SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema nervosoSistema nervoso
ProfProfa.a.
Adriana NogueiraAdriana Nogueira
FunçãoFunção
O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento doO sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do
organismo ao ambiente. Sua função é perceber eorganismo ao ambiente. Sua função é perceber e
identificar as condições ambientais externas, bem como asidentificar as condições ambientais externas, bem como as
condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborarcondições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar
respostas que adaptem a essas condições.respostas que adaptem a essas condições.
A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa,A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa,
denominadadenominada neurônioneurônio, que é uma célula extremamente, que é uma célula extremamente
estimulável; é capaz de perceber as mínimas variações queestimulável; é capaz de perceber as mínimas variações que
ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteraçãoocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração
elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétricaelétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica
é o impulso nervoso.é o impulso nervoso.
As células nervosas estabelecem conexões entre si de talAs células nervosas estabelecem conexões entre si de tal
maneira que um neurônio pode transmitir a outros osmaneira que um neurônio pode transmitir a outros os
estímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação emestímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação em
cadeia.cadeia.
Sistema Nervoso
Divisão Partes Funções gerais
Sistema nervoso
central (SNC)
Encéfalo
e
Medula espinal
Processamento e integração
de informações
Sistema nervoso
periférico (SNP)
Nervos
e
Gânglios
Condução de informações
entre órgãos receptores de
estímulos, o SNC e órgãos
efetuadores (músculos,
glândulas...)
Divisão funcionalDivisão funcional
 Sistema Nervoso Somático (Vida de Relação)
a) Eferente (Neurônios e axônios motores, contração muscular
esquelética e o movimento).
b) Aferentes (Neurônios e axônios sensitivos, tato, dor etc).
 Sistema Nervoso Visceral ou Vegetativo
a) Aferente - SISTEMA NERVOSO VISCERAL AFERENTE
Ex. Percebe informações de paredes de vísceras, como dilatações,
aumento da pressão ou relaxamentos...
b) Eferente - SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
1- Simpático - aumenta os batimentos do coração
2 - Parasimpático - diminui os batimentos do coração
Divisão anatômicaDivisão anatômica
- Sistema nervoso central (SNC)- Sistema nervoso central (SNC)
- Sistema nervoso periférico (SNP)Sistema nervoso periférico (SNP)
- Sistema nervoso autônomo- Sistema nervoso autônomo
- simpático- simpático
- parassimpático- parassimpático
SNCSNC
 recebe, analisa e integra informações. É o local onde
ocorre a tomada de decisões e o envio de ordens.
Composição:Composição:
- - encéfaloencéfalo (cérebro, cerebelo, , ponte, bulbo,(cérebro, cerebelo, , ponte, bulbo,
tálamo e hipotálamo)tálamo e hipotálamo)
-- medula espinhalmedula espinhal
SNCSNC
Conjunto de órgãos (encéfalo) contidos na caixaConjunto de órgãos (encéfalo) contidos na caixa
craniana, que continua com a medula espinal,craniana, que continua com a medula espinal,
contida na coluna vertebral.contida na coluna vertebral.
Há três membranas que o protege.Há três membranas que o protege.
 dura-máter (externa)dura-máter (externa)
 aracnoide (média)aracnoide (média)
 pia-máter (interna)pia-máter (interna)
Proteção do SNCProteção do SNC
Os órgãos do SNC são protegidos por estruturas
esqueléticas (caixa craniana, protegendo o
encéfalo; e coluna vertebral, protegendo a
medula - também denominada raque) e por
membranas denominadas meninges, situadas sob a
proteção esquelética: dura-máter (a externa),
aracnoide (a do meio) e pia-máter (a interna).
Entre as meninges aracnoóide e pia-máter há um
espaço preenchido por um líquido denominado
líquido cefalorraquidiano ou líquor.
SNCSNC
A medula espinhalA medula espinhal
É assim denominada por estar dentro do canal
espinhal ou vertebral.
Recebe impulsos sensoriais de receptores e envia
impulsos motores a efetuadores tanto somáticos
quanto viscerais.
Pode atuar em reflexos dependente ou
independentemente do encéfalo.
Lesões medularesLesões medulares
SNCSNC
No SNC, existem as chamadas substâncias cinzenta e
branca.
A substância cinzenta é formada pelos corpos dos
neurônios.
A substância branca é formada pelos prolongamentos
dos neurônios.
Com exceção do bulbo e da medula, a substância
cinzenta ocorre mais externamente e a substância branca,
mais internamente.
H medularH medular
 tálamo e hipotálamo - regulam a pressão sanguínea,tálamo e hipotálamo - regulam a pressão sanguínea,
temperatura corporal, equilíbrio hídrico e metabolismotemperatura corporal, equilíbrio hídrico e metabolismo
de carboidratos, gorduras, sono etc.de carboidratos, gorduras, sono etc.
 cerebelo - coordena a harmonia dos movimentos ecerebelo - coordena a harmonia dos movimentos e
manutenção do equilíbrio do corpo.manutenção do equilíbrio do corpo.
 bulbo - centro respiratório e cardíaco.bulbo - centro respiratório e cardíaco.
 ponte - via de conexão entre o córtex cerebral e a medulaponte - via de conexão entre o córtex cerebral e a medula
espinhal.espinhal.
 Córtex Cerebral
Funções:
· Pensamento
· Movimento voluntário
· Linguagem
· Julgamento
· Percepção
 Cerebelo
Funções:
· Movimento
· Equilíbrio
· Postura
· Tônus muscular
 Tronco Encefálico (se divide em: BULBO, MESENCÉFALO e PONTE)
Funções:
· Respiração
· Ritmo dos batimentos cardíacos
· Pressão Arterial
 Mesencéfalo
Funções:
· Visão
· Audição
· Movimento dos Olhos
· Movimento do corpo
O cérebroO cérebro
 frontal : funções mentais superioresfrontal : funções mentais superiores
 parietal : impressões táteis e térmicasparietal : impressões táteis e térmicas
 occipital: impressões visuaisoccipital: impressões visuais
 temporal: impressões auditivastemporal: impressões auditivas
O cérebroO cérebro
SNPSNP
Carrega informações dos órgãos sensoriais para o
sistema nervoso central e do sistema nervoso
central para os órgãos efetores (músculos e
glândulas).
- formado pelos nervos e gânglios nervosos- formado pelos nervos e gânglios nervosos
Composição:Composição:
 12 pares de nervos cranianos12 pares de nervos cranianos
 31 pares de nervos raquianos (31 pares de nervos raquianos (fazem conexão com a medula espinhal e
são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros e parte da cabeça. São ao todo
31 pares, 33 se contados os dois pares de nervos coccígeos vestigiais, que correspondem
aos 31 segmentos medulares existentes. São, pois, 8 pares de nervos cervicais, 12
torácicos, 5 lombares, 5 sacrais,1 coccígeo.))
Ligam o SNC às estruturas periféricas.Ligam o SNC às estruturas periféricas.             
SNPSNP
É constituído, principalmente pelos nervos, que são
representantes dos axônios (fibras motoras) ou dos
dendritos (fibras sensitivas).
São as fibras nervosas dos nervos que fazem a ligação dos
diversos tecidos do organismo com o SNC.
Para a percepção da sensibilidade, na extremidade de cada
fibra sensitiva há um dispositivo captador, denominado
receptor, e uma expansão que coloca a fibra em relação
com o elemento que reage ao impulso motor; este
elemento na grande maioria dos casos é uma fibra
muscular podendo ser também uma célula glandular. A
estes elementos dá-se o nome de efetor.
Portanto, o SNP é constituído por fibras que ligam o SNC
ao receptor, no caso da transmissão de impulsos sensitivos;
ou ao elemento efetor, quando o impulso é motor.
Consiste de nervos que inervam os músculos lisos,
o músculo estriado cardíaco e os epitélios
glandulares.
É dividido em: simpático e parassimpático
Esses na maioria das vezes fazem a homeostasia atuando em
direções opostas. Mas nem sempre é assim: a saliva é produzida tanto
pela estimulação simpática (mais proteica) quanto pela parassimpática
(mais líquida). No homem, o parassimpático responde pela ereção e
o simpático pela ejaculação, ou seja, os dois sistemas possuem efeitos
complementares.
SNASNA
SNASNA
SNA - pSNA - parassimpático
O parassimpático é um sistema de contenção, causa
bradicardia e diminui o consumo de energia.
O nervo vago é um nervo misto (sensitivo e motor) e
pertence ao parassimpático - controla a maioria das
funções parassimpáticas por meio da liberação de
acetilcolina.
TGI: possui dominância parassimpática. É muito
inervado pelo vago.
SNA - simpáticoSNA - simpático
O sistema nervoso autônomo simpático é acionadoO sistema nervoso autônomo simpático é acionado
em estímulos deem estímulos de LUTA eLUTA e FUGAFUGA, as respostas são, as respostas são
maciças e em cadeia.maciças e em cadeia.
Nos pulmões, induz ao relaxamento do músculo lisoNos pulmões, induz ao relaxamento do músculo liso
- broncodilatação e redução das secreções em- broncodilatação e redução das secreções em
consequência da ativação do receptor beta2, comconsequência da ativação do receptor beta2, com
isso ocorre também aumento da frequência cardíaca.isso ocorre também aumento da frequência cardíaca.
SNA - simpáticoSNA - simpático
Conjunto de fibras pré-ganglionares emerge da
medula espinhal e libera acetilcolina na medula da
adrenal.
A seguir, a adrenal condicionada por situações de
ameaça libera adrenalina.
O simpático é um sistema de consumo de energia,
de movimentação e de enfrentamento.
O SNA nos olhos
 O parassimpático provoca pupiloconstrição e
foca o cristalino para perto.
 O simpático provoca pupilodilatação e foca o
cristalino para longe.
SNASNA
OBS: o córtex da adrenal libera corticoides
(glicocorticoides e mineralocorticoides – aldosterona).
São responsáveis pela liberação da aldosterona,
hormônio também implicado na reação de
alarme/defesa: a concentração baixa de sódio e o
SARA.
Ou seja, o mineralocorticoide está fora do controle da
hipófise ao contrário dos glicocorticoides.
SNASNA
simpáticosimpático
Fibras nervosas
Geralmente são formadas por um neurônio e seus envoltórios. As
fibras envolvidas pela bainha de mielina são denominadas fibras
mielínicas, sendo denominadas de amielínicas as fibras não
envolvidas pela bainha de mielina. No SNC, a região que contém
apenas fibras nervosas mielínicas e células da glia é denominada
substância branca; e a região onde estão presentes corpos dos
neurônios, fibras amielínicas e algumas neuróglias denomina-se
substância cinzenta. No SNC as fibras reunidas formam fascículos e
no SNP formam os nervos.
No SNP, o axônio, ao longo de seu comprimento, é envolvido por
células de Schwann (em axônios motores e na maioria dos sensitivos,
formam-se duas bainhas, a de mielina mais interna e o neurilema mais
externamente), que se interrompem em intervalos regulares
chamados nódulos de Ranvier (onde se encontram os canais de sódio
e potássio), sendo os espaços situados entre eles são denominados
internódulos. Na terminação axônica, a bainha de mielina desaparece,
porém permanece o neurilema (no SNC não há formação de
neurilema).
Tecido nervosoTecido nervoso
É sensível a vários tipos de estímulos que seÉ sensível a vários tipos de estímulos que se
originam de fora ou do interior do organismo.originam de fora ou do interior do organismo.
Ao ser estimulado, esse tecido torna-se capaz deAo ser estimulado, esse tecido torna-se capaz de
conduzir os impulsos nervosos de maneira rápidaconduzir os impulsos nervosos de maneira rápida
e, às vezes, por distâncias relativamente grandes.e, às vezes, por distâncias relativamente grandes.
Trata-se de um dos tecidos mais especializados doTrata-se de um dos tecidos mais especializados do
organismo animal.organismo animal.
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
É composto basicamente por 2 tipos celulares:
 os neurônios, que são a unidade fundamental do tecido
nervoso, cuja função é receber, processar e enviar
informações; estes, após o nascimento geralmente não se
dividem, os que morrem, seja naturalmente ou por efeitos
de toxinas ou traumatismos, jamais serão substituídos;
 as células gliais (neuróglia), que são as células que ocupam
os espaços entre os neurônios, com função de
sustentação, revestimento, modulação da atividade
neuronal e defesa; diferente dos neurônios, essas células
mantêm a capacidade de mitose.
NeurônioNeurônio
NeurôniosNeurônios
Os neurônios são células responsáveis pelosOs neurônios são células responsáveis pelos
impulsos nervosos, são altamente especializadas,impulsos nervosos, são altamente especializadas,
dotadas de um corpo celular e numerososdotadas de um corpo celular e numerosos
prolongamentos citoplasmáticos, denominadosprolongamentos citoplasmáticos, denominados
neurofibras ou fibras nervosas.neurofibras ou fibras nervosas.
O corpo celular do neurônio contém um núcleoO corpo celular do neurônio contém um núcleo
grande e arredondado. As mitocôndrias sãogrande e arredondado. As mitocôndrias são
numerosas e o ergastoplasma é bem desenvolvido.numerosas e o ergastoplasma é bem desenvolvido.
NeurôniosNeurônios
Os prolongamentos do neurônio podem ser deOs prolongamentos do neurônio podem ser de
dois tipos:dois tipos:
- dendritos (do grego déndron: árvore),- dendritos (do grego déndron: árvore),
ramificações que têm a função de captar estímulos,ramificações que têm a função de captar estímulos,
- axônio (do grego áxon: eixo), o maior- axônio (do grego áxon: eixo), o maior
prolongamento da célula nervosa (varia de fraçõesprolongamento da célula nervosa (varia de frações
de milímetro até cerca de 1 metro), transmite osde milímetro até cerca de 1 metro), transmite os
impulsos nervosos.impulsos nervosos.
Os neurôniosOs neurônios
Células muito especializadas que apresentam um ou
mais prolongamentos, ao longo dos quais se
desloca um sinal elétrico (impulso nervoso).
Fazem a ligação entre as células receptoras dos
diversos órgãos sensoriais e as células efetoras,
(músculos e glândulas).
Os neurôniosOs neurônios
Podem ser classificados, com base no sentido em que
conduzem impulsos ao SNC, em:
 sensoriais ou aferentes - transmitem impulsos do exterior
para o SNC.
 motores ou eferentes – transmitem impulsos do SNC para
o exterior;
 de conexão - conduzem impulsos entre os outros
2 tipos de neurônios.
1) Corpo celular ou Pericário: contém o núcleo e o
citoplasma, onde estão contidos ribossomas, REG,
REA e CG.
Centro metabólico do neurônio, tem como função
sintetizar todas as proteínas neuronais e realizar a
maioria dos processos de degradação e renovação
de constituintes celulares.
Do corpo celular partem prolongamentos:
dendritos (que assim como o pericário, recebem
estímulos) e axônios.
Partes dos neurônios – corpo celularPartes dos neurônios – corpo celular
2) Dendritos: geralmente curtos, possuem os
mesmos constituintes citoplasmáticos do
pericário.
Traduzem os estímulos recebidos em alterações
do potencial de repouso da membrana, que
envolvem entrada e saída de determinados íons,
causando pequenas despolarizações (excitatória)
ou hiperpolarizações (inibitória).
Os potenciais gerados nos dendritos se propagam
em direção ao corpo e, neste, em direção ao cone
de implantação do axônio.
Partes dos neurônios - dendritosPartes dos neurônios - dendritos
3) Axônio: prolongamento longo e fino, que pode medir de
milímetros a mais de um metro, originado do corpo ou de um
dendrito principal, a partir de uma região denominada cone de
implantação. Possui membrana plasmática (axolema) e citoplasma
(axoplasma).
O axônio é capaz de gerar alteração de potencial de membrana
(despolarização de grande amplitude) denominada potencial de
ação ou impulso nervoso, e conduzi-lo até a terminação axônica,
local onde ocorre a comunicação com outros axônios ou células
efetuadoras.
O local onde é gerado o impulso é chamado zona de gatilho. Esta
especialização de membrana é devido à presença de canais de sódio
e potássio, que ficam fechados no potencial de repouso, mas que se
abrem quando despolarizações os atingem.
Partes dos neurônios - axôniosPartes dos neurônios - axônios
Partes dos neurônios - axôniosPartes dos neurônios - axônios
Os axônios são cobertos por uma membrana denominada
bainha de mielina, que possui a característica de isolante
elétrico, impedindo que as cargas elétricas se dispersem.
Assim, condução do impulso nervoso nas fibras
mielínicas (com bainha de mielina) e amielínicas (sem
bainha de mielina) difere na sua velocidade, sendo maior
nas mielínicas.
No trajeto do axônio, há regiões chamadas nódulos de
Ranvier, em que a bainha de mielina é interrompida,
gerando assim a condução saltatória, nos quais o
impulso nervoso é ransmitido, aos saltos, de um nódulo
de Ranvier ao outro, ao longo da fibra (axônio).
Bainha de mielinaBainha de mielina
Funciona como um isolante e, portanto permite
a condução mais rápida do impulso nervoso, que
em conseqüência dos nódulos de Ranvier, é
saltatória.
Mielinização das Fibras Nervosas
• Oligodendrócitos – bainhas de mielina que
envolvem as fibras nervosas situadas dentro da medula
espinhal. As membranas plasmáticas destas células
enrolam-se em torno do axônio, formando várias
camadas.
• Células do neurilema (Schwann) – estas
células enrolam-se em torno dos axônios dos
neurônios somáticos motores e dos neurônios motores
autônomos pré-gânglionares fora do SNC.
Enrolam-se também em torno dos neurônios somáticos
e viscerais sensitivos, assim como em torno dos
axônios dos neurônios motores autônomos pós-
gânglionares.
Neurônios como células excitáveis
São células altamente excitáveis que se comunicam entre si ou
com células efetuadoras (céls. musculares e secretoras) usando
basicamente uma linguagem elétrica, as alterações do potencial
de membrana.
A membrana celular separa o meio intracelular, onde
predominam íons K+
, do meio extracelular, onde predominam
Na+
, Ca++
e certa quantidade Cl-
.
Essa diferença de cargas entre o meio interno e o meio externo
estabelecem um potencial elétrico de membrana, que em geral
nos neurônios, quando em repouso, é de aproximadamente
-70mv.
Na membrana estão presentes canais iônicos seletivos, que se
abrem ou fecham, permitindo a passagem de íons de acordo com
o gradiente de concentração.
DDPDDP
Neuroglia - células gliais
São as células mais frequentes do tecido nervoso,
que se relacionam com os neurônios.
Células da gliaCélulas da glia
Além dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-seAlém dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-se
constituído pelas células glia, ou células gliais, cujaconstituído pelas células glia, ou células gliais, cuja
função é dar sustentação aos neurônios e auxiliar o seufunção é dar sustentação aos neurônios e auxiliar o seu
funcionamento. As células da glia constituem cerca defuncionamento. As células da glia constituem cerca de
metade do volume do nosso encéfalo.metade do volume do nosso encéfalo.
Há diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, porHá diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, por
exemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sanguíneosexemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sanguíneos
do encéfalo, controlando a passagem de substâncias dodo encéfalo, controlando a passagem de substâncias do
sangue para as células do sistema nervoso. Ossangue para as células do sistema nervoso. Os
oligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-seoligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-se
sobre os axônios de certos neurônios, formandosobre os axônios de certos neurônios, formando
envoltórios isolantes.envoltórios isolantes.
Neuroglia - células gliais – no SNC
Apresenta 4 tipos celulares:
- astrócitos: têm a forma de estrela, com inúmeros prolongamentos;
em grande quantidade. Têm como funções sustentação e
isolamento de neurônios, controle dos níveis de potássio
extraneuronal e armazenamento de glicogênio no SNC.
- oligodendrócitos: em conjunto com os astrócitos, denominam-se
macróglia. São células menores que as primeiras, com poucos
prolongamentos.
- microgliócitos: células pequenas com poucos prolongamentos,
presentes tanto na substância branca, como na substância cinzenta,
com principal função de fagocitose.
- células ependimárias: com disposição epitelial e geralmente ciliadas,
revestem as paredes dos ventrículos cerebrais, do aqueducto
cerebral e do canal da medula espinhal.
- Em conjunto com os microgliócitos, formam a micróglia.
GliócitosGliócitos
Possuem a função de envolver e nutrir os neurônios, mantendo-osPossuem a função de envolver e nutrir os neurônios, mantendo-os
unidos. Os principais tipos de células desta natureza são os astrócitos,unidos. Os principais tipos de células desta natureza são os astrócitos,
oligodendrócitos, micróglias e células de Swann.oligodendrócitos, micróglias e células de Swann.
Os prolongamentos de algumas destas células enrolam-se nos axôniosOs prolongamentos de algumas destas células enrolam-se nos axônios
e formam, ao redor deles, a bainha de mielina, que atua como isolantee formam, ao redor deles, a bainha de mielina, que atua como isolante
elétrico e contribui para o aumento da velocidade de propagação doelétrico e contribui para o aumento da velocidade de propagação do
impulso nervoso ao longo do axônio.impulso nervoso ao longo do axônio.
A bainha de mielina, porém, não é contínua. Entre uma célula deA bainha de mielina, porém, não é contínua. Entre uma célula de
Schwann e outra existe uma região de descontinuidade da bainha, oSchwann e outra existe uma região de descontinuidade da bainha, o
que acarreta a existência de uma constrição (estrangulamento)que acarreta a existência de uma constrição (estrangulamento)
denominada nódulo de Ranvier.denominada nódulo de Ranvier.
Existem axônios em que as células de Schwann não formam a bainhaExistem axônios em que as células de Schwann não formam a bainha
de mielina. Por isso, há duas variedades de axônios: os mielínicos e osde mielina. Por isso, há duas variedades de axônios: os mielínicos e os
amielínicos. Em uma fibra mielinizada, temos três bainhasamielínicos. Em uma fibra mielinizada, temos três bainhas
envolvendo o axônio: bainha de mielina (de natureza lipídica), bainhaenvolvendo o axônio: bainha de mielina (de natureza lipídica), bainha
de Schwann e o endoneuro.de Schwann e o endoneuro.
Astrócito fibroso
Neuroglia - células gliais – no SNP
No SNP, a neuroglia compreende dois tipos
celulares: as células satélites, que envolvem os
pericários dos neurônios dos gânglios sensitivos e
do SNA; e as células de Schwann que circundam
os axônios formando a bainha de mielina e o
neurilema e que têm importante função na
regeneração das fibras nervosas.
Impulsos nervososImpulsos nervosos
A despolarização e a repolarização de um neurônio ocorremA despolarização e a repolarização de um neurônio ocorrem
devido as modificações na permeabilidade da membranadevido as modificações na permeabilidade da membrana
plasmática. Em um primeiro instante, abrem-se "portas deplasmática. Em um primeiro instante, abrem-se "portas de
passagem" de Na+, permitindo a entrada de grande quantidadepassagem" de Na+, permitindo a entrada de grande quantidade
desses íons na célula. Com isso, aumenta a quantidade relativa dedesses íons na célula. Com isso, aumenta a quantidade relativa de
carga positiva na região interna na membrana, provocando suacarga positiva na região interna na membrana, provocando sua
despolarização. Em seguida abrem-se as "portas de passagem" dedespolarização. Em seguida abrem-se as "portas de passagem" de
K+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. ComK+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. Com
isso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargasisso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargas
negativas (repolarização). A despolarização em uma região danegativas (repolarização). A despolarização em uma região da
membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo (ms).membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo (ms).
O estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações eO estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações e
repolarizações que se propaga ao longo da membrana plasmáticarepolarizações que se propaga ao longo da membrana plasmática
do neurônio. Essa onda de propagação é odo neurônio. Essa onda de propagação é o impulso nervoso, queimpulso nervoso, que
se propaga em um único sentido na fibra nervosa.se propaga em um único sentido na fibra nervosa.
Impulsos nervososImpulsos nervosos
Sempre são conduzidos em um únicoSempre são conduzidos em um único
sentido: passam do axônio de umasentido: passam do axônio de uma
célula nervosa para os dendritos decélula nervosa para os dendritos de
outra.outra.
O que garante esse fluxo é a sinapse.O que garante esse fluxo é a sinapse.
Impulsos nervososImpulsos nervosos
Só passam de um neurônio para outro na presença dosSó passam de um neurônio para outro na presença dos
mediadores químicos - neurormônios oumediadores químicos - neurormônios ou
neurotransmissores (serotonina, dopamina, adrenalina,neurotransmissores (serotonina, dopamina, adrenalina,
acetilcolina, noradrenalina).acetilcolina, noradrenalina).
Esses encontram-se em vesículas nas terminações dosEsses encontram-se em vesículas nas terminações dos
axônios. São liberados na fenda sináptica e captados.axônios. São liberados na fenda sináptica e captados.
Fenda sináptica = espaço entre 2 neurônios.Fenda sináptica = espaço entre 2 neurônios.
Lembrar que os neurônios nunca se encostam.Lembrar que os neurônios nunca se encostam.
Impulsos nervososImpulsos nervosos
transmissãotransmissão
O impulso nervoso inicia-se pela etapa deO impulso nervoso inicia-se pela etapa de
despolarizaçãodespolarização, em que a membrana torna-se, em que a membrana torna-se
extremamente permeável aos íons Naextremamente permeável aos íons Na++
, ocorre, ocorre
então influxo de Naentão influxo de Na++
e, consequente aumento dee, consequente aumento de
carga positiva no interior da célula.carga positiva no interior da célula.
A abertura dos canais de KA abertura dos canais de K++
ocorre durante aocorre durante a
repolarizaçãorepolarização, etapa em que também ocorre o, etapa em que também ocorre o
fechamento dos canais de Nafechamento dos canais de Na++
..
Impulsos nervosos -Impulsos nervosos -
transmissãotransmissão
O impulso é captado pelos dendritos, passa ao corpo celular e deste
para o axônio, que o envia para a célula seguinte.
No estado de repouso, o neurônio encontra-se polarizado, ou seja,
o interior está carregado mais negativamente que o exterior.
Ao atingir a membrana celular, o estímulo altera a permeabilidade
aos íons Na+
e K +
no ponto excitado, permitindo assim, um
influxo (entrada) de íons sódio (Na+
) e a saída de íons potássio (K+
).
Neste momento ocorre a despolarização, ou seja, diminui a
negatividade no interior da célula.
A entrada inicial de íons Na +
provoca a abertura de canais para
esses íons nos segmentos seguintes, de modo que o processo se
repete e o impulso nervoso se transmite através de todo o
neurônio.
SinapseSinapse
As sinapses podem existir entre:
 2 neurônios,
 célula sensorial e neurônio
 neurônio e órgão efetor (músculo ou glândula).
Quando a célula efetora é um músculo, o local
da sinapse é chamado de placa motora.
SinapseSinapse
O neurônio apresenta 3 partes distintas: o dendrito, oO neurônio apresenta 3 partes distintas: o dendrito, o
corpo celular (está o núcleo) e o axônio (eixo único que secorpo celular (está o núcleo) e o axônio (eixo único que se
ramifica na extremidade). Essas ramificações do axônioramifica na extremidade). Essas ramificações do axônio
podem ligar-se ao dendrito de outro axônio ou a umpodem ligar-se ao dendrito de outro axônio ou a um
músculo.músculo.
No espaço entre as partes unidas, são lançadas substânciasNo espaço entre as partes unidas, são lançadas substâncias
— os neurotransmissores — produzidas no citoplasma do— os neurotransmissores — produzidas no citoplasma do
axônio.axônio.
Essa produção pode ser inibida por alguns tipos deEssa produção pode ser inibida por alguns tipos de
anestésico, como o curare. Outros agem sobre o corpoanestésico, como o curare. Outros agem sobre o corpo
celular, impedindo a polarização e a despolarização dacelular, impedindo a polarização e a despolarização da
célula.célula.
Fenda sinápticaFenda sináptica
Impulsos nervososImpulsos nervosos
sinapse elétrica
Em alguns tipos de neurônios, o potencial de
ação se propaga diretamente do neurônio pré-
sináptico para o pós-sináptico, sem intermediação
de neurotransmissores.
As sinapses elétricas ocorrem no SNC, atuando
na sincronização de certos movimentos rápidos.
Sinapses elétricasSinapses elétricas
São exclusivamente interneuronais e raras em
vertebrados. A comunicação entre 2 neurônios se
dá através de canais iônicos presentes em cada
uma das membranas em contato, que permitem a
passagem direta de pequenas moléculas do
citoplasma de uma das células para o da outra.
Ao contrário das sinapses químicas, estas não são
polarizadas, ou seja, a comunicação se faz nos
dois sentidos.
Sinapses neuromuscularesSinapses neuromusculares
A ligação entre as terminações axônicas e asA ligação entre as terminações axônicas e as
células musculares é chamada sinapsecélulas musculares é chamada sinapse
neuromuscular e nela ocorre liberação daneuromuscular e nela ocorre liberação da
substância neurotransmissora acetilcolina quesubstância neurotransmissora acetilcolina que
estimula a contração muscular.estimula a contração muscular.
Sinapses químicasSinapses químicas
Ocorrem na maioria das sinapses interneuronais
e em todas as sinapses neuroefetuadoras.
Esta comunicação depende da liberação de uma
substância química chamada neurotransmissor,
que está presente no elemento pré-sináptico
armazenado em vesículas sinápticas.
Impulsos nervososImpulsos nervosos
sinapse química
Nestas, o sinal elétrico que chega à terminação axônica, provoca a
liberação de neurotransmissores, mensageiros químicos presentes no
interior de vesículas na terminação axônica.
Ao atingir a terminação axônica, o potencial de ação faz com que as
vesículas se fusionem com a membrana da terminação, liberando os
neurotransmissores que estavam contidos para a fenda sináptica (espaço
virtual entre o neurônio e a célula efetora).
Ao serem liberados na fenda sináptica, os neurotransmissores se ligam a
receptores específicos presentes na membrana da célula pós-sináptica
(célula efetora). A ligação do neurotransmissor com o seu receptor
específico, gera uma alteração no potencial de membrana da célula
efetora, transmitindo o impulso nervoso e gerando uma resposta
(contração muscular, por exemplo).
Impulsos nervososImpulsos nervosos
conclusão
A transmissão do impulso implica a
transformação de um sinal elétrico em
um sinal químico que, posteriormente, é
transformado em um outro sinal
elétrico.
SinapsesSinapses
São regiões de conexão química estabelecidas entre um neurônio eSão regiões de conexão química estabelecidas entre um neurônio e
outro; entre um neurônio e uma fibra muscular ou entre umoutro; entre um neurônio e uma fibra muscular ou entre um
neurônio e uma célula glandular.neurônio e uma célula glandular.
As sinapses podem ser:As sinapses podem ser:
. interneurais (entre um neurônio e outro). interneurais (entre um neurônio e outro)
. neuromusculares (entre um neurônio e uma fibra muscular). neuromusculares (entre um neurônio e uma fibra muscular)
. neuroglandulares (entre um neurônio e uma célula glandular). neuroglandulares (entre um neurônio e uma célula glandular)
Um neurônio não se comunica fisicamente com outro neurônio nemUm neurônio não se comunica fisicamente com outro neurônio nem
com a fibra muscular, tampouco com a célula glandular. Existe entrecom a fibra muscular, tampouco com a célula glandular. Existe entre
eles um microespaço, denominado espaço sináptico, no qual umeles um microespaço, denominado espaço sináptico, no qual um
neurônio transmite o impulso nervoso para outro através da ação deneurônio transmite o impulso nervoso para outro através da ação de
mediadores químicos ou neurormônios.mediadores químicos ou neurormônios.
Transmissão sinápticaTransmissão sináptica
Quando um impulso nervoso atinge a membrana pré-sináptica
(neurônio) ocorre uma alteração no seu potencial, abrindo os canais
de sódio que permitem a sua entrada na célula, aumentando assim, a
quantidade deste íon no seu interior. Este aumento estimula a
liberação do neurotransmissor na fenda sináptica, que atinge os
receptores da célula pós-sináptica. Estes receptores podem ser
canais iônicos que se abrem quando em contato com o
neurotransmissor, permitindo a entrada ou saída de determinados
íons.
A movimentação de íons, tanto para dentro, quanto para fora, causa
alterações no potencial de membrana (no caso de entrada de Na
uma despolarização, e quando há entrada de Cl, uma
hiperpolarização).
Transmissão sinápticaTransmissão sináptica
Quando o receptor não é um canal iônico, a sua combinação com
o neurotransmissor gera uma nova molécula chamada de segundo
mensageiro, que causará modificações na célula pós-sináptica.
Após o contato com o receptor, é necessário que o
neurotransmissor seja removido da fenda sináptica para que não
haja excitação ou inibição por tempo prolongado. Essa remoção
pode ser feita por ação enzimática ou por recaptação pela
membrana pré-sináptica; e uma vez dentro da terminação nervosa,
o neurotransmissor pode ser reutilizado ou inativado.
NeurotransmissoresNeurotransmissores
. endorfinas e encefalinas: bloqueiam a dor, agindo naturalmente no corpo
como analgésicos.
. dopamina: neurotransmissor inibitório derivado da tirosina. Produz
sensações de satisfação e prazer.
Os neurônios dopaminérgicos podem ser divididos em três subgrupos
com diferentes funções. O primeiro grupo regula os movimentos: uma
deficiência de dopamina neste sistema provoca a doença de Parkinson,
caracterizada por tremuras, inflexibilidade, e outras desordens motoras, e
em fases avançadas pode verificar-se demência.
NeurotransmissoresNeurotransmissores
· Serotonina: neurotransmissor derivado do triptofano regula o humor, o
sono, a atividade sexual, o apetite, as funções neuroendócrinas,
temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções
cognitivas.
Atualmente vem sendo intimamente relacionada aos transtornos do
humor, ou transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos chamados
antidepressivos age produzindo um aumento da disponibilidade dessa
substância no espaço entre um neurônio e outro.
Tem efeito inibidor da conduta e modulador geral da atividade psíquica.
Influi sobre quase todas as funções cerebrais, inibindo-a de forma direta
ou estimulando o sistema GABA.
NeurotransmissoresNeurotransmissores
. GABA (ácido gama-aminobutírico): principal neurotransmissor inibitório do SNC.
Presente em quase todas as regiões do cérebro, com concentração variada.
Está envolvido com os processos de ansiedade. Seu efeito ansiolítico seria fruto
de alterações provocadas em diversas estruturas do sistema límbico, inclusive a
amígdala e o hipocampo.
A inibição da síntese do GABA ou o bloqueio de seus neurotransmissores no
SNC, resultam em estimulação intensa, manifestada através de convulsões
generalizadas.
. Ácido glutâmico ou glutamato: principal neurotransmissor estimulador do SNC.
A sua ativação aumenta a sensibilidade aos estímulos dos outros
neurotransmissores.
Atuação dos neurormôniosAtuação dos neurormônios
Os neurormônios estão contidos em microvesículasOs neurormônios estão contidos em microvesículas
presentes nas extremidades do axônio.presentes nas extremidades do axônio.
Quando o impulso nervoso chega até essas extremidades, asQuando o impulso nervoso chega até essas extremidades, as
microvesículas liberam o mediador químico para o espaçomicrovesículas liberam o mediador químico para o espaço
sináptico. O neurormônio, então, combina-se comsináptico. O neurormônio, então, combina-se com
receptores moleculares presentes no neurônio que deveráreceptores moleculares presentes no neurônio que deverá
ser estimulado (ou na fibra muscular ou na célula glandular).ser estimulado (ou na fibra muscular ou na célula glandular).
Dessa combinação resulta a mudança na permeabilidade daDessa combinação resulta a mudança na permeabilidade da
membrana da célula receptora, fato que desencadeia umamembrana da célula receptora, fato que desencadeia uma
entrada de íons no interior da célula e a conseqüenteentrada de íons no interior da célula e a conseqüente
inversão da polaridade da membrana. Surge, então, uminversão da polaridade da membrana. Surge, então, um
potencial de ação que gera, na célula receptora, um impulsopotencial de ação que gera, na célula receptora, um impulso
nervoso.nervoso.
NervosNervos
As fibras nervosas organizam-se em feixes. Cada feixe, por sua vez, éAs fibras nervosas organizam-se em feixes. Cada feixe, por sua vez, é
envolvido por uma bainha conjuntiva denominada perineuro. Váriosenvolvido por uma bainha conjuntiva denominada perineuro. Vários
feixes agrupados paralelamente formam um nervo. O nervo também éfeixes agrupados paralelamente formam um nervo. O nervo também é
envolvido por uma bainha de tecido conjuntivo chamada epineuro.envolvido por uma bainha de tecido conjuntivo chamada epineuro.
Os nervos não contêm os corpos celulares dos neurônios; esses corposOs nervos não contêm os corpos celulares dos neurônios; esses corpos
celulares localizam-se no sistema nervoso central ou nos gânglioscelulares localizam-se no sistema nervoso central ou nos gânglios
nervosos, que podem ser observados próximos à medula espinhal.nervosos, que podem ser observados próximos à medula espinhal.
Quando partem do encéfalo, são chamados de cranianos; quandoQuando partem do encéfalo, são chamados de cranianos; quando
partem da medula espinhal, denominam raquidianos.partem da medula espinhal, denominam raquidianos.
Os nervos permitem a comunicação dos centros nervosos com osOs nervos permitem a comunicação dos centros nervosos com os
órgãos receptores (sensoriais) ou, ainda, com os órgãos efetoresórgãos receptores (sensoriais) ou, ainda, com os órgãos efetores
(músculos e glândulas).(músculos e glândulas).
NervosNervos
De acordo com o sentido da transmissão do impulso nervoso, osDe acordo com o sentido da transmissão do impulso nervoso, os
nervos podem ser:nervos podem ser:
- sensitivos ou aferentes: quando transmitem os impulsos- sensitivos ou aferentes: quando transmitem os impulsos
nervosos dos órgãos receptores até o sistema nervoso central;nervosos dos órgãos receptores até o sistema nervoso central;
- motores ou eferentes: quando transmitem os impulsos- motores ou eferentes: quando transmitem os impulsos
nervosos do sistema nervoso central para os órgãos efetores;nervosos do sistema nervoso central para os órgãos efetores;
- mistos: quando possuem tanto fibras sensitivas quanto fibras- mistos: quando possuem tanto fibras sensitivas quanto fibras
motoras. São os mais comuns no organismo.motoras. São os mais comuns no organismo.
Estrutura do NervoEstrutura do Nervo
Os nervos apresentam cor branca porque são formados
por grande quantidade de fibras mielínicas (a mielina,
invólucro principalmente lipídico, apresenta coloração
esbranquiçada).
Um nervo contém feixes de fibras nervosas, (utiliza-se o
termo fibra nervosa para designar o axônio ou os
dendritos) envolvidas por uma membrana conjuntiva
resistente.
Cada feixe é, por sua vez, envolvido por uma bainha
conjuntivo;
entre os feixes existe tecido conjuntivo que encerra vasos
sanguíneos.
ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS
São aplicados localmente no tecido nervoso bloqueando,São aplicados localmente no tecido nervoso bloqueando,
de forma reversível, o potencial de ação.de forma reversível, o potencial de ação.
Histórico:Histórico:
- utilização da cocaína como anestésico local.- utilização da cocaína como anestésico local.
- largamente utilizados, a princípio, nas cirurgias dos- largamente utilizados, a princípio, nas cirurgias dos
olhos e na odontologia – reconhece-se a propriedadeolhos e na odontologia – reconhece-se a propriedade
viciante da substância.viciante da substância.
- síntese de análogos da cocaína sem a porção viciante- síntese de análogos da cocaína sem a porção viciante
(os análogos possuem uma porção hidrofóbica, que(os análogos possuem uma porção hidrofóbica, que
determina seu potencial e duração de ação).determina seu potencial e duração de ação).
ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS
Mecanismo de AçãoMecanismo de Ação
Evitam a geração e a condução do impulsoEvitam a geração e a condução do impulso
nervoso, pois bloqueiam os canais de Nanervoso, pois bloqueiam os canais de Na
operados por voltagem (VOC), os canais de Naoperados por voltagem (VOC), os canais de Na
operados por ligantes (ROC) permanecemoperados por ligantes (ROC) permanecem
ativados e são despolarizados no processo daativados e são despolarizados no processo da
dor. Contudo, por mais que os canais de Nador. Contudo, por mais que os canais de Na
ROC estejam despolarizados, não haveráROC estejam despolarizados, não haverá
propagação do potencial de ação já que nãopropagação do potencial de ação já que não
ocorre pico de despolarização (mediado porocorre pico de despolarização (mediado por
canais de Na do tipo VOC).canais de Na do tipo VOC).
ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS
Mecanismo de AçãoMecanismo de Ação
Lembrem-se que a dor é percebida pelo SNC noLembrem-se que a dor é percebida pelo SNC no
momento em que os nociceptores são estimulados emomento em que os nociceptores são estimulados e
que o impulso se propaga pelas vias da dor até o tálamoque o impulso se propaga pelas vias da dor até o tálamo
e posteriormente ao cérebro (região da consciência ee posteriormente ao cérebro (região da consciência e
interpretação).interpretação).
Para que haja estímulo do potencial de ação, deve haverPara que haja estímulo do potencial de ação, deve haver
um mecanismo de lesão tecidual que, por sua vez,um mecanismo de lesão tecidual que, por sua vez,
quando lesado, liberará mediadores químicos dolorososquando lesado, liberará mediadores químicos dolorosos
como, por exemplo: substância P, bradicinina,como, por exemplo: substância P, bradicinina,
prostaglandinas, tromboxanos, histamina, leucotrienos,prostaglandinas, tromboxanos, histamina, leucotrienos,
entre outros.entre outros.
Dentre a classe de fármacos que bloqueiam a formaçãoDentre a classe de fármacos que bloqueiam a formação
destes mediadores químicos estão os analgésicos.destes mediadores químicos estão os analgésicos.
DoppingDopping
Também chamado de “dopagem” é a administraçãoTambém chamado de “dopagem” é a administração
ilícita de uma droga estimulante ou estupefaciente comilícita de uma droga estimulante ou estupefaciente com
vistas a suprimir temporariamente a fadiga, aumentar ouvistas a suprimir temporariamente a fadiga, aumentar ou
diminuir a velocidade, melhorar ou piorar a atuação dediminuir a velocidade, melhorar ou piorar a atuação de
um animal ou esportista.um animal ou esportista.
A comissão médica do comitê olímpico internacionalA comissão médica do comitê olímpico internacional
instituiu durante os jogos olímpicos do México (1968) ainstituiu durante os jogos olímpicos do México (1968) a
aplicação de testes anti-dopping sistemáticos, decidindoaplicação de testes anti-dopping sistemáticos, decidindo
que seriam excluídos dos jogos os atletasque seriam excluídos dos jogos os atletas
comprovadamente dopados.comprovadamente dopados.
5 principais grupos5 principais grupos
ESTIMULANTES PSICOMOTORES: anfetamina,ESTIMULANTES PSICOMOTORES: anfetamina,
cocaína, moderadores de apetite.cocaína, moderadores de apetite.
- AMINAS SIMPATICOMIMÉTICOS: estimulam o- AMINAS SIMPATICOMIMÉTICOS: estimulam o
SNC, como vasoconstritores nasais que têm efedrina.SNC, como vasoconstritores nasais que têm efedrina.
- OUTROS ESTIMULANTES DO SNC: cafeína,- OUTROS ESTIMULANTES DO SNC: cafeína,
aminofilina.aminofilina.
- ANALGÉSICOS-NARCÓTICOS: codeína,- ANALGÉSICOS-NARCÓTICOS: codeína,
morfina, heroína.morfina, heroína.
- ESTERÓIDES ANABÓLICOS: hormônios- ESTERÓIDES ANABÓLICOS: hormônios
masculinos.masculinos.
Efeitos colateraisEfeitos colaterais
Com exceção dos esteróides, os efeitos dos outros gruposCom exceção dos esteróides, os efeitos dos outros grupos
assemelham-se.assemelham-se.
As anfetaminas (que são bolinhas) são estimulantes do SNC.As anfetaminas (que são bolinhas) são estimulantes do SNC.
Infelizmente, ainda são muito usadas e provocam a elevaçãoInfelizmente, ainda são muito usadas e provocam a elevação
da pressão arterial, de freqüência cardíaca, do atleta,da pressão arterial, de freqüência cardíaca, do atleta,
diminuem, diminuem o medo e aceleram o metabolismo dasdiminuem, diminuem o medo e aceleram o metabolismo das
células. Doses pequenas já produzem esses efeitos depois decélulas. Doses pequenas já produzem esses efeitos depois de
30 minutos.30 minutos.
Efeitos colaterais não faltam: tonturas, dores de cabeça,Efeitos colaterais não faltam: tonturas, dores de cabeça,
insônia, mal estar, cansaço fácil e, principalmente ainsônia, mal estar, cansaço fácil e, principalmente a
dependência da droga, que quase sempre evolui para drogasdependência da droga, que quase sempre evolui para drogas
mais potentes e mais perigosas. Muitas vezes os efeitos sãomais potentes e mais perigosas. Muitas vezes os efeitos são
mais psicológicos do que fisiológicos.mais psicológicos do que fisiológicos.
Consultas realizadasConsultas realizadas
 Embriologia Básica; Keith L. Moore, PhD. 2000
 www.sogab.com.br
 Raniê Ralph - Farmacologia - Prof. Fernando.
 Profa. Juliana S. do Valle - Fisiologia Humana e
Biofísica
 http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=6&mat
, em 17/9/2009
 Rafael RizziRafael Rizzi
 Mariana Araguaia - Equipe Brasil EscolaMariana Araguaia - Equipe Brasil Escola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humanaSistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Bio
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
Simone Alvarenga
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anato
cesarromero13
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
Glorinha E David
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Andreza Campos
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Sandra Peixoto
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
gueste74a91
 
Anatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renalAnatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renal
Luis Antonio Cezar Junior
 
Aula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - NeuroanatomiaAula de Revisão - Neuroanatomia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
Marco Antonio
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
Marília Gomes
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 
1º aula introdução a fisiologia
1º aula   introdução a fisiologia1º aula   introdução a fisiologia
1º aula introdução a fisiologia
Tayslane Rocha
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
Ana Carolina Andrade
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
propazleite
 

Mais procurados (20)

Sistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humanaSistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humana
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anato
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Anatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renalAnatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renal
 
Aula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - NeuroanatomiaAula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - Neuroanatomia
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
1º aula introdução a fisiologia
1º aula   introdução a fisiologia1º aula   introdução a fisiologia
1º aula introdução a fisiologia
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
 

Semelhante a Sistema nervoso

Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
bymau90
 
693153
693153693153
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
Hugo Martins
 
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Ivair Mjr
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Darsoni da Silva
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
Patrícia Santos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Gilvânia Jardim
 
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Percilia
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
Simone Maia
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Luciana Mascena
 
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijiiSistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
ssuser385557
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
Leonardo Alves
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
Patrícia Santos
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
Sn comparado
Sn comparadoSn comparado
Sn comparado
argeropulos1
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Rodrigo Sama
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Andrea Barreto
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
EsterCome1
 
Aula 20 sistema nervoso
Aula 20   sistema nervosoAula 20   sistema nervoso
Aula 20 sistema nervoso
Jonatas Carlos
 

Semelhante a Sistema nervoso (20)

Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
 
693153
693153693153
693153
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2Curso de Educação Mediúnica - aula 2
Curso de Educação Mediúnica - aula 2
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijiiSistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
Sn comparado
Sn comparadoSn comparado
Sn comparado
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
 
Aula 20 sistema nervoso
Aula 20   sistema nervosoAula 20   sistema nervoso
Aula 20 sistema nervoso
 

Mais de MatheusMesquitaMelo

9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
MatheusMesquitaMelo
 
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
MatheusMesquitaMelo
 
8º ano reda cem - 8.32-todas as unidades
8º ano   reda cem - 8.32-todas as unidades8º ano   reda cem - 8.32-todas as unidades
8º ano reda cem - 8.32-todas as unidades
MatheusMesquitaMelo
 
7º ano reda cem - 7.32-barra e jpa
7º ano   reda cem - 7.32-barra e jpa7º ano   reda cem - 7.32-barra e jpa
7º ano reda cem - 7.32-barra e jpa
MatheusMesquitaMelo
 
6º ano reda cem - 6.32-jpa
6º ano   reda cem - 6.32-jpa6º ano   reda cem - 6.32-jpa
6º ano reda cem - 6.32-jpa
MatheusMesquitaMelo
 
6º ano reda cem - 6.32-arena e barra
6º ano   reda cem - 6.32-arena e barra6º ano   reda cem - 6.32-arena e barra
6º ano reda cem - 6.32-arena e barra
MatheusMesquitaMelo
 
2º série reda cem - 20.32-jpa
2º série   reda cem -  20.32-jpa2º série   reda cem -  20.32-jpa
2º série reda cem - 20.32-jpa
MatheusMesquitaMelo
 
2º série reda cem - 20.32-barra
2º série   reda cem -  20.32-barra2º série   reda cem -  20.32-barra
2º série reda cem - 20.32-barra
MatheusMesquitaMelo
 
1º série reda cem - 10.32-jpa
1º série   reda cem -  10.32-jpa1º série   reda cem -  10.32-jpa
1º série reda cem - 10.32-jpa
MatheusMesquitaMelo
 
1ª serie reda cem - 10.32-arena
1ª serie   reda cem -  10.32-arena1ª serie   reda cem -  10.32-arena
1ª serie reda cem - 10.32-arena
MatheusMesquitaMelo
 
9º ano reda cem - 9.32-jpa
9º ano   reda cem - 9.32-jpa9º ano   reda cem - 9.32-jpa
9º ano reda cem - 9.32-jpa
MatheusMesquitaMelo
 
1º série reda cem - 10.31
1º série   reda cem -  10.311º série   reda cem -  10.31
1º série reda cem - 10.31
MatheusMesquitaMelo
 
9º ano reda cem - 9.31
9º ano   reda cem - 9.319º ano   reda cem - 9.31
9º ano reda cem - 9.31
MatheusMesquitaMelo
 
8º ano reda cem - 8.31
8º ano   reda cem - 8.318º ano   reda cem - 8.31
8º ano reda cem - 8.31
MatheusMesquitaMelo
 
7º ano reda cem - 7.31
7º ano   reda cem - 7.317º ano   reda cem - 7.31
7º ano reda cem - 7.31
MatheusMesquitaMelo
 
6º ano reda cem - 6.31
6º ano   reda cem - 6.316º ano   reda cem - 6.31
6º ano reda cem - 6.31
MatheusMesquitaMelo
 
2º série reda cem - 20.31
2º série   reda cem -  20.312º série   reda cem -  20.31
2º série reda cem - 20.31
MatheusMesquitaMelo
 
English cem high school 2nd grade - 20.15
English cem   high school 2nd grade - 20.15English cem   high school 2nd grade - 20.15
English cem high school 2nd grade - 20.15
MatheusMesquitaMelo
 
English cem high school 1st grade - 10.15
English cem   high school 1st grade - 10.15English cem   high school 1st grade - 10.15
English cem high school 1st grade - 10.15
MatheusMesquitaMelo
 
English cem 9th grade more 4 - 9.15
English cem   9th grade more 4 - 9.15English cem   9th grade more 4 - 9.15
English cem 9th grade more 4 - 9.15
MatheusMesquitaMelo
 

Mais de MatheusMesquitaMelo (20)

9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
 
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra9º ano   reda cem - 9.32-arena e barra
9º ano reda cem - 9.32-arena e barra
 
8º ano reda cem - 8.32-todas as unidades
8º ano   reda cem - 8.32-todas as unidades8º ano   reda cem - 8.32-todas as unidades
8º ano reda cem - 8.32-todas as unidades
 
7º ano reda cem - 7.32-barra e jpa
7º ano   reda cem - 7.32-barra e jpa7º ano   reda cem - 7.32-barra e jpa
7º ano reda cem - 7.32-barra e jpa
 
6º ano reda cem - 6.32-jpa
6º ano   reda cem - 6.32-jpa6º ano   reda cem - 6.32-jpa
6º ano reda cem - 6.32-jpa
 
6º ano reda cem - 6.32-arena e barra
6º ano   reda cem - 6.32-arena e barra6º ano   reda cem - 6.32-arena e barra
6º ano reda cem - 6.32-arena e barra
 
2º série reda cem - 20.32-jpa
2º série   reda cem -  20.32-jpa2º série   reda cem -  20.32-jpa
2º série reda cem - 20.32-jpa
 
2º série reda cem - 20.32-barra
2º série   reda cem -  20.32-barra2º série   reda cem -  20.32-barra
2º série reda cem - 20.32-barra
 
1º série reda cem - 10.32-jpa
1º série   reda cem -  10.32-jpa1º série   reda cem -  10.32-jpa
1º série reda cem - 10.32-jpa
 
1ª serie reda cem - 10.32-arena
1ª serie   reda cem -  10.32-arena1ª serie   reda cem -  10.32-arena
1ª serie reda cem - 10.32-arena
 
9º ano reda cem - 9.32-jpa
9º ano   reda cem - 9.32-jpa9º ano   reda cem - 9.32-jpa
9º ano reda cem - 9.32-jpa
 
1º série reda cem - 10.31
1º série   reda cem -  10.311º série   reda cem -  10.31
1º série reda cem - 10.31
 
9º ano reda cem - 9.31
9º ano   reda cem - 9.319º ano   reda cem - 9.31
9º ano reda cem - 9.31
 
8º ano reda cem - 8.31
8º ano   reda cem - 8.318º ano   reda cem - 8.31
8º ano reda cem - 8.31
 
7º ano reda cem - 7.31
7º ano   reda cem - 7.317º ano   reda cem - 7.31
7º ano reda cem - 7.31
 
6º ano reda cem - 6.31
6º ano   reda cem - 6.316º ano   reda cem - 6.31
6º ano reda cem - 6.31
 
2º série reda cem - 20.31
2º série   reda cem -  20.312º série   reda cem -  20.31
2º série reda cem - 20.31
 
English cem high school 2nd grade - 20.15
English cem   high school 2nd grade - 20.15English cem   high school 2nd grade - 20.15
English cem high school 2nd grade - 20.15
 
English cem high school 1st grade - 10.15
English cem   high school 1st grade - 10.15English cem   high school 1st grade - 10.15
English cem high school 1st grade - 10.15
 
English cem 9th grade more 4 - 9.15
English cem   9th grade more 4 - 9.15English cem   9th grade more 4 - 9.15
English cem 9th grade more 4 - 9.15
 

Último

Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Sistema nervoso

  • 2. FunçãoFunção O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento doO sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber eorganismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como asidentificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborarcondições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a essas condições.respostas que adaptem a essas condições. A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa,A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, denominadadenominada neurônioneurônio, que é uma célula extremamente, que é uma célula extremamente estimulável; é capaz de perceber as mínimas variações queestimulável; é capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteraçãoocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétricaelétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o impulso nervoso.é o impulso nervoso. As células nervosas estabelecem conexões entre si de talAs células nervosas estabelecem conexões entre si de tal maneira que um neurônio pode transmitir a outros osmaneira que um neurônio pode transmitir a outros os estímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação emestímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação em cadeia.cadeia.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Sistema Nervoso Divisão Partes Funções gerais Sistema nervoso central (SNC) Encéfalo e Medula espinal Processamento e integração de informações Sistema nervoso periférico (SNP) Nervos e Gânglios Condução de informações entre órgãos receptores de estímulos, o SNC e órgãos efetuadores (músculos, glândulas...)
  • 6.
  • 7.
  • 8. Divisão funcionalDivisão funcional  Sistema Nervoso Somático (Vida de Relação) a) Eferente (Neurônios e axônios motores, contração muscular esquelética e o movimento). b) Aferentes (Neurônios e axônios sensitivos, tato, dor etc).  Sistema Nervoso Visceral ou Vegetativo a) Aferente - SISTEMA NERVOSO VISCERAL AFERENTE Ex. Percebe informações de paredes de vísceras, como dilatações, aumento da pressão ou relaxamentos... b) Eferente - SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO 1- Simpático - aumenta os batimentos do coração 2 - Parasimpático - diminui os batimentos do coração
  • 9. Divisão anatômicaDivisão anatômica - Sistema nervoso central (SNC)- Sistema nervoso central (SNC) - Sistema nervoso periférico (SNP)Sistema nervoso periférico (SNP) - Sistema nervoso autônomo- Sistema nervoso autônomo - simpático- simpático - parassimpático- parassimpático
  • 10.
  • 11. SNCSNC  recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio de ordens. Composição:Composição: - - encéfaloencéfalo (cérebro, cerebelo, , ponte, bulbo,(cérebro, cerebelo, , ponte, bulbo, tálamo e hipotálamo)tálamo e hipotálamo) -- medula espinhalmedula espinhal
  • 12. SNCSNC Conjunto de órgãos (encéfalo) contidos na caixaConjunto de órgãos (encéfalo) contidos na caixa craniana, que continua com a medula espinal,craniana, que continua com a medula espinal, contida na coluna vertebral.contida na coluna vertebral. Há três membranas que o protege.Há três membranas que o protege.  dura-máter (externa)dura-máter (externa)  aracnoide (média)aracnoide (média)  pia-máter (interna)pia-máter (interna)
  • 13. Proteção do SNCProteção do SNC Os órgãos do SNC são protegidos por estruturas esqueléticas (caixa craniana, protegendo o encéfalo; e coluna vertebral, protegendo a medula - também denominada raque) e por membranas denominadas meninges, situadas sob a proteção esquelética: dura-máter (a externa), aracnoide (a do meio) e pia-máter (a interna). Entre as meninges aracnoóide e pia-máter há um espaço preenchido por um líquido denominado líquido cefalorraquidiano ou líquor.
  • 15. A medula espinhalA medula espinhal É assim denominada por estar dentro do canal espinhal ou vertebral. Recebe impulsos sensoriais de receptores e envia impulsos motores a efetuadores tanto somáticos quanto viscerais. Pode atuar em reflexos dependente ou independentemente do encéfalo.
  • 17. SNCSNC No SNC, existem as chamadas substâncias cinzenta e branca. A substância cinzenta é formada pelos corpos dos neurônios. A substância branca é formada pelos prolongamentos dos neurônios. Com exceção do bulbo e da medula, a substância cinzenta ocorre mais externamente e a substância branca, mais internamente.
  • 18.
  • 19.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.  tálamo e hipotálamo - regulam a pressão sanguínea,tálamo e hipotálamo - regulam a pressão sanguínea, temperatura corporal, equilíbrio hídrico e metabolismotemperatura corporal, equilíbrio hídrico e metabolismo de carboidratos, gorduras, sono etc.de carboidratos, gorduras, sono etc.  cerebelo - coordena a harmonia dos movimentos ecerebelo - coordena a harmonia dos movimentos e manutenção do equilíbrio do corpo.manutenção do equilíbrio do corpo.  bulbo - centro respiratório e cardíaco.bulbo - centro respiratório e cardíaco.  ponte - via de conexão entre o córtex cerebral e a medulaponte - via de conexão entre o córtex cerebral e a medula espinhal.espinhal.
  • 26.  Córtex Cerebral Funções: · Pensamento · Movimento voluntário · Linguagem · Julgamento · Percepção  Cerebelo Funções: · Movimento · Equilíbrio · Postura · Tônus muscular  Tronco Encefálico (se divide em: BULBO, MESENCÉFALO e PONTE) Funções: · Respiração · Ritmo dos batimentos cardíacos · Pressão Arterial  Mesencéfalo Funções: · Visão · Audição · Movimento dos Olhos · Movimento do corpo
  • 28.  frontal : funções mentais superioresfrontal : funções mentais superiores  parietal : impressões táteis e térmicasparietal : impressões táteis e térmicas  occipital: impressões visuaisoccipital: impressões visuais  temporal: impressões auditivastemporal: impressões auditivas O cérebroO cérebro
  • 29. SNPSNP Carrega informações dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central e do sistema nervoso central para os órgãos efetores (músculos e glândulas). - formado pelos nervos e gânglios nervosos- formado pelos nervos e gânglios nervosos Composição:Composição:  12 pares de nervos cranianos12 pares de nervos cranianos  31 pares de nervos raquianos (31 pares de nervos raquianos (fazem conexão com a medula espinhal e são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros e parte da cabeça. São ao todo 31 pares, 33 se contados os dois pares de nervos coccígeos vestigiais, que correspondem aos 31 segmentos medulares existentes. São, pois, 8 pares de nervos cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais,1 coccígeo.)) Ligam o SNC às estruturas periféricas.Ligam o SNC às estruturas periféricas.             
  • 30. SNPSNP É constituído, principalmente pelos nervos, que são representantes dos axônios (fibras motoras) ou dos dendritos (fibras sensitivas). São as fibras nervosas dos nervos que fazem a ligação dos diversos tecidos do organismo com o SNC. Para a percepção da sensibilidade, na extremidade de cada fibra sensitiva há um dispositivo captador, denominado receptor, e uma expansão que coloca a fibra em relação com o elemento que reage ao impulso motor; este elemento na grande maioria dos casos é uma fibra muscular podendo ser também uma célula glandular. A estes elementos dá-se o nome de efetor. Portanto, o SNP é constituído por fibras que ligam o SNC ao receptor, no caso da transmissão de impulsos sensitivos; ou ao elemento efetor, quando o impulso é motor.
  • 31. Consiste de nervos que inervam os músculos lisos, o músculo estriado cardíaco e os epitélios glandulares. É dividido em: simpático e parassimpático Esses na maioria das vezes fazem a homeostasia atuando em direções opostas. Mas nem sempre é assim: a saliva é produzida tanto pela estimulação simpática (mais proteica) quanto pela parassimpática (mais líquida). No homem, o parassimpático responde pela ereção e o simpático pela ejaculação, ou seja, os dois sistemas possuem efeitos complementares. SNASNA
  • 33. SNA - pSNA - parassimpático O parassimpático é um sistema de contenção, causa bradicardia e diminui o consumo de energia. O nervo vago é um nervo misto (sensitivo e motor) e pertence ao parassimpático - controla a maioria das funções parassimpáticas por meio da liberação de acetilcolina. TGI: possui dominância parassimpática. É muito inervado pelo vago.
  • 34. SNA - simpáticoSNA - simpático O sistema nervoso autônomo simpático é acionadoO sistema nervoso autônomo simpático é acionado em estímulos deem estímulos de LUTA eLUTA e FUGAFUGA, as respostas são, as respostas são maciças e em cadeia.maciças e em cadeia. Nos pulmões, induz ao relaxamento do músculo lisoNos pulmões, induz ao relaxamento do músculo liso - broncodilatação e redução das secreções em- broncodilatação e redução das secreções em consequência da ativação do receptor beta2, comconsequência da ativação do receptor beta2, com isso ocorre também aumento da frequência cardíaca.isso ocorre também aumento da frequência cardíaca.
  • 35. SNA - simpáticoSNA - simpático Conjunto de fibras pré-ganglionares emerge da medula espinhal e libera acetilcolina na medula da adrenal. A seguir, a adrenal condicionada por situações de ameaça libera adrenalina. O simpático é um sistema de consumo de energia, de movimentação e de enfrentamento.
  • 36. O SNA nos olhos  O parassimpático provoca pupiloconstrição e foca o cristalino para perto.  O simpático provoca pupilodilatação e foca o cristalino para longe.
  • 37. SNASNA OBS: o córtex da adrenal libera corticoides (glicocorticoides e mineralocorticoides – aldosterona). São responsáveis pela liberação da aldosterona, hormônio também implicado na reação de alarme/defesa: a concentração baixa de sódio e o SARA. Ou seja, o mineralocorticoide está fora do controle da hipófise ao contrário dos glicocorticoides.
  • 39. Fibras nervosas Geralmente são formadas por um neurônio e seus envoltórios. As fibras envolvidas pela bainha de mielina são denominadas fibras mielínicas, sendo denominadas de amielínicas as fibras não envolvidas pela bainha de mielina. No SNC, a região que contém apenas fibras nervosas mielínicas e células da glia é denominada substância branca; e a região onde estão presentes corpos dos neurônios, fibras amielínicas e algumas neuróglias denomina-se substância cinzenta. No SNC as fibras reunidas formam fascículos e no SNP formam os nervos. No SNP, o axônio, ao longo de seu comprimento, é envolvido por células de Schwann (em axônios motores e na maioria dos sensitivos, formam-se duas bainhas, a de mielina mais interna e o neurilema mais externamente), que se interrompem em intervalos regulares chamados nódulos de Ranvier (onde se encontram os canais de sódio e potássio), sendo os espaços situados entre eles são denominados internódulos. Na terminação axônica, a bainha de mielina desaparece, porém permanece o neurilema (no SNC não há formação de neurilema).
  • 41. É sensível a vários tipos de estímulos que seÉ sensível a vários tipos de estímulos que se originam de fora ou do interior do organismo.originam de fora ou do interior do organismo. Ao ser estimulado, esse tecido torna-se capaz deAo ser estimulado, esse tecido torna-se capaz de conduzir os impulsos nervosos de maneira rápidaconduzir os impulsos nervosos de maneira rápida e, às vezes, por distâncias relativamente grandes.e, às vezes, por distâncias relativamente grandes. Trata-se de um dos tecidos mais especializados doTrata-se de um dos tecidos mais especializados do organismo animal.organismo animal. Tecido nervosoTecido nervoso
  • 42.
  • 43. Tecido nervosoTecido nervoso É composto basicamente por 2 tipos celulares:  os neurônios, que são a unidade fundamental do tecido nervoso, cuja função é receber, processar e enviar informações; estes, após o nascimento geralmente não se dividem, os que morrem, seja naturalmente ou por efeitos de toxinas ou traumatismos, jamais serão substituídos;  as células gliais (neuróglia), que são as células que ocupam os espaços entre os neurônios, com função de sustentação, revestimento, modulação da atividade neuronal e defesa; diferente dos neurônios, essas células mantêm a capacidade de mitose.
  • 45. NeurôniosNeurônios Os neurônios são células responsáveis pelosOs neurônios são células responsáveis pelos impulsos nervosos, são altamente especializadas,impulsos nervosos, são altamente especializadas, dotadas de um corpo celular e numerososdotadas de um corpo celular e numerosos prolongamentos citoplasmáticos, denominadosprolongamentos citoplasmáticos, denominados neurofibras ou fibras nervosas.neurofibras ou fibras nervosas. O corpo celular do neurônio contém um núcleoO corpo celular do neurônio contém um núcleo grande e arredondado. As mitocôndrias sãogrande e arredondado. As mitocôndrias são numerosas e o ergastoplasma é bem desenvolvido.numerosas e o ergastoplasma é bem desenvolvido.
  • 46. NeurôniosNeurônios Os prolongamentos do neurônio podem ser deOs prolongamentos do neurônio podem ser de dois tipos:dois tipos: - dendritos (do grego déndron: árvore),- dendritos (do grego déndron: árvore), ramificações que têm a função de captar estímulos,ramificações que têm a função de captar estímulos, - axônio (do grego áxon: eixo), o maior- axônio (do grego áxon: eixo), o maior prolongamento da célula nervosa (varia de fraçõesprolongamento da célula nervosa (varia de frações de milímetro até cerca de 1 metro), transmite osde milímetro até cerca de 1 metro), transmite os impulsos nervosos.impulsos nervosos.
  • 47. Os neurôniosOs neurônios Células muito especializadas que apresentam um ou mais prolongamentos, ao longo dos quais se desloca um sinal elétrico (impulso nervoso). Fazem a ligação entre as células receptoras dos diversos órgãos sensoriais e as células efetoras, (músculos e glândulas).
  • 48.
  • 49. Os neurôniosOs neurônios Podem ser classificados, com base no sentido em que conduzem impulsos ao SNC, em:  sensoriais ou aferentes - transmitem impulsos do exterior para o SNC.  motores ou eferentes – transmitem impulsos do SNC para o exterior;  de conexão - conduzem impulsos entre os outros 2 tipos de neurônios.
  • 50.
  • 51. 1) Corpo celular ou Pericário: contém o núcleo e o citoplasma, onde estão contidos ribossomas, REG, REA e CG. Centro metabólico do neurônio, tem como função sintetizar todas as proteínas neuronais e realizar a maioria dos processos de degradação e renovação de constituintes celulares. Do corpo celular partem prolongamentos: dendritos (que assim como o pericário, recebem estímulos) e axônios. Partes dos neurônios – corpo celularPartes dos neurônios – corpo celular
  • 52. 2) Dendritos: geralmente curtos, possuem os mesmos constituintes citoplasmáticos do pericário. Traduzem os estímulos recebidos em alterações do potencial de repouso da membrana, que envolvem entrada e saída de determinados íons, causando pequenas despolarizações (excitatória) ou hiperpolarizações (inibitória). Os potenciais gerados nos dendritos se propagam em direção ao corpo e, neste, em direção ao cone de implantação do axônio. Partes dos neurônios - dendritosPartes dos neurônios - dendritos
  • 53. 3) Axônio: prolongamento longo e fino, que pode medir de milímetros a mais de um metro, originado do corpo ou de um dendrito principal, a partir de uma região denominada cone de implantação. Possui membrana plasmática (axolema) e citoplasma (axoplasma). O axônio é capaz de gerar alteração de potencial de membrana (despolarização de grande amplitude) denominada potencial de ação ou impulso nervoso, e conduzi-lo até a terminação axônica, local onde ocorre a comunicação com outros axônios ou células efetuadoras. O local onde é gerado o impulso é chamado zona de gatilho. Esta especialização de membrana é devido à presença de canais de sódio e potássio, que ficam fechados no potencial de repouso, mas que se abrem quando despolarizações os atingem. Partes dos neurônios - axôniosPartes dos neurônios - axônios
  • 54. Partes dos neurônios - axôniosPartes dos neurônios - axônios Os axônios são cobertos por uma membrana denominada bainha de mielina, que possui a característica de isolante elétrico, impedindo que as cargas elétricas se dispersem. Assim, condução do impulso nervoso nas fibras mielínicas (com bainha de mielina) e amielínicas (sem bainha de mielina) difere na sua velocidade, sendo maior nas mielínicas. No trajeto do axônio, há regiões chamadas nódulos de Ranvier, em que a bainha de mielina é interrompida, gerando assim a condução saltatória, nos quais o impulso nervoso é ransmitido, aos saltos, de um nódulo de Ranvier ao outro, ao longo da fibra (axônio).
  • 55. Bainha de mielinaBainha de mielina Funciona como um isolante e, portanto permite a condução mais rápida do impulso nervoso, que em conseqüência dos nódulos de Ranvier, é saltatória.
  • 56.
  • 57.
  • 58. Mielinização das Fibras Nervosas • Oligodendrócitos – bainhas de mielina que envolvem as fibras nervosas situadas dentro da medula espinhal. As membranas plasmáticas destas células enrolam-se em torno do axônio, formando várias camadas. • Células do neurilema (Schwann) – estas células enrolam-se em torno dos axônios dos neurônios somáticos motores e dos neurônios motores autônomos pré-gânglionares fora do SNC. Enrolam-se também em torno dos neurônios somáticos e viscerais sensitivos, assim como em torno dos axônios dos neurônios motores autônomos pós- gânglionares.
  • 59. Neurônios como células excitáveis São células altamente excitáveis que se comunicam entre si ou com células efetuadoras (céls. musculares e secretoras) usando basicamente uma linguagem elétrica, as alterações do potencial de membrana. A membrana celular separa o meio intracelular, onde predominam íons K+ , do meio extracelular, onde predominam Na+ , Ca++ e certa quantidade Cl- . Essa diferença de cargas entre o meio interno e o meio externo estabelecem um potencial elétrico de membrana, que em geral nos neurônios, quando em repouso, é de aproximadamente -70mv. Na membrana estão presentes canais iônicos seletivos, que se abrem ou fecham, permitindo a passagem de íons de acordo com o gradiente de concentração.
  • 61.
  • 62.
  • 63. Neuroglia - células gliais São as células mais frequentes do tecido nervoso, que se relacionam com os neurônios.
  • 64. Células da gliaCélulas da glia Além dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-seAlém dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-se constituído pelas células glia, ou células gliais, cujaconstituído pelas células glia, ou células gliais, cuja função é dar sustentação aos neurônios e auxiliar o seufunção é dar sustentação aos neurônios e auxiliar o seu funcionamento. As células da glia constituem cerca defuncionamento. As células da glia constituem cerca de metade do volume do nosso encéfalo.metade do volume do nosso encéfalo. Há diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, porHá diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, por exemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sanguíneosexemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sanguíneos do encéfalo, controlando a passagem de substâncias dodo encéfalo, controlando a passagem de substâncias do sangue para as células do sistema nervoso. Ossangue para as células do sistema nervoso. Os oligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-seoligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-se sobre os axônios de certos neurônios, formandosobre os axônios de certos neurônios, formando envoltórios isolantes.envoltórios isolantes.
  • 65. Neuroglia - células gliais – no SNC Apresenta 4 tipos celulares: - astrócitos: têm a forma de estrela, com inúmeros prolongamentos; em grande quantidade. Têm como funções sustentação e isolamento de neurônios, controle dos níveis de potássio extraneuronal e armazenamento de glicogênio no SNC. - oligodendrócitos: em conjunto com os astrócitos, denominam-se macróglia. São células menores que as primeiras, com poucos prolongamentos. - microgliócitos: células pequenas com poucos prolongamentos, presentes tanto na substância branca, como na substância cinzenta, com principal função de fagocitose. - células ependimárias: com disposição epitelial e geralmente ciliadas, revestem as paredes dos ventrículos cerebrais, do aqueducto cerebral e do canal da medula espinhal. - Em conjunto com os microgliócitos, formam a micróglia.
  • 66. GliócitosGliócitos Possuem a função de envolver e nutrir os neurônios, mantendo-osPossuem a função de envolver e nutrir os neurônios, mantendo-os unidos. Os principais tipos de células desta natureza são os astrócitos,unidos. Os principais tipos de células desta natureza são os astrócitos, oligodendrócitos, micróglias e células de Swann.oligodendrócitos, micróglias e células de Swann. Os prolongamentos de algumas destas células enrolam-se nos axôniosOs prolongamentos de algumas destas células enrolam-se nos axônios e formam, ao redor deles, a bainha de mielina, que atua como isolantee formam, ao redor deles, a bainha de mielina, que atua como isolante elétrico e contribui para o aumento da velocidade de propagação doelétrico e contribui para o aumento da velocidade de propagação do impulso nervoso ao longo do axônio.impulso nervoso ao longo do axônio. A bainha de mielina, porém, não é contínua. Entre uma célula deA bainha de mielina, porém, não é contínua. Entre uma célula de Schwann e outra existe uma região de descontinuidade da bainha, oSchwann e outra existe uma região de descontinuidade da bainha, o que acarreta a existência de uma constrição (estrangulamento)que acarreta a existência de uma constrição (estrangulamento) denominada nódulo de Ranvier.denominada nódulo de Ranvier. Existem axônios em que as células de Schwann não formam a bainhaExistem axônios em que as células de Schwann não formam a bainha de mielina. Por isso, há duas variedades de axônios: os mielínicos e osde mielina. Por isso, há duas variedades de axônios: os mielínicos e os amielínicos. Em uma fibra mielinizada, temos três bainhasamielínicos. Em uma fibra mielinizada, temos três bainhas envolvendo o axônio: bainha de mielina (de natureza lipídica), bainhaenvolvendo o axônio: bainha de mielina (de natureza lipídica), bainha de Schwann e o endoneuro.de Schwann e o endoneuro.
  • 68. Neuroglia - células gliais – no SNP No SNP, a neuroglia compreende dois tipos celulares: as células satélites, que envolvem os pericários dos neurônios dos gânglios sensitivos e do SNA; e as células de Schwann que circundam os axônios formando a bainha de mielina e o neurilema e que têm importante função na regeneração das fibras nervosas.
  • 69. Impulsos nervososImpulsos nervosos A despolarização e a repolarização de um neurônio ocorremA despolarização e a repolarização de um neurônio ocorrem devido as modificações na permeabilidade da membranadevido as modificações na permeabilidade da membrana plasmática. Em um primeiro instante, abrem-se "portas deplasmática. Em um primeiro instante, abrem-se "portas de passagem" de Na+, permitindo a entrada de grande quantidadepassagem" de Na+, permitindo a entrada de grande quantidade desses íons na célula. Com isso, aumenta a quantidade relativa dedesses íons na célula. Com isso, aumenta a quantidade relativa de carga positiva na região interna na membrana, provocando suacarga positiva na região interna na membrana, provocando sua despolarização. Em seguida abrem-se as "portas de passagem" dedespolarização. Em seguida abrem-se as "portas de passagem" de K+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. ComK+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. Com isso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargasisso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargas negativas (repolarização). A despolarização em uma região danegativas (repolarização). A despolarização em uma região da membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo (ms).membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo (ms). O estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações eO estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações e repolarizações que se propaga ao longo da membrana plasmáticarepolarizações que se propaga ao longo da membrana plasmática do neurônio. Essa onda de propagação é odo neurônio. Essa onda de propagação é o impulso nervoso, queimpulso nervoso, que se propaga em um único sentido na fibra nervosa.se propaga em um único sentido na fibra nervosa.
  • 70. Impulsos nervososImpulsos nervosos Sempre são conduzidos em um únicoSempre são conduzidos em um único sentido: passam do axônio de umasentido: passam do axônio de uma célula nervosa para os dendritos decélula nervosa para os dendritos de outra.outra. O que garante esse fluxo é a sinapse.O que garante esse fluxo é a sinapse.
  • 71. Impulsos nervososImpulsos nervosos Só passam de um neurônio para outro na presença dosSó passam de um neurônio para outro na presença dos mediadores químicos - neurormônios oumediadores químicos - neurormônios ou neurotransmissores (serotonina, dopamina, adrenalina,neurotransmissores (serotonina, dopamina, adrenalina, acetilcolina, noradrenalina).acetilcolina, noradrenalina). Esses encontram-se em vesículas nas terminações dosEsses encontram-se em vesículas nas terminações dos axônios. São liberados na fenda sináptica e captados.axônios. São liberados na fenda sináptica e captados. Fenda sináptica = espaço entre 2 neurônios.Fenda sináptica = espaço entre 2 neurônios. Lembrar que os neurônios nunca se encostam.Lembrar que os neurônios nunca se encostam.
  • 72. Impulsos nervososImpulsos nervosos transmissãotransmissão O impulso nervoso inicia-se pela etapa deO impulso nervoso inicia-se pela etapa de despolarizaçãodespolarização, em que a membrana torna-se, em que a membrana torna-se extremamente permeável aos íons Naextremamente permeável aos íons Na++ , ocorre, ocorre então influxo de Naentão influxo de Na++ e, consequente aumento dee, consequente aumento de carga positiva no interior da célula.carga positiva no interior da célula. A abertura dos canais de KA abertura dos canais de K++ ocorre durante aocorre durante a repolarizaçãorepolarização, etapa em que também ocorre o, etapa em que também ocorre o fechamento dos canais de Nafechamento dos canais de Na++ ..
  • 73. Impulsos nervosos -Impulsos nervosos - transmissãotransmissão O impulso é captado pelos dendritos, passa ao corpo celular e deste para o axônio, que o envia para a célula seguinte. No estado de repouso, o neurônio encontra-se polarizado, ou seja, o interior está carregado mais negativamente que o exterior. Ao atingir a membrana celular, o estímulo altera a permeabilidade aos íons Na+ e K + no ponto excitado, permitindo assim, um influxo (entrada) de íons sódio (Na+ ) e a saída de íons potássio (K+ ). Neste momento ocorre a despolarização, ou seja, diminui a negatividade no interior da célula. A entrada inicial de íons Na + provoca a abertura de canais para esses íons nos segmentos seguintes, de modo que o processo se repete e o impulso nervoso se transmite através de todo o neurônio.
  • 74. SinapseSinapse As sinapses podem existir entre:  2 neurônios,  célula sensorial e neurônio  neurônio e órgão efetor (músculo ou glândula). Quando a célula efetora é um músculo, o local da sinapse é chamado de placa motora.
  • 75. SinapseSinapse O neurônio apresenta 3 partes distintas: o dendrito, oO neurônio apresenta 3 partes distintas: o dendrito, o corpo celular (está o núcleo) e o axônio (eixo único que secorpo celular (está o núcleo) e o axônio (eixo único que se ramifica na extremidade). Essas ramificações do axônioramifica na extremidade). Essas ramificações do axônio podem ligar-se ao dendrito de outro axônio ou a umpodem ligar-se ao dendrito de outro axônio ou a um músculo.músculo. No espaço entre as partes unidas, são lançadas substânciasNo espaço entre as partes unidas, são lançadas substâncias — os neurotransmissores — produzidas no citoplasma do— os neurotransmissores — produzidas no citoplasma do axônio.axônio. Essa produção pode ser inibida por alguns tipos deEssa produção pode ser inibida por alguns tipos de anestésico, como o curare. Outros agem sobre o corpoanestésico, como o curare. Outros agem sobre o corpo celular, impedindo a polarização e a despolarização dacelular, impedindo a polarização e a despolarização da célula.célula.
  • 77.
  • 78.
  • 79. Impulsos nervososImpulsos nervosos sinapse elétrica Em alguns tipos de neurônios, o potencial de ação se propaga diretamente do neurônio pré- sináptico para o pós-sináptico, sem intermediação de neurotransmissores. As sinapses elétricas ocorrem no SNC, atuando na sincronização de certos movimentos rápidos.
  • 80. Sinapses elétricasSinapses elétricas São exclusivamente interneuronais e raras em vertebrados. A comunicação entre 2 neurônios se dá através de canais iônicos presentes em cada uma das membranas em contato, que permitem a passagem direta de pequenas moléculas do citoplasma de uma das células para o da outra. Ao contrário das sinapses químicas, estas não são polarizadas, ou seja, a comunicação se faz nos dois sentidos.
  • 81. Sinapses neuromuscularesSinapses neuromusculares A ligação entre as terminações axônicas e asA ligação entre as terminações axônicas e as células musculares é chamada sinapsecélulas musculares é chamada sinapse neuromuscular e nela ocorre liberação daneuromuscular e nela ocorre liberação da substância neurotransmissora acetilcolina quesubstância neurotransmissora acetilcolina que estimula a contração muscular.estimula a contração muscular.
  • 82. Sinapses químicasSinapses químicas Ocorrem na maioria das sinapses interneuronais e em todas as sinapses neuroefetuadoras. Esta comunicação depende da liberação de uma substância química chamada neurotransmissor, que está presente no elemento pré-sináptico armazenado em vesículas sinápticas.
  • 83.
  • 84. Impulsos nervososImpulsos nervosos sinapse química Nestas, o sinal elétrico que chega à terminação axônica, provoca a liberação de neurotransmissores, mensageiros químicos presentes no interior de vesículas na terminação axônica. Ao atingir a terminação axônica, o potencial de ação faz com que as vesículas se fusionem com a membrana da terminação, liberando os neurotransmissores que estavam contidos para a fenda sináptica (espaço virtual entre o neurônio e a célula efetora). Ao serem liberados na fenda sináptica, os neurotransmissores se ligam a receptores específicos presentes na membrana da célula pós-sináptica (célula efetora). A ligação do neurotransmissor com o seu receptor específico, gera uma alteração no potencial de membrana da célula efetora, transmitindo o impulso nervoso e gerando uma resposta (contração muscular, por exemplo).
  • 85. Impulsos nervososImpulsos nervosos conclusão A transmissão do impulso implica a transformação de um sinal elétrico em um sinal químico que, posteriormente, é transformado em um outro sinal elétrico.
  • 86.
  • 87.
  • 88. SinapsesSinapses São regiões de conexão química estabelecidas entre um neurônio eSão regiões de conexão química estabelecidas entre um neurônio e outro; entre um neurônio e uma fibra muscular ou entre umoutro; entre um neurônio e uma fibra muscular ou entre um neurônio e uma célula glandular.neurônio e uma célula glandular. As sinapses podem ser:As sinapses podem ser: . interneurais (entre um neurônio e outro). interneurais (entre um neurônio e outro) . neuromusculares (entre um neurônio e uma fibra muscular). neuromusculares (entre um neurônio e uma fibra muscular) . neuroglandulares (entre um neurônio e uma célula glandular). neuroglandulares (entre um neurônio e uma célula glandular) Um neurônio não se comunica fisicamente com outro neurônio nemUm neurônio não se comunica fisicamente com outro neurônio nem com a fibra muscular, tampouco com a célula glandular. Existe entrecom a fibra muscular, tampouco com a célula glandular. Existe entre eles um microespaço, denominado espaço sináptico, no qual umeles um microespaço, denominado espaço sináptico, no qual um neurônio transmite o impulso nervoso para outro através da ação deneurônio transmite o impulso nervoso para outro através da ação de mediadores químicos ou neurormônios.mediadores químicos ou neurormônios.
  • 89. Transmissão sinápticaTransmissão sináptica Quando um impulso nervoso atinge a membrana pré-sináptica (neurônio) ocorre uma alteração no seu potencial, abrindo os canais de sódio que permitem a sua entrada na célula, aumentando assim, a quantidade deste íon no seu interior. Este aumento estimula a liberação do neurotransmissor na fenda sináptica, que atinge os receptores da célula pós-sináptica. Estes receptores podem ser canais iônicos que se abrem quando em contato com o neurotransmissor, permitindo a entrada ou saída de determinados íons. A movimentação de íons, tanto para dentro, quanto para fora, causa alterações no potencial de membrana (no caso de entrada de Na uma despolarização, e quando há entrada de Cl, uma hiperpolarização).
  • 90. Transmissão sinápticaTransmissão sináptica Quando o receptor não é um canal iônico, a sua combinação com o neurotransmissor gera uma nova molécula chamada de segundo mensageiro, que causará modificações na célula pós-sináptica. Após o contato com o receptor, é necessário que o neurotransmissor seja removido da fenda sináptica para que não haja excitação ou inibição por tempo prolongado. Essa remoção pode ser feita por ação enzimática ou por recaptação pela membrana pré-sináptica; e uma vez dentro da terminação nervosa, o neurotransmissor pode ser reutilizado ou inativado.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94. NeurotransmissoresNeurotransmissores . endorfinas e encefalinas: bloqueiam a dor, agindo naturalmente no corpo como analgésicos. . dopamina: neurotransmissor inibitório derivado da tirosina. Produz sensações de satisfação e prazer. Os neurônios dopaminérgicos podem ser divididos em três subgrupos com diferentes funções. O primeiro grupo regula os movimentos: uma deficiência de dopamina neste sistema provoca a doença de Parkinson, caracterizada por tremuras, inflexibilidade, e outras desordens motoras, e em fases avançadas pode verificar-se demência.
  • 95. NeurotransmissoresNeurotransmissores · Serotonina: neurotransmissor derivado do triptofano regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas. Atualmente vem sendo intimamente relacionada aos transtornos do humor, ou transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos chamados antidepressivos age produzindo um aumento da disponibilidade dessa substância no espaço entre um neurônio e outro. Tem efeito inibidor da conduta e modulador geral da atividade psíquica. Influi sobre quase todas as funções cerebrais, inibindo-a de forma direta ou estimulando o sistema GABA.
  • 96. NeurotransmissoresNeurotransmissores . GABA (ácido gama-aminobutírico): principal neurotransmissor inibitório do SNC. Presente em quase todas as regiões do cérebro, com concentração variada. Está envolvido com os processos de ansiedade. Seu efeito ansiolítico seria fruto de alterações provocadas em diversas estruturas do sistema límbico, inclusive a amígdala e o hipocampo. A inibição da síntese do GABA ou o bloqueio de seus neurotransmissores no SNC, resultam em estimulação intensa, manifestada através de convulsões generalizadas. . Ácido glutâmico ou glutamato: principal neurotransmissor estimulador do SNC. A sua ativação aumenta a sensibilidade aos estímulos dos outros neurotransmissores.
  • 97. Atuação dos neurormôniosAtuação dos neurormônios Os neurormônios estão contidos em microvesículasOs neurormônios estão contidos em microvesículas presentes nas extremidades do axônio.presentes nas extremidades do axônio. Quando o impulso nervoso chega até essas extremidades, asQuando o impulso nervoso chega até essas extremidades, as microvesículas liberam o mediador químico para o espaçomicrovesículas liberam o mediador químico para o espaço sináptico. O neurormônio, então, combina-se comsináptico. O neurormônio, então, combina-se com receptores moleculares presentes no neurônio que deveráreceptores moleculares presentes no neurônio que deverá ser estimulado (ou na fibra muscular ou na célula glandular).ser estimulado (ou na fibra muscular ou na célula glandular). Dessa combinação resulta a mudança na permeabilidade daDessa combinação resulta a mudança na permeabilidade da membrana da célula receptora, fato que desencadeia umamembrana da célula receptora, fato que desencadeia uma entrada de íons no interior da célula e a conseqüenteentrada de íons no interior da célula e a conseqüente inversão da polaridade da membrana. Surge, então, uminversão da polaridade da membrana. Surge, então, um potencial de ação que gera, na célula receptora, um impulsopotencial de ação que gera, na célula receptora, um impulso nervoso.nervoso.
  • 98. NervosNervos As fibras nervosas organizam-se em feixes. Cada feixe, por sua vez, éAs fibras nervosas organizam-se em feixes. Cada feixe, por sua vez, é envolvido por uma bainha conjuntiva denominada perineuro. Váriosenvolvido por uma bainha conjuntiva denominada perineuro. Vários feixes agrupados paralelamente formam um nervo. O nervo também éfeixes agrupados paralelamente formam um nervo. O nervo também é envolvido por uma bainha de tecido conjuntivo chamada epineuro.envolvido por uma bainha de tecido conjuntivo chamada epineuro. Os nervos não contêm os corpos celulares dos neurônios; esses corposOs nervos não contêm os corpos celulares dos neurônios; esses corpos celulares localizam-se no sistema nervoso central ou nos gânglioscelulares localizam-se no sistema nervoso central ou nos gânglios nervosos, que podem ser observados próximos à medula espinhal.nervosos, que podem ser observados próximos à medula espinhal. Quando partem do encéfalo, são chamados de cranianos; quandoQuando partem do encéfalo, são chamados de cranianos; quando partem da medula espinhal, denominam raquidianos.partem da medula espinhal, denominam raquidianos. Os nervos permitem a comunicação dos centros nervosos com osOs nervos permitem a comunicação dos centros nervosos com os órgãos receptores (sensoriais) ou, ainda, com os órgãos efetoresórgãos receptores (sensoriais) ou, ainda, com os órgãos efetores (músculos e glândulas).(músculos e glândulas).
  • 99. NervosNervos De acordo com o sentido da transmissão do impulso nervoso, osDe acordo com o sentido da transmissão do impulso nervoso, os nervos podem ser:nervos podem ser: - sensitivos ou aferentes: quando transmitem os impulsos- sensitivos ou aferentes: quando transmitem os impulsos nervosos dos órgãos receptores até o sistema nervoso central;nervosos dos órgãos receptores até o sistema nervoso central; - motores ou eferentes: quando transmitem os impulsos- motores ou eferentes: quando transmitem os impulsos nervosos do sistema nervoso central para os órgãos efetores;nervosos do sistema nervoso central para os órgãos efetores; - mistos: quando possuem tanto fibras sensitivas quanto fibras- mistos: quando possuem tanto fibras sensitivas quanto fibras motoras. São os mais comuns no organismo.motoras. São os mais comuns no organismo.
  • 100. Estrutura do NervoEstrutura do Nervo Os nervos apresentam cor branca porque são formados por grande quantidade de fibras mielínicas (a mielina, invólucro principalmente lipídico, apresenta coloração esbranquiçada). Um nervo contém feixes de fibras nervosas, (utiliza-se o termo fibra nervosa para designar o axônio ou os dendritos) envolvidas por uma membrana conjuntiva resistente. Cada feixe é, por sua vez, envolvido por uma bainha conjuntivo; entre os feixes existe tecido conjuntivo que encerra vasos sanguíneos.
  • 101.
  • 102.
  • 103. ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS São aplicados localmente no tecido nervoso bloqueando,São aplicados localmente no tecido nervoso bloqueando, de forma reversível, o potencial de ação.de forma reversível, o potencial de ação. Histórico:Histórico: - utilização da cocaína como anestésico local.- utilização da cocaína como anestésico local. - largamente utilizados, a princípio, nas cirurgias dos- largamente utilizados, a princípio, nas cirurgias dos olhos e na odontologia – reconhece-se a propriedadeolhos e na odontologia – reconhece-se a propriedade viciante da substância.viciante da substância. - síntese de análogos da cocaína sem a porção viciante- síntese de análogos da cocaína sem a porção viciante (os análogos possuem uma porção hidrofóbica, que(os análogos possuem uma porção hidrofóbica, que determina seu potencial e duração de ação).determina seu potencial e duração de ação).
  • 104. ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS Mecanismo de AçãoMecanismo de Ação Evitam a geração e a condução do impulsoEvitam a geração e a condução do impulso nervoso, pois bloqueiam os canais de Nanervoso, pois bloqueiam os canais de Na operados por voltagem (VOC), os canais de Naoperados por voltagem (VOC), os canais de Na operados por ligantes (ROC) permanecemoperados por ligantes (ROC) permanecem ativados e são despolarizados no processo daativados e são despolarizados no processo da dor. Contudo, por mais que os canais de Nador. Contudo, por mais que os canais de Na ROC estejam despolarizados, não haveráROC estejam despolarizados, não haverá propagação do potencial de ação já que nãopropagação do potencial de ação já que não ocorre pico de despolarização (mediado porocorre pico de despolarização (mediado por canais de Na do tipo VOC).canais de Na do tipo VOC).
  • 105. ANESTÉSICOS LOCAISANESTÉSICOS LOCAIS Mecanismo de AçãoMecanismo de Ação Lembrem-se que a dor é percebida pelo SNC noLembrem-se que a dor é percebida pelo SNC no momento em que os nociceptores são estimulados emomento em que os nociceptores são estimulados e que o impulso se propaga pelas vias da dor até o tálamoque o impulso se propaga pelas vias da dor até o tálamo e posteriormente ao cérebro (região da consciência ee posteriormente ao cérebro (região da consciência e interpretação).interpretação). Para que haja estímulo do potencial de ação, deve haverPara que haja estímulo do potencial de ação, deve haver um mecanismo de lesão tecidual que, por sua vez,um mecanismo de lesão tecidual que, por sua vez, quando lesado, liberará mediadores químicos dolorososquando lesado, liberará mediadores químicos dolorosos como, por exemplo: substância P, bradicinina,como, por exemplo: substância P, bradicinina, prostaglandinas, tromboxanos, histamina, leucotrienos,prostaglandinas, tromboxanos, histamina, leucotrienos, entre outros.entre outros. Dentre a classe de fármacos que bloqueiam a formaçãoDentre a classe de fármacos que bloqueiam a formação destes mediadores químicos estão os analgésicos.destes mediadores químicos estão os analgésicos.
  • 106. DoppingDopping Também chamado de “dopagem” é a administraçãoTambém chamado de “dopagem” é a administração ilícita de uma droga estimulante ou estupefaciente comilícita de uma droga estimulante ou estupefaciente com vistas a suprimir temporariamente a fadiga, aumentar ouvistas a suprimir temporariamente a fadiga, aumentar ou diminuir a velocidade, melhorar ou piorar a atuação dediminuir a velocidade, melhorar ou piorar a atuação de um animal ou esportista.um animal ou esportista. A comissão médica do comitê olímpico internacionalA comissão médica do comitê olímpico internacional instituiu durante os jogos olímpicos do México (1968) ainstituiu durante os jogos olímpicos do México (1968) a aplicação de testes anti-dopping sistemáticos, decidindoaplicação de testes anti-dopping sistemáticos, decidindo que seriam excluídos dos jogos os atletasque seriam excluídos dos jogos os atletas comprovadamente dopados.comprovadamente dopados.
  • 107. 5 principais grupos5 principais grupos ESTIMULANTES PSICOMOTORES: anfetamina,ESTIMULANTES PSICOMOTORES: anfetamina, cocaína, moderadores de apetite.cocaína, moderadores de apetite. - AMINAS SIMPATICOMIMÉTICOS: estimulam o- AMINAS SIMPATICOMIMÉTICOS: estimulam o SNC, como vasoconstritores nasais que têm efedrina.SNC, como vasoconstritores nasais que têm efedrina. - OUTROS ESTIMULANTES DO SNC: cafeína,- OUTROS ESTIMULANTES DO SNC: cafeína, aminofilina.aminofilina. - ANALGÉSICOS-NARCÓTICOS: codeína,- ANALGÉSICOS-NARCÓTICOS: codeína, morfina, heroína.morfina, heroína. - ESTERÓIDES ANABÓLICOS: hormônios- ESTERÓIDES ANABÓLICOS: hormônios masculinos.masculinos.
  • 108. Efeitos colateraisEfeitos colaterais Com exceção dos esteróides, os efeitos dos outros gruposCom exceção dos esteróides, os efeitos dos outros grupos assemelham-se.assemelham-se. As anfetaminas (que são bolinhas) são estimulantes do SNC.As anfetaminas (que são bolinhas) são estimulantes do SNC. Infelizmente, ainda são muito usadas e provocam a elevaçãoInfelizmente, ainda são muito usadas e provocam a elevação da pressão arterial, de freqüência cardíaca, do atleta,da pressão arterial, de freqüência cardíaca, do atleta, diminuem, diminuem o medo e aceleram o metabolismo dasdiminuem, diminuem o medo e aceleram o metabolismo das células. Doses pequenas já produzem esses efeitos depois decélulas. Doses pequenas já produzem esses efeitos depois de 30 minutos.30 minutos. Efeitos colaterais não faltam: tonturas, dores de cabeça,Efeitos colaterais não faltam: tonturas, dores de cabeça, insônia, mal estar, cansaço fácil e, principalmente ainsônia, mal estar, cansaço fácil e, principalmente a dependência da droga, que quase sempre evolui para drogasdependência da droga, que quase sempre evolui para drogas mais potentes e mais perigosas. Muitas vezes os efeitos sãomais potentes e mais perigosas. Muitas vezes os efeitos são mais psicológicos do que fisiológicos.mais psicológicos do que fisiológicos.
  • 109. Consultas realizadasConsultas realizadas  Embriologia Básica; Keith L. Moore, PhD. 2000  www.sogab.com.br  Raniê Ralph - Farmacologia - Prof. Fernando.  Profa. Juliana S. do Valle - Fisiologia Humana e Biofísica  http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=6&mat , em 17/9/2009  Rafael RizziRafael Rizzi  Mariana Araguaia - Equipe Brasil EscolaMariana Araguaia - Equipe Brasil Escola