SlideShare uma empresa Scribd logo
11
Farmacologia doFarmacologia do
Sistema NervosoSistema Nervoso
CentralCentral
22
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
• Fármacos que atual no sistema nervoso
central incluem:
–Anestésicos Gerais;
–Ansiolíticos;
–Analgésicos;
–Antipsicóticos;
–Antidepressivos;
–Anticonvulsivantes.
33O sistema Nervoso Central funciona como
processador de informações, mantendo a
hemostasia de vários sistemas, regulando
funções vegetativas e possibilitando raciocínio
lógico, julgamento e comunicação simbólica.
Recebe Sinais Detectados por Receptores
Periféricos e Conduzidos por Vias Aferentes
Sensitivas.
Analisa, filtra, armazena e reelabora essas
informações, programando reações motoras,
comunicadas por nervos eferentes a órgãos
executores.
O SISTEMA NERVOSOO SISTEMA NERVOSO
Sistema Nervoso
Periférico
Sistema Nervoso
Central
Encéfalo
Medula
Espinhal
Nervos
cranianos
Nervos
espinhais
55
ENCÉFALOENCÉFALO
CÉREBRO
CEREBELO
TRONCO
ENCEFÁLICO
MESENCÉFALO
PONTE
BULBO
TELENCÉFALO
DIENCÉFALO
66
TELENCÉFALOTELENCÉFALO
MESENCÉFALOMESENCÉFALO
DIENCÉFALODIENCÉFALO
PONTEPONTE
BULBOBULBO
77
DESTINA-SE A:
Reagir aos estímulos
Transmitir a excitação resultante com
rapidez para outras partes da célula e para
outros neurônios, céls musculares e
glandulares.
Mais de 100 bilhões (1011
) de
neurônios (células nervosas), estão
integrados no tecido estrutural e
funcional que é o encéfalo.
O NEURÔNO É AO NEURÔNO É A
UNIDADE BÁSICA DOUNIDADE BÁSICA DO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
88
NEURÔNIONEURÔNIO
CORPO
DENDRITO
SAXÔNIO
99
NEURÔNIONEURÔNIO
AXÔNIO
CORPO
DENDRITOS
1010
NEURÔNIONEURÔNIO
TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO
SINAPSESINAPSE
NEURÔNIONEURÔNIO
1111
SINAPSESINAPSE
É o local de contato de
um neurônio com o outro.
1212
SENTIDOSENTIDO
DODO
INFLUXOINFLUXO
NERVOSONERVOSO
PP
OO
LL
AA
RR
II
ZZ
AA
DD
AA
1313
No interior do neurônio gera-se um
impulso elétrico, fruto de trocas
iônicas transmembranas.
O impulso nervoso é, na verdade, uma onda
de despolarização propagada, causada pela
passagem rápida de sódio do exterior para o
interior da célula, com conseqüente
diminuição da eletronegatividade da face
interna da membrana.
Descarga nervosa = potencial de ação, que se propaga
até terminais nervosos.
1414
Chegando aos botões terminais, os
impulsos nervosos promovem a
liberação de substâncias químicas
especiais denominadas
NEUROTRANSMISSORES.
Neurotransmissores são sintetizados em várias partes da
célula nervosa e armazenam-se em vesículas
localizadas nos terminais sinápticos, de onde são
liberados mediante impulso adequado.
Na fenda, ligam-se a receptores pré e pós
sinápticos.
1515
Combinação com receptores pós-
sinápticos resulta em excitação ou
inibição neuronais.
Interação com receptores pré-sinápticos causa
alterações em velocidade de síntese e liberação
do próprio neurotransmissor em seu terminal
nervoso = auto-regulação.
1616
NEUROTRANSMISSORES DO SNC:NEUROTRANSMISSORES DO SNC:
• ColinérgicosColinérgicos : Acetilcolina
• MonoaminasMonoaminas: Epinefrina, dopamina,
histamina, norepinefrina e serotonina.
• AminoácidosAminoácidos: ác.glutâmico, ác. Aspártico,
GABA, glicina e taurina.
• NeuropeptídeosNeuropeptídeos: Angiotensina II, glucagônio,
neurotensina, opióides endógenos,
substância P, ACTH, MSH,VIP.
• PurinasPurinas: ATP, adenosina
• Substâncias gasosasSubstâncias gasosas: NO, CO
• OutrasOutras: Insulina, benzodiazepínicos.
1717
Existem fibras nervosas em que se
verifica predomínio de determinado
neurotransmissor e que, por isso,
constituem alguns sistemas
específicos do SNC:
•NoradrenérgicoNoradrenérgico – norepinefrina
•ColinérgicoColinérgico – acetilcolina
•DopaminérgicoDopaminérgico – dopamina
•SerotoninérgicoSerotoninérgico – serotonina
•Peptídeos opióides endógenosPeptídeos opióides endógenos:
encefalinas, endorfinas e dinorfinas.
1818
• Drogas de ação central ou psicotrópicas
podem influenciar de modo seletivo ou
generalizado determinadas funções
cerebrais.
• Estimulam funções: Estimulantes ou
excitadores cerebrais.
• Inibem funções: depressores cerebrais.
•Excitatório: aumento de atividade de sistemas
excitatórios ou inibição de sistemas inibitórios.
•Depressores: estimulam sistemas inibitórios.
1919
NEUROFÁRMACOS interferem no
processo de síntese, armazenamento,
recaptação intraneuronal e
intravesicular, biotransformação e
liberação de neurotransmissores.
Podem também atuar em sítiosPodem também atuar em sítios
receptores, acoplando-se ereceptores, acoplando-se e
mimetizando a ação domimetizando a ação do
neurotransmissor (agonistas) ouneurotransmissor (agonistas) ou
bloqueando-os (antagonistas).bloqueando-os (antagonistas).
2020
Classificação das drogas psicotrópicas:Classificação das drogas psicotrópicas:
• Ansiolíticos e sedativos:
– Sinônimos: hipnóticos, sedativos, tranquilizantes
menores.
– Definição: drogas que causam sono e reduzem a
ansiedade.
– Ex: barbitúricos, benzodiazepínicos e etanol.
• Drogas antipsicóticas:
– Sinônimos: neurolépticos, tranquilizantes maiores,
antiesquizofrênicos.
– Definição: drogas eficazes no alívio dos sintomas
da esquizofrenia.
– Exemplos:clozapina, clorpromazina, haloperidol.
2121
• Agentes antidepressivos:
– Sinônimos: timolépticos
– Definição: que aliviam os sintomas depressivos.
– Ex: inib. da monoamina oxidase e antidep.
tricíclicos.
• Estimulantes psicomotores:
– Sinônimo: psicoestimulantes
– Definição: drogas que produzem vigília e euforia
– Ex: anfetamina, cocaína e cafeína.
• Drogas psicomiméticas:
– Sinônimos: alucinógenos, drogas psicodislépticas.
– Definição: drogas que causam distúrbios da
percepção (aluc. Visuais) e do comportamento.
– Ex: dimetilamida do ác lisérgico (LSD), mescalina e
fenciclidina.
2222
• Potencializadores da cognição:
– Sinônimos: drogas nootrópicas
– Definição: drogas que melhoram a
memória e o desempenho cognitivo
– Ex: tacrina, donepezil, piracetam.
2323
Fundamentos da Farmacologia
Sistema Nervoso Autônomo
2424Sistema Nervoso
Sistema
Nervoso
Periférico
Sistema
Nervoso
Central
Divisão Eferente Divisão Aferente
Sistema Nervoso
Autônomo
Sistema Nervoso
Somático
Parassimpático Simpático Entérico
2525Anatomia Básica do Sistema Nervoso Autônomo
 Padrão bineuronal: neurônio pré-ganglionar com
corpo celular no SNC e neurônio pós ganglionar com
corpo celular no gânglio autonômico.
 Sistema parassimpático está conectado ao SNC
através de:
- efluxo dos pares cranianos (III, VII, IX e X)
- efluxo sacral
 Em geral, os efluxos parassimpáticos situam-se em
proximidade ou no interior do órgão alvo
2626
2727
 O efluxo simpático abandona o SNC nas raízes
medulares toráxicas e lombares.
 Os gânglios simpáticos formam duas cadeias para
vertebrais, além de alguns gânglios na linha média.
O sistema nervoso entérico consiste em neurônios
situados nos plexos intramurais do TGI.
 Recebe influxos dos sistemas simpático e
parassimpático, mas pode atuar de modo
independente no controle das funções motoras e
secretoras do intestino.
2828Fisiologia do Sistema Nervoso Autônomo
 O SNA controla:
- musculatura lisa (visceral e vascular)
- secreções exócrinas (e algumas endócrinas)
- a freqüência cardíaca
- alguns processos metabólicos ( utilização de
glicose)
 As ações do sistema simpático e parassimpático são
opostas em algumas situações
- controle da freqüência cardíaca
- músculo liso gastrointestinal
2929
As ações do sistema simpático e parassimpático
NÃO são opostas em algumas situações
- glândulas salivares
- músculo ciliar
 A atividade simpática aumenta no estresse
(comportamento de “luta-ou-fuga”)
 A atividade parassimpática predomina durante a
saciedade e repouso.
 Ambos os sistemas exercem um controle fisiológico
contínuo de órgãos específicos em condições normais.
3030
Ações do Sistema Simpático e Parassimpático
3131
Neurotransmissão do SNA
 Os principais neurotransmissores são acetilcolina e
noradrenalina.
 Os neurônios ganglionares são colinérgicos.
 A transmissão ganglionar ocorre através de receptores
nicotínicos de Ach
 Os neurônios parassimpáticos pós- ganglionares são
colinérgicos e atuam sobre receptores muscarínicos nos
órgãos alvo.
 Os neurônios simpáticos pós- ganglionares são
principalmente noradrenérgicos, embora alguns sejam
colinérgicos (gland. sudoríparas)
3232
Neurotransmissão do SNA
 Outros neurotransmissores além da noradrenalina e
acetilcolina . Os principais são:
- óxido nítrico
- ATP
- dopamina
3333
Fármacos que atuam no
Sistema Nervoso Central
FármacosFármacos
utilizados nosutilizados nos
distúrbios afetivosdistúrbios afetivos
3434
• Alterações do humor:
DEPRESSÃO
E
DISTÚRBIO BIPOLAR
3535
DEPRESSÃODEPRESSÃO
• A depressão é após a hipertensão, a
condição médica crônica mais
comum na população.
• Pelo menos 1 em cada 10 pacientes
apresentam depressão maior, mas a
maioria não é diagnosticada ou é
inapropriadamente tratada.
3636
DEPRESSÃO MAIORDEPRESSÃO MAIOR
• Caracteriza-se por humor deprimido e/ou perda
de interesse em praticamente todas as
atividades por pelo menos duas semanas,
acompanhado de pelo menos três ou quatro
dos seguintes sintomas:
– Insônia ou hipersonia
– Sentimentos de desvalorização ou excesso de culpa;
– Fadiga ou falta de energia;
– Redução da capacidade de pensar ou concentrar-se;
– Alteração significativa no apetite ou peso;
– Retardo ou agitação psicomotora;
– Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.
3737
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
• o efeito antidepressivo se da às custas de um aumento
da disponibilidade de neurotransmissores no SNC: da
serotoninaserotonina (5-HT), da noradrenalinanoradrenalina ou norepinefrimanorepinefrima
(NE) e da dopaminadopamina (DA).
• O aumento de neurotransmissores na fenda sináptica se
dá pelo bloqueio da recaptação da NE e da 5HT no
neurônio pré-sináptico ou ainda, através da inibição da
Monoaminaoxidase (MAO) que é a enzima responsável
pela inativação destes neurotransmissores.
• Será, portanto, nos sistemas noradrenérgico o
serotoninérgico do Sistema Límbico o local de ação das
drogas antidepressivas empregadas na terapia dos
transtornos da afetividade.
3838
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
Podemos dividir os antidepressivos em
4 grupos:
1 - Antidepressivos Tricíclicos (ADT)
2 – Inibidores Seletivos de Recaptação
da Serotonina
3 - Antidepressivos Atípicos
4 - Inibidores da Monoaminaoxidase
(IMAO)
3939
ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOSANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS
Nome do Sal Nome Comercial Apresentação Dose média*
AMITRIPTILINA Amitriptilina
Amytril
Tryptanol
cp. de 25 mg
cp. de 25 mg
cp. de 25 e 75 mg
25 a 125 mg/dia
CLOMIPRAMINA Anafranil cp. de 25 e 75 mg 25 a 225 mg/dia
IMIPRAMINA Imipra
Imipramine
Tofranil
cp. de 25 mg
cp. de 25 mg
cp. de 25, 75 e 150
mg
25 a 300 mg/dia
MAPROTILINA** Ludiomil cp. de 25 e 75 mg 25 a 150 mg/dia
NORTRIPTILINA Pamelor cp. de 25, 50 e 75 mg 25 a 100 mg/dia
* - as doses dos tricíclicos são extremamente variáveis tendo em vista a sensibilidade pessoal.
** - os fabricantes consideram a Maprotilina um tetracíclico, porém, sua farmacodinâmica pode ser considerada juntamente
com os tricíclicos.
4040
4141ANTIDEPRESSIVOS INIBIDORES SELETIVOS DA RECAP. SEROTONINA
Nome do Sal Nome Comercial Apresentação Dose média
CITAPROLAM Cipramil cp. de 20 mg 20 a 60 mg/dia
FLUOXETINA Deprax
Eufor
Fluxene
Nortec
Prozac
Verotina
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
20 a 60 mg/dia
20 a 60 mg/dia
20 a 60 mg/dia
20 a 60 mg/dia
20 a 60 mg/dia
20 a 60 mg/dia
FLUVOXAMINA Luvox cp. de 100 mg 100 a 300 mg/dia
NEFAZODONA Serzone cp. de 100 e 150 mg 300 a 500 mg/dia
PAROXETINA Aropax
Pondera
cp. de 20 mg
cp. de 20 mg
20 a 60 mg/dia
SERTRALINA Novativ
Tolrest
Zoloft
cp. de 50 mg
cp. de 50 mg
cp. de 50 mg
50 a 100 mg/dia
4242
4343
ANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOSANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOS
• São os
antidepressivos
que não se
caracterizam
como
Tricíclicos,
como ISRS e
nem como
Inibidores da
MonoAminaOxi
dase (IMAOs).
ANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOS
Nome Químico Nome Comercial
AMINEPTINA Survector
FLUVOXAMINA Luvox
MIANSERINA Tolvon
MIRTAZAPINA Remeron
REBOXETINA Prolift
TIANEPTINA Stablon
TRAZODONA Donaren
VENLAFAXINA Efexor
4444
Inibidores da MAO:
IRREVERSÍVEIS: fenelzina, isocarboxazida,
tranilcipromida.
REVERSÍVEIS: moclobemida (Aurorix).
 A monoaminoxidase (MAO), é uma enzima do
metabolismo da 5HT e dos catecolaminérgicos,
como adrenalina, NE e DA. Os IMAOs produzem
redução na atividade MAO, com aumento da
concentração destes neurotransmissores nos
locais de armazenamento, em todo o SNC ou SN
simpático.
INIBIDORES DA MAOINIBIDORES DA MAO
4545
Mecanismo de Ação:
1) Bloqueio da recaptação neuronal
2) Inibição do metabolismo da noradrenalina ou
serotonina
Os antidepressivos são o tratamento de
escolha em depressão maior.
Eficácia: Estudos demonstram que os
antidepressivos clássicos e os novos tem
semelhante eficácia quando comparados,
devendo os novos serem reservados como
agentes de segunda escolha.
4646
• Efeitos adversos:
– Diferem entre os antidepressivos, sendo
menores nos agentes mais novos.
• Escolha do agente:
– Não depende só da eficácia, mas também
dos efeitos colaterais; experiência do
médico; resposta anterior a algum
representante, por parte do paciente ou
familiar.
4747• Cardíacos: Agentes com menor
cardiotoxicidade: MIANSERINA, AMOXAPINA,
FLUOXETINA, TRAZODONA, e
BUPROPRIONA.
• Nos antidepressivos tricíclicos, a
cardiotoxicidade decresce na seguinte
ordem:
AMITRIPTILINA
CLOMIPRAMINA
NORTRIPTILINA
IMIPRAMINA
• Menor efeito hipotensor: NORTRIPTILINA.
• Maior efeito sedativo: AMITRIPTILINA.
4848
Inibidores da MAO: Sem muita
utilidade nos casos de depressão
típica, mas são úteis nos casos de:
1. Não resposta aos antidepressivos
convencionais
2. Características psicóticas
3. Com distúrbio do pânico
associados
4949
• Benzodiazepínicos Clássicos como
diazepam e clordiazepóxido não
possuem efeito antidepressivo, podendo
acentuar a depressão e o risco de
suicídio.
• Antidepressivos inespecíficos:
Utilizados como alternativa de
tratamento quando já se utilizou doses
máximas dos agentes específicos.
5050
Outras indicações de antidepressivos:Outras indicações de antidepressivos:
Enurese noturna Fobia social
Ejaculação precoce Estresse pós-traumático
Fibromialgia Bulimia
Síndr. pré-menstrual Alcoolismo
Ansiedade patológica Enxaqueca
Ansiedade generalizada Dor crônica (neurop. perif.)
Distúrbio do pânico Úlcera péptica
Distúrbio obsessivo-compulsivo
5151FarmacocinéticaFarmacocinética::
• Via de administraçãoVia de administração: oral
• Absorção oral rápida
• Sofrem metabolismo de primeira
passagem.
• Biodisponibilidade 40 a 70%.
• Excreção lenta, possibilitando a dose
única diária.
• Início efeito: 1 a 2 semanas.
• Efeito total: 4 a 6 semanas de tratamento
• Retirada deve ser lenta e gradual. Retirada
súbita: náusea, tontura, cefaléia, sudorese
e salivação.
5252Efeitos adversos:Efeitos adversos:
• Efeitos anticolinérgicos:
Boca seca, midríase, cicloplegia, retenção urinária,
diminuição motilidade gastrointestinal, taquicardia e
em altas doses delírio.
• Hipotensão postural (imipramina, desipramina)
• Sonolência
• Ganho de peso
• Ocasionalmente: mania, arritmias, distúrbios
sexuais e efeitos extrapiramidais.
• Efeitos raros: hepatotoxicidade, depressão
medular, convulsões,fotossensibilidade,efeitos
cardiovasculares severos e neuropatia periférica.
5353

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
Caio Maximino
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
Ricardo Augusto Tenfen Carneiro
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
Carlos Collares
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Jaqueline Almeida
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
Leonardo Souza
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
RAYANE DORNELAS
 

Mais procurados (20)

introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
aula 8 - CF2
aula 8 - CF2aula 8 - CF2
aula 8 - CF2
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 

Destaque

Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
Erivelton Marinheiro
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso Autônomo
Olavo Valente
 
Reflexos autonomicos modulo i
Reflexos autonomicos   modulo iReflexos autonomicos   modulo i
Reflexos autonomicos modulo i
Lucas
 
Nutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissoresNutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissores
Clínica Higashi
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Med. Veterinária 2011
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
MichelleKulakowski
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
lucasvlmattos
 
CóPia De Snc ApresentaçãO 1
CóPia De Snc ApresentaçãO 1CóPia De Snc ApresentaçãO 1
CóPia De Snc ApresentaçãO 1
Antonio Luis Sanfim
 
Morfofisiol. s. nerv. autonomo
Morfofisiol. s. nerv. autonomoMorfofisiol. s. nerv. autonomo
Morfofisiol. s. nerv. autonomo
bioalvarenga
 
Farmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergicaFarmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergica
freddynelson
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
TCC_FARMACIA_FEF
 
Presentación de biologia
Presentación de biologiaPresentación de biologia
Presentación de biologia
kattydelvallearias
 
Estudo dirigido farmacologia
Estudo dirigido farmacologiaEstudo dirigido farmacologia
Estudo dirigido farmacologia
janailma oliveira
 
Aula 8 Biomedicina
Aula 8 BiomedicinaAula 8 Biomedicina
Aula 8 Biomedicina
Caio Maximino
 
Aula ap. respiratório
Aula ap. respiratórioAula ap. respiratório
Aula ap. respiratório
FabioKristie
 
Antiepiléticos2003
Antiepiléticos2003Antiepiléticos2003
Antiepiléticos2003
sofia
 
Estudo dirigido farmacologia dos sistemas
Estudo dirigido   farmacologia dos sistemasEstudo dirigido   farmacologia dos sistemas
Estudo dirigido farmacologia dos sistemas
Bernadete Soares
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
Caio Maximino
 
Aula desobediência patológica
Aula desobediência patológicaAula desobediência patológica
Aula desobediência patológica
Cláudio Costa
 
Psicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolescPsicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolesc
Cláudio Costa
 

Destaque (20)

Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso Autônomo
 
Reflexos autonomicos modulo i
Reflexos autonomicos   modulo iReflexos autonomicos   modulo i
Reflexos autonomicos modulo i
 
Nutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissoresNutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissores
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
 
CóPia De Snc ApresentaçãO 1
CóPia De Snc ApresentaçãO 1CóPia De Snc ApresentaçãO 1
CóPia De Snc ApresentaçãO 1
 
Morfofisiol. s. nerv. autonomo
Morfofisiol. s. nerv. autonomoMorfofisiol. s. nerv. autonomo
Morfofisiol. s. nerv. autonomo
 
Farmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergicaFarmaco transmissao adrenergica
Farmaco transmissao adrenergica
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
 
Presentación de biologia
Presentación de biologiaPresentación de biologia
Presentación de biologia
 
Estudo dirigido farmacologia
Estudo dirigido farmacologiaEstudo dirigido farmacologia
Estudo dirigido farmacologia
 
Aula 8 Biomedicina
Aula 8 BiomedicinaAula 8 Biomedicina
Aula 8 Biomedicina
 
Aula ap. respiratório
Aula ap. respiratórioAula ap. respiratório
Aula ap. respiratório
 
Antiepiléticos2003
Antiepiléticos2003Antiepiléticos2003
Antiepiléticos2003
 
Estudo dirigido farmacologia dos sistemas
Estudo dirigido   farmacologia dos sistemasEstudo dirigido   farmacologia dos sistemas
Estudo dirigido farmacologia dos sistemas
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
 
Aula desobediência patológica
Aula desobediência patológicaAula desobediência patológica
Aula desobediência patológica
 
Psicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolescPsicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolesc
 

Semelhante a 5. sistema nervoso

Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Ivair Mjr
 
Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
Profissão Professor
 
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdfDrogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
delevatti46
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
Rosangela Helena Sizilio
 
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Thiago Rhangel Gomes Teixeira
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
PAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
garciabohrerdaniel
 
Neuromoduladores
NeuromoduladoresNeuromoduladores
Neuromoduladores
Natha Fisioterapia
 
Sistnervoso170306
Sistnervoso170306Sistnervoso170306
Sistnervoso170306
gilgamesd
 
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
MatsonGomes
 
Sistema nervoso II
Sistema nervoso IISistema nervoso II
Sistema nervoso II
spondias
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
Isaura Mourão
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
Natha Fisioterapia
 
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
RodrigoDalia1
 
Sistema Neuro-Hormonal
Sistema Neuro-HormonalSistema Neuro-Hormonal
Sistema Neuro-Hormonal
Pedro Abreu
 
2S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 261120122S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 26112012
Ionara Urrutia Moura
 
Tronco encefálico
Tronco encefálico Tronco encefálico
Tronco encefálico
Jumooca
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Adrianne Mendonça
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
MatheusMesquitaMelo
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
Simone Maia
 

Semelhante a 5. sistema nervoso (20)

Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
 
Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
 
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdfDrogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
 
Neuromoduladores
NeuromoduladoresNeuromoduladores
Neuromoduladores
 
Sistnervoso170306
Sistnervoso170306Sistnervoso170306
Sistnervoso170306
 
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
 
Sistema nervoso II
Sistema nervoso IISistema nervoso II
Sistema nervoso II
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
1) Introdução SNA Fernando Carneiro.pdf
 
Sistema Neuro-Hormonal
Sistema Neuro-HormonalSistema Neuro-Hormonal
Sistema Neuro-Hormonal
 
2S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 261120122S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 26112012
 
Tronco encefálico
Tronco encefálico Tronco encefálico
Tronco encefálico
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
 

Mais de Luiz Gonçalves Mendes Jr

7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Anticorpos estrut e função
Anticorpos estrut e funçãoAnticorpos estrut e função
Anticorpos estrut e função
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Apres alterações hematologicas reacionais
Apres   alterações  hematologicas reacionaisApres   alterações  hematologicas reacionais
Apres alterações hematologicas reacionais
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Ucdb 20 ago b
Ucdb 20 ago bUcdb 20 ago b
Adm. injetáveis 26 nov
 Adm. injetáveis 26 nov Adm. injetáveis 26 nov
Adm. injetáveis 26 nov
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
3 agosto iesf
3 agosto iesf3 agosto iesf
05 outubro iesf
05 outubro iesf05 outubro iesf
05 outubro iesf
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
8.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.18.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.1
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Atuação enf. biosseg
Atuação enf. biossegAtuação enf. biosseg
Atuação enf. biosseg
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
09. classif. artigos
09. classif. artigos09. classif. artigos
09. classif. artigos
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 

Mais de Luiz Gonçalves Mendes Jr (20)

7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
 
Anticorpos estrut e função
Anticorpos estrut e funçãoAnticorpos estrut e função
Anticorpos estrut e função
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
 
Apres alterações hematologicas reacionais
Apres   alterações  hematologicas reacionaisApres   alterações  hematologicas reacionais
Apres alterações hematologicas reacionais
 
Ucdb 20 ago b
Ucdb 20 ago bUcdb 20 ago b
Ucdb 20 ago b
 
Adm. injetáveis 26 nov
 Adm. injetáveis 26 nov Adm. injetáveis 26 nov
Adm. injetáveis 26 nov
 
3 agosto iesf
3 agosto iesf3 agosto iesf
3 agosto iesf
 
05 outubro iesf
05 outubro iesf05 outubro iesf
05 outubro iesf
 
11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
 
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
 
8.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.18.1 antibióticos 1.1
8.1 antibióticos 1.1
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
 
7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
 
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
2. antiinfla
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
 
Atuação enf. biosseg
Atuação enf. biossegAtuação enf. biosseg
Atuação enf. biosseg
 
09. classif. artigos
09. classif. artigos09. classif. artigos
09. classif. artigos
 

Último

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

5. sistema nervoso

  • 1. 11 Farmacologia doFarmacologia do Sistema NervosoSistema Nervoso CentralCentral
  • 2. 22 INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO • Fármacos que atual no sistema nervoso central incluem: –Anestésicos Gerais; –Ansiolíticos; –Analgésicos; –Antipsicóticos; –Antidepressivos; –Anticonvulsivantes.
  • 3. 33O sistema Nervoso Central funciona como processador de informações, mantendo a hemostasia de vários sistemas, regulando funções vegetativas e possibilitando raciocínio lógico, julgamento e comunicação simbólica. Recebe Sinais Detectados por Receptores Periféricos e Conduzidos por Vias Aferentes Sensitivas. Analisa, filtra, armazena e reelabora essas informações, programando reações motoras, comunicadas por nervos eferentes a órgãos executores.
  • 4. O SISTEMA NERVOSOO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Periférico Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Nervos cranianos Nervos espinhais
  • 7. 77 DESTINA-SE A: Reagir aos estímulos Transmitir a excitação resultante com rapidez para outras partes da célula e para outros neurônios, céls musculares e glandulares. Mais de 100 bilhões (1011 ) de neurônios (células nervosas), estão integrados no tecido estrutural e funcional que é o encéfalo. O NEURÔNO É AO NEURÔNO É A UNIDADE BÁSICA DOUNIDADE BÁSICA DO SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
  • 11. 1111 SINAPSESINAPSE É o local de contato de um neurônio com o outro.
  • 13. 1313 No interior do neurônio gera-se um impulso elétrico, fruto de trocas iônicas transmembranas. O impulso nervoso é, na verdade, uma onda de despolarização propagada, causada pela passagem rápida de sódio do exterior para o interior da célula, com conseqüente diminuição da eletronegatividade da face interna da membrana. Descarga nervosa = potencial de ação, que se propaga até terminais nervosos.
  • 14. 1414 Chegando aos botões terminais, os impulsos nervosos promovem a liberação de substâncias químicas especiais denominadas NEUROTRANSMISSORES. Neurotransmissores são sintetizados em várias partes da célula nervosa e armazenam-se em vesículas localizadas nos terminais sinápticos, de onde são liberados mediante impulso adequado. Na fenda, ligam-se a receptores pré e pós sinápticos.
  • 15. 1515 Combinação com receptores pós- sinápticos resulta em excitação ou inibição neuronais. Interação com receptores pré-sinápticos causa alterações em velocidade de síntese e liberação do próprio neurotransmissor em seu terminal nervoso = auto-regulação.
  • 16. 1616 NEUROTRANSMISSORES DO SNC:NEUROTRANSMISSORES DO SNC: • ColinérgicosColinérgicos : Acetilcolina • MonoaminasMonoaminas: Epinefrina, dopamina, histamina, norepinefrina e serotonina. • AminoácidosAminoácidos: ác.glutâmico, ác. Aspártico, GABA, glicina e taurina. • NeuropeptídeosNeuropeptídeos: Angiotensina II, glucagônio, neurotensina, opióides endógenos, substância P, ACTH, MSH,VIP. • PurinasPurinas: ATP, adenosina • Substâncias gasosasSubstâncias gasosas: NO, CO • OutrasOutras: Insulina, benzodiazepínicos.
  • 17. 1717 Existem fibras nervosas em que se verifica predomínio de determinado neurotransmissor e que, por isso, constituem alguns sistemas específicos do SNC: •NoradrenérgicoNoradrenérgico – norepinefrina •ColinérgicoColinérgico – acetilcolina •DopaminérgicoDopaminérgico – dopamina •SerotoninérgicoSerotoninérgico – serotonina •Peptídeos opióides endógenosPeptídeos opióides endógenos: encefalinas, endorfinas e dinorfinas.
  • 18. 1818 • Drogas de ação central ou psicotrópicas podem influenciar de modo seletivo ou generalizado determinadas funções cerebrais. • Estimulam funções: Estimulantes ou excitadores cerebrais. • Inibem funções: depressores cerebrais. •Excitatório: aumento de atividade de sistemas excitatórios ou inibição de sistemas inibitórios. •Depressores: estimulam sistemas inibitórios.
  • 19. 1919 NEUROFÁRMACOS interferem no processo de síntese, armazenamento, recaptação intraneuronal e intravesicular, biotransformação e liberação de neurotransmissores. Podem também atuar em sítiosPodem também atuar em sítios receptores, acoplando-se ereceptores, acoplando-se e mimetizando a ação domimetizando a ação do neurotransmissor (agonistas) ouneurotransmissor (agonistas) ou bloqueando-os (antagonistas).bloqueando-os (antagonistas).
  • 20. 2020 Classificação das drogas psicotrópicas:Classificação das drogas psicotrópicas: • Ansiolíticos e sedativos: – Sinônimos: hipnóticos, sedativos, tranquilizantes menores. – Definição: drogas que causam sono e reduzem a ansiedade. – Ex: barbitúricos, benzodiazepínicos e etanol. • Drogas antipsicóticas: – Sinônimos: neurolépticos, tranquilizantes maiores, antiesquizofrênicos. – Definição: drogas eficazes no alívio dos sintomas da esquizofrenia. – Exemplos:clozapina, clorpromazina, haloperidol.
  • 21. 2121 • Agentes antidepressivos: – Sinônimos: timolépticos – Definição: que aliviam os sintomas depressivos. – Ex: inib. da monoamina oxidase e antidep. tricíclicos. • Estimulantes psicomotores: – Sinônimo: psicoestimulantes – Definição: drogas que produzem vigília e euforia – Ex: anfetamina, cocaína e cafeína. • Drogas psicomiméticas: – Sinônimos: alucinógenos, drogas psicodislépticas. – Definição: drogas que causam distúrbios da percepção (aluc. Visuais) e do comportamento. – Ex: dimetilamida do ác lisérgico (LSD), mescalina e fenciclidina.
  • 22. 2222 • Potencializadores da cognição: – Sinônimos: drogas nootrópicas – Definição: drogas que melhoram a memória e o desempenho cognitivo – Ex: tacrina, donepezil, piracetam.
  • 24. 2424Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico Sistema Nervoso Central Divisão Eferente Divisão Aferente Sistema Nervoso Autônomo Sistema Nervoso Somático Parassimpático Simpático Entérico
  • 25. 2525Anatomia Básica do Sistema Nervoso Autônomo  Padrão bineuronal: neurônio pré-ganglionar com corpo celular no SNC e neurônio pós ganglionar com corpo celular no gânglio autonômico.  Sistema parassimpático está conectado ao SNC através de: - efluxo dos pares cranianos (III, VII, IX e X) - efluxo sacral  Em geral, os efluxos parassimpáticos situam-se em proximidade ou no interior do órgão alvo
  • 26. 2626
  • 27. 2727  O efluxo simpático abandona o SNC nas raízes medulares toráxicas e lombares.  Os gânglios simpáticos formam duas cadeias para vertebrais, além de alguns gânglios na linha média. O sistema nervoso entérico consiste em neurônios situados nos plexos intramurais do TGI.  Recebe influxos dos sistemas simpático e parassimpático, mas pode atuar de modo independente no controle das funções motoras e secretoras do intestino.
  • 28. 2828Fisiologia do Sistema Nervoso Autônomo  O SNA controla: - musculatura lisa (visceral e vascular) - secreções exócrinas (e algumas endócrinas) - a freqüência cardíaca - alguns processos metabólicos ( utilização de glicose)  As ações do sistema simpático e parassimpático são opostas em algumas situações - controle da freqüência cardíaca - músculo liso gastrointestinal
  • 29. 2929 As ações do sistema simpático e parassimpático NÃO são opostas em algumas situações - glândulas salivares - músculo ciliar  A atividade simpática aumenta no estresse (comportamento de “luta-ou-fuga”)  A atividade parassimpática predomina durante a saciedade e repouso.  Ambos os sistemas exercem um controle fisiológico contínuo de órgãos específicos em condições normais.
  • 30. 3030 Ações do Sistema Simpático e Parassimpático
  • 31. 3131 Neurotransmissão do SNA  Os principais neurotransmissores são acetilcolina e noradrenalina.  Os neurônios ganglionares são colinérgicos.  A transmissão ganglionar ocorre através de receptores nicotínicos de Ach  Os neurônios parassimpáticos pós- ganglionares são colinérgicos e atuam sobre receptores muscarínicos nos órgãos alvo.  Os neurônios simpáticos pós- ganglionares são principalmente noradrenérgicos, embora alguns sejam colinérgicos (gland. sudoríparas)
  • 32. 3232 Neurotransmissão do SNA  Outros neurotransmissores além da noradrenalina e acetilcolina . Os principais são: - óxido nítrico - ATP - dopamina
  • 33. 3333 Fármacos que atuam no Sistema Nervoso Central FármacosFármacos utilizados nosutilizados nos distúrbios afetivosdistúrbios afetivos
  • 34. 3434 • Alterações do humor: DEPRESSÃO E DISTÚRBIO BIPOLAR
  • 35. 3535 DEPRESSÃODEPRESSÃO • A depressão é após a hipertensão, a condição médica crônica mais comum na população. • Pelo menos 1 em cada 10 pacientes apresentam depressão maior, mas a maioria não é diagnosticada ou é inapropriadamente tratada.
  • 36. 3636 DEPRESSÃO MAIORDEPRESSÃO MAIOR • Caracteriza-se por humor deprimido e/ou perda de interesse em praticamente todas as atividades por pelo menos duas semanas, acompanhado de pelo menos três ou quatro dos seguintes sintomas: – Insônia ou hipersonia – Sentimentos de desvalorização ou excesso de culpa; – Fadiga ou falta de energia; – Redução da capacidade de pensar ou concentrar-se; – Alteração significativa no apetite ou peso; – Retardo ou agitação psicomotora; – Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.
  • 37. 3737 ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS • o efeito antidepressivo se da às custas de um aumento da disponibilidade de neurotransmissores no SNC: da serotoninaserotonina (5-HT), da noradrenalinanoradrenalina ou norepinefrimanorepinefrima (NE) e da dopaminadopamina (DA). • O aumento de neurotransmissores na fenda sináptica se dá pelo bloqueio da recaptação da NE e da 5HT no neurônio pré-sináptico ou ainda, através da inibição da Monoaminaoxidase (MAO) que é a enzima responsável pela inativação destes neurotransmissores. • Será, portanto, nos sistemas noradrenérgico o serotoninérgico do Sistema Límbico o local de ação das drogas antidepressivas empregadas na terapia dos transtornos da afetividade.
  • 38. 3838 ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS Podemos dividir os antidepressivos em 4 grupos: 1 - Antidepressivos Tricíclicos (ADT) 2 – Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina 3 - Antidepressivos Atípicos 4 - Inibidores da Monoaminaoxidase (IMAO)
  • 39. 3939 ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOSANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS Nome do Sal Nome Comercial Apresentação Dose média* AMITRIPTILINA Amitriptilina Amytril Tryptanol cp. de 25 mg cp. de 25 mg cp. de 25 e 75 mg 25 a 125 mg/dia CLOMIPRAMINA Anafranil cp. de 25 e 75 mg 25 a 225 mg/dia IMIPRAMINA Imipra Imipramine Tofranil cp. de 25 mg cp. de 25 mg cp. de 25, 75 e 150 mg 25 a 300 mg/dia MAPROTILINA** Ludiomil cp. de 25 e 75 mg 25 a 150 mg/dia NORTRIPTILINA Pamelor cp. de 25, 50 e 75 mg 25 a 100 mg/dia * - as doses dos tricíclicos são extremamente variáveis tendo em vista a sensibilidade pessoal. ** - os fabricantes consideram a Maprotilina um tetracíclico, porém, sua farmacodinâmica pode ser considerada juntamente com os tricíclicos.
  • 40. 4040
  • 41. 4141ANTIDEPRESSIVOS INIBIDORES SELETIVOS DA RECAP. SEROTONINA Nome do Sal Nome Comercial Apresentação Dose média CITAPROLAM Cipramil cp. de 20 mg 20 a 60 mg/dia FLUOXETINA Deprax Eufor Fluxene Nortec Prozac Verotina cp. de 20 mg cp. de 20 mg cp. de 20 mg cp. de 20 mg cp. de 20 mg cp. de 20 mg 20 a 60 mg/dia 20 a 60 mg/dia 20 a 60 mg/dia 20 a 60 mg/dia 20 a 60 mg/dia 20 a 60 mg/dia FLUVOXAMINA Luvox cp. de 100 mg 100 a 300 mg/dia NEFAZODONA Serzone cp. de 100 e 150 mg 300 a 500 mg/dia PAROXETINA Aropax Pondera cp. de 20 mg cp. de 20 mg 20 a 60 mg/dia SERTRALINA Novativ Tolrest Zoloft cp. de 50 mg cp. de 50 mg cp. de 50 mg 50 a 100 mg/dia
  • 42. 4242
  • 43. 4343 ANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOSANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOS • São os antidepressivos que não se caracterizam como Tricíclicos, como ISRS e nem como Inibidores da MonoAminaOxi dase (IMAOs). ANTIDEPRESSIVOS ATÍPICOS Nome Químico Nome Comercial AMINEPTINA Survector FLUVOXAMINA Luvox MIANSERINA Tolvon MIRTAZAPINA Remeron REBOXETINA Prolift TIANEPTINA Stablon TRAZODONA Donaren VENLAFAXINA Efexor
  • 44. 4444 Inibidores da MAO: IRREVERSÍVEIS: fenelzina, isocarboxazida, tranilcipromida. REVERSÍVEIS: moclobemida (Aurorix).  A monoaminoxidase (MAO), é uma enzima do metabolismo da 5HT e dos catecolaminérgicos, como adrenalina, NE e DA. Os IMAOs produzem redução na atividade MAO, com aumento da concentração destes neurotransmissores nos locais de armazenamento, em todo o SNC ou SN simpático. INIBIDORES DA MAOINIBIDORES DA MAO
  • 45. 4545 Mecanismo de Ação: 1) Bloqueio da recaptação neuronal 2) Inibição do metabolismo da noradrenalina ou serotonina Os antidepressivos são o tratamento de escolha em depressão maior. Eficácia: Estudos demonstram que os antidepressivos clássicos e os novos tem semelhante eficácia quando comparados, devendo os novos serem reservados como agentes de segunda escolha.
  • 46. 4646 • Efeitos adversos: – Diferem entre os antidepressivos, sendo menores nos agentes mais novos. • Escolha do agente: – Não depende só da eficácia, mas também dos efeitos colaterais; experiência do médico; resposta anterior a algum representante, por parte do paciente ou familiar.
  • 47. 4747• Cardíacos: Agentes com menor cardiotoxicidade: MIANSERINA, AMOXAPINA, FLUOXETINA, TRAZODONA, e BUPROPRIONA. • Nos antidepressivos tricíclicos, a cardiotoxicidade decresce na seguinte ordem: AMITRIPTILINA CLOMIPRAMINA NORTRIPTILINA IMIPRAMINA • Menor efeito hipotensor: NORTRIPTILINA. • Maior efeito sedativo: AMITRIPTILINA.
  • 48. 4848 Inibidores da MAO: Sem muita utilidade nos casos de depressão típica, mas são úteis nos casos de: 1. Não resposta aos antidepressivos convencionais 2. Características psicóticas 3. Com distúrbio do pânico associados
  • 49. 4949 • Benzodiazepínicos Clássicos como diazepam e clordiazepóxido não possuem efeito antidepressivo, podendo acentuar a depressão e o risco de suicídio. • Antidepressivos inespecíficos: Utilizados como alternativa de tratamento quando já se utilizou doses máximas dos agentes específicos.
  • 50. 5050 Outras indicações de antidepressivos:Outras indicações de antidepressivos: Enurese noturna Fobia social Ejaculação precoce Estresse pós-traumático Fibromialgia Bulimia Síndr. pré-menstrual Alcoolismo Ansiedade patológica Enxaqueca Ansiedade generalizada Dor crônica (neurop. perif.) Distúrbio do pânico Úlcera péptica Distúrbio obsessivo-compulsivo
  • 51. 5151FarmacocinéticaFarmacocinética:: • Via de administraçãoVia de administração: oral • Absorção oral rápida • Sofrem metabolismo de primeira passagem. • Biodisponibilidade 40 a 70%. • Excreção lenta, possibilitando a dose única diária. • Início efeito: 1 a 2 semanas. • Efeito total: 4 a 6 semanas de tratamento • Retirada deve ser lenta e gradual. Retirada súbita: náusea, tontura, cefaléia, sudorese e salivação.
  • 52. 5252Efeitos adversos:Efeitos adversos: • Efeitos anticolinérgicos: Boca seca, midríase, cicloplegia, retenção urinária, diminuição motilidade gastrointestinal, taquicardia e em altas doses delírio. • Hipotensão postural (imipramina, desipramina) • Sonolência • Ganho de peso • Ocasionalmente: mania, arritmias, distúrbios sexuais e efeitos extrapiramidais. • Efeitos raros: hepatotoxicidade, depressão medular, convulsões,fotossensibilidade,efeitos cardiovasculares severos e neuropatia periférica.
  • 53. 5353