SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 77
Baixar para ler offline
Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
Indicações
 Comprometimento dos tecidos de sustentação;



 Comprometimento da estrutura dental;
Comprometimento dos tecidos de
sustentação
 Lesão de furca.



 Reabsoção óssea severa.



 Mobilidade dental.
Comprometimento da estrutura
dental
 Fratura intratável.


 Comprometimento por cárie.


 Incluso e supranumerário em região de interesse de
  instalação de implantes.

 Decíduos.
Indicações atípicas
 Quando a única possibilidade de instalação dos implantes
  for onde se têm dentes em boa situação.

 Quando o elemento está atrapalhando a confecção da
  prótese ideal ou planejada.

 Segundos e Terceiros molares que não terão oclusão na
  futura prótese;

 Indicações ortodônticas.
Contra-indicações gerais
 Patologias cardíacas e P.A. alterada;
 Diabéticos não compensados;
 Deficiência de Fatores de coagulação;
 Infecções sistêmicas;
 Gestantes (Principalmente 1º e 3º Trimestre);
 Lactante;
 Período menstrual (Risco de anemia);
Contra-indicações locais
 Inflamações e edemas (Dificuldade com a anestesia);



 Infecções locais;



 Trismo;
 Tempo de sangria: 1,5 a 3 minutos.



 Tempo de coagulação: 3,5 a 5 minutos.



 P.A. alterada pode levar a um aumento no tempo de
 sangria e no volume de sangria.
Manobras cirúrgicas
  fundamentais
Manobras fundamentais
 Diérese;


 Exérese;


 Síntese ;


 Hemostasia;
Diérese
 Incisão: Corte do tecido.



 Divulsão: Separação sem corte
Requisitos básicos de uma incisão
 Traço único em 45°
 (Distal para mesial
 –    Apical   para
 cervical).

 Apoio  em tecido
 ósseo sadio.
Requisitos básicos de uma incisão
 Amplitude,   possibilitando visibilidade ao campo
 operatório e menor trauma tecidual no afastamento.
Requisitos básicos de uma incisão
 Base ampla
    Irrigação do retalho


 Base do retalho (X)
  deve ser o maior que a
  altura do retalho (Y)

 Idealmente X=2Y
Requisitos básicos de uma incisão

 Maximizar o
 suprimento sanguíneo

 De onde vem e por
 onde vem o aporte
 sanguíneo
Requisitos básicos de uma incisão

As margens do
retalho, devem
repousar sobre
tecido ósseo sadio,
no momento da
sutura
Tipos de incisão


 Retilíneas;
Tipos de incisão

 Envelope;
Tipos de incisão
Em arco:

   Concavidade para
   apical - Partsch

   Concavidade para
   cervical - Pichler
Tipos de incisão
 Trapezoidais:

   Wasmund – Gengiva
    inserida e livre.
Tipos de incisão
 Trapezoidais:

   Neumann      – Gengiva
    inserida, livre e papila
    dental com 1 relaxante.


   Neumann modificada –
    Gengiva inserida, livre e
    papila dental com 2
    relaxantes.
Divulsão
Afastamento
 Os afastadores devem sempre estar apoiados em osso.


 O retalho não deve estar tencionado e/ou isquêmico.


 Quanto menor o trauma aos tecidos gengivais melhor
 é a reparação tecidual.
Exérese
 Osteotomia (Desgaste ósseo).


 Ostectomia (Remoção de fragmento ósseo).


 Curetagem.


 Avulsão (via alveolar e via não alveolar).
Síntese
 Sutura;



 Tamponamento;



 Drenagem;
Reparo tecidual do alvéolo
 Reparo ósseo alveolar

   Conjunto de reações teciduais desencadeadas no interior
    do alvéolo após a exodontia, com o objetivo do seu
    preenchimento ósseo.

   Muito semelhante à sequencia de respostas
    reparacionais do restante do organismo, porém com
    algumas particularidades.
Fases do processo de reparo
 Proliferação Celular


 Desenvolvimento do Tecido Conjuntivo;


 Maturação do Tecido Conjuntivo;


 Diferenciação óssea ou Mineralização.
Fase de desenvolvimento do tecido
conjuntivo

 Grande quantidade de
 fibroblastos e capilares
 neoformados;

 Síntese de fibras colágenas
 e substância fundamental.
Fase de maturação do tecido
conjuntivo

 Caracterizada pelo aumento de fibras colágenas e
 diminuição do número de células e de vasos
 sanguíneos.
Fase de diferenciação óssea ou
mineralização
 Deposição de matriz osteóide por osteoblastos nas
 proximidades das paredes alveolares, principalmente
 onde há restos de ligamento periodontal;

 Processo Concêntrico


 Formação das trabéculas ósseas primárias
Fase de diferenciação óssea ou
mineralização
 Por volta do 7º dia inicia-se a formação óssea

 Por volta do 40º dia cerca de 2/3 do alvéolo já estão preenchidos
  por trabéculas ósseas

 Por volta do 64º dia o alvéolo já se encontra totalmente
  preenchido por tecido ósseo neoformado e com a crista alveolar
  remodelada.

 A epitelização do alvéolo já é notada no 4º dia e a oclusão
  completa do alvéolo se dá por volta do 24º ao 35º dia pós-
  operatório
Fase de diferenciação óssea ou
mineralização
Reparo tecidual do alvéolo
Reparo tecidual do alvéolo
Cicatrização das feridas
 O cirurgião pode criar condições que favoreçam ou
 atrapalhem o processo natural de reparação das feridas
 cirúrgicas.

 A adesão aos princípios cirúrgicos favorece a
 cicatrização ideal restabelecendo a função do tecido
 lesado.
Fatores prejudiciais
 Três fatores principais podem ser prejudiciais no
 processo de cicatrização:

   Corpos estranhos;


   Tecido necrótico;


   Isquemia;
Corpo estranho
 Pode desencadear uma reação inflamatória,
 prejudicando a reparação tecidual.

 Qualquer coisa que não faça parte dos tecidos e do
 processo de cicatrização.
   Fragmentos ósseos e/ou dentários, fragmentos de
    instrumentos, detritos, etc...
Tecido necrótico
 Serve como barreira para o crescimento das células
 reparadoras.

 O estágio inflamatório é prolongado.


 Nicho de proteção das bactérias.
Isquemia
 Risco de infecção;
    Diminuição do aporte sanguíneo ideal.

 Risco de necrose tecidual;

    Suturas muito apertadas.

    Retalhos mal planejados.

    Pressão externa sobre a ferida.
      Próteses mal adaptadas.



    Pressão interna na ferida.
      Hematoma.
Tipos de cicatrização
 Cicatrização por primeira intenção.



 Cicatrização por segunda intenção.
Cicatrização por 1ª intenção
 Quando há coaptação dos bordos da ferida.

   Ocorre mais rapidamente.

   Menor quantidade de reepitelização.

   Menor risco de infecção.

   Menor cicatriz.
Cicatrização por 2ª intenção
 Quando não há coaptação dos bordos da ferida.

   Ocorre mais lentamente.

   Maior quantidade de reepitelização.

   Maior risco de infecção.

   Maior cicatriz.
Instrumentos utilizados em
exodontia
 Instrumentos de Exérese:

   Elevadores;


   Fórceps;
Elevadores
Alavanca é o movimento feito para a remoção do
 elemento.

 Funções:

   Luxação, rompendo as fibras do ligamento periodontal e
    expandindo cortical óssea.
   Remover    as raízes fraturadas      ou   seccionadas
    cirurgicamente.
Elevadores
 Composto de três partes:

 Cabo: Porção para apreensão do
  instrumento.

 Haste:    Transmite a força
  realizada no cabo à ponta ativa.

 Ponta ativa (Lâmina): Parte onde
  será colocada entre o dente a ser
  removido e o osso sadio
  adjacente. Onde a força será
  despendida.
Tipos de elevadores
 Apical reto (ponta ativa em formato de cunha).


 Seldin Reta.


 Seldin angulados.


 Potts (angulada com ponta ativa em formato de colher)
Elevador apical reto
Jogo de elevadores Seldin
Elevador Potts
Fórceps
 Deve ter o cabo estriado e boa
 apreensão.

 O fórceps a a ser utilizado
 dependerá de seu formato e da
 anatomia do colo do dente a ser
 removido.

 Dividido em três partes: Cabo,
 articulação e ponta ativa.
Partes de um Fórceps
 Cabo: Deve ser estriado para não
  escorregar e ter boa apreensão.
  Onde a força é realizada.

 Articulação.


 Ponta ativa: Dependendo de seu
  formato será a indicação de seu
  uso. Encaixa-se no colo do
  dente.
Fórceps Maxilares
Fórceps nº 150


 Para pré-molares,
 Caninos e incisivos
 maxilares.
Fórceps nº 18R e 18L


 Para Molares
 maxilares.
Fórceps nº 65
 Para raízes residuais
  ou raízes seccionadas
  cirurgicamente.

 Pode ser utilizado em
  qualquer região.
Fórceps Mandibulares
Fórceps nº 151


 Incisivos,
  Caninos e
  pré-molares
  mandibulares
Fórceps nº 17


 Molares
 mandibulares
Fórceps nº 16

 Molares inferiores com
  comprometimento de
  furca periodontal.
Fórceps nº 65
 Para raízes residuais
  ou raízes seccionadas
  cirurgicamente.

 Pode ser utilizado em
  qualquer região.
Princípios mecânicos
 Alavanca: Pequena força transforma-se em grande
 movimento. Realizado com o uso de elevadores.

 Cunha: Ponta ativa do instrumento toma o lugar do
 dente, fazendo o movimento de cunha. Realizado com
 o uso de fórceps e elevadores.

 Roda e eixo: Elevadores apoiando em osso sadio e
 dente a ser removido. Fazer movimento de rotação.
Principais movimentos do Fórceps
 Pressão apical: Rompe as fibras da região apical do
 ligamento periodontal.

 Pressão vestíbulo-lingual: expansão das corticais por
 pressão firme, controlada e de velocidade lenta.

 Rotação somente em pré-molares inferior.
Exodontia simples
Avaliação clínica
 Acesso ao dente (Abertura bucal).


 Condições periodontais.


 Condições da coroa clínica.
Exame radiográfico
 Proximidade com estruturas nobres.


 Condição óssea adjacente.


 Configuração das raízes:

   Presença de hipercementose, anquilose, dilaceração
    radicular, número de raízes, etc...
Etapas de uma exodontia simples
 Sindesmotomia: Liberação do tecido gengival.

 Luxação lateral: Com elevadores apoiado sempre em
 osso sadio. Nunca em dente que não será extraído.

 Luxação apical e lateral: Pressão apical e movimentos
 vestíbulo-lingual com fórceps.

 Avulsão via alveolar do elemento.
Cuidados trans-operatórios
 Curetagem (se necessário).


 Limagem (remoção de espículas ósseas).


 Manobra de Chompret:         reposiciona as paredes
 alveolares.

 Tamponamento com gaze.
Papel da mão oposta
 Afastar bochechas, lábios e língua: Melhor visualização do
  capo operatório.

 Suporte e estabilização da mandíbula do paciente: Evitar
  luxação condilar.

 Apoio do processo alveolar: evitar fratura das tábuas ósseas.


 Proteger os outros dentes dos instrumentos.
Papel do assistente
 Mesmo papel da mão oposta do operador.




 Sucção de fluídos e soluções irrigatórias.
Técnicas auxiliares a
     exodontia
 Com a idade os ossos vão ficando cada vez mais com
 maior conteúdo mineral.

 É mais fácil fraturar uma raiz, durante a exodontia, de
 um idoso do que de uma criança.

 Quando ocorre uma fratura radicular ou se não é
 possível realizar a exodontia por via alveolar (curvatura
 de raízes , hipercementose, etc...) temos de lançar mão
 de técnicas auxiliares.
Odontosecção
 Visa diminuir a resistência na remoção do dente.


 Separar as raízes. Evitar fratura radicular e das tábuas
 ósseas.

 Realizar com alta rotação fresas diamantadas ou
 laminadas.
“Divida o dente,
  preserve o
   paciente”
Exodontia via não-alveolar

 Fraturas radiculares;



 Cárie radicular acentuada;



 Hipercementose;
Exodontia via não-alveolar
 Para a preservação do osso, visando uma futura

 instalação de implantes, tenta-se abrir uma janela mais

 apical e remover as raízes ou fragmentos, preservando

 a porção mais cervical da tábua óssea vestibular.
Exodontia: indicações, contra-indicações e manobras cirúrgicas fundamentais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]André Milioli Martins
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarGuilherme Terra
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisprofguilhermeterra
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaJose Gerardo
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...André Milioli Martins
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasAdriana Mércia
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelLorem Morais
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaLucas Almeida Sá
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia Ines Jacyntho Inojosa
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidadesprofguilhermeterra
 
Preparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vPreparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vLucas Almeida Sá
 

Mais procurados (20)

Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologia
 
Implantes
ImplantesImplantes
Implantes
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removível
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Preparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vPreparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe v
 

Semelhante a Exodontia: indicações, contra-indicações e manobras cirúrgicas fundamentais

Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Guilherme Terra
 
Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdfAula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdfVinicioLins
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOAlex Albanese
 
Apostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaApostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaVivianecv
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoholetzlourenco
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIARayssa Mendonça
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxBernabManuelTepa
 
Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008diegosouzaad
 
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdf
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdfAula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdf
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdfAnaKlaraFeitosa
 
acidentes ósseos.pdf
acidentes ósseos.pdfacidentes ósseos.pdf
acidentes ósseos.pdfMximoMiranda
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoClaudio Britto
 

Semelhante a Exodontia: indicações, contra-indicações e manobras cirúrgicas fundamentais (20)

Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdfAula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
 
Conceitos em ortopedia
Conceitos em ortopediaConceitos em ortopedia
Conceitos em ortopedia
 
Apostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaApostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixa
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
 
Enxerto Ósseo
Enxerto ÓsseoEnxerto Ósseo
Enxerto Ósseo
 
Apostila de estágio v
Apostila de estágio vApostila de estágio v
Apostila de estágio v
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
Erupção Dentária
Erupção DentáriaErupção Dentária
Erupção Dentária
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptx
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008
 
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdf
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdfAula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdf
Aula_02_-_Sistema_Esquel_tico (1).pdf
 
acidentes ósseos.pdf
acidentes ósseos.pdfacidentes ósseos.pdf
acidentes ósseos.pdf
 
Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
 

Mais de Guilherme Terra

Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogGuilherme Terra
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Guilherme Terra
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Guilherme Terra
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Guilherme Terra
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Guilherme Terra
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Guilherme Terra
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Guilherme Terra
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Guilherme Terra
 
Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Guilherme Terra
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013Guilherme Terra
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Guilherme Terra
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013Guilherme Terra
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Guilherme Terra
 
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Guilherme Terra
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfGuilherme Terra
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfGuilherme Terra
 
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Guilherme Terra
 
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1Guilherme Terra
 

Mais de Guilherme Terra (20)

Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blog
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
 
Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
 
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
 

Último

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Exodontia: indicações, contra-indicações e manobras cirúrgicas fundamentais

  • 1. Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
  • 2. Indicações  Comprometimento dos tecidos de sustentação;  Comprometimento da estrutura dental;
  • 3. Comprometimento dos tecidos de sustentação  Lesão de furca.  Reabsoção óssea severa.  Mobilidade dental.
  • 4. Comprometimento da estrutura dental  Fratura intratável.  Comprometimento por cárie.  Incluso e supranumerário em região de interesse de instalação de implantes.  Decíduos.
  • 5. Indicações atípicas  Quando a única possibilidade de instalação dos implantes for onde se têm dentes em boa situação.  Quando o elemento está atrapalhando a confecção da prótese ideal ou planejada.  Segundos e Terceiros molares que não terão oclusão na futura prótese;  Indicações ortodônticas.
  • 6. Contra-indicações gerais  Patologias cardíacas e P.A. alterada;  Diabéticos não compensados;  Deficiência de Fatores de coagulação;  Infecções sistêmicas;  Gestantes (Principalmente 1º e 3º Trimestre);  Lactante;  Período menstrual (Risco de anemia);
  • 7. Contra-indicações locais  Inflamações e edemas (Dificuldade com a anestesia);  Infecções locais;  Trismo;
  • 8.  Tempo de sangria: 1,5 a 3 minutos.  Tempo de coagulação: 3,5 a 5 minutos.  P.A. alterada pode levar a um aumento no tempo de sangria e no volume de sangria.
  • 9. Manobras cirúrgicas fundamentais
  • 10. Manobras fundamentais  Diérese;  Exérese;  Síntese ;  Hemostasia;
  • 11. Diérese  Incisão: Corte do tecido.  Divulsão: Separação sem corte
  • 12. Requisitos básicos de uma incisão  Traço único em 45° (Distal para mesial – Apical para cervical).  Apoio em tecido ósseo sadio.
  • 13. Requisitos básicos de uma incisão  Amplitude, possibilitando visibilidade ao campo operatório e menor trauma tecidual no afastamento.
  • 14. Requisitos básicos de uma incisão  Base ampla  Irrigação do retalho  Base do retalho (X) deve ser o maior que a altura do retalho (Y)  Idealmente X=2Y
  • 15. Requisitos básicos de uma incisão  Maximizar o suprimento sanguíneo  De onde vem e por onde vem o aporte sanguíneo
  • 16. Requisitos básicos de uma incisão As margens do retalho, devem repousar sobre tecido ósseo sadio, no momento da sutura
  • 17. Tipos de incisão  Retilíneas;
  • 19. Tipos de incisão Em arco:  Concavidade para apical - Partsch  Concavidade para cervical - Pichler
  • 20. Tipos de incisão  Trapezoidais:  Wasmund – Gengiva inserida e livre.
  • 21. Tipos de incisão  Trapezoidais:  Neumann – Gengiva inserida, livre e papila dental com 1 relaxante.  Neumann modificada – Gengiva inserida, livre e papila dental com 2 relaxantes.
  • 23. Afastamento  Os afastadores devem sempre estar apoiados em osso.  O retalho não deve estar tencionado e/ou isquêmico.  Quanto menor o trauma aos tecidos gengivais melhor é a reparação tecidual.
  • 24. Exérese  Osteotomia (Desgaste ósseo).  Ostectomia (Remoção de fragmento ósseo).  Curetagem.  Avulsão (via alveolar e via não alveolar).
  • 26. Reparo tecidual do alvéolo  Reparo ósseo alveolar  Conjunto de reações teciduais desencadeadas no interior do alvéolo após a exodontia, com o objetivo do seu preenchimento ósseo.  Muito semelhante à sequencia de respostas reparacionais do restante do organismo, porém com algumas particularidades.
  • 27. Fases do processo de reparo  Proliferação Celular  Desenvolvimento do Tecido Conjuntivo;  Maturação do Tecido Conjuntivo;  Diferenciação óssea ou Mineralização.
  • 28.
  • 29. Fase de desenvolvimento do tecido conjuntivo  Grande quantidade de fibroblastos e capilares neoformados;  Síntese de fibras colágenas e substância fundamental.
  • 30. Fase de maturação do tecido conjuntivo  Caracterizada pelo aumento de fibras colágenas e diminuição do número de células e de vasos sanguíneos.
  • 31. Fase de diferenciação óssea ou mineralização  Deposição de matriz osteóide por osteoblastos nas proximidades das paredes alveolares, principalmente onde há restos de ligamento periodontal;  Processo Concêntrico  Formação das trabéculas ósseas primárias
  • 32. Fase de diferenciação óssea ou mineralização  Por volta do 7º dia inicia-se a formação óssea  Por volta do 40º dia cerca de 2/3 do alvéolo já estão preenchidos por trabéculas ósseas  Por volta do 64º dia o alvéolo já se encontra totalmente preenchido por tecido ósseo neoformado e com a crista alveolar remodelada.  A epitelização do alvéolo já é notada no 4º dia e a oclusão completa do alvéolo se dá por volta do 24º ao 35º dia pós- operatório
  • 33. Fase de diferenciação óssea ou mineralização
  • 34. Reparo tecidual do alvéolo
  • 35. Reparo tecidual do alvéolo
  • 36. Cicatrização das feridas  O cirurgião pode criar condições que favoreçam ou atrapalhem o processo natural de reparação das feridas cirúrgicas.  A adesão aos princípios cirúrgicos favorece a cicatrização ideal restabelecendo a função do tecido lesado.
  • 37. Fatores prejudiciais  Três fatores principais podem ser prejudiciais no processo de cicatrização:  Corpos estranhos;  Tecido necrótico;  Isquemia;
  • 38. Corpo estranho  Pode desencadear uma reação inflamatória, prejudicando a reparação tecidual.  Qualquer coisa que não faça parte dos tecidos e do processo de cicatrização.  Fragmentos ósseos e/ou dentários, fragmentos de instrumentos, detritos, etc...
  • 39. Tecido necrótico  Serve como barreira para o crescimento das células reparadoras.  O estágio inflamatório é prolongado.  Nicho de proteção das bactérias.
  • 40. Isquemia  Risco de infecção;  Diminuição do aporte sanguíneo ideal.  Risco de necrose tecidual;  Suturas muito apertadas.  Retalhos mal planejados.  Pressão externa sobre a ferida.  Próteses mal adaptadas.  Pressão interna na ferida.  Hematoma.
  • 41. Tipos de cicatrização  Cicatrização por primeira intenção.  Cicatrização por segunda intenção.
  • 42. Cicatrização por 1ª intenção  Quando há coaptação dos bordos da ferida.  Ocorre mais rapidamente.  Menor quantidade de reepitelização.  Menor risco de infecção.  Menor cicatriz.
  • 43. Cicatrização por 2ª intenção  Quando não há coaptação dos bordos da ferida.  Ocorre mais lentamente.  Maior quantidade de reepitelização.  Maior risco de infecção.  Maior cicatriz.
  • 44. Instrumentos utilizados em exodontia  Instrumentos de Exérese:  Elevadores;  Fórceps;
  • 45. Elevadores Alavanca é o movimento feito para a remoção do elemento.  Funções:  Luxação, rompendo as fibras do ligamento periodontal e expandindo cortical óssea.  Remover as raízes fraturadas ou seccionadas cirurgicamente.
  • 46. Elevadores  Composto de três partes:  Cabo: Porção para apreensão do instrumento.  Haste: Transmite a força realizada no cabo à ponta ativa.  Ponta ativa (Lâmina): Parte onde será colocada entre o dente a ser removido e o osso sadio adjacente. Onde a força será despendida.
  • 47. Tipos de elevadores  Apical reto (ponta ativa em formato de cunha).  Seldin Reta.  Seldin angulados.  Potts (angulada com ponta ativa em formato de colher)
  • 51. Fórceps  Deve ter o cabo estriado e boa apreensão.  O fórceps a a ser utilizado dependerá de seu formato e da anatomia do colo do dente a ser removido.  Dividido em três partes: Cabo, articulação e ponta ativa.
  • 52. Partes de um Fórceps  Cabo: Deve ser estriado para não escorregar e ter boa apreensão. Onde a força é realizada.  Articulação.  Ponta ativa: Dependendo de seu formato será a indicação de seu uso. Encaixa-se no colo do dente.
  • 54. Fórceps nº 150  Para pré-molares, Caninos e incisivos maxilares.
  • 55. Fórceps nº 18R e 18L  Para Molares maxilares.
  • 56. Fórceps nº 65  Para raízes residuais ou raízes seccionadas cirurgicamente.  Pode ser utilizado em qualquer região.
  • 58. Fórceps nº 151  Incisivos, Caninos e pré-molares mandibulares
  • 59. Fórceps nº 17  Molares mandibulares
  • 60. Fórceps nº 16  Molares inferiores com comprometimento de furca periodontal.
  • 61. Fórceps nº 65  Para raízes residuais ou raízes seccionadas cirurgicamente.  Pode ser utilizado em qualquer região.
  • 62. Princípios mecânicos  Alavanca: Pequena força transforma-se em grande movimento. Realizado com o uso de elevadores.  Cunha: Ponta ativa do instrumento toma o lugar do dente, fazendo o movimento de cunha. Realizado com o uso de fórceps e elevadores.  Roda e eixo: Elevadores apoiando em osso sadio e dente a ser removido. Fazer movimento de rotação.
  • 63. Principais movimentos do Fórceps  Pressão apical: Rompe as fibras da região apical do ligamento periodontal.  Pressão vestíbulo-lingual: expansão das corticais por pressão firme, controlada e de velocidade lenta.  Rotação somente em pré-molares inferior.
  • 65. Avaliação clínica  Acesso ao dente (Abertura bucal).  Condições periodontais.  Condições da coroa clínica.
  • 66. Exame radiográfico  Proximidade com estruturas nobres.  Condição óssea adjacente.  Configuração das raízes:  Presença de hipercementose, anquilose, dilaceração radicular, número de raízes, etc...
  • 67. Etapas de uma exodontia simples  Sindesmotomia: Liberação do tecido gengival.  Luxação lateral: Com elevadores apoiado sempre em osso sadio. Nunca em dente que não será extraído.  Luxação apical e lateral: Pressão apical e movimentos vestíbulo-lingual com fórceps.  Avulsão via alveolar do elemento.
  • 68. Cuidados trans-operatórios  Curetagem (se necessário).  Limagem (remoção de espículas ósseas).  Manobra de Chompret: reposiciona as paredes alveolares.  Tamponamento com gaze.
  • 69. Papel da mão oposta  Afastar bochechas, lábios e língua: Melhor visualização do capo operatório.  Suporte e estabilização da mandíbula do paciente: Evitar luxação condilar.  Apoio do processo alveolar: evitar fratura das tábuas ósseas.  Proteger os outros dentes dos instrumentos.
  • 70. Papel do assistente  Mesmo papel da mão oposta do operador.  Sucção de fluídos e soluções irrigatórias.
  • 72.  Com a idade os ossos vão ficando cada vez mais com maior conteúdo mineral.  É mais fácil fraturar uma raiz, durante a exodontia, de um idoso do que de uma criança.  Quando ocorre uma fratura radicular ou se não é possível realizar a exodontia por via alveolar (curvatura de raízes , hipercementose, etc...) temos de lançar mão de técnicas auxiliares.
  • 73. Odontosecção  Visa diminuir a resistência na remoção do dente.  Separar as raízes. Evitar fratura radicular e das tábuas ósseas.  Realizar com alta rotação fresas diamantadas ou laminadas.
  • 74. “Divida o dente, preserve o paciente”
  • 75. Exodontia via não-alveolar  Fraturas radiculares;  Cárie radicular acentuada;  Hipercementose;
  • 76. Exodontia via não-alveolar  Para a preservação do osso, visando uma futura instalação de implantes, tenta-se abrir uma janela mais apical e remover as raízes ou fragmentos, preservando a porção mais cervical da tábua óssea vestibular.