SlideShare uma empresa Scribd logo
Clique para adicionar texto
TRAUMA RAQUI-MEDULAR
(TRM)
www.traumatologiaeortopedia.com.br
TRM
 A lesão medular espinhal (LME) caracteriza-se em uma
grave síndrome incapacitante, ou seja, que acaba por
acarretar, principalmente, em alterações do movimento
e da sensibilidade; além de alterações vesicais,
respiratórias,intestinais, vasculares, sexuais e
psicológicas.
 Ocorre em cerca de 15 a 20% das fraturas da coluna
vertebral.
TRM
Etiologia
Traumáticas- Acidente automobilístico, PAF, quedas de alturas, esportes,
acidentes de trabalho, mergulho em água rasa.
Processos tumorais, infecções, alterações vasculares, doenças
degenerativas e alterações congênitas.
TRM
Incidência
Adultos jovens do sexo masculino;
Faixa etária: 15 a 40 anos;
Proporção: 3:1.
TRM
Fisiopatologia
Lesão primária da M.E.
Intimamente ligada com trauma na medula, isto é,rompimento dos axônios,
lesão das células nervosas e rotura dos vasos sanguíneos.
Lesão secundária da M.E.
Causada pela alteração do canal vertebral, hemorragia e edema, aumentando
ainda mais a pressão no canal medular.
TRM
Determinação do segmento medular afetado
Dermátomos
Área da pele inervada por axônios sensitivos dentro de cada nervo segmentar
(raiz).
Miótomos
Grupo de fibras musculares inervadas pelos axônios motores dentro de cada
nervo segmentar (raiz).
Nível neurológico
Segmento mais caudal da M.E. que apresenta as funções motoras e sensitivas
normais em ambos os lados.
Nível sensitivo
Nível mais caudal da M.E. que apresenta sensibilidade normal bilateralmente.
TRM
Distribuição de dermátomos do membro superior, inferior, e região perineal
TRM
www.traumatologiaeortopedia.com.br
TRM
Determinação do segmento medular afetado
Nível motor
Nível mais caudal da M.E. que apresenta função motora normal
bilateralmente.
Nível esquelético
Nível em que, por meio do exame radiológico, se encontra o maior dano
vertebral.
Índice sensitivo e índice motor
Soma numérica que reflete o grau de deficiência neurológica associado com a
lesão medular.
TRM
Verificação da lesão medular
Completa: ausência da sensibilidade e funções motoras nos segmentos sacrais
baixos (S4, S5).
Incompleta: preservação parcial das funções sensitivas e motoras abaixo do
nível neurológico, incluindo a região sacral mais caudal(S4,S5).
Zona de Preservação Parcial: dermátomos e miótomos distais ao nível
neurológico que permanecem parcialmente inervados.
TRM
Dermátomos
Vista frontal e
lateral
Dermátomos
Vista posterior
TRM
Avaliação Clínica
Anamnese;
Exame físico;
Exame radiológico;
Exame neurológico.
TRM
Exame radiológico
Radiografia - deve ser realizada nos planos anteroposterior(AP),
lateral e transoral.
Rx em perfil exclui 85% das fraturas.
TC para detalhes ósseos.
RM - usada na fase primária de diagnóstico.
Parâmetros radiológicos
• Adequado, Alinhado
• Base do crânio,
anormalidades
ósseas
• Cartilagens,
Contornos
• Disco intervertebral
• Tecidos moles
Deslocamento Atlanto-occipital
Espondilolistese
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Fratura Vertebral
Fratura de Jefferson
Fragmento Impactado
Compressão Medular
Secção Medular
Hérnia Discal Pós-Traumática
TRM
Exame neurológico
Consiste na avaliação da sensibilidade, da função motora e dos reflexos.
Sensibilidade: Avaliamos pela variação da temperatura,sensibilidade tátil e
dolorosa e também por meio de um diapasão ou da posição espacial dos
membros(avaliação da vibração).
Motora: Determinamos o grau de movimento de um paciente por meio de
uma escala de 0 a 5.
Reflexos: Testamos os principais reflexos tendinosos profundos
bicipital(C5), estiloradial (C6), tricipital (C7), patelar(L4) e aquileu (S1).
TRM
Tátil Dolorosa
VibraçãoReflexo
Avaliação Neurológica
CHOQUE NEUROGÊNICO
• Hipotensão associada com lesão
cervical ou torácica alta
• Bradicardia
• Tratamento: Líquidos, atropina e,
ocasionalmente, vasopressores.
www.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
Avaliação Neurológica
“CHOQUE” MEDULAR
• É fenômeno neurológico, não
hemodinâmico
• Ocorre logo após a lesão medular
• Flacidez
• Arreflexia
TRM
Síndromes medulares
Síndrome da medula central
Lesão que ocorre quase exclusivamente na região cervical, com preservação da sensibilidade sacral
e maior debilidade dos membros superiores que nos membros inferiores.
Síndrome da medula Anterior
Lesão que produz perda da função motora e da sensibilidade a dor e a temperatura, preservando a
propriocepção.
Síndrome de Brown-Séquard
Lesão que produz maior perda motora e proprioceptiva ipsilateral e perda da sensibilidade
contralateral da dor e da temperatura.
Síndrome da medula posterior
Função motora, sensibilidade à dor e tato estão presevadas, porém a propriocepção está alterada.
Síndrome do cone medular
Lesão da medula sacral (cone) e das raízes lombares dentro do canal que usualmente resulta em
arreflexia de bexiga, intestino e membros inferiores. Os segmentos sacros poderiam
ocasionalmente mostrar reflexos preservados, por exemplo, o bulbocavernoso e os reflexos
miccionais.
Lesão da cauda eqüina
Lesão das raízes nervosas lombossacras dentro do canal neural resulta em arreflexia de bexiga,
intestino e membros inferiores.
TRM
Efeitos do TRM
Tetraplegia
1 - Paralisia dos 4 membros secundários
a lesão medular ao nível da coluna
vertebral cervical.
Paraplegia
2 - Paralisia dos membros inferiores
secundária a lesão medular ao nível da
coluna vertebral tóraco-lombar.
TRM
Efeitos do TRM
TRM
Avaliação da A.S.I.A.(American Spine Injury Association)
A Associação Americana do Trauma Raqui-Medular desenvolveu padrões para a
avaliação e classificação neurológica do TRM.
Exame de sensibilidade:
Realizado por meio da sensibilidade tátil e dolorosa feita nos 28 dermátomos
bilateralmente, sendo graduada em uma escala numérica.
Exame motor:
Realizado por meio da avaliação de ambos os lados em 10 pares de miótomos e a
força gradual de acordo com a escala de seis pontos.
TRM
A avaliação da deficiência é baseada na modificação da escala de Frankel, que
foi modificada pela A.S.I.A e consiste em 5 graus de incapacidade:
A) lesão completa - não há função motora ou sensitiva nos segmentos sacrais S4-
S5.
B) lesão incompleta – há função sensitiva, porém há perda da força motora
abaixo do nível neurológico,estendendo-se até os segmentos sacrais S4-S5.
C) lesão incompleta - função motora é preservada abaixo do nível neurológico e
a maioria dos músculos chaves abaixo do nível neurológico possui grau
menor ou igual a 3.
D) lesão incompleta - função motora é preservada abaixo do nível neurológico e
a maioria dos músculos chaves abaixo do nível neurológico possui grau maior
ou igual a 3.
E) normal – sensibilidade e força motora normais.
TRM
Músculos chaves
C5- flexores do cotovelo (bíceps braquial).
C6- extensores do punho (extensor radial longo e curto do carpo).
C7- extensores do cotovelo ( tríceps).
C8- flexores dos dedos (falanges média e distal).
T1- abdutores (quinto dedo).
L2- flexores do quadril (ílio psoas).
L3- flexores do joelho (quadríceps).
L4- dorsiflexores do tornozelo (tibial anterior).
L5- extensor longo do hálux.
S1- flexores plantares do tornozelo(tríceps sural).
Exame do Sensório
Cervical Toracica Lombosacra
C-5 Deltoide T-4 Mamilo L-4 Perna
medial
C-6 Polegar T-8 Xifóide L-5 1 e 2
dedos do pé
C-7 Dedo
médio
T-10 Umbigo S-1 Pé lateral
C-8 Dedo
mínimo
T-12 Sínfise S 4-5 Perianal
Tratamento
• Assegurar ventilação adequada,
especialmente se for alto o nível (C-4) -
tetraplégico
• Manter a Pressão sangüínea
• Atropina se necessário para bradicardia
• Metilprednisolona
Tratamento
FLUIDOS INTRAVENOSOS
• Tratar primeiro a hipovolemia
• Considerar choque neurogênico
• Inserir cateter urinário
Tratamento
ESTERÓIDES
• Metilprednisolona EV
 Lesão medular comprovada
 Começar nas primeiras 8 horas da lesão
 30 mg/kg durante 15 minutos
 5,4 mg/kg/hora durante as próximas 24 horas
Eficácia provada apenas para trauma fechado
Tratamento Cirúrgico
 Indicações
 instabilidade do segmento vertebral
 lesão neurológica
 Objetivos
 preservar a anatomia e função da medula
 restaurar o alinhamento da coluna vertebral
 estabilizar o segmento lesado
 prevenir as complicações gerais e locais
 restabelecer de forma precoce o paciente
Tratamento Cirúrgico
 Na Impossibilidade do tratamento definitivo

 Tração de coluna
 Objetivos:
 Manter a redução da fratura
 Realinhar o canal vertebral
www.traumatologiaeortopedia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Trauma raquimedular
Letícia Siriano
 
Trm
TrmTrm
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
TCE
TCETCE
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálico
NadjadBarros
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
Biancaglorinha
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
Caio Gonçalves de Souza
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Shirley Rodrigues
 
Amputações
AmputaçõesAmputações
Amputações
Rogério Santos Silva
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Coma
ComaComa
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizado
André Cipriano
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Renato Almeida
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
kmillaalves
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
Luana Morais
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
Laboratório Sérgio Franco
 
Politraumas
PolitraumasPolitraumas
Politraumas
André Assis
 

Mais procurados (20)

Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Trauma raquimedular
 
Trm
TrmTrm
Trm
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
TCE
TCETCE
TCE
 
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálico
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Amputações
AmputaçõesAmputações
Amputações
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Coma
ComaComa
Coma
 
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizado
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
 
Politraumas
PolitraumasPolitraumas
Politraumas
 

Semelhante a Trauma raquimedular

Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
ewerton guizardi
 
TRM.pptx
TRM.pptxTRM.pptx
TRM.pptx
ssuser51d27c1
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
AULAS DE TRAUMAS.ppt
AULAS DE TRAUMAS.pptAULAS DE TRAUMAS.ppt
AULAS DE TRAUMAS.ppt
AlexandrelindoVital1
 
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdfaula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
AmandaMaritsa1
 
Ressonância Magnética - Hernia de Disco
Ressonância Magnética - Hernia de Disco  Ressonância Magnética - Hernia de Disco
Ressonância Magnética - Hernia de Disco
Heitor Leandro
 
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).pptTRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
ELIANAPEREIRA93
 
TRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes.pptTRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
ELIANAPEREIRA93
 
Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
Zé Moleza
 
Dctb
DctbDctb
Resumão rm2
Resumão rm2Resumão rm2
Resumão rm2
Paula Lima Lima
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Marcelo Madureira Montroni
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
MarceloMadureiraRama
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
ThailonAzevedo
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
SemioOrto
 
Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica
Renato Almeida
 
Bloqueio e lesão do plexo braquial
Bloqueio e lesão do plexo braquialBloqueio e lesão do plexo braquial
Bloqueio e lesão do plexo braquial
Leidiane Barbosa
 
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptxAula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Laura Alonso Matheus Montouro
 
Plexo Sagrado
Plexo SagradoPlexo Sagrado
Plexo Sagrado
Vânia Caldeira
 

Semelhante a Trauma raquimedular (20)

Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
 
TRM.pptx
TRM.pptxTRM.pptx
TRM.pptx
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
AULAS DE TRAUMAS.ppt
AULAS DE TRAUMAS.pptAULAS DE TRAUMAS.ppt
AULAS DE TRAUMAS.ppt
 
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdfaula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
 
Ressonância Magnética - Hernia de Disco
Ressonância Magnética - Hernia de Disco  Ressonância Magnética - Hernia de Disco
Ressonância Magnética - Hernia de Disco
 
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).pptTRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes (1).ppt
 
TRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes.pptTRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
TRM -puc goiás sem fotos pctes.ppt
 
Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Resumão rm2
Resumão rm2Resumão rm2
Resumão rm2
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
 
Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica
 
Bloqueio e lesão do plexo braquial
Bloqueio e lesão do plexo braquialBloqueio e lesão do plexo braquial
Bloqueio e lesão do plexo braquial
 
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptxAula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
 
Plexo Sagrado
Plexo SagradoPlexo Sagrado
Plexo Sagrado
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 

Último (9)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 

Trauma raquimedular

  • 1. Clique para adicionar texto TRAUMA RAQUI-MEDULAR (TRM) www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 2. TRM  A lesão medular espinhal (LME) caracteriza-se em uma grave síndrome incapacitante, ou seja, que acaba por acarretar, principalmente, em alterações do movimento e da sensibilidade; além de alterações vesicais, respiratórias,intestinais, vasculares, sexuais e psicológicas.  Ocorre em cerca de 15 a 20% das fraturas da coluna vertebral.
  • 3. TRM Etiologia Traumáticas- Acidente automobilístico, PAF, quedas de alturas, esportes, acidentes de trabalho, mergulho em água rasa. Processos tumorais, infecções, alterações vasculares, doenças degenerativas e alterações congênitas.
  • 4. TRM Incidência Adultos jovens do sexo masculino; Faixa etária: 15 a 40 anos; Proporção: 3:1.
  • 5. TRM Fisiopatologia Lesão primária da M.E. Intimamente ligada com trauma na medula, isto é,rompimento dos axônios, lesão das células nervosas e rotura dos vasos sanguíneos. Lesão secundária da M.E. Causada pela alteração do canal vertebral, hemorragia e edema, aumentando ainda mais a pressão no canal medular.
  • 6. TRM Determinação do segmento medular afetado Dermátomos Área da pele inervada por axônios sensitivos dentro de cada nervo segmentar (raiz). Miótomos Grupo de fibras musculares inervadas pelos axônios motores dentro de cada nervo segmentar (raiz). Nível neurológico Segmento mais caudal da M.E. que apresenta as funções motoras e sensitivas normais em ambos os lados. Nível sensitivo Nível mais caudal da M.E. que apresenta sensibilidade normal bilateralmente.
  • 7. TRM Distribuição de dermátomos do membro superior, inferior, e região perineal
  • 9. TRM Determinação do segmento medular afetado Nível motor Nível mais caudal da M.E. que apresenta função motora normal bilateralmente. Nível esquelético Nível em que, por meio do exame radiológico, se encontra o maior dano vertebral. Índice sensitivo e índice motor Soma numérica que reflete o grau de deficiência neurológica associado com a lesão medular.
  • 10. TRM Verificação da lesão medular Completa: ausência da sensibilidade e funções motoras nos segmentos sacrais baixos (S4, S5). Incompleta: preservação parcial das funções sensitivas e motoras abaixo do nível neurológico, incluindo a região sacral mais caudal(S4,S5). Zona de Preservação Parcial: dermátomos e miótomos distais ao nível neurológico que permanecem parcialmente inervados.
  • 12. TRM Avaliação Clínica Anamnese; Exame físico; Exame radiológico; Exame neurológico.
  • 13. TRM Exame radiológico Radiografia - deve ser realizada nos planos anteroposterior(AP), lateral e transoral. Rx em perfil exclui 85% das fraturas. TC para detalhes ósseos. RM - usada na fase primária de diagnóstico.
  • 14. Parâmetros radiológicos • Adequado, Alinhado • Base do crânio, anormalidades ósseas • Cartilagens, Contornos • Disco intervertebral • Tecidos moles
  • 23. TRM Exame neurológico Consiste na avaliação da sensibilidade, da função motora e dos reflexos. Sensibilidade: Avaliamos pela variação da temperatura,sensibilidade tátil e dolorosa e também por meio de um diapasão ou da posição espacial dos membros(avaliação da vibração). Motora: Determinamos o grau de movimento de um paciente por meio de uma escala de 0 a 5. Reflexos: Testamos os principais reflexos tendinosos profundos bicipital(C5), estiloradial (C6), tricipital (C7), patelar(L4) e aquileu (S1).
  • 25. Avaliação Neurológica CHOQUE NEUROGÊNICO • Hipotensão associada com lesão cervical ou torácica alta • Bradicardia • Tratamento: Líquidos, atropina e, ocasionalmente, vasopressores. www.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 26. Avaliação Neurológica “CHOQUE” MEDULAR • É fenômeno neurológico, não hemodinâmico • Ocorre logo após a lesão medular • Flacidez • Arreflexia
  • 27. TRM Síndromes medulares Síndrome da medula central Lesão que ocorre quase exclusivamente na região cervical, com preservação da sensibilidade sacral e maior debilidade dos membros superiores que nos membros inferiores. Síndrome da medula Anterior Lesão que produz perda da função motora e da sensibilidade a dor e a temperatura, preservando a propriocepção. Síndrome de Brown-Séquard Lesão que produz maior perda motora e proprioceptiva ipsilateral e perda da sensibilidade contralateral da dor e da temperatura. Síndrome da medula posterior Função motora, sensibilidade à dor e tato estão presevadas, porém a propriocepção está alterada. Síndrome do cone medular Lesão da medula sacral (cone) e das raízes lombares dentro do canal que usualmente resulta em arreflexia de bexiga, intestino e membros inferiores. Os segmentos sacros poderiam ocasionalmente mostrar reflexos preservados, por exemplo, o bulbocavernoso e os reflexos miccionais. Lesão da cauda eqüina Lesão das raízes nervosas lombossacras dentro do canal neural resulta em arreflexia de bexiga, intestino e membros inferiores.
  • 28. TRM Efeitos do TRM Tetraplegia 1 - Paralisia dos 4 membros secundários a lesão medular ao nível da coluna vertebral cervical. Paraplegia 2 - Paralisia dos membros inferiores secundária a lesão medular ao nível da coluna vertebral tóraco-lombar.
  • 30. TRM Avaliação da A.S.I.A.(American Spine Injury Association) A Associação Americana do Trauma Raqui-Medular desenvolveu padrões para a avaliação e classificação neurológica do TRM. Exame de sensibilidade: Realizado por meio da sensibilidade tátil e dolorosa feita nos 28 dermátomos bilateralmente, sendo graduada em uma escala numérica. Exame motor: Realizado por meio da avaliação de ambos os lados em 10 pares de miótomos e a força gradual de acordo com a escala de seis pontos.
  • 31. TRM A avaliação da deficiência é baseada na modificação da escala de Frankel, que foi modificada pela A.S.I.A e consiste em 5 graus de incapacidade: A) lesão completa - não há função motora ou sensitiva nos segmentos sacrais S4- S5. B) lesão incompleta – há função sensitiva, porém há perda da força motora abaixo do nível neurológico,estendendo-se até os segmentos sacrais S4-S5. C) lesão incompleta - função motora é preservada abaixo do nível neurológico e a maioria dos músculos chaves abaixo do nível neurológico possui grau menor ou igual a 3. D) lesão incompleta - função motora é preservada abaixo do nível neurológico e a maioria dos músculos chaves abaixo do nível neurológico possui grau maior ou igual a 3. E) normal – sensibilidade e força motora normais.
  • 32. TRM Músculos chaves C5- flexores do cotovelo (bíceps braquial). C6- extensores do punho (extensor radial longo e curto do carpo). C7- extensores do cotovelo ( tríceps). C8- flexores dos dedos (falanges média e distal). T1- abdutores (quinto dedo). L2- flexores do quadril (ílio psoas). L3- flexores do joelho (quadríceps). L4- dorsiflexores do tornozelo (tibial anterior). L5- extensor longo do hálux. S1- flexores plantares do tornozelo(tríceps sural).
  • 33. Exame do Sensório Cervical Toracica Lombosacra C-5 Deltoide T-4 Mamilo L-4 Perna medial C-6 Polegar T-8 Xifóide L-5 1 e 2 dedos do pé C-7 Dedo médio T-10 Umbigo S-1 Pé lateral C-8 Dedo mínimo T-12 Sínfise S 4-5 Perianal
  • 34.
  • 35. Tratamento • Assegurar ventilação adequada, especialmente se for alto o nível (C-4) - tetraplégico • Manter a Pressão sangüínea • Atropina se necessário para bradicardia • Metilprednisolona
  • 36. Tratamento FLUIDOS INTRAVENOSOS • Tratar primeiro a hipovolemia • Considerar choque neurogênico • Inserir cateter urinário
  • 37. Tratamento ESTERÓIDES • Metilprednisolona EV  Lesão medular comprovada  Começar nas primeiras 8 horas da lesão  30 mg/kg durante 15 minutos  5,4 mg/kg/hora durante as próximas 24 horas Eficácia provada apenas para trauma fechado
  • 38. Tratamento Cirúrgico  Indicações  instabilidade do segmento vertebral  lesão neurológica  Objetivos  preservar a anatomia e função da medula  restaurar o alinhamento da coluna vertebral  estabilizar o segmento lesado  prevenir as complicações gerais e locais  restabelecer de forma precoce o paciente
  • 39. Tratamento Cirúrgico  Na Impossibilidade do tratamento definitivo   Tração de coluna  Objetivos:  Manter a redução da fratura  Realinhar o canal vertebral www.traumatologiaeortopedia.com.br