SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 68
O MÉTODO CLÍNICO
DE ATENÇÃO
FARMACÊUTICA
Cassyano J Correr
Farmacêutico , Ph.D., M.Sc.
Doutor em Medicina Interna
Departamento de Farmácia
Universidade Federal do Paraná
cassyano@ufpr.br
Conteúdo
 Conceitos
 Etapas do Método Clínico
 Coleta de dados do paciente
 Identificação de problemas
 Plano de cuidado
 Seguimento
CONSULTA FARMACÊUTICA
 Ato demandado pelo
paciente ou pela equipe de
saúde no qual o
farmacêutico busca
prevenir e resolver
problemas ligados à saúde
e à farmacoterapia em um
processo de colaboração e
interação direta com o
paciente.
Semiologia farmacêutica
 Semiologia ou propedêutica
é a parte das ciências da
saúde relacionada ao
estudo dos sintomas e
sinais das doenças que
afetam o ser humano
 Semiologia Farmacêutica
consiste na aplicação das
técnicas e conhecimentos
sobre a investigação de
sinais e sintomas para a
prática farmacêutica
 Sintomas se referem ao que o paciente
sente e são descritos por ele a fim de
esclarecer a natureza da doença. Exemplos
de sintomas incluem dor, náusea, diarréia
ou respiração curta.
 Sinais se referem aos achados do
examinador. Os sinais podem ser
observados e quantificados, como por
exemplo, febre, hipertensão arterial,
hiperglicemia ou alterações na pele.
O MÉTODO CLÍNICO DE
ATENÇÃO FARMACÊUTICA
 O processo de atenção
farmacêutica ao paciente
obedece a uma seqüência de
passos conhecida como
método clínico.
Fase 1 Coleta de dados
Organização do conjunto de dados do paciente
incluindo história clínica, exame físico e resultados
laboratoriais
Fase 2
Identificação de
problemas
Formulação de uma lista completa dos problemas do
paciente identificados pelo médico
Fase 3 Plano
Desenvolvimento de planos de ação para cada
problema identificado
Fase 4 Seguimento
Acompanhar o progresso das ações realizadas e a
evolução dos problemas abordados
Quatro fases da ação médica, segundo Weed et al. (1971)
O método clínico clássico
Os farmacêuticos são especialistas em
medicamentos...
• Promover seu uso racional
• Garantir sua máxima efetividade e
segurança da farmacoterapia
Farmacoterapia Ideal:
11
Segurança
- A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde
- A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes
Efetividade
- O paciente apresenta a resposta esperada à medicação
- O regime posológico está adequado ao alcance das metas terapêuticas
Adesão Terapêutica
- O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime posológico
- O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa
Necessidade
- O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita
- O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário
Baseado nos estudos de Cipolle, Strand, Morley e Fernández-Llimós et al.
12
P1
Seleção
P2
Administração
P3
Biofarmacêutico
P4
Farmacocinético
P5
Farmacodinâmico
P6
Resultados
Terapêuticos
HIPOGLICEMIA HIPERTENSÃO DIARRÉIA
INSULINA NPH
MANHÃ - NOITE
ENALAPRIL / HCTZ
CELECOXIB
CARBAMAZEPINA
200MG 2X DIA
ok
Interação
Med-Med
Hiper-sensibilidade?
ok ok ok
ok ok
Medicamento
contaminado
Administração
Incorreta
ok ok
Correr & Otuki, 2011
Etapas do
método
clínico
O método clínico da atenção farmacêutica
Há várias metodologias para atenção
farmacêutica disponíveis na literatura.
Entre as mais citadas no Brasil estão:
• Método Dáder
• Pharmacotherapy WorkUp
• Therapeutic Outcomes Monitoring (TOM)
Processo de Atenção Farmacêutica
Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de
cuidado em
conjunto com o
paciente
1
23
4
Processo de Atenção Farmacêutica
• Dados Específicos do
Paciente
• História clínica
• História
de Medicação
Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de
cuidado em
conjunto com o
paciente
1
23
4
Processo de Atenção Farmacêutica
• Revisão da
Farmacoterapia
• Identificação dos
Problemas presentes e
potenciais
• Dados Específicos do
Paciente
• História clínica
• História
de Medicação
Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de
cuidado em
conjunto com o
paciente
1
23
4
Processo de Atenção Farmacêutica
• Definir Metas
Terapêuticas
• Intervenções
• Agendamento de
Retorno e Seguimento
• Revisão da
Farmacoterapia
• Identificação dos
Problemas presentes e
potenciais
• Dados Específicos do
Paciente
• História clínica
• História
de Medicação
Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de
cuidado em
conjunto com o
paciente
1
23
4
Processo de Atenção Farmacêutica
• Revisão da
Farmacoterapia
• Identificação dos
Problemas presentes e
potenciais
• Definir Metas
Terapêuticas
• Intervenções
• Agendamento de
Retorno e Seguimento
• Dados Específicos do
Paciente
• História clínica
• História
de Medicação
• Resultados e Progresso
do Paciente
• Alcance das Metas
Terapêuticas
• Novos
Problemas Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de
cuidado em
conjunto com o
paciente
1
23
4
COLETAR E
ORGANIZAR DADOS
DO PACIENTE
Entrevista Clínica
Perfil do Paciente História de Medicação História Clínica
•Idade, sexo
•Peso, Altura
•IMC, circunferência
abdominal
•Escolaridade, profissão,
ocupação
•Cuidador, se houver
•Condição social (acesso a
medicamentos e
assistência)
•Medicamentos prescritos
•Medicamentos sem
prescrição
•Medicação pregressa
•Experiência com os
medicamentos
•História de alergias
•História de reações
adversas
•Queixa principal
•História da doença atual
•História médica pregressa
•História social
•História familiar
•Revisão por sistemas
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História Clínica
 Motivo da Consulta / Queixa Principal (QP)
 História da Doença Atual (HDA)
 História Médica Pregressa (HMP)
 História Familiar (HF)
 História Social (HS)
 Revisão por Sistemas (RS)
Coletar e
organizar
dados do
paciente
Motivo da Consulta
 Apresentação breve de porque o paciente está
procurando assistência
 Normalmente, consiste em um ou dois sintomas
primários, com uma duração determinada, que é
expresso pelo paciente em suas próprias palavras
 "dor de garganta há 2 dias"
 "intestino preso"
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História da Doença Atual
1. Tempo: Início, duração e freqüência dos sintomas.
2. Localização: Área precisa dos sintomas.
3. Qualidade ou característica: uso de termos descritivos específicos
sobre o sintoma (ex. dor aguda, catarro com presença de sangue).
4. Quantidade ou severidade: leve, moderada ou grave.
5. Ambiente: O que o paciente estava fazendo quando os sintomas
ocorreram.
6. Fatores que agravam e aliviam: Fatores que fazem com que os
sintomas melhorem ou que fiquem piores (Ex. pirose que piora
após a refeição).
7. Sintomas associados: Outros sintomas que ocorrem com os
sintomas primários.
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História Médica Pregressa
 Descrição breve dos problemas e ocorrências
médicas passadas mais relevantes,
relacionadas ou não aos problemas atuais do
paciente.
 Pode incluir hospitalizações, procedimentos
cirúrgicos, acidentes, injúrias, história obstétrica
(mulheres), entre outras
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História Familiar
 Descrição breve da presença ou ausência de
doenças em parentes de primeiro grau do paciente
(pais, irmãos e filhos).
 Os dados incluem parentes falecidos e vivos,
causa da morte, idade da morte e problemas
médicos principais de familiares vivos.
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História Social
 Álcool
 Tabaco
 Drogas ilícitas
 Alimentação
 Atividade física
 Meio social do paciente
Coletar e
organizar
dados do
paciente
Revisão Por Sistemas
 Adaptada à Atenção Farmacêutica
 Sinais Vitais
 Parâmetros Bioquímicos
 Exames Laboratoriais
 Sinais ou Sintomas investigados por sistemas ou
órgãos que possam indicar problemas com uso de
medicamentos
Coletar e
organizar
dados do
paciente
29
 Caspa / seborréia:
 Ouvido / audição:
 Olhos / visão:
 Nariz / Rinite:
 Boca/ garganta / voz:
 Mãos / unhas:
 Pés/ unhas:
 Problemas de pele:
 Dor muscular:
 Dor de cabeça:
 Dor em articulações:
 Dor nas costas/coluna:
 Coração / dor no peito:
 Pulmão / falta de ar:
 Queimação / azia:
 Dor de estômago:
 Má digestão/ empacho:
 Constipação:
 Diarréia:
 Prob. Hepático / biliar:
 Edema:
 Alteração Renal:
 Urina (ardor, dificuldade):
 Incontinência:
 Tontura / vertigem:
 Tremor:
 Depressão:
 Ansiedade/nervosismo:
 Perda de memória:
 Insônia /perda de sono:
 Vacinação (calendário):
 Vitaminas e minerais:
 Sintomas menopausa:
 Vaginose / prurido:
 Perda de libido:
 Impotência:
Revisão Por Sistemas
Coletar e
organizar
dados do
paciente
História de Medicação
 Medicamento em uso atual
 Plantas Medicinais
 Medicamentos de uso pregresso
 Alergias
 Reações Adversas a Medicamentos
 Experiência de Medicação do Paciente
 Concordância e Adesão Terapêutica
Coletar e
organizar
dados do
paciente
Farmacoterapia Atual
Indicação ou
Problema de Saúde
Data
Início
PS
Medicamento
Concentração / Dose
Data
Início
Med.
S/NCafé Almoço Lanche Jantar h.d.
A D A D A D A D -
Relacão do
problemas de
saúde do
paciente
Tempo de
duração do
problema
Nome do
medicamento
e dosagem
Tempo de início
do uso do
medicamento
Horário de
uso de cada
medicamento
conforme
relato do
paciente
Coletar e
organizar
dados do
paciente
32
Farmacoterapia Atual
MEDICAMENTO 7h30
Café
12h30
Almoço
16h00
Lanche
19h00
Jantar
00h00
H.D.
S/N
A D A D A D A D
Captopril 25mg 2 2 2
Hidroclorotiazida 25mg 1
AAS 100mg 2
Glibenclamida 5mg 1 1
Metformina 850mg 1 1
Sinvastatina 20mg 1
Coletar e
organizar
dados do
paciente
Adesão Terapêutica
 Intencional versus não-intencional
 Complexidade da Farmacoterapia
 Número de medicamentos
 Número de doses e horários
 Instruções adicionais
 Concordar para Aderir
Coletar e
organizar
dados do
paciente
IDENTIFICAR
PROBLEMAS
RELACIONADOS À
FARMACOTERAPIA
Identificar problemas relacionados
à farmacoterapia
 O “Coração” e a “Alma” do Método
Clínico
 Principal diferença entre os métodos
existentes
Problemas Relacionados à
Farmacoterapia
“Um problema de saúde,
relacionado ou suspeito de
estar relacionado à
farmacoterapia, que interfere
ou pode interferir nos
resultados terapêuticos e na
qualidade de vida do usuário”
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/
PropostaConsensoAtenfar.pdf
38
Indicação
- Problema de
Saúde
- Fator de Risco
Medicamento
- Fármaco
- Forma
Farmacêutica
Regime
Terapêutico
- Dose, via,
freqüência, duração
Padrão de Adesão
do paciente
Uso Correto
Biofarmacêutica
Farmacocinética
Farmacodinâmica
Resultado
Terapêutico
- Efetividade
- Segurança
Meta Terapêutica Exemplos
Cura de uma doença Pneumonia bacteriana
Amigdalite estreptocócica
Redução ou eliminação de sinais e/ou sintomas Depressão
Resfriado comum
Redução ou interrupção da progressão da doença Hipertensão
Diabetes
Prevenção da doença Osteoporose
Infarto agudo do miocárdio
Normalização de exames laboratoriais Anemia ferropriva
Hipocalemia
Auxiliar no processo diagnóstico Exames oftalmológicos
Contraste radiológico
Como avaliar a efetividade da
farmacoterapia?
Adaptado de: Cipolle RJ, Strand LM, Morley PC. Pharmaceutical Care Practice. The clinician's
guide. 2th Ed. New York: McGraw-Hill, 2004. 394p.
Resultados Terapêuticos
Parametros fisiológicos e
biológicos
Quadro sintomático
Quadro funcional
Percepção geral da saúde
Qualidade de vida
relacionada à saúde
Satisfação com o cuidado
Exames laboratoriais e
medidores
Avaliação do
profissional
Resultados reportados
pelo paciente
Como avaliar a segurança da
farmacoterapia?
Relação com a dose
(benefício:dano)
TempoSuscetibilidade
Paciente
Medicamento
Reação Adversa
Extrínseca
Intrínseca
Resultado
Dano
Drug Saf 2010; 33(1)
Métodos:
DoTS
EIDOS
Como avaliar a adesão terapêutica?
 Relato do paciente
 Dificuldades para tomar os medicamentos
 Na última semana, quantas vezes esqueceu ou
deixou de tomar o medicamento?
 Questionários
 Contagem de comprimidos
 Histórico de compra do medicamento
 Falha na resposta terapêutica esperada
Quantos problemas relacionados à
farmacoterapia existem?
Classificações
 Há classificações focadas em isolar desfechos
clínicos, como a do Consenso de Granada,
 E outras que não se preocupam em misturar
causas e efeitos, como as classificações de
Strand et al. e do PCNE.
 Não há uma proposta brasileira para o tema.
Problema Situação Clínica
Farmacoterapia necessária
Há necessidade de iniciar
farmacoterapia no paciente
Farmacoterapia desnecessária
O paciente utiliza farmacoterapia que
não é necessária
Inefetividade da Farmacoterapia
A farmacoterapia não alcança a meta
terapêutica proposta
Insegurança da Farmacoterapia
O medicamento causa um novo
problema de saúde no paciente ou
agrava um problema pré-existente
Baixa Adesão do Paciente à
Farmacoterapia
O paciente não adere apropriadamente
à farmacoterapia de forma voluntária ou
involuntária
ELABORAR UM
PLANO DE CUIDADO
EM CONJUNTO COM
O PACIENTE
O objetivo do plano de cuidado:
Determinar em conjunto com o
paciente como manejar
adequadamente seus problemas
de saúde utilizando a
farmacoterapia e tudo que deve
ser feito para que o plano seja
cumprido.
• Metas Terapêuticas
• Intervenções Farmacêuticas
• Prazo para retorno
Este será composto de três partes:
Relação Farmacêutico - Paciente
49
Conhecimento,
habilidades,
atitudes
profissionais e
procedimentos
clínicos a fim de
alcançar objetivos
terapêuticos
Atitudes,
expectativas,
medos,
conhecimento,
crenças, situação
de vida,
comportamento
com relação à
saúde e
medicamentos
Imagem: http://files.myopera.com/yevgeny/blog/MUR.jpeg
Modelo de decisões
compartilhadas
centrado no paciente.
1. Modificação na
quantidade de medicamento
1.1 Modificar a dose do medicamento
1.2 Modificar a freqüência de administração ou a duração do
tratamento
1.3 Modificar os horários de uso do medicamento
2. Modificação da estratégia
farmacológica
2.1 Iniciar um novo medicamento
2.2 Suspender um medicamento
2.3 Substituir um medicamento
3. Educação do paciente
3.1 Reduzir a não aderência não-intencional do paciente
(educar no uso do medicamento)
3.2 Reduzir a não aderência voluntária do paciente (trabalhar
atitudes e comportamento do paciente)
3.3 Educar sobre medidas não-farmacológicas
Tipos de intervenções farmacêuticas
realizadas na atenção farmacêutica
Fonte: Sabater D, Fernández-Llimós F, Parras M, Faus MJ. Tipos de intervenciones farmacéuticas en seguimiento
farmacoterapéutico. Seguimiento Farmacoterapéutico 2005; 3(2): 90-97.
51
Resumo Clínico
 Formato SOAP
 Informações subjetivas relevantes
 Informações objetivas relevantes
 Interpretação e Avaliação das informações
em termos de Problemas da Farmacoterapia
e outros problemas relevantes
 Elaboração de um plano de cuidado,
incluindo as intervenções necessárias
Avaliação Inicial
Lista de Problemas
da Farmacoterapia
Plano de Cuidado
Contato com o Médico:
1) Contato pessoal ou telefônico,
2) Envio de carta escrita ao médico ou
3) Orientação ao paciente para que converse
com o médico sobre a necessidade de
alteração.
A carta ao médico...
Apresentação:
identificação do paciente, medicamentos envolvidos na situação e problemas de
saúde sob tratamento.
Motivo do encaminhamento:
problemas da farmacoterapia identificados e manifestações clínicas que
fundamentam a suspeita (sinais, sintomas, medidas clínicas). Utilizar linguagem
técnica e evitar proposições de diagnóstico ou prognóstico.
Avaliação farmacêutica:
relação entre os problemas encontrados e a farmacoterapia do paciente, incluindo
possíveis causas. Proposta de solução do problema, incluindo alternativas
terapêuticas e sugestões.
Fechamento:
despedida formal, reforçando a solicitação de avaliação do médico sobre o problema,
colocando-se à disposição e reforçando a continuidade do cuidado que será
prestado.
Data, carimbo e assinatura do farmacêutico.
Fonte: Machuca M, Martínez Romero F, Faus MJ. Informe farmacéutico-médico según la
metodologia Dáder para el seguimiento del tratamiento farmacológico. Pharm Care Esp 2000;
2: 358-363.
55
Comunicação com outros profissionais:
Maria da Silva
Encaminho a Sra Maria da Silva para consulta médica.
A mesma dirigiu-se à farmácia com queixa de dor de
ouvido e febre alta com 3 dias de duração.
Foi administrado Paracetamol 750mg na farmácia
Temperatura 12.05.10 18h30 ---- 39° C até 37 °C
Carimbo e assinatura do
farmacêutico 56
57
O último passo na elaboração do
plano de cuidado é definir o prazo
necessário para que o paciente
volte à consulta farmacêutica.
Este passo corresponde ao
agendamento para as avaliações de
seguimento do paciente.
REALIZAR O
SEGUIMENTO
INDIVIDUAL DO
PACIENTE
Avaliação Inicial
Lista de Problemas
da Farmacoterapia
Plano de CuidadoEvolução do
Paciente
O tempo passado entre a primeira
consulta e as consultas de retorno deverá
ser suficiente para ocorrência de
mudanças nesses indicadores, mostrando
a evolução da farmacoterapia em termos
de efetividade e segurança.
Quando o paciente deve voltar?
Três atividades essenciais compõem o
seguimento do paciente:
1. avaliação dos resultados
terapêuticos e evolução clínica do
paciente,
2. avaliação do alcance das metas
terapêuticas
3. identificação de novos problemas
Indicadores de efetividade da medicação
incluem normalmente sinais observáveis como:
 Freqüência cardíaca, temperatura
corporal, pressão arterial,
 Sintomas (dor, melancolia, cansaço,
prurido)
 Exames clínicos e laboratoriais
(glicemia, LDL-C, TSH,
eletrocardiograma, densidade
óssea).
Indicadores de segurança da medicação
incluem:
 Sinais, sintomas
 Exames laboratoriais que
possam revelar a ocorrência
de reações adversas ou
toxicidade farmacológica.
O registro da evolução do paciente no
prontuário pode ser feito de várias
formas
Modo mais comum:
S – dados subjetivos do paciente,
O – dados objetivos do paciente,
A – avaliação farmacêutica,
P – plano e condutas realizadas pelo farmacêutico.
66
Registro da
Evolução
LEMBRE-SE DE LEVAR EM
CONSIDERAÇÃO:
•A qualidade de vida
•Satisfação do paciente
• Os custos do tratamento
Fim!
Cassyano J Correr
Departamento de Farmácia
Universidade Federal do Paraná
cassyano@ufpr.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aspectos farmacocinéticos revisão
Aspectos farmacocinéticos revisãoAspectos farmacocinéticos revisão
Aspectos farmacocinéticos revisãoCamyla Andrade
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoMauro Cunha Xavier Pinto
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentosClaudio Luis Venturini
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaLeonardo Souza
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaMauro Cunha Xavier Pinto
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaFarmacêutico Digital
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologiamarigrace23
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoJose Carlos
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaMarcelo Polacow Bisson
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalMarcelo Polacow Bisson
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaPatrícia Lopes
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoMarcelo Polacow Bisson
 

Mais procurados (20)

Aspectos farmacocinéticos revisão
Aspectos farmacocinéticos revisãoAspectos farmacocinéticos revisão
Aspectos farmacocinéticos revisão
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Química Farmacêutica
Química FarmacêuticaQuímica Farmacêutica
Química Farmacêutica
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 

Semelhante a Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos

Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosAngelina Lessa
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaSimone Marchesini
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaCassyano Correr
 
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidadeAula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidaderepositorioenfermage
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoCassyano Correr
 
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.pptLciaPaulaSchelbauerB
 
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaangelitamelo
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...angelitamelo
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Cassyano Correr
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfWaldir Miranda
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"JOFARUFPR
 
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAndreaPecceBento
 
Avaliação nutricional história relacionada a nutrição - história global
Avaliação nutricional   história relacionada a nutrição - história globalAvaliação nutricional   história relacionada a nutrição - história global
Avaliação nutricional história relacionada a nutrição - história globalArmando Santos
 
- AULA 07- DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx
- AULA 07-  DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx- AULA 07-  DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx
- AULA 07- DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptxFarmaciafic1
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosFrancisco José
 

Semelhante a Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos (20)

Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicos
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
 
Semiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicadaSemiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicada
 
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidadeAula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt
2ª MÉTODO DE EXPLORAÇÃO E ACOLHIMENTO.ppt
 
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
 
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
 
Avaliação nutricional história relacionada a nutrição - história global
Avaliação nutricional   história relacionada a nutrição - história globalAvaliação nutricional   história relacionada a nutrição - história global
Avaliação nutricional história relacionada a nutrição - história global
 
- AULA 07- DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx
- AULA 07-  DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx- AULA 07-  DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx
- AULA 07- DEFINIÇÃO DE SEMIOLOGIA.pptx
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 

Mais de Cassyano Correr

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoCassyano Correr
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucessoCassyano Correr
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Cassyano Correr
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosCassyano Correr
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Cassyano Correr
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialCassyano Correr
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusCassyano Correr
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?Cassyano Correr
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCassyano Correr
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemCassyano Correr
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasCassyano Correr
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeCassyano Correr
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaCassyano Correr
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabioseCassyano Correr
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCassyano Correr
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Cassyano Correr
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 

Mais de Cassyano Correr (20)

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de Aprendizagem
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapia
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
 
QSSF-Brasil
QSSF-BrasilQSSF-Brasil
QSSF-Brasil
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
 

Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos

  • 1. O MÉTODO CLÍNICO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Cassyano J Correr Farmacêutico , Ph.D., M.Sc. Doutor em Medicina Interna Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná cassyano@ufpr.br
  • 2. Conteúdo  Conceitos  Etapas do Método Clínico  Coleta de dados do paciente  Identificação de problemas  Plano de cuidado  Seguimento
  • 3. CONSULTA FARMACÊUTICA  Ato demandado pelo paciente ou pela equipe de saúde no qual o farmacêutico busca prevenir e resolver problemas ligados à saúde e à farmacoterapia em um processo de colaboração e interação direta com o paciente.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Semiologia farmacêutica  Semiologia ou propedêutica é a parte das ciências da saúde relacionada ao estudo dos sintomas e sinais das doenças que afetam o ser humano  Semiologia Farmacêutica consiste na aplicação das técnicas e conhecimentos sobre a investigação de sinais e sintomas para a prática farmacêutica
  • 7.  Sintomas se referem ao que o paciente sente e são descritos por ele a fim de esclarecer a natureza da doença. Exemplos de sintomas incluem dor, náusea, diarréia ou respiração curta.  Sinais se referem aos achados do examinador. Os sinais podem ser observados e quantificados, como por exemplo, febre, hipertensão arterial, hiperglicemia ou alterações na pele.
  • 8. O MÉTODO CLÍNICO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA  O processo de atenção farmacêutica ao paciente obedece a uma seqüência de passos conhecida como método clínico.
  • 9. Fase 1 Coleta de dados Organização do conjunto de dados do paciente incluindo história clínica, exame físico e resultados laboratoriais Fase 2 Identificação de problemas Formulação de uma lista completa dos problemas do paciente identificados pelo médico Fase 3 Plano Desenvolvimento de planos de ação para cada problema identificado Fase 4 Seguimento Acompanhar o progresso das ações realizadas e a evolução dos problemas abordados Quatro fases da ação médica, segundo Weed et al. (1971) O método clínico clássico
  • 10. Os farmacêuticos são especialistas em medicamentos... • Promover seu uso racional • Garantir sua máxima efetividade e segurança da farmacoterapia
  • 11. Farmacoterapia Ideal: 11 Segurança - A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde - A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes Efetividade - O paciente apresenta a resposta esperada à medicação - O regime posológico está adequado ao alcance das metas terapêuticas Adesão Terapêutica - O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime posológico - O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa Necessidade - O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita - O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário Baseado nos estudos de Cipolle, Strand, Morley e Fernández-Llimós et al.
  • 12. 12 P1 Seleção P2 Administração P3 Biofarmacêutico P4 Farmacocinético P5 Farmacodinâmico P6 Resultados Terapêuticos HIPOGLICEMIA HIPERTENSÃO DIARRÉIA INSULINA NPH MANHÃ - NOITE ENALAPRIL / HCTZ CELECOXIB CARBAMAZEPINA 200MG 2X DIA ok Interação Med-Med Hiper-sensibilidade? ok ok ok ok ok Medicamento contaminado Administração Incorreta ok ok Correr & Otuki, 2011
  • 14. O método clínico da atenção farmacêutica Há várias metodologias para atenção farmacêutica disponíveis na literatura. Entre as mais citadas no Brasil estão: • Método Dáder • Pharmacotherapy WorkUp • Therapeutic Outcomes Monitoring (TOM)
  • 15. Processo de Atenção Farmacêutica Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4
  • 16. Processo de Atenção Farmacêutica • Dados Específicos do Paciente • História clínica • História de Medicação Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4
  • 17. Processo de Atenção Farmacêutica • Revisão da Farmacoterapia • Identificação dos Problemas presentes e potenciais • Dados Específicos do Paciente • História clínica • História de Medicação Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4
  • 18. Processo de Atenção Farmacêutica • Definir Metas Terapêuticas • Intervenções • Agendamento de Retorno e Seguimento • Revisão da Farmacoterapia • Identificação dos Problemas presentes e potenciais • Dados Específicos do Paciente • História clínica • História de Medicação Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4
  • 19. Processo de Atenção Farmacêutica • Revisão da Farmacoterapia • Identificação dos Problemas presentes e potenciais • Definir Metas Terapêuticas • Intervenções • Agendamento de Retorno e Seguimento • Dados Específicos do Paciente • História clínica • História de Medicação • Resultados e Progresso do Paciente • Alcance das Metas Terapêuticas • Novos Problemas Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4
  • 21. Entrevista Clínica Perfil do Paciente História de Medicação História Clínica •Idade, sexo •Peso, Altura •IMC, circunferência abdominal •Escolaridade, profissão, ocupação •Cuidador, se houver •Condição social (acesso a medicamentos e assistência) •Medicamentos prescritos •Medicamentos sem prescrição •Medicação pregressa •Experiência com os medicamentos •História de alergias •História de reações adversas •Queixa principal •História da doença atual •História médica pregressa •História social •História familiar •Revisão por sistemas Coletar e organizar dados do paciente
  • 22. História Clínica  Motivo da Consulta / Queixa Principal (QP)  História da Doença Atual (HDA)  História Médica Pregressa (HMP)  História Familiar (HF)  História Social (HS)  Revisão por Sistemas (RS) Coletar e organizar dados do paciente
  • 23. Motivo da Consulta  Apresentação breve de porque o paciente está procurando assistência  Normalmente, consiste em um ou dois sintomas primários, com uma duração determinada, que é expresso pelo paciente em suas próprias palavras  "dor de garganta há 2 dias"  "intestino preso" Coletar e organizar dados do paciente
  • 24. História da Doença Atual 1. Tempo: Início, duração e freqüência dos sintomas. 2. Localização: Área precisa dos sintomas. 3. Qualidade ou característica: uso de termos descritivos específicos sobre o sintoma (ex. dor aguda, catarro com presença de sangue). 4. Quantidade ou severidade: leve, moderada ou grave. 5. Ambiente: O que o paciente estava fazendo quando os sintomas ocorreram. 6. Fatores que agravam e aliviam: Fatores que fazem com que os sintomas melhorem ou que fiquem piores (Ex. pirose que piora após a refeição). 7. Sintomas associados: Outros sintomas que ocorrem com os sintomas primários. Coletar e organizar dados do paciente
  • 25. História Médica Pregressa  Descrição breve dos problemas e ocorrências médicas passadas mais relevantes, relacionadas ou não aos problemas atuais do paciente.  Pode incluir hospitalizações, procedimentos cirúrgicos, acidentes, injúrias, história obstétrica (mulheres), entre outras Coletar e organizar dados do paciente
  • 26. História Familiar  Descrição breve da presença ou ausência de doenças em parentes de primeiro grau do paciente (pais, irmãos e filhos).  Os dados incluem parentes falecidos e vivos, causa da morte, idade da morte e problemas médicos principais de familiares vivos. Coletar e organizar dados do paciente
  • 27. História Social  Álcool  Tabaco  Drogas ilícitas  Alimentação  Atividade física  Meio social do paciente Coletar e organizar dados do paciente
  • 28. Revisão Por Sistemas  Adaptada à Atenção Farmacêutica  Sinais Vitais  Parâmetros Bioquímicos  Exames Laboratoriais  Sinais ou Sintomas investigados por sistemas ou órgãos que possam indicar problemas com uso de medicamentos Coletar e organizar dados do paciente
  • 29. 29  Caspa / seborréia:  Ouvido / audição:  Olhos / visão:  Nariz / Rinite:  Boca/ garganta / voz:  Mãos / unhas:  Pés/ unhas:  Problemas de pele:  Dor muscular:  Dor de cabeça:  Dor em articulações:  Dor nas costas/coluna:  Coração / dor no peito:  Pulmão / falta de ar:  Queimação / azia:  Dor de estômago:  Má digestão/ empacho:  Constipação:  Diarréia:  Prob. Hepático / biliar:  Edema:  Alteração Renal:  Urina (ardor, dificuldade):  Incontinência:  Tontura / vertigem:  Tremor:  Depressão:  Ansiedade/nervosismo:  Perda de memória:  Insônia /perda de sono:  Vacinação (calendário):  Vitaminas e minerais:  Sintomas menopausa:  Vaginose / prurido:  Perda de libido:  Impotência: Revisão Por Sistemas Coletar e organizar dados do paciente
  • 30. História de Medicação  Medicamento em uso atual  Plantas Medicinais  Medicamentos de uso pregresso  Alergias  Reações Adversas a Medicamentos  Experiência de Medicação do Paciente  Concordância e Adesão Terapêutica Coletar e organizar dados do paciente
  • 31. Farmacoterapia Atual Indicação ou Problema de Saúde Data Início PS Medicamento Concentração / Dose Data Início Med. S/NCafé Almoço Lanche Jantar h.d. A D A D A D A D - Relacão do problemas de saúde do paciente Tempo de duração do problema Nome do medicamento e dosagem Tempo de início do uso do medicamento Horário de uso de cada medicamento conforme relato do paciente Coletar e organizar dados do paciente
  • 32. 32 Farmacoterapia Atual MEDICAMENTO 7h30 Café 12h30 Almoço 16h00 Lanche 19h00 Jantar 00h00 H.D. S/N A D A D A D A D Captopril 25mg 2 2 2 Hidroclorotiazida 25mg 1 AAS 100mg 2 Glibenclamida 5mg 1 1 Metformina 850mg 1 1 Sinvastatina 20mg 1 Coletar e organizar dados do paciente
  • 33. Adesão Terapêutica  Intencional versus não-intencional  Complexidade da Farmacoterapia  Número de medicamentos  Número de doses e horários  Instruções adicionais  Concordar para Aderir Coletar e organizar dados do paciente
  • 35. Identificar problemas relacionados à farmacoterapia  O “Coração” e a “Alma” do Método Clínico  Principal diferença entre os métodos existentes
  • 36.
  • 37. Problemas Relacionados à Farmacoterapia “Um problema de saúde, relacionado ou suspeito de estar relacionado à farmacoterapia, que interfere ou pode interferir nos resultados terapêuticos e na qualidade de vida do usuário” http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ PropostaConsensoAtenfar.pdf
  • 38. 38 Indicação - Problema de Saúde - Fator de Risco Medicamento - Fármaco - Forma Farmacêutica Regime Terapêutico - Dose, via, freqüência, duração Padrão de Adesão do paciente Uso Correto Biofarmacêutica Farmacocinética Farmacodinâmica Resultado Terapêutico - Efetividade - Segurança
  • 39. Meta Terapêutica Exemplos Cura de uma doença Pneumonia bacteriana Amigdalite estreptocócica Redução ou eliminação de sinais e/ou sintomas Depressão Resfriado comum Redução ou interrupção da progressão da doença Hipertensão Diabetes Prevenção da doença Osteoporose Infarto agudo do miocárdio Normalização de exames laboratoriais Anemia ferropriva Hipocalemia Auxiliar no processo diagnóstico Exames oftalmológicos Contraste radiológico Como avaliar a efetividade da farmacoterapia? Adaptado de: Cipolle RJ, Strand LM, Morley PC. Pharmaceutical Care Practice. The clinician's guide. 2th Ed. New York: McGraw-Hill, 2004. 394p.
  • 40. Resultados Terapêuticos Parametros fisiológicos e biológicos Quadro sintomático Quadro funcional Percepção geral da saúde Qualidade de vida relacionada à saúde Satisfação com o cuidado Exames laboratoriais e medidores Avaliação do profissional Resultados reportados pelo paciente
  • 41. Como avaliar a segurança da farmacoterapia?
  • 42. Relação com a dose (benefício:dano) TempoSuscetibilidade Paciente Medicamento Reação Adversa Extrínseca Intrínseca Resultado Dano Drug Saf 2010; 33(1) Métodos: DoTS EIDOS
  • 43. Como avaliar a adesão terapêutica?  Relato do paciente  Dificuldades para tomar os medicamentos  Na última semana, quantas vezes esqueceu ou deixou de tomar o medicamento?  Questionários  Contagem de comprimidos  Histórico de compra do medicamento  Falha na resposta terapêutica esperada
  • 44. Quantos problemas relacionados à farmacoterapia existem? Classificações  Há classificações focadas em isolar desfechos clínicos, como a do Consenso de Granada,  E outras que não se preocupam em misturar causas e efeitos, como as classificações de Strand et al. e do PCNE.  Não há uma proposta brasileira para o tema.
  • 45. Problema Situação Clínica Farmacoterapia necessária Há necessidade de iniciar farmacoterapia no paciente Farmacoterapia desnecessária O paciente utiliza farmacoterapia que não é necessária Inefetividade da Farmacoterapia A farmacoterapia não alcança a meta terapêutica proposta Insegurança da Farmacoterapia O medicamento causa um novo problema de saúde no paciente ou agrava um problema pré-existente Baixa Adesão do Paciente à Farmacoterapia O paciente não adere apropriadamente à farmacoterapia de forma voluntária ou involuntária
  • 46. ELABORAR UM PLANO DE CUIDADO EM CONJUNTO COM O PACIENTE
  • 47. O objetivo do plano de cuidado: Determinar em conjunto com o paciente como manejar adequadamente seus problemas de saúde utilizando a farmacoterapia e tudo que deve ser feito para que o plano seja cumprido.
  • 48. • Metas Terapêuticas • Intervenções Farmacêuticas • Prazo para retorno Este será composto de três partes:
  • 49. Relação Farmacêutico - Paciente 49 Conhecimento, habilidades, atitudes profissionais e procedimentos clínicos a fim de alcançar objetivos terapêuticos Atitudes, expectativas, medos, conhecimento, crenças, situação de vida, comportamento com relação à saúde e medicamentos Imagem: http://files.myopera.com/yevgeny/blog/MUR.jpeg Modelo de decisões compartilhadas centrado no paciente.
  • 50. 1. Modificação na quantidade de medicamento 1.1 Modificar a dose do medicamento 1.2 Modificar a freqüência de administração ou a duração do tratamento 1.3 Modificar os horários de uso do medicamento 2. Modificação da estratégia farmacológica 2.1 Iniciar um novo medicamento 2.2 Suspender um medicamento 2.3 Substituir um medicamento 3. Educação do paciente 3.1 Reduzir a não aderência não-intencional do paciente (educar no uso do medicamento) 3.2 Reduzir a não aderência voluntária do paciente (trabalhar atitudes e comportamento do paciente) 3.3 Educar sobre medidas não-farmacológicas Tipos de intervenções farmacêuticas realizadas na atenção farmacêutica Fonte: Sabater D, Fernández-Llimós F, Parras M, Faus MJ. Tipos de intervenciones farmacéuticas en seguimiento farmacoterapéutico. Seguimiento Farmacoterapéutico 2005; 3(2): 90-97.
  • 51. 51 Resumo Clínico  Formato SOAP  Informações subjetivas relevantes  Informações objetivas relevantes  Interpretação e Avaliação das informações em termos de Problemas da Farmacoterapia e outros problemas relevantes  Elaboração de um plano de cuidado, incluindo as intervenções necessárias
  • 52. Avaliação Inicial Lista de Problemas da Farmacoterapia Plano de Cuidado
  • 53. Contato com o Médico: 1) Contato pessoal ou telefônico, 2) Envio de carta escrita ao médico ou 3) Orientação ao paciente para que converse com o médico sobre a necessidade de alteração.
  • 54. A carta ao médico... Apresentação: identificação do paciente, medicamentos envolvidos na situação e problemas de saúde sob tratamento. Motivo do encaminhamento: problemas da farmacoterapia identificados e manifestações clínicas que fundamentam a suspeita (sinais, sintomas, medidas clínicas). Utilizar linguagem técnica e evitar proposições de diagnóstico ou prognóstico. Avaliação farmacêutica: relação entre os problemas encontrados e a farmacoterapia do paciente, incluindo possíveis causas. Proposta de solução do problema, incluindo alternativas terapêuticas e sugestões. Fechamento: despedida formal, reforçando a solicitação de avaliação do médico sobre o problema, colocando-se à disposição e reforçando a continuidade do cuidado que será prestado. Data, carimbo e assinatura do farmacêutico. Fonte: Machuca M, Martínez Romero F, Faus MJ. Informe farmacéutico-médico según la metodologia Dáder para el seguimiento del tratamiento farmacológico. Pharm Care Esp 2000; 2: 358-363.
  • 55. 55 Comunicação com outros profissionais:
  • 56. Maria da Silva Encaminho a Sra Maria da Silva para consulta médica. A mesma dirigiu-se à farmácia com queixa de dor de ouvido e febre alta com 3 dias de duração. Foi administrado Paracetamol 750mg na farmácia Temperatura 12.05.10 18h30 ---- 39° C até 37 °C Carimbo e assinatura do farmacêutico 56
  • 57. 57
  • 58. O último passo na elaboração do plano de cuidado é definir o prazo necessário para que o paciente volte à consulta farmacêutica. Este passo corresponde ao agendamento para as avaliações de seguimento do paciente.
  • 60. Avaliação Inicial Lista de Problemas da Farmacoterapia Plano de CuidadoEvolução do Paciente
  • 61. O tempo passado entre a primeira consulta e as consultas de retorno deverá ser suficiente para ocorrência de mudanças nesses indicadores, mostrando a evolução da farmacoterapia em termos de efetividade e segurança. Quando o paciente deve voltar?
  • 62. Três atividades essenciais compõem o seguimento do paciente: 1. avaliação dos resultados terapêuticos e evolução clínica do paciente, 2. avaliação do alcance das metas terapêuticas 3. identificação de novos problemas
  • 63. Indicadores de efetividade da medicação incluem normalmente sinais observáveis como:  Freqüência cardíaca, temperatura corporal, pressão arterial,  Sintomas (dor, melancolia, cansaço, prurido)  Exames clínicos e laboratoriais (glicemia, LDL-C, TSH, eletrocardiograma, densidade óssea).
  • 64. Indicadores de segurança da medicação incluem:  Sinais, sintomas  Exames laboratoriais que possam revelar a ocorrência de reações adversas ou toxicidade farmacológica.
  • 65. O registro da evolução do paciente no prontuário pode ser feito de várias formas Modo mais comum: S – dados subjetivos do paciente, O – dados objetivos do paciente, A – avaliação farmacêutica, P – plano e condutas realizadas pelo farmacêutico.
  • 67. LEMBRE-SE DE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO: •A qualidade de vida •Satisfação do paciente • Os custos do tratamento
  • 68. Fim! Cassyano J Correr Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná cassyano@ufpr.br