SlideShare uma empresa Scribd logo

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva

Anaí Peña
Anaí Peña
Anaí PeñaAnalista de Gestão Educacional - Psicóloga da empresa Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva que será realizado no Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga, DF, com o objetivo de construirmos um trabalho mais fundamentado de educação inclusiva com nossas turmas de integração inversa TEA/TGD.

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva

1 de 37
Baixar para ler offline
M E D I A D O R A S :
A n a í H a e s e r P e ñ a
V â n i a S i l v e i r a Va r e l a
SEDF – CRET – CEI 01 de Taguatinga – Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem
ESTUDO COLETIVO:
Transtorno do Espectro Autista
-Abordagem Pedagógica Inclusiva-
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva
“A inclusão é uma visão, uma estrada a ser viajada, mas uma estrada sem
fim, com todos os tipos de barreiras e obstáculos, alguns dos quais estão
em nossas mentes e em nossos corações.”
(Mitter, P. Educação inclusiva: Contextos sociais. Artmed, 2003, apud Arruda e Almeida, 2014, p.6)
1. Definir TEA, suas características e forma de diagnóstico;
2. Apresentar as necessidades especiais apresentadas por
crianças com TEA;
3. Conhecer a proposta de educação inclusiva para crianças
com TEA e
4. Sistematizar algumas estratégias para o trabalho
pedagógico inclusivo com crianças com TEA.
Objetivos do Estudo
HISTÓRIA
Dez coisas que uma criança autista gostaria que
você soubesse
1. Antes de tudo e o mais importante: sou uma criança!
2. Minhas percepções sensoriais estão desorganizadas
3. Receptividade, linguagem expressiva e vocabulário podem ser grandes
desafios para mim.
4. Eu penso concretamente.
5. Seja paciente com meu vocabulário limitado, pois posso ter dificuldade de
dizer o que estou sentindo ou pensando. Observe minha linguagem
corporal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularJanderly Reis
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anoscatialipa
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoAurivan
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoamorimjuvenal
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulClinicaAssis
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismoluis
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoFernandaMars1
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismoadrianamnf13
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilRosane Domingues
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeAutismo & Realidade
 

Mais procurados (20)

Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismo
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantil
 
Espectro Autismo
Espectro AutismoEspectro Autismo
Espectro Autismo
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
 

Destaque

Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse
Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse
Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse Pri Domingos
 
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUSHelena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUSAutismo & Realidade
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativoscraeditgd
 
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5Modificacoes do DSM-IV para DSM-5
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5Felipe de Souza
 
Identificando o autismo - Parte I
Identificando o autismo - Parte IIdentificando o autismo - Parte I
Identificando o autismo - Parte Iinstitutowalden4
 
Autismo e aprendizagem_atividades
Autismo e aprendizagem_atividadesAutismo e aprendizagem_atividades
Autismo e aprendizagem_atividadesausendanunes
 
O que é autismo?
O que é autismo?O que é autismo?
O que é autismo?Mekinho20
 
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...Ministério da Saúde
 
História que explica o autismo às crianças
História que explica o autismo às criançasHistória que explica o autismo às crianças
História que explica o autismo às criançasclaumarjoel
 
Apresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinhaApresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinhaDaniela Santos
 

Destaque (15)

Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse
Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse
Dez coisas que um autista gostaria que você soubesse
 
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUSHelena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Helena Brentani - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5Modificacoes do DSM-IV para DSM-5
Modificacoes do DSM-IV para DSM-5
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Webgincana autismo
Webgincana autismoWebgincana autismo
Webgincana autismo
 
A u t i s m o crbbm
A u t i s m o crbbmA u t i s m o crbbm
A u t i s m o crbbm
 
Identificando o autismo - Parte I
Identificando o autismo - Parte IIdentificando o autismo - Parte I
Identificando o autismo - Parte I
 
Bases NeurobiolóGicas Do Autismo 2010
Bases NeurobiolóGicas Do Autismo   2010Bases NeurobiolóGicas Do Autismo   2010
Bases NeurobiolóGicas Do Autismo 2010
 
Autismo e aprendizagem_atividades
Autismo e aprendizagem_atividadesAutismo e aprendizagem_atividades
Autismo e aprendizagem_atividades
 
O que é autismo?
O que é autismo?O que é autismo?
O que é autismo?
 
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...
Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do...
 
História que explica o autismo às crianças
História que explica o autismo às criançasHistória que explica o autismo às crianças
História que explica o autismo às crianças
 
Apresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinhaApresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinha
 

Semelhante a Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva

Semelhante a Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva (20)

Panfletoautismo
PanfletoautismoPanfletoautismo
Panfletoautismo
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
entre dois mundo
entre dois mundoentre dois mundo
entre dois mundo
 
Revistagalopim2011
Revistagalopim2011Revistagalopim2011
Revistagalopim2011
 
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
 
Transtorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaTranstorno do espectro autista
Transtorno do espectro autista
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
Direitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leituraDireitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leitura
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
 
exemplo.pptx
exemplo.pptxexemplo.pptx
exemplo.pptx
 
Apostila atividades
Apostila atividadesApostila atividades
Apostila atividades
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdf
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Neuropedagogia
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1
 

Mais de Anaí Peña

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoAnaí Peña
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioAnaí Peña
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeAnaí Peña
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopeeAnaí Peña
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaAnaí Peña
 
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEBApresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEBAnaí Peña
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusãoAnaí Peña
 
Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricularAnaí Peña
 
Material de apoio do seaa
Material de apoio do seaaMaterial de apoio do seaa
Material de apoio do seaaAnaí Peña
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Anaí Peña
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente Anaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahAnaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahAnaí Peña
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAnaí Peña
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantilAnaí Peña
 
Mapeamento institucional devolutiva
Mapeamento institucional   devolutivaMapeamento institucional   devolutiva
Mapeamento institucional devolutivaAnaí Peña
 
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAAAnaí Peña
 
Mapeamento institucional concepções docentes
Mapeamento institucional   concepções docentesMapeamento institucional   concepções docentes
Mapeamento institucional concepções docentesAnaí Peña
 
EEAA Apresentação CEI 01-2015
EEAA Apresentação CEI 01-2015EEAA Apresentação CEI 01-2015
EEAA Apresentação CEI 01-2015Anaí Peña
 

Mais de Anaí Peña (20)

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicóloga
 
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEBApresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
 
Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricular
 
Material de apoio do seaa
Material de apoio do seaaMaterial de apoio do seaa
Material de apoio do seaa
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
 
Mapeamento institucional devolutiva
Mapeamento institucional   devolutivaMapeamento institucional   devolutiva
Mapeamento institucional devolutiva
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
 
Mapeamento institucional concepções docentes
Mapeamento institucional   concepções docentesMapeamento institucional   concepções docentes
Mapeamento institucional concepções docentes
 
EEAA Apresentação CEI 01-2015
EEAA Apresentação CEI 01-2015EEAA Apresentação CEI 01-2015
EEAA Apresentação CEI 01-2015
 

Último

Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfdaniele690933
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsAlexandre Oliveira
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfAnaRitaFreitas7
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 

Último (20)

Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica Inclusiva

  • 1. M E D I A D O R A S : A n a í H a e s e r P e ñ a V â n i a S i l v e i r a Va r e l a SEDF – CRET – CEI 01 de Taguatinga – Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem ESTUDO COLETIVO: Transtorno do Espectro Autista -Abordagem Pedagógica Inclusiva-
  • 3. “A inclusão é uma visão, uma estrada a ser viajada, mas uma estrada sem fim, com todos os tipos de barreiras e obstáculos, alguns dos quais estão em nossas mentes e em nossos corações.” (Mitter, P. Educação inclusiva: Contextos sociais. Artmed, 2003, apud Arruda e Almeida, 2014, p.6)
  • 4. 1. Definir TEA, suas características e forma de diagnóstico; 2. Apresentar as necessidades especiais apresentadas por crianças com TEA; 3. Conhecer a proposta de educação inclusiva para crianças com TEA e 4. Sistematizar algumas estratégias para o trabalho pedagógico inclusivo com crianças com TEA. Objetivos do Estudo
  • 6. Dez coisas que uma criança autista gostaria que você soubesse 1. Antes de tudo e o mais importante: sou uma criança! 2. Minhas percepções sensoriais estão desorganizadas 3. Receptividade, linguagem expressiva e vocabulário podem ser grandes desafios para mim. 4. Eu penso concretamente. 5. Seja paciente com meu vocabulário limitado, pois posso ter dificuldade de dizer o que estou sentindo ou pensando. Observe minha linguagem corporal.
  • 7. Dez coisas que uma criança autista gostaria que você soubesse 6. Como a linguagem é muito difícil para mim, me oriento pela visão. 7. Por favor, procure construir comigo a partir do que eu posso fazer, mais do que por minhas limitações. 8. Ajude-me nas interações sociais. 9. Tente identificar o que inicia meus surtos. 10.Me ame incondicionalmente. Ellen Notbohm
  • 8. Autismo?  Os transtornos do espectro autista são complexos, têm início precoce e perduram por toda a vida.  “Autismo é uma condição que se reflete no neurodesenvolvimento de uma pessoa, determinando quadros muito distintos, que tem em comum um grande prejuízo na sociabilidade.” (Bordini & Bruni, 2014, p. 220)  Prevalência – 4 em cada 10.000, principalmente em meninos, mas também em meninas  Autismo – Plouller, 1906; Bleuler, 1911  Alterações autísticas do contato afetivo – Kanner, 1943, Asperger – 1944
  • 9. TEA, TGD, TID, Autismo?  Até 2013:  DSM-VI – Transtorno Global do Desenvolvimento (5 quadros clínicos - subcategorias)  CID-10 – Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (8 tipos)  Atualmente:  CID-10 – Transtorno Invasivo do Desenvolvimento  DSM-V – Transtornos do Espectro Autista (4 quadros clínicos, mas uma só categoria)
  • 10. O que é um Espectro Autista?  Forma de compreender o Transtorno como linhas de dificuldades e competências, abrangendo desde os casos mais graves até os mais leves. TEA Comportamentos Comunicação/ Linguagem Sociabilidade
  • 11. O que é um Espectro Autista? COMUNICAÇÃO/ LINGUAGEM COMPORTAMENTOS SOCIABILIDADE
  • 12. O que é um Espectro Autista? COMUNICAÇÃO/ LINGUAGEM COMPORTAMENTOS SOCIABILIDADE
  • 13. Algumas características comuns em pessoas com TEA  COMPORTAMENTO:  Padrões de comportamento, atividades e interesses restritos  Alterações nas condutas motoras, comportamentos repetitivos e estereotipados.  Tendência de vinculação a objetos incomuns, tipicamente rígidos (especialmente na primeira infância). Em pessoas, é comum se interessar por uma parte ou detalhe (mão, botão da roupa).  Tendência a insistir na realização de rotinas particulares e rituais de caráter não-funcionais.  Medos, fobias, alterações do sono e da alimentação e ataques de birra, agressão e auto-agressão.  Hiper ou hiporreação a estímulos sensoriais, como luz, dor ou som.
  • 14. Algumas características comuns em pessoas com TEA  COMPORTAMENTO:  Dificuldade na identificação de perigos reais como veículos em movimento ou grandes alturas.  Alterações no olhar: ausência ou evitamento de contato visual, olhar que “atravessa o outro”, ausência do acompanhamento ocular, olhar periférico e estrabismo.
  • 15. Algumas características comuns em pessoas com TEA  LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO:  Pobreza de jogos imaginativos,  Não utilização e compreensão dos gestos;  Não utilização da linguagem com objetivo de comunicação social  Presença de respostas estereotipadas ou de ecolalia  Alterações na melodia da fala  Possibilidade de presença de estereótipos verbais, neologismos bizarros e um verbalismo solitário.  Extremo domínio verbal nos casos de Síndrome de Asperger.
  • 16. Algumas características comuns em pessoas com TEA  SOCIABILIDADE:  Comprometimentos qualitativos na interação social recíproca, que tomam a forma de uma apreciação inadequada de indicadores sócio-emocionais.  Falta de respostas para as emoções de outras pessoas.  Falta de modulação do comportamento.  Uso insatisfatório de sinais sociais  Fraca integração dos comportamentos sociais, emocionais e de comunicação.
  • 17. Algumas características comuns em pessoas com TEA  SOCIABILIDADE:  Alterações no contato com pares: inaptidão para brincar em grupo ou para desenvolver laços de amizade, não participam de jogos cooperativos ou mostram pouca emoção, pouca simpatia ou pouca empatia por outros. Na medida em que crescem, pode-se desenvolver uma maior ligação, mas as relações sociais permanecem superficiais e imaturas. Podem seguir por tempo indeterminado, assim como serem interrompidas momentaneamente, sem uma lógica aparente.
  • 18. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS NO DSM-V  A fim de receber um diagnóstico de Transtorno do Espectro do Autismo, uma pessoa deve ter os três seguintes déficits:  Problemas de interação social ou emocional alternativo – Isso pode incluir a dificuldade de estabelecer ou manter o vai e vem de conversas e interações, a incapacidade de iniciar uma interação e problemas com a atenção compartilhada ou partilha de emoções e interesses com os outros.  Graves problemas para manter relações – Isso pode envolver uma completa falta de interesse em outras pessoas, as dificuldades de jogar fingir e se engajar em atividades sociais apropriadas à idade e problemas de adaptação a diferentes expectativas sociais.  Problemas de comunicação não verbal – o que pode incluir o contato anormal dos olhos, postura, expressões faciais, tom de voz e gestos, bem como a incapacidade de entender esses sinais não verbais de outras pessoas.
  • 19. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS NO DSM-V  Comportamentos repetitivos e restritivos  Além disso, o indivíduo deve apresentar pelo menos dois destes comportamentos:  Apego extremo a rotinas e padrões e resistência a mudanças nas rotinas  Fala ou movimentos repetitivos  Interesses intensos e restritos  Dificuldade em integrar informação sensorial ou forte procura ou evitar comportamentos de estímulos sensoriais
  • 20. Diagnóstico  É clínico: história da criança colhida com pais e no ambiente escolar, observação da criança  Ainda não existem exames capazes de diagnosticar autismo.  É multiprofissional, mas aqui em nossa realidade (SEDF) normalmente fechado por psiquiatra infantil.  Profissionais da área de saúde que normalmente participam da avaliação:  Fonoaudiólogo  Psicólogo  Médico (Psiquiatra, Neurologista, Pediatra)
  • 21. Como crianças com TEA vêem o mundo?  Cegueira mental  Dificuldade em entender o ponto de vista, ideias ou sentimentos alheios  Entendendo a essência  Dificuldade em associar detalhes a um contexto e fazer generalizações a partir dessas informações  Interesses e sensibilidades sensoriais  Tendência a concentrar-se em experiências perceptivas concretas  Imaginação, percepção temporal, planejamento e memória  Linguagem
  • 22. Metas para a ação docente no ambiente escolar Rivere (apud Camargos) 1. Promover o bem-estar emocional da pessoa autista, diminuindo suas experiências negativas de medo, ansiedade, frustração, incrementando 2. Possibilidades de emoções positivas de serenidade, alegria e auto-estima. 3. Promover a autonomia pessoal e as competências de auto-cuidado, diminuindo assim sua dependência de outras pessoas. 4. Aumentar suas possibilidades de comunicação, autoconsciência e controle do próprio comportamento. 5. Desenvolver habilidades cognitivas e de atenção, que permitam uma relação mais rica com o seu meio ambiente.
  • 23. Metas para a ação docente no ambiente escolar 6. Aumentar a liberdade, espontaneidade e flexibilidade de suas ações, assim que estiver preparado. 7. Aumentar sua capacidade de assimilar e compreender as interações com outras pessoas, assim como sua capacidade de interpretar as intenções dos demais. 8. Desenvolver técnicas de aprendizagem, baseadas na imitação, aprendizagem de observação. 9. Diminuir aquelas condutas que trazem sofrimento para o próprio sujeito e para os que o rodeiam, como as auto-agressões, ações destrutivas. 10. Desenvolver suas competências comunicativas.
  • 24. Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA “A programação das atividades (em propostas educacionais inclusivas para crianças autistas) não pode restringir-se a objetivos voltados para conteúdos programáticos escolares mas deve estar inicialmente voltada para a melhoria da qualidade de vida da criança, através de uma melhora de comportamento que facilite sua integração na família e na sociedade.” (p.122)  Aspectos gerais da organização escolar  Necessidade de envolvimento da comunidade escolar: Gestores, professores, auxiliares, pais, crianças...  Discernimento e disponibilidade de toda a comunidade para lidar com situações inusitadas e peculidaridades/ particularidades de cada pessoa  Cuidados com a infra-estrutura: o ambiente deve se adequar às necessidades dos alunos
  • 25. Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA  Compreensão da criança enquanto pessoa, o levantamento de suas necessidades e das prioridades para a elaboração do planejamento e das intervenção  Desafio, para a família, deixar a criança na escola Escola é o ambiente mais apropriado Incentivar o gosto pela escola  Rotina familiar  Acompanhamento médico/ medicamento  Compreender o universo da criança  Perceber os pontos fortes, o que dá resultado positivo  Criar “pontes” de acesso
  • 26. Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA  Planejamento e organização do trabalho pedagógico:  Definir os objetivos educacionais a serem alcançados, o tempo e suporte necessários, critérios objetivos de avaliação, conforme necessidades da criança (abordagem vivencial da aprendizagem) : Adequar o currículo escolar a partir do estilo cognitivo individual,  Adequar – redução versus forma de apresentação (estratégias, instrumentos) e organização: • materiais e móveis adaptados  jogos pedagógicos, uso de imagens, fotos, esquemas, signos visuais e ajustes de grande e pequeno porte.  Estimular as funções necessárias ao aprendizado eficiente.
  • 27.  Organização do trabalho pedagógico (cont.):  Identificar intolerância aos estímulos auditivos, bem como tempo de tolerância durante aprendizado em sala de aula.  Organizar um sistema de registro individual de desempenho e comportamento (retratar o desenvolvimento do aluno)  Facilitar a previsibilidade da rotina usando apoios visuais (agendas ilustradas, calendários e sequência das atividades), indicando o que vai acontecer e em quais momentos  Insistir, persistir, pois o comportamento é modificável, mesmo que leve tempo  Estratégias passo a passo Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA
  • 28.  Contar com um auxiliar para acompanhar o aluno em sala de aula e outras atividades escolares.  Garantir atendimento educacional especializado.  Considerar a intensidade, gravidade das limitações e as condições devem ter a oportunidade de participar de forma significativa e integral nas atividades escolares regulares.  Conheça e se utilize dos interesses da criança.  Atenção individualizada, mesmo dentro do grupo.  Respeito ao tempo da criança e seus limites. Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA
  • 29.  Linguagem com mensagens curtas, sempre depois de ter a atenção da criança, firme quando necessário, evitando repetir ordens muitas vezes  Evitar o uso do nome da criança como sinônimo de não  A boa comunicação entre os pais e o professor é fundamental:  Reuniões regulares sobre os objetivos educacionais e comportamentais (manejo de desobediência, confrontos, hiperatividade, estereotipias, rigidez cognitiva e dificuldade de relacionamento com os colegas).  Uso de agenda que estabeleça uma comunicação diária entre o professor e os pais permitindo troca de informações sobre o comportamento da criança e ocorrências domésticas (sono, medicação, alimentação, etc.) e escolares (trabalhos, excursões, comemorações e mudanças de rotina, etc.). Proposta de Educação Inclusiva para crianças com TEA
  • 30. Questões relativas à família  Exercite a alteridade  Estimule a família a buscar apoio  Motive a família a sair com a criança e frequentar ambientes sociais apropriados para crianças  Incentive os pais a compartilhar e comemorar os sucessos da criança  Crie um clima colaborativo com a família  Conversas sobre questões particulares devem ser conduzidas em ambiente “particular”
  • 31. Pontos (prováveis) a serem trabalhados  Desenvolvimento da atenção, direcionamento, foco  Desenvolvimento do repertório comunicativo  Autonomia  Relacionamento social, especialmente com pares  Manejo comportamental
  • 32. Técnicas que podem ser úteis  Indiferença planejada  Interferência sinalizadora  Proximidade e “controle pelo toque” (estou com você)  Participação numa relação de interesse  Afeição hipodérmica  Descontaminação da tensão por meio do humor  Ajuda nos obstáculos  Interpretação como apoio para expressão
  • 33. Técnicas/ Instrumentos/ Estratégias  Reagrupamento  Reestruturação  “Remoção anti-séptica”  Permissão versus Proibição autoritária  Oferecer modelos  Atividades lúdicas
  • 34. Aspectos importantes a considerar no ambiente escolar  Isolamento versus Relações Interpessoais  Comportamento motor  Linguagem e habilidades pré-verbais  Alterações das funções intelectuais  Comportamento afetivo  Alterações psicossomáticos  Alterações no processamento sensorial  Dificuldades para sublimar frustrações e adiar satisfações
  • 35. Referências 1. Bordini, D.; Bruni, A. R. Transtorno do Espectro Autista. __In: G. M. Estanislau; R. A. Bressan (org.). Saúde mental na escola: o que os educadores devem saber. pp. 220-230. Porto Alegre: Artmed, 2014. 2. Camargos Jr, W. (cols.). Transtornos Invasivos do Desenvolvimento – 3º Milênio. Brasília: CORDE, 2005. 3. Arruda, M. C.; Almeida, M. (coord.). Comunidade Aprender Criança. Cartilha da Inclusão Escolar: inclusão baseada em evidências científicas. (Ed. Instituto Glia, 2014). 4. Notbohm, E. Dez coisas que uma criança autista gostaria que você soubesse. Tradução: Darlo Diniz Guedes. Disponível em: http://www.ellennotbohm.com/article- translations/dez-coisas-que-toda-crianca-com-autismo-gostaria-que-voce-soubesse/. 5. Williams, C.; Wright, B. Convivendo com Autismo e Síndrome de Asperger: Estratégias Práticas para Pais e Profissionais. São Paulo: M. Books, 2008.
  • 36. “É emergencial a promoção da Pedagogia contemplando a todos os sujeitos sociais, e não de uma Pedagogia da pessoa com deficiência. Promover uma Pedagogia da deficiência constitui uma das primeiras barreiras atitudinais percebidas no âmbito da Educação” (Waber, D. P., Forbes, P. W., Almli, C. R. & Blood, E. A. Four-year longitudinal performance of a populationbased sample of healthy children on a neuropsychological battery: the NIH MRI study of normal brain development. J Int Neuropsychol Soc 18, 179-190, doi:10.1017/S1355617711001536 S1355617711001536 [pii], 2012, apud Arruda e Almeida, 2014, p.7)
  • 37. Quer saber mais? Acesse o site da EEAA-CEI 01 e conheça um pouco mais sobre o trabalho pedagógico inclusivo com crianças com TEA. http://cei1taguatinga.wix.com/eeaa -cei1