SlideShare uma empresa Scribd logo
Farm. MSc. Tiago Lima Sampaio
Doutorando PPG Farmacologia – UFC
Fortaleza, Junho de 2016
edicamentos
sentos de
rescrição
“São aqueles cuja dispensação não requer
autorização, ou seja, receita expedida por
profissional” (Ministério da Saúde)
OTC - “Over
the counter”
(sobre o balcão)
Medicamentos
de venda
Livre
Medicamentos relacionados ao manejo de transtornos menores.
(OPAS, 2008)
1. Problema de saúde auto-limitante,
2. De cura espontânea,
3. Com menos de sete dias,
4. Não está relacionado com outra doença e
5. Não é causado por outro medicamento
CONSIDERAR SE:
• Idosos
• < 2 anos
• PS severos
• Quem
prescreveu?
• Mesmo PS?
• Efetivo, seguro?
Automedicação
x
Auto prescrição
Fácil acesso aos medicamentos
automedicação e
auto prescrição
automedicação
RESPONSÁVEL
uso irracional de
medicamentos X
*
“Prática dos indivíduos em tratar seus
próprios sintomas e males menores com
medicamentos aprovados e disponíveis
sem a prescrição médica e que são
seguros quando usados segundo as
instruções.”
“Expert Committee on National Drug Policies”. World Health
Organization. July, 1995.
Tratamento de sintomas e males menores
Ampla margem de segurança e eficácia
Desoneram o sistema público de saúde
Uso Responsável de Medicamentos
Reduzir a pressão sobre
os sistemas de saúde,
para o alívio de males
menores, sobretudo
quando os recursos
humanos e financeiros
forem limitados;
Aumentar a disponibilidade
de cuidado para populações
em áreas remotas, onde o
acesso aos serviços
médicos pode ser difícil.
De acordo com a OMS, a automedicação
responsável pode:
Prevenir e tratar
sintomas e distúrbios
que não necessitam de
uma consulta médica;
In “Expert Committee on
National Drug Policies”. World Health
Organization. July, 1995.
O segmento de MIPs é grande gerador de economia
para o sistema de saúde
20% menos estrutura de saúde necessária (ambulatórios, hospitais,
profissionais de saúde, etc)
Melhor utilização dos recursos da saúde (recursos alocados em doenças
com mais riscos, com maior morbidade e que necessitam mais recursos
do sistema)
Farmacologia Clínica dos MIPS
Casos Registrados de Intoxicação Humana por
Agente Tóxico. Brasil, 2014.
30,46% foram provocados por medicamentos;
11,02% Domissanitários;
5,58% Produtos químicos industriais;
5,55% Agrotóxicos de uso agrícola;
4,08% Drogas de Abuso;
4,11 % Raticidas;
3,44% Agrotóxicos de uso doméstico.
Fonte: http://www.fiocruz.br/sinitox/2014/tab4_brasil.pdf
(acesso em 05/06/16)
20 mil brasileiros morrem anualmente
vítimas da automedicação. (CFF-2013)
Princípios ativos identificados mais
frequentes nos casos de intoxicação:
fenobarbital,
diazepam,
haloperidol,
carbamazepina,
bromazepam,
fenilpropanolamina,
benzodiazepínicos não identificados,
paracetamol,
fenilefrina,
dipirona.
Fonte: http://portal.saude.gov.br/content/hevemijesw.mmp (acesso em 05/06/16)
Medicamento Isento de Prescrição não é livre de ORIENTAÇÃO!!
Atendimento
Farmacêutico
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Dispensação
Medicamento com
Orientação farmacêutica
Medidas não farmacológicas
Médico Urgência
Solicitação de
Medicação
Transtorno
Menor?
Prescindível
Atenção Médica?
Já Usou?
Efetivo e
Seguro?
MIP
sim
sim
sim
sim
sim
Atendimento Médico Dispensação
Farmacologia Clínica dos MIPS
Estimula o indivíduo a se informar sobre os produtos consumidos
Estimula o consumidor a sentir-se responsável por sua saúde
A informação e o sentimento de responsabilidade: diminuindo intoxicações
e reações adversas
Combate à “empurroterapia” e troca de medicamentos.
A possibilidade de escolha = maior concorrência, baixa dos preços
O segmento de MIPs é grande gerador de
benefícios para o consumidor
*Fornecer subsídios ao Profissional
Farmacêutico, para que ele possa
orientar adequadamente o paciente
sobre o uso correto, seguro e
racional dos Medicamentos Isentos
de Prescrição (MIPs), contribuindo
para a prevenção, proteção e
promoção da saúde da população.
Farmacologia Clínica dos MIPS
Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia.
Automedicação Responsável – Atribuição do farmacêutico
Seleção e dispensação de Medicamentos não prescritos
Esclarecimento de dúvidas
I) O modo de ação do medicamento;
II) A forma como deve ser tomado (como, quando, quanto);
III) A duração do tratamento;
IV) Possíveis reações adversas, contraindicações e interações.
Dispõe sobre a propaganda, publicidade, informação e
outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção
comercial de medicamentos.
Sem publicidade enganosa
Abusiva e indireta
Verídicas
Tylenol® é um medicamento, seu uso pode trazer riscos.
Procure o médico e o farmacêutico.
Leia a Bula!
Propaganda conforme Resolução RDC nº 96, de 17 de dezembro de 2008
Farmacologia Clínica dos MIPS
Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle
sanitário do funcionamento, da dispensação e da
comercialização de produtos e da prestação de serviços
farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras
providências.
Área de
circulação
comum
Área
restrita a
funcionários
Dispensação
Declaração de
Serviços
Farmacêuticos
- 2 vias
- Propaganda!!
Dispõe sobre a relação de produtos
permitidos para dispensação e
comercialização em farmácias e
drogarias.
Aprova a relação dos medicamentos
isentos de prescrição que poderão
permanecer ao alcance dos usuários
para obtenção por meio de
autosserviço em farmácias e
drogarias.
1. Fitoterápicos
2. Via Dermatológica
3. Notificação Simplificada
Farmacologia Clínica dos MIPS
• O artigo 5º, inciso XIII da Constituição Federal, outorga
liberdade de exercício, trabalho e profissão.
• A definição de Responsabilidade Técnica dada pela redação
do Capítulo 6 da Resolução CFF 357/01: “é o ato de aplicação
dos conhecimentos técnicos e profissionais, cuja
responsabilidade objetiva, esta sujeita às sanções de natureza
civil, penal e administrativa.”
• Somos e seremos sempre responsáveis pelos medicamentos
no âmbito das farmácias e drogarias, da aquisição até a sua
dispensação ao consumidor final (Art. 4º,Resolução CFF
417/04),
• Sendo inclusive, responsáveis pela avaliação da
prescrição (Art. 7º, §1º da RDC 44/09), pela sua
intercambilidade (RDC 16/07 ANVISA) e pela orientação de
seu uso no ato da dispensação
Farmacologia Clínica dos MIPS
Mas afinal, quem são esses MIPs?
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
1. Cefaleia
2. Diarreia
3. Dor
4. Febre
5. Gripe
6. Micose
7. Resfriado
8. Rinite alérgica
9. Tosse
10.Antihistamínicos
(CFF, 2014)
Farmacologia Clínica dos MIPS
Cefaleia é sinônimo de dor de cabeça e esse termo engloba todas as dores
de cabeça existentes.
Cefaléia
Dor de
cabeça
(SBCe, 2009)
Enxaqueca ou
migrânea
Dor tensional Dor
cervicogênica Relacionada à
sinusite
Internacional
Headache
Society (2001)
Céfaléias Primárias
Céfaléias Secundárias ou
Sintomáticas
Cefaleias Primárias
1- enxaqueca (ou
migrânea)
2- cefaleia tipo tensão
3- cefaleia em salvas e
hemicrânia paroxítica
crônica
4- cefaleias diversas não
associadas a lesões
estruturais
Cefaleias Secundárias ou
Sintomáticas
5- associada a trauma de crânio
6- associada a doenças vasculares
7- associada a outros distúrbios
intracranianos não vasculares
8- associada a substâncias
9- associada a infecção não-
encefálica
10- associada a distúrbio metabólico
11- cefaleia ou dor facial associada
a distúrbio de crânio, pescoço,
olhos, orelhas, seios paranasais,
dentes ou a outras estruturas faciais
ou cranianas
12- neuralgias cranianas, dor de
tronco nervoso
10%
população
60%
Histórico
Familiar
50%:
Instalação
aos 30 anos
(BALLINGER, 1999)
1 a 2h –
24h
Aura: 10 a
30 min
(CEZAR, 2009).
Estresse
Sono
(+ ou -)
Jejum
OdoresAlimentosMedicamentos
- Vasodilatadores
- Estimulantes do SNC
- Diuréticos
Triptanos Ergóticos AINES
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
A febre é um aumento da temperatura corpórea acima do padrão
considerado normal – entre 36ºC e 37,4ºC – faixa que compreende 95%
da população sadia (ATTA, 2002).
Farmacologia Clínica dos MIPS
Inibe a síntese de prostaglandinas do SNC e bloqueia
perifericamente a geração do impulso da dor. Atua como
antitérmico ao inibir o centro de regulação térmica
hipotalâmico (GOLDMAN, 2008).
Analgesia
AI
Ativação IRREVERSÍVEL da COX (Não seletivo!!)
Ativação IRREVERSÍVEL da COX (Não seletivo!!)
Biodisponibilidade MÁXIMA por Via Oral
Derivado pirazolônico não-narcótico
Leucotrienos
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Gravida ou amamentando
Menos de 6 meses de idade
A dor é causada por dor na garganta
A dor é causada por dor muscular, dor nas
costas, reumatismo ou artrite
A dor tem persistido por mais de 10 dias
(adultos) ou 5 dias (crianças)?
O Paciente apresenta reação alérgica ä aspirina
ou a outro salicilatos
Sim
Sim
Sim
Sim
Sim
Sim
Encaminhar ao
médico
Encaminhar ao
médico
Encaminhar ao
médico
Recomendar
paracetamol
Se menor que 12 anos =
Encaminhar ao médico; se
não continuar
Se dor mais que 2 dias –
enc. Médico; Se a dor é
grave, persistente ou
acompanhada de febre,
náusea ou vômito –
encaminhar ao médico
Não
Não
Não
Não
Não
Não
O Paciente é asmático?
Apresenta problemas estomaciais persistentes ou
recorrentes, ulceras ou problemas de
sangramento?
Usa medicamentos sob prescrição médica para
tratamento de distúrbios tromboembólicos,
diabetes, gota ou artrite?
O Paciente fez tonsilectomia ou cirurgia oral nos
últimos 7 dias?
O Paciente apresenta problema renal?
Não
Não
Não
Não
Não
Sim Contra indicado
salicilatos
Sim Contra indicado
salicilatos
Sim Contra indicado
salicilatos
Sim
Contra indicado
salicilatos na forma
mastigável
Sim
Contra indicado
salicilatos de
magnésio
É uma criança ou adolescente se
recuperando de catapora, sintomas de
influenza ou influenza?
Alguma condição que requer
medicamentos sob prescrição médica ou
já apresentou problema grave
relacionado ao uso de algum analgésico?
O Paciente tem mais de 6 meses e
menos de 2 anos de idade?
Sim Contra indicado
salicilatos
Sim Contra indicado
ibuprofeno
Sim
É apropriado somente
o uso de gotas de
ibuprofeno para o uso
infantil, com exceções
Não
Não
Não
Mais de 2 e menos de 12 anos
Mais de 12 e menos de 16 anos
Salicilatos, paracetamol
(acetaminofeno), ibuprofeno em
dosagem apropriada conforme a idade.
Sim Indicar salicilatos,
ibuprofeno ou
paracetamol nas
doses adequadas
Sim Indicar salicilatos,
ibuprofeno ou
paracetamol nas
doses adequadas
Não
Não
Medicamento Efeito
Anangésico
Efeito antipirético Efeito
Antiinflamatório
AAS +++ +++ +++
Dipirona +++ +++ +
Ibuprofeno + ++ ++
Paracetamol +++ +++ +
Paciente
- Automedicação responsável
- Economia de tempo
- Vantagem na relação
custo/benefício
Farmacêutico
- Prestação de um serviço com muita
demanda
- Aumento de seu prestígio profissional
Sistema de Saúde
- Desafogamento das consultas médicas
- Diminuição do gasto em medicamentos e em
prestação
de serviço de saúde
Paciente
- As vezes pode-se mascarar um PS que requer atenção
médica imediata.
Farmacêutico
- Obrigação de assumir responsabilidades.
- Imagem negativa ante um fracasso terapêutico
Sistema de saúde
- Pode-se aumentar os custos no caso de não resolução do PS
pelo
farmacêutico
Obrigado!!
tiagosampaio91@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
Marcelo Polacow Bisson
 
Conceitos em Farmácia
Conceitos em FarmáciaConceitos em Farmácia
Conceitos em Farmácia
Wellington Silva
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
Suzana Zaba Walczak
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
Leonardo Souza
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
Caio Maximino
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
Elizeu Ferro
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Luis Antonio Cezar Junior
 
Farmacologia e definicões
Farmacologia e definicõesFarmacologia e definicões
Farmacologia e definicões
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
angelitamelo
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Patrícia Lopes
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1
Bia Gneiding
 

Mais procurados (20)

Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
Conceitos em Farmácia
Conceitos em FarmáciaConceitos em Farmácia
Conceitos em Farmácia
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
Farmacologia e definicões
Farmacologia e definicõesFarmacologia e definicões
Farmacologia e definicões
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1
 

Destaque

Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
Rinaldo Ferreira
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
farmaefarma
 
Conjunto de instruções mips - introdução
Conjunto de instruções mips - introduçãoConjunto de instruções mips - introdução
Conjunto de instruções mips - introdução
Elaine Cecília Gatto
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Polinômios cn 2013 - exercícios
Polinômios  cn 2013 - exercíciosPolinômios  cn 2013 - exercícios
Polinômios cn 2013 - exercícios
Curso Progressão Autêntico
 
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
Marcelo Polacow Bisson
 
Código de ética farmacêutica
Código de ética farmacêuticaCódigo de ética farmacêutica
Código de ética farmacêutica
ApolloeGau SilvaeAlmeida
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
Cassyano Correr
 
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológicaDrogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Paulo Sérgio
 
Preparo de medicamentos
Preparo de medicamentosPreparo de medicamentos
Preparo de medicamentos
Carlos Pitroski
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
Cassyano Correr
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
Marcelo Polacow Bisson
 
Administração de medicamentos iv
Administração de medicamentos ivAdministração de medicamentos iv
Administração de medicamentos iv
Thays Garcia
 
Vias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentosVias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentos
Wagner Lima Teixeira
 
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatalFarmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Sandra Brassica
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
Luísa Romanov
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Jaqueline Almeida
 
2 vias de administração dos medicamentos
2 vias de administração dos medicamentos2 vias de administração dos medicamentos
2 vias de administração dos medicamentos
dannyzimmermann
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 

Destaque (20)

Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
 
Conjunto de instruções mips - introdução
Conjunto de instruções mips - introduçãoConjunto de instruções mips - introdução
Conjunto de instruções mips - introdução
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Polinômios cn 2013 - exercícios
Polinômios  cn 2013 - exercíciosPolinômios  cn 2013 - exercícios
Polinômios cn 2013 - exercícios
 
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
Normatização de MIPS (OTCs) - RDC 138
 
Código de ética farmacêutica
Código de ética farmacêuticaCódigo de ética farmacêutica
Código de ética farmacêutica
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
 
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológicaDrogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica
 
Preparo de medicamentos
Preparo de medicamentosPreparo de medicamentos
Preparo de medicamentos
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
 
Administração de medicamentos iv
Administração de medicamentos ivAdministração de medicamentos iv
Administração de medicamentos iv
 
Vias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentosVias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentos
 
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatalFarmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
2 vias de administração dos medicamentos
2 vias de administração dos medicamentos2 vias de administração dos medicamentos
2 vias de administração dos medicamentos
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 

Semelhante a Farmacologia Clínica dos MIPS

Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
Cassyano Correr
 
medicamentos.pdf
medicamentos.pdfmedicamentos.pdf
medicamentos.pdf
ssuser7a01aa
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de Medicamentos
Safia Naser
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
MayaraPereira87
 
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).pptEventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
anaadreis
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
Proqualis
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
AdrianaPaulaFarias
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
Waldir Miranda
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
Francisco José
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
farmaefarma
 
Riscos Novas Tecnologias Saúde
Riscos Novas Tecnologias SaúdeRiscos Novas Tecnologias Saúde
Riscos Novas Tecnologias Saúde
Isabella Oliveira
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Isabela Ribeiro
 
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
farmaefarma
 
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdfCongresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Leandro Brust
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
MarcioCruz62
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Nayara921526
 

Semelhante a Farmacologia Clínica dos MIPS (20)

Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
 
medicamentos.pdf
medicamentos.pdfmedicamentos.pdf
medicamentos.pdf
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de Medicamentos
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
 
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).pptEventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos-aula (1).ppt
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
 
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
 
Riscos Novas Tecnologias Saúde
Riscos Novas Tecnologias SaúdeRiscos Novas Tecnologias Saúde
Riscos Novas Tecnologias Saúde
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
 
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
 
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdfCongresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
Congresso brasileiro auditoria quimioterapia oral_2013_pdf
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
 

Farmacologia Clínica dos MIPS

  • 1. Farm. MSc. Tiago Lima Sampaio Doutorando PPG Farmacologia – UFC Fortaleza, Junho de 2016
  • 3. “São aqueles cuja dispensação não requer autorização, ou seja, receita expedida por profissional” (Ministério da Saúde) OTC - “Over the counter” (sobre o balcão) Medicamentos de venda Livre
  • 4. Medicamentos relacionados ao manejo de transtornos menores. (OPAS, 2008)
  • 5. 1. Problema de saúde auto-limitante, 2. De cura espontânea, 3. Com menos de sete dias, 4. Não está relacionado com outra doença e 5. Não é causado por outro medicamento
  • 6. CONSIDERAR SE: • Idosos • < 2 anos • PS severos • Quem prescreveu? • Mesmo PS? • Efetivo, seguro? Automedicação x Auto prescrição
  • 7. Fácil acesso aos medicamentos automedicação e auto prescrição automedicação RESPONSÁVEL uso irracional de medicamentos X
  • 8. * “Prática dos indivíduos em tratar seus próprios sintomas e males menores com medicamentos aprovados e disponíveis sem a prescrição médica e que são seguros quando usados segundo as instruções.” “Expert Committee on National Drug Policies”. World Health Organization. July, 1995.
  • 9. Tratamento de sintomas e males menores Ampla margem de segurança e eficácia Desoneram o sistema público de saúde Uso Responsável de Medicamentos
  • 10. Reduzir a pressão sobre os sistemas de saúde, para o alívio de males menores, sobretudo quando os recursos humanos e financeiros forem limitados; Aumentar a disponibilidade de cuidado para populações em áreas remotas, onde o acesso aos serviços médicos pode ser difícil. De acordo com a OMS, a automedicação responsável pode: Prevenir e tratar sintomas e distúrbios que não necessitam de uma consulta médica; In “Expert Committee on National Drug Policies”. World Health Organization. July, 1995.
  • 11. O segmento de MIPs é grande gerador de economia para o sistema de saúde 20% menos estrutura de saúde necessária (ambulatórios, hospitais, profissionais de saúde, etc) Melhor utilização dos recursos da saúde (recursos alocados em doenças com mais riscos, com maior morbidade e que necessitam mais recursos do sistema)
  • 13. Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico. Brasil, 2014. 30,46% foram provocados por medicamentos; 11,02% Domissanitários; 5,58% Produtos químicos industriais; 5,55% Agrotóxicos de uso agrícola; 4,08% Drogas de Abuso; 4,11 % Raticidas; 3,44% Agrotóxicos de uso doméstico. Fonte: http://www.fiocruz.br/sinitox/2014/tab4_brasil.pdf (acesso em 05/06/16)
  • 14. 20 mil brasileiros morrem anualmente vítimas da automedicação. (CFF-2013) Princípios ativos identificados mais frequentes nos casos de intoxicação: fenobarbital, diazepam, haloperidol, carbamazepina, bromazepam, fenilpropanolamina, benzodiazepínicos não identificados, paracetamol, fenilefrina, dipirona. Fonte: http://portal.saude.gov.br/content/hevemijesw.mmp (acesso em 05/06/16)
  • 15. Medicamento Isento de Prescrição não é livre de ORIENTAÇÃO!!
  • 17. Medicamento com Orientação farmacêutica Medidas não farmacológicas Médico Urgência
  • 18. Solicitação de Medicação Transtorno Menor? Prescindível Atenção Médica? Já Usou? Efetivo e Seguro? MIP sim sim sim sim sim Atendimento Médico Dispensação
  • 20. Estimula o indivíduo a se informar sobre os produtos consumidos Estimula o consumidor a sentir-se responsável por sua saúde A informação e o sentimento de responsabilidade: diminuindo intoxicações e reações adversas Combate à “empurroterapia” e troca de medicamentos. A possibilidade de escolha = maior concorrência, baixa dos preços O segmento de MIPs é grande gerador de benefícios para o consumidor
  • 21. *Fornecer subsídios ao Profissional Farmacêutico, para que ele possa orientar adequadamente o paciente sobre o uso correto, seguro e racional dos Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs), contribuindo para a prevenção, proteção e promoção da saúde da população.
  • 23. Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia. Automedicação Responsável – Atribuição do farmacêutico Seleção e dispensação de Medicamentos não prescritos Esclarecimento de dúvidas I) O modo de ação do medicamento; II) A forma como deve ser tomado (como, quando, quanto); III) A duração do tratamento; IV) Possíveis reações adversas, contraindicações e interações.
  • 24. Dispõe sobre a propaganda, publicidade, informação e outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção comercial de medicamentos. Sem publicidade enganosa Abusiva e indireta Verídicas Tylenol® é um medicamento, seu uso pode trazer riscos. Procure o médico e o farmacêutico. Leia a Bula! Propaganda conforme Resolução RDC nº 96, de 17 de dezembro de 2008
  • 26. Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Área de circulação comum Área restrita a funcionários
  • 28. Dispõe sobre a relação de produtos permitidos para dispensação e comercialização em farmácias e drogarias. Aprova a relação dos medicamentos isentos de prescrição que poderão permanecer ao alcance dos usuários para obtenção por meio de autosserviço em farmácias e drogarias. 1. Fitoterápicos 2. Via Dermatológica 3. Notificação Simplificada
  • 30. • O artigo 5º, inciso XIII da Constituição Federal, outorga liberdade de exercício, trabalho e profissão. • A definição de Responsabilidade Técnica dada pela redação do Capítulo 6 da Resolução CFF 357/01: “é o ato de aplicação dos conhecimentos técnicos e profissionais, cuja responsabilidade objetiva, esta sujeita às sanções de natureza civil, penal e administrativa.” • Somos e seremos sempre responsáveis pelos medicamentos no âmbito das farmácias e drogarias, da aquisição até a sua dispensação ao consumidor final (Art. 4º,Resolução CFF 417/04), • Sendo inclusive, responsáveis pela avaliação da prescrição (Art. 7º, §1º da RDC 44/09), pela sua intercambilidade (RDC 16/07 ANVISA) e pela orientação de seu uso no ato da dispensação
  • 32. Mas afinal, quem são esses MIPs?
  • 38. 1. Cefaleia 2. Diarreia 3. Dor 4. Febre 5. Gripe 6. Micose 7. Resfriado 8. Rinite alérgica 9. Tosse 10.Antihistamínicos (CFF, 2014)
  • 40. Cefaleia é sinônimo de dor de cabeça e esse termo engloba todas as dores de cabeça existentes.
  • 41. Cefaléia Dor de cabeça (SBCe, 2009) Enxaqueca ou migrânea Dor tensional Dor cervicogênica Relacionada à sinusite Internacional Headache Society (2001) Céfaléias Primárias Céfaléias Secundárias ou Sintomáticas
  • 42. Cefaleias Primárias 1- enxaqueca (ou migrânea) 2- cefaleia tipo tensão 3- cefaleia em salvas e hemicrânia paroxítica crônica 4- cefaleias diversas não associadas a lesões estruturais Cefaleias Secundárias ou Sintomáticas 5- associada a trauma de crânio 6- associada a doenças vasculares 7- associada a outros distúrbios intracranianos não vasculares 8- associada a substâncias 9- associada a infecção não- encefálica 10- associada a distúrbio metabólico 11- cefaleia ou dor facial associada a distúrbio de crânio, pescoço, olhos, orelhas, seios paranasais, dentes ou a outras estruturas faciais ou cranianas 12- neuralgias cranianas, dor de tronco nervoso
  • 44. 1 a 2h – 24h
  • 45. Aura: 10 a 30 min (CEZAR, 2009).
  • 46. Estresse Sono (+ ou -) Jejum OdoresAlimentosMedicamentos - Vasodilatadores - Estimulantes do SNC - Diuréticos
  • 50. A febre é um aumento da temperatura corpórea acima do padrão considerado normal – entre 36ºC e 37,4ºC – faixa que compreende 95% da população sadia (ATTA, 2002).
  • 52. Inibe a síntese de prostaglandinas do SNC e bloqueia perifericamente a geração do impulso da dor. Atua como antitérmico ao inibir o centro de regulação térmica hipotalâmico (GOLDMAN, 2008). Analgesia AI
  • 53. Ativação IRREVERSÍVEL da COX (Não seletivo!!)
  • 54. Ativação IRREVERSÍVEL da COX (Não seletivo!!)
  • 55. Biodisponibilidade MÁXIMA por Via Oral Derivado pirazolônico não-narcótico Leucotrienos
  • 58. Gravida ou amamentando Menos de 6 meses de idade A dor é causada por dor na garganta A dor é causada por dor muscular, dor nas costas, reumatismo ou artrite A dor tem persistido por mais de 10 dias (adultos) ou 5 dias (crianças)? O Paciente apresenta reação alérgica ä aspirina ou a outro salicilatos Sim Sim Sim Sim Sim Sim Encaminhar ao médico Encaminhar ao médico Encaminhar ao médico Recomendar paracetamol Se menor que 12 anos = Encaminhar ao médico; se não continuar Se dor mais que 2 dias – enc. Médico; Se a dor é grave, persistente ou acompanhada de febre, náusea ou vômito – encaminhar ao médico Não Não Não Não Não Não
  • 59. O Paciente é asmático? Apresenta problemas estomaciais persistentes ou recorrentes, ulceras ou problemas de sangramento? Usa medicamentos sob prescrição médica para tratamento de distúrbios tromboembólicos, diabetes, gota ou artrite? O Paciente fez tonsilectomia ou cirurgia oral nos últimos 7 dias? O Paciente apresenta problema renal? Não Não Não Não Não Sim Contra indicado salicilatos Sim Contra indicado salicilatos Sim Contra indicado salicilatos Sim Contra indicado salicilatos na forma mastigável Sim Contra indicado salicilatos de magnésio
  • 60. É uma criança ou adolescente se recuperando de catapora, sintomas de influenza ou influenza? Alguma condição que requer medicamentos sob prescrição médica ou já apresentou problema grave relacionado ao uso de algum analgésico? O Paciente tem mais de 6 meses e menos de 2 anos de idade? Sim Contra indicado salicilatos Sim Contra indicado ibuprofeno Sim É apropriado somente o uso de gotas de ibuprofeno para o uso infantil, com exceções Não Não Não
  • 61. Mais de 2 e menos de 12 anos Mais de 12 e menos de 16 anos Salicilatos, paracetamol (acetaminofeno), ibuprofeno em dosagem apropriada conforme a idade. Sim Indicar salicilatos, ibuprofeno ou paracetamol nas doses adequadas Sim Indicar salicilatos, ibuprofeno ou paracetamol nas doses adequadas Não Não
  • 62. Medicamento Efeito Anangésico Efeito antipirético Efeito Antiinflamatório AAS +++ +++ +++ Dipirona +++ +++ + Ibuprofeno + ++ ++ Paracetamol +++ +++ +
  • 63. Paciente - Automedicação responsável - Economia de tempo - Vantagem na relação custo/benefício Farmacêutico - Prestação de um serviço com muita demanda - Aumento de seu prestígio profissional Sistema de Saúde - Desafogamento das consultas médicas - Diminuição do gasto em medicamentos e em prestação de serviço de saúde
  • 64. Paciente - As vezes pode-se mascarar um PS que requer atenção médica imediata. Farmacêutico - Obrigação de assumir responsabilidades. - Imagem negativa ante um fracasso terapêutico Sistema de saúde - Pode-se aumentar os custos no caso de não resolução do PS pelo farmacêutico