SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
LIBÂNEO, JOSÉ CARLOS; OLIVEIRA, JOÃO FERREIRA
DE; TOSCHI, MIRZA SEABRA. EDUCAÇÃO ESCOLAR:
POLÍTICAS, ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO. SÃO
PAULO: CORTEZ, 2003.
A EDUCAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DAS
TRANSFORMAÇÕES DA SOCIEDADE
CONTEMPORÂNEA - GLOBALIZAÇÃO
1. Impactos e perspectivas da revolução
tecnológica, da globalização e do
neoliberalismo no campo da educação.
Revolução tecnológica – “equipação”
eletrônica educativa - nova
sociedade, marcada pela técnica, pela
informação e pelo conhecimento.
educação = problema econômico na visão neoliberal, já que é o
elemento central desse novo padrão de desenvolvimento
flexibilidade funcional e novo perfil de qualificação da força de
trabalho - cidadão eficiente e competente = capaz de consumir
com eficiência e sofisticação e de competir com seus talentos e
habilidades no mercado de trabalho.
Pedagogia da concorrência, da eficiência e dos
resultados (da produtividade):
 a adoção de mecanismos de flexibilização e de
diversificação dos sistemas de ensino e das
escolas
 a atenção à eficiência, à qualidade, ao
desempenho e às necessidades básicas da
aprendizagem
 a avaliação constante dos resultados (do
desempenho) obtidos pelos alunos, resultados
esses que comprovam a atuação eficaz e de
qualidade do trabalho desenvolvido na escola
. o estabelecimento de rankings dos sistemas de
ensino e das escolas públicas ou provadas, que são
classificadas/desclassificadas;
. a criação de condições para que se possa aumentar
a competição entre escolas e encorajar os pais a
participar da vida escolar e escolher entre várias
escolas;
 a ênfase sobre a gestão e a organização escolar, com
a adoção de programas gerenciais de qualidade total;
 a valorização de algumas disciplinas _ matemática e
ciências, por causa da competitividade tecnológica
mundial, que tende a privilegiá-las;
 o estabelecimento de rankings dos sistemas de
ensino e das escolas públicas ou provadas, que são
classificadas/desclassificadas;
 a criação de condições para que se possa aumentar a
competição entre escolas e encorajar os pais a
participar da vida escolar e escolher entre várias
escolas;
 a ênfase sobre a gestão e a organização escolar, com
a adoção de programas gerenciais de qualidade total;
 a valorização de algumas disciplinas _ matemática e
ciências, por causa da competitividade tecnológica
mundial, que tende a privilegiá-las;
 2. Objetivos para uma educação pública de
qualidade diante dos desafios da sociedade
contemporânea:
- globalização: tendência internacional do
capitalismo que, com o projeto neoliberal impõe
aos paises periféricos a economia de mercado
global sem restrições, a competição ilimitada e a
minimização do estado na área econômica e
social.
resultado mais perverso desse
empreendimento: crescimento do desemprego e
da exclusão social.
Brasil: desenvolver uma
economia global, competitiva, sem perder
a soberania, sem sacrificar sua
cultura, seus valores, sem marginalizar os
pobres.
educação de qualidade: é aquela mediante
a qual a escola promove, para todos,o
domínio dos conhecimentos e o
desenvolvimento de capacidades cognitivas e
afetivas indispensáveis ao atendimento de
necessidades individuais e sociais dos
alunos, bem como a inserção no mundo e a
constituição da cidadania, também com o
poder de participação tendo em vista a
construção de uma sociedade mais justa e
igualitária. Qualidade é, pois, conceito
implícito à educação e ao ensino.
sociedade contemporânea - educação
pública tem tríplice responsabilidade: ser
agente de mudanças, capaz de gerar
conhecimentos e desenvolver a ciência e a
tecnologia; trabalhar a tradição e os
valores nacionais ante a pressão mundial
de descaracterização da soberania das
nações periféricas; preparar cidadãos
capazes de entender o mundo, o seu
país, sua realidade e transformá-lo
positivamente.
Três objetivos fundamentais que devem
servir de base para a construção de uma
educação pública de qualidade no
contexto atual: a) preparação para o
processo produtivo e para a vida de uma
sociedade técnico-informacional, b)
formação para a cidadania crítica e c)
participação e formação ética.
 Para que os indivíduos possam
compartilhar de uma situação
comunicativa ideal, recomenda-se:
a) investimento na capacidade do
individuo de situar-se em relação aos
outros, de estabelecer relações entre
objetos, pessoas e idéias;
 c)desenvolvimento da autonomia, isto
é, indivíduos capazes de reconhecer nas
regras e nas formas sociais os resultado do
acordo mútuo, do respeito ao outro e da
reciprocidade
 d ) formação de indivíduos capazes de ser
interlocutores competentes, expressar suas
idéias, desejos e vontades, de forma
cognitiva e verbal, incluindo a perspectiva do
outro (nível de informações, de intenções e
outros);
 e ) capacidade de dialogar
 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO, OBJETIVOS DO
ENSINO E TRABALHO DOS PROFESSORES
1 - A escola entre o sistema de ensino e a
sala de aula:
as políticas, as diretrizes curriculares, as formas
de organização do sistema de ensino estão
carregadas de significados sociais e políticos que
influenciam fortemente as ideias, as atitudes, os
modos de agir e os comportamentos de
professores e alunos, bem como as praticas
pedagógicas, curriculares e organizacionais.
2. Os objetivos da escola e as práticas de
organização e de gestão:
São de pouca valia inovações como
gestão democrática, eleições para
diretor, introdução de modernos
equipamentos e outras, se os alunos nos
continuam apresentando baixo
rendimento escolar e aprendizagens não
consolidadas.
3.Funcionar bem para melhorar a
aprendizagem:
Uma escola bem organizada e gerida é
aquela que cria a assegura condições
organizacionais, operacionais e
pedagógicos – didáticos que permitam o
bom desempenho dos professores em
sala de aula, de modo que todos os seus
alunos sejam bem-sucedidos em suas
aprendizagens.
Características de uma escola de
qualidade:
a ) professores preparados, que tenham
clareza de seus objetivos e
conteúdos, que façam planos de aula, que
consigam cativar os alunos, que utilizem
metodologia e procedimentos adequados
à matéria e as condições de
aprendizagem dos alunos, que façam
avaliação contínua, prestando muita
atenção nas dificuldades de cada aluno;
b ) existência de projeto pedagógico-
curricular com um plano de trabalho bem
definido, que assegure consenso mínimo
entre a direção da escola e o corpo
docente acerca dos objetivos a
alcançar, dos métodos de ensino, da
sistemática de avaliação, das formas
compartilhadas sobre faltas de
professores, do comprimento do
horário, das atitudes com relação a alunos
e funcionários;
c ) um bom clima de trabalho, em que a
direção contribua para conseguir o empenho
de todos, em que os professores aceitem
aprender com a experiência dos
colegas, trocando as qualidades entre si, de
modo que tenham uma opinião comum sobre
critérios de ensino de qualidade na escola;
d ) estrutura organizacional e boa
organização do processo de ensino e
aprendizagem que consigam motivar a
maioria dos alunos a aprender;
e ) papel significativo da direção e da
coordenação pedagógica, que articulem o
trabalho conjunto de todos os professores
e os ajudem a ter bom desempenho em
suas aulas;
f ) disponibilidade de condições físicas e
materiais, de recursos didáticos, de
biblioteca e outros, que propiciem aos
alunos oportunidades concretas para
aprender;
 g ) estrutura curricular e modalidades de
organização do currículo com conteúdos
bem selecionados, bem como critérios
adequados de distribuição de alunos por
sala;
 h ) disponibilidade da equipe para aceitar
inovações, observando o critério de mudar
sem perder a identidade.
4 - A organização da escola: os meios em
função dos objetivos:
 O conjunto currículo-ensino constitui os
meios mais diretos para atingir o que é
nuclear na escola – a aprendizagem dos
alunos , com base nos objetivos - para tornar
esse núcleo mais eficaz, existe outro
conjunto de meios: as atividades de
planejamento (incluindo o projeto
pedagógico-curricular e os planos de
ensino), de organização e gestão e de
avaliação
5. A escola, lugar de aprendizagem
da profissão. A comunidade
democrática de aprendizagem.
6. Os professores na organização e na
gestão escolar. Competências do professor
– articular a sala de aula com as demais
dependências da escola.
O exercício profissional do
professor compreende, ao menos, três
atribuições: a docência, a atuação na
organização e na gestão da escola e a
produção de conhecimento pedagógico.
O SISTEMA DE ORGANIZACAO E DE
GESTAO DA ESCOLA: TEORIA E PRÁTICA
 objetivos da instituição escolar
contemplam a aprendizagem escolar, a
formação da cidadania e a de valores e
atitudes.
 O sistema de organização e de gestão da
escola é o conjunto de
ações, recursos, meios e procedimentos
que propiciam as condições para alcançar
esses objetivos.
 1. Os conceitos de
organização, gestão, direção e cultura
organizacional
A organização escolar refere-se aos
princípios e procedimentos relacionados à
ação de planejar o trabalho da
escola, racionalizar o uso de recursos
(materiais, financeiros, intelectuais) e
coordenar e avaliar o trabalho das
pessoas, tendo em vista a consecução de
objetivos.
Chiavenato – a) organização como
unidade social - identifica um
empreendimento humano destinado a
atingir determinados objetivos.
b) Como função administrativa, refere-se
ao ato de organizar, estruturar e integrar
recursos e órgãos.
Vitor Paro (1996) prefere denominar esse
conjunto de características de administração escolar.
a administração é a utilização racional de recursos
para a realização de fins determinados. (...) Os
recursos (...) envolvem, por um lado, os elementos
materiais e conceptuais que o homem coloca entre si
e a natureza para dominá-la em seu proveito; por
outro, os esforços despendidos pelos homens e que
precisam ser coordenados com vistas a um propósito
comum. (...) A administração pode ser
vista, assim, tanto na teoria como na prática, como
dois amplos campos que se interpenetram: a
"racionalização do trabalho" e a "coordenação
do esforço humano coletivo"(Paro, 1996)
A gestão é a atividade pela qual
são mobilizados meios e procedimentos
para atingir os objetivos da
organização, envolvendo basicamente, os
aspectos gerenciais e tecnico-
administrativos. Há várias concepções e
modalidades de gestão:
centralizada, colegiada, participativa, co-
gestão.
Cultura organizacional: conjunto de
fatores sociais, culturais e psicológicos que
influenciam os modos de agir da organização
como um todo e o comportamento das
pessoas em particular. Isso significa
que, além daquelas
diretrizes, normas, procedimentos
operacionais e rotinas administrativas que
identificam as escolas, há aspectos de
natureza cultural que as diferenciam umas
das outras, não sendo a maior parte deles
nem claramente perceptíveis nem explícitos.
Esses aspectos tem sido denominados
frequentemente de currículo oculto.
Cultura organizacional: como cultura
instituída e como cultura instituinte. A
cultura instituída refere-se às normas
legais, à estrutura organizacional definida
pelos órgãos oficiais, às rotinas, à grade
curricular, aos horários, às normas
disciplinares, etc. A cultura instituinte é
aquela que os membros da escola
criam, recriam, em suas relações e na
vivência cotidiana.
2. As concepções de organização e de
gestão escolar
a) concepção técnico-científica: baseia-se na
hierarquia de cargos e de funções, nas regras e
nos procedimentos administrativo, para a
racionalização do trabalho e a eficiência dos
serviços escolares. A versão mais conservadora
dessa concepção é denominada de administração
clássica ou burocrática. A versão mais recente é
conhecida como modelo de gestão da qualidade
total, com utilização mais forte de métodos e de
praticas de gestão da administração empresarial.
b) Concepção autogestionária: baseia-se
na responsabilidade coletiva, na ausência
de direção centralizada e na acentuação
da participação direta e por igual de todos
os membros da instituição. Tende a
recusar o exercício de autoridade e as
formas mais sistematizadas de
organização e gestão.
c) concepção interpretativa: considera
como elemento prioritário na análise dos
processos de organização e gestão o
significados objetivos, as intenções e a
interação das pessoas - vê as práticas
organizativas como uma construção social
com base nas experiências subjetivas e
nas interações sociais.
d) Concepção democrática participativa:
baseia-se na relação orgânica entre a direção
e a participação dos membros da equipe.
Acentua a importância da busca de objetivos
comuns assumidos por todos. Defende uma
forma coletiva de tomada de decisões.
Entretanto, uma vez tomadas às decisões
coletivamente, advoga que cada membro da
equipe assuma sua parte no
trabalho, admitindo a coordenação e a
avaliação sistemática de operacionalização
das deliberações.
3. A gestão participativa
 Há dois sentidos de participação articulados
entre si:
 a) A de caráter mais interno, como meio de
conquista da autonomia da escola, dos
professores, dos alunos, constituindo praticas
formativas, isto é elemento
pedagógico, curricular, organizacional.
 b) A de caráter mais externo, em que os
profissionais da escola, alunos e pais
compartilham, institucionalmente, certos
processos de tomada de decisão.
 5.Princípios e características da gestão
escolar participativa
A) Autonomia da escola e da
comunidade educativa
 A autonomia é o fundamento da
concepção democrático-partcipativa
de gestão escolar, razão de ser do
projeto pedagógico.
2- Envolvimento da comunidade no
processo escolar
3- Planejamento das atividades
4- Formação continuada para o
desenvolvimento pessoal e profissional
dos integrantes da comunidade
 A organização e a gestão do trabalho
escolar requerem o constate
aperfeiçoamento profissional –
político, científico, pedagógico – de toda
a equipe.
6. A estrutura organizacional de uma
escola com gestão participativa
7. As funções constitutivas do sistema de
organização e de gestão da escola
 São quatro as funções constitutivas
do sistema escolar
 Planejamento: explicitação de objetivos e
antecipação de decisões para orientar a
instituição, prevendo o que deve ser feito para
atingi-los
 Organização: racionalização de recursos
humanos, físicos, materiais, financeiros, criando
e viabilizando as condições e modos para realizar
o que foi planejado
 Direção/coordenação: coordenação do esforço
humano coletivo do pessoal da escola
 Avaliação: comprovação e avaliação do
funcionamento da escola
7.1. O Planejamento escolar e o projeto
pedagógico-curricular
7.2. A organização geral do trabalho
7.3. Direção e Coordenação
 À direção e à coordenação correspondem a tarefas
agrupadas sob o termo gestão.
 Dirigir e coordenar significa assumir, no grupo, a
responsabilidade por fazer a escola funcionar
mediante o trabalho conjunto. Para isso, compete a
quem dirige, assegurar:
 Execução, coordenada e integral de atividades dos
setores e dos indivíduos da escola, conforme decisões
coletivas anteriormente tomadas
 processo participativo de tomada de
decisões, cuidando, ao mesmo
tempo, que estas se convertam em
medidas concretas efetivamente
cumpridas pelo setor ou pelas pessoas em
cujo trabalho são aplicadas
 articulação das relações interpessoais na
escola e no âmbito em que o dirigente
desempenha suas funções
7.4. A avaliação da organização e da
gestão da escola
. O planejamento e o projeto
pedagógico-curricular.
DESENVOLVENDO AÇÕES E
COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS
PARA AS PRÁTICAS DE GESTÃO
PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA
PARTICIPAÇÃO – Ações a serem
desenvolvidas:
DESENVOLVENDO AÇÕES E
COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS
PARA AS PRÁTICAS DE GESTÃO
PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA
PARTICIPAÇÃO – Ações a serem
desenvolvidas:
 O projeto pedagógico-curricular é um documento
que reflete as intenções, os objetivos, as
aspirações e os ideais da equipe escolar, tendo
em vista um processo de escolarização que
atenda a todos os alunos..
 Sugere-se que as tomadass de decisões
considerem os seguintes pontos:
 a) princípios (pontos de partida comuns): é
desejável que professores e especialistas formem
um consenso mínimo em torno de opções
sociais, políticas e pedagógicas, do papel social e
cultural da escola na sociedade.
 b) Objetivos (pontos de chegada
comuns): expressam intenções bem
concretas, com base em um diagnóstico
prévio.
 c)Sistema e práticas de gestão
negociadas: a participação na gestão
democrática implica decisões sobre as
formas de organização e de gestão. É
preciso que a direção e os professores
entrem em acordo sobre as práticas de
gestão
 D) Unidade teórico-metodológica no trabalho
pedagógico-didático: começa pela definição
de objetivos comuns e é assegurada pela
coordenação pedagógica.
 E) Sistema explícito e transparente de
acompanhamento e de avaliação do projeto e
das atividades da escola: o acompanhamento
e a avaliação põem em evidência as
dificuldades surgidas na implementação e na
execução do projeto e dos planos de
ensino, confrontando o que foi decidido e o
que está sendo feito.
 Sugestão de roteiro para elaboração do projeto pedagógico-curricular
◦ Contextualização e caracterização da escola
 aspectos sociais, econômicos, culturais, geográficos
 condições físicas e materiais
 caracterização dos elementos humanos
 breve história da escola
◦ Concepção de educação e de práticas escolares
 concepção de escola e de perfil de formação dos alunos
 princípios norteadores da ação pedagógico-didática
◦ Diagnóstico da situação atual
 levantamento e identificação de problemas e de necessidades a atender
 definições de prioridades
◦ Objetivos gerais
◦ Estrutura de organização e gestão
 aspectos organizacionais
 aspectos administrativos
 aspectos financeiros
◦ Proposta curricular
 fundamentos
sociológicos, psicológicos, culturais, epistemológi
cos, pedagógicos
 organização curricular (da escola, das séries ou
dos ciclos, plano de ensino da disciplina);
objetivos, conteúdos, desenvolvimento
metodológico, avaliação da aprendizagem
◦ Proposta de formação continuada de professores
◦ Proposta de trabalho com pais, com a comunidade e com
outras escolas de uma mesma área geográfica
◦ Formas de avaliação do projeto

 A organização e o desenvolvimento do
currículo
Currículo é o conjunto dos conteúdos
cognitivos e simbólicos
(saberes, competências, representações, ten
dências, valores) transmitidos (de modo
explícito ou implícito) nas práticas
pedagógicas e nas situações de
escolarização, isto é, tudo aquilo que
poderíamos chamar de dimensão cognitiva e
cultural da educação escolar (Forquin, 1993)
 Currículo formal – ou oficial é aquele
estabelecido pelos sistemas de
ensino, expresso em diretrizes
curriculares, nos objetivos e nos conteúdos
das ´[áreas ou disciplinas de estudo. Os
PCNs são exemplo desse tipo de currículo
 Currículo real – aquele que de fato, acontece
na sala de aula, em decorrência de um
projeto pedagógico e dos planos de ensino.
Conhecido também como
experiencialismo, por pautar-se na prática
dos professores
Currículo oculto – refere-se às
influencias que afetam a aprendizagem
dos alunos e o trabalho dos professores e
são provenientes da experiência
cultural, dos valores e dos significados
trazidos de seu meio social de origem e
vivenciados no ambiente escolar – ou
seja, das práticas e das experiências
compartilhadas na escola e na sala de
aula.
Ao planejar o currículo da escola, valendo-se do
currículo oficial, é necessário considerar alguns
princípios práticos:
a) um currículo precisa ser democrático, isto
é, garantir a todos uma base cultural e cientifica
comum e uma base comum de formação moral e de
práticas de cidadania
b) o currículo escolar representa o cruzamento de
culturas, constituindo espaço de síntese, uma vez que
a cultura elaborada se articula com os conhecimentos
e as experiências concretas dos alunos em, seu meio
social e com a cultura dos meios de comunicação, da
cidade e de suas praticas sociais.
c) O provimento da cultura escolar aos alunos e
a constituição de um espaço democrático na
organização escolar devem incluir a
interculturalidade: o respeito e a valorização da
diversidade cultural e das diferentes origens
sociais dos alunos, o combate ao racismo e a
outros tipos de discriminação e preconceito.
d)Por outro lado, trata-se não apenas de
atender às necessidades e às expectativas da
comunidade, de modo que se respeite a cultura
local, mas também pensar sobre valores, modos
de vida e hábitos que precisam ser
modificados, para a construção de um projeto
civilizatório
e) Currículo tem que ver com a organização espacial
da cidade e com o modo pelo qual as pessoas de
todos os segmentos sociais se movem nela. Trata-se
portanto, da qualidade de vida possível, mediante a
análise dos elementos que demarcam a dinâmica da
cidade: produção, circulação e moradia
f) Um bom currículo ajuda a fortalecer a identidade
pessoal, a subjetividade dos alunos.
g) A organização curricular precisa prever tentativas
de enriquecimento do currículo, pela
interdisciplinaridade, e de coordenação de
disciplinas, por meio de projetos comuns
3 - A organização e o desenvolvimento do
ensino:
◦ ligação entre a cultura elaborada e a cultura
experienciada pelos alunos
◦ uma pedagogia do pensar, que promova o
aprender a pensar e o aprender a aprender
◦ uma pedagogia diferenciada
◦ ensino e prática de valores e de atitudes na
escola e na sala de aula
4- As práticas de gestão:
 As práticas de gestão dizem respeito a ações
de natureza técnico-administrativa e de
natureza pedagógico-curricular
 DESENVOLVENDO AÇÕES E
COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS PARA
AS PRÁTICAS DE GESTÃO
PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA
PARTICIPAÇÃO:
 1) Formação de uma boa equipe de trabalho.
2) Construção de uma comunidade democrática
de aprendizagem.
 A construção de uma comunidade de
aprendizagem requer:
◦ consenso mínimo sobre valores e objetivos
◦ estabilidade do corpo docente e tempo integral numa
escola
◦ metas pertinentes, claras e viáveis
◦ capacitação de docentes para o trabalho em equipe e em
habilidades de participação
3) Promoção de ações sistemáticas de formação
continuada, para o desenvolvimento
4) Envolvimento dos alunos em processos de
solução de problemas e tomada de decisões
5) Envolvimento dos pais na vida da escola.
6) Fortalecimento de formas de comunicação e
de difusão de informações.
7) avaliação do sistema escolar, das escolas e
da aprendizagem dos alunos que
conceitualmente abrange não apenas a
aprendizagem dos alunos na sala de
aula, mas também o sistema educacional e
as escolas
 Competências profissionais do pessoal da escola
◦ Aprender a participar ativamente de um grupo de trabalho ou de
discussão, a desenvolver competência interativa entre si e com os
alunos
◦ Desenvolver capacidades e habilidades de liderança
◦ Compreender os processos envolvidos nas inovações
organizativas, pedagógicas e curriculares
◦ Aprender a tomar decisões sobre problemas e dilemas da
organização escolar, das formas de gestão, da sala de aula
◦ Conhecer, informar-se, dominar o conteúdo da discussão para ser
um participante atuante e crítico
◦ Saber elaborar planos e projetos de ação
◦ Aprender métodos e procedimentos de pesquisa
- Familiarizar-se com modalidades e instrumentos de
avaliação do sistema, da organização escolar e da
aprendizagem escolar
Libâneo, josé carlos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária   seminário de teoria pedagógica iEscola libertária   seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária seminário de teoria pedagógica imefurb
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraHerbert Santana
 
Tendências pedagógicas na prática escolar
Tendências pedagógicas na prática escolarTendências pedagógicas na prática escolar
Tendências pedagógicas na prática escolarPaulo Alves de Araujo
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresAna Paula Azevedo
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraEdneide Lima
 
Planejamento e política educacional
Planejamento e política educacionalPlanejamento e política educacional
Planejamento e política educacionalJose Arnaldo Silva
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaCamilla Follador
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASVyeyra Santos
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteKelly da Silva
 
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...Paulo Lima
 
Introducao a didatica 1
Introducao a didatica  1Introducao a didatica  1
Introducao a didatica 1Lukeili
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosUlisses Vakirtzis
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARAndrea Lima
 

Mais procurados (20)

Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária   seminário de teoria pedagógica iEscola libertária   seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
Pcns.
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Tendências pedagógicas na prática escolar
Tendências pedagógicas na prática escolarTendências pedagógicas na prática escolar
Tendências pedagógicas na prática escolar
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Filosofia e Educação
Filosofia e EducaçãoFilosofia e Educação
Filosofia e Educação
 
Planejamento e política educacional
Planejamento e política educacionalPlanejamento e política educacional
Planejamento e política educacional
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
Introducao a didatica 1
Introducao a didatica  1Introducao a didatica  1
Introducao a didatica 1
 
Sociologia da educação
Sociologia da educação Sociologia da educação
Sociologia da educação
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
 

Semelhante a Libâneo, josé carlos

7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes LimaPaulo Lima
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
ApresentaçãoCenpec
 
Administração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuaçãoAdministração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuaçãoIsrael serique
 
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfEduardoAparecidoAmbr
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otpJorci Ponce
 
PMAOE_2021.pptx
PMAOE_2021.pptxPMAOE_2021.pptx
PMAOE_2021.pptx07201928
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2♥Marcinhatinelli♥
 
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...Paulo Lima
 
Os desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalOs desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalRadar Ufmg
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 
Gestão da educação escolar unieubra
Gestão da educação escolar   unieubraGestão da educação escolar   unieubra
Gestão da educação escolar unieubraunieubra
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_escBricio29
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaUlisses Vakirtzis
 

Semelhante a Libâneo, josé carlos (20)

7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Politico
PoliticoPolitico
Politico
 
Administração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuaçãoAdministração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuação
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
 
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
PMAOE_2021.pptx
PMAOE_2021.pptxPMAOE_2021.pptx
PMAOE_2021.pptx
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
 
Os desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalOs desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_final
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Gestão da educação escolar unieubra
Gestão da educação escolar   unieubraGestão da educação escolar   unieubra
Gestão da educação escolar unieubra
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_esc
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escola
 

Mais de Soares Junior

Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.Soares Junior
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciaisSoares Junior
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaSoares Junior
 
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinarSoares Junior
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudSoares Junior
 
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffmanAvaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffmanSoares Junior
 
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionaisSistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionaisSoares Junior
 
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).Soares Junior
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. Soares Junior
 
Avaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slideAvaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slideSoares Junior
 
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...Soares Junior
 
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...Soares Junior
 
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSODO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSOSoares Junior
 
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVAPROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVASoares Junior
 
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...Soares Junior
 

Mais de Soares Junior (15)

Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciais
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
 
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffmanAvaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
 
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionaisSistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
 
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
 
Avaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slideAvaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slide
 
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
 
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
 
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSODO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
 
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVAPROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
 
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
 

Libâneo, josé carlos

  • 1. LIBÂNEO, JOSÉ CARLOS; OLIVEIRA, JOÃO FERREIRA DE; TOSCHI, MIRZA SEABRA. EDUCAÇÃO ESCOLAR: POLÍTICAS, ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO. SÃO PAULO: CORTEZ, 2003. A EDUCAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DAS TRANSFORMAÇÕES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA - GLOBALIZAÇÃO
  • 2. 1. Impactos e perspectivas da revolução tecnológica, da globalização e do neoliberalismo no campo da educação. Revolução tecnológica – “equipação” eletrônica educativa - nova sociedade, marcada pela técnica, pela informação e pelo conhecimento.
  • 3. educação = problema econômico na visão neoliberal, já que é o elemento central desse novo padrão de desenvolvimento flexibilidade funcional e novo perfil de qualificação da força de trabalho - cidadão eficiente e competente = capaz de consumir com eficiência e sofisticação e de competir com seus talentos e habilidades no mercado de trabalho.
  • 4. Pedagogia da concorrência, da eficiência e dos resultados (da produtividade):  a adoção de mecanismos de flexibilização e de diversificação dos sistemas de ensino e das escolas  a atenção à eficiência, à qualidade, ao desempenho e às necessidades básicas da aprendizagem  a avaliação constante dos resultados (do desempenho) obtidos pelos alunos, resultados esses que comprovam a atuação eficaz e de qualidade do trabalho desenvolvido na escola
  • 5. . o estabelecimento de rankings dos sistemas de ensino e das escolas públicas ou provadas, que são classificadas/desclassificadas; . a criação de condições para que se possa aumentar a competição entre escolas e encorajar os pais a participar da vida escolar e escolher entre várias escolas;  a ênfase sobre a gestão e a organização escolar, com a adoção de programas gerenciais de qualidade total;  a valorização de algumas disciplinas _ matemática e ciências, por causa da competitividade tecnológica mundial, que tende a privilegiá-las;
  • 6.  o estabelecimento de rankings dos sistemas de ensino e das escolas públicas ou provadas, que são classificadas/desclassificadas;  a criação de condições para que se possa aumentar a competição entre escolas e encorajar os pais a participar da vida escolar e escolher entre várias escolas;  a ênfase sobre a gestão e a organização escolar, com a adoção de programas gerenciais de qualidade total;  a valorização de algumas disciplinas _ matemática e ciências, por causa da competitividade tecnológica mundial, que tende a privilegiá-las;
  • 7.  2. Objetivos para uma educação pública de qualidade diante dos desafios da sociedade contemporânea: - globalização: tendência internacional do capitalismo que, com o projeto neoliberal impõe aos paises periféricos a economia de mercado global sem restrições, a competição ilimitada e a minimização do estado na área econômica e social. resultado mais perverso desse empreendimento: crescimento do desemprego e da exclusão social.
  • 8. Brasil: desenvolver uma economia global, competitiva, sem perder a soberania, sem sacrificar sua cultura, seus valores, sem marginalizar os pobres.
  • 9. educação de qualidade: é aquela mediante a qual a escola promove, para todos,o domínio dos conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades cognitivas e afetivas indispensáveis ao atendimento de necessidades individuais e sociais dos alunos, bem como a inserção no mundo e a constituição da cidadania, também com o poder de participação tendo em vista a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Qualidade é, pois, conceito implícito à educação e ao ensino.
  • 10. sociedade contemporânea - educação pública tem tríplice responsabilidade: ser agente de mudanças, capaz de gerar conhecimentos e desenvolver a ciência e a tecnologia; trabalhar a tradição e os valores nacionais ante a pressão mundial de descaracterização da soberania das nações periféricas; preparar cidadãos capazes de entender o mundo, o seu país, sua realidade e transformá-lo positivamente.
  • 11. Três objetivos fundamentais que devem servir de base para a construção de uma educação pública de qualidade no contexto atual: a) preparação para o processo produtivo e para a vida de uma sociedade técnico-informacional, b) formação para a cidadania crítica e c) participação e formação ética.
  • 12.  Para que os indivíduos possam compartilhar de uma situação comunicativa ideal, recomenda-se: a) investimento na capacidade do individuo de situar-se em relação aos outros, de estabelecer relações entre objetos, pessoas e idéias;
  • 13.  c)desenvolvimento da autonomia, isto é, indivíduos capazes de reconhecer nas regras e nas formas sociais os resultado do acordo mútuo, do respeito ao outro e da reciprocidade  d ) formação de indivíduos capazes de ser interlocutores competentes, expressar suas idéias, desejos e vontades, de forma cognitiva e verbal, incluindo a perspectiva do outro (nível de informações, de intenções e outros);  e ) capacidade de dialogar
  • 14.  ORGANIZAÇÃO E GESTÃO, OBJETIVOS DO ENSINO E TRABALHO DOS PROFESSORES 1 - A escola entre o sistema de ensino e a sala de aula: as políticas, as diretrizes curriculares, as formas de organização do sistema de ensino estão carregadas de significados sociais e políticos que influenciam fortemente as ideias, as atitudes, os modos de agir e os comportamentos de professores e alunos, bem como as praticas pedagógicas, curriculares e organizacionais.
  • 15. 2. Os objetivos da escola e as práticas de organização e de gestão: São de pouca valia inovações como gestão democrática, eleições para diretor, introdução de modernos equipamentos e outras, se os alunos nos continuam apresentando baixo rendimento escolar e aprendizagens não consolidadas.
  • 16. 3.Funcionar bem para melhorar a aprendizagem: Uma escola bem organizada e gerida é aquela que cria a assegura condições organizacionais, operacionais e pedagógicos – didáticos que permitam o bom desempenho dos professores em sala de aula, de modo que todos os seus alunos sejam bem-sucedidos em suas aprendizagens.
  • 17. Características de uma escola de qualidade: a ) professores preparados, que tenham clareza de seus objetivos e conteúdos, que façam planos de aula, que consigam cativar os alunos, que utilizem metodologia e procedimentos adequados à matéria e as condições de aprendizagem dos alunos, que façam avaliação contínua, prestando muita atenção nas dificuldades de cada aluno;
  • 18. b ) existência de projeto pedagógico- curricular com um plano de trabalho bem definido, que assegure consenso mínimo entre a direção da escola e o corpo docente acerca dos objetivos a alcançar, dos métodos de ensino, da sistemática de avaliação, das formas compartilhadas sobre faltas de professores, do comprimento do horário, das atitudes com relação a alunos e funcionários;
  • 19. c ) um bom clima de trabalho, em que a direção contribua para conseguir o empenho de todos, em que os professores aceitem aprender com a experiência dos colegas, trocando as qualidades entre si, de modo que tenham uma opinião comum sobre critérios de ensino de qualidade na escola; d ) estrutura organizacional e boa organização do processo de ensino e aprendizagem que consigam motivar a maioria dos alunos a aprender;
  • 20. e ) papel significativo da direção e da coordenação pedagógica, que articulem o trabalho conjunto de todos os professores e os ajudem a ter bom desempenho em suas aulas; f ) disponibilidade de condições físicas e materiais, de recursos didáticos, de biblioteca e outros, que propiciem aos alunos oportunidades concretas para aprender;
  • 21.  g ) estrutura curricular e modalidades de organização do currículo com conteúdos bem selecionados, bem como critérios adequados de distribuição de alunos por sala;  h ) disponibilidade da equipe para aceitar inovações, observando o critério de mudar sem perder a identidade.
  • 22. 4 - A organização da escola: os meios em função dos objetivos:  O conjunto currículo-ensino constitui os meios mais diretos para atingir o que é nuclear na escola – a aprendizagem dos alunos , com base nos objetivos - para tornar esse núcleo mais eficaz, existe outro conjunto de meios: as atividades de planejamento (incluindo o projeto pedagógico-curricular e os planos de ensino), de organização e gestão e de avaliação
  • 23. 5. A escola, lugar de aprendizagem da profissão. A comunidade democrática de aprendizagem. 6. Os professores na organização e na gestão escolar. Competências do professor – articular a sala de aula com as demais dependências da escola.
  • 24. O exercício profissional do professor compreende, ao menos, três atribuições: a docência, a atuação na organização e na gestão da escola e a produção de conhecimento pedagógico.
  • 25. O SISTEMA DE ORGANIZACAO E DE GESTAO DA ESCOLA: TEORIA E PRÁTICA  objetivos da instituição escolar contemplam a aprendizagem escolar, a formação da cidadania e a de valores e atitudes.  O sistema de organização e de gestão da escola é o conjunto de ações, recursos, meios e procedimentos que propiciam as condições para alcançar esses objetivos.
  • 26.  1. Os conceitos de organização, gestão, direção e cultura organizacional A organização escolar refere-se aos princípios e procedimentos relacionados à ação de planejar o trabalho da escola, racionalizar o uso de recursos (materiais, financeiros, intelectuais) e coordenar e avaliar o trabalho das pessoas, tendo em vista a consecução de objetivos.
  • 27. Chiavenato – a) organização como unidade social - identifica um empreendimento humano destinado a atingir determinados objetivos. b) Como função administrativa, refere-se ao ato de organizar, estruturar e integrar recursos e órgãos.
  • 28. Vitor Paro (1996) prefere denominar esse conjunto de características de administração escolar. a administração é a utilização racional de recursos para a realização de fins determinados. (...) Os recursos (...) envolvem, por um lado, os elementos materiais e conceptuais que o homem coloca entre si e a natureza para dominá-la em seu proveito; por outro, os esforços despendidos pelos homens e que precisam ser coordenados com vistas a um propósito comum. (...) A administração pode ser vista, assim, tanto na teoria como na prática, como dois amplos campos que se interpenetram: a "racionalização do trabalho" e a "coordenação do esforço humano coletivo"(Paro, 1996)
  • 29. A gestão é a atividade pela qual são mobilizados meios e procedimentos para atingir os objetivos da organização, envolvendo basicamente, os aspectos gerenciais e tecnico- administrativos. Há várias concepções e modalidades de gestão: centralizada, colegiada, participativa, co- gestão.
  • 30. Cultura organizacional: conjunto de fatores sociais, culturais e psicológicos que influenciam os modos de agir da organização como um todo e o comportamento das pessoas em particular. Isso significa que, além daquelas diretrizes, normas, procedimentos operacionais e rotinas administrativas que identificam as escolas, há aspectos de natureza cultural que as diferenciam umas das outras, não sendo a maior parte deles nem claramente perceptíveis nem explícitos. Esses aspectos tem sido denominados frequentemente de currículo oculto.
  • 31. Cultura organizacional: como cultura instituída e como cultura instituinte. A cultura instituída refere-se às normas legais, à estrutura organizacional definida pelos órgãos oficiais, às rotinas, à grade curricular, aos horários, às normas disciplinares, etc. A cultura instituinte é aquela que os membros da escola criam, recriam, em suas relações e na vivência cotidiana.
  • 32. 2. As concepções de organização e de gestão escolar a) concepção técnico-científica: baseia-se na hierarquia de cargos e de funções, nas regras e nos procedimentos administrativo, para a racionalização do trabalho e a eficiência dos serviços escolares. A versão mais conservadora dessa concepção é denominada de administração clássica ou burocrática. A versão mais recente é conhecida como modelo de gestão da qualidade total, com utilização mais forte de métodos e de praticas de gestão da administração empresarial.
  • 33. b) Concepção autogestionária: baseia-se na responsabilidade coletiva, na ausência de direção centralizada e na acentuação da participação direta e por igual de todos os membros da instituição. Tende a recusar o exercício de autoridade e as formas mais sistematizadas de organização e gestão.
  • 34. c) concepção interpretativa: considera como elemento prioritário na análise dos processos de organização e gestão o significados objetivos, as intenções e a interação das pessoas - vê as práticas organizativas como uma construção social com base nas experiências subjetivas e nas interações sociais.
  • 35. d) Concepção democrática participativa: baseia-se na relação orgânica entre a direção e a participação dos membros da equipe. Acentua a importância da busca de objetivos comuns assumidos por todos. Defende uma forma coletiva de tomada de decisões. Entretanto, uma vez tomadas às decisões coletivamente, advoga que cada membro da equipe assuma sua parte no trabalho, admitindo a coordenação e a avaliação sistemática de operacionalização das deliberações.
  • 36. 3. A gestão participativa  Há dois sentidos de participação articulados entre si:  a) A de caráter mais interno, como meio de conquista da autonomia da escola, dos professores, dos alunos, constituindo praticas formativas, isto é elemento pedagógico, curricular, organizacional.  b) A de caráter mais externo, em que os profissionais da escola, alunos e pais compartilham, institucionalmente, certos processos de tomada de decisão.
  • 37.  5.Princípios e características da gestão escolar participativa A) Autonomia da escola e da comunidade educativa  A autonomia é o fundamento da concepção democrático-partcipativa de gestão escolar, razão de ser do projeto pedagógico.
  • 38. 2- Envolvimento da comunidade no processo escolar 3- Planejamento das atividades 4- Formação continuada para o desenvolvimento pessoal e profissional dos integrantes da comunidade  A organização e a gestão do trabalho escolar requerem o constate aperfeiçoamento profissional – político, científico, pedagógico – de toda a equipe.
  • 39. 6. A estrutura organizacional de uma escola com gestão participativa 7. As funções constitutivas do sistema de organização e de gestão da escola  São quatro as funções constitutivas do sistema escolar
  • 40.  Planejamento: explicitação de objetivos e antecipação de decisões para orientar a instituição, prevendo o que deve ser feito para atingi-los  Organização: racionalização de recursos humanos, físicos, materiais, financeiros, criando e viabilizando as condições e modos para realizar o que foi planejado  Direção/coordenação: coordenação do esforço humano coletivo do pessoal da escola  Avaliação: comprovação e avaliação do funcionamento da escola
  • 41. 7.1. O Planejamento escolar e o projeto pedagógico-curricular 7.2. A organização geral do trabalho 7.3. Direção e Coordenação  À direção e à coordenação correspondem a tarefas agrupadas sob o termo gestão.  Dirigir e coordenar significa assumir, no grupo, a responsabilidade por fazer a escola funcionar mediante o trabalho conjunto. Para isso, compete a quem dirige, assegurar:  Execução, coordenada e integral de atividades dos setores e dos indivíduos da escola, conforme decisões coletivas anteriormente tomadas
  • 42.  processo participativo de tomada de decisões, cuidando, ao mesmo tempo, que estas se convertam em medidas concretas efetivamente cumpridas pelo setor ou pelas pessoas em cujo trabalho são aplicadas  articulação das relações interpessoais na escola e no âmbito em que o dirigente desempenha suas funções
  • 43. 7.4. A avaliação da organização e da gestão da escola . O planejamento e o projeto pedagógico-curricular. DESENVOLVENDO AÇÕES E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS PARA AS PRÁTICAS DE GESTÃO PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA PARTICIPAÇÃO – Ações a serem desenvolvidas:
  • 44. DESENVOLVENDO AÇÕES E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS PARA AS PRÁTICAS DE GESTÃO PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA PARTICIPAÇÃO – Ações a serem desenvolvidas:
  • 45.  O projeto pedagógico-curricular é um documento que reflete as intenções, os objetivos, as aspirações e os ideais da equipe escolar, tendo em vista um processo de escolarização que atenda a todos os alunos..  Sugere-se que as tomadass de decisões considerem os seguintes pontos:  a) princípios (pontos de partida comuns): é desejável que professores e especialistas formem um consenso mínimo em torno de opções sociais, políticas e pedagógicas, do papel social e cultural da escola na sociedade.
  • 46.  b) Objetivos (pontos de chegada comuns): expressam intenções bem concretas, com base em um diagnóstico prévio.  c)Sistema e práticas de gestão negociadas: a participação na gestão democrática implica decisões sobre as formas de organização e de gestão. É preciso que a direção e os professores entrem em acordo sobre as práticas de gestão
  • 47.  D) Unidade teórico-metodológica no trabalho pedagógico-didático: começa pela definição de objetivos comuns e é assegurada pela coordenação pedagógica.  E) Sistema explícito e transparente de acompanhamento e de avaliação do projeto e das atividades da escola: o acompanhamento e a avaliação põem em evidência as dificuldades surgidas na implementação e na execução do projeto e dos planos de ensino, confrontando o que foi decidido e o que está sendo feito.
  • 48.  Sugestão de roteiro para elaboração do projeto pedagógico-curricular ◦ Contextualização e caracterização da escola  aspectos sociais, econômicos, culturais, geográficos  condições físicas e materiais  caracterização dos elementos humanos  breve história da escola ◦ Concepção de educação e de práticas escolares  concepção de escola e de perfil de formação dos alunos  princípios norteadores da ação pedagógico-didática ◦ Diagnóstico da situação atual  levantamento e identificação de problemas e de necessidades a atender  definições de prioridades ◦ Objetivos gerais ◦ Estrutura de organização e gestão  aspectos organizacionais  aspectos administrativos  aspectos financeiros
  • 49. ◦ Proposta curricular  fundamentos sociológicos, psicológicos, culturais, epistemológi cos, pedagógicos  organização curricular (da escola, das séries ou dos ciclos, plano de ensino da disciplina); objetivos, conteúdos, desenvolvimento metodológico, avaliação da aprendizagem ◦ Proposta de formação continuada de professores ◦ Proposta de trabalho com pais, com a comunidade e com outras escolas de uma mesma área geográfica ◦ Formas de avaliação do projeto 
  • 50.  A organização e o desenvolvimento do currículo Currículo é o conjunto dos conteúdos cognitivos e simbólicos (saberes, competências, representações, ten dências, valores) transmitidos (de modo explícito ou implícito) nas práticas pedagógicas e nas situações de escolarização, isto é, tudo aquilo que poderíamos chamar de dimensão cognitiva e cultural da educação escolar (Forquin, 1993)
  • 51.  Currículo formal – ou oficial é aquele estabelecido pelos sistemas de ensino, expresso em diretrizes curriculares, nos objetivos e nos conteúdos das ´[áreas ou disciplinas de estudo. Os PCNs são exemplo desse tipo de currículo  Currículo real – aquele que de fato, acontece na sala de aula, em decorrência de um projeto pedagógico e dos planos de ensino. Conhecido também como experiencialismo, por pautar-se na prática dos professores
  • 52. Currículo oculto – refere-se às influencias que afetam a aprendizagem dos alunos e o trabalho dos professores e são provenientes da experiência cultural, dos valores e dos significados trazidos de seu meio social de origem e vivenciados no ambiente escolar – ou seja, das práticas e das experiências compartilhadas na escola e na sala de aula.
  • 53. Ao planejar o currículo da escola, valendo-se do currículo oficial, é necessário considerar alguns princípios práticos: a) um currículo precisa ser democrático, isto é, garantir a todos uma base cultural e cientifica comum e uma base comum de formação moral e de práticas de cidadania b) o currículo escolar representa o cruzamento de culturas, constituindo espaço de síntese, uma vez que a cultura elaborada se articula com os conhecimentos e as experiências concretas dos alunos em, seu meio social e com a cultura dos meios de comunicação, da cidade e de suas praticas sociais.
  • 54. c) O provimento da cultura escolar aos alunos e a constituição de um espaço democrático na organização escolar devem incluir a interculturalidade: o respeito e a valorização da diversidade cultural e das diferentes origens sociais dos alunos, o combate ao racismo e a outros tipos de discriminação e preconceito. d)Por outro lado, trata-se não apenas de atender às necessidades e às expectativas da comunidade, de modo que se respeite a cultura local, mas também pensar sobre valores, modos de vida e hábitos que precisam ser modificados, para a construção de um projeto civilizatório
  • 55. e) Currículo tem que ver com a organização espacial da cidade e com o modo pelo qual as pessoas de todos os segmentos sociais se movem nela. Trata-se portanto, da qualidade de vida possível, mediante a análise dos elementos que demarcam a dinâmica da cidade: produção, circulação e moradia f) Um bom currículo ajuda a fortalecer a identidade pessoal, a subjetividade dos alunos. g) A organização curricular precisa prever tentativas de enriquecimento do currículo, pela interdisciplinaridade, e de coordenação de disciplinas, por meio de projetos comuns
  • 56. 3 - A organização e o desenvolvimento do ensino: ◦ ligação entre a cultura elaborada e a cultura experienciada pelos alunos ◦ uma pedagogia do pensar, que promova o aprender a pensar e o aprender a aprender ◦ uma pedagogia diferenciada ◦ ensino e prática de valores e de atitudes na escola e na sala de aula
  • 57. 4- As práticas de gestão:  As práticas de gestão dizem respeito a ações de natureza técnico-administrativa e de natureza pedagógico-curricular  DESENVOLVENDO AÇÕES E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS PARA AS PRÁTICAS DE GESTÃO PARTICIPATIVA E DE GESTÃO DA PARTICIPAÇÃO:  1) Formação de uma boa equipe de trabalho.
  • 58. 2) Construção de uma comunidade democrática de aprendizagem.  A construção de uma comunidade de aprendizagem requer: ◦ consenso mínimo sobre valores e objetivos ◦ estabilidade do corpo docente e tempo integral numa escola ◦ metas pertinentes, claras e viáveis ◦ capacitação de docentes para o trabalho em equipe e em habilidades de participação 3) Promoção de ações sistemáticas de formação continuada, para o desenvolvimento
  • 59. 4) Envolvimento dos alunos em processos de solução de problemas e tomada de decisões 5) Envolvimento dos pais na vida da escola. 6) Fortalecimento de formas de comunicação e de difusão de informações. 7) avaliação do sistema escolar, das escolas e da aprendizagem dos alunos que conceitualmente abrange não apenas a aprendizagem dos alunos na sala de aula, mas também o sistema educacional e as escolas
  • 60.  Competências profissionais do pessoal da escola ◦ Aprender a participar ativamente de um grupo de trabalho ou de discussão, a desenvolver competência interativa entre si e com os alunos ◦ Desenvolver capacidades e habilidades de liderança ◦ Compreender os processos envolvidos nas inovações organizativas, pedagógicas e curriculares ◦ Aprender a tomar decisões sobre problemas e dilemas da organização escolar, das formas de gestão, da sala de aula ◦ Conhecer, informar-se, dominar o conteúdo da discussão para ser um participante atuante e crítico ◦ Saber elaborar planos e projetos de ação ◦ Aprender métodos e procedimentos de pesquisa - Familiarizar-se com modalidades e instrumentos de avaliação do sistema, da organização escolar e da aprendizagem escolar