SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Curso: Farmácia 5º período 
Disciplina: Deontologia 
Professor: Hudson Wallença
Acadêmicos: 
Bruna Carolina B. Lima 
Carleandro Santos 
Luana da Silva Ribeiro 
Marianna da Silva Pereira 
Polyana Bruna de Castro Silva
INTRODUÇÃO 
 Praticamente todos os medicamentos podem ser manipulados 
com segurança, agilidade e economia. 
 A personalização é uma das principais características dos 
medicamentos manipulados. Dentre outros... 
 Fazer a opção pelo medicamento manipulado é somente uma 
questão de hábito. Um hábito saudável para você e para o 
seu bolso. 
 O medicamento manipulado tem como principal característica a 
preparação personalizada destinada a determinado usuário que é o 
portador de prescrição realizada por profissional habilitado, de fácil 
rastreamento, e geralmente atendido na farmácia de manipulação.
INTRODUÇÃO 
 Os componentes do medicamento manipulado são descritos 
pelo nome químico, podendo ser mais de um componente 
em uma só formulação. 
 As dosagens são especialmente individualizadas conforme a 
necessidade terapêutica do paciente. 
 Quantidade apropriada para uma terapia eficaz e sem 
desperdícios, proporcionando economia.
FORMAS DE APRESENTAÇÃO 
A tecnologia dos laboratórios de manipulação atuais permite que um 
mesmo princípio ativo seja apresentado conforme as necessidades 
específicas de cada indivíduo, os meios de comercialização mais 
comuns são: 
 Xaropes 
 Comprimidos 
 Pastilhas efervescentes 
 Entre outros 
 Chocolates com o princípio 
ativo desejado para adultos ou 
crianças que apresentem 
dificuldades na ingestão 
de medicamentos de qualquer 
natureza. 
 Cápsulas 
 Creme, gel e pomada 
 Balas de colágeno 
 Sachês solúveis 
 Sabonetes 
 Shampoos
VANTAGENS 
 SEGURANÇA: Quando se trata de medicamentos, não há 
como separar saúde e segurança. É necessário seguir as 
normas de Boas Práticas de Manipulação da ANVISA e do 
Ministério da Saúde E certificado de Garantia Internacional de 
Qualidade ISO 9001. Além de Controle de Qualidade, que 
permite rigorosa seleção e aprovação das matérias-primas 
utilizadas. 
 RESULTADO: O medicamento manipulado é feito 
especialmente para você, de acordo com as suas 
necessidades. Dessa forma, você sempre obtém os melhores 
resultados em seus tratamentos. 
 PRATICIDADE: Algumas farmácias oferecem aos pacientes 
a opção de associar as substâncias necessárias para o seu 
tratamento em uma única fórmula para evitar que ocorra erros
VANTAGENS 
 PERSONALIZAÇÃO: Todo medicamento manipulado deve vir 
acompanhada do rótulo, contendo: nome do paciente, 
composição, validade e modo de usar e cuidados referentes 
ao uso do produto, de acordo com a prescrição médica. 
 ECONOMIA: A quantidade do medicamento vem com a 
quantidade exata para seu tratamento, evitando desperdício e 
consequentemente economia para o paciente. 
 FLEXIBILIDADE: A dosagem necessária para que uma 
determinada substância promova o efeito desejado varia de 
pessoa para pessoa. O medicamento manipulado é feito de 
acordo com a prescrição do médico. Dose certa para a 
pessoa certa: aumenta a eficácia do medicamento e do 
tratamento.
RDC 96/2008 
 A propaganda é proibida para medicamentos manipulados por 
serem produzidos de forma personalizada, considerando-se 
as características individuais de cada paciente, já que os 
mesmos não podem ser divulgados como passíveis de uso 
por qualquer pessoa. 
 É permitido às farmácias distribuir material informativo aos 
profissionais prescritores para divulgar as substâncias que 
manipulam. 
 A permissão é dada somente para profissionais habilitados a 
prescrever medicamentos, contendo os princípios ativos que a 
farmácia disponibiliza para manipulação.
RDC 96/2008 
 As substâncias ativas segundo a sua DCB ou, na sua falta, a 
DCI ou a nomenclatura botânica, bem como as respectivas 
indicações terapêuticas. Todas as informações devem ser 
fielmente extraídas de literatura especializada e publicações 
científicas, e devem estar devidamente referenciadas. 
 No informativo não podem ser veiculados nome comercial, 
preço, designações, símbolos, figuras, imagens, desenhos, 
slogans e quaisquer outros argumentos de cunho publicitário 
em relação às substâncias ativas divulgadas. 
 A farmácia (instituição) pode fazer a divulgação de seu 
estabelecimento sem citar produtos e quaisquer substâncias 
com que ela trabalha.
RDC 96/2008 
 A legislação veda a inclusão de símbolos, figuras, imagens e 
desenhos de cunho publicitário em relação à substância ativa. 
Contudo, são permitidas outras imagens que não tenham 
finalidade promocional. 
 Não é permitida a distribuição de amostras grátis e 
preparações magistrais. Amostra grátis é definida como 
“medicamento com a quantidade total ou específica da 
apresentação registrada na Anvisa destinado à 
distribuição gratuita aos profissionais prescritores como 
ferramenta de publicidade”. 
 Considerando que os medicamentos manipulados não 
são produtos registrados, mas sim preparados na própria 
farmácia, de forma individualizada, não se justifica a sua 
distribuição por meio de amostras grátis.
VIDEO
Imperatriz-MA 
2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêuticaNoções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêutica
Leonardo Souza
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepss
Julia Martins Ulhoa
 
Farmacia Hospitalar
Farmacia HospitalarFarmacia Hospitalar
Farmacia Hospitalar
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Fitoterapia (Histórico) SENAC 2013
Fitoterapia (Histórico) SENAC 2013Fitoterapia (Histórico) SENAC 2013
Fitoterapia (Histórico) SENAC 2013
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Noções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêuticaNoções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêutica
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepss
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Farmacia Hospitalar
Farmacia HospitalarFarmacia Hospitalar
Farmacia Hospitalar
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
 
AAula de Farnacologia 1
AAula de Farnacologia  1AAula de Farnacologia  1
AAula de Farnacologia 1
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
 

Destaque

Destaque (8)

História da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilHistória da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no Brasil
 
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
 
Apostila de formulas
Apostila de formulasApostila de formulas
Apostila de formulas
 
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladasA importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
 

Semelhante a MEDICAMENTOS MANIPULADOS

10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
Elizeu Ferro
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Natalya Maia
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
OdilonCalian1
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêutico
Bruno Pereira
 

Semelhante a MEDICAMENTOS MANIPULADOS (20)

Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF  (1).pdfAula 1 Introdução A IF  (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
2º AULA.pptx
2º AULA.pptx2º AULA.pptx
2º AULA.pptx
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
 
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdfAPOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
 
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentosAnvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
 
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoCartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
 
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentosCartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
 
8901
89018901
8901
 
Big Cim
Big CimBig Cim
Big Cim
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
ADM e Drogas 2
ADM e Drogas 2ADM e Drogas 2
ADM e Drogas 2
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêutico
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
 

Último

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 

Último (10)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 

MEDICAMENTOS MANIPULADOS

  • 1. Curso: Farmácia 5º período Disciplina: Deontologia Professor: Hudson Wallença
  • 2. Acadêmicos: Bruna Carolina B. Lima Carleandro Santos Luana da Silva Ribeiro Marianna da Silva Pereira Polyana Bruna de Castro Silva
  • 3. INTRODUÇÃO  Praticamente todos os medicamentos podem ser manipulados com segurança, agilidade e economia.  A personalização é uma das principais características dos medicamentos manipulados. Dentre outros...  Fazer a opção pelo medicamento manipulado é somente uma questão de hábito. Um hábito saudável para você e para o seu bolso.  O medicamento manipulado tem como principal característica a preparação personalizada destinada a determinado usuário que é o portador de prescrição realizada por profissional habilitado, de fácil rastreamento, e geralmente atendido na farmácia de manipulação.
  • 4. INTRODUÇÃO  Os componentes do medicamento manipulado são descritos pelo nome químico, podendo ser mais de um componente em uma só formulação.  As dosagens são especialmente individualizadas conforme a necessidade terapêutica do paciente.  Quantidade apropriada para uma terapia eficaz e sem desperdícios, proporcionando economia.
  • 5. FORMAS DE APRESENTAÇÃO A tecnologia dos laboratórios de manipulação atuais permite que um mesmo princípio ativo seja apresentado conforme as necessidades específicas de cada indivíduo, os meios de comercialização mais comuns são:  Xaropes  Comprimidos  Pastilhas efervescentes  Entre outros  Chocolates com o princípio ativo desejado para adultos ou crianças que apresentem dificuldades na ingestão de medicamentos de qualquer natureza.  Cápsulas  Creme, gel e pomada  Balas de colágeno  Sachês solúveis  Sabonetes  Shampoos
  • 6. VANTAGENS  SEGURANÇA: Quando se trata de medicamentos, não há como separar saúde e segurança. É necessário seguir as normas de Boas Práticas de Manipulação da ANVISA e do Ministério da Saúde E certificado de Garantia Internacional de Qualidade ISO 9001. Além de Controle de Qualidade, que permite rigorosa seleção e aprovação das matérias-primas utilizadas.  RESULTADO: O medicamento manipulado é feito especialmente para você, de acordo com as suas necessidades. Dessa forma, você sempre obtém os melhores resultados em seus tratamentos.  PRATICIDADE: Algumas farmácias oferecem aos pacientes a opção de associar as substâncias necessárias para o seu tratamento em uma única fórmula para evitar que ocorra erros
  • 7. VANTAGENS  PERSONALIZAÇÃO: Todo medicamento manipulado deve vir acompanhada do rótulo, contendo: nome do paciente, composição, validade e modo de usar e cuidados referentes ao uso do produto, de acordo com a prescrição médica.  ECONOMIA: A quantidade do medicamento vem com a quantidade exata para seu tratamento, evitando desperdício e consequentemente economia para o paciente.  FLEXIBILIDADE: A dosagem necessária para que uma determinada substância promova o efeito desejado varia de pessoa para pessoa. O medicamento manipulado é feito de acordo com a prescrição do médico. Dose certa para a pessoa certa: aumenta a eficácia do medicamento e do tratamento.
  • 8. RDC 96/2008  A propaganda é proibida para medicamentos manipulados por serem produzidos de forma personalizada, considerando-se as características individuais de cada paciente, já que os mesmos não podem ser divulgados como passíveis de uso por qualquer pessoa.  É permitido às farmácias distribuir material informativo aos profissionais prescritores para divulgar as substâncias que manipulam.  A permissão é dada somente para profissionais habilitados a prescrever medicamentos, contendo os princípios ativos que a farmácia disponibiliza para manipulação.
  • 9. RDC 96/2008  As substâncias ativas segundo a sua DCB ou, na sua falta, a DCI ou a nomenclatura botânica, bem como as respectivas indicações terapêuticas. Todas as informações devem ser fielmente extraídas de literatura especializada e publicações científicas, e devem estar devidamente referenciadas.  No informativo não podem ser veiculados nome comercial, preço, designações, símbolos, figuras, imagens, desenhos, slogans e quaisquer outros argumentos de cunho publicitário em relação às substâncias ativas divulgadas.  A farmácia (instituição) pode fazer a divulgação de seu estabelecimento sem citar produtos e quaisquer substâncias com que ela trabalha.
  • 10. RDC 96/2008  A legislação veda a inclusão de símbolos, figuras, imagens e desenhos de cunho publicitário em relação à substância ativa. Contudo, são permitidas outras imagens que não tenham finalidade promocional.  Não é permitida a distribuição de amostras grátis e preparações magistrais. Amostra grátis é definida como “medicamento com a quantidade total ou específica da apresentação registrada na Anvisa destinado à distribuição gratuita aos profissionais prescritores como ferramenta de publicidade”.  Considerando que os medicamentos manipulados não são produtos registrados, mas sim preparados na própria farmácia, de forma individualizada, não se justifica a sua distribuição por meio de amostras grátis.
  • 11. VIDEO