SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Do Articulador Pedagógico
A escola não é a que ensina, é a que aprende.
As escolas ganharão outro sentido e
significado quando os professores de uma
escola puderem dizer: “Sou parte de um
grupo de educadores que está construindo
a qualidade de ensino para todos na escola
e na sala de aula”. (Libâneo; 2009)
3
A ação do Articulador Pedagógico dar-se-á,
prioritariamente, de modo preventivo e sob a
forma de orientação, visando promover o
desenvolvimento da autonomia e da
integração, envolvendo-se no processo
educativo de forma global como elemento
integrante e integrador do grupo de
trabalho, buscando superar conflitos,
barreiras e desvios que possam comprometer
a aprendizagem e a eficácia do processo
educacional.
ARTICULADORSEME
UNIDADE
ESCOLAR
Princípio:
O Diagnóstico
A comunicação
O cotidiano A gestão do tempo
A gestão de pessoas
O Projeto Político
Pedagógico
A gestão dos espaços
A Rede de Proteção
Estudantes
COMUNICAÇÃO
ArticuladorSEME UNIDADE
ESCOLAR
A ARTICULAÇÃO DEVE ZELAR PELA COMUNICAÇÃO SEM RUÍDOS ENTRE
A SEME E A UNIDADE ESCOLAR
O Esquema na SEME
Articulador
EIXO: Política Educacional
FOCO: Aprendizagem de todos os alunos
COMPROMISSO: a conquista das metas educacionais
Promover
Articular
Ações na SEME

Atuar como elemento de ligação entre a equipe
central da Secretaria Municipal de Educação e a
Unidade Escolar.

Divulgar projetos/programas e orientar a Unidade
Escolar no que se refere ao cumprimento das
metas estabelecidas pela SEME.

Participar de iniciativas que visem o crescimento
profissional tais como seminários, cursos,
plenárias do Conselho Municipal de Educação.

Participar das reuniões da Secretaria Municipal de
Educação.

Articular quando for necessário, com a rede de
proteção à criança e ao adolescente (CT, CRAS,
CREAS, Saúde,...) com a finalidade em garantir
os direitos básicos para o alcance da
aprendizagem.

Manter contato permanente com a Gerência do
Educacional e Coordenadores de área, segmento
ou grupos visando à integração e o entrosamento
das equipes.

Promover e provocar reflexão do Departamento
Educacional com vistas a solucionar as
dificuldades e entraves nas escolas

Levantar demandas de formação e treinamento
para encaminhamento ao CEPEDE e as
coordenações de área com o objetivo de melhoria
no processo ensino- aprendizagem.

Levantar dados e diagnósticos para reflexão das
ações e alcance do foco na aprendizagem de
todos os alunos matriculados na rede municipal
de ensino.

Construir relatórios e pareceres apontando as
demandas para promoção de debates na
Secretaria Municipal de Educação com o foco nas
políticas públicas.
FORMAÇÃOFORMAÇÃO
PROJETO
POLÍTICO
PEDAGÓGICO
PROJETO
POLÍTICO
PEDAGÓGICO
CURRÍCULOCURRÍCULO
CONSELHO
ESCOLA
COMUNIDADE
CONSELHO
ESCOLA
COMUNIDADE
ARTICULADORARTICULADOR
PROFESSOR e
UNIDADE ESCOLAR
PROFESSOR e
UNIDADE ESCOLAR
SEME
(COORD. DE, SEGMENTO,
DISCIPLINA E
SUPERVISÃO
SEME
(COORD. DE, SEGMENTO,
DISCIPLINA E
SUPERVISÃO
SEME
(COORD. OE)
SEME
(COORD. OE)
CRAS,
CREAS,
CAPSI...
CRAS,
CREAS,
CAPSI...
Promotoria,
CMDCA
Promotoria,
CMDCA
SAÚDESAÚDE
CTCT
ARTICULADORARTICULADOR
Aluno e
UNIDADE ESCOLAR
Aluno e
UNIDADE ESCOLAR
REDEDEPROTEÇÃOegarantiadedireitos
*
*As Redes de Proteção Integral
compreendem todas as políticas públicas,
serviços, instituições,
órgãos e atores
voltados para a garantia dos direitos
da criança e do adolescente.
Em geral, é formada pelo: Ministério Público,
pelas Varas da Infância e da Juventude,
Defensorias Públicas, Promotorias,
Conselhos dos
Direitos da Criança e do
Adolescente, Conselhos Tutelares e
Conselhos Escolares, Conselhos de Saúde,
Conselhos de Assistência Social,
entre outros.
O Esquema na escola
Articulador
EIXO: Gestão de Pessoas da Escola
FOCO: Aprendizagem dos alunos
COMPROMISSO: a construção da Escola que faz a Educação de
Qualidade
Orientação
Suporte
G
E
S
T
Ã
O
D
O
C
O
N
H
E
C
I
M
E
N
T
O
Ação na Unidade Escolar

Acompanhar e orientar a execução do Processo
Pedagógico das Unidades de Ensino.

Contribuir com a construção, reflexão e execução do
projeto político pedagógico em todas as suas
dimensões.

Construir com o supervisor/coordenador de área/
Orientador Educacional e professor regente, e quando
for o caso, com a equipe de inclusão e do CAAPE, um
plano de intervenção pedagógica que contemple a
especificidade de cada aluno, identificando estratégias
eficientes para poder potencializar as aprendizagens
nas diferentes áreas de conhecimento.

Organizar com a equipe técnico-pedagógica e
administrativa o tempo e o espaço escolar, no sentido
de assegurar os processos de aprendizagem dos
alunos.

Elaborar com o supervisor escolar, orientador
educacional e corpo docente da escola o plano de
atendimento aos estudantes com desafios de
aprendizagem ou em processo de superação.

Promover o resgate da autoestima e a identidade
cultural do estudante, visando sua integração no
ambiente escolar e a sua construção dos
conhecimentos em parceria com a orientação
educacional.

Participar da avaliação dos estudantes nos conselhos
de classes e nas reuniões de coordenação, sempre
que possível, visando o diagnóstico e a colaboração
no planejamento das ações pedagógicas.

Auxiliar a unidade escolar no atendimento e
orientação aos pais e responsáveis.

Manter contato permanente com a Direção,
Supervisão Escolar, Orientação Educacional e
Inspetor visando à integração e o entrosamento das
equipes.

Estimular e articular a elaboração de projetos
especiais junto à comunidade escolar, como
aceleração de estudos, reforço escolar e outros,
conforme determinação da SEME.

Elaborar, acompanhar e avaliar, em conjunto com a
Direção da Unidade Escolar, os planos, programas e
projetos voltados para o desenvolvimento da escola.

Promover e incentivar a realização de palestras,
encontros e similares, com grupos de estudantes e
professores sobre temas diagnosticados como
relevantes para a melhoria da aprendizagem em
acordo com a equipe técnico-pedagógica e
administrativa.
PONTOS PARA DIAGNÓSTICO
Gestão:
Baixa qualidade dos trabalhos realizados; Gasto excessivo de
tempo na execução das tarefas; Falta de preparo adequado
para o desempenho da função; Envolvimento do corpo
docente; Frequente perda ou desperdício de material ou
equipamento; Afastamento de pessoal; Mudança de
tecnologia ou métodos de trabalho; Mudança e/ou existência
do Projeto Político Pedagógico; Espaços e aproveitamentos;
Tempo de aula/ociosos/intervalos/vagos...; Envolvimento de
toda a comunidade escolar; Conselho Escola Comunidade;
Relações interpessoais; Alunos encaminhados para os
programas (reforço/acelera); Alunos com dificuldades de
aprendizagem;
Após o diagnóstico: Montagem de Plano de Ação.
14
Concluindo....
O Articulador Pedagógico deverá estimular a gestão
compartilhada que envolve professores, alunos, funcionários e
pais de alunos. A visão de organização escolar nos remete a
necessidade de que todos os envolvidos devem assumir e
compartilhar responsabilidades nas múltiplas áreas de atuação da
escola. Num contexto onde as pessoas têm liberdade de atuar e
intervir e, por isso, se sentem à vontade para criar e propor
soluções para os diversos problemas que surgem, sempre no
intuito de atingir os objetivos da organização.
“Uma escola pró-ativa é aquela que age com criatividade diante
dos obstáculos, desenvolvendo projetos específicos para as
comunidades em que atua, de modo a ir além da proposta
sugerida pelas secretarias de Educação. O contrário da pró-
atividade é a reatividade, que está associada na busca de
justificativas para as limitações de nossas ações e de resultados
ineficazes.” Heloísa Lück
.
Para recriar este novo sentido para o trabalho escolar,
três orientações me parecem fundamentais:
estimular o gosto pelo ato intelectual de aprender,
aprender pelo trabalho e exercer o direito à palavra.
(Canário)
Neste caminhar espera-se alcançar a qualidade e eficicácia na educação
prestada em Armação dos Búzios.
Articuladora
Graciane Volotão
gracianevolotao@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010Doralice Jacinto da Silva
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1ºNethy Marques
 
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Eveline Sol
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012Selma Coimbra
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaLucio Lira
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolarJoao Balbi
 
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013Adilson P Motta Motta
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraCirlei Santos
 
Síntese conselho de classe
Síntese conselho de classeSíntese conselho de classe
Síntese conselho de classevivianelima
 
Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Lindomar Oliveira
 
Plano de ação - Chapa 2
Plano de ação - Chapa 2Plano de ação - Chapa 2
Plano de ação - Chapa 2leilavss
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 muni2014
 

Mais procurados (20)

Ap. plano de ação
Ap. plano de açãoAp. plano de ação
Ap. plano de ação
 
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
 
Conselho de classe para que
Conselho de classe para queConselho de classe para que
Conselho de classe para que
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
 
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Plano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escolaPlano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escola
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
 
Síntese conselho de classe
Síntese conselho de classeSíntese conselho de classe
Síntese conselho de classe
 
Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019
 
Plano de ação - Chapa 2
Plano de ação - Chapa 2Plano de ação - Chapa 2
Plano de ação - Chapa 2
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 

Destaque

Plano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloPlano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloDaniel Santos
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarBelister Paulino
 
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016QUEDMA SILVA
 
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014AE Spc
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAlucavao2010
 
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professorFormação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professorCristiana Campos
 
Aprendizagem significativa apresentação
Aprendizagem significativa apresentaçãoAprendizagem significativa apresentação
Aprendizagem significativa apresentaçãoGraciane Volotao
 
Descritores Ciências Humanas
Descritores Ciências HumanasDescritores Ciências Humanas
Descritores Ciências Humanaslucavao2010
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaprofarosangela
 
Cefapro orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...
Cefapro   orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...Cefapro   orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...
Cefapro orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...joelson10
 
Articuladores dr
Articuladores drArticuladores dr
Articuladores drJosé Vega
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemVeronica Cruz
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...Portal QEdu
 

Destaque (20)

Plano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloPlano de ação - Modelo
Plano de ação - Modelo
 
Plano de ação
Plano de açãoPlano de ação
Plano de ação
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Articuladores
ArticuladoresArticuladores
Articuladores
 
Karol
KarolKarol
Karol
 
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014
AESPC: Projeto de Articulação de Matemática 2013/2014
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADA
 
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professorFormação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
 
Articuladores
ArticuladoresArticuladores
Articuladores
 
Aprendizagem significativa apresentação
Aprendizagem significativa apresentaçãoAprendizagem significativa apresentação
Aprendizagem significativa apresentação
 
Orientaes colegiado escolar
Orientaes   colegiado escolarOrientaes   colegiado escolar
Orientaes colegiado escolar
 
Descritores Ciências Humanas
Descritores Ciências HumanasDescritores Ciências Humanas
Descritores Ciências Humanas
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
 
Cefapro orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...
Cefapro   orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...Cefapro   orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...
Cefapro orientativo para a elaboração do projeto sala de educador (passo a ...
 
Articuladores dr
Articuladores drArticuladores dr
Articuladores dr
 
PPP
PPPPPP
PPP
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagem
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
 

Semelhante a Articulador Pedagógico

Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorNethy Marques
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaUlisses Vakirtzis
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantilUAB -Polo de Primavera do Leste
 
A Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede MunicipalA Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede MunicipalUlisses Vakirtzis
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICALidia Carvalho
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoElicio Lima
 
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
Inclusão escolar -  Como fazer.pptxInclusão escolar -  Como fazer.pptx
Inclusão escolar - Como fazer.pptxkarolaineferreira3
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaSocorro Vasconcelos
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacaoEduardo Lopes
 

Semelhante a Articulador Pedagógico (20)

Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
 
Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenador
 
21 pdca
21 pdca21 pdca
21 pdca
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escola
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
 
A Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede MunicipalA Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede Municipal
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Sala ppp
Sala pppSala ppp
Sala ppp
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
Inclusão escolar -  Como fazer.pptxInclusão escolar -  Como fazer.pptx
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
 

Último

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 

Último (20)

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 

Articulador Pedagógico

  • 1. Do Articulador Pedagógico A escola não é a que ensina, é a que aprende.
  • 2. As escolas ganharão outro sentido e significado quando os professores de uma escola puderem dizer: “Sou parte de um grupo de educadores que está construindo a qualidade de ensino para todos na escola e na sala de aula”. (Libâneo; 2009)
  • 3. 3 A ação do Articulador Pedagógico dar-se-á, prioritariamente, de modo preventivo e sob a forma de orientação, visando promover o desenvolvimento da autonomia e da integração, envolvendo-se no processo educativo de forma global como elemento integrante e integrador do grupo de trabalho, buscando superar conflitos, barreiras e desvios que possam comprometer a aprendizagem e a eficácia do processo educacional.
  • 5. O Diagnóstico A comunicação O cotidiano A gestão do tempo A gestão de pessoas O Projeto Político Pedagógico A gestão dos espaços A Rede de Proteção Estudantes
  • 6. COMUNICAÇÃO ArticuladorSEME UNIDADE ESCOLAR A ARTICULAÇÃO DEVE ZELAR PELA COMUNICAÇÃO SEM RUÍDOS ENTRE A SEME E A UNIDADE ESCOLAR
  • 7. O Esquema na SEME Articulador EIXO: Política Educacional FOCO: Aprendizagem de todos os alunos COMPROMISSO: a conquista das metas educacionais Promover Articular
  • 8. Ações na SEME  Atuar como elemento de ligação entre a equipe central da Secretaria Municipal de Educação e a Unidade Escolar.  Divulgar projetos/programas e orientar a Unidade Escolar no que se refere ao cumprimento das metas estabelecidas pela SEME.  Participar de iniciativas que visem o crescimento profissional tais como seminários, cursos, plenárias do Conselho Municipal de Educação.  Participar das reuniões da Secretaria Municipal de Educação.  Articular quando for necessário, com a rede de proteção à criança e ao adolescente (CT, CRAS, CREAS, Saúde,...) com a finalidade em garantir os direitos básicos para o alcance da aprendizagem.  Manter contato permanente com a Gerência do Educacional e Coordenadores de área, segmento ou grupos visando à integração e o entrosamento das equipes.  Promover e provocar reflexão do Departamento Educacional com vistas a solucionar as dificuldades e entraves nas escolas  Levantar demandas de formação e treinamento para encaminhamento ao CEPEDE e as coordenações de área com o objetivo de melhoria no processo ensino- aprendizagem.  Levantar dados e diagnósticos para reflexão das ações e alcance do foco na aprendizagem de todos os alunos matriculados na rede municipal de ensino.  Construir relatórios e pareceres apontando as demandas para promoção de debates na Secretaria Municipal de Educação com o foco nas políticas públicas.
  • 10. SEME (COORD. OE) SEME (COORD. OE) CRAS, CREAS, CAPSI... CRAS, CREAS, CAPSI... Promotoria, CMDCA Promotoria, CMDCA SAÚDESAÚDE CTCT ARTICULADORARTICULADOR Aluno e UNIDADE ESCOLAR Aluno e UNIDADE ESCOLAR REDEDEPROTEÇÃOegarantiadedireitos * *As Redes de Proteção Integral compreendem todas as políticas públicas, serviços, instituições, órgãos e atores voltados para a garantia dos direitos da criança e do adolescente. Em geral, é formada pelo: Ministério Público, pelas Varas da Infância e da Juventude, Defensorias Públicas, Promotorias, Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselhos Tutelares e Conselhos Escolares, Conselhos de Saúde, Conselhos de Assistência Social, entre outros.
  • 11. O Esquema na escola Articulador EIXO: Gestão de Pessoas da Escola FOCO: Aprendizagem dos alunos COMPROMISSO: a construção da Escola que faz a Educação de Qualidade Orientação Suporte G E S T Ã O D O C O N H E C I M E N T O
  • 12. Ação na Unidade Escolar  Acompanhar e orientar a execução do Processo Pedagógico das Unidades de Ensino.  Contribuir com a construção, reflexão e execução do projeto político pedagógico em todas as suas dimensões.  Construir com o supervisor/coordenador de área/ Orientador Educacional e professor regente, e quando for o caso, com a equipe de inclusão e do CAAPE, um plano de intervenção pedagógica que contemple a especificidade de cada aluno, identificando estratégias eficientes para poder potencializar as aprendizagens nas diferentes áreas de conhecimento.  Organizar com a equipe técnico-pedagógica e administrativa o tempo e o espaço escolar, no sentido de assegurar os processos de aprendizagem dos alunos.  Elaborar com o supervisor escolar, orientador educacional e corpo docente da escola o plano de atendimento aos estudantes com desafios de aprendizagem ou em processo de superação.  Promover o resgate da autoestima e a identidade cultural do estudante, visando sua integração no ambiente escolar e a sua construção dos conhecimentos em parceria com a orientação educacional.  Participar da avaliação dos estudantes nos conselhos de classes e nas reuniões de coordenação, sempre que possível, visando o diagnóstico e a colaboração no planejamento das ações pedagógicas.  Auxiliar a unidade escolar no atendimento e orientação aos pais e responsáveis.  Manter contato permanente com a Direção, Supervisão Escolar, Orientação Educacional e Inspetor visando à integração e o entrosamento das equipes.  Estimular e articular a elaboração de projetos especiais junto à comunidade escolar, como aceleração de estudos, reforço escolar e outros, conforme determinação da SEME.  Elaborar, acompanhar e avaliar, em conjunto com a Direção da Unidade Escolar, os planos, programas e projetos voltados para o desenvolvimento da escola.  Promover e incentivar a realização de palestras, encontros e similares, com grupos de estudantes e professores sobre temas diagnosticados como relevantes para a melhoria da aprendizagem em acordo com a equipe técnico-pedagógica e administrativa.
  • 13. PONTOS PARA DIAGNÓSTICO Gestão: Baixa qualidade dos trabalhos realizados; Gasto excessivo de tempo na execução das tarefas; Falta de preparo adequado para o desempenho da função; Envolvimento do corpo docente; Frequente perda ou desperdício de material ou equipamento; Afastamento de pessoal; Mudança de tecnologia ou métodos de trabalho; Mudança e/ou existência do Projeto Político Pedagógico; Espaços e aproveitamentos; Tempo de aula/ociosos/intervalos/vagos...; Envolvimento de toda a comunidade escolar; Conselho Escola Comunidade; Relações interpessoais; Alunos encaminhados para os programas (reforço/acelera); Alunos com dificuldades de aprendizagem; Após o diagnóstico: Montagem de Plano de Ação.
  • 14. 14 Concluindo.... O Articulador Pedagógico deverá estimular a gestão compartilhada que envolve professores, alunos, funcionários e pais de alunos. A visão de organização escolar nos remete a necessidade de que todos os envolvidos devem assumir e compartilhar responsabilidades nas múltiplas áreas de atuação da escola. Num contexto onde as pessoas têm liberdade de atuar e intervir e, por isso, se sentem à vontade para criar e propor soluções para os diversos problemas que surgem, sempre no intuito de atingir os objetivos da organização. “Uma escola pró-ativa é aquela que age com criatividade diante dos obstáculos, desenvolvendo projetos específicos para as comunidades em que atua, de modo a ir além da proposta sugerida pelas secretarias de Educação. O contrário da pró- atividade é a reatividade, que está associada na busca de justificativas para as limitações de nossas ações e de resultados ineficazes.” Heloísa Lück .
  • 15. Para recriar este novo sentido para o trabalho escolar, três orientações me parecem fundamentais: estimular o gosto pelo ato intelectual de aprender, aprender pelo trabalho e exercer o direito à palavra. (Canário) Neste caminhar espera-se alcançar a qualidade e eficicácia na educação prestada em Armação dos Búzios.