SlideShare uma empresa Scribd logo
Graduandas em Nutrição –
6º semestre:
FITOTERAPIA
Fitoterapia
INTRODUÇÃO
Esse modelo deve buscar a sustentabilidade econômica e ecológica, respeitando
princípios éticos e compromissos internacionais assumidos e promovendo a
geração de riquezas com inclusão social.
O Brasil, com seu amplo patrimônio genético e sua diversidade cultural, têm em
mãos a oportunidade para estabelecer um modelo de desenvolvimento próprio e
soberano no Sistema Único de Saúde (SUS) com o uso de plantas medicinais e
fitoterápicos.
A fitoterapia constitui uma forma de terapia medicinal que vem crescendo
notadamente neste começo do século XXI.
Apresentar os principais
fitoterápicos utilizados
tradicionalmente nas
mais variadas
desordens orgânicas.
Analisar os mecanismos,
posologia, indicações e
contraindicações do uso de
fitoterapia nas mais variadas
desordens orgânicas.
OBJETIVOS
Analisar, refletir e formar
sólido conhecimento a
respeito da utilização de
plantas medicinais e
fitoterápicos em diferentes
desordens orgânicas.
Fitoterápicos benéficos na prevenção de cáries e periodontite.
NOME POPULAR/
BOTÂNICO
FAMÍLIA/ PARTE
UTILIZADA
EFEITOS
Cranberry –
Vaccinium oxycoccus ou
Vaccinium macrocarpon
Ericaceae – Frutos
Efeito benéfico na inibição de
patógenos orais após contato com a
mucosa oral.
Cacau –
Teobroma cacao
Malvaceae – Semente
Solução de enxágue oral à base de
cacau em pó trouxe efeitos positivos
na prevenção das cáries, reduzindo a
formação de biofilme e a produção de
ácido pelo S. mutans e S. sanguinis.
A fitoterapia e os seus fitomedicamentos apresentam
um amplo espectro de indicações para as doenças
gastroenterológicas e vem se firmando como uma
estratégia terapêutica de prevenção.
TGI x FITOTERAPIA
NOME POPULAR/BOTÂNICO
FAMÍLIA/ PARTE
UTILIZADA
EFEITOS
Café –
Coffea arabica
Rubiaceae – Semente
Os compostos fenólicos
presentes em Solução aquosa
fervida e não fervida de café,
apresentam efeito
anticariogênico.
Chá verde –
Camelia sinensis
Theaceae – Folhas
Possui efeito bactericida em
bactérias orais, previne a
aderência de bactérias na
superfície dos dentes e provoca
inibição da produção de glucanas.
Erva doce –
Foeniculum vulgare ou
Pimpinella anisum
Umbelliferae – Folhas
Apresentam atividade
antimicrobiana exercendo efeitos
antibacterianos sobre
Staphylococus aureus, Bacillus
cereus, Pseudomonas aeruginosa
e Proteus vulgaris.
Plantas medicinais utilizadas no tratamento da obstipação por efeito estimulante do
peristaltismo intestinal.
A constipação do intestino é um sintoma frequente que afeta entre
2% a 27% da população de países ocidentais, dependendo do grupo
estudado sendo mais frequente em mulheres e idosos.
(COFRE et al., 2008)
NOME
POPULAR/BOTÂNICO
FAMÍLIA/ PARTE
UTILIZADA
EFEITOS
Aloe vera –
Aloe barbadensi
Liliaceae – Seiva das folhas Efeito laxativo.
Sene –
Cassia angustifólia
Fabaceae - Folhas
Apresenta efeito
estimulante do
peristaltismo intestinal.
OBSTIPAÇÃO x FITOTERAPIA
Os taninos têm ação de precipitação de proteína e, portanto, quando aplicados a
membranas das mucosas, fazem as proteínas serem depositadas na superfície
epitelial revestindo o lúmen do intestino como uma película protetora que
normaliza a hiperperistaltia (SAAD et al., 2009).
Diarreia é caracterizada pela evacuação de fezes líquidas ou
semilíquidas mais de três vezes ao dia. Para o tratamento das
diarreias recomenda-se a administração de fitoterápicos contendo
boa quantidade de taninos.
(PALOMBO, 2006)
CHÁ VERDE CHÁ PRETO
DIARREIA x FITOTERAPIA
Patologia multifatorial considerada um dos maiores problemas de saúde
pública, além de ser uma das DCNTs que mais cresce epidemiologicamente
no mundo, o que caracteriza um fator predisponente à da longevidade
(em média, 13 anos) e da mortalidade.
ODESIDADE x FITOTERAPIA
DM x FITOTERAPIA
Diabetes Mellitus é a mais frequente doença do metabolismo dos açúcares.
Uma síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou
da incapacidade de ela exercer adequadamente seus efeitos, resultando
em resistência insulínica. Caracteriza-se pela presença de hiperglicemia
crônica, frequentemente, acompanhada de dislipidemia, hipertensão
arterial e disfunção endotelial.
Sociedade Brasileira de Diabetes.
FITOTERAPIA EM OBESIDADE E DIABETES
NOME POPULAR/
BOTÂNICO
EFEITOS
Açafrão –
Curcuma longa
Produz redução não apenas da glicemia, mas também do colesterol, triglicerídeos e
fosfolipídios do sangue. Demonstra melhora de forma significativa nas lesões renais
associadas a diabetes e a cicatrização de feridas na pele.
Gengibre –
Zingiber officinale
Ação antidiabética, hipolipidêmica e impacto positivo na reversão da proteinúria diabética. O
suco de gengibre (fresco) produziu o aumento dos níveis de insulina e o decréscimo dos níveis
de glicose rápida plasmática. O gengibre também possui efeito efetivo contra o
desenvolvimento da catarata em diabéticos.
Pata de vaca –
Bauhinia forficata
Hipoglicemiante em pacientes com diabetes tipo II. Outras propriedades: diurética e anti-
inflamatória. A redução na glicemia foi observada tanto em indivíduos normoglicêmicos como
hiperglicêmicos.
Cajueiro –
Anacardium
occidentale
O extrato desta planta administrado por via oral exibiu ação hipoglicemiante nos 15 a 20
minutos apos a ingestão, observando efeito máximo, após 60 a 90 minutos. Se especula que
este composto estimule as células beta do pâncreas.
FITOTERAPIA EM OBESIDADE E DIABETES
NOME POPULAR/
BOTÂNICO
EFEITOS
Chá verde –
Cammelia sinensis
Pode melhorar a sensibilidade à insulina e o perfil lipídico. Eficiente relação antidiabética. Atua
na termogênese, diminuindo a gordura abdominal.
Carqueja –
Baccharis trimera
Significante redução na glicemia e perda de peso. Administrada a pessoas normoglicêmicas,
provoca um decréscimo nos níveis de glicose no sangue.
Estévia –
Stevia rebaudiana
Poder adoçante, aproximadamente 250 vezes maior que a sacarose. Provoca um decréscimo
na glicemia e nos níveis de glicogênio hepático. As curvas de tolerância a sobrecarga de
glicose pós-prandial resultaram ser melhores nos pacientes diabéticos obesos que tinham
sido tratados previamente com 130-140mg de extrato de Estévia.
Alho –
Allium sativum
Demonstrou diminuir os níveis iniciais de glicemia elevada.
Hibiscus –
Hibiscus sabdariffa
Possui atividade diurética e favorece a digestão lenta e difícil. Alem disso, devido
a presença de ácidos orgânicos possui ação levemente laxante. Estudos mostram que o
Hibiscus inibiu significativamente a acumulação de partículas de gordura.
• Visco-branco (Viscum album L.) É um arbusto de forma esférica
pertencente à família das Loranthaceae cresce como parasita sobre
árvores de folhas caducas e coníferas. Seus caules se ramificam de
forma dicotômica, como frequentemente é encontrado em plantas
inferiores (por exemplo, algas). Apresenta propriedades
hipotensoras, depressoras cardíacas e sedativas.
• Oliveira (Olea europaea)  É uma das principais plantas dos
países mediterrâneos. Como droga vegetal, utilizam-se as folhas,
Oleae folium. Segundo Weiss, estas são recomendadas como
fitoterápico hipotensor.
HAS x FITOTERAPIA
• Desordens do metabolismo das lipoproteínas em conjunto com dietas ricas em
gordura, obesidade e sedentarismo têm resultado em crescente incidência e
prevalência de doença aterosclerótica em adultos moradores de países
desenvolvidos ou em desenvolvimento, em especial a doença coronariana
aterosclerótica. O papel da fitoterapia nas dislipidemias é justificada pela ação
antioxidante, evitando a oxidação de lipoproteínas, e ações coleréticas e
colagogas.
DISLIPIDEMIA x FITOTERAPIA
Boldo do
Chile –
Peumus
boldus
Alcachofra
– Cynara
scolymus
Curcuma
zedoaria -
Zedoária
Berinjela –
Solanum
melongena
Uva – Vitis
vinífera
Guaraná –
Paullinia
cupana
Cranberry –
Vaccinium
macrocarpo
n
•Atualmente as doenças cardiovasculares representam uma das
causas mais frequente de morte no mundo industrializado.
Espinheiro-branco (Crataegus laevigata - Crataegus monogyna)
Aumenta o fluxo sanguíneo coronariano e a irrigação do miocárdio.
Crataegus pertence à família das rosáceas e é um dos
fitoterápicos mais pesquisados pela comunidade científica e sua
eficácia, sob o ponto de vista farmacológico, é comprovada por
diversos estudos científicos.
ICC x FITOTERAPIA
•A degeneração das artérias, a arteriosclerose, manifesta-se
perifericamente na doença arterial obstrutiva periférica.
Ginkgo (Ginkgo biloba)
Os principais constituintes do Ginkgo biloba são: flavonoides, procianidinas,
diterpenoides, ginkgolídeos e bilobalida.
Melhora a capacidade de fluidez do sangue .
DAOP x FITOTERAPIA
•Além das doenças cardíacas degenerativas, as doenças vasculares
cerebrais e periféricas constituem outro grande grupo de doenças do
mundo moderno.
Alho (Allium sativum)
O uso do alho é justificado pela literatura científica
atual que o relaciona com efeitos anti-hipertensivos,
antiaterogênicos, antitrombóticos, antimicrobianos,
fibrinolítico, prevenção de câncer e redutor de lipídeos
(barners, livro).
AVC x FITOTERAPIA
DRC x FITOTERAPIA
• Os fitoterápicos utilizados em doenças do parênquima renal e nefrites, apresentam
diversos efeitos, tais como: espasmolíticos, anti-inflamatórios e antissépticos das
vias urinárias, além de diuréticos. Porém, os fitoterápicos podem ser utilizados na
profilaxia de recidiva de litíase urinária, é eficaz e influencia de modo positivo nos
diferentes sintomas relacionados à micção.
Uva-ursi (Arctostaphylos uvae ursi):
Diurético, antisséptico urinário e adstringente.
Usada tradicionalmente em casos de cistite,
uretrite, disúria, litúria e, especificamente,
cistite catarral com disúria e urina com alto
teor de acidez.
Harpagophytum procumbens
(Garra-do-diabo):
anti-inflamatório e analgésico, amplamente
utilizado no combate da gota, reduz o ácido
úrico.
Banisteria argyrophilla (Cipó-prata):
anti-inflamatório, diurético, indicado no
combate das afecções renais e do ácido úrico.
• Definida como uma lesão de pele causada pela interrupção sanguínea em uma
determinada área, que se desenvolve devido a uma pressão aumentada por um
período prolongado. A ocorrência de UP associou-se à idade mais elevada,
maior tempo de internação e gravidade do paciente.
UPP x FITOTERAPIA
A babosa fornece um vasto leque de
materiais para a construção e
manutenção de uma pele saudável. A
pele renova-se a cada 21 a 28 dias.
Mantém a elasticidade da pele e os
níveis saudáveis de colágeno. A Aloe
vera estimula os fibroblastos a
reproduzirem-se mais rapidamente,
produzindo-se assim maior quantidade
de fibras, e ajuda a capacidade
regeneradora da pele. Como a babosa
contém alta quantidade de cálcio e
potássio, ela provoca a formação de
uma rede de fibras que retém os
eritrócitos do sangue, ajudando assim a
coagulação e a cicatrização necessária.
Aloe Vera
(Babosa) Também conhecida como
maria-milagrosa, baleeira,
maria-preta, salicina,
pimenteira e catinga-de-
barão, atua contra tipo de
inflamação. Por possuir
efeitos cicatrizante é usada
na forma de pomada,
extrato ou folhas maceradas
para curar ferimentos. Em
algumas regiões do Brasil, as
folhas da erva-baleeira são
cozidas e aplicadas sobre
feridas para acelerar a
cicatrização.
Erva-
baleeira
(Cordia
verbenacea)
HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA x FITOTERAPIA
• O crescimento/
alargamento da
próstata aumenta
dramaticamente
com a idade
(Homens > 50anos);
• Essa hiperplasia em
alguns casos bloqueia
a uretra, resultando
em sintomas urinários;
• Dor abdominal – frequente;
Diminuição da força da corrente
urinária; Noctúria; Esvaziamento
incompleto; Intermitência da
corrente urinaria; Incontinência
de urgência; Micção prolongada.
HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA x FITOTERAPIA
Fitoterápicos, nutrientes e compostos bioativos comumente utilizados  HBP
Saw Palmetto (Serenoa
repens)
* Envolvidas na inflamação da
Próstata.
Inibidores das enzimas
COX
Diversos
Batata selvagem Africana (Hypoxis
hemerocallidea); Beta-sitosterol; Licopeno;
Semente de abóbora (Cucurbita pepo);
Pygeum (Prunus africana); Trevo vermelho
(Trifolium pratense); Soja (Glycine max);
Stinging Root (dioica do Urtica).
Antiproliferativos
Selênio
Vitamina E
Zinco
Rye grass pollen (Secale
cereale)
Anti-inflamatórios Nutrientes
Buchu (Agathosma betulina); Arando
(Vaccinium macrocarpon); Fireweed
(Epilobium angustifolium); Óleo de linhaça
(Linum usitatissimum); Alho (Allium
sativum); Cacto de pera espinhosa (Opuntia
ficus-indica); Uva-Ursi (Arctostaphylos uva-
ursi)
• O câncer pode ser causado por uma série de fatores, genéticos ou adquiridos. Existem
basicamente quatro tipos de câncer: carcinomas, sarcomas, linfomas e leucemia.
Carcinomas surgem na pele, nas membranas mucosas, nas glândulas e na maioria dos
órgãos; sarcomas surgem nos ossos, músculos e tecidos conectivos; linfomas são a forma
de câncer do sistema linfático; e leucemia é o câncer do sangue.
NEOPLASIAS x FITOTERAPIA
Avelós
(Euphorbia
tirucalli)
Unha-de-gato
(Ficus pumila)
Alfafa
(Medicago
sativa)
A parte usada da
planta é o látex, que
quando puro irrita a
pele e os olhos, mas
dissolvido em água
o látex é indicado
para tratamento de
tumores cancerosos
e pré-cancerosos
Contém grande
quantidade de
clorofila,
betacaroteno,
vitamina E e o
aminoácido L-
canavanina, que é
antibacteriano,
antiviral e
antitumoral.
Quando
administrada a
pessoas com
câncer, repara
danos do DNA,
além de melhorar o
sistema
imunológico.
GESTAÇÃO/ LACTAÇÃO x FITOTERAPIA
Segundo estudos, as razões pelas quais as mulheres utilizam os
fitoterápicos incluem o desejo de ter controle pessoal sobre a sua
saúde, a insatisfação com o tratamento convencional, bem como
preocupações com os efeitos colaterais dos medicamentos
convencionais.
Embora seja verdade que muitas plantas tenham efeitos de
tratamento e efeitos colaterais suaves, dados relativos à segurança
do seu uso durante a gravidez são muito limitados.
A grande maioria das plantas carece de estudos sérios que
garantam a segurança de utilização, principalmente durante o 1º
trimestre. Sem essas provas, é difícil para os profissionais da saúde
prescreverem de maneira segura. Portanto, não se recomenda
nenhum fitoterápico durante a gestação.
PLANTAS MEDICINAIS INDICAÇÃO
Alfafa
Estimular lactação
Blessed thistle (Cardo abençoado)
Caraway (cominho)
Foeniculum vulgare (Erva-doce)
Fenugreek (fenacho)
Goat’s rue
Black cohosh
Induzir partoBlue cohosh
Castor oil (oleo de rícino)
Matricaria recutita L. (Camomila-alemã)
Náuseas
Zingiber officinalis (Gengibre)
Motherwort Dores do parto
Vaccinium macrocarpon (Cranberry)
Prevenção e tratamento de
infecções do trato urinário
Rubus idaeus L (Raspberry leaf)
Preparar colo do útero para o
parto e facilitar o parto
GESTAÇÃO/ LACTAÇÃO x FITOTERAPIA
Plantas medicinais
comumente
recomendadas
durante a gestação
e lactação e a
condição
relacionada.
Fonte: Holst et.al, 2011; Mengue et al., 2001.
• OLIVEIRA, J. L. et al. Fitoterapia nas Desordens Orgânicas. Equipe
Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração; Brasilia-DF.
2012.
• ZEMDEGS, J. C. S. et al. Fitoterapia nos Ciclos da Vida. Equipe
Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração; Brasilia-DF.
2012.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
Far Cavalcante
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
sedis-suporte
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
Márcio Ravazoli
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
sedis-suporte
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinais
Douglas Miranda
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Safia Naser
 
Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)
cleberkanofre1
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
Leonardo Souza
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
Tainara Lira
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
Marcelo Gomes
 
Grupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptxGrupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptx
Aloisio Amaral
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundarioAula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Prefeitura Municipal de Bandeirantes,PR
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Farmacognosia.pptx
Farmacognosia.pptxFarmacognosia.pptx
Farmacognosia.pptx
HeitorSilva46
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
Jose Carlos
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinais
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Grupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptxGrupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptx
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundarioAula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundario
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Farmacognosia.pptx
Farmacognosia.pptxFarmacognosia.pptx
Farmacognosia.pptx
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 

Semelhante a Fitoterapia

Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Safia Naser
 
Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
Simone Dreher
 
LinhaçA Funcional
LinhaçA FuncionalLinhaçA Funcional
LinhaçA Funcional
Culinaria Fabula
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Jornal Ibiá
 
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUSProdução de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
Júnior Maidana
 
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
Tookmed
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
natalineller
 
Fitoterapia tratamento
Fitoterapia tratamentoFitoterapia tratamento
Fitoterapia tratamento
Gilvanda ribeiro
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Quando você se desespera com seu peso??
Quando você se desespera com seu peso??Quando você se desespera com seu peso??
Quando você se desespera com seu peso??
Marcio Iribarrem
 
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
Marcio Iribarrem
 
Artigo nutrição experimental
Artigo nutrição experimentalArtigo nutrição experimental
Artigo nutrição experimental
MARCOS BRUNO MENDES
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Bruno Anacleto
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e PaririErvas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Carlos Carvalho
 
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7aToda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
Armin Caldas
 
Nutrição e estética corporal
Nutrição e estética corporalNutrição e estética corporal
Nutrição e estética corporal
e.ferreira
 
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporalFitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
e.ferreira
 
Alimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1DAlimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinais
kabirin
 

Semelhante a Fitoterapia (20)

Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
 
LinhaçA Funcional
LinhaçA FuncionalLinhaçA Funcional
LinhaçA Funcional
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
 
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUSProdução de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
Produção de plantas bioativas - Fitoterapia e SUS
 
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
10 Motivos pelos quais milhares tomam chá de hibisco
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
 
Fitoterapia tratamento
Fitoterapia tratamentoFitoterapia tratamento
Fitoterapia tratamento
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Quando você se desespera com seu peso??
Quando você se desespera com seu peso??Quando você se desespera com seu peso??
Quando você se desespera com seu peso??
 
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
Quando Você Se Desespera Com Seu Peso??
 
Artigo nutrição experimental
Artigo nutrição experimentalArtigo nutrição experimental
Artigo nutrição experimental
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e PaririErvas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
 
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7aToda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
Toda+A+Verdade+Sobre+A+Linha%C3%A7a
 
Nutrição e estética corporal
Nutrição e estética corporalNutrição e estética corporal
Nutrição e estética corporal
 
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporalFitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
Fitonutrientes alimentos funcionais e nutrição e estética corporal
 
Alimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1DAlimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1D
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinais
 

Mais de Cíntia Costa

Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
Cíntia Costa
 
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveisIntervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
Cíntia Costa
 
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição OncológicaConsenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Cíntia Costa
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Cíntia Costa
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Cíntia Costa
 
Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por Pressão
Cíntia Costa
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Apresentação TNE
Apresentação TNEApresentação TNE
Apresentação TNE
Cíntia Costa
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
Cíntia Costa
 

Mais de Cíntia Costa (11)

Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
 
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveisIntervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
Intervenção Nutricional - Promoção de hábitos alimentares saudáveis
 
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição OncológicaConsenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por Pressão
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Apresentação TNE
Apresentação TNEApresentação TNE
Apresentação TNE
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
 

Fitoterapia

  • 1. Graduandas em Nutrição – 6º semestre: FITOTERAPIA
  • 3. INTRODUÇÃO Esse modelo deve buscar a sustentabilidade econômica e ecológica, respeitando princípios éticos e compromissos internacionais assumidos e promovendo a geração de riquezas com inclusão social. O Brasil, com seu amplo patrimônio genético e sua diversidade cultural, têm em mãos a oportunidade para estabelecer um modelo de desenvolvimento próprio e soberano no Sistema Único de Saúde (SUS) com o uso de plantas medicinais e fitoterápicos. A fitoterapia constitui uma forma de terapia medicinal que vem crescendo notadamente neste começo do século XXI.
  • 4. Apresentar os principais fitoterápicos utilizados tradicionalmente nas mais variadas desordens orgânicas. Analisar os mecanismos, posologia, indicações e contraindicações do uso de fitoterapia nas mais variadas desordens orgânicas. OBJETIVOS Analisar, refletir e formar sólido conhecimento a respeito da utilização de plantas medicinais e fitoterápicos em diferentes desordens orgânicas.
  • 5. Fitoterápicos benéficos na prevenção de cáries e periodontite. NOME POPULAR/ BOTÂNICO FAMÍLIA/ PARTE UTILIZADA EFEITOS Cranberry – Vaccinium oxycoccus ou Vaccinium macrocarpon Ericaceae – Frutos Efeito benéfico na inibição de patógenos orais após contato com a mucosa oral. Cacau – Teobroma cacao Malvaceae – Semente Solução de enxágue oral à base de cacau em pó trouxe efeitos positivos na prevenção das cáries, reduzindo a formação de biofilme e a produção de ácido pelo S. mutans e S. sanguinis. A fitoterapia e os seus fitomedicamentos apresentam um amplo espectro de indicações para as doenças gastroenterológicas e vem se firmando como uma estratégia terapêutica de prevenção. TGI x FITOTERAPIA
  • 6. NOME POPULAR/BOTÂNICO FAMÍLIA/ PARTE UTILIZADA EFEITOS Café – Coffea arabica Rubiaceae – Semente Os compostos fenólicos presentes em Solução aquosa fervida e não fervida de café, apresentam efeito anticariogênico. Chá verde – Camelia sinensis Theaceae – Folhas Possui efeito bactericida em bactérias orais, previne a aderência de bactérias na superfície dos dentes e provoca inibição da produção de glucanas. Erva doce – Foeniculum vulgare ou Pimpinella anisum Umbelliferae – Folhas Apresentam atividade antimicrobiana exercendo efeitos antibacterianos sobre Staphylococus aureus, Bacillus cereus, Pseudomonas aeruginosa e Proteus vulgaris.
  • 7. Plantas medicinais utilizadas no tratamento da obstipação por efeito estimulante do peristaltismo intestinal. A constipação do intestino é um sintoma frequente que afeta entre 2% a 27% da população de países ocidentais, dependendo do grupo estudado sendo mais frequente em mulheres e idosos. (COFRE et al., 2008) NOME POPULAR/BOTÂNICO FAMÍLIA/ PARTE UTILIZADA EFEITOS Aloe vera – Aloe barbadensi Liliaceae – Seiva das folhas Efeito laxativo. Sene – Cassia angustifólia Fabaceae - Folhas Apresenta efeito estimulante do peristaltismo intestinal. OBSTIPAÇÃO x FITOTERAPIA
  • 8. Os taninos têm ação de precipitação de proteína e, portanto, quando aplicados a membranas das mucosas, fazem as proteínas serem depositadas na superfície epitelial revestindo o lúmen do intestino como uma película protetora que normaliza a hiperperistaltia (SAAD et al., 2009). Diarreia é caracterizada pela evacuação de fezes líquidas ou semilíquidas mais de três vezes ao dia. Para o tratamento das diarreias recomenda-se a administração de fitoterápicos contendo boa quantidade de taninos. (PALOMBO, 2006) CHÁ VERDE CHÁ PRETO DIARREIA x FITOTERAPIA
  • 9. Patologia multifatorial considerada um dos maiores problemas de saúde pública, além de ser uma das DCNTs que mais cresce epidemiologicamente no mundo, o que caracteriza um fator predisponente à da longevidade (em média, 13 anos) e da mortalidade. ODESIDADE x FITOTERAPIA DM x FITOTERAPIA Diabetes Mellitus é a mais frequente doença do metabolismo dos açúcares. Uma síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de ela exercer adequadamente seus efeitos, resultando em resistência insulínica. Caracteriza-se pela presença de hiperglicemia crônica, frequentemente, acompanhada de dislipidemia, hipertensão arterial e disfunção endotelial. Sociedade Brasileira de Diabetes.
  • 10. FITOTERAPIA EM OBESIDADE E DIABETES NOME POPULAR/ BOTÂNICO EFEITOS Açafrão – Curcuma longa Produz redução não apenas da glicemia, mas também do colesterol, triglicerídeos e fosfolipídios do sangue. Demonstra melhora de forma significativa nas lesões renais associadas a diabetes e a cicatrização de feridas na pele. Gengibre – Zingiber officinale Ação antidiabética, hipolipidêmica e impacto positivo na reversão da proteinúria diabética. O suco de gengibre (fresco) produziu o aumento dos níveis de insulina e o decréscimo dos níveis de glicose rápida plasmática. O gengibre também possui efeito efetivo contra o desenvolvimento da catarata em diabéticos. Pata de vaca – Bauhinia forficata Hipoglicemiante em pacientes com diabetes tipo II. Outras propriedades: diurética e anti- inflamatória. A redução na glicemia foi observada tanto em indivíduos normoglicêmicos como hiperglicêmicos. Cajueiro – Anacardium occidentale O extrato desta planta administrado por via oral exibiu ação hipoglicemiante nos 15 a 20 minutos apos a ingestão, observando efeito máximo, após 60 a 90 minutos. Se especula que este composto estimule as células beta do pâncreas.
  • 11. FITOTERAPIA EM OBESIDADE E DIABETES NOME POPULAR/ BOTÂNICO EFEITOS Chá verde – Cammelia sinensis Pode melhorar a sensibilidade à insulina e o perfil lipídico. Eficiente relação antidiabética. Atua na termogênese, diminuindo a gordura abdominal. Carqueja – Baccharis trimera Significante redução na glicemia e perda de peso. Administrada a pessoas normoglicêmicas, provoca um decréscimo nos níveis de glicose no sangue. Estévia – Stevia rebaudiana Poder adoçante, aproximadamente 250 vezes maior que a sacarose. Provoca um decréscimo na glicemia e nos níveis de glicogênio hepático. As curvas de tolerância a sobrecarga de glicose pós-prandial resultaram ser melhores nos pacientes diabéticos obesos que tinham sido tratados previamente com 130-140mg de extrato de Estévia. Alho – Allium sativum Demonstrou diminuir os níveis iniciais de glicemia elevada. Hibiscus – Hibiscus sabdariffa Possui atividade diurética e favorece a digestão lenta e difícil. Alem disso, devido a presença de ácidos orgânicos possui ação levemente laxante. Estudos mostram que o Hibiscus inibiu significativamente a acumulação de partículas de gordura.
  • 12. • Visco-branco (Viscum album L.) É um arbusto de forma esférica pertencente à família das Loranthaceae cresce como parasita sobre árvores de folhas caducas e coníferas. Seus caules se ramificam de forma dicotômica, como frequentemente é encontrado em plantas inferiores (por exemplo, algas). Apresenta propriedades hipotensoras, depressoras cardíacas e sedativas. • Oliveira (Olea europaea)  É uma das principais plantas dos países mediterrâneos. Como droga vegetal, utilizam-se as folhas, Oleae folium. Segundo Weiss, estas são recomendadas como fitoterápico hipotensor. HAS x FITOTERAPIA
  • 13. • Desordens do metabolismo das lipoproteínas em conjunto com dietas ricas em gordura, obesidade e sedentarismo têm resultado em crescente incidência e prevalência de doença aterosclerótica em adultos moradores de países desenvolvidos ou em desenvolvimento, em especial a doença coronariana aterosclerótica. O papel da fitoterapia nas dislipidemias é justificada pela ação antioxidante, evitando a oxidação de lipoproteínas, e ações coleréticas e colagogas. DISLIPIDEMIA x FITOTERAPIA Boldo do Chile – Peumus boldus Alcachofra – Cynara scolymus Curcuma zedoaria - Zedoária Berinjela – Solanum melongena Uva – Vitis vinífera Guaraná – Paullinia cupana Cranberry – Vaccinium macrocarpo n
  • 14. •Atualmente as doenças cardiovasculares representam uma das causas mais frequente de morte no mundo industrializado. Espinheiro-branco (Crataegus laevigata - Crataegus monogyna) Aumenta o fluxo sanguíneo coronariano e a irrigação do miocárdio. Crataegus pertence à família das rosáceas e é um dos fitoterápicos mais pesquisados pela comunidade científica e sua eficácia, sob o ponto de vista farmacológico, é comprovada por diversos estudos científicos. ICC x FITOTERAPIA
  • 15. •A degeneração das artérias, a arteriosclerose, manifesta-se perifericamente na doença arterial obstrutiva periférica. Ginkgo (Ginkgo biloba) Os principais constituintes do Ginkgo biloba são: flavonoides, procianidinas, diterpenoides, ginkgolídeos e bilobalida. Melhora a capacidade de fluidez do sangue . DAOP x FITOTERAPIA
  • 16. •Além das doenças cardíacas degenerativas, as doenças vasculares cerebrais e periféricas constituem outro grande grupo de doenças do mundo moderno. Alho (Allium sativum) O uso do alho é justificado pela literatura científica atual que o relaciona com efeitos anti-hipertensivos, antiaterogênicos, antitrombóticos, antimicrobianos, fibrinolítico, prevenção de câncer e redutor de lipídeos (barners, livro). AVC x FITOTERAPIA
  • 17. DRC x FITOTERAPIA • Os fitoterápicos utilizados em doenças do parênquima renal e nefrites, apresentam diversos efeitos, tais como: espasmolíticos, anti-inflamatórios e antissépticos das vias urinárias, além de diuréticos. Porém, os fitoterápicos podem ser utilizados na profilaxia de recidiva de litíase urinária, é eficaz e influencia de modo positivo nos diferentes sintomas relacionados à micção. Uva-ursi (Arctostaphylos uvae ursi): Diurético, antisséptico urinário e adstringente. Usada tradicionalmente em casos de cistite, uretrite, disúria, litúria e, especificamente, cistite catarral com disúria e urina com alto teor de acidez. Harpagophytum procumbens (Garra-do-diabo): anti-inflamatório e analgésico, amplamente utilizado no combate da gota, reduz o ácido úrico. Banisteria argyrophilla (Cipó-prata): anti-inflamatório, diurético, indicado no combate das afecções renais e do ácido úrico.
  • 18. • Definida como uma lesão de pele causada pela interrupção sanguínea em uma determinada área, que se desenvolve devido a uma pressão aumentada por um período prolongado. A ocorrência de UP associou-se à idade mais elevada, maior tempo de internação e gravidade do paciente. UPP x FITOTERAPIA A babosa fornece um vasto leque de materiais para a construção e manutenção de uma pele saudável. A pele renova-se a cada 21 a 28 dias. Mantém a elasticidade da pele e os níveis saudáveis de colágeno. A Aloe vera estimula os fibroblastos a reproduzirem-se mais rapidamente, produzindo-se assim maior quantidade de fibras, e ajuda a capacidade regeneradora da pele. Como a babosa contém alta quantidade de cálcio e potássio, ela provoca a formação de uma rede de fibras que retém os eritrócitos do sangue, ajudando assim a coagulação e a cicatrização necessária. Aloe Vera (Babosa) Também conhecida como maria-milagrosa, baleeira, maria-preta, salicina, pimenteira e catinga-de- barão, atua contra tipo de inflamação. Por possuir efeitos cicatrizante é usada na forma de pomada, extrato ou folhas maceradas para curar ferimentos. Em algumas regiões do Brasil, as folhas da erva-baleeira são cozidas e aplicadas sobre feridas para acelerar a cicatrização. Erva- baleeira (Cordia verbenacea)
  • 19. HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA x FITOTERAPIA • O crescimento/ alargamento da próstata aumenta dramaticamente com a idade (Homens > 50anos); • Essa hiperplasia em alguns casos bloqueia a uretra, resultando em sintomas urinários; • Dor abdominal – frequente; Diminuição da força da corrente urinária; Noctúria; Esvaziamento incompleto; Intermitência da corrente urinaria; Incontinência de urgência; Micção prolongada.
  • 20. HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA x FITOTERAPIA Fitoterápicos, nutrientes e compostos bioativos comumente utilizados  HBP Saw Palmetto (Serenoa repens) * Envolvidas na inflamação da Próstata. Inibidores das enzimas COX Diversos Batata selvagem Africana (Hypoxis hemerocallidea); Beta-sitosterol; Licopeno; Semente de abóbora (Cucurbita pepo); Pygeum (Prunus africana); Trevo vermelho (Trifolium pratense); Soja (Glycine max); Stinging Root (dioica do Urtica). Antiproliferativos Selênio Vitamina E Zinco Rye grass pollen (Secale cereale) Anti-inflamatórios Nutrientes Buchu (Agathosma betulina); Arando (Vaccinium macrocarpon); Fireweed (Epilobium angustifolium); Óleo de linhaça (Linum usitatissimum); Alho (Allium sativum); Cacto de pera espinhosa (Opuntia ficus-indica); Uva-Ursi (Arctostaphylos uva- ursi)
  • 21. • O câncer pode ser causado por uma série de fatores, genéticos ou adquiridos. Existem basicamente quatro tipos de câncer: carcinomas, sarcomas, linfomas e leucemia. Carcinomas surgem na pele, nas membranas mucosas, nas glândulas e na maioria dos órgãos; sarcomas surgem nos ossos, músculos e tecidos conectivos; linfomas são a forma de câncer do sistema linfático; e leucemia é o câncer do sangue. NEOPLASIAS x FITOTERAPIA Avelós (Euphorbia tirucalli) Unha-de-gato (Ficus pumila) Alfafa (Medicago sativa) A parte usada da planta é o látex, que quando puro irrita a pele e os olhos, mas dissolvido em água o látex é indicado para tratamento de tumores cancerosos e pré-cancerosos Contém grande quantidade de clorofila, betacaroteno, vitamina E e o aminoácido L- canavanina, que é antibacteriano, antiviral e antitumoral. Quando administrada a pessoas com câncer, repara danos do DNA, além de melhorar o sistema imunológico.
  • 22. GESTAÇÃO/ LACTAÇÃO x FITOTERAPIA Segundo estudos, as razões pelas quais as mulheres utilizam os fitoterápicos incluem o desejo de ter controle pessoal sobre a sua saúde, a insatisfação com o tratamento convencional, bem como preocupações com os efeitos colaterais dos medicamentos convencionais. Embora seja verdade que muitas plantas tenham efeitos de tratamento e efeitos colaterais suaves, dados relativos à segurança do seu uso durante a gravidez são muito limitados. A grande maioria das plantas carece de estudos sérios que garantam a segurança de utilização, principalmente durante o 1º trimestre. Sem essas provas, é difícil para os profissionais da saúde prescreverem de maneira segura. Portanto, não se recomenda nenhum fitoterápico durante a gestação.
  • 23. PLANTAS MEDICINAIS INDICAÇÃO Alfafa Estimular lactação Blessed thistle (Cardo abençoado) Caraway (cominho) Foeniculum vulgare (Erva-doce) Fenugreek (fenacho) Goat’s rue Black cohosh Induzir partoBlue cohosh Castor oil (oleo de rícino) Matricaria recutita L. (Camomila-alemã) Náuseas Zingiber officinalis (Gengibre) Motherwort Dores do parto Vaccinium macrocarpon (Cranberry) Prevenção e tratamento de infecções do trato urinário Rubus idaeus L (Raspberry leaf) Preparar colo do útero para o parto e facilitar o parto GESTAÇÃO/ LACTAÇÃO x FITOTERAPIA Plantas medicinais comumente recomendadas durante a gestação e lactação e a condição relacionada. Fonte: Holst et.al, 2011; Mengue et al., 2001.
  • 24. • OLIVEIRA, J. L. et al. Fitoterapia nas Desordens Orgânicas. Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração; Brasilia-DF. 2012. • ZEMDEGS, J. C. S. et al. Fitoterapia nos Ciclos da Vida. Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração; Brasilia-DF. 2012. REFERÊNCIAS