SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
R AYA N E K E L E N D O R N E L AS
F A R M A C Ê U T I C A G E N E R A L I S T A
D I S C . F A R M A C O L O G I A E F A R M Á C I A C L Í N I C A
INTRODUÇÃO A
FARMACOLOGIA
Atividade
 Quais são suas expectativas com a disciplina de
Farmacologia.
 Cite duas dificuldades em relação aos estudos.
 Cite duas habilidades em relação aos estudos.
(2 minutos para esta atividade)
Apresentação
 Cada aluno terá 1 minuto para se apresentar e expor
suas expectativas; dificuldades e habilidades.
Reflexão
Antes de ser um bom profissional,
seja um excelente ser humano.
Ementa
Metodologia Pontuação Data de
Entrega
Trabalho individual 10,00 11/02/2019
Seminário
Trabalho teórico
Apresentação
10,00
10,00
18/02/2019
Avaliação 20,0 20/02/2019
Entrega do diário - 22/02/2019
Competências
 Conhecer normas de segurança relativas ao
manuseio e administração de medicamentos.
Habilidades
 Identificar os medicamentos mais prescritos e seus
princípios ativos (P.A),
 Realizar cálculo de medicamentos com precisão;
 Vias de administração;
 Interpretar e aplicar normas de segurança relativas
ao manuseio de antineoplásicos.
Bases Tecnológicas
 Noções de farmacologia;
 Interações Medicamentosas;
 Cálculo de Medicamentos;
 Fracionamento de Doses;
 Técnicas de administração de medicamentos (vias de
adm.).
Objetivos específicos desta aula
1. O que é farmacologia como um todo;
2. Como a mesma evolui-se como disciplina científica;
3. A importância de ser um detentor de saberes
farmacológicos;
4. Artigos científicos;
5. Como se disciplinar para criar hábitos de estudos
contínuos.
O que é um fármaco?
 Farmacologia ciência que estuda os fármacos.
 Fármaco é uma substância química de estrutura
conhecida, que não seja um nutriente ou um ingrediente
essencial na dieta, o qual quando administrado a um
organismo vivo, produz um efeito biológico.
 Para ser considerado um fármaco, essa substância deve
ser administrada como tal e não ser produzida/liberada
por mecanismos fisiológicos (ex.: insulina e tiroxina).
Origem dos fármacos
 Sintéticas;
 Animal;
 Vegetal;
 Mineral.
Medicamentos
 Medicamento é uma preparação química quem em
geral contém um ou mais fármacos, administrados
com a intenção de produzir algum efeito terapêutico.
“Alma dos Medicamentos”
 Excipientes;
 Conservantes;
 Solventes;
 Entre outros...
Droga
 No jargão atual, a palavra droga é freqüentemente
associada a substâncias que causam dependência,
narcóticos ou que alteram a consciência.
 Essa é uma infeliz conotação negativa que leva a uma
opinião preconceituosa contra qualquer forma de
terapia química.
Definição correta de droga
 Droga: substância ou matéria-prima que tenha
finalidade medicamentosa ou sanitária. (Lei nº
5.991, 17 de Dez. de 1973).
Farmacologia: origem e antecedentes
 Farmacologia pode ser definida como ciência que
estuda os efeitos dos fármacos no sistemas vivos;
 Como ciência surgiu em meados do século XIX
(baseado nos princípios da experimentação e não em
crenças).
Robert Boyle
 Fundamentos científicos da química em meados do
século XVII;
 Foi capaz de reconhecer misturas de larvas, estrume,
urina e fungos do crânio de um homem morto como
uma forma terapêutica (A Collection of Choice
Remedies, 1692).
 O impulso da farmacologia veio da NECESSIDADE
de melhorar o resultado de intervenções terapêuticas
médicas.
 O conhecimento era rudimentar em relação ao efeito
dos fármacos no organismo (bases grosseiras).
 Doença/morte eram considerado assuntos
semissagrados, sua base era mais articulada por
doutrinas autoritárias do que científica.
Marcos da evolução da farmacologia:
 Motivação para compreender o que os fármacos podem e não
podem fazer em prática clínica;
 1805, m aperfeiçoamento inicial em química, foi a purificação da
morfina a partir do ópio, por Friedrich Sertürner (jovem boticário),
outras substâncias rapidamente se seguiram e, mesmo que suas
estruturas fossem desconhecidas, esses compostos, mostraram que
os produtos químicos, e não “magia ou forças vitais” eram
responsáveis pelos efeitos que os extratos de plantas produziam no
organismos vivos;
 1847, Rudolf Buchheim, com uma visão corajosa, criou o primeiro
instituto de farmacologia (em sua própria casa), Estônia;
Morfina
 1858, Virchow, propôs a teoria celular;
 1968, o primeiro uso de uma fórmula estrutural para
descrever um composto químico;
 1878, Pasteur, a descoberta da bactéria como causa
de doença.
 Nos primórdios, antecedentes da química orgânica
sintética, a farmacologia se relacionava
exclusivamente com a compreensão dos efeitos de
substâncias naturais, principalmente, extratos
botânicos e algumas substâncias químicas Mercúrio
e Arsênico (substâncias tóxicas).
 Século XVI as mulheres se conhecia
também a ação do sulfato de arsênico
usavam para depilação, mas não de
pernas e axilas, mas de bigodes e
barbas.
 No início do século XIX, que se tenta
pela primeira vez eliminar as rugas
usando um método chamado
“esmaltado do rosto”. Este, consistia
em lavar primeiro o rosto com um
líquido alcalino, depois passar uma
pasta para preencher as rugas e em
cima colocar uma camada de
esmalte, feita com arsénio e chumbo,
que durava aproximadamente um
ano.
Curiosidade
 Um radioisótopo ou
isótopo radioativo
caracteriza-se por
apresentar um núcleo
atómico instável que
emite energia quando se
transforma num isótopo
mais estável.
Radioisótopo
Penicilina
 A descoberta da penicilina se deu de forma acidental, pelo médico e bacteriologista
escocês Alexander Fleming, em 1928.
 Pesquisando substâncias capazes de combater bactérias em feridas, esqueceu seu
material de estudo sobre a mesa enquanto saía de férias. Ao retornar, observou que
suas culturas de Staphylococcus aureus estavam contaminadas por mofo e que, nos
locais onde havia o fungo, existiam halos transparentes em torno deles, indicando
que este poderia conter alguma substância bactericida.
 Ao estudar as propriedades deste bolor, identificado como pertencente ao gênero
Penicillium.
 Fleming percebeu que ele fornecia uma substância capaz de eliminar diversas
bactérias, como as estafilococos: responsáveis pela manifestação de diversas
doenças, tanto comuns quanto mais graves.
 A substância recebeu o nome de “penicilina”.
Alexander Fleming
Antibiograma
Isomeria
 Isomeria é o fenômeno de dois ou mais compostos
apresentarem a mesma fórmula molecular (F.M.) e
fórmulas estruturais diferentes.
Teratogenicidade dos Fármacos
 Teratogenicidade: Capacidade de produzir
malformações congênitas no feto.
 Gerhard Domagk,1935, sulfonamidas, durante a
segunda guerra mundial, com base nos trabalhos
iniciais de Flameng;
 Mediadores químicos;
 Embasamento interligado farmacologia X fisiologia;
 Conceito de “receptor”,
Iatrogenia
 Refere-se a um estado de doença - efeitos adversos
ou complicações causadas por ou resultantes do
tratamento médico.
Gerhard Domagk
 A bioquímica como ciência distinta no início do
século XX;
 A descoberta de enzimas e a descrição das vias
bioquímicas, subsídios adicionais para compreensão
dos efeitos dos fármacos.
Sérgio Henrique Ferreira
 Sérgio Henrique Ferreira, que, juntamente com seus
colaboradores, isolou, na década de 1960, do veneno
da Bothrops jararaca, um princípio ativo capaz de
intensificar a resposta à bradicinina e que foi
denominado FPB (fator potencializador da
bradicinina).
Captopril
A indústria farmacêutica se tornou um grande
negócio, hoje grande parte das pesquisas
farmacológicas acontecem sob. motivações
comerciais.
Princípios terapêuticos alternativos
 Os fármacos, na medicina moderna, é a principal
ferramenta de terapia (terapia farmacoterapêutica);
 Outros procedimentos terapêuticos: cirurgias; dietas,
atividade física; tratamento psicológico, alimentação
saudável, entre outros – Intervencionismo
Intencional.
Doença
 Doença é um desequilíbrio subjacente das funções
normais (homeostasia), o qual pode ser definido em
termos estruturais e bioquímicos (clínica),
detectados por meios objetivos e influenciado
beneficamente por intervenções físicas ou químicas
apropriadas (Rang & Dale, 8.ed).
 Sangria;
 Homeopatia (Hahnemann);
 Hemoterapia;
 Urinoterapia;
 Entre outras...
Essas medidas alternativas deixam de lado a objetividade
em definir e mensurar a doença; divergem os princípios
científicos. Infelizmente a busca por terapias
“alternativas” pelo público em geral não está relacionada
com comprovação científica/eficácia,
Fluxograma: desenvolvimento da farmacologia
3000 a.C, 1600 d.C, 1800, 1900, 1970 a 2000
Terapêutica
• Poções mágicas;
• Medicamentos a base de ervas.
Química
• Produtos naturais;
• Estrutura química;
• Química Sintética.
Ciências
Biomédicas
• FARMACOLOGIA;
• Patologia, fisiologia, bioquímica, Biologia Molecular.
Indústria
Farmacêutica
• COMÉRCIO;
• Indústria farmacêutica – fármacos sintéticos.
Advento da Biotecnologia
 1980, a biotecnologia surgiu como importante fonte de novos
agentes terapêuticos; na forma de anticorpos, hormônios, enzimas,
proteínas reguladoras, fatores de crescimento, citocinas.
 Biotecnologia originalmente era a produção de fármacos e outros
produtos úteis por meio biológico.
Ex.: p. ex., produção de antibióticos por microorganismos ou
produção de anticorpos monoclonais. Atualmente, se refere ao uso
da tecnologia do DNA recombinante.
 Em geral produzido por engenharia genética os princípios
farmacológicos são essencialmente os mesmos.
 Terapias baseadas na célula e no gene.
 Farmacogenética: É o estudo das influências
genéticas sobre as respostas aos fármacos.
 Farmacogenômicas: Uso de informação genética
para nortear a escolha de uma terapia
medicamentosa em bases INDIVIDUAIS
(constituição genética).
 Farmacoepidemiologia: Estudo do efeito dos
fármacos em nível populacional.
 Farmacoeconomia: Quantificar em termos
econômicos , os custos/benefícios dos fármacos
terapeuticamente utilizados.
Definições
 Alopatia: sistema de medicação usado pela medicina tradicional. O
princípio básico da alopatia é combater as doenças com o uso de
medicamentos que produzam efeitos contrários aos sintomas
causados por elas.
 Fitoterapia age partindo do mesmo princípio da alopatia, A
diferença principal entre os dois tipos de terapias medicamentosas -
a fitoterapia e a alopatia - é que os remédios fitoterápicos são de
origem exclusivamente vegetal.
 Homeopatia o princípio básico da homeopatia, por sua vez, é o
oposto ao da alopatia. Ao invés de combater as doenças e seus
sintomas com o uso de medicamentos que produzem efeitos
contrários e eles, a homeopatia é baseada na cura pelo
semelhante e doses homeopáticas.
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
ANDRESSA POUBEL
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 

Mais procurados (20)

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Farmacologia e definicões
Farmacologia e definicõesFarmacologia e definicões
Farmacologia e definicões
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 

Semelhante a Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem

Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Jucie Vasconcelos
 
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
BruceCosta4
 
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
Alexandre Vicente
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
KEYTIANE JVA
 

Semelhante a Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem (20)

AULA 01 - CONCEITO-NOMENCLATURA-ORIGEM.pdf
AULA 01 - CONCEITO-NOMENCLATURA-ORIGEM.pdfAULA 01 - CONCEITO-NOMENCLATURA-ORIGEM.pdf
AULA 01 - CONCEITO-NOMENCLATURA-ORIGEM.pdf
 
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013   - Introduçao à farmacologiaMedResumos 2013   - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
 
Farmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdfFarmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdf
 
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
 
aula 1 farmaco.pdf
aula 1 farmaco.pdfaula 1 farmaco.pdf
aula 1 farmaco.pdf
 
Farmacologia aplicada à Psicopedagogia
Farmacologia aplicada à PsicopedagogiaFarmacologia aplicada à Psicopedagogia
Farmacologia aplicada à Psicopedagogia
 
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
 
Capítulo 01 farmacologia
Capítulo 01 farmacologiaCapítulo 01 farmacologia
Capítulo 01 farmacologia
 
Noções de Farmacologia - Flávia Soares.pdf
Noções de Farmacologia - Flávia Soares.pdfNoções de Farmacologia - Flávia Soares.pdf
Noções de Farmacologia - Flávia Soares.pdf
 
Apostila farmacologia
Apostila farmacologiaApostila farmacologia
Apostila farmacologia
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologia   Resumo farmacologia
Resumo farmacologia
 
Farmacologia resumos
Farmacologia resumosFarmacologia resumos
Farmacologia resumos
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
Farmacologia01 introduoafarmacologia-medresumos2011-120627022614-phpapp02
 
Fundamentos da Homeopatia
Fundamentos da HomeopatiaFundamentos da Homeopatia
Fundamentos da Homeopatia
 
Aula 9 - Características importantes do medicamento.pptx
Aula 9 - Características importantes do medicamento.pptxAula 9 - Características importantes do medicamento.pptx
Aula 9 - Características importantes do medicamento.pptx
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila98230944 farmacotecnica-apostila
98230944 farmacotecnica-apostila
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologia
 

Mais de RAYANE DORNELAS

Mais de RAYANE DORNELAS (9)

Grupo de Cessação ao Tabagismo
Grupo de Cessação ao Tabagismo Grupo de Cessação ao Tabagismo
Grupo de Cessação ao Tabagismo
 
ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO: HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)
ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO: HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO: HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)
ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO: HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)
 
Sistema Respiratório - Casos Clínicos - Farmacologia
Sistema Respiratório - Casos Clínicos - FarmacologiaSistema Respiratório - Casos Clínicos - Farmacologia
Sistema Respiratório - Casos Clínicos - Farmacologia
 
ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PESSOA IDOSA
ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PESSOA IDOSA ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PESSOA IDOSA
ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PESSOA IDOSA
 
TABAGISMO-Acompanhamento Farmacoterapêutico
TABAGISMO-Acompanhamento FarmacoterapêuticoTABAGISMO-Acompanhamento Farmacoterapêutico
TABAGISMO-Acompanhamento Farmacoterapêutico
 
Atestado de vacina parcial de vacina
Atestado de vacina parcial de vacinaAtestado de vacina parcial de vacina
Atestado de vacina parcial de vacina
 
Modelo - Atestado de vacina em dia/PSE
Modelo - Atestado de vacina em dia/PSEModelo - Atestado de vacina em dia/PSE
Modelo - Atestado de vacina em dia/PSE
 
Atenção Farmacêutica- Pré Analítica
Atenção Farmacêutica- Pré AnalíticaAtenção Farmacêutica- Pré Analítica
Atenção Farmacêutica- Pré Analítica
 
Projeto higiene pessoal
Projeto higiene pessoalProjeto higiene pessoal
Projeto higiene pessoal
 

Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem

  • 1. R AYA N E K E L E N D O R N E L AS F A R M A C Ê U T I C A G E N E R A L I S T A D I S C . F A R M A C O L O G I A E F A R M Á C I A C L Í N I C A INTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA
  • 2.
  • 3. Atividade  Quais são suas expectativas com a disciplina de Farmacologia.  Cite duas dificuldades em relação aos estudos.  Cite duas habilidades em relação aos estudos. (2 minutos para esta atividade)
  • 4. Apresentação  Cada aluno terá 1 minuto para se apresentar e expor suas expectativas; dificuldades e habilidades.
  • 5. Reflexão Antes de ser um bom profissional, seja um excelente ser humano.
  • 6. Ementa Metodologia Pontuação Data de Entrega Trabalho individual 10,00 11/02/2019 Seminário Trabalho teórico Apresentação 10,00 10,00 18/02/2019 Avaliação 20,0 20/02/2019 Entrega do diário - 22/02/2019
  • 7. Competências  Conhecer normas de segurança relativas ao manuseio e administração de medicamentos.
  • 8. Habilidades  Identificar os medicamentos mais prescritos e seus princípios ativos (P.A),  Realizar cálculo de medicamentos com precisão;  Vias de administração;  Interpretar e aplicar normas de segurança relativas ao manuseio de antineoplásicos.
  • 9. Bases Tecnológicas  Noções de farmacologia;  Interações Medicamentosas;  Cálculo de Medicamentos;  Fracionamento de Doses;  Técnicas de administração de medicamentos (vias de adm.).
  • 10.
  • 11. Objetivos específicos desta aula 1. O que é farmacologia como um todo; 2. Como a mesma evolui-se como disciplina científica; 3. A importância de ser um detentor de saberes farmacológicos; 4. Artigos científicos; 5. Como se disciplinar para criar hábitos de estudos contínuos.
  • 12. O que é um fármaco?  Farmacologia ciência que estuda os fármacos.  Fármaco é uma substância química de estrutura conhecida, que não seja um nutriente ou um ingrediente essencial na dieta, o qual quando administrado a um organismo vivo, produz um efeito biológico.  Para ser considerado um fármaco, essa substância deve ser administrada como tal e não ser produzida/liberada por mecanismos fisiológicos (ex.: insulina e tiroxina).
  • 13. Origem dos fármacos  Sintéticas;  Animal;  Vegetal;  Mineral.
  • 14. Medicamentos  Medicamento é uma preparação química quem em geral contém um ou mais fármacos, administrados com a intenção de produzir algum efeito terapêutico.
  • 15. “Alma dos Medicamentos”  Excipientes;  Conservantes;  Solventes;  Entre outros...
  • 16. Droga  No jargão atual, a palavra droga é freqüentemente associada a substâncias que causam dependência, narcóticos ou que alteram a consciência.  Essa é uma infeliz conotação negativa que leva a uma opinião preconceituosa contra qualquer forma de terapia química.
  • 17. Definição correta de droga  Droga: substância ou matéria-prima que tenha finalidade medicamentosa ou sanitária. (Lei nº 5.991, 17 de Dez. de 1973).
  • 18. Farmacologia: origem e antecedentes  Farmacologia pode ser definida como ciência que estuda os efeitos dos fármacos no sistemas vivos;  Como ciência surgiu em meados do século XIX (baseado nos princípios da experimentação e não em crenças).
  • 19. Robert Boyle  Fundamentos científicos da química em meados do século XVII;  Foi capaz de reconhecer misturas de larvas, estrume, urina e fungos do crânio de um homem morto como uma forma terapêutica (A Collection of Choice Remedies, 1692).
  • 20.  O impulso da farmacologia veio da NECESSIDADE de melhorar o resultado de intervenções terapêuticas médicas.  O conhecimento era rudimentar em relação ao efeito dos fármacos no organismo (bases grosseiras).  Doença/morte eram considerado assuntos semissagrados, sua base era mais articulada por doutrinas autoritárias do que científica.
  • 21. Marcos da evolução da farmacologia:  Motivação para compreender o que os fármacos podem e não podem fazer em prática clínica;  1805, m aperfeiçoamento inicial em química, foi a purificação da morfina a partir do ópio, por Friedrich Sertürner (jovem boticário), outras substâncias rapidamente se seguiram e, mesmo que suas estruturas fossem desconhecidas, esses compostos, mostraram que os produtos químicos, e não “magia ou forças vitais” eram responsáveis pelos efeitos que os extratos de plantas produziam no organismos vivos;  1847, Rudolf Buchheim, com uma visão corajosa, criou o primeiro instituto de farmacologia (em sua própria casa), Estônia;
  • 23.  1858, Virchow, propôs a teoria celular;  1968, o primeiro uso de uma fórmula estrutural para descrever um composto químico;  1878, Pasteur, a descoberta da bactéria como causa de doença.
  • 24.  Nos primórdios, antecedentes da química orgânica sintética, a farmacologia se relacionava exclusivamente com a compreensão dos efeitos de substâncias naturais, principalmente, extratos botânicos e algumas substâncias químicas Mercúrio e Arsênico (substâncias tóxicas).
  • 25.
  • 26.  Século XVI as mulheres se conhecia também a ação do sulfato de arsênico usavam para depilação, mas não de pernas e axilas, mas de bigodes e barbas.  No início do século XIX, que se tenta pela primeira vez eliminar as rugas usando um método chamado “esmaltado do rosto”. Este, consistia em lavar primeiro o rosto com um líquido alcalino, depois passar uma pasta para preencher as rugas e em cima colocar uma camada de esmalte, feita com arsénio e chumbo, que durava aproximadamente um ano. Curiosidade
  • 27.
  • 28.  Um radioisótopo ou isótopo radioativo caracteriza-se por apresentar um núcleo atómico instável que emite energia quando se transforma num isótopo mais estável. Radioisótopo
  • 29.
  • 30.
  • 31. Penicilina  A descoberta da penicilina se deu de forma acidental, pelo médico e bacteriologista escocês Alexander Fleming, em 1928.  Pesquisando substâncias capazes de combater bactérias em feridas, esqueceu seu material de estudo sobre a mesa enquanto saía de férias. Ao retornar, observou que suas culturas de Staphylococcus aureus estavam contaminadas por mofo e que, nos locais onde havia o fungo, existiam halos transparentes em torno deles, indicando que este poderia conter alguma substância bactericida.  Ao estudar as propriedades deste bolor, identificado como pertencente ao gênero Penicillium.  Fleming percebeu que ele fornecia uma substância capaz de eliminar diversas bactérias, como as estafilococos: responsáveis pela manifestação de diversas doenças, tanto comuns quanto mais graves.  A substância recebeu o nome de “penicilina”.
  • 34. Isomeria  Isomeria é o fenômeno de dois ou mais compostos apresentarem a mesma fórmula molecular (F.M.) e fórmulas estruturais diferentes.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Teratogenicidade dos Fármacos  Teratogenicidade: Capacidade de produzir malformações congênitas no feto.
  • 38.
  • 39.  Gerhard Domagk,1935, sulfonamidas, durante a segunda guerra mundial, com base nos trabalhos iniciais de Flameng;  Mediadores químicos;  Embasamento interligado farmacologia X fisiologia;  Conceito de “receptor”,
  • 40. Iatrogenia  Refere-se a um estado de doença - efeitos adversos ou complicações causadas por ou resultantes do tratamento médico.
  • 42.  A bioquímica como ciência distinta no início do século XX;  A descoberta de enzimas e a descrição das vias bioquímicas, subsídios adicionais para compreensão dos efeitos dos fármacos.
  • 43. Sérgio Henrique Ferreira  Sérgio Henrique Ferreira, que, juntamente com seus colaboradores, isolou, na década de 1960, do veneno da Bothrops jararaca, um princípio ativo capaz de intensificar a resposta à bradicinina e que foi denominado FPB (fator potencializador da bradicinina).
  • 45.
  • 46. A indústria farmacêutica se tornou um grande negócio, hoje grande parte das pesquisas farmacológicas acontecem sob. motivações comerciais.
  • 47. Princípios terapêuticos alternativos  Os fármacos, na medicina moderna, é a principal ferramenta de terapia (terapia farmacoterapêutica);  Outros procedimentos terapêuticos: cirurgias; dietas, atividade física; tratamento psicológico, alimentação saudável, entre outros – Intervencionismo Intencional.
  • 48. Doença  Doença é um desequilíbrio subjacente das funções normais (homeostasia), o qual pode ser definido em termos estruturais e bioquímicos (clínica), detectados por meios objetivos e influenciado beneficamente por intervenções físicas ou químicas apropriadas (Rang & Dale, 8.ed).
  • 49.  Sangria;  Homeopatia (Hahnemann);  Hemoterapia;  Urinoterapia;  Entre outras... Essas medidas alternativas deixam de lado a objetividade em definir e mensurar a doença; divergem os princípios científicos. Infelizmente a busca por terapias “alternativas” pelo público em geral não está relacionada com comprovação científica/eficácia,
  • 50. Fluxograma: desenvolvimento da farmacologia 3000 a.C, 1600 d.C, 1800, 1900, 1970 a 2000 Terapêutica • Poções mágicas; • Medicamentos a base de ervas. Química • Produtos naturais; • Estrutura química; • Química Sintética. Ciências Biomédicas • FARMACOLOGIA; • Patologia, fisiologia, bioquímica, Biologia Molecular. Indústria Farmacêutica • COMÉRCIO; • Indústria farmacêutica – fármacos sintéticos.
  • 51. Advento da Biotecnologia  1980, a biotecnologia surgiu como importante fonte de novos agentes terapêuticos; na forma de anticorpos, hormônios, enzimas, proteínas reguladoras, fatores de crescimento, citocinas.  Biotecnologia originalmente era a produção de fármacos e outros produtos úteis por meio biológico. Ex.: p. ex., produção de antibióticos por microorganismos ou produção de anticorpos monoclonais. Atualmente, se refere ao uso da tecnologia do DNA recombinante.  Em geral produzido por engenharia genética os princípios farmacológicos são essencialmente os mesmos.  Terapias baseadas na célula e no gene.
  • 52.
  • 53.  Farmacogenética: É o estudo das influências genéticas sobre as respostas aos fármacos.  Farmacogenômicas: Uso de informação genética para nortear a escolha de uma terapia medicamentosa em bases INDIVIDUAIS (constituição genética).  Farmacoepidemiologia: Estudo do efeito dos fármacos em nível populacional.
  • 54.  Farmacoeconomia: Quantificar em termos econômicos , os custos/benefícios dos fármacos terapeuticamente utilizados.
  • 55. Definições  Alopatia: sistema de medicação usado pela medicina tradicional. O princípio básico da alopatia é combater as doenças com o uso de medicamentos que produzam efeitos contrários aos sintomas causados por elas.  Fitoterapia age partindo do mesmo princípio da alopatia, A diferença principal entre os dois tipos de terapias medicamentosas - a fitoterapia e a alopatia - é que os remédios fitoterápicos são de origem exclusivamente vegetal.  Homeopatia o princípio básico da homeopatia, por sua vez, é o oposto ao da alopatia. Ao invés de combater as doenças e seus sintomas com o uso de medicamentos que produzem efeitos contrários e eles, a homeopatia é baseada na cura pelo semelhante e doses homeopáticas.