SlideShare uma empresa Scribd logo
Sintaxe -
Termos Integrantes da Oração
3º 2 – 2024
Profª Marlene Mendes
Termos Integrantes da Oração
Introdução
Integrantes são os termos que servem para complementar
o sentido de certos verbos ou nomes, pois seu significado só
se completa com a presença de tais termos.
Os termos integrantes da oração são:
1-Complementos verbais
objeto direto
objeto indireto
2-Complemento nominal
3-Agente da passiva
COMPLEMENTOS VERBAIS
OBJETO DIRETO
Termo não regido por preposição obrigatória. Completa o sentido
do verbo transitivo direto.
Exemplos: Eles esperavam o ônibus.
VTD Obj. Dir.
Ela vendia doces.
VTD Obj. dir.
Um método bem prático para determinar o objeto direto é
perguntar QUEM? ou O QUÊ? depois do verbo.
Ela vendia O QUÊ? Doces
Obj. dir.
OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO
Mesmo não sendo regido de preposição, há casos em que o objeto direto
necessita de uma:
a) quando tem por núcleo pronomes oblíquos tônicos:
Exemplo: Assim, prejudicas a ti.
b) quando tem por núcleo substantivos próprios ou referentes a
pessoas:
Exemplo: Amar a Deus sobre todas as coisas.
Obj. dir. prep.
c) quando tem por núcleo pronomes demonstrativos, indefinidos e
de tratamento:
Exemplo: A foto sensibilizou a todos.
Obj. dir. prep.
d) quando seu núcleo é o pronome relativo QUEM.
Exemplo: Queremos conhecer o professor a quem admiras tanto.
Obj. dir. prep.
e) quando o objeto direto é a palavra ambos:
Exemplo: A chuva molhou a ambos.
Obj. dir.prep.
f) para evitar a ambiguidade:
Exemplo: Convenceu ao pai o filho mais velho.
Obj. dir.prep.
g) quando se quer indicar ideia de parte, porção:
Exemplo: Beberemos deste vinho.
Obj. dir. prep.
OBJETO DIRETO PLEONÁSTICO
Quando se quer dar ênfase à ideia, o objeto direto
vem repetido na oração.
Exemplos: Este livro, eu o comprei ontem.
Obj. dir. Obj.dir. pleon.
As balas, coloquei-as em um pote.
Obj. dir. Obj. dir. pleon.
OBJETO INDIRETO
Completa o sentido do verbo transitivo indireto e é regido
por preposição.
Exemplos: Aline gosta de frutas.
Obj. ind.
Não confio em políticos.
Obj. ind.
Para reconhecer o objeto indireto, basta perguntar QUEM ou
QUE depois do verbo + preposição.
Exemplo: Aline gosta de frutas.
Aline gosta de quê? De frutas.
OBJETO INDIRETO PLEONÁSTICO
É quando o objeto indireto aparece duplamente na
oração para se dar ênfase à ideia.
Exemplos: A mim, ensinaram-me muito bem.
Obj. ind. Obj. ind. Pleon.
Ao amigo, devo-lhe gratidão pelo que fez por mim.
Obj. ind. Obj. ind. Pleon.
COMPLEMENTO NOMINAL
É o termo que completa o sentido de substantivos,
adjetivos e advérbios, ligando-se a esses nomes por
meio de preposição.
Exemplos: Tenho certeza de sua culpa.
Compl. Nominal (completa o
sentido do substantivo certeza)
A árvore está cheia de frutos.
Compl. Nominal (completa o sentido do
adjetivo cheia)
Nós chegamos perto dos gorilas.
Compl. Nominal (completa o
sentido do advérbio perto)
Para determinar o complemento nominal, basta seguir
o seguinte esquema:
Nome + preposição + QUEM ou QUÊ?
Ele é perito em computação.
Complemento nominal
DIFERENÇA ENTRE COMPLEMENTO
NOMINAL E OBJETO INDIRETO
Enquanto o complemento nominal completa o sentido dos
nomes – substantivo, adjetivo e advérbio – o objeto indireto
completa o sentido de um verbo transitivo indireto.
Exemplos: Lembrei-me de minha terra natal.
Objeto indireto
Ela manteve seu gosto pelo luxo.
Complemento nominal
AGENTE DA PASSIVA
O agente da passiva só ocorre em orações cujo verbo se
apresenta na voz passiva a fim de indicar o elemento
que executa a ação verbal.
Exemplos: As terras foram invadidas pelos sem-terra.
Agente da passiva
A cidade estava cercada de belezas naturais.
Agente da passiva
Observação:
O agente da passiva, o objeto indireto e o complemento nominal
são regidos por preposição, pr isso muitas vezes há dúvidas na
diferenciação dos três. Quando isso acontecer, basta observar o
sujeito da oração. Para ser agente da passiva o sujeito precisa ser
paciente.
Exemplos: A jangada havia sido levada pelas enchentes.
Agente da passiva
Sentia-se livre de qualquer responsabilidade.
Complemento nominal
Vamos precisar de sua compreensão.
Objeto indireto
CONCLUSÃO
Vimos que os termos integrantes da oração são os
complementos verbais – objeto direto e objeto
indireto; complemento nominal e agente da
passiva.
Os complementos verbais servem para completar o
sentido de certos verbos, sendo que o objeto direto
completa o sentido de um verbo transitivo direto, sem
a necessidade de preposição. Já o objeto indireto
completa o sentido de um verbo transitivo indireto e
regido por preposição, obrigatoriamente.
O complemento nominal completa o sentido dos
nomes – substantivo, adjetivo e advérbio – e, assim
como o objeto indireto, também é regido por
preposição. A diferença entre ambos é que o
complemento nominal completa o sentido dos nomes,
e o objeto indireto, o sentido de verbos transitivos
indiretos.
O agente da passiva ocorre em orações cujo verbo se
apresenta na voz passiva a fim de indicar o elemento
que executa a ação verbal. Geralmente o agente da
passiva vem regido das preposições de e por.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx

Predicação Verbal
Predicação VerbalPredicação Verbal
Predicação Verbal
Matheus Nascente
 
Revisão de elementos da oração
Revisão de elementos da oraçãoRevisão de elementos da oração
Revisão de elementos da oração
carolparizotto
 
08 - Termos da oração
08 - Termos da oração08 - Termos da oração
08 - Termos da oração
NAPNE
 
Meio ambiente.pptx
Meio ambiente.pptxMeio ambiente.pptx
Meio ambiente.pptx
leilapinheiro15
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
Itamar Franco
 
LP: Funções Sintácticas
LP: Funções SintácticasLP: Funções Sintácticas
LP: Funções Sintácticas
7F
 
LP: Funções Sintácticas
LP: Funções SintácticasLP: Funções Sintácticas
LP: Funções Sintácticas
7F
 
Slide Predicação
Slide PredicaçãoSlide Predicação
Slide Predicação
Jomari
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
Dany Pimentel
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
Dany Pimentel
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃO
vxctorwa
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
Sâmara Souza de Azevedo
 
SINTAXE
SINTAXESINTAXE
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
Sâmara Souza de Azevedo
 
Predicação verbal!
Predicação verbal!Predicação verbal!
Predicação verbal!
Sâmara Souza de Azevedo
 
653
653653
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
Diego Prezia
 
Funçoes sintacticas
Funçoes sintacticasFunçoes sintacticas
Funçoes sintacticas
8ºC
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
Sandra Paula
 
Funçoes sintacticas
Funçoes sintacticasFunçoes sintacticas
Funçoes sintacticas
8ºC
 

Semelhante a 3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx (20)

Predicação Verbal
Predicação VerbalPredicação Verbal
Predicação Verbal
 
Revisão de elementos da oração
Revisão de elementos da oraçãoRevisão de elementos da oração
Revisão de elementos da oração
 
08 - Termos da oração
08 - Termos da oração08 - Termos da oração
08 - Termos da oração
 
Meio ambiente.pptx
Meio ambiente.pptxMeio ambiente.pptx
Meio ambiente.pptx
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
LP: Funções Sintácticas
LP: Funções SintácticasLP: Funções Sintácticas
LP: Funções Sintácticas
 
LP: Funções Sintácticas
LP: Funções SintácticasLP: Funções Sintácticas
LP: Funções Sintácticas
 
Slide Predicação
Slide PredicaçãoSlide Predicação
Slide Predicação
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃO
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
 
SINTAXE
SINTAXESINTAXE
SINTAXE
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
 
Predicação verbal!
Predicação verbal!Predicação verbal!
Predicação verbal!
 
653
653653
653
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
Funçoes sintacticas
Funçoes sintacticasFunçoes sintacticas
Funçoes sintacticas
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
Funçoes sintacticas
Funçoes sintacticasFunçoes sintacticas
Funçoes sintacticas
 

Mais de Marlene Cunhada

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
I.M.T - O MUNDO DO TRABALHO.ppt
I.M.T -  O   MUNDO    DO    TRABALHO.pptI.M.T -  O   MUNDO    DO    TRABALHO.ppt
I.M.T - O MUNDO DO TRABALHO.ppt
Marlene Cunhada
 
Variação linguística - edição 2021.pptx
Variação linguística  - edição 2021.pptxVariação linguística  - edição 2021.pptx
Variação linguística - edição 2021.pptx
Marlene Cunhada
 
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
Oracoes  subordinadas  substantivas.pptxOracoes  subordinadas  substantivas.pptx
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
Marlene Cunhada
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
Marlene Cunhada
 
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docxreading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
Marlene Cunhada
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Marlene Cunhada
 
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
Marlene Cunhada
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Marlene Cunhada
 
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.pptLINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
Marlene Cunhada
 
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptxSLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
Marlene Cunhada
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
Marlene Cunhada
 
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptxSlide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
Marlene Cunhada
 
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptxBIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
Marlene Cunhada
 
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
Marlene Cunhada
 
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
Marlene Cunhada
 
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
Marlene Cunhada
 
VERB TO BE.docx
VERB TO BE.docxVERB TO BE.docx
VERB TO BE.docx
Marlene Cunhada
 
mothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.docmothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.doc
Marlene Cunhada
 
family-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.docfamily-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.doc
Marlene Cunhada
 

Mais de Marlene Cunhada (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
I.M.T - O MUNDO DO TRABALHO.ppt
I.M.T -  O   MUNDO    DO    TRABALHO.pptI.M.T -  O   MUNDO    DO    TRABALHO.ppt
I.M.T - O MUNDO DO TRABALHO.ppt
 
Variação linguística - edição 2021.pptx
Variação linguística  - edição 2021.pptxVariação linguística  - edição 2021.pptx
Variação linguística - edição 2021.pptx
 
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
Oracoes  subordinadas  substantivas.pptxOracoes  subordinadas  substantivas.pptx
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
 
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docxreading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
 
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
 
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.pptLINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
 
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptxSLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptxSlide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
 
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptxBIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
 
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL
 
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
 
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
 
VERB TO BE.docx
VERB TO BE.docxVERB TO BE.docx
VERB TO BE.docx
 
mothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.docmothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.doc
 
family-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.docfamily-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.doc
 

Último

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx

  • 1. Sintaxe - Termos Integrantes da Oração 3º 2 – 2024 Profª Marlene Mendes
  • 2. Termos Integrantes da Oração Introdução Integrantes são os termos que servem para complementar o sentido de certos verbos ou nomes, pois seu significado só se completa com a presença de tais termos. Os termos integrantes da oração são: 1-Complementos verbais objeto direto objeto indireto 2-Complemento nominal 3-Agente da passiva
  • 3. COMPLEMENTOS VERBAIS OBJETO DIRETO Termo não regido por preposição obrigatória. Completa o sentido do verbo transitivo direto. Exemplos: Eles esperavam o ônibus. VTD Obj. Dir. Ela vendia doces. VTD Obj. dir. Um método bem prático para determinar o objeto direto é perguntar QUEM? ou O QUÊ? depois do verbo. Ela vendia O QUÊ? Doces Obj. dir.
  • 4. OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO Mesmo não sendo regido de preposição, há casos em que o objeto direto necessita de uma: a) quando tem por núcleo pronomes oblíquos tônicos: Exemplo: Assim, prejudicas a ti. b) quando tem por núcleo substantivos próprios ou referentes a pessoas: Exemplo: Amar a Deus sobre todas as coisas. Obj. dir. prep. c) quando tem por núcleo pronomes demonstrativos, indefinidos e de tratamento: Exemplo: A foto sensibilizou a todos. Obj. dir. prep.
  • 5. d) quando seu núcleo é o pronome relativo QUEM. Exemplo: Queremos conhecer o professor a quem admiras tanto. Obj. dir. prep. e) quando o objeto direto é a palavra ambos: Exemplo: A chuva molhou a ambos. Obj. dir.prep. f) para evitar a ambiguidade: Exemplo: Convenceu ao pai o filho mais velho. Obj. dir.prep. g) quando se quer indicar ideia de parte, porção: Exemplo: Beberemos deste vinho. Obj. dir. prep.
  • 6. OBJETO DIRETO PLEONÁSTICO Quando se quer dar ênfase à ideia, o objeto direto vem repetido na oração. Exemplos: Este livro, eu o comprei ontem. Obj. dir. Obj.dir. pleon. As balas, coloquei-as em um pote. Obj. dir. Obj. dir. pleon.
  • 7. OBJETO INDIRETO Completa o sentido do verbo transitivo indireto e é regido por preposição. Exemplos: Aline gosta de frutas. Obj. ind. Não confio em políticos. Obj. ind. Para reconhecer o objeto indireto, basta perguntar QUEM ou QUE depois do verbo + preposição. Exemplo: Aline gosta de frutas. Aline gosta de quê? De frutas.
  • 8. OBJETO INDIRETO PLEONÁSTICO É quando o objeto indireto aparece duplamente na oração para se dar ênfase à ideia. Exemplos: A mim, ensinaram-me muito bem. Obj. ind. Obj. ind. Pleon. Ao amigo, devo-lhe gratidão pelo que fez por mim. Obj. ind. Obj. ind. Pleon.
  • 9. COMPLEMENTO NOMINAL É o termo que completa o sentido de substantivos, adjetivos e advérbios, ligando-se a esses nomes por meio de preposição. Exemplos: Tenho certeza de sua culpa. Compl. Nominal (completa o sentido do substantivo certeza) A árvore está cheia de frutos. Compl. Nominal (completa o sentido do adjetivo cheia)
  • 10. Nós chegamos perto dos gorilas. Compl. Nominal (completa o sentido do advérbio perto) Para determinar o complemento nominal, basta seguir o seguinte esquema: Nome + preposição + QUEM ou QUÊ? Ele é perito em computação. Complemento nominal
  • 11. DIFERENÇA ENTRE COMPLEMENTO NOMINAL E OBJETO INDIRETO Enquanto o complemento nominal completa o sentido dos nomes – substantivo, adjetivo e advérbio – o objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto. Exemplos: Lembrei-me de minha terra natal. Objeto indireto Ela manteve seu gosto pelo luxo. Complemento nominal
  • 12. AGENTE DA PASSIVA O agente da passiva só ocorre em orações cujo verbo se apresenta na voz passiva a fim de indicar o elemento que executa a ação verbal. Exemplos: As terras foram invadidas pelos sem-terra. Agente da passiva A cidade estava cercada de belezas naturais. Agente da passiva
  • 13. Observação: O agente da passiva, o objeto indireto e o complemento nominal são regidos por preposição, pr isso muitas vezes há dúvidas na diferenciação dos três. Quando isso acontecer, basta observar o sujeito da oração. Para ser agente da passiva o sujeito precisa ser paciente. Exemplos: A jangada havia sido levada pelas enchentes. Agente da passiva Sentia-se livre de qualquer responsabilidade. Complemento nominal Vamos precisar de sua compreensão. Objeto indireto
  • 14. CONCLUSÃO Vimos que os termos integrantes da oração são os complementos verbais – objeto direto e objeto indireto; complemento nominal e agente da passiva. Os complementos verbais servem para completar o sentido de certos verbos, sendo que o objeto direto completa o sentido de um verbo transitivo direto, sem a necessidade de preposição. Já o objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto e regido por preposição, obrigatoriamente.
  • 15. O complemento nominal completa o sentido dos nomes – substantivo, adjetivo e advérbio – e, assim como o objeto indireto, também é regido por preposição. A diferença entre ambos é que o complemento nominal completa o sentido dos nomes, e o objeto indireto, o sentido de verbos transitivos indiretos. O agente da passiva ocorre em orações cujo verbo se apresenta na voz passiva a fim de indicar o elemento que executa a ação verbal. Geralmente o agente da passiva vem regido das preposições de e por.