SlideShare uma empresa Scribd logo
Mecanismo
Interligar a
Europa
As RTE-T
1
RTE-T, agora, Connecting Europe Facility (CEF
Transport) é um programa comunitário ...
q Que tem por objetivo eliminar todo o tipo de constrangimentos à livre
circulação de mercadorias e pessoas, entre os diferentes países da
União Europeia (UE), de modo a potenciar o Mercado Único e a
coesão territorial da UE.
q Marcado pela construção (onde necessário) de rodovias, ferrovias,
portos, canais, rios navegáveis, aeroportos, plataformas logísticas,
portos secos, etc., essenciais para o funcionamento de toda uma rede
de transporte de pessoas e bens.
q Que faz parte de um conjunto de três redes europeias, respeitantes,
aos transportes (RTE-T), à energia (RTE-E) e às telecomunicações
(eTEN).
2
Facilidade “Interligar a Europa” - uma nova política
da RTE-T ...
q Para o período 2014-2020
q Que visa potenciar a infraestrutura de transporte que liga o
continente entre o Leste e o Oeste, o Norte e o Sul
q Que pretende colmatar as lacunas entre as redes de transportes dos
Estados-Membros, remover estrangulamentos que ainda impedem o
bom funcionamento do mercado interno e ultrapassar as barreiras
técnicas.
q Que quer fortalecer as cadeias de transporte ininterruptas para
passageiros e carga, ajustando-se a futuras tendências tecnológicas
3
Uma política assente na criação de nove
“Corredores da rede principal”, i.e., percursos ...
q Introduzidos para facilitar a coordenação da rede principal.
q Destinados a apoiar a criaç̧ão da rede principal até 2030.
q Sustentados pelos principais interessados, públicos e privados, ao
longo dos mais importantes eixos de transporte.
q Tendo como finalidade planear e desenvolver a infraestrutura em
função das necessidades e dos recursos disponíveis.
q Cada um dos quais englobará todos os modos de transporte
(rodoviário, ferroviário, fluvial, marítimo e aéreo) e, em particular, as
plataformas de ligação entre os diferentes modos de transporte
(portos marítimos, portos fluviais, aeroportos, terminais
rodoferroviários).
4
5
A implementação dos nove “Corredores da
rede principal”, deve ... 6
q Promover a integração modal, a interoperabilidade e o
desenvolvimento coordenado das infraestruturas.
q Desenvolver sistemas de gestão do tráfego.
q Incentivar a adoção de serviços de transporte de mercadorias
sustentáveis, assim como de inovações e novas tecnologias.
q Utilizar as autoestradas do mar e os corredores de transporte
ferroviário de mercadorias.
q Assentar na nomeação de coordenadores europeus, um para cada
corredor, assim como para as autoestradas do mar e o ERTMS
(Sistema Europeu de Gestão de Tráfego Ferroviário).
Portugal e o Corredor Atlântico, uma obra
urgente e indispensável pois ...
q Vai permitir a circulação de e para a Europa através da linha Aveiro –
Salamanca, via Irun, em transporte ferroviário e numa nova rede em
bitola europeia.
q Funcionará como uma ”auto-estrada ferroviária” facilitando a ligação
rápida e mais amiga do ambiente para os restantes membros da UE.
q Dado que será constituído por vias duplas, em bitola europeia, nos
trajetos:
q Lisboa-Porto
q Aveiro-Salamanca
q Lisboa-Sines-Poceirão-Caia
q Que farão a ligação direta e sem transbordos.
7
Portugal e o Corredor Atlântico, vantagens na
sua construção:
q Permitir maior acessibilidade à Comunidade Europeia.
q Aumentar a competitividade das mercadorias exportadas (maior
rapidez, menos tempo, menos custos)
q Privilegiar acesso mais direto e rápido entre diversas regiões de
Espanha e os nossos principais portos de mar.
q Reduzir o consumo de energia e os custos de transporte com a
transferência dos transportes das estradas e dos aviões para o modo
ferroviário.
q Ampliar, portanto, os benefícios económicos (mais emprego, mais
riqueza, melhoria do nível de vida).
8
9
Rede de alta velocidade
Velocidade máxima: 350 km/h
Rede de mercadorias e passageiros, em Bitola
Europeia
Velocidade máxima: 220 km/h
Fonte: Rui Rodrigues – Consultor,
3/outubro/2014
Congresso da APAT (Associação dos
Transitários de Portugal)
Se Portugal não integrar o Corredor Atlântico,
então ...
q Será pouco atrativo para os investidores, tanto nacionais como
estrangeiros.
q O crescimento económico não será estimulado.
q O país ficará isolado da U. E. em termos ferroviários.
q Continuará a assistir-se à migração de empresas para Espanha e
outros destinos comunitários para que tenham acesso à nova rede
ferroviária e obterem custos de transporte menos onerosos.
10
Ramal Ferroviário do Porto de Aveiro
A ligação ferroviária do porto de
Aveiro à Linha do Norte,
juntamente com a plataforma
multimodal em Cacia (integrada
na Rede Nacionalde Plataformas
Logísticas)com interface ferro-
rodo-marítimo, permite uma
redistribuição de mercadorias no
território nacionale,
consequentemente,o
escoamento transversalde
cargas de e para Espanha e o
resto da Europa.
11
Plataforma Multimodal (Ferroviária) de CACIA
É constituída por 1 edifício administrativo e 29,3
hectares de armazenagem/estacionamento,
sendo a ligação ferroviária compatível com a
bitola europeia.
Dista cerca de 8.8 Km de distância dos
terminais portuários de Aveiro.
Explora o serviço de parceria entre o operador
ferroviário CP CARGA e a Renfe: serviço
IBERIAN LINK com uma oferta regular semanal,
que liga os Portos portugueses a Madrid e aos
principais centros logísticos de Espanha:
Zaragoza, Barcelona, Tarragona e Valencia.
12
Redesnacionaise
ligaçõesexternas
13
Rede Ferroviária
Rede Rodoviária
Corredores
Programa Nacional da Política de Ordenamento do
Território (PNPOT), sobre as políticas para o horizonte
2025, diz ...
Objetivo estratégico:
Ø Reforçar a competitividade territorial de Portugal e a sua
integração nos espaç̧os ibérico, europeu,atlâ̂ntico e global”.
Objetivos específicos, entre os quais se inclui:
Ø Melhorar os sistemas e infraestruturas de suporte à
conectividade internacional de Portugal no quadro ibérico,
europeu, atlântico e global” tendo em conta que
14
Diapositivo
seguinte:
15
Ø “As plataformas marítimo-portuárias, aeroportuárias e os sistemas de
transportes terrestres assumem um papel chave de suporte à
conectividade internacional e de afirmação de Portugal no Mundo.
Ø O país deve conjugar as vertentes de integração europeia e ibérica
com a valorização da sua vertente atlântica, considerando nesta última
os aspectos especificamente relacionados com a integração e o papel
estratégico das Regiões Autónomas.
Ø Para reduzir a vulnerabilidade de Portugal como localização industrial
face ao agravamento previsível dos custos de transporte rodoviário de
mercadorias importa participarnos programas internacionais de
promoção do transporte intermodal, criar condições propiciadoras de
maior eficiência no Transporte Marítimo de Curta Distância, participar
no Programa Europeu das Autoestradas do Mar, e integrar a rede
ferroviária nacional na rede ibérica e europeia.
Ø Considerar que o projeto da Rede Rodoviária Transeuropeia constitui
um instrumento válido para o reforço da coesão europeia em termos
económicos e sociais.”
16
Os três grandes corredores nos quais
se devem inserir as principais ligações
com a Europa e o resto do mundo
ü Um corredor principal ao longo da fachada
Atlântica, ligando a Galiza, o arco metropolitano
do Porto, o sistema metropolitano do centro
litoral, o arco metropolitano de Lisboa e o arco
metropolitano do Algarve;
ü Um corredor internacionalhorizontalprincipal a
norte, ligando o arco metropolitano do Porto e o
sistema metropolitano do centro litoral a
Salamanca e ao resto da Europa;
ü Um corredor internacionalhorizontalprincipal a
sul, ligando o arco metropolitano de Lisboa a
Madrid e ao resto da Europa.
Fonte: PNPOT
17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
Mayjö .
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
Miguel Jesus
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
Ana Catarina
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
Victor Veiga
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
Maria Adelaide
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
Rui Rodrigues
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 
Geografia - transportes
Geografia - transportesGeografia - transportes
Geografia - transportes
kyzinha
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
Idalina Leite
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
Pocarolas
 
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
InsMonteiro40
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Geografia - transportes
Geografia - transportesGeografia - transportes
Geografia - transportes
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
 
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 

Destaque

Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Idalina Leite
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Idalina Leite
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
Idalina Leite
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
Idalina Leite
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Idalina Leite
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
Fernando Pedro Moreira
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
Modadlidades de transporte
Modadlidades de transporteModadlidades de transporte
Modadlidades de transporte
1098708883
 
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Idalina Leite
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
Cláudio Carneiro
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
Idalina Leite
 
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Idalina Leite
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Idalina Leite
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
Idalina Leite
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Idalina Leite
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
Tânia Domingos
 
11º pac 2015.16
11º pac 2015.1611º pac 2015.16
11º pac 2015.16
Idalina Leite
 

Destaque (20)

Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
Modadlidades de transporte
Modadlidades de transporteModadlidades de transporte
Modadlidades de transporte
 
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
 
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
 
11º pac 2015.16
11º pac 2015.1611º pac 2015.16
11º pac 2015.16
 

Semelhante a Rte t2014.20

Distribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporteDistribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporte
InsMonteiro40
 
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportaçõesNova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
Cláudio Carneiro
 
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
João Costa
 
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
portodeaveiro
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
ananabeto
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
ananabeto
 
Transportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugalTransportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugal
Mayjö .
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
Cláudio Carneiro
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesasC-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
André Ramos
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
Cláudio Carneiro
 
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
Feliciana Monteiro
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Feliciana Monteiro
 
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
Cláudio Carneiro
 
Mobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na EuropaMobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na Europa
Cláudio Carneiro
 
Os Transportes Aérios
Os Transportes AériosOs Transportes Aérios
Os Transportes Aérios
Miguel Sargento
 
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOAPLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
Cláudio Carneiro
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
milaoliveira118
 
Tr abalho de geografia transportes[1]
Tr abalho de geografia   transportes[1]Tr abalho de geografia   transportes[1]
Tr abalho de geografia transportes[1]
dddjj
 
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
FaustinoGonalves
 

Semelhante a Rte t2014.20 (20)

Distribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporteDistribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporte
 
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportaçõesNova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
Nova ligação ferroviária de mercadorias vai impulsionar exportações
 
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
 
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
 
Transportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugalTransportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugal
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesasC-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
C-ROADS Portugal: cooperação a todos os níveis nas estradas portuguesas
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
 
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
 
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
 
Mobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na EuropaMobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na Europa
 
Os Transportes Aérios
Os Transportes AériosOs Transportes Aérios
Os Transportes Aérios
 
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOAPLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
 
Tr abalho de geografia transportes[1]
Tr abalho de geografia   transportes[1]Tr abalho de geografia   transportes[1]
Tr abalho de geografia transportes[1]
 
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Rte t2014.20

  • 2. RTE-T, agora, Connecting Europe Facility (CEF Transport) é um programa comunitário ... q Que tem por objetivo eliminar todo o tipo de constrangimentos à livre circulação de mercadorias e pessoas, entre os diferentes países da União Europeia (UE), de modo a potenciar o Mercado Único e a coesão territorial da UE. q Marcado pela construção (onde necessário) de rodovias, ferrovias, portos, canais, rios navegáveis, aeroportos, plataformas logísticas, portos secos, etc., essenciais para o funcionamento de toda uma rede de transporte de pessoas e bens. q Que faz parte de um conjunto de três redes europeias, respeitantes, aos transportes (RTE-T), à energia (RTE-E) e às telecomunicações (eTEN). 2
  • 3. Facilidade “Interligar a Europa” - uma nova política da RTE-T ... q Para o período 2014-2020 q Que visa potenciar a infraestrutura de transporte que liga o continente entre o Leste e o Oeste, o Norte e o Sul q Que pretende colmatar as lacunas entre as redes de transportes dos Estados-Membros, remover estrangulamentos que ainda impedem o bom funcionamento do mercado interno e ultrapassar as barreiras técnicas. q Que quer fortalecer as cadeias de transporte ininterruptas para passageiros e carga, ajustando-se a futuras tendências tecnológicas 3
  • 4. Uma política assente na criação de nove “Corredores da rede principal”, i.e., percursos ... q Introduzidos para facilitar a coordenação da rede principal. q Destinados a apoiar a criaç̧ão da rede principal até 2030. q Sustentados pelos principais interessados, públicos e privados, ao longo dos mais importantes eixos de transporte. q Tendo como finalidade planear e desenvolver a infraestrutura em função das necessidades e dos recursos disponíveis. q Cada um dos quais englobará todos os modos de transporte (rodoviário, ferroviário, fluvial, marítimo e aéreo) e, em particular, as plataformas de ligação entre os diferentes modos de transporte (portos marítimos, portos fluviais, aeroportos, terminais rodoferroviários). 4
  • 5. 5
  • 6. A implementação dos nove “Corredores da rede principal”, deve ... 6 q Promover a integração modal, a interoperabilidade e o desenvolvimento coordenado das infraestruturas. q Desenvolver sistemas de gestão do tráfego. q Incentivar a adoção de serviços de transporte de mercadorias sustentáveis, assim como de inovações e novas tecnologias. q Utilizar as autoestradas do mar e os corredores de transporte ferroviário de mercadorias. q Assentar na nomeação de coordenadores europeus, um para cada corredor, assim como para as autoestradas do mar e o ERTMS (Sistema Europeu de Gestão de Tráfego Ferroviário).
  • 7. Portugal e o Corredor Atlântico, uma obra urgente e indispensável pois ... q Vai permitir a circulação de e para a Europa através da linha Aveiro – Salamanca, via Irun, em transporte ferroviário e numa nova rede em bitola europeia. q Funcionará como uma ”auto-estrada ferroviária” facilitando a ligação rápida e mais amiga do ambiente para os restantes membros da UE. q Dado que será constituído por vias duplas, em bitola europeia, nos trajetos: q Lisboa-Porto q Aveiro-Salamanca q Lisboa-Sines-Poceirão-Caia q Que farão a ligação direta e sem transbordos. 7
  • 8. Portugal e o Corredor Atlântico, vantagens na sua construção: q Permitir maior acessibilidade à Comunidade Europeia. q Aumentar a competitividade das mercadorias exportadas (maior rapidez, menos tempo, menos custos) q Privilegiar acesso mais direto e rápido entre diversas regiões de Espanha e os nossos principais portos de mar. q Reduzir o consumo de energia e os custos de transporte com a transferência dos transportes das estradas e dos aviões para o modo ferroviário. q Ampliar, portanto, os benefícios económicos (mais emprego, mais riqueza, melhoria do nível de vida). 8
  • 9. 9 Rede de alta velocidade Velocidade máxima: 350 km/h Rede de mercadorias e passageiros, em Bitola Europeia Velocidade máxima: 220 km/h Fonte: Rui Rodrigues – Consultor, 3/outubro/2014 Congresso da APAT (Associação dos Transitários de Portugal)
  • 10. Se Portugal não integrar o Corredor Atlântico, então ... q Será pouco atrativo para os investidores, tanto nacionais como estrangeiros. q O crescimento económico não será estimulado. q O país ficará isolado da U. E. em termos ferroviários. q Continuará a assistir-se à migração de empresas para Espanha e outros destinos comunitários para que tenham acesso à nova rede ferroviária e obterem custos de transporte menos onerosos. 10
  • 11. Ramal Ferroviário do Porto de Aveiro A ligação ferroviária do porto de Aveiro à Linha do Norte, juntamente com a plataforma multimodal em Cacia (integrada na Rede Nacionalde Plataformas Logísticas)com interface ferro- rodo-marítimo, permite uma redistribuição de mercadorias no território nacionale, consequentemente,o escoamento transversalde cargas de e para Espanha e o resto da Europa. 11
  • 12. Plataforma Multimodal (Ferroviária) de CACIA É constituída por 1 edifício administrativo e 29,3 hectares de armazenagem/estacionamento, sendo a ligação ferroviária compatível com a bitola europeia. Dista cerca de 8.8 Km de distância dos terminais portuários de Aveiro. Explora o serviço de parceria entre o operador ferroviário CP CARGA e a Renfe: serviço IBERIAN LINK com uma oferta regular semanal, que liga os Portos portugueses a Madrid e aos principais centros logísticos de Espanha: Zaragoza, Barcelona, Tarragona e Valencia. 12
  • 14. Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT), sobre as políticas para o horizonte 2025, diz ... Objetivo estratégico: Ø Reforçar a competitividade territorial de Portugal e a sua integração nos espaç̧os ibérico, europeu,atlâ̂ntico e global”. Objetivos específicos, entre os quais se inclui: Ø Melhorar os sistemas e infraestruturas de suporte à conectividade internacional de Portugal no quadro ibérico, europeu, atlântico e global” tendo em conta que 14 Diapositivo seguinte:
  • 15. 15 Ø “As plataformas marítimo-portuárias, aeroportuárias e os sistemas de transportes terrestres assumem um papel chave de suporte à conectividade internacional e de afirmação de Portugal no Mundo. Ø O país deve conjugar as vertentes de integração europeia e ibérica com a valorização da sua vertente atlântica, considerando nesta última os aspectos especificamente relacionados com a integração e o papel estratégico das Regiões Autónomas. Ø Para reduzir a vulnerabilidade de Portugal como localização industrial face ao agravamento previsível dos custos de transporte rodoviário de mercadorias importa participarnos programas internacionais de promoção do transporte intermodal, criar condições propiciadoras de maior eficiência no Transporte Marítimo de Curta Distância, participar no Programa Europeu das Autoestradas do Mar, e integrar a rede ferroviária nacional na rede ibérica e europeia. Ø Considerar que o projeto da Rede Rodoviária Transeuropeia constitui um instrumento válido para o reforço da coesão europeia em termos económicos e sociais.”
  • 16. 16 Os três grandes corredores nos quais se devem inserir as principais ligações com a Europa e o resto do mundo ü Um corredor principal ao longo da fachada Atlântica, ligando a Galiza, o arco metropolitano do Porto, o sistema metropolitano do centro litoral, o arco metropolitano de Lisboa e o arco metropolitano do Algarve; ü Um corredor internacionalhorizontalprincipal a norte, ligando o arco metropolitano do Porto e o sistema metropolitano do centro litoral a Salamanca e ao resto da Europa; ü Um corredor internacionalhorizontalprincipal a sul, ligando o arco metropolitano de Lisboa a Madrid e ao resto da Europa. Fonte: PNPOT
  • 17. 17