SlideShare uma empresa Scribd logo
Farmacologia para
     Enfermagem


Noções Gerais

     Enfª Ana Eugênia L. Hollanders
                             04/2013
Origem dos medicamentos

   A origem dos medicamentos vem do passado e tiveram origem
    nas ervas e plantas.

   Outros são de origem animal : proteinas, hormônios (insulina,
    calcitonina,PTH, enzimas (pancreatina, pepsina); óleos e gorduras
    (óleo de fígado de bacalhau, ômega 3)

   Drogas de origem Mineral : Produtos inorgânicos (ferro, Iodo,
    Cloreto de sódio, cálcio)

   Atualmente, grande parte dos medicamentos é feita de produtos
    químicos, sendo outros elaborados pela engenharia genética.
Medicamentos ou fármacos
            Os medicamentos, ou fármacos, são
         substâncias usadas para o tratamento das
             doenças; podem aliviar os sintomas
         (efeitos), abrandar a dor, prevenir ou curar
            as doenças, e até para salvar vidas.
REMÉDIO OU VENENO ?




“...todas as substâncias são venenos, não existe nenhuma
                       que não seja.
  A dose correta diferencia um remédio de um veneno”.
                   Paracelso 1443-1541
Medicação e alimentos


•Alimento é um fator essencial e indispensável à manutenção e à ordem da saúde.

•O fenômeno de interação fármaco-nutriente pode surgir antes ou durante a absorção
gastrintestinal, durante a distribuição e armazenamento nos tecidos, no processo de
biotransformação ou mesmo durante a excreção.

•A presença de nutrientes pode constituir uma competição pelos sítios de absorção,
cuja conseqüência dependerá de qual componente apresenta maior afinidade com este
sítio. A levodopa (L-dopa), usada no tratamento da doença de Parkinson, tem ação
terapêutica inibida por dieta hiperprotéica; entretanto, uma dieta hipoprotéica
potencializa e estabiliza este efeito.
Alimento e Medicamento



Alimentos atrasam o esvaziamento gástrico e reduzem a
          taxa de absorção de muitos fármacos;
a quantidade total absorvida de fármaco pode ser ou não
                        reduzida.
   Contudo, alguns fármacos são preferencialmente
   administrados com alimento, seja para aumentar a
   absorção ou para diminuir o efeito irritante sobre o
                      estômago.
Por que tomamos remédios ??
Para que usamos os medicamentos

   REPOSIÇÃO: Fornecimento de elementos carentes ao organismo.
          Ex. Vitaminas, Sais Minerais, Proteínas, Hormônios.
   PROFILAXIA :prevenção de doença ou infecção.
          Ex. Soros e Vacinas.
   TRATAMENTO DE INFECÇÕES: antibióticos
   TRATAMENTO CÂNCER: quimioterápicos
   BLOQUEIO TEMPORÁRIO DE UMA FUNÇÃO NORMAL
          Ex. Anestésicos gerais e locais, Anticoncepcionais
   CORREÇÃO DE UMA FUNÇÃO ORGÂNICA DESREGULADA
          Ex.: Cardiotônicos na insuficiência cardíaca congestiva,
               Hidrocortisona na insuficiência de supra-renal
               Insulina no diabetes
   AGENTES AUXILIARES EM DIAGNÓSTICO: radiofármacos
Basicamente para :



                       Reduzir / abolir
                           a dor




  Melhorar qualidade
       de vida
                        Viver muito
Definição básica

       Medicamento é qualquer agente químico que,
    administrado no organismo, produz efeitos benéficos e
    que são utilizados de acordo com suas propriedades e
                          indicações
PODE SER:


  -Magistral (é preparado em farmácias de manipulação a partir de uma fórmula prescrita por um médico)
 -Oficinal (SUBSTÂNCIA OU FORMULAÇÃO iDENTIFICADA COMO PADRÃO EM UMA FARMACOPÉIA)
* FARMACOPÉIA: LIVRO QUE OFICIALIZA AS DROGAS DE USO CORRENTE E CONSAGRADAS COMO EFICAZES
                                            E ÚTEIS
Entendendo os medicamentos
PRINCÍPIO       ATIVO
                     : REPRESENTA A PRINCIPAL
    SUBSTÂNCIA ENCONTRADA NUM MEDICAMENTOS E QUE É
    RESPONSÁVEL PELO EFEITO TERAPÊUTICO.

 MEDICAMENTO : PRODUTO FARMACÊUTICO ACABADO.
  GERALMENTE É PRINCÍPIO ATIVO

 PRODUTO       FARMACÊUTICO ACABADO: GERALMENTE É
 CONSTITUIDO DE UM OU MAIS PRINCÍPIOS ATIVOS E
 EXCIPIENTE EDULCORANTES, CORANTES


       O MEDICAMENTO É COMERCIALIZADO EM DIFERENTES
                   FORMAS FARMACÊUTICAS
Formas Farmacêuticas

                     Estado físico no qual se
                         apresenta um
                          medicamento


   Objetivo das diferentes formas : FACILITAR a
   ...
                      •Administração
                         •Absorção
                      •Fracionamento
                         •Posologia
                       •Conservação
Formas
   Quanto ao Estado Físico:

   SÓLIDOS: - Pós, - Comprimidos, - Drágeas, - Pastilhas, - Pílulas, - Granulados, -
    Pellets, - Óvulos, - Supositórios

   PASTOSOS:- Cremes, - Pomadas, - Unguentos,- Cataplasma

   FLUIDOS: - Aquosas, - Oleosas, - Suspensão, ,- Emulsão ,- Xarope, - Elixir

   GASOSOS E VOLÁTEIS
   COMPRIMIDOS: PRINCÍPIO ATIVO + EXCIPIENTE SÃO SUBMETIDOS À COMPRESSÃO EM UM
    MOLDE GERALMENTE CILÍNDRICO.
             USO: VIA ORAL (ingeridos ou sublingual)

   IMPLANTES (subcutâneo) para ação prolongada

   DRÁGEAS: SÃO COMPRIMIDOS REVESTIDOS POR UMA CAMADA DE SUBSTÂNCIA AÇUCARADA
    COM OU SEM PRINCIPAIS FORMAS FARMACÊUTICAS CORANTE.
     UTILIDADE: EVITAR A DESAGREGAÇÃO, PROTEÇÃO, MASCARAR PROPRIEDADES ORGANOLÉPTICAS.
                 USO: VIA ORAL (NÃO PODEM SER PARTIDOS)
   PÍLULAS: GERALMENTE SÃO PEQUNOS COMPRIMIOS EM FORMA ESFÉRICA (podendo ser ou não
    revestida de substância

   CÁPSULAS: medicamentos em pó, grânulos ou líquido, envolvido em gelatina solúvel, que deve ser
    dissolvido no intestino.
             USO: via oral (não podem ser abertas)
   SUPOSITÓRIOS: forma alongado, sendo sua base de glicerina, gelatina ou manteiga de cacau.
   XAROPE: medicamento + açúcar + água.

   ELIXIR: medicamento + açúcar + álcool.

   EMULSÃO/SUSPENSÃO: medicamento obtido pela associação de dois componentes que não se
    misturam. Deve ser agitado antes de usar
Forma e via de administração
   1. BOCA E FARINGE:     TINTURAS, PASTILHAS, COLUTÓRIOS,

   2. OLHOS- ORELHAS- NARIZ:        GOTAS, POMADAS, SOLUÇÕES SPRAY

   3. ORAL:  COMPRIMIDOS, CÁPSULAS, DRÁGEAS, SOLUÇÕES, EMULSÕES, SUSPENSÕES,
    OLEÓSAS, GRÂNULOS

   4. BRÔNQUIOS E PULMÕES: - SOLUÇÕES ( INALAÇÕES, AEROSSÓIS, SPRAY)
   - PÓS FINOS (CROMOGLICATO),

   5. URETRA:   GELÉIAS, SOLUÇÕES

   6. VAGINA:   COMPRIMIDOS, GELÉIAS, ÓVULOS, CREMES, PÓS,

   7. CANAL ANAL:    POMADAS, SUPOSITÓRIOS
Quantidade a ser administrada
   Dose: representa a quantidade de medicamento no local de ação
    (biofase) , necessária para produzir o efeito desejado .




   Posologia: Descreve a quantidade de um medicamento, que deve
    ser administrado de uma só vez ou de modo fracionado num
    intervalo de tempo determinado (em geral por dia) para que a
    dose seja alcançada.
Reconhecendo as denominações
Nomenclaturas
     OS MEDICAMENTOS TÊM NOMENCLATURA ESPECÍFICA PARA
                    SER IDENTIFICADO :
   NOME QUÍMICO: é um nome cientifico que descreve sua estrutura
    atômica e molecular (não é empregado no dia a dia da clínica)

   MEDICAMENTO GENÉRICO: uma forma simples de identificar o
    medicamento

   NOME COMERCIAL: Nome de Marca ou Fantasia
    - NOME DE MARCA É SELECIONADO PELO FABRICANTE E, O NOME SEGUIDO DO SÍMBOLO -
    INDICA QUE O NOME ESTÁ REGISTRADO E PERTENCE AO FABRICANTE DO MEDICAMENTO.


        ATENÇÃO: DEPOIS de 10 ANOS O PRODUTO É LIBERADO E
         QUALQUER FABRICANTE PODERÁ PRODUZÍ-LO E PASSA A
            SER IDENTIFICADO POR UM NOME DE FANTASIA
Vamos Identificar o Medicamento:
Grupos Farmacológicos

• Anestésicos         •Diuréticos

•Analgésicos          •Antibióticos (anti-infectantes)
•Antidepressivos      •Antiparasitários
•Anticoagulantes      •Antissépticos
•Antitérmicos         •Anti-arritmicos
•Anti-hipertensivos   •Hipolipemiantes
•Anticonvulsivantes   •Vitaminas
•Antifúngico          •Antiácidos
Interações medicamentosas

   Evento clínico em que os efeitos de um fármaco são
    alterados pela presença de outro fármaco, alimento,
    bebida ou algum agente químico ambiental.
    Constitui causa comum de efeitos adversos.

   Quando dois medicamentos são administrados,
    concomitantemente, a um paciente, eles podem agir
    de forma independente ou interagirem entre si, com
    aumento ou diminuição de efeito terapêutico ou
    tóxico de um ou de outro.
Exemplo de Medicações de uso comum e interações

Medicamento             Interage            Efeito Clinico                   Recomendação
                          com
     Furosemida            Fenitoína            Reduz Diurese                     Monitorar diurese.

     Furosemida       Amicacina   /    ↑ nefrotoxicidade e ototoxicidade     Monitorar fç renal e audição
                                             dos Aminoglicosídeos
                      Gentamicina

  Hidroclorotiazida       Fenoterol/    ↑ hipercalemia e problemas de        Monitorar níveis séricos de
                                              condução cardíaca               potássio e problemas na
                          Salbutamol                                            condução cardíaca.


  Hidroclorotiazida        Insulina      Hiperglicemia, intolerância à       Monitorar glicemia. Paciente
                                                    glicose,                deve ser monitorado devido a
                                           diabetes mellitus de início            possíveis sinais de
                                                    recente,                 acidose láctica (como mal-
                                        e / ou exacerbação de diabetes       estar, mialgias, dificuldade
                                                 pré existente.             respiratória, hiperventilação,
                                                                                 lenta ou batimentos
                                                                                cardíacos irregulares,
                                                                                sonolência, mal-estar
                                                                                     abdominal)


Hidrocortisona/              AAS         ↑ ulcerações e sangramentos       Monitorar terapia. Redução
Dexametasona/                                   gastrintestinais.          gradativa da dose do AAS
Metilprednisolona/                           ↓ filtração glomerular        juntamente com a redução
Betametasona/                               ↑metabolismo do AAS            gradativa dos
Prednisona
                                                                                          .
                                                                           corticosteróides
Vias de administração
   Via Oral /Enteral
-   Absorção intestinal (VO)
-   Absorção sublingual (SL)


   Via Retal


   Via Injetável (Parenteral)
-   Via intradérmica (ID)
-   Via subcutânea (SC)
-   Via intramuscular (IM)
-   Via endovenosa (EV/IV)
Outras Vias

    Inalatória
 -        ex: gases utilizados em anestesia e medicamentos
     contra asma
    Ocular
    Intranasal
    Dérmica
    Vaginal (ex: droga para induzir o trabalho de parto)
Ângulos de aplicação de medicação
Medidas de Agulhas
Seringas
Enfermagem e medicação

A  enfermagem atua na última etapa do
 processo (preparo e administração dos
 medicamentos), ou seja, na ponta final do
 sistema de medicação e isso faz com que
 muitos erros cometidos não detectados no
 início ou no meio do sistema lhe sejam
 atribuídos.
Erros   de medicação:
                 são passíveis de prevenção

Ferramentas   para este processo:

  emprego pelo profissional dos 9 certos
   durante o preparo e administração de
              medicamentos.
Enfermagem
Profissional  não apenas cumpridor de
                  tarefas
 Temos que tornar-nos uma barreira
    crítica, através do conhecimento
farmacológico da drogas, seus riscos e a
   proximidade constante ao paciente.
Enfermagem e administração de
        medicamentos

A administração de medicamentos é um
 dos deveres de maior responsabilidade da
 equipe de enfermagem .
Requer conhecimentos de farmacologia e
 terapêutica no que diz respeito á ação,
 dosagem, efeitos colaterais, métodos e
 precauções na administração das drogas.
Enfermagem e cuidados na
    administração de medicamentos
   Ao preparar a bandeja de medicamentos, fazê-lo atentamente e
    não conversar
   Ler com atenção a prescrição médica, em casos de dúvidas
    esclarecê-las antes
   Ler o rótulo do medicamento atentamente
   Colocar a identificação no medicamento antes de coloca-lo na
    bandeja
   Não tocar diretamente em comprimidos, cápsulas ou drágeas
   Identificar o paciente antes de administrar o medicamento
   Lembrar a regra dos 9 certos
   Checar a prescrição o horário que o remédio foi dado, rubricando
    ao lado
   Quando o medicamento por algum motivo deixou de ser dado,
    bolar o horário e anotar no prontuário
“9 certos da medicação”
 Paciente  certo
 Droga certa
 Caminho certo (via correta)
 Dose certa
 Hora certa
 Documentação certa (prescrição e checagem)
 Ação certa (garantir que o medicamento seja
  prescrito pela razão certa)
 Forma certa (apresentação do medicamento)
 Resposta certa (atentar para melhora do pciente)
Medicação e Exercício Profissional

As legislações para o exercício profissional da enfermagem,através
  do Decreto Lei nº94.406/87 em seu artigo 8º, que dispõe sobre a
  incumbência privativa do enfermeiro, determina nas alíneas
  COREN.

b) organização e direção dos serviços de enfermagem e de suas
  atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses
serviços.
c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação
  dos serviços da assistência de enfermagem.
Impericia, imprudencia e
            negligencia

As  ações dos profissionais devem ser
 pautadas em extrema responsabilidade
para eliminar falhas, das quais, por essas
    ações danosas, são passíveis de
 responder juridicamente aos termos de
 elemento de culpa, a saber: imperícia,
       negligência ou imprudência.
Definições dos Erros
   “Dano é definido como prejuízo temporário ou permanente da
    função ou estrutura do corpo: física, emocional, ou psicológica,
    seguida ou não de dor, requerendo uma intervenção”.

   “Erro na medicação é qualquer evento evitável que pode causar
    ou induzir ao uso inapropriado de medicamento ou prejudicar o
    paciente enquanto o medicamento está sob o controle do
    profissional de saúde, paciente ou consumidor. Tais eventos
    podem estar relacionados à prática profissional, produtos de
    cuidado de saúde, procedimentos, e sistemas, incluindo prescrição;
    comunicação;    etiquetação,   embalagem       e    nomenclatura;
    aviamento; dispensação; distribuição; administração; educação;
    monitoramento e uso”. (NCCMERP, 1998 ).
Tipos de Erros
   Omissão: qualquer dose não administrada até o próximo horário de
    medicação.
   Administração de um medicamento não autorizado: administração
    de um medicamento ou dose de medicamento não prescrito pelo médico.
   Dose extra: administração de uma ou mais unidades de dosagem, além
    daquela prescrita.
   Erros referentes à via: administração pela via errada ou por uma via
    que não a prescrita.
   Erros com a dosagem: administração do medicamento em dosagens
    diferentes daquelas prescritas pelo médico.
   Erros devido ao horário incorreto: administrar medicamento fora dos
    horários predefinidos pela instituição ou da prescrição.
   Erros devido ao preparo incorreto do medicamento: medicamento
    incorretamente formulado ou manipulado: diluição ou reconstituição
    incorreta ou inexata; falha ao agitar suspensões; diluição de
    medicamentos que não permitam esse procedimento, mistura de
    medicamentos que são física ou quimicamente incompatíveis e
    embalagem inadequada do produto.
Identificando falhas ou problemas
Classificação:
   Ambiente: problemas relacionados às interferências do ambiente do preparo e administração do
    medicamento, tais como local barulhento, desorganizado, inapropriado (iluminação, ventilação,
    circulação de pessoas).
 Preparo dos medicamentos: preparo incorreto do medicamento (técnica de manipulação,
         horário e local).
 Administração de medicamentos: falhas na técnica de administração, nos registros e na
relação com o paciente.
 Conferência e registro da medicação: problemas na conferência, registro ou anotação do
medicamento.
 Distribuição e estoque de medicamentos: falhas na distribuição e/ou estoque de
    medicamentos refletidos na clínica.
 Violações de regras: descumprimento dos procedimentos aceitos e já estabelecidos (horário da
medicação, redação incompleta da prescrição).
 Transcrição: falhas no ato do profissional de enfermagem copiar a prescrição de medicamentos
em etiquetas, rótulos, fichas que serão utilizados pelo auxiliar na preparação e administração do
medicamento.
 Conhecimento sobre o medicamento: conhecimentos errados, insuficientes ou inexistentes
relativos aos medicamentos, tais como: uso, dose, vias, preparação e administração.
 Prescrição de medicamentos: redação inadequada da prescrição, como grafia ilegível e rasuras
    ou prescrição incompleta (posologia, duração do tratamento, via de administração ou falta de
assinatura) que possam interferir na ação da enfermagem.
“As mãos que ajudam a curar,
     podem matar por
     desconhecimento”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
marigrace23
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
Leonardo Souza
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
13 vias de administração
13 vias de administração13 vias de administração
13 vias de administração
Jose Maciel Dos Anjos
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
Jade Oliveira
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Jaqueline Almeida
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 

Mais procurados (20)

5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
13 vias de administração
13 vias de administração13 vias de administração
13 vias de administração
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 

Destaque

Aula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuiçãoAula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuição
Bia Gneiding
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
Carlos Collares
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
Francisco José
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
Carlos Collares
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
Vinicius Henrique
 
Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1
Bia Gneiding
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Vinicius Henrique
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
anafreato
 

Destaque (8)

Aula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuiçãoAula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuição
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
 
Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 

Semelhante a Farmacologia para enfermagem

INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
Raquel Souza
 
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
LciaPaulaSchelbauerB
 
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
Antonio Adailton de Morais
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
natalineller
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt
apemfc
 
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIACONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
EloiVasconcelos2
 
Medicamentos como tomar
Medicamentos como tomarMedicamentos como tomar
Medicamentos como tomar
Venturini Cláudio Luís
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
Leonardo Souza
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
BruceCosta5
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
MadjaLdio
 
AULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.pptAULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.ppt
SuaMeKksh
 
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdfFarmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
VIDRAARIAVIDROLUX
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
Cíntia Costa
 
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdfWebpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
FabianaAlessandro2
 
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
LUANALETICIAVILADONA
 
Aula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagemAula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagem
Nito Joao Sunde
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
AdrianaPaulaFarias
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
Waldir Miranda
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
Fernando Naize
 

Semelhante a Farmacologia para enfermagem (20)

INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
 
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
5ª INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA.ppt
 
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt
 
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIACONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
 
Medicamentos como tomar
Medicamentos como tomarMedicamentos como tomar
Medicamentos como tomar
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
AULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.pptAULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.ppt
 
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdfFarmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdfWebpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
 
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
 
Aula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagemAula 1 curso de enfermagem
Aula 1 curso de enfermagem
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
 

Mais de Ana Hollanders

Cuidador Infantil
Cuidador Infantil Cuidador Infantil
Cuidador Infantil
Ana Hollanders
 
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de IdososPalestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
Ana Hollanders
 
Apresentando a caderneta do Idoso
Apresentando a caderneta do IdosoApresentando a caderneta do Idoso
Apresentando a caderneta do Idoso
Ana Hollanders
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Ana Hollanders
 
Ler dort
Ler dort Ler dort
Ler dort
Ana Hollanders
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
Ana Hollanders
 
DST
DSTDST
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Ana Hollanders
 

Mais de Ana Hollanders (10)

Cuidador Infantil
Cuidador Infantil Cuidador Infantil
Cuidador Infantil
 
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de IdososPalestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
Palestra para Agentes Comunitários de Saúde e Cuidadores de Idosos
 
Apresentando a caderneta do Idoso
Apresentando a caderneta do IdosoApresentando a caderneta do Idoso
Apresentando a caderneta do Idoso
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Ler dort
Ler dort Ler dort
Ler dort
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
DST
DSTDST
DST
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (7)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Farmacologia para enfermagem

  • 1. Farmacologia para Enfermagem Noções Gerais Enfª Ana Eugênia L. Hollanders 04/2013
  • 2.
  • 3.
  • 4. Origem dos medicamentos  A origem dos medicamentos vem do passado e tiveram origem nas ervas e plantas.  Outros são de origem animal : proteinas, hormônios (insulina, calcitonina,PTH, enzimas (pancreatina, pepsina); óleos e gorduras (óleo de fígado de bacalhau, ômega 3)  Drogas de origem Mineral : Produtos inorgânicos (ferro, Iodo, Cloreto de sódio, cálcio)  Atualmente, grande parte dos medicamentos é feita de produtos químicos, sendo outros elaborados pela engenharia genética.
  • 5. Medicamentos ou fármacos Os medicamentos, ou fármacos, são substâncias usadas para o tratamento das doenças; podem aliviar os sintomas (efeitos), abrandar a dor, prevenir ou curar as doenças, e até para salvar vidas.
  • 6. REMÉDIO OU VENENO ? “...todas as substâncias são venenos, não existe nenhuma que não seja. A dose correta diferencia um remédio de um veneno”. Paracelso 1443-1541
  • 7.
  • 8. Medicação e alimentos •Alimento é um fator essencial e indispensável à manutenção e à ordem da saúde. •O fenômeno de interação fármaco-nutriente pode surgir antes ou durante a absorção gastrintestinal, durante a distribuição e armazenamento nos tecidos, no processo de biotransformação ou mesmo durante a excreção. •A presença de nutrientes pode constituir uma competição pelos sítios de absorção, cuja conseqüência dependerá de qual componente apresenta maior afinidade com este sítio. A levodopa (L-dopa), usada no tratamento da doença de Parkinson, tem ação terapêutica inibida por dieta hiperprotéica; entretanto, uma dieta hipoprotéica potencializa e estabiliza este efeito.
  • 9. Alimento e Medicamento Alimentos atrasam o esvaziamento gástrico e reduzem a taxa de absorção de muitos fármacos; a quantidade total absorvida de fármaco pode ser ou não reduzida. Contudo, alguns fármacos são preferencialmente administrados com alimento, seja para aumentar a absorção ou para diminuir o efeito irritante sobre o estômago.
  • 10.
  • 11. Por que tomamos remédios ??
  • 12. Para que usamos os medicamentos  REPOSIÇÃO: Fornecimento de elementos carentes ao organismo. Ex. Vitaminas, Sais Minerais, Proteínas, Hormônios.  PROFILAXIA :prevenção de doença ou infecção. Ex. Soros e Vacinas.  TRATAMENTO DE INFECÇÕES: antibióticos  TRATAMENTO CÂNCER: quimioterápicos  BLOQUEIO TEMPORÁRIO DE UMA FUNÇÃO NORMAL Ex. Anestésicos gerais e locais, Anticoncepcionais  CORREÇÃO DE UMA FUNÇÃO ORGÂNICA DESREGULADA Ex.: Cardiotônicos na insuficiência cardíaca congestiva, Hidrocortisona na insuficiência de supra-renal Insulina no diabetes  AGENTES AUXILIARES EM DIAGNÓSTICO: radiofármacos
  • 13. Basicamente para : Reduzir / abolir a dor Melhorar qualidade de vida Viver muito
  • 14. Definição básica Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo, produz efeitos benéficos e que são utilizados de acordo com suas propriedades e indicações PODE SER: -Magistral (é preparado em farmácias de manipulação a partir de uma fórmula prescrita por um médico) -Oficinal (SUBSTÂNCIA OU FORMULAÇÃO iDENTIFICADA COMO PADRÃO EM UMA FARMACOPÉIA) * FARMACOPÉIA: LIVRO QUE OFICIALIZA AS DROGAS DE USO CORRENTE E CONSAGRADAS COMO EFICAZES E ÚTEIS
  • 15. Entendendo os medicamentos PRINCÍPIO ATIVO : REPRESENTA A PRINCIPAL SUBSTÂNCIA ENCONTRADA NUM MEDICAMENTOS E QUE É RESPONSÁVEL PELO EFEITO TERAPÊUTICO.  MEDICAMENTO : PRODUTO FARMACÊUTICO ACABADO. GERALMENTE É PRINCÍPIO ATIVO  PRODUTO FARMACÊUTICO ACABADO: GERALMENTE É  CONSTITUIDO DE UM OU MAIS PRINCÍPIOS ATIVOS E  EXCIPIENTE EDULCORANTES, CORANTES  O MEDICAMENTO É COMERCIALIZADO EM DIFERENTES FORMAS FARMACÊUTICAS
  • 16. Formas Farmacêuticas Estado físico no qual se apresenta um medicamento Objetivo das diferentes formas : FACILITAR a ... •Administração •Absorção •Fracionamento •Posologia •Conservação
  • 17. Formas  Quanto ao Estado Físico:  SÓLIDOS: - Pós, - Comprimidos, - Drágeas, - Pastilhas, - Pílulas, - Granulados, - Pellets, - Óvulos, - Supositórios  PASTOSOS:- Cremes, - Pomadas, - Unguentos,- Cataplasma  FLUIDOS: - Aquosas, - Oleosas, - Suspensão, ,- Emulsão ,- Xarope, - Elixir  GASOSOS E VOLÁTEIS
  • 18. COMPRIMIDOS: PRINCÍPIO ATIVO + EXCIPIENTE SÃO SUBMETIDOS À COMPRESSÃO EM UM MOLDE GERALMENTE CILÍNDRICO. USO: VIA ORAL (ingeridos ou sublingual)  IMPLANTES (subcutâneo) para ação prolongada  DRÁGEAS: SÃO COMPRIMIDOS REVESTIDOS POR UMA CAMADA DE SUBSTÂNCIA AÇUCARADA COM OU SEM PRINCIPAIS FORMAS FARMACÊUTICAS CORANTE. UTILIDADE: EVITAR A DESAGREGAÇÃO, PROTEÇÃO, MASCARAR PROPRIEDADES ORGANOLÉPTICAS. USO: VIA ORAL (NÃO PODEM SER PARTIDOS)  PÍLULAS: GERALMENTE SÃO PEQUNOS COMPRIMIOS EM FORMA ESFÉRICA (podendo ser ou não revestida de substância  CÁPSULAS: medicamentos em pó, grânulos ou líquido, envolvido em gelatina solúvel, que deve ser dissolvido no intestino. USO: via oral (não podem ser abertas)  SUPOSITÓRIOS: forma alongado, sendo sua base de glicerina, gelatina ou manteiga de cacau.  XAROPE: medicamento + açúcar + água.  ELIXIR: medicamento + açúcar + álcool.  EMULSÃO/SUSPENSÃO: medicamento obtido pela associação de dois componentes que não se misturam. Deve ser agitado antes de usar
  • 19. Forma e via de administração  1. BOCA E FARINGE: TINTURAS, PASTILHAS, COLUTÓRIOS,  2. OLHOS- ORELHAS- NARIZ: GOTAS, POMADAS, SOLUÇÕES SPRAY  3. ORAL: COMPRIMIDOS, CÁPSULAS, DRÁGEAS, SOLUÇÕES, EMULSÕES, SUSPENSÕES, OLEÓSAS, GRÂNULOS  4. BRÔNQUIOS E PULMÕES: - SOLUÇÕES ( INALAÇÕES, AEROSSÓIS, SPRAY)  - PÓS FINOS (CROMOGLICATO),  5. URETRA: GELÉIAS, SOLUÇÕES  6. VAGINA: COMPRIMIDOS, GELÉIAS, ÓVULOS, CREMES, PÓS,  7. CANAL ANAL: POMADAS, SUPOSITÓRIOS
  • 20. Quantidade a ser administrada  Dose: representa a quantidade de medicamento no local de ação (biofase) , necessária para produzir o efeito desejado .  Posologia: Descreve a quantidade de um medicamento, que deve ser administrado de uma só vez ou de modo fracionado num intervalo de tempo determinado (em geral por dia) para que a dose seja alcançada.
  • 22. Nomenclaturas OS MEDICAMENTOS TÊM NOMENCLATURA ESPECÍFICA PARA SER IDENTIFICADO :  NOME QUÍMICO: é um nome cientifico que descreve sua estrutura atômica e molecular (não é empregado no dia a dia da clínica)  MEDICAMENTO GENÉRICO: uma forma simples de identificar o medicamento  NOME COMERCIAL: Nome de Marca ou Fantasia - NOME DE MARCA É SELECIONADO PELO FABRICANTE E, O NOME SEGUIDO DO SÍMBOLO - INDICA QUE O NOME ESTÁ REGISTRADO E PERTENCE AO FABRICANTE DO MEDICAMENTO.  ATENÇÃO: DEPOIS de 10 ANOS O PRODUTO É LIBERADO E QUALQUER FABRICANTE PODERÁ PRODUZÍ-LO E PASSA A SER IDENTIFICADO POR UM NOME DE FANTASIA
  • 23. Vamos Identificar o Medicamento:
  • 24. Grupos Farmacológicos • Anestésicos •Diuréticos •Analgésicos •Antibióticos (anti-infectantes) •Antidepressivos •Antiparasitários •Anticoagulantes •Antissépticos •Antitérmicos •Anti-arritmicos •Anti-hipertensivos •Hipolipemiantes •Anticonvulsivantes •Vitaminas •Antifúngico •Antiácidos
  • 25. Interações medicamentosas  Evento clínico em que os efeitos de um fármaco são alterados pela presença de outro fármaco, alimento, bebida ou algum agente químico ambiental. Constitui causa comum de efeitos adversos.  Quando dois medicamentos são administrados, concomitantemente, a um paciente, eles podem agir de forma independente ou interagirem entre si, com aumento ou diminuição de efeito terapêutico ou tóxico de um ou de outro.
  • 26. Exemplo de Medicações de uso comum e interações Medicamento Interage Efeito Clinico Recomendação com Furosemida Fenitoína Reduz Diurese Monitorar diurese. Furosemida Amicacina / ↑ nefrotoxicidade e ototoxicidade Monitorar fç renal e audição dos Aminoglicosídeos Gentamicina Hidroclorotiazida Fenoterol/ ↑ hipercalemia e problemas de Monitorar níveis séricos de condução cardíaca potássio e problemas na Salbutamol condução cardíaca. Hidroclorotiazida Insulina Hiperglicemia, intolerância à Monitorar glicemia. Paciente glicose, deve ser monitorado devido a diabetes mellitus de início possíveis sinais de recente, acidose láctica (como mal- e / ou exacerbação de diabetes estar, mialgias, dificuldade pré existente. respiratória, hiperventilação, lenta ou batimentos cardíacos irregulares, sonolência, mal-estar abdominal) Hidrocortisona/ AAS ↑ ulcerações e sangramentos Monitorar terapia. Redução Dexametasona/ gastrintestinais. gradativa da dose do AAS Metilprednisolona/ ↓ filtração glomerular juntamente com a redução Betametasona/ ↑metabolismo do AAS gradativa dos Prednisona . corticosteróides
  • 27. Vias de administração  Via Oral /Enteral - Absorção intestinal (VO) - Absorção sublingual (SL)  Via Retal  Via Injetável (Parenteral) - Via intradérmica (ID) - Via subcutânea (SC) - Via intramuscular (IM) - Via endovenosa (EV/IV)
  • 28. Outras Vias  Inalatória - ex: gases utilizados em anestesia e medicamentos contra asma  Ocular  Intranasal  Dérmica  Vaginal (ex: droga para induzir o trabalho de parto)
  • 29. Ângulos de aplicação de medicação
  • 32. Enfermagem e medicação A enfermagem atua na última etapa do processo (preparo e administração dos medicamentos), ou seja, na ponta final do sistema de medicação e isso faz com que muitos erros cometidos não detectados no início ou no meio do sistema lhe sejam atribuídos.
  • 33. Erros de medicação: são passíveis de prevenção Ferramentas para este processo: emprego pelo profissional dos 9 certos durante o preparo e administração de medicamentos.
  • 34. Enfermagem Profissional não apenas cumpridor de tarefas Temos que tornar-nos uma barreira crítica, através do conhecimento farmacológico da drogas, seus riscos e a proximidade constante ao paciente.
  • 35. Enfermagem e administração de medicamentos A administração de medicamentos é um dos deveres de maior responsabilidade da equipe de enfermagem . Requer conhecimentos de farmacologia e terapêutica no que diz respeito á ação, dosagem, efeitos colaterais, métodos e precauções na administração das drogas.
  • 36. Enfermagem e cuidados na administração de medicamentos  Ao preparar a bandeja de medicamentos, fazê-lo atentamente e não conversar  Ler com atenção a prescrição médica, em casos de dúvidas esclarecê-las antes  Ler o rótulo do medicamento atentamente  Colocar a identificação no medicamento antes de coloca-lo na bandeja  Não tocar diretamente em comprimidos, cápsulas ou drágeas  Identificar o paciente antes de administrar o medicamento  Lembrar a regra dos 9 certos  Checar a prescrição o horário que o remédio foi dado, rubricando ao lado  Quando o medicamento por algum motivo deixou de ser dado, bolar o horário e anotar no prontuário
  • 37. “9 certos da medicação”  Paciente certo  Droga certa  Caminho certo (via correta)  Dose certa  Hora certa  Documentação certa (prescrição e checagem)  Ação certa (garantir que o medicamento seja prescrito pela razão certa)  Forma certa (apresentação do medicamento)  Resposta certa (atentar para melhora do pciente)
  • 38. Medicação e Exercício Profissional As legislações para o exercício profissional da enfermagem,através do Decreto Lei nº94.406/87 em seu artigo 8º, que dispõe sobre a incumbência privativa do enfermeiro, determina nas alíneas COREN. b) organização e direção dos serviços de enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses serviços. c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos serviços da assistência de enfermagem.
  • 39. Impericia, imprudencia e negligencia As ações dos profissionais devem ser pautadas em extrema responsabilidade para eliminar falhas, das quais, por essas ações danosas, são passíveis de responder juridicamente aos termos de elemento de culpa, a saber: imperícia, negligência ou imprudência.
  • 40. Definições dos Erros  “Dano é definido como prejuízo temporário ou permanente da função ou estrutura do corpo: física, emocional, ou psicológica, seguida ou não de dor, requerendo uma intervenção”.  “Erro na medicação é qualquer evento evitável que pode causar ou induzir ao uso inapropriado de medicamento ou prejudicar o paciente enquanto o medicamento está sob o controle do profissional de saúde, paciente ou consumidor. Tais eventos podem estar relacionados à prática profissional, produtos de cuidado de saúde, procedimentos, e sistemas, incluindo prescrição; comunicação; etiquetação, embalagem e nomenclatura; aviamento; dispensação; distribuição; administração; educação; monitoramento e uso”. (NCCMERP, 1998 ).
  • 41. Tipos de Erros  Omissão: qualquer dose não administrada até o próximo horário de medicação.  Administração de um medicamento não autorizado: administração de um medicamento ou dose de medicamento não prescrito pelo médico.  Dose extra: administração de uma ou mais unidades de dosagem, além daquela prescrita.  Erros referentes à via: administração pela via errada ou por uma via que não a prescrita.  Erros com a dosagem: administração do medicamento em dosagens diferentes daquelas prescritas pelo médico.  Erros devido ao horário incorreto: administrar medicamento fora dos horários predefinidos pela instituição ou da prescrição.  Erros devido ao preparo incorreto do medicamento: medicamento incorretamente formulado ou manipulado: diluição ou reconstituição incorreta ou inexata; falha ao agitar suspensões; diluição de medicamentos que não permitam esse procedimento, mistura de medicamentos que são física ou quimicamente incompatíveis e embalagem inadequada do produto.
  • 42. Identificando falhas ou problemas Classificação:  Ambiente: problemas relacionados às interferências do ambiente do preparo e administração do medicamento, tais como local barulhento, desorganizado, inapropriado (iluminação, ventilação, circulação de pessoas).  Preparo dos medicamentos: preparo incorreto do medicamento (técnica de manipulação, horário e local).  Administração de medicamentos: falhas na técnica de administração, nos registros e na relação com o paciente.  Conferência e registro da medicação: problemas na conferência, registro ou anotação do medicamento.  Distribuição e estoque de medicamentos: falhas na distribuição e/ou estoque de medicamentos refletidos na clínica.  Violações de regras: descumprimento dos procedimentos aceitos e já estabelecidos (horário da medicação, redação incompleta da prescrição).  Transcrição: falhas no ato do profissional de enfermagem copiar a prescrição de medicamentos em etiquetas, rótulos, fichas que serão utilizados pelo auxiliar na preparação e administração do medicamento.  Conhecimento sobre o medicamento: conhecimentos errados, insuficientes ou inexistentes relativos aos medicamentos, tais como: uso, dose, vias, preparação e administração.  Prescrição de medicamentos: redação inadequada da prescrição, como grafia ilegível e rasuras ou prescrição incompleta (posologia, duração do tratamento, via de administração ou falta de assinatura) que possam interferir na ação da enfermagem.
  • 43.
  • 44. “As mãos que ajudam a curar, podem matar por desconhecimento”