SlideShare uma empresa Scribd logo
Anti-hipertensivos
Enfª R1 Gabrielle Pessôa
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Maio
2015
Objetivos
• Relembrar os receptores cardíacos.
• Elencar os principais anti-hipertensivos e explanar seus
mecanismos de ação.
• Apresentar os efeitos colaterais mais comuns dos anti-
hipertensivos.
• Apontar alguns cuidados de enfermagem em relação ao
uso dos anti-hipertensivos.
Receptores adrenérgicos
ALFA BETA
ALFA 1
ALFA 2 BETA 2
BETA 1
(GUYTON; HALL, 2008)
Músculo liso vascular
Pré-sinápticos: SNC
Pós-sinápticos: Músculo liso
vascular periférico + SNC
Miocárdio
Músculos liso vascular
bronquial, uterino e
no músculo liso na pele
Tratamento Anti-hipertensivo
“Frequentemente, pela característica multifatorial da doença, o
tratamento da HAS requer associação de dois ou mais anti-
hipertensivos (BRASIL, 2013).”
Anti-hipertensivos
1. Diuréticos
2. Inibidores de ação central
3. Alfa1-bloqueadores
4. Betabloqueadores
5. Vasodilatadores diretos
6. Antagonistas dos canais de cálcio
7. Inibidores da enzima conversora de
angiotensina
8. Bloqueadores do receptor AT1
9. Inibidores diretos da renina
 Classe mais utilizada devido sua eficácia e baixo
custo.
 Ação anti-hipertensiva devido seus efeitos
diurético e natriurético:
 Classificados em três grupos de acordo com o
local de ação no túbulo renal.
Volume
extracel
ular
RVP
Diuréticos
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
 Tiazídicos:
 Agem na porção proximal do túbulo contorcido distal do nefrón
proporcionando uma natriurese de intensidade moderada.
 Indicados para pacientes com função renal e cardíaca preservadas.
 Efeitos Colaterais: hipocalemia, hipomagnesemia, hiperuricemia,
hiponatremia, hiperlipidemia, disfunção erétil e alterações no metabolismo
do cálcio e glicose.
 Ex.: Hidroclorotiazida
Diuréticos
Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Diuréticos de alça:
 Agem na porção espessa da alça de Henle do nefrón
proporcionando maior natriurese que os tiazídicos.
 Indicados para pacientes com alteração da função renal ou
insuficiência cardíaca.
 Efeitos Colaterais:desidratação e hipotensão
 Ex.: Furosemida
Diuréticos
Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Poupadores de potássio:
 Agem no terço distal do túbulo contorcido distal promovendo
natriurese de pequena intensidade e reduzindo a excreção de
potássio.
 Indicados para pacientes vulneráveis à hipocalemia.
 Efeitos Colaterais: disfunção erétil e ginecomastia
 Ex.: Espironolactona.
Diuréticos
Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Inibidores de ação central
Estimulam o receptor alfa-2-adrenérgico no SNC
diminuindo o tônus simpático vascular.
Uso não muito frequente devido seus efeitos colaterais.
Ex.: Metildopa (sedação, tontura, boca seca, cefaleia,
congestão nasal e impotência sexual) e Clonidina
(Tontura, boca seca, crise hipertensiva de rebote).
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Alfa1-bloqueadores
Bloqueiam a ativação pós-sináptica dos receptores alfa-1
promovendo vasodilatação e redução da RVP.
Uso inicial sugerido em pacientes idosos com sintomas
de hiperplasia prostática benigna
Efeitos Colaterais: Hipotensão, tontura, cefaleia,
congestão nasal.
Ex.: Doxazosina, Prazosina, Terazosina
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Betabloqueadores
Reduzem o débito cardíaco, a secreção de renina, a
readaptação dos barorreceptores e diminuem as
catecolaminas nas sinapses nervosas.
Efeitos Colaterais: Broncoespasmo, Bradicardia
excessiva, BAV.
Ex.: Propanolol, Atenolol, Metoprolol, Bisoprolol,
Carvedilol.
Não seletivo Seletivo Alfa e
betabloqueador
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Vasodilatadores diretos
Atuam na musculatura da parede vascular promovendo
relaxamento muscular e consequentemente
vasodilatação e redução da RVP.
Utilizados na HAS resistente.
Efeitos Colaterais: cefaleia, hipotensão postural,
taquicardia, distúrbios TGI.
Ex.: Hidralazina e Minoxidil
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Antagonistas dos canais de cálcio
Diminuem a concentração de cálcio livre intracelular nas
células musculares lisas vasculares, levando a potente
vasodilatação arteríolar e reduzindo RVP.
Divididos em três subgrupos.
X Fonte: http://www.polbr.med.br
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Fenilalquilaminas:
 Verapamil é a droga representante- depressor do
miocárdio e anti-hipertensivo potente quando associado
ao IECA ou betabloqueador.
 Uso endovenoso deve ser cauteloso.
 Efeitos Colaterais: obstipação intestinal,
descompensação de IC e bloqueio de condução.
Antagonistas dos canais de cálcio
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Benzodiazepinas:
 Diltiazem é a droga representante- menos depressor
miocárdico
 Eficaz em angina e hipertensão
 Efeitos Colaterais: bradicardia excessiva e BAV
Diidropiridínicos:
 Afinidade vascular preponderante
 Anlodipino e Nifedipino
 Efeitos colaterais: edema maleolar, cefaleia, rubor facial,
tontura e palpitação.
Antagonistas dos canais de cálcio
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Inibidores da enzima conversora de
angiotensina (IECA)
Bloqueiam a transformação de angiotensina I em II
(responsável por vasoconstrição)
Efeitos colaterais: tosse seca, hipercalemia e
angioedema.
Ex.: Captopril, enalapril, lisinopril
‘
Fonte: http://www.cescage.com.br/ead/modulos.php?id_m=711
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Bloqueador de receptor AT1 da
angiotensina II
Bloqueiam o receptor específico da angiotensina
II, inibindo sua ação vasoconstritora.
Efeitos Colaterais: cefaleia, tontura e reação de
hispersensibilidade
Ex.: Losartana, Valsartana
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
Inibidores diretos da renina
Inibição direta da ação da renina com consequente
diminuição de angiotensina II.
Efeitos Colaterais: “Rash” cutâneo, diarréia, aumento de
CPK e tosse.
Ex.: Alisquireno
x
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia
(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011;)
Cuidados de enfermagem
• Antecipar o desenvolvimento de hipotensão postural e
realizar medidas para prevenir sua ocorrência.
• Não administrar diuréticos após o meio da tarde, para
prevenir noctúria.
• Orientar o paciente para sinais de hipocalemia, tais
como fraqueza e câimbras musculares.
• Orientar sobre uma dieta rica em potássio (frutas
cítricas, tomate, banana).
• Manter registros de ingestão e débito hídrico e
monitorar uma redução da atividade diurética.
Cuidados de enfermagem
• Orientar os pacientes idosos quanto a sua suscetibilidade
à diurese excessiva e desidratação.
• Orientar o paciente para evitar ingerir bebida contendo
álcool e exercícios físicos em dias quentes.
• Monitorar a ocorrência de hipotensão e bradicardia.
• Monitorizar a glicose do paciente diabético.
• Os betabloqueadores podem mascarar os sinais de
choque e hipoglicemia.
“[...] ressaltamos a importância da equipe de enfermagem na
administração de fármacos anti-hipertensivos, pois depois de
definida a prescrição pelo médico, os demais cuidados da
administração de medicamentos são, principalmente, realizados
pelo enfermeiro. Portanto, este necessita de conhecimentos de
farmacologia, quanto ao mecanismo de ação, interações
entre fármacos, aprazamento, vias de administração e
dosagens (CUNHA; LOPES; LEITE, 2010)”.
Referências Bibliográficas
 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de
Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica:
hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
 CUNHA, G.H.; LOPES, M.V.O.; LEITE, I.O.; Tratamento farmacológico da
hipertensão arterial em unidade de terapia intensiva coronariana. Revista
da Rede de Enfermagem do Nordeste. Fortaleza, v. 11, n. 3, p. 143-152, jul./set.2010.
 GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro,
RJ: Guanabara Koogan, 2008.
 PEDROSA, L.C.; JUNIOR, W.O.; Doenças do coração diagnóstico e
tratamento. Revinter, 2011.
 SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO. Diretrizes Brasileiras de
Hipertensão VI. Revista Hipertensão. Ano 13, volume 13, número 1, 2010.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
resenfe2013
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
resenfe2013
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
tatiany ferreira de oliveira
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativas
galegoo
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
Leonardo Souza
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Prescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica HospitalarPrescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica Hospitalar
Francismar Prestes Leal
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativas
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Prescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica HospitalarPrescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica Hospitalar
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 

Semelhante a Anti-hipertensivos

aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdfaula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
AngelicaCostaMeirele2
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
Harlyson David
 
Perguntas práticas de anti
Perguntas práticas de antiPerguntas práticas de anti
Perguntas práticas de anti
master morfeu
 
Protocolo mi ps_gastro 1_novo
Protocolo mi ps_gastro 1_novoProtocolo mi ps_gastro 1_novo
Protocolo mi ps_gastro 1_novo
Arquivo-FClinico
 
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivos
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivosCap 5 -_farmacos_antihipertensivos
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivos
Camila Gonzaga
 
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivosFarmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
Cíntia Costa
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
João Tajara de Oliveira
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
João Tajara de Oliveira
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
Dario Hart
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
Gisele Doula
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
ProfYasminBlanco
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
FrancielleConstantin
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
ProfYasminBlanco
 
Idor fsc2
Idor fsc2Idor fsc2
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
Arquivo-FClinico
 
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema DigestórioFármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Simara Alves
 
Apresentação.ppt
 Apresentação.ppt  Apresentação.ppt
Apresentação.ppt
janinemagalhaes
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
Cíntia Costa
 
Betabloqueadores adrenérgicos
Betabloqueadores adrenérgicosBetabloqueadores adrenérgicos
Betabloqueadores adrenérgicos
Bruno Gomes
 

Semelhante a Anti-hipertensivos (20)

aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdfaula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
 
Perguntas práticas de anti
Perguntas práticas de antiPerguntas práticas de anti
Perguntas práticas de anti
 
Protocolo mi ps_gastro 1_novo
Protocolo mi ps_gastro 1_novoProtocolo mi ps_gastro 1_novo
Protocolo mi ps_gastro 1_novo
 
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivos
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivosCap 5 -_farmacos_antihipertensivos
Cap 5 -_farmacos_antihipertensivos
 
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivosFarmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivos
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
 
Idor fsc2
Idor fsc2Idor fsc2
Idor fsc2
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema DigestórioFármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema Digestório
 
Apresentação.ppt
 Apresentação.ppt  Apresentação.ppt
Apresentação.ppt
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Betabloqueadores adrenérgicos
Betabloqueadores adrenérgicosBetabloqueadores adrenérgicos
Betabloqueadores adrenérgicos
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Último

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 

Último (20)

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 

Anti-hipertensivos

  • 1. Anti-hipertensivos Enfª R1 Gabrielle Pessôa Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Maio 2015
  • 2. Objetivos • Relembrar os receptores cardíacos. • Elencar os principais anti-hipertensivos e explanar seus mecanismos de ação. • Apresentar os efeitos colaterais mais comuns dos anti- hipertensivos. • Apontar alguns cuidados de enfermagem em relação ao uso dos anti-hipertensivos.
  • 3. Receptores adrenérgicos ALFA BETA ALFA 1 ALFA 2 BETA 2 BETA 1 (GUYTON; HALL, 2008) Músculo liso vascular Pré-sinápticos: SNC Pós-sinápticos: Músculo liso vascular periférico + SNC Miocárdio Músculos liso vascular bronquial, uterino e no músculo liso na pele
  • 4. Tratamento Anti-hipertensivo “Frequentemente, pela característica multifatorial da doença, o tratamento da HAS requer associação de dois ou mais anti- hipertensivos (BRASIL, 2013).”
  • 5. Anti-hipertensivos 1. Diuréticos 2. Inibidores de ação central 3. Alfa1-bloqueadores 4. Betabloqueadores 5. Vasodilatadores diretos 6. Antagonistas dos canais de cálcio 7. Inibidores da enzima conversora de angiotensina 8. Bloqueadores do receptor AT1 9. Inibidores diretos da renina
  • 6.  Classe mais utilizada devido sua eficácia e baixo custo.  Ação anti-hipertensiva devido seus efeitos diurético e natriurético:  Classificados em três grupos de acordo com o local de ação no túbulo renal. Volume extracel ular RVP Diuréticos (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 7.  Tiazídicos:  Agem na porção proximal do túbulo contorcido distal do nefrón proporcionando uma natriurese de intensidade moderada.  Indicados para pacientes com função renal e cardíaca preservadas.  Efeitos Colaterais: hipocalemia, hipomagnesemia, hiperuricemia, hiponatremia, hiperlipidemia, disfunção erétil e alterações no metabolismo do cálcio e glicose.  Ex.: Hidroclorotiazida Diuréticos Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 8. Diuréticos de alça:  Agem na porção espessa da alça de Henle do nefrón proporcionando maior natriurese que os tiazídicos.  Indicados para pacientes com alteração da função renal ou insuficiência cardíaca.  Efeitos Colaterais:desidratação e hipotensão  Ex.: Furosemida Diuréticos Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 9. Poupadores de potássio:  Agem no terço distal do túbulo contorcido distal promovendo natriurese de pequena intensidade e reduzindo a excreção de potássio.  Indicados para pacientes vulneráveis à hipocalemia.  Efeitos Colaterais: disfunção erétil e ginecomastia  Ex.: Espironolactona. Diuréticos Fonte: http://www.afh.bio.br(SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 10. Inibidores de ação central Estimulam o receptor alfa-2-adrenérgico no SNC diminuindo o tônus simpático vascular. Uso não muito frequente devido seus efeitos colaterais. Ex.: Metildopa (sedação, tontura, boca seca, cefaleia, congestão nasal e impotência sexual) e Clonidina (Tontura, boca seca, crise hipertensiva de rebote). (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 11. Alfa1-bloqueadores Bloqueiam a ativação pós-sináptica dos receptores alfa-1 promovendo vasodilatação e redução da RVP. Uso inicial sugerido em pacientes idosos com sintomas de hiperplasia prostática benigna Efeitos Colaterais: Hipotensão, tontura, cefaleia, congestão nasal. Ex.: Doxazosina, Prazosina, Terazosina (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 12. Betabloqueadores Reduzem o débito cardíaco, a secreção de renina, a readaptação dos barorreceptores e diminuem as catecolaminas nas sinapses nervosas. Efeitos Colaterais: Broncoespasmo, Bradicardia excessiva, BAV. Ex.: Propanolol, Atenolol, Metoprolol, Bisoprolol, Carvedilol. Não seletivo Seletivo Alfa e betabloqueador (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 13. Vasodilatadores diretos Atuam na musculatura da parede vascular promovendo relaxamento muscular e consequentemente vasodilatação e redução da RVP. Utilizados na HAS resistente. Efeitos Colaterais: cefaleia, hipotensão postural, taquicardia, distúrbios TGI. Ex.: Hidralazina e Minoxidil (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 14. Antagonistas dos canais de cálcio Diminuem a concentração de cálcio livre intracelular nas células musculares lisas vasculares, levando a potente vasodilatação arteríolar e reduzindo RVP. Divididos em três subgrupos. X Fonte: http://www.polbr.med.br (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 15. Fenilalquilaminas:  Verapamil é a droga representante- depressor do miocárdio e anti-hipertensivo potente quando associado ao IECA ou betabloqueador.  Uso endovenoso deve ser cauteloso.  Efeitos Colaterais: obstipação intestinal, descompensação de IC e bloqueio de condução. Antagonistas dos canais de cálcio (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 16. Benzodiazepinas:  Diltiazem é a droga representante- menos depressor miocárdico  Eficaz em angina e hipertensão  Efeitos Colaterais: bradicardia excessiva e BAV Diidropiridínicos:  Afinidade vascular preponderante  Anlodipino e Nifedipino  Efeitos colaterais: edema maleolar, cefaleia, rubor facial, tontura e palpitação. Antagonistas dos canais de cálcio (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 17. Inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) Bloqueiam a transformação de angiotensina I em II (responsável por vasoconstrição) Efeitos colaterais: tosse seca, hipercalemia e angioedema. Ex.: Captopril, enalapril, lisinopril ‘ Fonte: http://www.cescage.com.br/ead/modulos.php?id_m=711 (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 18. Bloqueador de receptor AT1 da angiotensina II Bloqueiam o receptor específico da angiotensina II, inibindo sua ação vasoconstritora. Efeitos Colaterais: cefaleia, tontura e reação de hispersensibilidade Ex.: Losartana, Valsartana (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011; BRASIL, 2013)
  • 19. Inibidores diretos da renina Inibição direta da ação da renina com consequente diminuição de angiotensina II. Efeitos Colaterais: “Rash” cutâneo, diarréia, aumento de CPK e tosse. Ex.: Alisquireno x Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBH, 2010; PEDROSA; JUNIOR, 2011;)
  • 20. Cuidados de enfermagem • Antecipar o desenvolvimento de hipotensão postural e realizar medidas para prevenir sua ocorrência. • Não administrar diuréticos após o meio da tarde, para prevenir noctúria. • Orientar o paciente para sinais de hipocalemia, tais como fraqueza e câimbras musculares. • Orientar sobre uma dieta rica em potássio (frutas cítricas, tomate, banana). • Manter registros de ingestão e débito hídrico e monitorar uma redução da atividade diurética.
  • 21. Cuidados de enfermagem • Orientar os pacientes idosos quanto a sua suscetibilidade à diurese excessiva e desidratação. • Orientar o paciente para evitar ingerir bebida contendo álcool e exercícios físicos em dias quentes. • Monitorar a ocorrência de hipotensão e bradicardia. • Monitorizar a glicose do paciente diabético. • Os betabloqueadores podem mascarar os sinais de choque e hipoglicemia.
  • 22. “[...] ressaltamos a importância da equipe de enfermagem na administração de fármacos anti-hipertensivos, pois depois de definida a prescrição pelo médico, os demais cuidados da administração de medicamentos são, principalmente, realizados pelo enfermeiro. Portanto, este necessita de conhecimentos de farmacologia, quanto ao mecanismo de ação, interações entre fármacos, aprazamento, vias de administração e dosagens (CUNHA; LOPES; LEITE, 2010)”.
  • 23. Referências Bibliográficas  BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.  CUNHA, G.H.; LOPES, M.V.O.; LEITE, I.O.; Tratamento farmacológico da hipertensão arterial em unidade de terapia intensiva coronariana. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Fortaleza, v. 11, n. 3, p. 143-152, jul./set.2010.  GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2008.  PEDROSA, L.C.; JUNIOR, W.O.; Doenças do coração diagnóstico e tratamento. Revinter, 2011.  SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão VI. Revista Hipertensão. Ano 13, volume 13, número 1, 2010.