SlideShare uma empresa Scribd logo
Serviços
Farmacêuticos
Direcionados ao
Paciente, Família e
Comunidade
Profa. Dra. Thais Teles de Souza
Profa. Dra. Walleri C T Reis
Módulo 3
Serviços Farmacêuticos
diretamente destinados ao
paciente, família e comunidade
CFF, 2016
Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e comunidade
Modelo de Prática do Cuidado Farmacêutico
Educação em saúde
Rastreamento em
saúde
Dispensação
especializada de
medicamentos
Manejo de
problemas de
saúde
autolimitados
Revisão da
farmacoterapia
Monitorização
terapêutica
Gestão da condição
de saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Conciliação
terapêutica
Educação em
saúde
 Serviço que compreende diferentes estratégias educativas, as quais
integram os saberes popular e científico, de modo a contribuir para
aumentar conhecimentos, desenvolver habilidades e atitudes sobre
os problemas de saúde e seus tratamentos. Tem como objetivo a
autonomia dos pacientes e o comprometimento de todos
(pacientes, profissionais, gestores e cuidadores) com a promoção da
saúde, prevenção e controle de doenças, e melhoria da qualidade
de vida. Envolve, ainda, ações de mobilização da comunidade com o
compromisso pela cidadania.
CFF, 2016
Caso 1
Dona Maria, 76 anos, procura a farmácia para comprar seus
medicamentos do mês. Ela tem uma história prévia de hipertensão,
dislipidemia e tabagismo (fumou por 20 anos – parou há 2 meses
quando infartou) e DAC (infarto com implante de stent
farmacológico)
• Prescrição:
• Enalapril, 10 mg, 12/12h
• AAS, 100 mg/dia
• Clopidogrel 75 mg/dia
• Sinvastatina, 40 mg/dia
Quero todos
menos o
clopidogrel...
Rastreamento em
saúde
 Serviço que possibilita a identificação provável de doença ou
condição de saúde, em pessoas assintomáticas ou sob risco de
desenvolvê-las, pela realização de procedimentos, exames ou
aplicação de instrumentos de entrevista validados, com subsequente
orientação e encaminhamento do paciente a outro profissional ou
serviço de saúde para diagnóstico e tratamento.
CFF, 2016
Como avaliar a dependência da nicotina?
Como avaliar a dependência da nicotina?
Como avaliar a dependência da nicotina?
Romário, 50 anos, não pratica atividades físicas e
não faz nenhum tipo de dieta – volta e meia vai na
farmácia para mediar a pressão, que está sempre
em torno de 150/90 mmHg. Ele fuma 1 maço de
cigarros/dia por dia, há 15 anos.
Ele não vai ao médico desde 2006, pois acredita que
está bem e que sua saúde é muito boa. Relata que
seu “pai viveu até os 98 anos e nunca foi ao
médico”.
Caso 2
 Serviço proporcionado pelo farmacêutico, geralmente em
cumprimento a uma prescrição de profissional habilitado. Envolve a
análise dos aspectos técnicos e legais do receituário, a realização de
intervenções, a entrega de medicamentos e de outros produtos para
a saúde ao paciente ou ao cuidador, a orientação sobre seu uso
adequado e seguro, seus benefícios, sua conservação e descarte,
com o objetivo de garantir a segurança do paciente, o acesso e a
utilização adequados.
CFF, 2016
Dispensação
especializada de
medicamentos
• FARMACÊUTICA: Boa tarde, meu nome é Jéssica, a farmacêutica. Em que posso lhe ajudar?
• PAULO: Eu gostaria de levar esse medicamento aqui (receira: DECADRON COLÍRIO, 2 gts/h, 7
dias).
• F: Certo (pega a receita, dirige-se à prateleira e volta com o medicamento e um folheto). Paulo,
é a primeira vez que irá utilizar este medicamento?
• P: Sim.
• F: E você sabe como utilizar um colírio?
• P: Sei sim.
• F: Ok, é comum as pessoas se enganarem na forma de uso, provavelmente porque nenhum
profissional orientou. Você se incomodaria de me explicar como pretende utilizar e guardar?
• P: Ah, viro a cabeça pra cima, pingo duas gotinhas no meio do olho, se transbordar pingo mais
duas gotinhas. Pra guardar, acho que por ser líquido é na geladeira, né?
• F: Na verdade não. O que diz se é geladeira ou fora dela é a bula do medicamento e não a forma
farmacêutica, se é solução, comprimido, xarope, etc. No caso do seu medicamento, o
armazenamento é em temperatura ambiente, ou seja, fora da geladeira. Quanto a forma de
utilizar também preciso te corrigir (e mostra um folheto):
Caso 3
Manejo de
problemas de
saúde
autolimitados
 Serviço pelo qual o farmacêutico acolhe uma demanda relativa a
problema de saúde autolimitado, identifica a necessidade de saúde,
prescreve e orienta quanto a medidas não farmacológicas,
medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja
dispensação não exija prescrição médica e, quando necessário,
encaminha o paciente a outro profissional ou serviço de saúde.
CFF, 2016
Mariana, 49 anos, procura a farmácia e queixa-se de tosse.
“Essa tosse não melhora, eu estou incomodada, quero um
remédio para sarar!”
Caso 4
Tempo
Qualidade ou característica
Quantidade ou severidade
Ambiente
Fatores que agravam ou que
aliviam
Há sete dias
Seca
Incomoda mais a noite
Começou após mudança de casa
Ele não soube correlacionar exatamente, mas disse
que quando está no seu quarto, parece que piora
Sintomas associados Espirros, congestão nasal
Monitorização
terapêutica
 Serviço que compreende a mensuração e a interpretação dos níveis
séricos de fármacos, com o objetivo de determinar as doses
individualizadas necessárias para a obtenção de concentrações
plasmáticas efetivas e seguras.
CFF, 2016
Monitorização terapêutica
Joana, 45 anos, com história de hipotireoidismo, valvulopatia –
estenose mitral severa – troca valvar há 8 anos. Procura a farmácia
pois faz uns 3 meses que não faz exame, e ficou preocupada...
Falou que ficava fazendo “aquele exame” toda semana, era cansativo,
agora descuidei um pouco!
Medicamentos em uso:
Levotiroxina 50 mcg
Varfarina 5 mg (seg-sex), 7,5 mg (sab-dom)
Caso 5
Conciliação
terapêutica
 Serviço pelo qual o farmacêutico elabora uma lista precisa de todos
os medicamentos (nome ou formulação, concentração/dinamização,
forma farmacêutica, dose, via de administração e frequência de uso,
duração do tratamento) utilizados pelo paciente, conciliando as
informações do prontuário, da prescrição, do paciente, de
cuidadores, entre outras. Este serviço é geralmente prestado quando
o paciente transita pelos diferentes níveis de atenção ou por
distintos serviços de saúde, com o objetivo de diminuir as
discrepâncias não intencionais.
CFF, 2016
Marta, 50 anos, DAC, colocou stent há 5 meses, diz que se consultou
com a endocrinologista recentemente e quer comprar essas duas
receitas: a antiga do cardiologista e a nova da endócrino...
Prescrição cardiologista
• Enalapril 10 mg 1-0-1
• Clopidogrel 75 mg 0-1-0
• Atorvastatina 80 mg 0-0-1
• AAS 100 mg 0-1-0
Prescrição endocrinologista
• Losartana 50 mg 1-0-1
• Metformina 850 mg 1-1-1
• Sinvastatina 40 mg 0-0-1
Caso 6
Revisão da
farmacoterapia
 Serviço pelo qual o farmacêutico faz uma análise estruturada e crítica
sobre os medicamentos utilizados pelo paciente, com os objetivos
de minimizar a ocorrência de problemas relacionados à
farmacoterapia, melhorar a adesão ao tratamento e os resultados
terapêuticos, bem como reduzir o desperdício de recursos.
CFF, 2016
Paciente 70 anos, 85Kg, 1,65m, IMC: 31,22. História prévia de
diabetes, hipertensão, DAC – 2 IAMs prévios. HbA1c → 8,5%, PA
consulta →160/90. Relato no prontuário → HAS e DM de difícil
controle!!!
Caso 7
MEDICAMENTO 7h30
Café
12h30
Almoço
16h
Lanche
19h
Jantar
22h
Ceia
A D A D A D A D A D
Enalapril 20 mg 1 1
Carvedilol 12,5 mg 1 1
AAS 100mg 1
Glibenclamida 5mg 1 1
Metformina 850mg 1 1
Atorvastatina 40mg 1
Tosse
Esquece
Problemas GI
“Medo”
5 tomadas/dia
Caso 7
MEDICAMENTO 7h30
Café
12h30
Almoço
16h
Lanche
19h
Jantar
22h
Ceia
A D A D A D A D A D
Losartana 50 mg 1 1
Carvedilol 12,5 mg 1 1
AAS 100mg 1
Glibenclamida 5mg 1 1
Metformina 850mg 1 1
Atorvastatina 40mg 1
Alimento?
XR?
2 tomadas/dia
Caso 7
Substituição
Gestão da
condição de saúde
 Serviço pelo qual se realiza o gerenciamento de determinada
condição de saúde, já estabelecida, ou de fator de risco, por meio de
um conjunto de intervenções gerenciais, educacionais e no cuidado,
com o objetivo de alcançar bons resultados clínicos, reduzir riscos e
contribuir para a melhoria da eficiência e da qualidade da atenção à
saúde.
CFF, 2016
Caso 8
Mateus, 60 anos, DM2, insulinizado. Sua HbA1c mais recente foi
9,0%, o que fez com que o farmacêutico solicitasse um diário
glicêmico. Ele aplica 20 U de NPH e 4 U de regular a cada manhã,
antes do café da manhã. Aplica também 16 U de NPH e 4 U de regular
antes do jantar.
Preparação/
ação
Aparência
Início da
ação
Pico Duração
Regular (R) Límpida 0,5-1 h 2-4h 6-8h
NPH (N) Turva 1-2 h 6-12h 18-24h
Acompanhamento
farmacoterapêutico
 Serviço pelo qual o farmacêutico realiza o gerenciamento da
farmacoterapia, por meio da análise das condições de saúde, dos
fatores de risco e do tratamento do paciente, da implantação de um
conjunto de intervenções gerenciais, educacionais e do
acompanhamento do paciente, com o objetivo principal de prevenir
e resolver problemas da farmacoterapia, a fim de alcançar bons
resultados clínicos, reduzir os riscos, e contribuir para a melhoria da
eficiência e da qualidade da atenção à saúde. Inclui, ainda,
atividades de prevenção e proteção da saúde.
CFF, 2016
Graça, 70 anos, tabagista, apresenta história
pregressa de dislipidemia e hipertensão. Em consulta
farmacêutica ela apresenta um resultado médio de
PA (2 últimas medidas) de 164/92 mmHg. Ela está
utilizando para o tratamento da hipertensão apenas o
atenolol 50 mg 2xdia.
Caso 9
Dia Horário Valores PA - manhã Horário Valores PA – noite
1 08:00 Medida 1 160/80 21:00 Medida 1 165/73
Medida 2 150/90 Medida 2 170/72
2 08:30 Medida 1 150/80 21:30 Medida 1 160/80
Medida 2 160/75 Medida 2 164/79
3 07:50 Medida 1 160/90 20:50 Medida 1 173/89
Medida 2 170/87 Medida 2 167/79
4 08:10 Medida 1 165/88 21:00 Medida 1 166/86
Medida 2 161/77 Medida 2 162/81
Caso 9
• RESOLUÇÃO 585/2013
• RESOLUÇÃO 586/2013
• LEI Nº 13.021/2014
• RDC 44 ANVISA 2009
• RDC nº 98 de 01 de agosto de 2016
Aspectos legais
Discussão dos Casos clínicos das
Atividades do Módulo Anterior
Serviços
Farmacêuticos
Direcionados ao
Paciente, Família e
Comunidade
thaisteles.ufpb@gmail.com
wallerictr@gmail.com
Módulo 3
CURSO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DIRETAMENTE
DESTINADOS AO PACIENTE, FAMÍLIA E COMUNIDADE
Coordenação Pedagógica: Profª. Dra. Thais Teles de Souza
thaisteles.ufpb@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
angelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
angelitamelo
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
angelitamelo
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
angelitamelo
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Marcelo Polacow Bisson
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
angelitamelo
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Cassyano Correr
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
Marcelo Polacow Bisson
 
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
angelitamelo
 
Metododader
MetododaderMetododader
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Cassyano Correr
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Cassyano Correr
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
farmaefarma
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Cassyano Correr
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapia
Cassyano Correr
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Cassyano Correr
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
Jose Eduardo
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Cassyano Correr
 

Mais procurados (20)

Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
Aula 2 - AF
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
 
A Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico ClínicoA Importância do Farmacêutico Clínico
A Importância do Farmacêutico Clínico
 
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
 
Metododader
MetododaderMetododader
Metododader
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
 
Complexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapiaComplexidade da farmacoterapia
Complexidade da farmacoterapia
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
 

Semelhante a Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade

Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
Cassyano Correr
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
Cassyano Correr
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
martinsfmf
 
Diabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicosDiabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicos
Danúbia Ap
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
Naidilene Aguilar
 
000820491
000820491000820491
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
farmaefarma
 
Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicos
Angelina Lessa
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
angelitamelo
 
Revista Ciência Saudável
Revista Ciência SaudávelRevista Ciência Saudável
Revista Ciência Saudável
Leandro Ceolin
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Tiago Sampaio
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
ARNON ANDRADE
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Bruna Bernardi
 
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagemPrescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
jesoares
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Marcelo Polacow Bisson
 
Farmacoté..
Farmacoté..Farmacoté..
Farmacoté..
henriquetabosa
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
AdrianaPaulaFarias
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
Waldir Miranda
 
Adesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAATAdesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAAT
Carla Lorena Silva Ramos
 
Adesão antirretroviral
Adesão antirretroviralAdesão antirretroviral
Adesão antirretroviral
Carla Lorena Silva Ramos
 

Semelhante a Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade (20)

Avaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da FarmacoterapiaAvaliação Global da Farmacoterapia
Avaliação Global da Farmacoterapia
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
 
Diabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicosDiabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicos
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
000820491
000820491000820491
000820491
 
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
 
Unifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicosUnifor 2014 fitoterápicos
Unifor 2014 fitoterápicos
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
 
Revista Ciência Saudável
Revista Ciência SaudávelRevista Ciência Saudável
Revista Ciência Saudável
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
 
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagemPrescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 
Farmacoté..
Farmacoté..Farmacoté..
Farmacoté..
 
fito 2.pdf
fito 2.pdffito 2.pdf
fito 2.pdf
 
Memento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdfMemento Fitoterápico.pdf
Memento Fitoterápico.pdf
 
Adesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAATAdesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAAT
 
Adesão antirretroviral
Adesão antirretroviralAdesão antirretroviral
Adesão antirretroviral
 

Mais de LAFARCLIN UFPB

Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2
LAFARCLIN UFPB
 
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_finalAtividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidadoManual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidado
LAFARCLIN UFPB
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascularManual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagicaManual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagica
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinasManual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterialManual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterial
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitusManual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitus
LAFARCLIN UFPB
 
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novoInstrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_pacienteManual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_pesoManual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
LAFARCLIN UFPB
 
Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016
LAFARCLIN UFPB
 
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_natyLombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
LAFARCLIN UFPB
 

Mais de LAFARCLIN UFPB (14)

Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2
 
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_finalAtividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
 
Manual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidadoManual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidado
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascularManual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
 
Manual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagicaManual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagica
 
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinasManual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
 
Manual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterialManual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterial
 
Manual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitusManual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitus
 
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novoInstrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
 
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_pacienteManual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
 
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_pesoManual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
 
Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016
 
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_natyLombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
 

Último

doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
FernandaCastro768379
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Camila Lorranna
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 

Último (12)

doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 

Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade

  • 1. Serviços Farmacêuticos Direcionados ao Paciente, Família e Comunidade Profa. Dra. Thais Teles de Souza Profa. Dra. Walleri C T Reis Módulo 3
  • 2. Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e comunidade
  • 3. CFF, 2016 Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e comunidade Modelo de Prática do Cuidado Farmacêutico Educação em saúde Rastreamento em saúde Dispensação especializada de medicamentos Manejo de problemas de saúde autolimitados Revisão da farmacoterapia Monitorização terapêutica Gestão da condição de saúde Acompanhamento farmacoterapêutico Conciliação terapêutica
  • 4. Educação em saúde  Serviço que compreende diferentes estratégias educativas, as quais integram os saberes popular e científico, de modo a contribuir para aumentar conhecimentos, desenvolver habilidades e atitudes sobre os problemas de saúde e seus tratamentos. Tem como objetivo a autonomia dos pacientes e o comprometimento de todos (pacientes, profissionais, gestores e cuidadores) com a promoção da saúde, prevenção e controle de doenças, e melhoria da qualidade de vida. Envolve, ainda, ações de mobilização da comunidade com o compromisso pela cidadania. CFF, 2016
  • 5. Caso 1 Dona Maria, 76 anos, procura a farmácia para comprar seus medicamentos do mês. Ela tem uma história prévia de hipertensão, dislipidemia e tabagismo (fumou por 20 anos – parou há 2 meses quando infartou) e DAC (infarto com implante de stent farmacológico) • Prescrição: • Enalapril, 10 mg, 12/12h • AAS, 100 mg/dia • Clopidogrel 75 mg/dia • Sinvastatina, 40 mg/dia Quero todos menos o clopidogrel...
  • 6. Rastreamento em saúde  Serviço que possibilita a identificação provável de doença ou condição de saúde, em pessoas assintomáticas ou sob risco de desenvolvê-las, pela realização de procedimentos, exames ou aplicação de instrumentos de entrevista validados, com subsequente orientação e encaminhamento do paciente a outro profissional ou serviço de saúde para diagnóstico e tratamento. CFF, 2016
  • 7.
  • 8. Como avaliar a dependência da nicotina?
  • 9. Como avaliar a dependência da nicotina?
  • 10. Como avaliar a dependência da nicotina?
  • 11. Romário, 50 anos, não pratica atividades físicas e não faz nenhum tipo de dieta – volta e meia vai na farmácia para mediar a pressão, que está sempre em torno de 150/90 mmHg. Ele fuma 1 maço de cigarros/dia por dia, há 15 anos. Ele não vai ao médico desde 2006, pois acredita que está bem e que sua saúde é muito boa. Relata que seu “pai viveu até os 98 anos e nunca foi ao médico”. Caso 2
  • 12.  Serviço proporcionado pelo farmacêutico, geralmente em cumprimento a uma prescrição de profissional habilitado. Envolve a análise dos aspectos técnicos e legais do receituário, a realização de intervenções, a entrega de medicamentos e de outros produtos para a saúde ao paciente ou ao cuidador, a orientação sobre seu uso adequado e seguro, seus benefícios, sua conservação e descarte, com o objetivo de garantir a segurança do paciente, o acesso e a utilização adequados. CFF, 2016 Dispensação especializada de medicamentos
  • 13. • FARMACÊUTICA: Boa tarde, meu nome é Jéssica, a farmacêutica. Em que posso lhe ajudar? • PAULO: Eu gostaria de levar esse medicamento aqui (receira: DECADRON COLÍRIO, 2 gts/h, 7 dias). • F: Certo (pega a receita, dirige-se à prateleira e volta com o medicamento e um folheto). Paulo, é a primeira vez que irá utilizar este medicamento? • P: Sim. • F: E você sabe como utilizar um colírio? • P: Sei sim. • F: Ok, é comum as pessoas se enganarem na forma de uso, provavelmente porque nenhum profissional orientou. Você se incomodaria de me explicar como pretende utilizar e guardar? • P: Ah, viro a cabeça pra cima, pingo duas gotinhas no meio do olho, se transbordar pingo mais duas gotinhas. Pra guardar, acho que por ser líquido é na geladeira, né? • F: Na verdade não. O que diz se é geladeira ou fora dela é a bula do medicamento e não a forma farmacêutica, se é solução, comprimido, xarope, etc. No caso do seu medicamento, o armazenamento é em temperatura ambiente, ou seja, fora da geladeira. Quanto a forma de utilizar também preciso te corrigir (e mostra um folheto): Caso 3
  • 14.
  • 15. Manejo de problemas de saúde autolimitados  Serviço pelo qual o farmacêutico acolhe uma demanda relativa a problema de saúde autolimitado, identifica a necessidade de saúde, prescreve e orienta quanto a medidas não farmacológicas, medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica e, quando necessário, encaminha o paciente a outro profissional ou serviço de saúde. CFF, 2016
  • 16. Mariana, 49 anos, procura a farmácia e queixa-se de tosse. “Essa tosse não melhora, eu estou incomodada, quero um remédio para sarar!” Caso 4 Tempo Qualidade ou característica Quantidade ou severidade Ambiente Fatores que agravam ou que aliviam Há sete dias Seca Incomoda mais a noite Começou após mudança de casa Ele não soube correlacionar exatamente, mas disse que quando está no seu quarto, parece que piora Sintomas associados Espirros, congestão nasal
  • 17. Monitorização terapêutica  Serviço que compreende a mensuração e a interpretação dos níveis séricos de fármacos, com o objetivo de determinar as doses individualizadas necessárias para a obtenção de concentrações plasmáticas efetivas e seguras. CFF, 2016
  • 18. Monitorização terapêutica Joana, 45 anos, com história de hipotireoidismo, valvulopatia – estenose mitral severa – troca valvar há 8 anos. Procura a farmácia pois faz uns 3 meses que não faz exame, e ficou preocupada... Falou que ficava fazendo “aquele exame” toda semana, era cansativo, agora descuidei um pouco! Medicamentos em uso: Levotiroxina 50 mcg Varfarina 5 mg (seg-sex), 7,5 mg (sab-dom) Caso 5
  • 19. Conciliação terapêutica  Serviço pelo qual o farmacêutico elabora uma lista precisa de todos os medicamentos (nome ou formulação, concentração/dinamização, forma farmacêutica, dose, via de administração e frequência de uso, duração do tratamento) utilizados pelo paciente, conciliando as informações do prontuário, da prescrição, do paciente, de cuidadores, entre outras. Este serviço é geralmente prestado quando o paciente transita pelos diferentes níveis de atenção ou por distintos serviços de saúde, com o objetivo de diminuir as discrepâncias não intencionais. CFF, 2016
  • 20. Marta, 50 anos, DAC, colocou stent há 5 meses, diz que se consultou com a endocrinologista recentemente e quer comprar essas duas receitas: a antiga do cardiologista e a nova da endócrino... Prescrição cardiologista • Enalapril 10 mg 1-0-1 • Clopidogrel 75 mg 0-1-0 • Atorvastatina 80 mg 0-0-1 • AAS 100 mg 0-1-0 Prescrição endocrinologista • Losartana 50 mg 1-0-1 • Metformina 850 mg 1-1-1 • Sinvastatina 40 mg 0-0-1 Caso 6
  • 21. Revisão da farmacoterapia  Serviço pelo qual o farmacêutico faz uma análise estruturada e crítica sobre os medicamentos utilizados pelo paciente, com os objetivos de minimizar a ocorrência de problemas relacionados à farmacoterapia, melhorar a adesão ao tratamento e os resultados terapêuticos, bem como reduzir o desperdício de recursos. CFF, 2016
  • 22. Paciente 70 anos, 85Kg, 1,65m, IMC: 31,22. História prévia de diabetes, hipertensão, DAC – 2 IAMs prévios. HbA1c → 8,5%, PA consulta →160/90. Relato no prontuário → HAS e DM de difícil controle!!! Caso 7
  • 23. MEDICAMENTO 7h30 Café 12h30 Almoço 16h Lanche 19h Jantar 22h Ceia A D A D A D A D A D Enalapril 20 mg 1 1 Carvedilol 12,5 mg 1 1 AAS 100mg 1 Glibenclamida 5mg 1 1 Metformina 850mg 1 1 Atorvastatina 40mg 1 Tosse Esquece Problemas GI “Medo” 5 tomadas/dia Caso 7
  • 24. MEDICAMENTO 7h30 Café 12h30 Almoço 16h Lanche 19h Jantar 22h Ceia A D A D A D A D A D Losartana 50 mg 1 1 Carvedilol 12,5 mg 1 1 AAS 100mg 1 Glibenclamida 5mg 1 1 Metformina 850mg 1 1 Atorvastatina 40mg 1 Alimento? XR? 2 tomadas/dia Caso 7 Substituição
  • 25. Gestão da condição de saúde  Serviço pelo qual se realiza o gerenciamento de determinada condição de saúde, já estabelecida, ou de fator de risco, por meio de um conjunto de intervenções gerenciais, educacionais e no cuidado, com o objetivo de alcançar bons resultados clínicos, reduzir riscos e contribuir para a melhoria da eficiência e da qualidade da atenção à saúde. CFF, 2016
  • 26. Caso 8 Mateus, 60 anos, DM2, insulinizado. Sua HbA1c mais recente foi 9,0%, o que fez com que o farmacêutico solicitasse um diário glicêmico. Ele aplica 20 U de NPH e 4 U de regular a cada manhã, antes do café da manhã. Aplica também 16 U de NPH e 4 U de regular antes do jantar. Preparação/ ação Aparência Início da ação Pico Duração Regular (R) Límpida 0,5-1 h 2-4h 6-8h NPH (N) Turva 1-2 h 6-12h 18-24h
  • 27.
  • 28. Acompanhamento farmacoterapêutico  Serviço pelo qual o farmacêutico realiza o gerenciamento da farmacoterapia, por meio da análise das condições de saúde, dos fatores de risco e do tratamento do paciente, da implantação de um conjunto de intervenções gerenciais, educacionais e do acompanhamento do paciente, com o objetivo principal de prevenir e resolver problemas da farmacoterapia, a fim de alcançar bons resultados clínicos, reduzir os riscos, e contribuir para a melhoria da eficiência e da qualidade da atenção à saúde. Inclui, ainda, atividades de prevenção e proteção da saúde. CFF, 2016
  • 29. Graça, 70 anos, tabagista, apresenta história pregressa de dislipidemia e hipertensão. Em consulta farmacêutica ela apresenta um resultado médio de PA (2 últimas medidas) de 164/92 mmHg. Ela está utilizando para o tratamento da hipertensão apenas o atenolol 50 mg 2xdia. Caso 9
  • 30. Dia Horário Valores PA - manhã Horário Valores PA – noite 1 08:00 Medida 1 160/80 21:00 Medida 1 165/73 Medida 2 150/90 Medida 2 170/72 2 08:30 Medida 1 150/80 21:30 Medida 1 160/80 Medida 2 160/75 Medida 2 164/79 3 07:50 Medida 1 160/90 20:50 Medida 1 173/89 Medida 2 170/87 Medida 2 167/79 4 08:10 Medida 1 165/88 21:00 Medida 1 166/86 Medida 2 161/77 Medida 2 162/81 Caso 9
  • 31. • RESOLUÇÃO 585/2013 • RESOLUÇÃO 586/2013 • LEI Nº 13.021/2014 • RDC 44 ANVISA 2009 • RDC nº 98 de 01 de agosto de 2016 Aspectos legais
  • 32. Discussão dos Casos clínicos das Atividades do Módulo Anterior
  • 33. Serviços Farmacêuticos Direcionados ao Paciente, Família e Comunidade thaisteles.ufpb@gmail.com wallerictr@gmail.com Módulo 3
  • 34. CURSO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DIRETAMENTE DESTINADOS AO PACIENTE, FAMÍLIA E COMUNIDADE Coordenação Pedagógica: Profª. Dra. Thais Teles de Souza thaisteles.ufpb@gmail.com