SlideShare uma empresa Scribd logo
2016
INE – Instituto Nacional de Estatística
M a i s u m r e t r a t o
e s t a t í s t i c o
s o b r e P o r t u g a l
e a s u a
p o p u l a ç ã o
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes&
PUBLICACOESpub_boui=277195985&PUBLICACOESmodo=2pop
ulação
Em termos extremos, a A.M.Lisboa, fruto da sua “macrocefalia”, é a única região NUTS II com taxa de
crescimento efetivo e migratório positivo, apesar de, o saldo fisiológico, em 2016, ser praticamente nulo.
Quanto à composição etária, evidenciam-se as regiões Alentejo e Centro pelo peso dos mais de 65 anos
e destacam-se as duas Regiões Autónomas por serem as menos envelhecidas. Os Açores são a região
mais natalista quer pelos 16% entre os 0 – 14 anos, quer pelos 13% entre os 15 e os 24 anos.
Taxa de crescimento efetivo, natural e
migratório,
2016
Distribuição percentual da população
residente segundo o grupo etário, em
31/12/2016 por NUTS II
O índice sintético de fecundidade revela que nenhuma das sete NUTS II atinge o limiar mínimo de renovação de
gerações (2,1). Daí, não causar surpresa que, desde há 9 anos, o país esteja a perder população: cada vez
menos filhos, número crescente de idosos e menos imigração, a par de um surto de emigração que marcou os
anos ditos de “crise” (2011/2015). Significativo é o índice de envelhecimento no Alentejo: em 2016, praticamente,
existia o dobro de idosos por cada 100 jovens. Nos Açores, o que explicará o índice de 85,6 se o índice sintético
de fecundidade é baixo? Menor natalidade pode ter a ver com uma melhor política de planeamento junto a
mulheres mais esclarecidas. Mas, até há pouco, o peso da religião e uma escolaridade insuficiente
caraterizavam uma população bastante influenciada pelas tradições. Há, também, que juntar a influência dos
movimentos migratórios na variação da população das ilhas.
Índice sintético de fecundidade por NUTS II, 2016 Índice de envelhecimento por NUTS II, 2016
Apesar de ser considerada a região NUTS II mais natalista
e menos envelhecida, a R.A. dos Açores mostra tendências
demográficas semelhantes ao restante país, embora a
ritmo mais lento.
https://populacaodosacores.jimdo.com
■ Enquanto região insular, os Açores registaram variações significativas na sua população
ao longo do Século XX, principalmente devido a fenómenos migratórios. Depois de um
aumento demográfico significativo registado entre 1920 e 1960, seguiu-se um
decréscimo significativo, que estabilizou a população em torno dos 240 mil habitantes.
■ Entre 1991 a 2001, a evolução demográfica se caraterizou pelo crescimento moderado
da população residente - relativamente jovem quando comparada com a registada nas
restantes regiões do país - aumentando cerca de 1,7%, passando de 237.795 habitantes
em 1991 para 241.763 habitantes em 2001. A estimativa da população residente em
2007 é de 244 mil habitantes. (INE/SREA)
■ A estrutura etária da população apresenta uma maior percentagem de indivíduos na
faixa etária dos 25 aos 49 anos. Isto conjugado com o reduzido número da taxa de
natalidade, se antevê o agravamento do envelhecimento da população, com as
respetivas consequências económicas e sociais. A presença de imigrantes ao longo da
década de 1990, especialmente desde do Sismo de 1998, vieram minorar o
decrescimento demográfico e contribuir para o aumento da população ativa, e por
consequência, para o crescimento económico regional.
Enciclopédia Açores XXI
http://acores.wikia.com/wiki/Demografia_dos_Açores
A leitura do gráfico A indicia acontecimentos
demográficos que, de um modo geral, sucederam por
todo o país. Por exemplo, a quebra de efetivos
populacionais por volta dos anos 20 do século XX
devido à gripe pneumónica que ocasionou uma
diminuição real da população portuguesa; ou, ainda,
os aumentos de habitantes, com exceção do grupo
etário dos 65 e mais anos, entre os anos 20 e os anos
60; ou, também, as descidas nos grupos etários,
menos, de novo, no dos 65 e mais anos, a partir de
meados da década de 60; e que dizer do aumento
significativo dos de idade entre os 25 e os 64 anos
depois de 1981? O que podemos acrescentar é que,
seguindo a cronologia, encontrámos as
consequências da incapacidade de combater uma
epidemia por inexistência de meios farmacêuticos, as
dificuldades de emigrar nos períodos de guerras (I e II
Grandes Guerras), o apelo à mão-de-obra barata, a
quebra de natalidade, quer pelo uso de meios
contracetivos, quer pela mudança de mentalidades, o
aumento da esperança média de vida e a
consequente tendência para o envelhecimento. O
gráfico B corrobora estes fatores: como se vê, o grupo
etário que menos cresceu, desde 1960, foi o dos 0-4
anos e, o que mais cresceu, foi o dos 65 e mais anos.
Gráfico A - Evolução do número de habitantes
por grupo etário, nos Açores, entre 1900 e 2011
Gráfico B - Crescimento etário comparado, nos
Açores, entre 1900 e 2011
Os dados mostram realidades locais diferenciadas entre os dois
últimos censos da população, os de 2001 e 2011.
O índice de envelhecimento é inferior a 100 nas ilhas de Stª Maria,
São Miguel, Terceira e Faial nos dois censos. Contudo, existe um
agravamento de 2001 para 2011. Caso paradigmático é o da ilha
de S. Jorge que sofre um agravamento notório na década
intercensitária.
De um modo geral, é onde se encontram as principais funções
administrativas e económicas, fatores de atração da população,
que se encontram taxas de natalidade mais elevadas e menor
envelhecimento. Ora, em São Miguel, localiza-se a capital regional
– Ponta Delgada – cidade sede do governo regional, principal
cidade económica-administrativa e sede da Universidade dos
Açores, uma das maiores fontes de dinamização do tecido social.
Aliás, como sucede no Continente, a presença de escolas de
ensino superior, é um contributo fundamental para o
desenvolvimento. No caso da UA, existem polos situados, ainda,
em Angra do Heroísmo (Ilha Terceira) e na Horta (Ilha do Faial).
Na ilha de Stª Maria, além do aeroporto de Santa Maria, existe o
Centro de Controlo Aéreo do Atlântico Norte responsável pela FIR
(Flight Information Region), uma das maiores e mais importantes
regiões de informação de voo do mundo. Esta vocação aeronáutica
da ilha foi reforçada pela instalação de uma estação de rastreio
móvel de satélites da responsabilidade da Agência Espacial
Europeia.
Índice de envelhecimento por ilhas
Taxa de natalidade por ilhas
A confirmação gráfica dos dados e a
comparação com as médias nacionais.
São Miguel, em 2011, era a única ilha
da R.A.A. com um índice de
envelhecimento (55,0) inferior à média
regional (75) - e, esta, era bastante
mais reduzida do que a média nacional
(+/-125). As ilhas mais envelhecidas
eram o Pico, Graciosa, S.Jorge e
Flores.
Em sentido sensivelmente contrário foi
o comportamento da natalidade: ilhas
menos envelhecidas taxas de
natalidade mais elevadas – São
Miguel, Stª Maria, Terceira e Faial;
ilhas mais envelhecidas taxas de
natalidade mais baixas – Corvo, Flores,
S. Jorge e Pico.
Retração demográfica e longevidade,
tendências que se enraízam no
presente e projetam no futuro próximo
http://visao.sapo.pt/actualidade/futuro/como-vai-ser-portugal-no-futuro=f812307
Mais mortes do que
nascimentos? 2017 terá batido
o recorde do século
“São dados provisórios ainda. Mas
indicam que, em 2017, houve mais 24
mil mortes do que nascimentos, o
maior saldo negativo desde 2000.
População está a encolher há nove
anos consecutivos”.
Alexandra Campos
Público, 22 janeiro 2018
Em 2009
§ Houve mais óbitos do que
nascimentos
§ O saldo natural foi cerca de -5 000 ind
Em 2017 (dados provisórios)
§ O saldo natural foi de cerca -24 000
ind.
Entre 2009 e 2016
§ Perderam-se quase 150 mil
habitantes
§ Reforça-se a tendência de declínio
demográfico
§ Constata-se um agravamento de ano
para ano
Solução possível: maior imigração e
regresso de emigrantes
Em 2016, em Bragança, havia
§ Mais 972 estrangeiros do que em
2008
§ No total, 2685 residentes estrangeiros
§ Cabo-verdianos estudantes e nalguns
casos, também, familiares
§ Búlgaros, na sua maioria, para
executar tarefas agrícolas
§ Espanhóis pela proximidade de
fronteiras naquele ponto geográfico
§ 30 novas nacionalidades
§ Equilíbrio entre homens e mulheres, o
que indicia uma intenção de estadia a
longo prazo. https://www.publico.pt/2017/12/26/sociedade/noticia/numero-de-estrangeiros-em-braganca-e-beja-foi-o-
que-mais-cresceu-entre-2008-e-2016-1796933
Em 2016, em Beja, havia
§ 7624 residentes estrangeiros, mais
2364 do que em 2008
§ Um maior número de estrangeiros
romenos, búlgaros e tailandeses
§ Um número significativo de
estrangeiros residentes atraídos pelo
desenvolvimento da agricultura
intensiva
§ Uma comunidade de nepaleses que
não existia em 2008
§ Uma comunidade brasileira com uma
redução de efetivos de 404
indivíduos (nalguns casos pode
acontecer terem adquirido a
nacionalidade portuguesa pelo que,
deixam de surgir nas estatísticas
como estrangeiros).
Segundo o relatório sobre as tendências da imigração,
produzido pelo Observatório das Migrações em 2017,
“nem todos os distritos de Portugal atraem da mesma
forma a população estrangeira”.
A maioria dos imigrantes ainda vai para os distritos do
litoral. No total, metade dos estrangeiros está concentrada
em dez municípios:
§ 6 no distrito de Lisboa ........ * 2 em Faro
§ 1 em Setúbal ........ * 1 no Porto.
Jorge Malheiros, geógrafo, defende que o
“aumento [do número de imigrantes] vai
continuar... Razões? “a economia está a
mexer”; “há uma imagem boa do país, uma
ideia de que é tranquilo e tem uma boa
qualidade de vida”; há também o efeito de
rede, i.e., a forma como as pessoas se
atraem umas às outras; há a presença de
refugiados
O país está a perder estrangeiros.
Em Bragança e Beja estão a
aumentar
Mais oportunidades de emprego e
acordos com instituições do ensino
superior nestes distritos terão
motivado o aumento de imigrantes
entre 2008 e 2016.
A tendência é contrária à evolução
do resto do país.
Em mais nenhum outro local o
crescimento da imigração foi tão
grande.
Rita Marques Costa
26 de Dezembro de 2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estatísticas Demográficas 2015
Estatísticas Demográficas 2015Estatísticas Demográficas 2015
Estatísticas Demográficas 2015
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)
Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Idalina Leite
 
Distribuição Espacial da População Portuguesa
Distribuição Espacial da População PortuguesaDistribuição Espacial da População Portuguesa
Distribuição Espacial da População Portuguesa
abarros
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
abarros
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ana Pais
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
Ilda Bicacro
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
Ilda Bicacro
 
Resumos
ResumosResumos
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
Rita Ribeiro
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Idalina Leite
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
abarros
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de Portugal
Idalina Leite
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
Idalina Leite
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
Idalina Leite
 

Mais procurados (20)

Estatísticas Demográficas 2015
Estatísticas Demográficas 2015Estatísticas Demográficas 2015
Estatísticas Demográficas 2015
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
 
Distribuição Espacial da População Portuguesa
Distribuição Espacial da População PortuguesaDistribuição Espacial da População Portuguesa
Distribuição Espacial da População Portuguesa
 
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População PortuguesaFicha Informativa - Evolução da População Portuguesa
Ficha Informativa - Evolução da População Portuguesa
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Números de Portugal
Números de PortugalNúmeros de Portugal
Números de Portugal
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 

Semelhante a As pessoas 2016 8retratos demográficos)

Resumos
ResumosResumos
Santa Marinha
Santa MarinhaSanta Marinha
Santa Marinha
ana pinho
 
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Idalina Leite
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
GRAZIA TANTA
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
sdpx652fwz
 
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
GRAZIA TANTA
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn2
2marrow
 
A População Distribuição da População 2º Ano
A População  Distribuição da População   2º AnoA População  Distribuição da População   2º Ano
A População Distribuição da População 2º Ano
guest27c000
 
A PopulaçãO DistribuiçãO Da PopulaçãO 2º Ano Alunos
A PopulaçãO  DistribuiçãO Da PopulaçãO   2º Ano   AlunosA PopulaçãO  DistribuiçãO Da PopulaçãO   2º Ano   Alunos
A PopulaçãO DistribuiçãO Da PopulaçãO 2º Ano Alunos
abarros
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Artur Lara
 
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
A. Rui Teixeira Santos
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
Maria Teixiera
 
Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril
DigitEmotions
 
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por MesoregiõesAspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
Francine Lunardi - GRADUAÇÃO
 
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por MesorregiõesAspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
Francine Lunardi - GRADUAÇÃO
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
LeonorVale6
 
População e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptxPopulação e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptx
Kelvin Sousa
 
Resumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-aResumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-a
ESJEA
 
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
Idalina Leite
 

Semelhante a As pessoas 2016 8retratos demográficos) (20)

Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Santa Marinha
Santa MarinhaSanta Marinha
Santa Marinha
 
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
Geografia A_ 10º/11ºanos (revisto)
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
 
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990/2019)
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn2
 
A População Distribuição da População 2º Ano
A População  Distribuição da População   2º AnoA População  Distribuição da População   2º Ano
A População Distribuição da População 2º Ano
 
A PopulaçãO DistribuiçãO Da PopulaçãO 2º Ano Alunos
A PopulaçãO  DistribuiçãO Da PopulaçãO   2º Ano   AlunosA PopulaçãO  DistribuiçãO Da PopulaçãO   2º Ano   Alunos
A PopulaçãO DistribuiçãO Da PopulaçãO 2º Ano Alunos
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
 
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
 
Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril Aljustrel 2014 abril
Aljustrel 2014 abril
 
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por MesoregiõesAspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesoregiões
 
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por MesorregiõesAspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
Aspectos Sociais e Culturais de Santa Catarina divididos por Mesorregiões
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
 
População e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptxPopulação e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptx
 
Resumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-aResumo 11º-ano-geografia-a
Resumo 11º-ano-geografia-a
 
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
População_Estatísticas Demográficas 2014.2015
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
Idalina Leite
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
Idalina Leite
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Idalina Leite
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Idalina Leite
 
Geo-imagens 2
Geo-imagens 2Geo-imagens 2
Geo-imagens 2
Idalina Leite
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Idalina Leite
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
Idalina Leite
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (19)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
 
Geo-imagens 2
Geo-imagens 2Geo-imagens 2
Geo-imagens 2
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 

As pessoas 2016 8retratos demográficos)

  • 1. 2016 INE – Instituto Nacional de Estatística
  • 2. M a i s u m r e t r a t o e s t a t í s t i c o s o b r e P o r t u g a l e a s u a p o p u l a ç ã o https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes& PUBLICACOESpub_boui=277195985&PUBLICACOESmodo=2pop ulação
  • 3. Em termos extremos, a A.M.Lisboa, fruto da sua “macrocefalia”, é a única região NUTS II com taxa de crescimento efetivo e migratório positivo, apesar de, o saldo fisiológico, em 2016, ser praticamente nulo. Quanto à composição etária, evidenciam-se as regiões Alentejo e Centro pelo peso dos mais de 65 anos e destacam-se as duas Regiões Autónomas por serem as menos envelhecidas. Os Açores são a região mais natalista quer pelos 16% entre os 0 – 14 anos, quer pelos 13% entre os 15 e os 24 anos. Taxa de crescimento efetivo, natural e migratório, 2016 Distribuição percentual da população residente segundo o grupo etário, em 31/12/2016 por NUTS II
  • 4. O índice sintético de fecundidade revela que nenhuma das sete NUTS II atinge o limiar mínimo de renovação de gerações (2,1). Daí, não causar surpresa que, desde há 9 anos, o país esteja a perder população: cada vez menos filhos, número crescente de idosos e menos imigração, a par de um surto de emigração que marcou os anos ditos de “crise” (2011/2015). Significativo é o índice de envelhecimento no Alentejo: em 2016, praticamente, existia o dobro de idosos por cada 100 jovens. Nos Açores, o que explicará o índice de 85,6 se o índice sintético de fecundidade é baixo? Menor natalidade pode ter a ver com uma melhor política de planeamento junto a mulheres mais esclarecidas. Mas, até há pouco, o peso da religião e uma escolaridade insuficiente caraterizavam uma população bastante influenciada pelas tradições. Há, também, que juntar a influência dos movimentos migratórios na variação da população das ilhas. Índice sintético de fecundidade por NUTS II, 2016 Índice de envelhecimento por NUTS II, 2016
  • 5. Apesar de ser considerada a região NUTS II mais natalista e menos envelhecida, a R.A. dos Açores mostra tendências demográficas semelhantes ao restante país, embora a ritmo mais lento. https://populacaodosacores.jimdo.com
  • 6. ■ Enquanto região insular, os Açores registaram variações significativas na sua população ao longo do Século XX, principalmente devido a fenómenos migratórios. Depois de um aumento demográfico significativo registado entre 1920 e 1960, seguiu-se um decréscimo significativo, que estabilizou a população em torno dos 240 mil habitantes. ■ Entre 1991 a 2001, a evolução demográfica se caraterizou pelo crescimento moderado da população residente - relativamente jovem quando comparada com a registada nas restantes regiões do país - aumentando cerca de 1,7%, passando de 237.795 habitantes em 1991 para 241.763 habitantes em 2001. A estimativa da população residente em 2007 é de 244 mil habitantes. (INE/SREA) ■ A estrutura etária da população apresenta uma maior percentagem de indivíduos na faixa etária dos 25 aos 49 anos. Isto conjugado com o reduzido número da taxa de natalidade, se antevê o agravamento do envelhecimento da população, com as respetivas consequências económicas e sociais. A presença de imigrantes ao longo da década de 1990, especialmente desde do Sismo de 1998, vieram minorar o decrescimento demográfico e contribuir para o aumento da população ativa, e por consequência, para o crescimento económico regional. Enciclopédia Açores XXI http://acores.wikia.com/wiki/Demografia_dos_Açores
  • 7. A leitura do gráfico A indicia acontecimentos demográficos que, de um modo geral, sucederam por todo o país. Por exemplo, a quebra de efetivos populacionais por volta dos anos 20 do século XX devido à gripe pneumónica que ocasionou uma diminuição real da população portuguesa; ou, ainda, os aumentos de habitantes, com exceção do grupo etário dos 65 e mais anos, entre os anos 20 e os anos 60; ou, também, as descidas nos grupos etários, menos, de novo, no dos 65 e mais anos, a partir de meados da década de 60; e que dizer do aumento significativo dos de idade entre os 25 e os 64 anos depois de 1981? O que podemos acrescentar é que, seguindo a cronologia, encontrámos as consequências da incapacidade de combater uma epidemia por inexistência de meios farmacêuticos, as dificuldades de emigrar nos períodos de guerras (I e II Grandes Guerras), o apelo à mão-de-obra barata, a quebra de natalidade, quer pelo uso de meios contracetivos, quer pela mudança de mentalidades, o aumento da esperança média de vida e a consequente tendência para o envelhecimento. O gráfico B corrobora estes fatores: como se vê, o grupo etário que menos cresceu, desde 1960, foi o dos 0-4 anos e, o que mais cresceu, foi o dos 65 e mais anos. Gráfico A - Evolução do número de habitantes por grupo etário, nos Açores, entre 1900 e 2011 Gráfico B - Crescimento etário comparado, nos Açores, entre 1900 e 2011
  • 8. Os dados mostram realidades locais diferenciadas entre os dois últimos censos da população, os de 2001 e 2011. O índice de envelhecimento é inferior a 100 nas ilhas de Stª Maria, São Miguel, Terceira e Faial nos dois censos. Contudo, existe um agravamento de 2001 para 2011. Caso paradigmático é o da ilha de S. Jorge que sofre um agravamento notório na década intercensitária. De um modo geral, é onde se encontram as principais funções administrativas e económicas, fatores de atração da população, que se encontram taxas de natalidade mais elevadas e menor envelhecimento. Ora, em São Miguel, localiza-se a capital regional – Ponta Delgada – cidade sede do governo regional, principal cidade económica-administrativa e sede da Universidade dos Açores, uma das maiores fontes de dinamização do tecido social. Aliás, como sucede no Continente, a presença de escolas de ensino superior, é um contributo fundamental para o desenvolvimento. No caso da UA, existem polos situados, ainda, em Angra do Heroísmo (Ilha Terceira) e na Horta (Ilha do Faial). Na ilha de Stª Maria, além do aeroporto de Santa Maria, existe o Centro de Controlo Aéreo do Atlântico Norte responsável pela FIR (Flight Information Region), uma das maiores e mais importantes regiões de informação de voo do mundo. Esta vocação aeronáutica da ilha foi reforçada pela instalação de uma estação de rastreio móvel de satélites da responsabilidade da Agência Espacial Europeia. Índice de envelhecimento por ilhas Taxa de natalidade por ilhas
  • 9. A confirmação gráfica dos dados e a comparação com as médias nacionais. São Miguel, em 2011, era a única ilha da R.A.A. com um índice de envelhecimento (55,0) inferior à média regional (75) - e, esta, era bastante mais reduzida do que a média nacional (+/-125). As ilhas mais envelhecidas eram o Pico, Graciosa, S.Jorge e Flores. Em sentido sensivelmente contrário foi o comportamento da natalidade: ilhas menos envelhecidas taxas de natalidade mais elevadas – São Miguel, Stª Maria, Terceira e Faial; ilhas mais envelhecidas taxas de natalidade mais baixas – Corvo, Flores, S. Jorge e Pico.
  • 10. Retração demográfica e longevidade, tendências que se enraízam no presente e projetam no futuro próximo http://visao.sapo.pt/actualidade/futuro/como-vai-ser-portugal-no-futuro=f812307
  • 11. Mais mortes do que nascimentos? 2017 terá batido o recorde do século “São dados provisórios ainda. Mas indicam que, em 2017, houve mais 24 mil mortes do que nascimentos, o maior saldo negativo desde 2000. População está a encolher há nove anos consecutivos”. Alexandra Campos Público, 22 janeiro 2018
  • 12. Em 2009 § Houve mais óbitos do que nascimentos § O saldo natural foi cerca de -5 000 ind Em 2017 (dados provisórios) § O saldo natural foi de cerca -24 000 ind. Entre 2009 e 2016 § Perderam-se quase 150 mil habitantes § Reforça-se a tendência de declínio demográfico § Constata-se um agravamento de ano para ano
  • 13. Solução possível: maior imigração e regresso de emigrantes Em 2016, em Bragança, havia § Mais 972 estrangeiros do que em 2008 § No total, 2685 residentes estrangeiros § Cabo-verdianos estudantes e nalguns casos, também, familiares § Búlgaros, na sua maioria, para executar tarefas agrícolas § Espanhóis pela proximidade de fronteiras naquele ponto geográfico § 30 novas nacionalidades § Equilíbrio entre homens e mulheres, o que indicia uma intenção de estadia a longo prazo. https://www.publico.pt/2017/12/26/sociedade/noticia/numero-de-estrangeiros-em-braganca-e-beja-foi-o- que-mais-cresceu-entre-2008-e-2016-1796933
  • 14. Em 2016, em Beja, havia § 7624 residentes estrangeiros, mais 2364 do que em 2008 § Um maior número de estrangeiros romenos, búlgaros e tailandeses § Um número significativo de estrangeiros residentes atraídos pelo desenvolvimento da agricultura intensiva § Uma comunidade de nepaleses que não existia em 2008 § Uma comunidade brasileira com uma redução de efetivos de 404 indivíduos (nalguns casos pode acontecer terem adquirido a nacionalidade portuguesa pelo que, deixam de surgir nas estatísticas como estrangeiros).
  • 15. Segundo o relatório sobre as tendências da imigração, produzido pelo Observatório das Migrações em 2017, “nem todos os distritos de Portugal atraem da mesma forma a população estrangeira”. A maioria dos imigrantes ainda vai para os distritos do litoral. No total, metade dos estrangeiros está concentrada em dez municípios: § 6 no distrito de Lisboa ........ * 2 em Faro § 1 em Setúbal ........ * 1 no Porto. Jorge Malheiros, geógrafo, defende que o “aumento [do número de imigrantes] vai continuar... Razões? “a economia está a mexer”; “há uma imagem boa do país, uma ideia de que é tranquilo e tem uma boa qualidade de vida”; há também o efeito de rede, i.e., a forma como as pessoas se atraem umas às outras; há a presença de refugiados
  • 16. O país está a perder estrangeiros. Em Bragança e Beja estão a aumentar Mais oportunidades de emprego e acordos com instituições do ensino superior nestes distritos terão motivado o aumento de imigrantes entre 2008 e 2016. A tendência é contrária à evolução do resto do país. Em mais nenhum outro local o crescimento da imigração foi tão grande. Rita Marques Costa 26 de Dezembro de 2017