SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
COXARTROSE
ARTROPLASTIAS DO QUADRIL
Introdução aos tópicos essenciais
Dr. Elmano Loures
Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital UniversitárioServiço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Universitário
da Universidade Federal de Juiz de Forada Universidade Federal de Juiz de Fora
Programa de Residência Médica em Ortopedia e TraumatologiaPrograma de Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia
Curso preparatório TEOTCurso preparatório TEOT
Belo HorizonteBelo Horizonte
Maio – 2013Maio – 2013
Artrose do quadril - CoxartroseArtrose do quadril - Coxartrose
 Doença degenerativa crônica com
deterioração da cartilagem e neoformação
óssea nas superfícies e margens
articulares :perda progressiva da
cartilagem e do osso subcondral
 Prevalência: 20% dos indivíduos acima de
55 anos de idade (EUA)
 50% dos casos = cirurgia
HOADLUNG, T. F.; STEINBACH, L. S. Primary osteoartritis of the hip: etiology and epidemiology.
Journal of the American Academy of Orthopaedic Surgeons, Rosemont, v.9, n.5, p.320-327, Sep/Oct 2001.
Fatores associados a ArtroseFatores associados a Artrose
 Aumento da expectativa de vida
 Maior demanda funcional :esportes e
atividades laborais com alto impacto
 Obesidade
 Melhor qualidade no atendimento
traumatológico:jovens com sequelas
 Possível influência genética e imunológica
ARTHRITIS FOUNDATION. The facts about arthritis. [200-]. Disponível em: <http://www.arthritis.org/resources/gettingstarted/default.asp>.
Etiologia da coxartroseEtiologia da coxartrose
 Artrose Primária :
Etiologia desconhecida , multifatorial
 Artrose secundária :
 Displasia do desenvolvimento do quadril
 Osteonecrose da cabeça femoral
 Colagenoses : artrite reumatóide,espondilite anquilosante
 Sequelas de doenças infecciosas
 Sequelas traumáticas e de lesões condrais
 Síndrome do Impacto femoro - acetabular:
CAM,PINCER,MISTO
 Leg-Perthes, Episifiólise proximal do femur
CHARD, J. et al. Osteoartrite do quadril. In: BRITISH MEDICAL JOURNAL. Evidência clínica: conciso – doenças musculoesqueléticas. Porto Alegre: Artmed, 2008. p.42-43.
Quadro clínicoQuadro clínico
 Dor inguinal acentuada por carga e movimento
 Característica protocinética :piora no inicio do ciclo
 Irradiação para face interna da coxa: N. Obturatório
 Diminuição da amplitude de movimentos: RI,abdução
 Claudicação,anormalidades na marcha,dismetrias
 Limitações progressivas para atividades cotidianas e perda
acentuada da qualidade de vida
Loures,E A & Leite , IC : Rev Bras Ortop. 2012;47(4):498-504
 Posições viciosas nos casos avançados:
 Flexo-adução
 Obliquidade pélvica
Exame clínico cuidadoso é fundamental para diagnóstico diferencial
Diagnóstico diferencial da Coxartrose:Diagnóstico diferencial da Coxartrose:
não operar a radiografia!não operar a radiografia!
Excluir outras causas de dor no quadril e coxa :
 Bursites , Tendinites ,Artrites
 Síndrome da dor glútea profunda /piriforme
 Patologias da coluna lombar : radiculopatias
 Vascular,dor miofascial,lesões labrais
 Impacto Fêmoro- Acetabular
 Tumores
Loures,E A et al.: Rev Bras Ortop. 2012;47(1):118-23 ; Lombardi et al. ,AAOS SE 05, Mar 2013
Classificação radiográfica deClassificação radiográfica de
Kellgren&LawrenceKellgren&Lawrence
Grau Zero:articulação normal
Grau 1: possível estreitamento articular medial e possiveis
osteófitos ao redor da cabeça
Grau 2:estreitamento definido do espaço articular inferior ,
osteófitos definidos,esclerose crescente
Grau 3: estreitamento articular marcante , osteófitos
maiores,esclerose e formação de cistos,deformidade da
cabeça e acetábulo
Grau 4: perda do espaço articular com esclerose e cistos,
deformidade marcante da cabeça e acetábulo, grandes
osteófitos
Kellgren JH, Lawrence JS. Radiological assessment of osteoarthrosis. Ann Rheum Dis 1957 Dec;16(4):494-502.
Outras classificações : Tönnis , Bombelli
Grau I Grau II
Grau III Grau IV
Classificação deClassificação de CroweCrowe para DDQpara DDQ
Tipo I Tipo II Tipo III Tipo IV
até 50% 50 a 75% 75 a 100% > 100%
Alternativas a ATQAlternativas a ATQ
 Tratamento clínico :órteses , correção dos fatores
associados,analgésicos,AINES,drogas de ação lenta.
 Tratamento cirúrgico:
 Osteotomias femorais :varizante p/ esféricas ,DDQ
valgizante p/ elípticas,Perthes
 Osteotomias pélvicas :Chiari , shelf-procedures
Bernese-Ganz
 Artrodese:jovem, unilateral,baixa estatura,braçal
 Artroscopia :técnica em evolução
Lesões pré-artrósicas
Correção das lesões condrais / labrais
Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico
Soluções nãoSoluções não artroplásticasartroplásticas
R.F.A. : 12 a., Coxa Vara à esquerda
Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico
Soluções não artroplásticasSoluções não artroplásticas
Varizante –DDQ-S.A.T-25 anos
12 meses FU
Osteoartrose da articulaçãoOsteoartrose da articulação
coxofemoral no século 21coxofemoral no século 21
 Índice geral de complicações baixoÍndice geral de complicações baixo
 Procedimento reprodutível em alta escalaProcedimento reprodutível em alta escala
 Transição entre deficiência física e um nível funcional satisfatório aTransição entre deficiência física e um nível funcional satisfatório a
curto prazo: promove grande incremento na qualidade de vidacurto prazo: promove grande incremento na qualidade de vida
George;Ruiz;Sloan,2008;Hamel et al ,2008,Stein,2008,Loures,2012
Artroplastia deArtroplastia de
substituição total dosubstituição total do
quadril é oquadril é o
procedimento padrãoprocedimento padrão
para doença avançadapara doença avançada
Artroplastia total do quadrilArtroplastia total do quadril
Histórico e evoluçãoHistórico e evolução
 Ollier,1880: 1ª artroplastia
interposicional
 Gluck,1891: marfim
 Jones,1895: folha de ouro
 SmithPetersen,1923:vidro
1938: cúpula de vitallium
 Judet , 1946:acrílico
Amstutz;Clarke,1991
Philip WilesPhilip Wiles,1938 – Londres,1938 – Londres
a primeira artroplastia total do quadrila primeira artroplastia total do quadril
Pramanik et al.,2005
Histórico e evolução da ATQHistórico e evolução da ATQ
1ª GERAÇÃO IMPLANTES CR-CO ANOS 50 e 60:1ª GERAÇÃO IMPLANTES CR-CO ANOS 50 e 60:
McKee-FarrarMcKee-Farrar / Stanmore /Sivash/ Muller // Stanmore /Sivash/ Muller / RingRing
 Falhas precoces coincidiram com o sucesso clínico dasFalhas precoces coincidiram com o sucesso clínico das
ATQs. deATQs. de CharnleyCharnley
 Abandonadas na década de 70Abandonadas na década de 70
1962 : A era moderna
Prótese total de Charnley
 Low-friction arthoplasty
 Articulação metal-polietileno
 Uso do metil-metacrilato
 Avanços tecnológicos
 Redução da sepsis
 Sistematização
Reprodutibilidade/confiabilidade
Rapp,2002;www.totaljoints.info/Charnley
Sir John Charnley : “Pai” da artroplastia modernaSir John Charnley : “Pai” da artroplastia moderna
Estágio atual da técnicaEstágio atual da técnica
60 anos de evolução tecnológica :
 Desenvolvimento das técnicas
pioneiras
 Implantes ósteo - integrados
 Soluções para aumentar a
durabilidade dos implantes e
minimizar a osteólise e novas
superfícies de apoio
“Não existe nenhuma operação na cirurgia
ortopédica que funcione melhor e tenha melhor
relação custo-benefício que uma ATQ.”
Laupacis et al. 2001
 Acesso a serviços médicos / urbanizaçãoAcesso a serviços médicos / urbanização
 Acesso à informação / longevidadeAcesso à informação / longevidade
 Interesses corporativos e comerciaisInteresses corporativos e comerciais
 Aumento no n° de jovens candidatos a ATQAumento no n° de jovens candidatos a ATQ
 Vida útil dos implantes convencionais eVida útil dos implantes convencionais e
sobrevida dos pacientes com curvas divergentessobrevida dos pacientes com curvas divergentes
Adulto jovem é o grande desafio !
Demanda por implantes em contínuaDemanda por implantes em contínua
expansão no Brasil (20-25.000/ano ???)expansão no Brasil (20-25.000/ano ???)
Projeção 2020 :800.000 ATQs.primárias /ano/mundoProjeção 2020 :800.000 ATQs.primárias /ano/mundo
Kili et al.,2003Kili et al.,2003
Padrão-ouro da ATQ no século XXIPadrão-ouro da ATQ no século XXI ??
Grande diversidade de opções e tendências
Superfície metal-polietileno = parâmetro
Nos países em desenvolvimento:
 Predomínio do metal x polietileno ,
 Próteses híbridas, Cabeças 28 mm
Nos países desenvolvidos / EUA :
 Superfícies duras , cabeças maiores
 Implantes não cimentados
 5 maiores fabricantes são americanos
Bozic et al.,2009; Dicesare,1998
Resurfacing metal-metalResurfacing metal-metal
LDH Metal-MetalLDH Metal-Metal
2013: grandes incertezas e
questionamentos sobre
Metal-Metal
e reações teciduais adversas
Opções em ATQOpções em ATQ
com uso de Cerâmicascom uso de Cerâmicas
Momento atual favorece
a nova geração de cerâmicas e
o aperfeiçoamento contínuo
do polietileno
X-linked
O SUCESSO DE UMA ATQ ÉO SUCESSO DE UMA ATQ É
MULTIFATORIALMULTIFATORIAL
 Características do implante
 Superfícies articulares
 Cirurgião:
treinamento =performance
 Fixação primária adequada
 Seleção do paciente e
planejamento pré-op
 Ambiente hospitalar
BIERBAUM, B. E.; HOWE, K. K. Total hip arthroplasty: learning from both successes, failure. Early improvements involved
techniques, materials. Orthopaedics today, Thorofare, v.22, n.10, p.752-761, Oct 1999.
Planejamento e preparo pré-Planejamento e preparo pré-
operatório*operatório*
 Radiografias :bacia ,coxofemoral em AP c/ RI
15° e perfil, fêmur Padrão-ouro é o RX
TC e RNM em condições especiais :Mandatório
reconstrução 3-D em sequela de fraturas
 Avaliação clínica , cardiológica e dentária:
Atenção p/ diabetes, infecção prévia, estados de
imunodeficiencia ,deficit cognitivo
 Aspectos psico-sociais, tabagismo,drogas,IMC
 Escolha do implante individualizada * :
Identificar canais estreitos ou muito largos
Índice de Dorr
Tendências na Seleção do implanteTendências na Seleção do implante
AcetábuloAcetábulo::
•Componentes não cimentados : a maioria dos casos
•Cimentados :protusão acetabular , grande volume de
enxerto ,insuficiência do estoque ósseo acetabular ,UK
FêmurFêmur ::
•Componentes não cimentados: indivíduos com
expectativa de vida > 15 anos, femur I e II de Dorr
Na America do Norte : praticamente todos os casos !
•Componentes cimentados: menor expectativa de vida,
femur tipo III de Dorr , necessidade de alto nível de
anticoagulação imediata,menor preço do implante.
A maioria nos países em desenvolvimento
Fatores dificultadores na ATQFatores dificultadores na ATQ
•Obesidade e condições neuromusculares
•Cirurgias prévias :avaliar incisões existentes
•Deformidades ósseas femorais e protusão
•Displasia alta
•Sequela de traumatismos /fraturas
•Presença de material de osteossíntese
•Musculatura muito desenvolvida
•Grandes encurtamentos
•Artrodese /anquilose
Lieberman & Berry , Advanced Reconstruction Hip .The Hip Society –AAOS ,2011
O ato cirúrgicoO ato cirúrgico
 Protocolos definidos : planejar é antecipar as dificuldades !
 Usar templates do implante escolhido ,referências radiológicas
 Buscar restabelecer o centro de rotação da articulação
 Acessos: anterior (Smith-Petersen,W.Jones)
lateral direto (Hardinge)
posterior(Gibson,Moore)c/reparo de partes moles
MIS/LIS :exigem grande experiência e habilidade
 Conhecer as referências anatômicas : posicionamento correto
dos componentes é essencial na longevidade e estabilidade
da ATQ Safe Zone -Lewinnek (40°/15° +- 10°)
 Cuidados para reduzir taxa de infecção, TVP e ossificação
heterotópica
ATQ : riscos e complicaçõesATQ : riscos e complicações
imediatas ou a curto prazoimediatas ou a curto prazo
 Instabilidade/ luxação :1 a 10%
 Infecção: 0,2 a 5%
 Fraturas : 2%
 Lesão nervosa : 1 a 2%
 Lesão vascular : 0,2%
 Dismetrias >1 cm. : 1 a 10 %
 Ossificação heterotópica: 3-6%
 Trombo-embolismo : 1%
 Complicações cardíacas,AVC
 Sind.morte súbita p/ cimento
Maior incidência de complicações com cirurgiões com – de 20 ATQs/anoMaior incidência de complicações com cirurgiões com – de 20 ATQs/ano
Muitas das complicações reportadas com M-M estão neste segmentoMuitas das complicações reportadas com M-M estão neste segmento
SOLTURA ASSÉPTICA / OSTEÓLISE:SOLTURA ASSÉPTICA / OSTEÓLISE:
Causa predominante de falha nas ATQs.Causa predominante de falha nas ATQs.
““A sobrevida a longo prazoA sobrevida a longo prazo
dos implantes está maisdos implantes está mais
ligada à osteólise e aoligada à osteólise e ao
desgaste do quedesgaste do que
à fixação do componentes.”à fixação do componentes.”
Rubash/Illgen, 2002
Nenhuma prótese é definitivamente
a última !
CoxartroseCoxartrose
Considerar:
 História natural da artroplastia em jovens
 Soluções não artroplásticas :fase pré-artrose
 Perfil psico-social do paciente e aspectos legais
Indicou artroplastia total ?
 Escolha da configuração e do par tribológico
 Técnica pessoal desenvolvida = treinamento
 Familiaridade com o material /planejamento
 Condições adequadas : hospital e equipe
Nunca banalizar uma grande operação:
O sucesso é compartilhado, já o fracasso ...
Muito obrigado !Muito obrigado !
Elmano LouresElmano LouresHU-UFJF Serviço de Ortopedia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas  ACFraturas subtrocantericas e atipicas  AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
 
Próteses de Membro Inferior (PDF)
Próteses de Membro Inferior (PDF)Próteses de Membro Inferior (PDF)
Próteses de Membro Inferior (PDF)
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Artrose
ArtroseArtrose
Artrose
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
aula-epifisiolise
aula-epifisioliseaula-epifisiolise
aula-epifisiolise
 
Fratura Transtrocanteriana
Fratura TranstrocanterianaFratura Transtrocanteriana
Fratura Transtrocanteriana
 
Distúrbios do movimento
Distúrbios do movimentoDistúrbios do movimento
Distúrbios do movimento
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
 
Doença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood SchlatterDoença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood Schlatter
 
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
Quadril
QuadrilQuadril
Quadril
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
 

Semelhante a Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril

Kypho X Vertebroplasty Ricardo Ferreia
Kypho X Vertebroplasty  Ricardo FerreiaKypho X Vertebroplasty  Ricardo Ferreia
Kypho X Vertebroplasty Ricardo FerreiaRicardo Ferreira
 
Osteocondroma cervical
Osteocondroma cervicalOsteocondroma cervical
Osteocondroma cervicalzanamarques
 
Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006Carlos Andrade
 
Informativo artroplastia joelho_portugues
Informativo artroplastia joelho_portuguesInformativo artroplastia joelho_portugues
Informativo artroplastia joelho_portuguesFlávio Martins Martins
 
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em MastologiaAplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologiacaduanselmi
 
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular 17 e 18 de outubro ...
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular    17 e 18 de outubro ...Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular    17 e 18 de outubro ...
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular 17 e 18 de outubro ...Salutaria
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Paulo Alambert
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Guilherme Terra
 
Artigo Articulação Temporomandibular
Artigo   Articulação TemporomandibularArtigo   Articulação Temporomandibular
Artigo Articulação TemporomandibularValriaSouzaMartins
 
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesDiagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesPaulo Alambert
 

Semelhante a Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril (20)

Kypho X Vertebroplasty Ricardo Ferreia
Kypho X Vertebroplasty  Ricardo FerreiaKypho X Vertebroplasty  Ricardo Ferreia
Kypho X Vertebroplasty Ricardo Ferreia
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
 
Hallux rigidus
Hallux rigidusHallux rigidus
Hallux rigidus
 
Osteocondroma cervical
Osteocondroma cervicalOsteocondroma cervical
Osteocondroma cervical
 
Infecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebralInfecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebral
 
Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Crânio
CrânioCrânio
Crânio
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
 
Osteoporose 2013
Osteoporose 2013Osteoporose 2013
Osteoporose 2013
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Informativo artroplastia joelho_portugues
Informativo artroplastia joelho_portuguesInformativo artroplastia joelho_portugues
Informativo artroplastia joelho_portugues
 
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em MastologiaAplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
 
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular 17 e 18 de outubro ...
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular    17 e 18 de outubro ...Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular    17 e 18 de outubro ...
Programa xv simpósio de angiologia e cirurgia vascular 17 e 18 de outubro ...
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Artigo Articulação Temporomandibular
Artigo   Articulação TemporomandibularArtigo   Articulação Temporomandibular
Artigo Articulação Temporomandibular
 
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesDiagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (13)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril

  • 1. COXARTROSE ARTROPLASTIAS DO QUADRIL Introdução aos tópicos essenciais Dr. Elmano Loures Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital UniversitárioServiço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Forada Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Residência Médica em Ortopedia e TraumatologiaPrograma de Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia Curso preparatório TEOTCurso preparatório TEOT Belo HorizonteBelo Horizonte Maio – 2013Maio – 2013
  • 2. Artrose do quadril - CoxartroseArtrose do quadril - Coxartrose  Doença degenerativa crônica com deterioração da cartilagem e neoformação óssea nas superfícies e margens articulares :perda progressiva da cartilagem e do osso subcondral  Prevalência: 20% dos indivíduos acima de 55 anos de idade (EUA)  50% dos casos = cirurgia HOADLUNG, T. F.; STEINBACH, L. S. Primary osteoartritis of the hip: etiology and epidemiology. Journal of the American Academy of Orthopaedic Surgeons, Rosemont, v.9, n.5, p.320-327, Sep/Oct 2001.
  • 3. Fatores associados a ArtroseFatores associados a Artrose  Aumento da expectativa de vida  Maior demanda funcional :esportes e atividades laborais com alto impacto  Obesidade  Melhor qualidade no atendimento traumatológico:jovens com sequelas  Possível influência genética e imunológica ARTHRITIS FOUNDATION. The facts about arthritis. [200-]. Disponível em: <http://www.arthritis.org/resources/gettingstarted/default.asp>.
  • 4. Etiologia da coxartroseEtiologia da coxartrose  Artrose Primária : Etiologia desconhecida , multifatorial  Artrose secundária :  Displasia do desenvolvimento do quadril  Osteonecrose da cabeça femoral  Colagenoses : artrite reumatóide,espondilite anquilosante  Sequelas de doenças infecciosas  Sequelas traumáticas e de lesões condrais  Síndrome do Impacto femoro - acetabular: CAM,PINCER,MISTO  Leg-Perthes, Episifiólise proximal do femur CHARD, J. et al. Osteoartrite do quadril. In: BRITISH MEDICAL JOURNAL. Evidência clínica: conciso – doenças musculoesqueléticas. Porto Alegre: Artmed, 2008. p.42-43.
  • 5. Quadro clínicoQuadro clínico  Dor inguinal acentuada por carga e movimento  Característica protocinética :piora no inicio do ciclo  Irradiação para face interna da coxa: N. Obturatório  Diminuição da amplitude de movimentos: RI,abdução  Claudicação,anormalidades na marcha,dismetrias  Limitações progressivas para atividades cotidianas e perda acentuada da qualidade de vida Loures,E A & Leite , IC : Rev Bras Ortop. 2012;47(4):498-504  Posições viciosas nos casos avançados:  Flexo-adução  Obliquidade pélvica Exame clínico cuidadoso é fundamental para diagnóstico diferencial
  • 6. Diagnóstico diferencial da Coxartrose:Diagnóstico diferencial da Coxartrose: não operar a radiografia!não operar a radiografia! Excluir outras causas de dor no quadril e coxa :  Bursites , Tendinites ,Artrites  Síndrome da dor glútea profunda /piriforme  Patologias da coluna lombar : radiculopatias  Vascular,dor miofascial,lesões labrais  Impacto Fêmoro- Acetabular  Tumores Loures,E A et al.: Rev Bras Ortop. 2012;47(1):118-23 ; Lombardi et al. ,AAOS SE 05, Mar 2013
  • 7. Classificação radiográfica deClassificação radiográfica de Kellgren&LawrenceKellgren&Lawrence Grau Zero:articulação normal Grau 1: possível estreitamento articular medial e possiveis osteófitos ao redor da cabeça Grau 2:estreitamento definido do espaço articular inferior , osteófitos definidos,esclerose crescente Grau 3: estreitamento articular marcante , osteófitos maiores,esclerose e formação de cistos,deformidade da cabeça e acetábulo Grau 4: perda do espaço articular com esclerose e cistos, deformidade marcante da cabeça e acetábulo, grandes osteófitos Kellgren JH, Lawrence JS. Radiological assessment of osteoarthrosis. Ann Rheum Dis 1957 Dec;16(4):494-502. Outras classificações : Tönnis , Bombelli
  • 8. Grau I Grau II Grau III Grau IV
  • 9. Classificação deClassificação de CroweCrowe para DDQpara DDQ Tipo I Tipo II Tipo III Tipo IV até 50% 50 a 75% 75 a 100% > 100%
  • 10. Alternativas a ATQAlternativas a ATQ  Tratamento clínico :órteses , correção dos fatores associados,analgésicos,AINES,drogas de ação lenta.  Tratamento cirúrgico:  Osteotomias femorais :varizante p/ esféricas ,DDQ valgizante p/ elípticas,Perthes  Osteotomias pélvicas :Chiari , shelf-procedures Bernese-Ganz  Artrodese:jovem, unilateral,baixa estatura,braçal  Artroscopia :técnica em evolução Lesões pré-artrósicas Correção das lesões condrais / labrais
  • 11. Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico Soluções nãoSoluções não artroplásticasartroplásticas R.F.A. : 12 a., Coxa Vara à esquerda
  • 12. Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico Soluções não artroplásticasSoluções não artroplásticas Varizante –DDQ-S.A.T-25 anos 12 meses FU
  • 13. Osteoartrose da articulaçãoOsteoartrose da articulação coxofemoral no século 21coxofemoral no século 21  Índice geral de complicações baixoÍndice geral de complicações baixo  Procedimento reprodutível em alta escalaProcedimento reprodutível em alta escala  Transição entre deficiência física e um nível funcional satisfatório aTransição entre deficiência física e um nível funcional satisfatório a curto prazo: promove grande incremento na qualidade de vidacurto prazo: promove grande incremento na qualidade de vida George;Ruiz;Sloan,2008;Hamel et al ,2008,Stein,2008,Loures,2012 Artroplastia deArtroplastia de substituição total dosubstituição total do quadril é oquadril é o procedimento padrãoprocedimento padrão para doença avançadapara doença avançada
  • 14. Artroplastia total do quadrilArtroplastia total do quadril Histórico e evoluçãoHistórico e evolução  Ollier,1880: 1ª artroplastia interposicional  Gluck,1891: marfim  Jones,1895: folha de ouro  SmithPetersen,1923:vidro 1938: cúpula de vitallium  Judet , 1946:acrílico Amstutz;Clarke,1991 Philip WilesPhilip Wiles,1938 – Londres,1938 – Londres a primeira artroplastia total do quadrila primeira artroplastia total do quadril Pramanik et al.,2005
  • 15. Histórico e evolução da ATQHistórico e evolução da ATQ 1ª GERAÇÃO IMPLANTES CR-CO ANOS 50 e 60:1ª GERAÇÃO IMPLANTES CR-CO ANOS 50 e 60: McKee-FarrarMcKee-Farrar / Stanmore /Sivash/ Muller // Stanmore /Sivash/ Muller / RingRing  Falhas precoces coincidiram com o sucesso clínico dasFalhas precoces coincidiram com o sucesso clínico das ATQs. deATQs. de CharnleyCharnley  Abandonadas na década de 70Abandonadas na década de 70
  • 16. 1962 : A era moderna Prótese total de Charnley  Low-friction arthoplasty  Articulação metal-polietileno  Uso do metil-metacrilato  Avanços tecnológicos  Redução da sepsis  Sistematização Reprodutibilidade/confiabilidade Rapp,2002;www.totaljoints.info/Charnley Sir John Charnley : “Pai” da artroplastia modernaSir John Charnley : “Pai” da artroplastia moderna
  • 17. Estágio atual da técnicaEstágio atual da técnica 60 anos de evolução tecnológica :  Desenvolvimento das técnicas pioneiras  Implantes ósteo - integrados  Soluções para aumentar a durabilidade dos implantes e minimizar a osteólise e novas superfícies de apoio “Não existe nenhuma operação na cirurgia ortopédica que funcione melhor e tenha melhor relação custo-benefício que uma ATQ.” Laupacis et al. 2001
  • 18.  Acesso a serviços médicos / urbanizaçãoAcesso a serviços médicos / urbanização  Acesso à informação / longevidadeAcesso à informação / longevidade  Interesses corporativos e comerciaisInteresses corporativos e comerciais  Aumento no n° de jovens candidatos a ATQAumento no n° de jovens candidatos a ATQ  Vida útil dos implantes convencionais eVida útil dos implantes convencionais e sobrevida dos pacientes com curvas divergentessobrevida dos pacientes com curvas divergentes Adulto jovem é o grande desafio ! Demanda por implantes em contínuaDemanda por implantes em contínua expansão no Brasil (20-25.000/ano ???)expansão no Brasil (20-25.000/ano ???) Projeção 2020 :800.000 ATQs.primárias /ano/mundoProjeção 2020 :800.000 ATQs.primárias /ano/mundo Kili et al.,2003Kili et al.,2003
  • 19. Padrão-ouro da ATQ no século XXIPadrão-ouro da ATQ no século XXI ?? Grande diversidade de opções e tendências Superfície metal-polietileno = parâmetro Nos países em desenvolvimento:  Predomínio do metal x polietileno ,  Próteses híbridas, Cabeças 28 mm Nos países desenvolvidos / EUA :  Superfícies duras , cabeças maiores  Implantes não cimentados  5 maiores fabricantes são americanos Bozic et al.,2009; Dicesare,1998
  • 20. Resurfacing metal-metalResurfacing metal-metal LDH Metal-MetalLDH Metal-Metal 2013: grandes incertezas e questionamentos sobre Metal-Metal e reações teciduais adversas
  • 21. Opções em ATQOpções em ATQ com uso de Cerâmicascom uso de Cerâmicas Momento atual favorece a nova geração de cerâmicas e o aperfeiçoamento contínuo do polietileno X-linked
  • 22. O SUCESSO DE UMA ATQ ÉO SUCESSO DE UMA ATQ É MULTIFATORIALMULTIFATORIAL  Características do implante  Superfícies articulares  Cirurgião: treinamento =performance  Fixação primária adequada  Seleção do paciente e planejamento pré-op  Ambiente hospitalar BIERBAUM, B. E.; HOWE, K. K. Total hip arthroplasty: learning from both successes, failure. Early improvements involved techniques, materials. Orthopaedics today, Thorofare, v.22, n.10, p.752-761, Oct 1999.
  • 23. Planejamento e preparo pré-Planejamento e preparo pré- operatório*operatório*  Radiografias :bacia ,coxofemoral em AP c/ RI 15° e perfil, fêmur Padrão-ouro é o RX TC e RNM em condições especiais :Mandatório reconstrução 3-D em sequela de fraturas  Avaliação clínica , cardiológica e dentária: Atenção p/ diabetes, infecção prévia, estados de imunodeficiencia ,deficit cognitivo  Aspectos psico-sociais, tabagismo,drogas,IMC  Escolha do implante individualizada * : Identificar canais estreitos ou muito largos Índice de Dorr
  • 24. Tendências na Seleção do implanteTendências na Seleção do implante AcetábuloAcetábulo:: •Componentes não cimentados : a maioria dos casos •Cimentados :protusão acetabular , grande volume de enxerto ,insuficiência do estoque ósseo acetabular ,UK FêmurFêmur :: •Componentes não cimentados: indivíduos com expectativa de vida > 15 anos, femur I e II de Dorr Na America do Norte : praticamente todos os casos ! •Componentes cimentados: menor expectativa de vida, femur tipo III de Dorr , necessidade de alto nível de anticoagulação imediata,menor preço do implante. A maioria nos países em desenvolvimento
  • 25. Fatores dificultadores na ATQFatores dificultadores na ATQ •Obesidade e condições neuromusculares •Cirurgias prévias :avaliar incisões existentes •Deformidades ósseas femorais e protusão •Displasia alta •Sequela de traumatismos /fraturas •Presença de material de osteossíntese •Musculatura muito desenvolvida •Grandes encurtamentos •Artrodese /anquilose Lieberman & Berry , Advanced Reconstruction Hip .The Hip Society –AAOS ,2011
  • 26. O ato cirúrgicoO ato cirúrgico  Protocolos definidos : planejar é antecipar as dificuldades !  Usar templates do implante escolhido ,referências radiológicas  Buscar restabelecer o centro de rotação da articulação  Acessos: anterior (Smith-Petersen,W.Jones) lateral direto (Hardinge) posterior(Gibson,Moore)c/reparo de partes moles MIS/LIS :exigem grande experiência e habilidade  Conhecer as referências anatômicas : posicionamento correto dos componentes é essencial na longevidade e estabilidade da ATQ Safe Zone -Lewinnek (40°/15° +- 10°)  Cuidados para reduzir taxa de infecção, TVP e ossificação heterotópica
  • 27. ATQ : riscos e complicaçõesATQ : riscos e complicações imediatas ou a curto prazoimediatas ou a curto prazo  Instabilidade/ luxação :1 a 10%  Infecção: 0,2 a 5%  Fraturas : 2%  Lesão nervosa : 1 a 2%  Lesão vascular : 0,2%  Dismetrias >1 cm. : 1 a 10 %  Ossificação heterotópica: 3-6%  Trombo-embolismo : 1%  Complicações cardíacas,AVC  Sind.morte súbita p/ cimento Maior incidência de complicações com cirurgiões com – de 20 ATQs/anoMaior incidência de complicações com cirurgiões com – de 20 ATQs/ano Muitas das complicações reportadas com M-M estão neste segmentoMuitas das complicações reportadas com M-M estão neste segmento
  • 28. SOLTURA ASSÉPTICA / OSTEÓLISE:SOLTURA ASSÉPTICA / OSTEÓLISE: Causa predominante de falha nas ATQs.Causa predominante de falha nas ATQs. ““A sobrevida a longo prazoA sobrevida a longo prazo dos implantes está maisdos implantes está mais ligada à osteólise e aoligada à osteólise e ao desgaste do quedesgaste do que à fixação do componentes.”à fixação do componentes.” Rubash/Illgen, 2002 Nenhuma prótese é definitivamente a última !
  • 29. CoxartroseCoxartrose Considerar:  História natural da artroplastia em jovens  Soluções não artroplásticas :fase pré-artrose  Perfil psico-social do paciente e aspectos legais Indicou artroplastia total ?  Escolha da configuração e do par tribológico  Técnica pessoal desenvolvida = treinamento  Familiaridade com o material /planejamento  Condições adequadas : hospital e equipe Nunca banalizar uma grande operação: O sucesso é compartilhado, já o fracasso ...
  • 30. Muito obrigado !Muito obrigado ! Elmano LouresElmano LouresHU-UFJF Serviço de Ortopedia