SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Psicóloga Ma. Anaí Haeser
Pedagoga Esp. Vânia Varela
GDF – SEEDF – CRET
25 de março de 2015
1. Apresentar a EEAA-CEI 1 à Equipe Escolar
2. Expor o que é a EEAA (documentos norteadores do serviço e
formas de atuação previstas)
3. Realizar uma avaliação quantitativa e qualitativa do trabalho
realizado no ano de 2014 pela EEAA – CEI 1, guiada pelo plano de
trabalho apresentado para o mesmo período
4. Apresentar a proposta de trabalho desse ano
• Pedagoga Vânia Silveira Varela
(1993 – Carreira Magistério, SEEDF)
• 27 anos de experiência na área
da Educação
• Formação:
• Magistério
• Pedagogia
• Esp. Psicopedagogia
• Esp. Coordenação
Pedagógica
• PEI
• Neuropedagogia
• Psicóloga Anaí Haeser Peña
(2013 - Analista de Gestão
Educacional, Carreira
Assistência à Educação,
SEEDF)
• 21 anos de experiência na
área da Educação
• Mestre em Processos de
Desenvolvimento Humano
e Saúde
• Psicóloga
• Licenciada em Artes
Plásticas
• “Lotação”: CEI 01, mas realiza
itinerância em outras escolas
• EEAA é a sigla para Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem
• É um serviço técnico, especializado, multidisciplinar (Pedagogo
+ Psicólogo), de apoio pedagógico, que atua em parceria com o
SOE
• Trabalha numa perspectiva institucional, preventiva, e
interventiva
(SEDF, 2010)
• O serviço foi regulamentado pela primeira vez em 2008 - Portaria nº
254/2008
• Atualmente definido pela:
• Portaria nº 30/2013
• Orientação Pedagógica (OP) das Equipes Especializadas de
Apoio à Aprendizagem, publicada em 2010
• Regimento Escolar das Instituições Educacionais da Rede Pública
de Ensino do Distrito Federal (PORTARIA Nº 15 DE 11 DE
FEVEREIRO DE 2015)
• As EEAAs tiveram origem em 1968, no serviço de suporte técnico-
pedagógico da SEDF
• Passaram por várias transformações, acompanhando o
desenvolvimento científico e pedagógico , especialmente no que
diz respeito à questões como fracasso escolar, queixa escolar,
necessidades educacionais especiais, bem como as necessidades e
demandas no âmbito da SEEDF.
• Momentos significativos de reformulação:
• Publicação da Portaria Nº. 254, de 12 de dezembro de 2008,
publicada no Diário Oficial do Distrito Federal Nº. 248, de 15 de
dezembro de 2008
• Publicação da OP das EEAA em 2010 (SEDF, 2010)
• Segundo o atual Regimento Escolar das Instituições Educacionais
da Rede Pública de Ensino do Distrito Federa (2015):
• Forma de atuação da Equipe de Apoio:
• Integrada
• Fundamentada teórico-metodologicamente na Pedagogia
Histórico-Crítica e na Psicologia Histórico-Cultural
• Declaração Universal dos Direitos Humanos, publicada pela ONU em
1948,
• Declaração Universal dos Direitos da Criança , publicada pela ONU em
1959,
• Declaração Mundial de Educação para Todos – Jomtiem/ Tailândia,
publicada pela UNESCO em 1990),
• Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais:
Acesso e Qualidade realizada em Salamanca na Espanha:
• Declaração de Salamanca, produzida nessa ocasião, publicada pela
UNESCO em 1994,
• Constituição Federal do Brasil,
• Estatuto da Criança e do Adolescente, publicado em 1994,
• Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional (LDB), Lei 9394/1996
(SEDF, 2010)
• Sócio-interacionista
• compreende o desenvolvimento numa perspectiva epigenética e
bioecológica, por parte da Psicologia,
• na Psicologia Histórico Cultural (Vygotsky, 1984, 1989),
• progressista e pós-moderna, por parte da Pedagogia
• na Pedagogia Libertadora (Freire, 1997, 1991),
• na Pedagogia Histórico-Crítica (Saviani, 2005),
• na Pósmodernidade de contestação (Boaventura Santos,
2003)
• na Pedagogia das Competências (Perrenoud, 2000, 1999).
(apud SEDF, 2010)
• Contribuir para superação das dificuldades presentes no
processo de ensino e escolarização, por meio de uma
atuação institucional (SEDF, 2015).
• Promover (SEDF, 2010):
• a melhoria da qualidade do processo de ensino-
aprendizagem
• uma cultura de sucesso escolar
• Por meio de (SEDF, 2010):
• Intervenções institucionais
• Intervenções avaliativas
• Ações preventivas (formações, projetos)
• Promover a ressignificação das concepções de ensino-
aprendizagem, criando uma cultura de sucesso escolar;
• Assessorar a equipe gestora e a comunidade escolar na reflexão
acerca do contexto educacional, facilitando a tomada de decisões, a
construção e a implementação de estratégias administrativo-
pedagógicas;
• Contribuir para a formação continuada do corpo docente, com
reflexões sobre aspectos pedagógicos e intersubjetivos;
• Sensibilizar as famílias para maior participação no processo
educacional dos alunos;
• Realizar procedimentos de avaliação e intervenção às queixas
escolares, visando conhecer e investigar os múltiplos fatores
envolvidos no contexto escolar;
• Articular ações com o SOE e a sala de recursos, no caso de alunos
NEEs.
(SEDF, 2010)
Mapeamento
Institucional
Assessoria ao Trabalho
Pedagógico
Acompanhamento
do Processo de
Ensino-
Aprendizagem
CONTEXTO
ESCOLAR
1ª Dimensão
Conhecimento
do contexto
escolar
3ª Dimensão
Assessoria ao
processo de
gestão escolar
2ª Dimensão
Escuta
institucional
4ª Dimensão
Assessoria ao
processo de
ensino-
aprendizagem
5ª Dimensão
Avaliação e
adequação
institucional
6ª Dimensão
Formação
contínua
PAIQUE
Elemento
constituinte
(SEDF, 2010)
O serviço realizado numa perspectiva institucional e preventiva:
• Promove ações que viabilizem a reflexão e a conscientização de
funções, papeis e responsabilidade dos atores da escola
• Favorece a apropriação dos conhecimentos, o desenvolvimento
de recursos e habilidades que viabilizem a oxigenação e a
renovação das práticas educativas
(Araújo 2003; Marinho –Araújo e Almeida, 2005, apud SEDF, 2010)
• “Desloca o foco da problematização, avaliação e intervenção junto
ao aluno para uma visão mais sistêmica, contextualizada nos
aspectos institucionais e relacionais do espaço educativo
• Se compromete com a observação e escuta sensíveis aos atores
e processos do espaço escolar, promovendo reflexão e
intervenção nos espaços de discussão da IE, auxiliando na
transformação da Escola como espaço de valorização do ser
humano
• Ação preventiva e intencionalmente planejada com vistas a
incentivar estratégias diversificadas
• Ação promotora de desenvolvimento da comunidade escolar,
mobilizando competências individuais e coletivas que possibilitem a
ressignificação dos processos de ensino-aprendizagem
• Favorecimento de processos intersubjetivos e do desenvolvimento
adulto”
(SEDF, 2010)
• É a sigla para PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E
INTERVENÇÃO À QUEIXA ESCOLAR
• Foi desenvolvido em 2001 por Mariza Brito Neves*
• Desmembrou o atendimento à queixa escolar em etapas/ níveis, que
são percorridos conforme a necessidade, sem obrigatoriedade do
cumprimento de todos os níveis
• Propôs que o atendimento à queixa escolar deveria ser iniciado em
sua origem, junto àquele que expôs a queixa: o professor/ a escola
• Partiu da compreensão da queixa-escolar como um indicativo da
existência de alguma desarmonia no âmbito das relações no
processo de ensino-aprendizagem
Queixa-
escolar
Escola
Família
Aluno(a)
Queixa-escolar é
detectada e
apresentada pelo
docente
Intervenção junto ao
professor e à escola
Intervenção junto ao
professor, à escola e à
família.
Intervenção junto ao
professor, à escola, à
família e ao aluno.
okQueixa
permanece
Queixa
permanece
• Os princípios dessa avaliação combinam avaliar e intervir, ou seja,
ao mesmo tempo em que se investiga o objeto, ações interventivas
são desencadeadas
• Descortinar um processo de ensino-aprendizagem
• Fortalecer a cultura de sucesso escolar, favorecendo a permanência
do aluno na escola e sua progressão na vida acadêmica
• A atuação em equipe “permite que as intervenções desencadeadas
nas instituições educacionais sejam mais eficazes, uma vez que
estão conjugadas duas áreas de saber, que contribuem com
conhecimentos complementares sobre os processos de
aprendizagem e de desenvolvimento humano.” (SEDF, 2010, p. 79)
• Conjugação de:
• Áreas de saber
• Pontos de vista
• Competências
• Analisar as situações de ensino-aprendizagem, com o objetivo de
apoiar o professor e atender às queixas-escolares;
• Auxiliar no aprimoramento do desempenho dos professores em
sala de aula (conteúdos, métodos, técnicas, formas de organização
da classe);
• Promover a adequação do ensino às necessidades dos alunos;
• Escutar e orientar pais e familiares, em relação aos aspectos que
interfiram direta ou indiretamente no desempenho escolar dos
alunos, tais como relacionais, subjetivos e pedagógicos;
• Desenvolver projetos de intervenção pedagógica junto à
comunidade escolar;
• Realizar a avaliação pedagógica do aluno encaminhado à EEAA.
(SEDF, 2010)
• Analisar as relações interpessoais nos processos de
ensino-aprendizagem no ambiente escolar;
• Analisar as práticas pedagógicas;
• Criar um espaço de interlocução entre membros da
comunidade escolar;
• Conscientizar sobre aspectos intersubjetivos relacionados
ao contexto escolar;
• Conscientização de papeis, funções e responsabilidades
dos membros da comunidade escolar;
• Ressignificação de concepções sobre o desenvolvimento,
processo de ensino-aprendizagem;
• Proporcionar a valorização do ser humano no contexto
escolar.
(SEDF, 2010)
• Fortalecimento de uma atuação institucional e preventiva
• Aumento de estratégias e momentos para realização:
• do mapeamento institucional,
• da assessoria à prática pedagógica e
• do acompanhamento ao processo de ensino-aprendizagem,
especialmente mais próximo aos docentes
MISSÃO
• Contribuir com a excelência no planejamento, execução e
desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos alunos e
alunas do CEI 01, realizando ações preventivas ao surgimento de
queixas-escolares, bem como ações interventivas e avaliativas em
relação à mesma, apoiando a atividade educativa realizada pelos
profissionais da escola, de forma a criar uma cultura de sucesso escolar.
VISÃO
• Realizar um trabalho de excelência e referência, que contribua efetivamente
para a promoção de uma cultura de sucesso escolar no CEI 01 de
Taguatinga.
• A educação é compreendida como um fenômeno social complexo e
multideterminado, com finalidades sociopolíticas, que visa garantir o
desenvolvimento pleno da pessoa, a preparação para o exercício da
cidadania e a inserção no ciclo produtivo da sociedade em que a
pessoa se encontra, promovendo sua emancipação e, por isso, todo
educando deve ter acesso a condições educativas que atendam a
suas necessidades. A EEAA tem papel junto aos demais atores
institucionais na garantia do atendimento às necessidades de cada
educando para que o mesmo tenha sucesso na sua trajetória de
aprendizagem.
• O educando é protagonista de seu processo educativo.
• O educando e a sua família não podem ser culpabilizados por suas
dificuldades de aprendizagem, pelo fracasso escolar ou inadaptação
ao contexto escolar.
• A investigação e a intervenção em relação à queixa escolar é um
processo que deve se pautar por uma compreensão holística do
ensino-aprendizagem.
OBJETIVOS I. Mapear II. Assessorar III. Acompanhar
METAS
1. Conhecer (como
atitude permanente) o
contexto escolar
1. Assessorar o
processo de gestão
escolar
2. Assessorar o
processo de ensino-
aprendizagem
1. Refletir sobre as
práticas
pedagógicas;
2. Intervir nas
situações de queixa
escolar (no modelo
do PAIQUE);
AÇÕES
- Observações,
acompanhamentos,
participações nos
diversos espaços e
momentos escolares
- Participação nos
espaços e momentos
de trabalho coletivo
- Realizar formações:
palestras, oficinas e
vivências junto aos
profissionais da
escola
- Site
- Criar um espaço de
escuta dos
professores
- Acompanhamento
avaliativo-
interventivo a:
- Profissionais da
escola
- Famílias
- Alunos
• Está relacionado ao mapeamento e à assessoria.
• Objetivo: “Compreender, com profundidade, como trabalham os atores
da instituição educacional, o que pensam e como contribuem para
sucesso escolar” (SEDF, 2010, p.71)
• Foco na será no assessoramento à prática pedagógica, com vistas ao
fortalecimento de uma cultura de sucesso escolar
• “identificação das barreiras que estejam dificultando o processo
educativo em suas múltiplas dimensões e variáveis, entre elas: (a)
as que incidem na aprendizagem - com cunho individual; (b) as que
incidem no ensino - como as condições da escola e da prática
docente; (c) as que inspiram diretrizes gerais da educação; e (d) as
relações que se estabelecem entre todas elas” (SEDF, 2010, p.67)
• Organização da rotina, manejo de classe, concepções de ensino,
postura profissional, fundamentação e embasamento teórico e
técnico, entre outros.
• Instrumentos
• Objetivos:
• “Contribuir com conhecimentos especializados acerca dos
processos de desenvolvimento e de aprendizagem;
• Favorecer a tomada de consciência, por parte dos atores da
instituição educacional, acerca de sua história, sua identidade e
de suas potencialidades para atuação; (...)
• Promover a manutenção de espaços de reflexão, capazes de
favorecer a ressignificação das concepções de desenvolvimento,
de aprendizagem, de ensino, de avaliação, dentre outras;
• Contribuir com a formação continuada dos professores,
viabilizando a aquisição de conhecimentos teóricos, o
desenvolvimento de habilidades e de recursos para a mobilização
de competências, e a construção de conhecimentos que atendam
às especificidades do contexto de cada instituição educacional.”
(SEDF, 2010, p. 71)
• Sensibilizar as famílias para maior participação no processo escolar
dos estudantes
• Solicitar a colaboração da família no processo de investigação da
queixa escolar;
• Inteirar-se das atividades desenvolvidas pelo aluno no ambiente
familiar;
• Conhecer as concepções da família sobre a escolaridade do aluno;
• Discutir possibilidades de interface da instituição educacional com a
família para favorecer o sucesso escolar, construindo estratégias de
condução conjunta;
• Refletir acerca das atribuições familiares e as atribuições da
instituição educacional;
• Realizar orientações advindas do conhecimento psicológico e
pedagógico que instrumentalizem a família na condução das questões
de seu filho. (SEDF, 2010)
• “Não curativo”
• Não se trata de um trabalho psicopedagógico ou psicológico clínico
• Objetivo: Conhecimento da criança para melhor assessoramento ao
professor, conforme o objetivo de cada nível do PAIQUE
• Organização:
• Pedagoga:
• Atendimentos avaliativo-interventivo (às quintas)
• Intervenções em grupos (4 alunos), conforme necessidades
mapeadas (às terças)
• 1 grupo de 1º PE por turno – 4 alunos por turno
• 1 grupo de 2º PE por turno – 4 alunos por turno
• Duração, Público alvo, Instrumentos utilizados
• Psicóloga: às terças, de caráter avaliativo- interventivo, sendo a
prioridade de atendimentos definida junto à pedagoga
• Questão dos atendimentos nas:
• semanas de festas escolares, passeios e
• durante o período da Estratégia de Matrícula
• Questão do quantitativo de alunos
• Questão do tempo pelo qual o aluno permanece no atendimento
interventivo
Dia previsto Tema
25/03/2015
Apresentação da EEAA, plano de trabalho 2015 e avaliação
de 2014
22/04/2015
Diversidade, homogeneidade, normatividade: reflexões sobre
a prática docente
29/04/2015 Palestra com convidado sobre TGD
24/06/2015 Processamento sensorial
23/09/2015 Palestra com convidado sobre Gênero e Sexualidade
25/11/2015 Inteligência emocional
O tema de cada estudo e oficina foi definido a partir do mapeamento
institucional de 2014.
1ª SEMANA – Assessoramento (mais próximo) ao professor:
acompanhamento da prática pedagógica
2ª SEMANA – Interventivo com família/ alunos
3ª SEMANA – Interventivo com família/ alunos
4ª SEMANA – Interventivo com alunos, registros, relatórios,
planejamento mensal, alimentação do site.
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª
8-9h
Planejamento
Individual
Acompanha
mento
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Acompanha
mento
Coord.
Intermediária
EEAA
9-10h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
10-11h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
11-12h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
14-15h
CI
Acompanha
mento
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Acompanha
mento
CI
15-16h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
16-17h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
17-18h
Acompanha
mento
Acompanha
mento
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª
8-9h
Planejamento
Individual
Alunos –
interv.
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Alunos –
aval.-interv.
Coord.
Intermediária
EEAA
9-10h
Família –
interv.
Família –
aval.-interv.
10-11h
Alunos –
interv.
Alunos –
aval.-interv.
11-12h
Família –
interv.
Família –
aval.-interv.
14-15h
CI
Alunos –
interv.
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Alunos –
aval.-interv.
CI
15-16h
Família –
interv.
Família –
aval.-interv.
16-17h
Alunos –
interv.
Alunos –
aval.-interv.
17-18h
Família –
interv.
Família –
aval.-interv.
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª
8-9h
Planejamento
Individual
Alunos –
interv.
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Alunos – aval.-
interv.
Coord.
Intermediária
EEAA
9-10h
Família –
interv.
Organização
interna
10-11h
Alunos –
interv.
Alunos – aval.-
interv.
11-12h
Família –
interv.
Organização
interna
14-15h
CI
Alunos –
interv.
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Alunos – aval.-
interv.
CI
15-16h
Família –
interv.
Organização
interna
16-17h
Alunos –
interv.
Alunos – aval.-
interv.
17-18h
Família –
interv.
Organização
interna
• O trabalho realizado pela psicóloga seguirá cronograma semelhante
ao da pedagoga, porém:
• Os atendimentos a professores, famílias e alunos serão às terças;
• Às quintas realizará visitas de itinerância às outras escolas;
• A participação em coletivas das outras IE não acontecerá em dias
de formação promovidas pela EEAA no CEI 1;
• De forma análoga, no dia em que a psicóloga promover formação
em outra IE, não participará da coletiva no CEI 1;
• Será disponibilizado à Equipe Diretiva e à Pedagoga da EEAA um
cronograma mensal da itinerância.
• Os atendimentos às terças acontecerão por ordem de prioridade a
ser definida em conjunto com a pedagoga
• Início do cronograma proposto: Abril
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª
8-9h
CI
Acompanha
mento
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Itinerância
Coord.
Intermediária
EEAA
9-10h
Acompanha
mento
10-11h
Acompanha
mento
11-12h
Acompanha
mento
14-15h
Planejamento
Individual
Acompanha
mento
Coletiva/
Planejamento
conjunto
CI
15-16h
Acompanha
mento
16-17h
Acompanha
mento
17-18h
Acompanha
mento
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª
8-9h
CI
Alunos
Coletiva/
Planejamento
conjunto
Itinerância
Coord.
Intermediária
EEAA
9-10h Família
10-11h Alunos
11-12h Família
14-15h
Planejamento
Individual
Alunos
Coletiva/
Planejamento
conjunto
CI
15-16h Família
16-17h Alunos
17-18h Família
** Disponíveis no site da EEAA-CEI01
• O Espaço de Estimulação Psicomotora consistirá em um local
planejado para proporcionar experiências de atividade e estimulação
psicomotora.
• O objetivo é prover um espaço fixo que complemente as propostas
de atividades e materiais flexíveis já disponíveis na Escola e
orientadas pela EEAA.
• Um jardim sensorial é um espaço planejado para proporcionar
experiências diversificadas por meio dos sentidos.
• Nesse local são dispostos materiais táteis, sonoros, olfativos,
gustativos
• O objetivo é prover a experimentação de sensações e estímulo aos
sentidos, promovendo aprendizagens e desenvolvimento por meio
da experiência ativa.
http://cei1taguatinga.wix.com/eeaa-cei1
• OBJETIVO I: Refletir sobre a aplicabilidade de conceitos, como meio de
estruturação do trabalho pedagógico na educação infantil
• Meta atingida: Realização de 5 encontros coletivos de formação
docente:
• Apresentação da EEAA
• ANEEs sem diagnósticos nas turmas e atendimento a
necessidades específicas de aprendizagem
• Psicomotricidade
• Agressividade, raiva, hiperatividade
• Cognição
(Avaliação dos encontros)
• Meta atingida: Finalização do projeto psicomotricidade
• Meta atingida: Atendimentos a professores (assessoria, plantões,
observações, apoios)
• Meta atingida: Participações em todos os Conselhos de Classe
• OBJETIVOS II e III:
II. Favorecer a reflexão sobre importância da participação dos pais no
processo de plena adaptação na escola bem como no
desenvolvimento global do filho.
III. Refletir sobre as formas de intervenção/acompanhamento do filho
para sanar as dificuldades que interferem em seu pleno
desenvolvimento.
• Meta atingida: Participações em Reuniões de Pais/ Responsáveis:
02
• Palestra realizada junto aos pais/ responsáveis: 01
• Meta atingida: Atendimentos realizados junto a pais: 73
• Meta atingida: Participações Reuniões em eventos escolares (festa
junina, festa da família, peça teatral): 03
• OBJETIVO IV: Realizar Avaliação/Intervenção da Queixa Escolar
(PAIQUE)
• Meta superada: atendimento a 100% da demanda (previsto 90%)
PERÍODO
1º PE 2º PE TT
TURNO
M 14 16 (4*) 30 (4*)
V 08 11 (4*) 19 (4*)
TT 22 27 (8*) 49 (8*)
Tabela 1 - TOTAL DE ALUNOS ENCAMINHADOS À EEAA E ATENDIDOS
* Alunos encaminhados em 2013 que permaneceram no interventivo por parte de
2014, por se fazer necessário após reflexão com a Equipe Escolar.
Gráfico 1 - NÚMERO DE ALUNOS ENCAMINHADOS À EEAA AO LONGO
DOS MESES DE 2014
• Assessoria a docentes
• Alunos identificados com necessidades educacionais especiais
• Incluídos em turmas adequadas à Estratégia de Matrícula
• No CEI 1: 2
• Em outras IE: 5
• Não incluídos: 1 (caso de suspeita de mutismo seletivo)
• Reencaminhamentos ao SOE, por se tratar de situação
vulnerabilidade social/ familiar: 9 (4 de 1º PE; 5 de 2º PE)
• Alunos incluídos em grupos interventivos: 29 (14 de 1º PE; 15 de 2º
PE), em grupos de 5 alunos em rodizio pela quantidade de
encaminhamentos
• Alunos encaminhados para acompanhamento pelo Conselho
Tutelar: 9 (4 de 1º PE; 5 de 2º PE)
• Alunos encaminhados para atendimento complementar em saúde: 7
(3 de 1º PE; 4 de 2º PE)
• Alunos acompanhados quanto ao atendimento complementar em
saúde: 8 (4 de 1º PE; 4 de 2º PE)
• Alunos cujas famílias não compareceram (depois de 3
convocações): 1
• Alunos atendidos a pedido da Justiça, por questões familiares: 1
• Alunos transferidos: 2
• Alunos encaminhados à SAA: 1
• Alunos do 1º período em 2014 que permanecerão no interventivo em
2015: 6, a serem reavaliado junto à Equipe Escolar
Uma mudança no olhar e no fazer, em relação a
2014
SEDF. Orientação Pedagógica das Equipes Especializadas de Apoio à
Aprendizagem. SEDF: Ritla, 2010.
SEDF. Regimento Escolar das Instituições Educacionais da Rede
Pública de Ensino do Distrito Federal, Portaria Nº 15 de 11 de fevereiro
de 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricularEducacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricularNTE
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxAnaRocha812480
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Superestagio
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...SEEDUC-RJ
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...LOCIMAR MASSALAI
 
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01estudosacademicospedag
 
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudaçõesLIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudaçõesNelinha Soares
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Instituto Consciência GO
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoMagda Marques
 

Mais procurados (20)

Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricularEducacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
Educacao inclusiva numa_ perspectiva_curricular
 
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
 
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
 
Modelo de Ficha Inclusao
Modelo de Ficha InclusaoModelo de Ficha Inclusao
Modelo de Ficha Inclusao
 
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudaçõesLIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Caderno
 Caderno Caderno
Caderno
 
Escala Portage-1
Escala Portage-1Escala Portage-1
Escala Portage-1
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 

Destaque

Kit jogos pedagógicos
Kit jogos pedagógicosKit jogos pedagógicos
Kit jogos pedagógicosAnaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahAnaí Peña
 
Treinamento bb aobrdagem pedagógica
Treinamento bb aobrdagem pedagógicaTreinamento bb aobrdagem pedagógica
Treinamento bb aobrdagem pedagógicaAnaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahAnaí Peña
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente Anaí Peña
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 

Destaque (7)

Kit jogos pedagógicos
Kit jogos pedagógicosKit jogos pedagógicos
Kit jogos pedagógicos
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
 
Treinamento bb aobrdagem pedagógica
Treinamento bb aobrdagem pedagógicaTreinamento bb aobrdagem pedagógica
Treinamento bb aobrdagem pedagógica
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 

Semelhante a EEAA apoia aprendizagem

Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAAAnaí Peña
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentaçãoPNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentaçãoEveraldo Gomes
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação spUlisses Vakirtzis
 
Apresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoApresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoVirlene Amarante
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniIveteMantovani
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...Instituto Consciência GO
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoElicio Lima
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democráticaJulci Rocha
 
PNAIC - Ano 2 unidade 8
PNAIC - Ano 2  unidade 8PNAIC - Ano 2  unidade 8
PNAIC - Ano 2 unidade 8ElieneDias
 
Projecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosProjecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosANA GRALHEIRO
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Najara Nascimento
 

Semelhante a EEAA apoia aprendizagem (20)

Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
 
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentaçãoPNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
 
11+misiara+oliveira
11+misiara+oliveira11+misiara+oliveira
11+misiara+oliveira
 
Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Apresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoApresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientação
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democrática
 
PNAIC - Ano 2 unidade 8
PNAIC - Ano 2  unidade 8PNAIC - Ano 2  unidade 8
PNAIC - Ano 2 unidade 8
 
Projecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosProjecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivos
 
Curriculo_Heber_Sônia
Curriculo_Heber_SôniaCurriculo_Heber_Sônia
Curriculo_Heber_Sônia
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
 

Mais de Anaí Peña

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoAnaí Peña
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioAnaí Peña
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeAnaí Peña
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopeeAnaí Peña
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaAnaí Peña
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusãoAnaí Peña
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Anaí Peña
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAnaí Peña
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantilAnaí Peña
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Anaí Peña
 
Bases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitosBases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitosAnaí Peña
 
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humanoUnidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humanoAnaí Peña
 
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humanoUnidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humanoAnaí Peña
 
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humanoUnidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humanoAnaí Peña
 
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicas
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicasUnidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicas
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicasAnaí Peña
 
Características da aprendizagem
Características da aprendizagemCaracterísticas da aprendizagem
Características da aprendizagemAnaí Peña
 
Desenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuaisDesenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuaisAnaí Peña
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introduçãoAnaí Peña
 
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislação
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislaçãoA regulamentação do ensino da arte no brasil legislação
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislaçãoAnaí Peña
 

Mais de Anaí Peña (20)

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicóloga
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Bases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitosBases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitos
 
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humanoUnidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano
Unidade 01 parte03-metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano
 
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humanoUnidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte02-princípios norteadores do desenvolvimento humano
 
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humanoUnidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humano
Unidade 01 parte01-a ciência do desenvolvimento humano
 
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicas
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicasUnidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicas
Unidade 02 - Familia: definição, teorias psicológicas
 
Características da aprendizagem
Características da aprendizagemCaracterísticas da aprendizagem
Características da aprendizagem
 
Desenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuaisDesenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuais
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introdução
 
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislação
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislaçãoA regulamentação do ensino da arte no brasil legislação
A regulamentação do ensino da arte no brasil legislação
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 

EEAA apoia aprendizagem

  • 1. Psicóloga Ma. Anaí Haeser Pedagoga Esp. Vânia Varela GDF – SEEDF – CRET 25 de março de 2015
  • 2. 1. Apresentar a EEAA-CEI 1 à Equipe Escolar 2. Expor o que é a EEAA (documentos norteadores do serviço e formas de atuação previstas) 3. Realizar uma avaliação quantitativa e qualitativa do trabalho realizado no ano de 2014 pela EEAA – CEI 1, guiada pelo plano de trabalho apresentado para o mesmo período 4. Apresentar a proposta de trabalho desse ano
  • 3.
  • 4. • Pedagoga Vânia Silveira Varela (1993 – Carreira Magistério, SEEDF) • 27 anos de experiência na área da Educação • Formação: • Magistério • Pedagogia • Esp. Psicopedagogia • Esp. Coordenação Pedagógica • PEI • Neuropedagogia • Psicóloga Anaí Haeser Peña (2013 - Analista de Gestão Educacional, Carreira Assistência à Educação, SEEDF) • 21 anos de experiência na área da Educação • Mestre em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde • Psicóloga • Licenciada em Artes Plásticas • “Lotação”: CEI 01, mas realiza itinerância em outras escolas
  • 5.
  • 6. • EEAA é a sigla para Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem • É um serviço técnico, especializado, multidisciplinar (Pedagogo + Psicólogo), de apoio pedagógico, que atua em parceria com o SOE • Trabalha numa perspectiva institucional, preventiva, e interventiva (SEDF, 2010)
  • 7. • O serviço foi regulamentado pela primeira vez em 2008 - Portaria nº 254/2008 • Atualmente definido pela: • Portaria nº 30/2013 • Orientação Pedagógica (OP) das Equipes Especializadas de Apoio à Aprendizagem, publicada em 2010 • Regimento Escolar das Instituições Educacionais da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal (PORTARIA Nº 15 DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015)
  • 8. • As EEAAs tiveram origem em 1968, no serviço de suporte técnico- pedagógico da SEDF • Passaram por várias transformações, acompanhando o desenvolvimento científico e pedagógico , especialmente no que diz respeito à questões como fracasso escolar, queixa escolar, necessidades educacionais especiais, bem como as necessidades e demandas no âmbito da SEEDF. • Momentos significativos de reformulação: • Publicação da Portaria Nº. 254, de 12 de dezembro de 2008, publicada no Diário Oficial do Distrito Federal Nº. 248, de 15 de dezembro de 2008 • Publicação da OP das EEAA em 2010 (SEDF, 2010)
  • 9. • Segundo o atual Regimento Escolar das Instituições Educacionais da Rede Pública de Ensino do Distrito Federa (2015): • Forma de atuação da Equipe de Apoio: • Integrada • Fundamentada teórico-metodologicamente na Pedagogia Histórico-Crítica e na Psicologia Histórico-Cultural
  • 10. • Declaração Universal dos Direitos Humanos, publicada pela ONU em 1948, • Declaração Universal dos Direitos da Criança , publicada pela ONU em 1959, • Declaração Mundial de Educação para Todos – Jomtiem/ Tailândia, publicada pela UNESCO em 1990), • Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais: Acesso e Qualidade realizada em Salamanca na Espanha: • Declaração de Salamanca, produzida nessa ocasião, publicada pela UNESCO em 1994, • Constituição Federal do Brasil, • Estatuto da Criança e do Adolescente, publicado em 1994, • Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional (LDB), Lei 9394/1996 (SEDF, 2010)
  • 11. • Sócio-interacionista • compreende o desenvolvimento numa perspectiva epigenética e bioecológica, por parte da Psicologia, • na Psicologia Histórico Cultural (Vygotsky, 1984, 1989), • progressista e pós-moderna, por parte da Pedagogia • na Pedagogia Libertadora (Freire, 1997, 1991), • na Pedagogia Histórico-Crítica (Saviani, 2005), • na Pósmodernidade de contestação (Boaventura Santos, 2003) • na Pedagogia das Competências (Perrenoud, 2000, 1999). (apud SEDF, 2010)
  • 12. • Contribuir para superação das dificuldades presentes no processo de ensino e escolarização, por meio de uma atuação institucional (SEDF, 2015). • Promover (SEDF, 2010): • a melhoria da qualidade do processo de ensino- aprendizagem • uma cultura de sucesso escolar • Por meio de (SEDF, 2010): • Intervenções institucionais • Intervenções avaliativas • Ações preventivas (formações, projetos)
  • 13. • Promover a ressignificação das concepções de ensino- aprendizagem, criando uma cultura de sucesso escolar; • Assessorar a equipe gestora e a comunidade escolar na reflexão acerca do contexto educacional, facilitando a tomada de decisões, a construção e a implementação de estratégias administrativo- pedagógicas; • Contribuir para a formação continuada do corpo docente, com reflexões sobre aspectos pedagógicos e intersubjetivos; • Sensibilizar as famílias para maior participação no processo educacional dos alunos; • Realizar procedimentos de avaliação e intervenção às queixas escolares, visando conhecer e investigar os múltiplos fatores envolvidos no contexto escolar; • Articular ações com o SOE e a sala de recursos, no caso de alunos NEEs. (SEDF, 2010)
  • 14. Mapeamento Institucional Assessoria ao Trabalho Pedagógico Acompanhamento do Processo de Ensino- Aprendizagem CONTEXTO ESCOLAR 1ª Dimensão Conhecimento do contexto escolar 3ª Dimensão Assessoria ao processo de gestão escolar 2ª Dimensão Escuta institucional 4ª Dimensão Assessoria ao processo de ensino- aprendizagem 5ª Dimensão Avaliação e adequação institucional 6ª Dimensão Formação contínua PAIQUE Elemento constituinte (SEDF, 2010)
  • 15. O serviço realizado numa perspectiva institucional e preventiva: • Promove ações que viabilizem a reflexão e a conscientização de funções, papeis e responsabilidade dos atores da escola • Favorece a apropriação dos conhecimentos, o desenvolvimento de recursos e habilidades que viabilizem a oxigenação e a renovação das práticas educativas (Araújo 2003; Marinho –Araújo e Almeida, 2005, apud SEDF, 2010)
  • 16. • “Desloca o foco da problematização, avaliação e intervenção junto ao aluno para uma visão mais sistêmica, contextualizada nos aspectos institucionais e relacionais do espaço educativo • Se compromete com a observação e escuta sensíveis aos atores e processos do espaço escolar, promovendo reflexão e intervenção nos espaços de discussão da IE, auxiliando na transformação da Escola como espaço de valorização do ser humano • Ação preventiva e intencionalmente planejada com vistas a incentivar estratégias diversificadas • Ação promotora de desenvolvimento da comunidade escolar, mobilizando competências individuais e coletivas que possibilitem a ressignificação dos processos de ensino-aprendizagem • Favorecimento de processos intersubjetivos e do desenvolvimento adulto” (SEDF, 2010)
  • 17. • É a sigla para PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO À QUEIXA ESCOLAR • Foi desenvolvido em 2001 por Mariza Brito Neves* • Desmembrou o atendimento à queixa escolar em etapas/ níveis, que são percorridos conforme a necessidade, sem obrigatoriedade do cumprimento de todos os níveis • Propôs que o atendimento à queixa escolar deveria ser iniciado em sua origem, junto àquele que expôs a queixa: o professor/ a escola • Partiu da compreensão da queixa-escolar como um indicativo da existência de alguma desarmonia no âmbito das relações no processo de ensino-aprendizagem
  • 18. Queixa- escolar Escola Família Aluno(a) Queixa-escolar é detectada e apresentada pelo docente Intervenção junto ao professor e à escola Intervenção junto ao professor, à escola e à família. Intervenção junto ao professor, à escola, à família e ao aluno. okQueixa permanece Queixa permanece
  • 19. • Os princípios dessa avaliação combinam avaliar e intervir, ou seja, ao mesmo tempo em que se investiga o objeto, ações interventivas são desencadeadas • Descortinar um processo de ensino-aprendizagem • Fortalecer a cultura de sucesso escolar, favorecendo a permanência do aluno na escola e sua progressão na vida acadêmica
  • 20. • A atuação em equipe “permite que as intervenções desencadeadas nas instituições educacionais sejam mais eficazes, uma vez que estão conjugadas duas áreas de saber, que contribuem com conhecimentos complementares sobre os processos de aprendizagem e de desenvolvimento humano.” (SEDF, 2010, p. 79) • Conjugação de: • Áreas de saber • Pontos de vista • Competências
  • 21. • Analisar as situações de ensino-aprendizagem, com o objetivo de apoiar o professor e atender às queixas-escolares; • Auxiliar no aprimoramento do desempenho dos professores em sala de aula (conteúdos, métodos, técnicas, formas de organização da classe); • Promover a adequação do ensino às necessidades dos alunos; • Escutar e orientar pais e familiares, em relação aos aspectos que interfiram direta ou indiretamente no desempenho escolar dos alunos, tais como relacionais, subjetivos e pedagógicos; • Desenvolver projetos de intervenção pedagógica junto à comunidade escolar; • Realizar a avaliação pedagógica do aluno encaminhado à EEAA. (SEDF, 2010)
  • 22. • Analisar as relações interpessoais nos processos de ensino-aprendizagem no ambiente escolar; • Analisar as práticas pedagógicas; • Criar um espaço de interlocução entre membros da comunidade escolar; • Conscientizar sobre aspectos intersubjetivos relacionados ao contexto escolar; • Conscientização de papeis, funções e responsabilidades dos membros da comunidade escolar; • Ressignificação de concepções sobre o desenvolvimento, processo de ensino-aprendizagem; • Proporcionar a valorização do ser humano no contexto escolar. (SEDF, 2010)
  • 23.
  • 24. • Fortalecimento de uma atuação institucional e preventiva • Aumento de estratégias e momentos para realização: • do mapeamento institucional, • da assessoria à prática pedagógica e • do acompanhamento ao processo de ensino-aprendizagem, especialmente mais próximo aos docentes
  • 25. MISSÃO • Contribuir com a excelência no planejamento, execução e desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos alunos e alunas do CEI 01, realizando ações preventivas ao surgimento de queixas-escolares, bem como ações interventivas e avaliativas em relação à mesma, apoiando a atividade educativa realizada pelos profissionais da escola, de forma a criar uma cultura de sucesso escolar. VISÃO • Realizar um trabalho de excelência e referência, que contribua efetivamente para a promoção de uma cultura de sucesso escolar no CEI 01 de Taguatinga.
  • 26. • A educação é compreendida como um fenômeno social complexo e multideterminado, com finalidades sociopolíticas, que visa garantir o desenvolvimento pleno da pessoa, a preparação para o exercício da cidadania e a inserção no ciclo produtivo da sociedade em que a pessoa se encontra, promovendo sua emancipação e, por isso, todo educando deve ter acesso a condições educativas que atendam a suas necessidades. A EEAA tem papel junto aos demais atores institucionais na garantia do atendimento às necessidades de cada educando para que o mesmo tenha sucesso na sua trajetória de aprendizagem. • O educando é protagonista de seu processo educativo. • O educando e a sua família não podem ser culpabilizados por suas dificuldades de aprendizagem, pelo fracasso escolar ou inadaptação ao contexto escolar. • A investigação e a intervenção em relação à queixa escolar é um processo que deve se pautar por uma compreensão holística do ensino-aprendizagem.
  • 27. OBJETIVOS I. Mapear II. Assessorar III. Acompanhar METAS 1. Conhecer (como atitude permanente) o contexto escolar 1. Assessorar o processo de gestão escolar 2. Assessorar o processo de ensino- aprendizagem 1. Refletir sobre as práticas pedagógicas; 2. Intervir nas situações de queixa escolar (no modelo do PAIQUE); AÇÕES - Observações, acompanhamentos, participações nos diversos espaços e momentos escolares - Participação nos espaços e momentos de trabalho coletivo - Realizar formações: palestras, oficinas e vivências junto aos profissionais da escola - Site - Criar um espaço de escuta dos professores - Acompanhamento avaliativo- interventivo a: - Profissionais da escola - Famílias - Alunos
  • 28. • Está relacionado ao mapeamento e à assessoria. • Objetivo: “Compreender, com profundidade, como trabalham os atores da instituição educacional, o que pensam e como contribuem para sucesso escolar” (SEDF, 2010, p.71) • Foco na será no assessoramento à prática pedagógica, com vistas ao fortalecimento de uma cultura de sucesso escolar • “identificação das barreiras que estejam dificultando o processo educativo em suas múltiplas dimensões e variáveis, entre elas: (a) as que incidem na aprendizagem - com cunho individual; (b) as que incidem no ensino - como as condições da escola e da prática docente; (c) as que inspiram diretrizes gerais da educação; e (d) as relações que se estabelecem entre todas elas” (SEDF, 2010, p.67) • Organização da rotina, manejo de classe, concepções de ensino, postura profissional, fundamentação e embasamento teórico e técnico, entre outros. • Instrumentos
  • 29. • Objetivos: • “Contribuir com conhecimentos especializados acerca dos processos de desenvolvimento e de aprendizagem; • Favorecer a tomada de consciência, por parte dos atores da instituição educacional, acerca de sua história, sua identidade e de suas potencialidades para atuação; (...) • Promover a manutenção de espaços de reflexão, capazes de favorecer a ressignificação das concepções de desenvolvimento, de aprendizagem, de ensino, de avaliação, dentre outras; • Contribuir com a formação continuada dos professores, viabilizando a aquisição de conhecimentos teóricos, o desenvolvimento de habilidades e de recursos para a mobilização de competências, e a construção de conhecimentos que atendam às especificidades do contexto de cada instituição educacional.” (SEDF, 2010, p. 71)
  • 30. • Sensibilizar as famílias para maior participação no processo escolar dos estudantes • Solicitar a colaboração da família no processo de investigação da queixa escolar; • Inteirar-se das atividades desenvolvidas pelo aluno no ambiente familiar; • Conhecer as concepções da família sobre a escolaridade do aluno; • Discutir possibilidades de interface da instituição educacional com a família para favorecer o sucesso escolar, construindo estratégias de condução conjunta; • Refletir acerca das atribuições familiares e as atribuições da instituição educacional; • Realizar orientações advindas do conhecimento psicológico e pedagógico que instrumentalizem a família na condução das questões de seu filho. (SEDF, 2010)
  • 31. • “Não curativo” • Não se trata de um trabalho psicopedagógico ou psicológico clínico • Objetivo: Conhecimento da criança para melhor assessoramento ao professor, conforme o objetivo de cada nível do PAIQUE • Organização: • Pedagoga: • Atendimentos avaliativo-interventivo (às quintas) • Intervenções em grupos (4 alunos), conforme necessidades mapeadas (às terças) • 1 grupo de 1º PE por turno – 4 alunos por turno • 1 grupo de 2º PE por turno – 4 alunos por turno • Duração, Público alvo, Instrumentos utilizados • Psicóloga: às terças, de caráter avaliativo- interventivo, sendo a prioridade de atendimentos definida junto à pedagoga
  • 32. • Questão dos atendimentos nas: • semanas de festas escolares, passeios e • durante o período da Estratégia de Matrícula • Questão do quantitativo de alunos • Questão do tempo pelo qual o aluno permanece no atendimento interventivo
  • 33. Dia previsto Tema 25/03/2015 Apresentação da EEAA, plano de trabalho 2015 e avaliação de 2014 22/04/2015 Diversidade, homogeneidade, normatividade: reflexões sobre a prática docente 29/04/2015 Palestra com convidado sobre TGD 24/06/2015 Processamento sensorial 23/09/2015 Palestra com convidado sobre Gênero e Sexualidade 25/11/2015 Inteligência emocional O tema de cada estudo e oficina foi definido a partir do mapeamento institucional de 2014.
  • 34. 1ª SEMANA – Assessoramento (mais próximo) ao professor: acompanhamento da prática pedagógica 2ª SEMANA – Interventivo com família/ alunos 3ª SEMANA – Interventivo com família/ alunos 4ª SEMANA – Interventivo com alunos, registros, relatórios, planejamento mensal, alimentação do site.
  • 35.
  • 36. 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 8-9h Planejamento Individual Acompanha mento Coletiva/ Planejamento conjunto Acompanha mento Coord. Intermediária EEAA 9-10h Acompanha mento Acompanha mento 10-11h Acompanha mento Acompanha mento 11-12h Acompanha mento Acompanha mento 14-15h CI Acompanha mento Coletiva/ Planejamento conjunto Acompanha mento CI 15-16h Acompanha mento Acompanha mento 16-17h Acompanha mento Acompanha mento 17-18h Acompanha mento Acompanha mento
  • 37. 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 8-9h Planejamento Individual Alunos – interv. Coletiva/ Planejamento conjunto Alunos – aval.-interv. Coord. Intermediária EEAA 9-10h Família – interv. Família – aval.-interv. 10-11h Alunos – interv. Alunos – aval.-interv. 11-12h Família – interv. Família – aval.-interv. 14-15h CI Alunos – interv. Coletiva/ Planejamento conjunto Alunos – aval.-interv. CI 15-16h Família – interv. Família – aval.-interv. 16-17h Alunos – interv. Alunos – aval.-interv. 17-18h Família – interv. Família – aval.-interv.
  • 38. 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 8-9h Planejamento Individual Alunos – interv. Coletiva/ Planejamento conjunto Alunos – aval.- interv. Coord. Intermediária EEAA 9-10h Família – interv. Organização interna 10-11h Alunos – interv. Alunos – aval.- interv. 11-12h Família – interv. Organização interna 14-15h CI Alunos – interv. Coletiva/ Planejamento conjunto Alunos – aval.- interv. CI 15-16h Família – interv. Organização interna 16-17h Alunos – interv. Alunos – aval.- interv. 17-18h Família – interv. Organização interna
  • 39.
  • 40. • O trabalho realizado pela psicóloga seguirá cronograma semelhante ao da pedagoga, porém: • Os atendimentos a professores, famílias e alunos serão às terças; • Às quintas realizará visitas de itinerância às outras escolas; • A participação em coletivas das outras IE não acontecerá em dias de formação promovidas pela EEAA no CEI 1; • De forma análoga, no dia em que a psicóloga promover formação em outra IE, não participará da coletiva no CEI 1; • Será disponibilizado à Equipe Diretiva e à Pedagoga da EEAA um cronograma mensal da itinerância. • Os atendimentos às terças acontecerão por ordem de prioridade a ser definida em conjunto com a pedagoga • Início do cronograma proposto: Abril
  • 41. 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 8-9h CI Acompanha mento Coletiva/ Planejamento conjunto Itinerância Coord. Intermediária EEAA 9-10h Acompanha mento 10-11h Acompanha mento 11-12h Acompanha mento 14-15h Planejamento Individual Acompanha mento Coletiva/ Planejamento conjunto CI 15-16h Acompanha mento 16-17h Acompanha mento 17-18h Acompanha mento
  • 42. 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 8-9h CI Alunos Coletiva/ Planejamento conjunto Itinerância Coord. Intermediária EEAA 9-10h Família 10-11h Alunos 11-12h Família 14-15h Planejamento Individual Alunos Coletiva/ Planejamento conjunto CI 15-16h Família 16-17h Alunos 17-18h Família
  • 43.
  • 44. ** Disponíveis no site da EEAA-CEI01 • O Espaço de Estimulação Psicomotora consistirá em um local planejado para proporcionar experiências de atividade e estimulação psicomotora. • O objetivo é prover um espaço fixo que complemente as propostas de atividades e materiais flexíveis já disponíveis na Escola e orientadas pela EEAA.
  • 45. • Um jardim sensorial é um espaço planejado para proporcionar experiências diversificadas por meio dos sentidos. • Nesse local são dispostos materiais táteis, sonoros, olfativos, gustativos • O objetivo é prover a experimentação de sensações e estímulo aos sentidos, promovendo aprendizagens e desenvolvimento por meio da experiência ativa.
  • 47.
  • 48. • OBJETIVO I: Refletir sobre a aplicabilidade de conceitos, como meio de estruturação do trabalho pedagógico na educação infantil • Meta atingida: Realização de 5 encontros coletivos de formação docente: • Apresentação da EEAA • ANEEs sem diagnósticos nas turmas e atendimento a necessidades específicas de aprendizagem • Psicomotricidade • Agressividade, raiva, hiperatividade • Cognição (Avaliação dos encontros) • Meta atingida: Finalização do projeto psicomotricidade • Meta atingida: Atendimentos a professores (assessoria, plantões, observações, apoios) • Meta atingida: Participações em todos os Conselhos de Classe
  • 49. • OBJETIVOS II e III: II. Favorecer a reflexão sobre importância da participação dos pais no processo de plena adaptação na escola bem como no desenvolvimento global do filho. III. Refletir sobre as formas de intervenção/acompanhamento do filho para sanar as dificuldades que interferem em seu pleno desenvolvimento. • Meta atingida: Participações em Reuniões de Pais/ Responsáveis: 02 • Palestra realizada junto aos pais/ responsáveis: 01 • Meta atingida: Atendimentos realizados junto a pais: 73 • Meta atingida: Participações Reuniões em eventos escolares (festa junina, festa da família, peça teatral): 03
  • 50. • OBJETIVO IV: Realizar Avaliação/Intervenção da Queixa Escolar (PAIQUE) • Meta superada: atendimento a 100% da demanda (previsto 90%) PERÍODO 1º PE 2º PE TT TURNO M 14 16 (4*) 30 (4*) V 08 11 (4*) 19 (4*) TT 22 27 (8*) 49 (8*) Tabela 1 - TOTAL DE ALUNOS ENCAMINHADOS À EEAA E ATENDIDOS * Alunos encaminhados em 2013 que permaneceram no interventivo por parte de 2014, por se fazer necessário após reflexão com a Equipe Escolar.
  • 51. Gráfico 1 - NÚMERO DE ALUNOS ENCAMINHADOS À EEAA AO LONGO DOS MESES DE 2014
  • 52. • Assessoria a docentes • Alunos identificados com necessidades educacionais especiais • Incluídos em turmas adequadas à Estratégia de Matrícula • No CEI 1: 2 • Em outras IE: 5 • Não incluídos: 1 (caso de suspeita de mutismo seletivo) • Reencaminhamentos ao SOE, por se tratar de situação vulnerabilidade social/ familiar: 9 (4 de 1º PE; 5 de 2º PE) • Alunos incluídos em grupos interventivos: 29 (14 de 1º PE; 15 de 2º PE), em grupos de 5 alunos em rodizio pela quantidade de encaminhamentos • Alunos encaminhados para acompanhamento pelo Conselho Tutelar: 9 (4 de 1º PE; 5 de 2º PE)
  • 53. • Alunos encaminhados para atendimento complementar em saúde: 7 (3 de 1º PE; 4 de 2º PE) • Alunos acompanhados quanto ao atendimento complementar em saúde: 8 (4 de 1º PE; 4 de 2º PE) • Alunos cujas famílias não compareceram (depois de 3 convocações): 1 • Alunos atendidos a pedido da Justiça, por questões familiares: 1 • Alunos transferidos: 2 • Alunos encaminhados à SAA: 1 • Alunos do 1º período em 2014 que permanecerão no interventivo em 2015: 6, a serem reavaliado junto à Equipe Escolar
  • 54. Uma mudança no olhar e no fazer, em relação a 2014
  • 55.
  • 56.
  • 57. SEDF. Orientação Pedagógica das Equipes Especializadas de Apoio à Aprendizagem. SEDF: Ritla, 2010. SEDF. Regimento Escolar das Instituições Educacionais da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, Portaria Nº 15 de 11 de fevereiro de 2015.