Gatti, barreto e andré aula 5

2.955 visualizações

Publicada em

Políticas Docentes no Brasil: Um estado de arte
Gatti

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.955
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gatti, barreto e andré aula 5

  1. 1. Aula 5  Audrey Danielle Beserra de Brito
  2. 2. Políticas Docentes no Brasil: Um estado de arte Bernadete Angelina Gatti Elba de Sá Barreto Marli Eliza André
  3. 3. Políticas Docentes  Políticas Docentes = políticas de formação docente.  As políticas educacionais geram as políticas docentes Financiamento da educação Gestão do currículo Avaliação do sistema, etc
  4. 4. Estado de arte  O estado da arte é o nível mais alto de desenvolvimento. Esta expressão indica, na composição de teses acadêmicas, que a obra se destina a documentar o que está a ser feito atualmente no campo em estudo.
  5. 5. A Pesquisa Parceria com:  UNESCO: Organização das Nações Unidas para Educação, Ciências e Cultura;  MEC;  CONSED: Conselho Nacional de Secretários da Educação;  UNDIME: União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação.
  6. 6. Objetivo da pesquisa  Tecer comentários sobre as Políticas Educacionais e as problemáticas relacionadas à formação e ao trabalho docente.  Elaborar uma visão crítica relativa a essas políticas e mapear e analisar as políticas relativas a formação inicial e continuada, a carreira e a avaliação de docentes e os subsídios ao trabalho do professor.
  7. 7. Decreto Federal nº 6.755 de 2009  Institui a política nacional para a formação de profissionais do magistério da educação básica.
  8. 8. Problematização
  9. 9. O caminho da pesquisa
  10. 10. Metodologia  Macro ----- Micro: União – Estados – Prefeituras
  11. 11. Macro  UAB (um dos principais instrumentos de execução das políticas do MEC – Universidade Aberta do Brasil (2006), com o objetivo de diminuir a desigualdade na oferta da educação superior (a distância) / Parfor (Plano Nacional de Formação Básia, Prouni, Gestar (transposição didática).
  12. 12. Micro  Estudo de caso: 5 em Secretarias Estaduais e 10 em Secretarias Municipais
  13. 13. Formação Docente “Numerosos países carecem de programas de integração de principiantes” Há preocupação sobre este tema?
  14. 14. Campo Grande  Formação a todos os iniciantes: legislação e políticas     públicas; Diagnosticar dificuldades; Iniciar formações (coletiva e in loco). Grupo se desloca até a escola (fundamentação teóricometodológica); Acompanhar o processo de ensino e aprendizagem; Avaliar o aprendizado do aluno. “A implantação desse sistema de apoio e acompanhamento aos professores iniciantes diminuiu as taxas de abandono da profissão”
  15. 15. São Paulo  Estado que mais se preocupou com a formação docente;  PEC (1997)  PEC/FOR (2000) – Formação Universitária  Teia do Saber (2003) – Letra e Vida, PAI (programa de alfabetização e inclusão), capacitação do currículo para o EM, Arte, Educação Física;  Ações baseadas nos princípios de açãoXreflexãoXação
  16. 16. PROCAP X PEC: ampla cobertura  PEC – conjunto de profissionais (SP)  PROCAP – apoio a aprendizagem (local, regional, estadual) – presença de facilitadores para atuação nas escolas.
  17. 17. Conclusão Pontos Positivos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Apoio ao docente, quanto a recursos materiais; Apoio didático-pedagógico; Ações formativas; Formação continuada: avanço; Composição de grupos formadores variada; Uso de docentes como formadores; Programas do MEC – presentes; Valorização: socialização de práticas exitosas, bônus e concessão de bolsas; Apoio aos ingressantes; Pontos Negativos 1. 2. 3. 4. 5. Não há acompanhamento dos efeitos das ações formativas; Não há análise dos efeitos das ações implementadas no desenvolvimento profissional do professor; Foco: Português (alfabetização) e Matemática; Formação a partir das avaliações – reducionismo nos trabalhos escolares; Não há focalização na equipe escolar como um todo, somente no individual
  18. 18. Reflexões das autoras
  19. 19. Para se pensar em políticas docentes...  1. 2. 3. 4. 5. Analisar o cenário atual Educação Pública de qualidade para todos; Direito a diferença; Demanda pelo conhecimento; Equidade; Dignidade humana... “São ideias e conceitos que interferem nas questões políticas educacionais e, consequentemente, na formação e trabalho docente”
  20. 20. Formação Docente “Cada vez mais, os professores trabalham em uma situação em que a distância entre a idealização da profissão e a realidade de trabalho tende a aumentar, em razão da complexidade e da multiplicidade de tarefas que são chamados a cumprir nas escolas” Quais tarefas são estas?
  21. 21. O cenário  Novas exigências ao trabalho docente: o profissional deve estar preparado para exercer uma prática contextualizada que atenda as especificidades do momento, a cultura local, alunado diverso, expectativas escolares, competências cognitivas e valores.
  22. 22. Complexificação  Este cenário + precarização das condições de trabalho = ????
  23. 23. Esforços  Formação Inicial  Formação Continuada  Plano de Carreira
  24. 24. “salta a vista a necessidade de adoção de uma estratégia de ação articulada entre as diferentes instâncias que formam professores e as que os admitem como docentes”
  25. 25. Fatores-chave para pensar políticas docentes
  26. 26. Formação Docente “Há ainda um importante aspecto a considerar: a formação inicial deve merecer atenção especial nas políticas docentes porque é o primeiro ponto de acesso ao desenvolvimento profissional e contínuo e tem um papel fundamental na qualidade dos docentes” Como formar professores competentes para atuar no mundo contemporâneo?
  27. 27. Formação Docente “Aumentar anos de escolaridade da população, investir na infraestrutura, orientar currículos da educação básica, ampliar as oportunidades na educação superior, formar docentes por diversos meios, deslocar a formação dos professores da educação básica do nível médio para o nível superior, desenvolver programas de formação continuada, melhorar livros didáticos e a sua distribuição, dentre tantas outras políticas...Mas, o Brasil ainda está distante de uma qualidade educacional considerada razoável”
  28. 28. Formação Docente “Os professores em sua formação são marcados pelas demandas provenientes das áreas específicas do conhecimento. A formação dos professores não pode ser pensada a partir das ciências e seus diversos campos disciplinares, mas sim a partir da função social ”
  29. 29. “O magistério constitui um setor nevrálgico nas sociedades contemporâneas”  Nevrálgico = elemento crucial  “A formação de professores não pode ser pensada somente com base nas ciências e nos seus diversos campos disciplinares. Ela precisa ser pensada e realizada com base na função social – ensinar às novas gerações o conhecimento acumulado e consolidar valores e práticas coerentes com nossa vida civil”
  30. 30. Formação Docente “O ensino virtual altera não só a lógica institucional, mas a própria natureza do trabalho docente. Os materiais autosuficientes, a tecnologia, a circulação de informações e o trabalho do tutor é um processo de esvaziamento da formação e do trabalho docente” Qual é a crítica feita pelas autoras?
  31. 31. Formação Docente “Ao falar de qualidade dos professores da educação básica, também está indiretamente referindo aos gestores de escolas que, de origem, são professores” As autoras fazem uma crítica a carreira do professor. Para ganhar mais, ele tem que sair da sala de aula e tornar-se PCP, Diretor, Vice ou Supervisor. A sala de aula perde professores.
  32. 32. Formação Docente “A utilização dos resultados dos sistemas de avaliação padronizada dos governos focalizados apenas em Português e Matemática, como sinalizadores dos efeitos das formações e dos apoios oferecidos aos docentes, pode induzir a um reducionismo nos trabalhos escolares, deixando de lado outros conhecimentos relevantes à formação dos alunos” Você concorda?
  33. 33. Formação Docente “Com frágil educação básica, não há qualificação adequada dos estudantes, e assim, de nada adiantam facilitações para entrada na educação superior e diplomas desse nível de ensino obtidos por falhas formativas de nível anterior – falhas não supridas. Oferta de cursos de forma aligeirada. Cursos e diplomas não garantem conhecimento de fato em às novas gerações. São diplomas vazios de sentido, que não garante empregabilidade, embora engordem os números oficiais de formados em nível superior” O que se pode concluir a partir desta observação? Além do Ensino Superior, podemos estabelecer uma ponte com o Ensino Médio?
  34. 34. Evasão do Magistério “Evasão de professores melhor capacitados para a rede privada. Como reter nas escolas os bons professores?” “As taxas de maior evasão do magistério ocorrem no início de carreira”
  35. 35. Formação Docente “Há tentativas de formação no local que não tem funcionado, como cursos, oficinas, seminários... Professores que participaram destes programas de formação afirmam que mudaram sua concepção e suas ideias, mas que os cursos não influenciaram em sua prática” O que vocês acham disso?
  36. 36. Formação Docente “É diante desse desafio que muitas redes têm procurado recuperar o papel estratégico do PCP como agente catalisador da formação in loco” Mas, qual é a formação que o PCP recebe?
  37. 37. Como deveria ser a formação do professor?  Deveria basear-se em seu campo de prática, com seus saberes, integrando-os com os conhecimentos necessários selecionados como valorosos, em seus fundamentos e com as mediações didáticas necessárias, sobretudo por se tratar de formação para o trabalho educacional de crianças e adolescentes”  Todo e as partes (especialização) (Morin)
  38. 38. Conclusão da obra  Achados: variadas alternativas de apoio e valorização docentes, assim como aspectos que demandam maior atenção e investimentos;  Deve-se haver aderência as políticas, caso contrário, elas ficam comprometidas: “A aderência dos docentes aos modelos de intervenção propostos é que definirá, ou não, o sucesso das políticas”  Critica: políticas estão pautadas nos resultados das avaliações padronizadas dos alunos. Não há clareza se isso é o que mais favorece as transformações nos padrões educacionais que a sociedade almeja, uma vez que está imbricado com fatores de ordem cultural, social e econômica. Trata-se de um modelo reducionista.

×