • 53. Viver mais pode ser bom, mas as pessoas não querem também viver melhor? Desfechos Humanísticos 53
  • 54. 54 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Pior estado de saúde imaginável Melhor estado de saúde imaginável Percepção Geral da Saúde
  • 55. Qualidade de Vida 55 Qualidade de vida comunidade educação vida em família amizades saúde moradiacasamento nação auto- estima padrão de vida trabalho
  • 56. Desfechos Econômicos Viver mais e melhor seria ótimo, mas quanto custa? 56
  • 57. • Um tratamento pode ser avaliado do ponto de vista econômico: – Custo – Efetividade $$ X Resultados Clínicos – Custo – Utilidade $$ X Qualidade de Vida (Utilidade) – Custo – Benefício $$ X economia de recursos $$ Desfechos Econômicos 57
  • 58. Parametros fisiológicos e biológicos Quadro sintomático Quadro funcional Percepção geral da saúde Qualidade de vida relacionada à saúde Exames laboratoriais e medidores Avaliação do profissional Resultados reportados pelo paciente / cuidador Modelo de desfechos em saúde JAMA 1995;273:59–65
  • 59. Avaliação de resultados do paciente Fontes e Exemplos Avaliados pelo Profissional Fisiológicos Relatados pelo cuidador Relatados pelo paciente Impressões globais Observações Testes de função Dependência / Autonomia Estado Funcional VEF1 HbA1c PA FC Tamanho tumor Percepção Geral Bem estar Sintomas Qualidade de vida Satisfação http://www.ispor.org/terminology/ 59
  • 62. 62 Paciente Seleção Administração Resultados Terapêuticos Fatores de risco da farmacoterapia Liberação => Cinética => Dinâmica Idade Sexo Peso, Altura, Cintur a Doenças Fisiologia alterada Cognição & Função História pregressa Família, Meio Social Comportamento Indicações clínicas Medicamentos Regime terapêutico (dose, freq., duração) Objetivos terapêuticos Medicamentos sem indicação clara Condições não tratadas Rotina de medicação Mapa posológico Uso correto (preparo, armazena mento, administraçã o) Adesão ao tratamento Efetividade (parâmetros biológicos, sintomas, quadro funcional) Segurança Percepção da saúde Qualidade de vida Impacto econômico (eficiência) Idade Fisiologia alterada Doenças & Contra- indicações Genética Terapêutica & Interações Fatores cognitivos, funcionais e sociais Construção do Estado Situacional Modelo de Avaliação Ampla da Farmacoterapia Fatores que podem alterar a qualidade, cinética ou dinâmica de medicamentos Fatores ligados ao paciente, à seleção ou administração do medicamento que aumentam o risco de não efetividade ou reações adversos Correr & Otuki, 2011
  • 63. Muito Obrigado! Cassyano J Correr Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná cassyano@ufpr.br