SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
CUIDADO DE ENFERMAGEM À
PESSOA COM TRAUMA
RAQUIMEDULAR.
Prof . Francielly Bordon.
Trauma Raquimedular
Coluna Vertebral – Anatomia e
Fisiologia:
A coluna vertebral é composta por 33 ossos
denominados vértebras, que se estendem desde a
base do crânio até o cóccix e são divididos em
grupos conforme sua localização e por
similaridades anatômicas em:
 cervicais (07),
 torácicas (12),
 lombares (05),
 sacrais (05) e
 coccígeas (04).
(DANGELO & FATTINI, 2004.p. 375)
Coluna Vertebral –
Anatomia e Fisiologia:
 São classificados como ossos irregulares, por terem
uma morfologia complexa sem precedentes em
formas geométricas conhecidas.
 São separadas entre si por discos
fibrocartilaginosos – os discos intervertebrais, que
tem por função absorver os aumentos de pressão
numa súbita sobrecarga de peso na coluna e
conferir mobilidade entre as vértebras adjacentes,
além de impedir o impacto direto entre as vértebras,
reduzindo assim seu desgaste pelo atrito.
Coluna Vertebral –
Anatomia e Fisiologia:
 Anatomicamente, as vértebras possuem um forame
vertebral, que quando alinhadas, formam um “túnel”
ósseo, por onde passa a medula espinhal, de onde
ramificam os nervos espinhais.
 Além deste
protetores da
arcabouço ósseo, também são
medula as meninges, lâminas
membranosas de tecido conjuntivo que protegem o
encéfalo e se estendem até o estreitamento da
medula espinhal.
Coluna Vertebral –
Anatomia e Fisiologia:
As meninges são três, a saber:
 dura-máter (mais externa),
 aracnóide (central) e
 pia-máter (mais interna).
Entre a aracnóide e a dura-máter, existe um espaço
subdural, e entre a aracnóide e a pia-máter existe o
espaço subaracnóide, por onde circula o líquido
cefalorraquidiano, ou líquor.
Coluna Vertebral –
Anatomia e Fisiologia:
 A coluna vertebral tem por função dar sustentação
ao corpo, além de proteger a medula espinhal, e
permitir assim que os impulsos nervosos fluam
livremente pelas vias eferentes (motoras) e
aferentes (sensitivas), para que o cérebro envie
comandos e receba sensações.
 A interrupção deste fluxo causa isolamento do
segmento corporal no nível e abaixo da lesão,
levando a perda e/ou diminuição da sensibilidade e
da capacidade de movimento.
Definição: Traumatismo
Raquimedular
 Traumatismo raquimedular é a lesão da medula
espinhal, que pode ser completa ou incompleta.
Apenas aproximadamente em 20 % dos casos a
lesão medular não decorre de traumatismos, sendo
secundária a processos degenerativos / patológicos
tais como tumores, malformações, diabetes.
 A grande maioria dos casos de trauma
raquimedulares é decorrente de acidentes. Pode
ser devido a acidentes automobilísticos, ferimentos
por armas de fogo, quedas, acidentes esportivos,
acidentes de trabalho.
(SANTOS, 2005. p. 137)
Trauma Raquimedular
 Os locais mais comuns de
lesão medular são as áreas
das vértebras C5, C6 e C7,
além da junção das vértebras
torácicas e lombares, T12 e
L1.
(NETTINA, 2007, p.507)
Trauma Raquimedular
 A energia mecânica tende a ser o agente de lesão
mais comum, sendo ainda o maior responsável
pelos traumatismos raquimedulares.
 Mecanismos de Lesão:
 Hiperflexão
 Hiperextensão
 Carga axial
 Carga lateral
 Ferimentos penetrantes
Trauma Raquimedular
• Hiperflexão:
Causada por desaceleração súbita do movimento.
Trauma Raquimedular
• Hiperextensão:
Movimento com a cabeça para trás e para baixo. A
medula é esticada e torcida.
Trauma Raquimedular
• Carga axial:
Resulta de uma carga vertical.
Trauma Raquimedular
• Carga lateral:
Força aplicada lateralmente.
Trauma Raquimedular
• Ferimentos penetrantes:
Lesão por PAF ou armas brancas que penetram na
medula.
Epidemiologia – Trauma
Raquimedular:
Os fatores de risco predominantes para lesão raquimedular
são idade, sexo, uso de álcool e drogas (lícitas e ilícitas). A
prevenção primária é a mais eficiente forma de prevenção.
A lesão raquimedular ocorre com frequência até quatro
vezes maior em homens que em mulheres. Mais da metade
dos registros de lesão raquimedular ocorre em indivíduos
inseridos na faixa etária dos 16 aos 30 anos, sendo a causa
mais comum os acidentes automobilísticos (35 %) seguida
pela violência (30%), quedas (19%) e práticas desportivas
(8%).
As vértebras mais acometidas são C5, C6 e C7, T12 e L1
devido a maior amplitude de movimento da coluna vertebral
nestas regiões.
(Segundo o Center of Disease Control - CDC (2001)
Fisiopatologia – Trauma
Raquimedular:
 Lesão primária: Transferência de energia cinética
para a medula espinhal que gera o rompimento dos
axônios, lesão das células nervosas e ruptura dos
vasos sanguíneos.
 Lesão secundária: Morte de axônios e células que
não foram inicialmente lesados, pela redução do fluxo
sanguíneo, normalmente causada por alterações no
canal vertebral, hemorragia, edema ou redução da
pressão sistêmica.
“Desde que a coluna do doente esteja
devidamente protegida, o exame vertebral e a
exclusão de traumas à coluna podem ser
postergados sem riscos, especialmente na
presença de alguma instabilidade sistêmica.”
ATLS
Avaliação Clínica:
Irá determinar o nível da lesão neurológica do
paciente:
 História Informações sobre o estado geral do
paciente previamente ao trauma.
 Exame físico
 Exame neurológico
 Avaliação da sensibilidade, da função
motora e dos reflexos.
Avaliação Clínica:
 Paciente com fratura da coluna sem lesão medular:
 Apresentam dor,
 Incapacidade funcional,
 Espasmo da musculatura adjacente.
 Paciente com lesão medular:
 Perda de resposta à estimulo doloroso,
 Incapacidade de realizar movimentos vontuntários,
 Queda da pressão arterial com bradicardia,
 Alteração no controle dos enficteres,
 Priapismo,
 Respiração diafragmática
Avaliação Clínica:
Síndrome Característica
Síndrome da medula
central
Cervical – comprometimento membros inferiores
e superiores
Síndrome da medula
anterior
Preservação da propriocepção e perda variável
da função motora e sensitiva à dor
Síndrome da medula
posterior
Manutenção da sensibilidade à dor e a função
motora, propriocepção alterada
Síndrome de Brown-
Séquard
Hemissecção da medula – perda da função
motora e proprioceptiva do lado da lesão e perda
da sensibilidade à dor e temperatura do lado
oposto
Síndrome de cone medular Incontinência vesical, fecal e alteração da função
sexual
Síndrome da cauda equina L1, L2 –
arreflexia,
paresia de
distúrbios
membros inferiores,
da sensibilidade e
Avaliação Sensibilidade:
 É realizada por meio da avaliação de sensibilidade
tátil e dolorosa do paciente, através de 20
dermátomos:
 Mamilos – T4
 Processo Xifóide – T7
 Região Inguinal – T12 a L1
 Região Perineal – S2, S3, S4
 Atribui uma
clínicos:
 0 – ausente
 1 – alterada
avaliação numérica nos achados
Avaliação Motora:
 Avaliação dos 10 pares miótomos e a força muscular
graduada :
 C5 – Flexores do cotovelo
 C6 – Flexores do punho
 C7 – Extensores do cotovelo
 C8 – Flexores do dedo
 T1 – Abdutores
 L2 – Flexores do quadril
 L3 – Flexores do joelho
 L4 – Dorsiflexores do tornozelo
 L5 - Extensores longos dos dedos
 S1 – Flexores plantares do tornozelo
Avaliação Motora:
 Segue a escala:
 0 – Paralisia total,
 1 – Contração palpável,
 2 – Movimento ativo
gravidade,
eliminado pela força da
 3 – Movimento ativo que vence a força da
gravidade,
 4 – Movimento ativo contra alguma resistência,
 5 – Normal.
 OBS: Também examina-se o esfíncter anal externo
Classificação da lesão
medular:
A Escala de Comprometimento da ASIA (American Spinal
Injury Association), baseada na completude da lesão (grau
de transecção da medula) e na função sensorial / motora.
Grau Tipo de lesão Manifestações Recuperação
A Completa Ausência de função motora e
sensitiva abaixo da lesão
15,5% cervical
7% torácica
B Incompleta Função sensitiva, mas não
motora
47%
C Incompleta Alguma força motora 84%
D Incompleta Força motora 84%
E Nenhuma Função sensitiva e função motora 100%
Exames:
 Radiografia antero-posterior, perfil e transoral
(diagnóstico de 84% lesão cervical).
 T
omografia Computadorizada: Avaliação da
morfologia da fratura.
 Ressonância Magnética: Análise de contusões
medulares.
Quadro Clínico – Trauma
Raquimedular:
 Fase aguda (de 1 a 24 horas após o trauma).
Nesta fase, o edema provocado pelo trauma ainda é um dos
limitadores da avaliação da lesão. Portanto, pode ser difícil
determinar o grau de transecção da medula. Testa-se a
capacidade motora e sensitiva com maior frequência a fim
de acompanhar a involução do edema.
 Intervenções cirúrgicas nesta fase são recomendadas
quando houver instabilidade vertebral, a fim de evitar
maiores agravos à lesão pré-existente. Os objetivos são
remover os fragmentos ósseos que porventura estejam
comprimindo a medula, além de estabilizar as vértebras,
para que o processo de reabilitação possa ser iniciado
precocemente. O succinato dissódico de metilpredinisolona
(corticóide) deve ser administrado até oito horas após a
lesão, com dose de manutenção por 48 horas.
Quadro Clínico – Trauma
Raquimedular:
 Fase subaguda (de 24 horas até uma semana pós-
trauma).
 As trações com halo cervical são comumente utilizadas para
tratar as lesões cervicais. A mobilização precoce, em blocos,
e os exercícios passivos devem ser iniciados tão logo o
paciente esteja em condições de estabilidade clínica e
cirúrgica. Programa-se uma hiperalimentação, com dieta
líquida por sonda, progredindo para pastosa, tão logo a
condição do cliente permita, hipercalórica, hiperprotéica
e rica em fibras, e volume da dieta deve aumentar
gradualmente, conforme a tolerância.
 Farmacologicamente , bloqueadores H2 (cimettidina ou
ranitidina) são administrados par evitar irritação gástrica e
hemorriagias
Quadro Clínico – Trauma
Raquimedular:
 Fase Crônica ou Ajustamento medular (após uma
semana do trauma). As complicações devem ser
tratadas, tais como infecções (antibioticoterapia);
comprometimento respiratório (estimulação elétrica
do nervo frênico, ventilação mecânica, fisioterapia
respiratória ; epasticidade (antiespasmódico orais);
sedativos leves, antidepressivos .
Quadro Clínico – Trauma
Raquimedular:
 A reabilitação inclui suporte clínico e psicossocial,
fisioterapia, avaliação urológica, terapia ocupacional,
incluindo sempre o cliente e seu núcleo familiar.
 Devem ser enfatizadas as habilidades, e não as
incapacidades, o foco da reabilitação é a adaptação
do indivíduo a sua condição, visando extrair a melhor
integração deste com o meio. Quanto mais adaptado
a sua nova condição, mais eficientemente o indivíduo
desempenhará as suas atividades de vida diária
(AVD).
 Mesmo em casos onde o comprometimento seja total,
impedindo qualquer participação física do indivíduo, a
sua atitude mental pode, e deve ser estimulada, pois
a perda da capacidade motora e sensitiva não implica
na perda do raciocínio.
Complicações Orgânicas do
Trauma Raquimedular:
 Devido à complexidade do sistema nervoso, as
lesões raquimedulares podem levar à
complicações orgânicas variadas, dependendo do
grau da lesão, altura da lesão, tempo transcorrido
entre o trauma e o atendimento, e qualidade do
atendimento inicial.
 As complicações em longo prazo incluem a
síndrome do desuso, a disreflexia ( hipertensão)
autônoma, infecções vesical e renal,
espasticidade e depressão.
Complicações Sociais do
Trauma Raquimedular:
 O indivíduo que sofre uma lesão medular, com
comprometimento que gera incapacidade, defronta-
nova realidade, onde o
se com uma
acompanhamento e o cuidado
profissionais de saúde
enfermeiros, terapeuta
especializados
ocupacional,
de inúmeros
(médicos,
psicólogo,
psiquiatra).
 Reside aí o risco de perda da privacidade, do direito
ao isolamento, e em casos mais graves, perde-se
mesmo o direito de ser.
O Papel do Enfermeiro:
 Como integrante da equipe multidisciplinar, numa
abordagem interdisciplinar, o enfermeiro é o
elemento que tem maior contato com a família e
com o cliente, por características inerentes à
prática profissional. Desta forma, as medidas que
o enfermeiro programar são determinantes do
sucesso ou fracasso tanto do atendimento inicial
(com relação aos agravos da lesão raquimedular)
quanto ao inicio precoce do processo de
reabilitação.
O Papel do
Enfermeiro:
 O enfermeiro deve considerar a necessidade de
conversar sobre a vida sexual do seu cliente.
Podem ser necessárias adaptações para que este
viva plenamente a manifestação do desejo sexual,
que é uma necessidade fisiológica básica, e não
deve ser reprimida unicamente devido à nova
condição física em que este se encontra.
Muito Obrigado!!!
Referências:
 CARPENITO-MOYET, L.J. Diagnósticos de Enfermagem: aplicação à prática
clínica. 10 ed. PortoAlegre: Artmed, 2005.
 DANGELO, J.G; FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar: para o
estudante de medicina. 2 ed. São Paulo: Atheneu. 2004.
 NETTINA, S.M. Prática de enfermagem. 8 ed. Rio de janeiro: Guanabara
Koogan, 2007.
 SANTOS, J. L (revisão técnica); SANTOS, R.G (tradução). Guia Profissional para
Fisiopatologia. Tradução de: Professional Guide of pathophysiology. 1 ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
 SANTOS, RR; CANETTI, MD; RIBEIRO JR, C; ALVAREZ, FS. Manual de Socorro
de Emergência. Seção de ensino e treinamento / Grupamento de Socorro de
Emergência /Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro / Secretaria
de Estado de Defesa Civil. São Paulo: Atheneu, 2005.
SMELTZER, S.C; BARE, B,G. BRUNNER & SUDDARTH Tratado de

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoSylvania Paiva
 
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoNadjadBarros
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadorozenaisna
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaJuliana Santos
 
O sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterO sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterWelfane Cordeiro Junior
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicojessica sanielly
 
24ª aula trauma de tórax Silvio
24ª aula   trauma de tórax Silvio24ª aula   trauma de tórax Silvio
24ª aula trauma de tórax SilvioProf Silvio Rosa
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaNilton Goulart
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalCarlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoFagner Athayde
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Apresentação trauma
Apresentação traumaApresentação trauma
Apresentação trauma
 
cinematica do truma
cinematica do trumacinematica do truma
cinematica do truma
 
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
 
Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Trauma raquimedular
 
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálico
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Fluxograma manchester
Fluxograma manchesterFluxograma manchester
Fluxograma manchester
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítima
 
O sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterO sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de Manchester
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
24ª aula trauma de tórax Silvio
24ª aula   trauma de tórax Silvio24ª aula   trauma de tórax Silvio
24ª aula trauma de tórax Silvio
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Biomecânica do Trauma
Biomecânica do TraumaBiomecânica do Trauma
Biomecânica do Trauma
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 

Semelhante a TRM.pptx

aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdfaula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdfAmandaMaritsa1
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarewerton guizardi
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoMarcelo Madureira Montroni
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotraumaleandrodocarmo6
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Marcus Murata
 
Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão MedularZé Moleza
 
TRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOSTRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOSjoelbm
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoCarlos Andrade
 
fisiologia traumatismo raqui medular.pdf
fisiologia traumatismo raqui medular.pdffisiologia traumatismo raqui medular.pdf
fisiologia traumatismo raqui medular.pdfEdnilGalucio1
 
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaWesley Rogerio
 
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptxAula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptxLaura Alonso Matheus Montouro
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Claudevir Tunussi
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Jorge Acosta Noriega
 

Semelhante a TRM.pptx (20)

aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdfaula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
aula trm TRAUMA RAQUIMEDULAR.pdf
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo
 
Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
 
Trm
TrmTrm
Trm
 
TRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOSTRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOS
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
fisiologia traumatismo raqui medular.pdf
fisiologia traumatismo raqui medular.pdffisiologia traumatismo raqui medular.pdf
fisiologia traumatismo raqui medular.pdf
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela
Fratura de patela
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
 
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
 
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptxAula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
Aula Mononeuropatias e síndromes compressivas dos membros superiores.pptx
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 

TRM.pptx

  • 1. CUIDADO DE ENFERMAGEM À PESSOA COM TRAUMA RAQUIMEDULAR. Prof . Francielly Bordon.
  • 3. Coluna Vertebral – Anatomia e Fisiologia: A coluna vertebral é composta por 33 ossos denominados vértebras, que se estendem desde a base do crânio até o cóccix e são divididos em grupos conforme sua localização e por similaridades anatômicas em:  cervicais (07),  torácicas (12),  lombares (05),  sacrais (05) e  coccígeas (04). (DANGELO & FATTINI, 2004.p. 375)
  • 4. Coluna Vertebral – Anatomia e Fisiologia:  São classificados como ossos irregulares, por terem uma morfologia complexa sem precedentes em formas geométricas conhecidas.  São separadas entre si por discos fibrocartilaginosos – os discos intervertebrais, que tem por função absorver os aumentos de pressão numa súbita sobrecarga de peso na coluna e conferir mobilidade entre as vértebras adjacentes, além de impedir o impacto direto entre as vértebras, reduzindo assim seu desgaste pelo atrito.
  • 5.
  • 6. Coluna Vertebral – Anatomia e Fisiologia:  Anatomicamente, as vértebras possuem um forame vertebral, que quando alinhadas, formam um “túnel” ósseo, por onde passa a medula espinhal, de onde ramificam os nervos espinhais.  Além deste protetores da arcabouço ósseo, também são medula as meninges, lâminas membranosas de tecido conjuntivo que protegem o encéfalo e se estendem até o estreitamento da medula espinhal.
  • 7. Coluna Vertebral – Anatomia e Fisiologia: As meninges são três, a saber:  dura-máter (mais externa),  aracnóide (central) e  pia-máter (mais interna). Entre a aracnóide e a dura-máter, existe um espaço subdural, e entre a aracnóide e a pia-máter existe o espaço subaracnóide, por onde circula o líquido cefalorraquidiano, ou líquor.
  • 8. Coluna Vertebral – Anatomia e Fisiologia:  A coluna vertebral tem por função dar sustentação ao corpo, além de proteger a medula espinhal, e permitir assim que os impulsos nervosos fluam livremente pelas vias eferentes (motoras) e aferentes (sensitivas), para que o cérebro envie comandos e receba sensações.  A interrupção deste fluxo causa isolamento do segmento corporal no nível e abaixo da lesão, levando a perda e/ou diminuição da sensibilidade e da capacidade de movimento.
  • 9. Definição: Traumatismo Raquimedular  Traumatismo raquimedular é a lesão da medula espinhal, que pode ser completa ou incompleta. Apenas aproximadamente em 20 % dos casos a lesão medular não decorre de traumatismos, sendo secundária a processos degenerativos / patológicos tais como tumores, malformações, diabetes.  A grande maioria dos casos de trauma raquimedulares é decorrente de acidentes. Pode ser devido a acidentes automobilísticos, ferimentos por armas de fogo, quedas, acidentes esportivos, acidentes de trabalho. (SANTOS, 2005. p. 137)
  • 10. Trauma Raquimedular  Os locais mais comuns de lesão medular são as áreas das vértebras C5, C6 e C7, além da junção das vértebras torácicas e lombares, T12 e L1. (NETTINA, 2007, p.507)
  • 11. Trauma Raquimedular  A energia mecânica tende a ser o agente de lesão mais comum, sendo ainda o maior responsável pelos traumatismos raquimedulares.  Mecanismos de Lesão:  Hiperflexão  Hiperextensão  Carga axial  Carga lateral  Ferimentos penetrantes
  • 12. Trauma Raquimedular • Hiperflexão: Causada por desaceleração súbita do movimento.
  • 13. Trauma Raquimedular • Hiperextensão: Movimento com a cabeça para trás e para baixo. A medula é esticada e torcida.
  • 14. Trauma Raquimedular • Carga axial: Resulta de uma carga vertical.
  • 15. Trauma Raquimedular • Carga lateral: Força aplicada lateralmente.
  • 16. Trauma Raquimedular • Ferimentos penetrantes: Lesão por PAF ou armas brancas que penetram na medula.
  • 17. Epidemiologia – Trauma Raquimedular: Os fatores de risco predominantes para lesão raquimedular são idade, sexo, uso de álcool e drogas (lícitas e ilícitas). A prevenção primária é a mais eficiente forma de prevenção. A lesão raquimedular ocorre com frequência até quatro vezes maior em homens que em mulheres. Mais da metade dos registros de lesão raquimedular ocorre em indivíduos inseridos na faixa etária dos 16 aos 30 anos, sendo a causa mais comum os acidentes automobilísticos (35 %) seguida pela violência (30%), quedas (19%) e práticas desportivas (8%). As vértebras mais acometidas são C5, C6 e C7, T12 e L1 devido a maior amplitude de movimento da coluna vertebral nestas regiões. (Segundo o Center of Disease Control - CDC (2001)
  • 18. Fisiopatologia – Trauma Raquimedular:  Lesão primária: Transferência de energia cinética para a medula espinhal que gera o rompimento dos axônios, lesão das células nervosas e ruptura dos vasos sanguíneos.  Lesão secundária: Morte de axônios e células que não foram inicialmente lesados, pela redução do fluxo sanguíneo, normalmente causada por alterações no canal vertebral, hemorragia, edema ou redução da pressão sistêmica.
  • 19.
  • 20.
  • 21. “Desde que a coluna do doente esteja devidamente protegida, o exame vertebral e a exclusão de traumas à coluna podem ser postergados sem riscos, especialmente na presença de alguma instabilidade sistêmica.” ATLS
  • 22. Avaliação Clínica: Irá determinar o nível da lesão neurológica do paciente:  História Informações sobre o estado geral do paciente previamente ao trauma.  Exame físico  Exame neurológico  Avaliação da sensibilidade, da função motora e dos reflexos.
  • 23. Avaliação Clínica:  Paciente com fratura da coluna sem lesão medular:  Apresentam dor,  Incapacidade funcional,  Espasmo da musculatura adjacente.  Paciente com lesão medular:  Perda de resposta à estimulo doloroso,  Incapacidade de realizar movimentos vontuntários,  Queda da pressão arterial com bradicardia,  Alteração no controle dos enficteres,  Priapismo,  Respiração diafragmática
  • 24.
  • 25.
  • 26. Avaliação Clínica: Síndrome Característica Síndrome da medula central Cervical – comprometimento membros inferiores e superiores Síndrome da medula anterior Preservação da propriocepção e perda variável da função motora e sensitiva à dor Síndrome da medula posterior Manutenção da sensibilidade à dor e a função motora, propriocepção alterada Síndrome de Brown- Séquard Hemissecção da medula – perda da função motora e proprioceptiva do lado da lesão e perda da sensibilidade à dor e temperatura do lado oposto Síndrome de cone medular Incontinência vesical, fecal e alteração da função sexual Síndrome da cauda equina L1, L2 – arreflexia, paresia de distúrbios membros inferiores, da sensibilidade e
  • 27. Avaliação Sensibilidade:  É realizada por meio da avaliação de sensibilidade tátil e dolorosa do paciente, através de 20 dermátomos:  Mamilos – T4  Processo Xifóide – T7  Região Inguinal – T12 a L1  Região Perineal – S2, S3, S4  Atribui uma clínicos:  0 – ausente  1 – alterada avaliação numérica nos achados
  • 28. Avaliação Motora:  Avaliação dos 10 pares miótomos e a força muscular graduada :  C5 – Flexores do cotovelo  C6 – Flexores do punho  C7 – Extensores do cotovelo  C8 – Flexores do dedo  T1 – Abdutores  L2 – Flexores do quadril  L3 – Flexores do joelho  L4 – Dorsiflexores do tornozelo  L5 - Extensores longos dos dedos  S1 – Flexores plantares do tornozelo
  • 29.
  • 30. Avaliação Motora:  Segue a escala:  0 – Paralisia total,  1 – Contração palpável,  2 – Movimento ativo gravidade, eliminado pela força da  3 – Movimento ativo que vence a força da gravidade,  4 – Movimento ativo contra alguma resistência,  5 – Normal.  OBS: Também examina-se o esfíncter anal externo
  • 31. Classificação da lesão medular: A Escala de Comprometimento da ASIA (American Spinal Injury Association), baseada na completude da lesão (grau de transecção da medula) e na função sensorial / motora. Grau Tipo de lesão Manifestações Recuperação A Completa Ausência de função motora e sensitiva abaixo da lesão 15,5% cervical 7% torácica B Incompleta Função sensitiva, mas não motora 47% C Incompleta Alguma força motora 84% D Incompleta Força motora 84% E Nenhuma Função sensitiva e função motora 100%
  • 32.
  • 33. Exames:  Radiografia antero-posterior, perfil e transoral (diagnóstico de 84% lesão cervical).  T omografia Computadorizada: Avaliação da morfologia da fratura.  Ressonância Magnética: Análise de contusões medulares.
  • 34. Quadro Clínico – Trauma Raquimedular:  Fase aguda (de 1 a 24 horas após o trauma). Nesta fase, o edema provocado pelo trauma ainda é um dos limitadores da avaliação da lesão. Portanto, pode ser difícil determinar o grau de transecção da medula. Testa-se a capacidade motora e sensitiva com maior frequência a fim de acompanhar a involução do edema.  Intervenções cirúrgicas nesta fase são recomendadas quando houver instabilidade vertebral, a fim de evitar maiores agravos à lesão pré-existente. Os objetivos são remover os fragmentos ósseos que porventura estejam comprimindo a medula, além de estabilizar as vértebras, para que o processo de reabilitação possa ser iniciado precocemente. O succinato dissódico de metilpredinisolona (corticóide) deve ser administrado até oito horas após a lesão, com dose de manutenção por 48 horas.
  • 35. Quadro Clínico – Trauma Raquimedular:  Fase subaguda (de 24 horas até uma semana pós- trauma).  As trações com halo cervical são comumente utilizadas para tratar as lesões cervicais. A mobilização precoce, em blocos, e os exercícios passivos devem ser iniciados tão logo o paciente esteja em condições de estabilidade clínica e cirúrgica. Programa-se uma hiperalimentação, com dieta líquida por sonda, progredindo para pastosa, tão logo a condição do cliente permita, hipercalórica, hiperprotéica e rica em fibras, e volume da dieta deve aumentar gradualmente, conforme a tolerância.  Farmacologicamente , bloqueadores H2 (cimettidina ou ranitidina) são administrados par evitar irritação gástrica e hemorriagias
  • 36.
  • 37. Quadro Clínico – Trauma Raquimedular:  Fase Crônica ou Ajustamento medular (após uma semana do trauma). As complicações devem ser tratadas, tais como infecções (antibioticoterapia); comprometimento respiratório (estimulação elétrica do nervo frênico, ventilação mecânica, fisioterapia respiratória ; epasticidade (antiespasmódico orais); sedativos leves, antidepressivos .
  • 38. Quadro Clínico – Trauma Raquimedular:  A reabilitação inclui suporte clínico e psicossocial, fisioterapia, avaliação urológica, terapia ocupacional, incluindo sempre o cliente e seu núcleo familiar.  Devem ser enfatizadas as habilidades, e não as incapacidades, o foco da reabilitação é a adaptação do indivíduo a sua condição, visando extrair a melhor integração deste com o meio. Quanto mais adaptado a sua nova condição, mais eficientemente o indivíduo desempenhará as suas atividades de vida diária (AVD).  Mesmo em casos onde o comprometimento seja total, impedindo qualquer participação física do indivíduo, a sua atitude mental pode, e deve ser estimulada, pois a perda da capacidade motora e sensitiva não implica na perda do raciocínio.
  • 39. Complicações Orgânicas do Trauma Raquimedular:  Devido à complexidade do sistema nervoso, as lesões raquimedulares podem levar à complicações orgânicas variadas, dependendo do grau da lesão, altura da lesão, tempo transcorrido entre o trauma e o atendimento, e qualidade do atendimento inicial.  As complicações em longo prazo incluem a síndrome do desuso, a disreflexia ( hipertensão) autônoma, infecções vesical e renal, espasticidade e depressão.
  • 40. Complicações Sociais do Trauma Raquimedular:  O indivíduo que sofre uma lesão medular, com comprometimento que gera incapacidade, defronta- nova realidade, onde o se com uma acompanhamento e o cuidado profissionais de saúde enfermeiros, terapeuta especializados ocupacional, de inúmeros (médicos, psicólogo, psiquiatra).  Reside aí o risco de perda da privacidade, do direito ao isolamento, e em casos mais graves, perde-se mesmo o direito de ser.
  • 41. O Papel do Enfermeiro:  Como integrante da equipe multidisciplinar, numa abordagem interdisciplinar, o enfermeiro é o elemento que tem maior contato com a família e com o cliente, por características inerentes à prática profissional. Desta forma, as medidas que o enfermeiro programar são determinantes do sucesso ou fracasso tanto do atendimento inicial (com relação aos agravos da lesão raquimedular) quanto ao inicio precoce do processo de reabilitação.
  • 42. O Papel do Enfermeiro:  O enfermeiro deve considerar a necessidade de conversar sobre a vida sexual do seu cliente. Podem ser necessárias adaptações para que este viva plenamente a manifestação do desejo sexual, que é uma necessidade fisiológica básica, e não deve ser reprimida unicamente devido à nova condição física em que este se encontra.
  • 44. Referências:  CARPENITO-MOYET, L.J. Diagnósticos de Enfermagem: aplicação à prática clínica. 10 ed. PortoAlegre: Artmed, 2005.  DANGELO, J.G; FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar: para o estudante de medicina. 2 ed. São Paulo: Atheneu. 2004.  NETTINA, S.M. Prática de enfermagem. 8 ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2007.  SANTOS, J. L (revisão técnica); SANTOS, R.G (tradução). Guia Profissional para Fisiopatologia. Tradução de: Professional Guide of pathophysiology. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.  SANTOS, RR; CANETTI, MD; RIBEIRO JR, C; ALVAREZ, FS. Manual de Socorro de Emergência. Seção de ensino e treinamento / Grupamento de Socorro de Emergência /Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro / Secretaria de Estado de Defesa Civil. São Paulo: Atheneu, 2005. SMELTZER, S.C; BARE, B,G. BRUNNER & SUDDARTH Tratado de