SlideShare uma empresa Scribd logo
TCE
Entende-se por TCE agressão de qualquer natureza que
acarrete lesão anatômica ou comprometimento funcional do
couro cabeludo, crânio, meninges e/ou encéfalo.
O TCE tem o potencial de produzir uma variedade de lesões no
tecido cerebral, tendo-se tornado a principal causa de morte
em adultos jovens.
As causas mais comuns de TCE são:
- Acidentes automobilísticos (colisões e atropelamentos);
- Quedas;
- Agressões (incluindo ferimentos por projétil de arma de fogo e
arma branca);
- Colisão de objetos.
TCE
Fisiopatologia
• A lesão encefálica definitiva que se estabelece após o TCE é o
resultado de mecanismos fisiopatológicos que se iniciam com o
acidente e se estendem por dias a semanas.
• As lesões cerebrais são classificadas em:
- Lesão Primária;
- Lesão Secundária.
• Lesão Primária - refere-se à lesão inicial ao encéfalo, que
resulta de um evento traumático. As lesões primárias incluem
contusões, lacerações e ruptura de vasos sanguíneos em razão
do impacto, aceleração-desaceleração ou penetração de
objeto estranho.
• Lesão secundaria - evolui durante as horas e dias seguintes
após a lesão inicial e resulta do aporte inadequado de
nutrientes e oxigênio às células. As lesões secundárias incluem
hemorragia intracraniana, edema cerebral, elevação da
pressão intracraniana, lesão cerebral hipóxica e infecção.
Manifestações Clinicas
• Os sintomas, além dos sintomas locais, dependem da gravidade
e da localização anatômica da lesão cerebral subjacente.
 A dor persistente e localizada sugere a existência de fratura;
 As fraturas da base do crânio frequentemente provocam hemorragia a partir do
nariz, faringe ou ouvidos;
 Pode-se observar a existência de equimoses;
 A lesão cerebral pode apresentar vários sinais, incluindo alteração do nível de
consciência, anormalidades pupilares, alteração ou ausência do reflexo do
vômito ou do reflexo corneano, déficits neurológicos, alteração dos sinais vitais,
hipertermia ou hipotermia e comprometimento sensorial, visual ou auditivo;
 Os sinais de uma síndrome pós-lesão podem incluir cefaleia, tontura, ansiedade,
irritabilidade e letargia.
Diagnostico
• Exame físico e avaliação do estado neurológico;
• Exames radiográficos: radiografias, TC, RM;
• Angiografia cerebral.
TCE
Lesões do couro cabeludo e do crânio
• O traumatismo do couro cabeludo pode resultar em abrasão
(lesão por esfoladura), contusão, laceração ou hematoma.
• As fraturas de crânio podem ocorrer com ou sem lesões ao
cérebro.
• São classificadas em simples, cominutivas, deprimidas ou
basilares e podem ser abertas (ruptura da dura-máter) ou
fechadas (dura-máter intacta).
TCE
Concussão (Lesão cerebral)
• Refere-se à perda temporária da
função neurológica, sem danos
estruturais aparentes.
• O mecanismo da lesão consiste em
traumatismo fechado em
consequência de uma força de
aceleração-desaceleração, pancada
direta ou lesão por explosão.
• Existe três graus de concussão:
Grau 1: confusão transitória sem perda de consciência e
resolução das anormalidades do estado mental ao exame em
menos de 15 min;
Grau 2: confusão transitória sem perda da consciência e
sintomas de concussão ou anormalidades do estado mental ao
exame com mais de 15 min de duração
Grau 3: qualquer perda da consciência de vários segundos a
minutos de duração.
Contusão
• O cérebro é ferido e sofre lesão em uma área específica em
decorrência de uma força de aceleração-desaceleração intensa
ou traumatismo fechado.
• As contusões são caracterizadas por perda da consciência
associada a estupor e confusão mental.
• Outras características podem incluir alteração tissular e déficit
neurológico, sem formação de hematoma, alteração da
consciência sem sinais de localização ou hemorragia no tecido,
que varia de tamanho e é circundada por edema.
Lesão axônica difusa
• Resulta das forças de cisalhamento e rotacionais disseminadas,
que produzem dano em todo o encéfalo.
• O cliente com LAD não apresenta intervalos lúcidos e entra em
coma imediato, com postura decorticada e descerebrada e
edema cerebral global.
Hemorragias intracranianas
• Os hematomas são coleções de sangue no encéfalo que podem
ser extradurais (acima da dura-máter), subdurais (abaixo da
dura-máter) ou intracerebrais (dentro do cérebro).
• Os principais sintomas frequentemente são retardados até que
o hematoma seja grande o suficiente para causar distorção do
cérebro e elevação da pressão intracraniana (PIC).
TCE
Escala de Coma de
Glasgow
A Escala de Coma de Glasgow
define o nível de consciência
mediante a observação do
comportamento, baseando-se
em um valor numérico.
É o sistema de pontuação mais
utilizado internacionalmente
para avaliação de pacientes
comatosos em cuidados
intensivos.
Intervenções de Enfermagem
• Monitorar os sinais vitais a intervalos frequentes para avaliar o
estado intracraniano;
• Monitorar a temperatura (Deve-se manter a temperatura
abaixo de 38°C);
• Monitorar à procura de sinais de elevação da PIC, incluindo
diminuição da frequência cardíaca (bradicardia), elevação da
pressão arterial sistólica e alargamento da pressão do pulso
(reflexo de Cushing);
• Fornecer à família informações acuradas e honestas;
• Elevar a cabeceira do leito a 30° para diminuir a pressão
intracraniana;
• Monitorar o cliente que está recebendo ventilação mecânica
para complicações pulmonares;
• Proteger o cliente contra a autolesão e o deslocamento dos
tubos (grades laterais acolchoadas, mãos protegidas em
ataduras em forma de luvas);
• Avaliar todas as superfícies do corpo e documentar a
integridade da pele a cada 8 h;
• Mudar o decúbito a cada 2 h;
• Ajudar o cliente a se levantar do leito 3 vezes/dia, quando
apropriado.
Referência Bibliográfica
Brunner & Suddarth, Manual de enfermagem médico-
cirúrgica / revisão técnica Sonia Regina de Souza; tradução
Patricia Lydie Voeux. – 13. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2015.
TCE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

T C E - Anatomia
T C E - AnatomiaT C E - Anatomia
T C E - Anatomia
Marcio Assunção
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
neuroliga-nortemineira
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Joice Lins
 
Convulsao
ConvulsaoConvulsao
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
Danielle Alexia
 
22ª aula trauma de crânio Silvio
22ª aula   trauma de crânio Silvio22ª aula   trauma de crânio Silvio
22ª aula trauma de crânio Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Juliana Santos
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Matheus Oliveira
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
Guilherme Sicuto
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Doenças Neurológicas
Doenças NeurológicasDoenças Neurológicas
Doenças Neurológicas
Fábio Simões
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
Laboratório Sérgio Franco
 
Tce
TceTce
Tce
FMU
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
Fagner Athayde
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Morte encefálica enfermagem farec
Morte encefálica   enfermagem farecMorte encefálica   enfermagem farec
Morte encefálica enfermagem farec
Estephane ingrid Souza Pessoa
 

Mais procurados (20)

T C E - Anatomia
T C E - AnatomiaT C E - Anatomia
T C E - Anatomia
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Convulsao
ConvulsaoConvulsao
Convulsao
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
22ª aula trauma de crânio Silvio
22ª aula   trauma de crânio Silvio22ª aula   trauma de crânio Silvio
22ª aula trauma de crânio Silvio
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítima
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Doenças Neurológicas
Doenças NeurológicasDoenças Neurológicas
Doenças Neurológicas
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
 
Tce
TceTce
Tce
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Morte encefálica enfermagem farec
Morte encefálica   enfermagem farecMorte encefálica   enfermagem farec
Morte encefálica enfermagem farec
 

Semelhante a TCE

AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptxAGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
MIRIAN FARIA
 
Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)
Eliana Pereira Custodio
 
Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
mujaci
 
Aula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdfAula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdf
CaioMenezes21
 
Atendimento aph
Atendimento aphAtendimento aph
Atendimento aph
jose paula
 
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergênciaAbordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
MD Anass ER
 
Prevenção do AVC
Prevenção do AVC   Prevenção do AVC
Prevenção do AVC
cesanto
 
Traumatismo craniano encefálico
Traumatismo craniano encefálicoTraumatismo craniano encefálico
Traumatismo craniano encefálico
Sidnei Carvalho
 
Epilepsia gabi ab
Epilepsia  gabi abEpilepsia  gabi ab
Epilepsia gabi ab
neuroliga-nortemineira
 
Avc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebralAvc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebral
Susana Cardoso
 
Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
Trauma Crânio Encefálico e Raqui MedularTrauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
Andress Godoy Delben
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Reinaldo Souza
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Paulo Matias
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
Alexandre Donha
 
CEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptxCEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptx
GabrielPintoMalowa
 
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Avc
AvcAvc
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
jhordana1
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
Universidade Católica Portuguesa
 

Semelhante a TCE (20)

AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptxAGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
AGRAVOS NEUROLÓGICOS1 (1).pptx
 
Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)
 
Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
 
Aula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdfAula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdf
 
Atendimento aph
Atendimento aphAtendimento aph
Atendimento aph
 
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergênciaAbordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
Abordagem traumatismo cranioencefálico na emergência
 
Prevenção do AVC
Prevenção do AVC   Prevenção do AVC
Prevenção do AVC
 
Traumatismo craniano encefálico
Traumatismo craniano encefálicoTraumatismo craniano encefálico
Traumatismo craniano encefálico
 
Epilepsia gabi ab
Epilepsia  gabi abEpilepsia  gabi ab
Epilepsia gabi ab
 
Avc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebralAvc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebral
 
Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
Trauma Crânio Encefálico e Raqui MedularTrauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
 
CEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptxCEFALEIA.pptx
CEFALEIA.pptx
 
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Tce pediatria
 
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Tce pediatria
 
Avc
AvcAvc
Avc
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
 

Mais de Patricia Nunes

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Patricia Nunes
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
Patricia Nunes
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Patricia Nunes
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
Patricia Nunes
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Patricia Nunes
 
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
Patricia Nunes
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Patricia Nunes
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Patricia Nunes
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
Patricia Nunes
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
Patricia Nunes
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
Patricia Nunes
 
Vitaminas
Vitaminas Vitaminas
Vitaminas
Patricia Nunes
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
Patricia Nunes
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
Patricia Nunes
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 

Mais de Patricia Nunes (16)

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentos
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
 
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
 
Vitaminas
Vitaminas Vitaminas
Vitaminas
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 

TCE

  • 2. Entende-se por TCE agressão de qualquer natureza que acarrete lesão anatômica ou comprometimento funcional do couro cabeludo, crânio, meninges e/ou encéfalo. O TCE tem o potencial de produzir uma variedade de lesões no tecido cerebral, tendo-se tornado a principal causa de morte em adultos jovens.
  • 3. As causas mais comuns de TCE são: - Acidentes automobilísticos (colisões e atropelamentos); - Quedas; - Agressões (incluindo ferimentos por projétil de arma de fogo e arma branca); - Colisão de objetos.
  • 5. Fisiopatologia • A lesão encefálica definitiva que se estabelece após o TCE é o resultado de mecanismos fisiopatológicos que se iniciam com o acidente e se estendem por dias a semanas. • As lesões cerebrais são classificadas em: - Lesão Primária; - Lesão Secundária.
  • 6. • Lesão Primária - refere-se à lesão inicial ao encéfalo, que resulta de um evento traumático. As lesões primárias incluem contusões, lacerações e ruptura de vasos sanguíneos em razão do impacto, aceleração-desaceleração ou penetração de objeto estranho. • Lesão secundaria - evolui durante as horas e dias seguintes após a lesão inicial e resulta do aporte inadequado de nutrientes e oxigênio às células. As lesões secundárias incluem hemorragia intracraniana, edema cerebral, elevação da pressão intracraniana, lesão cerebral hipóxica e infecção.
  • 7. Manifestações Clinicas • Os sintomas, além dos sintomas locais, dependem da gravidade e da localização anatômica da lesão cerebral subjacente.  A dor persistente e localizada sugere a existência de fratura;  As fraturas da base do crânio frequentemente provocam hemorragia a partir do nariz, faringe ou ouvidos;  Pode-se observar a existência de equimoses;  A lesão cerebral pode apresentar vários sinais, incluindo alteração do nível de consciência, anormalidades pupilares, alteração ou ausência do reflexo do vômito ou do reflexo corneano, déficits neurológicos, alteração dos sinais vitais, hipertermia ou hipotermia e comprometimento sensorial, visual ou auditivo;  Os sinais de uma síndrome pós-lesão podem incluir cefaleia, tontura, ansiedade, irritabilidade e letargia.
  • 8. Diagnostico • Exame físico e avaliação do estado neurológico; • Exames radiográficos: radiografias, TC, RM; • Angiografia cerebral.
  • 10. Lesões do couro cabeludo e do crânio • O traumatismo do couro cabeludo pode resultar em abrasão (lesão por esfoladura), contusão, laceração ou hematoma. • As fraturas de crânio podem ocorrer com ou sem lesões ao cérebro. • São classificadas em simples, cominutivas, deprimidas ou basilares e podem ser abertas (ruptura da dura-máter) ou fechadas (dura-máter intacta).
  • 12. Concussão (Lesão cerebral) • Refere-se à perda temporária da função neurológica, sem danos estruturais aparentes. • O mecanismo da lesão consiste em traumatismo fechado em consequência de uma força de aceleração-desaceleração, pancada direta ou lesão por explosão.
  • 13. • Existe três graus de concussão: Grau 1: confusão transitória sem perda de consciência e resolução das anormalidades do estado mental ao exame em menos de 15 min; Grau 2: confusão transitória sem perda da consciência e sintomas de concussão ou anormalidades do estado mental ao exame com mais de 15 min de duração Grau 3: qualquer perda da consciência de vários segundos a minutos de duração.
  • 14. Contusão • O cérebro é ferido e sofre lesão em uma área específica em decorrência de uma força de aceleração-desaceleração intensa ou traumatismo fechado. • As contusões são caracterizadas por perda da consciência associada a estupor e confusão mental. • Outras características podem incluir alteração tissular e déficit neurológico, sem formação de hematoma, alteração da consciência sem sinais de localização ou hemorragia no tecido, que varia de tamanho e é circundada por edema.
  • 15. Lesão axônica difusa • Resulta das forças de cisalhamento e rotacionais disseminadas, que produzem dano em todo o encéfalo. • O cliente com LAD não apresenta intervalos lúcidos e entra em coma imediato, com postura decorticada e descerebrada e edema cerebral global.
  • 16. Hemorragias intracranianas • Os hematomas são coleções de sangue no encéfalo que podem ser extradurais (acima da dura-máter), subdurais (abaixo da dura-máter) ou intracerebrais (dentro do cérebro). • Os principais sintomas frequentemente são retardados até que o hematoma seja grande o suficiente para causar distorção do cérebro e elevação da pressão intracraniana (PIC).
  • 18. Escala de Coma de Glasgow A Escala de Coma de Glasgow define o nível de consciência mediante a observação do comportamento, baseando-se em um valor numérico. É o sistema de pontuação mais utilizado internacionalmente para avaliação de pacientes comatosos em cuidados intensivos.
  • 19. Intervenções de Enfermagem • Monitorar os sinais vitais a intervalos frequentes para avaliar o estado intracraniano; • Monitorar a temperatura (Deve-se manter a temperatura abaixo de 38°C); • Monitorar à procura de sinais de elevação da PIC, incluindo diminuição da frequência cardíaca (bradicardia), elevação da pressão arterial sistólica e alargamento da pressão do pulso (reflexo de Cushing); • Fornecer à família informações acuradas e honestas;
  • 20. • Elevar a cabeceira do leito a 30° para diminuir a pressão intracraniana; • Monitorar o cliente que está recebendo ventilação mecânica para complicações pulmonares; • Proteger o cliente contra a autolesão e o deslocamento dos tubos (grades laterais acolchoadas, mãos protegidas em ataduras em forma de luvas); • Avaliar todas as superfícies do corpo e documentar a integridade da pele a cada 8 h; • Mudar o decúbito a cada 2 h; • Ajudar o cliente a se levantar do leito 3 vezes/dia, quando apropriado.
  • 21. Referência Bibliográfica Brunner & Suddarth, Manual de enfermagem médico- cirúrgica / revisão técnica Sonia Regina de Souza; tradução Patricia Lydie Voeux. – 13. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.