SlideShare uma empresa Scribd logo
A DISTRIBUIÇÃO
ESPACIAL DAS
REDES DE
TRANSPORTE
Fig. Rodovia.
Pág. 168
A qualidade e a organização da rede rodoviária são fundamentais para
o desenvolvimento sustentável de um país ou região, sobretudo tendo
em conta que ela desempenha um importante papel de complementaridade
relativamente às restantes redes (portos, aeroportos e terminais
ferroviários).
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
REDE RODOVIÁRIA NACIONAL
Segundo o Plano
Rodoviário Nacional – PRN
2000, a rede rodoviária
nacional é constituída pela
rede fundamental e pela
rede complementar, que
são complementadas pelas
estradas regionais e
municipais.
Fig. Estrutura da rede rodoviária nacional no
Continente, 2012.
Fig. Rede
rodoviária
nacional, PRN
2000.
Pág. 168
Fig. Ligação à cidade do Funchal.
Pág. 169
A rede rodoviária nacional tem sido objeto de grandes investimentos, o
que se reflete não só na sua extensão, mas também na qualidade, em
parte, devido à construção de novas infraestruturas como túneis,
viadutos e pontes, que permitem ultrapassar barreiras físicas, tornando
os trajetos mais rápidos, seguros e cómodos.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
A rede rodoviária, no continente, é
mais densa ao longo do litoral,
onde se localiza também a maior
parte da extensão da rede
fundamental.
Pág. 169
Fig. Extensão da rede rodoviária nacional, por
distritos, prevista no PRN.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
As desigualdades verificam-se
também na oferta do serviço de
transporte rodoviário de
mercadorias.
Fig. Transporte rodoviário de mercadorias intra e inter-regional, por regiões, 2012.
Fig. Estação de São Bento, Porto.
Pág. 170
A extensão da rede
ferroviária nacional
era, em 2011, de
cerca de 3619 Km e,
no seu todo,
encontra-se ainda
pouco
modernizada.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
REDE FERROVIÁRIA NACIONAL
Fig. Características da rede ferroviária nacional, 2012.
Fig. Alfa Pendular, Faro.
Pág. 170
Os melhoramentos efetuados e os projetos de renovação previstos
visaram, principalmente, a modernização das vias de ligação
internacional e de circulação norte-sul.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
ALFA-PENDULAR
Pág. 171
Em Portugal, a rede ferroviária tem vindo a sofrer melhoramentos, em
consonância com a Política Europeia de Transportes.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Ponte S. João (ferroviária), Porto.
Fig. Porto de Lisboa.
Pág. 172
Nos portos portugueses, a principal função é a comercial. Consoante o
volume de carga movimentada e a sua capacidade, estes classificam-se
como principais ou secundários.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
REDE NACIONAL DE PORTOS MARÍTIMOS
O porto que movimenta,
anualmente, maior volume
de mercadorias é o de
Sines, onde se destacam os
granéis.
Lisboa é o primeiro porto no
movimento de granéis
sólidos e Setúbal no de
carga geral e Ro-Ro.
Pág. 172
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Movimento de mercadorias nos
portos comerciais nacionais, 2012.
Nas Regiões Autónomas
destacam-se os portos do
Funchal e de Ponta
Delgada.
São considerados portos
principais os de Leixões,
Aveiro, Lisboa, Setúbal e
Sines.
Fig. Porta-contentores.
Pág. 173
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Aproveitar as potencialidades da costa nacional como fachada
atlântica de entrada na Europa é um objetivo da Política Geral de
Transportes.
Portugal situa-se numa posição central em relação ao Atlântico, no
cruzamento das principais rotas marítimas, beneficiando de portos de
águas profundas capazes de receber navios de grandes dimensões
usados no tráfego de mercadorias de longo curso.
Pág. 173
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
 Desenvolver os serviços de transporte marítimo de curta distância.
 Desenvolver as infraestruturas logísticas e intermodais nos portos e
investir na logística e na distribuição.
 Continuar a exploração do terminal de contentores do porto de
Sines.
 Melhorar as infraestruturas e ligações ferroviárias de tráfego de
mercadorias.
 Estimular a complementaridade e a cooperação entre portos, por
forma a aumentar a eficiência e atrair carga.
POLÍTICA GERAL DE TRANSPORTES.
Pág. 173
O tráfego marítimo de passageiros tem pouco significado no nosso país,
embora nas Regiões Autónomas seja alternativa ao transporte aéreo na
ligação entre ilhas e como componente turística.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Tráfego fluvial de passageiros em Portugal
Continental, 2012.
Fig. Transporte de passageiros entre as Ilhas da Madeira e Porto Santo.
No Continente, assume
algum relevo o tráfego
fluvial de passageiros.
Pág. 174
Na rede nacional de
aeroportos, destacam-se, em
movimento de passageiros,
os de Lisboa, Porto e Faro.
Nas Regiões Autónomas, os
do Funchal e de Ponta
Delgada.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Movimento de passageiros nos aeroportos
portugueses e localização dos principais
aeródromos civis, 2012.
REDE NACIONAL DE AEROPORTOS
ATIVIDADE:
1 - Identifique qual o fator responsável pelo volume de tráfego
internacional de passageiros no aeroporto de Faro e do Funchal.
Fig. Aeroporto da Madeira.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Pág. 174
Verificar resposta
Fig. Aeroporto Sá Carneiro, Porto.
Pág. 175
A rede de aeroportos serve sobretudo o tráfego internacional de
passageiros e de carga.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Aeroporto Sá Carneiro.
 Atingir níveis superiores à média europeia relativamente à
satisfação dos clientes com as infraestruturas e os serviços
aeroportuários.
 Assegurar a flexibilidade para fazer face à variabilidade e
especificidade da procura.
 Melhorar a eficiência e a otimização de custos de todo o sistema.
 Melhorar o posicionamento face aos aeroportos concorrentes.
 Operar em conformidade com os mais elevados padrões de
segurança, garantindo o bom estado das infraestruturas do
sistema.
Desenvolver as infraestruturas e os serviços aeroportuários
necessários para dar resposta à duplicação prevista do tráfego a 20
anos.
Prestar os serviços requeridos pelos clientes para:
 facilitar a competitividade das empresas portuguesas;
 contribuir para o desenvolvimento do setor do turismo;
 apoiar a ordenação e o desenvolvimento territorial do país
(mobilidade, emergências, etc.).
 Integrar as infraestruturas aeroportuárias com as redes de outras
infraestruturas de transporte nacional e internacionais.
 Assegurar a execução dos investimentos racionalmente
necessários.
 Respeitar os requisitos do meio ambiente e os direitos dos
passageiros.
POLÍTICA GERAL DE TRANSPORTES.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
DISPONIBILIDADE
SERVIÇOS
COMPETITIVIDADE
SUSTENTABILIDADE
COMPLEMENTARIDADE
SEGURANÇA
Pág. 175
Fig. Rede de transporte de Gás.
Pág. 176
O traçado das redes de distribuição de energia depende:
 dos locais de origem e de consumo;
 do tipo de energia transportada.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
REDES NACIONAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA
Pág. 176
Em Portugal, a distribuição de gás
natural e de derivados do petróleo
é feita a partir dos pontos de entrada
no território nacional.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
Fig. Rede nacional de gasodutos, 2013.
O gás natural entra em Portugal
através do gasoduto do Magrebe e,
desde 2003, também pelo terminal de
gás liquefeito do porto de Sines.
O petróleo chega a Portugal por via
marítima e, através de oleodutos, às
refinarias petrolíferas de Leça da
Palmeira e de Sines.
Fig. Rede de transporte de energia.
Pág. 176
A distribuição da eletricidade é feita através da Rede Elétrica Nacional –
REN, com cerca de 8 mil quilómetros de linhas, com potências de 440 kV
(alta tensão), 220 kV e 150 kV.
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
As linhas de maior potência encontram-se no litoral, onde se localizam
as centrais termoelétricas e as áreas de maior consumo, e nos trajetos de
ligação às áreas de maior produção hidroelétrica (vale do Tejo e vale
superior do Douro).
Pág. 177
A crescente necessidade de fácil acesso a bens e serviços provocou
um aumento significativo da procura de transportes.
MELHORAR AS REDES DE TRANSPORTE – UMA APOSTA NO FUTURO
Fig. Taxa de motorização de veículos ligeiros de
passageiros (número de automóveis de
passageiros/1000 hab.).
Contudo na maioria dos
casos continua a predominar
a utilização do automóvel
particular.
Pág. 177
 Congestionamento.
 Dependência do petróleo.
 Emissões de gases com efeito de estufa.
 Infraestruturas.
 Concorrência.
MELHORAR AS REDES DE TRANSPORTE – UMA APOSTA NO FUTURO
PRINCIPAIS DESAFIOS DO SETOR DOS TRANSPORTES EUROPEU
Para o desenvolvimento do país e para a sua integração plena nas
redes europeias é fundamental proceder à modernização das
infraestruturas e da logística do setor dos transportes.
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
Patricia Degenhardt
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Idalina Leite
 
Transportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em PortugalTransportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em Portugal
Ayandra Silva
 
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Daniela Azevedo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Mayjö .
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
Ilda Bicacro
 
Transportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografiaTransportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografia
Mayjö .
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Geografia .
 
Os fluxos e o sistema de transportes
Os fluxos e o sistema de transportesOs fluxos e o sistema de transportes
Os fluxos e o sistema de transportes
Antonio Carlos da Silva
 
A multiplicidade de espaços de vivência
A multiplicidade de espaços de vivênciaA multiplicidade de espaços de vivência
A multiplicidade de espaços de vivência
Ilda Bicacro
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
Idalina Leite
 
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
portodeaveiro
 
Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
Mayjö .
 
Transportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugalTransportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugal
Mayjö .
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
Geografia .
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
Ilda Bicacro
 
Transporte Ferroviário no Brasil
Transporte Ferroviário no BrasilTransporte Ferroviário no Brasil
Transporte Ferroviário no Brasil
Evair de Melo
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
Vivian Santos
 
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
mironesmirones
 
Transportes comercio
Transportes comercioTransportes comercio
Transportes comercio
edsonluz
 

Mais procurados (20)

As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
 
Transportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em PortugalTransportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em Portugal
 
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
 
Transportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografiaTransportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografia
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Os fluxos e o sistema de transportes
Os fluxos e o sistema de transportesOs fluxos e o sistema de transportes
Os fluxos e o sistema de transportes
 
A multiplicidade de espaços de vivência
A multiplicidade de espaços de vivênciaA multiplicidade de espaços de vivência
A multiplicidade de espaços de vivência
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
 
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
 
Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
 
Transportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugalTransportes ferroviários em portugal
Transportes ferroviários em portugal
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
 
Transporte Ferroviário no Brasil
Transporte Ferroviário no BrasilTransporte Ferroviário no Brasil
Transporte Ferroviário no Brasil
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
 
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
2226931 redes-de-transporte-e-telecomunicacoes
 
Transportes comercio
Transportes comercioTransportes comercio
Transportes comercio
 

Semelhante a Distribuição espacial das redes de transporte

As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
ProfBrunoFilipeCirur
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Feliciana Monteiro
 
Mobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na EuropaMobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na Europa
Cláudio Carneiro
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
Kelmmany Wesley
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
ananabeto
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
ananabeto
 
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
FaustinoGonalves
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003
Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
milaoliveira118
 
Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
Cláudio Carneiro
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
aplop
 
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
João Costa
 
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, InêsTransportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Mayjö .
 

Semelhante a Distribuição espacial das redes de transporte (20)

As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
 
Mobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na EuropaMobilidade e Transportes na Europa
Mobilidade e Transportes na Europa
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
 
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
 
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003
Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003
Revista APS N.º 35 – Dezembro 2003
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
 
Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira Revitalização da Cabotagem Brasileira
Revitalização da Cabotagem Brasileira
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
 
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
11-APP-INSERÇÃO DE PORTUGAL NAS REDES TRANSEUROPEIAS.ppt
 
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, InêsTransportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 

Distribuição espacial das redes de transporte

  • 2. Fig. Rodovia. Pág. 168 A qualidade e a organização da rede rodoviária são fundamentais para o desenvolvimento sustentável de um país ou região, sobretudo tendo em conta que ela desempenha um importante papel de complementaridade relativamente às restantes redes (portos, aeroportos e terminais ferroviários). A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
  • 3. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE REDE RODOVIÁRIA NACIONAL Segundo o Plano Rodoviário Nacional – PRN 2000, a rede rodoviária nacional é constituída pela rede fundamental e pela rede complementar, que são complementadas pelas estradas regionais e municipais. Fig. Estrutura da rede rodoviária nacional no Continente, 2012. Fig. Rede rodoviária nacional, PRN 2000. Pág. 168
  • 4. Fig. Ligação à cidade do Funchal. Pág. 169 A rede rodoviária nacional tem sido objeto de grandes investimentos, o que se reflete não só na sua extensão, mas também na qualidade, em parte, devido à construção de novas infraestruturas como túneis, viadutos e pontes, que permitem ultrapassar barreiras físicas, tornando os trajetos mais rápidos, seguros e cómodos. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
  • 5. A rede rodoviária, no continente, é mais densa ao longo do litoral, onde se localiza também a maior parte da extensão da rede fundamental. Pág. 169 Fig. Extensão da rede rodoviária nacional, por distritos, prevista no PRN. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE As desigualdades verificam-se também na oferta do serviço de transporte rodoviário de mercadorias. Fig. Transporte rodoviário de mercadorias intra e inter-regional, por regiões, 2012.
  • 6. Fig. Estação de São Bento, Porto. Pág. 170 A extensão da rede ferroviária nacional era, em 2011, de cerca de 3619 Km e, no seu todo, encontra-se ainda pouco modernizada. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE REDE FERROVIÁRIA NACIONAL Fig. Características da rede ferroviária nacional, 2012.
  • 7. Fig. Alfa Pendular, Faro. Pág. 170 Os melhoramentos efetuados e os projetos de renovação previstos visaram, principalmente, a modernização das vias de ligação internacional e de circulação norte-sul. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE ALFA-PENDULAR
  • 8. Pág. 171 Em Portugal, a rede ferroviária tem vindo a sofrer melhoramentos, em consonância com a Política Europeia de Transportes. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Fig. Ponte S. João (ferroviária), Porto.
  • 9. Fig. Porto de Lisboa. Pág. 172 Nos portos portugueses, a principal função é a comercial. Consoante o volume de carga movimentada e a sua capacidade, estes classificam-se como principais ou secundários. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE REDE NACIONAL DE PORTOS MARÍTIMOS
  • 10. O porto que movimenta, anualmente, maior volume de mercadorias é o de Sines, onde se destacam os granéis. Lisboa é o primeiro porto no movimento de granéis sólidos e Setúbal no de carga geral e Ro-Ro. Pág. 172 A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Fig. Movimento de mercadorias nos portos comerciais nacionais, 2012. Nas Regiões Autónomas destacam-se os portos do Funchal e de Ponta Delgada. São considerados portos principais os de Leixões, Aveiro, Lisboa, Setúbal e Sines.
  • 11. Fig. Porta-contentores. Pág. 173 A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Aproveitar as potencialidades da costa nacional como fachada atlântica de entrada na Europa é um objetivo da Política Geral de Transportes. Portugal situa-se numa posição central em relação ao Atlântico, no cruzamento das principais rotas marítimas, beneficiando de portos de águas profundas capazes de receber navios de grandes dimensões usados no tráfego de mercadorias de longo curso.
  • 12. Pág. 173 A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE  Desenvolver os serviços de transporte marítimo de curta distância.  Desenvolver as infraestruturas logísticas e intermodais nos portos e investir na logística e na distribuição.  Continuar a exploração do terminal de contentores do porto de Sines.  Melhorar as infraestruturas e ligações ferroviárias de tráfego de mercadorias.  Estimular a complementaridade e a cooperação entre portos, por forma a aumentar a eficiência e atrair carga. POLÍTICA GERAL DE TRANSPORTES.
  • 13. Pág. 173 O tráfego marítimo de passageiros tem pouco significado no nosso país, embora nas Regiões Autónomas seja alternativa ao transporte aéreo na ligação entre ilhas e como componente turística. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Fig. Tráfego fluvial de passageiros em Portugal Continental, 2012. Fig. Transporte de passageiros entre as Ilhas da Madeira e Porto Santo. No Continente, assume algum relevo o tráfego fluvial de passageiros.
  • 14. Pág. 174 Na rede nacional de aeroportos, destacam-se, em movimento de passageiros, os de Lisboa, Porto e Faro. Nas Regiões Autónomas, os do Funchal e de Ponta Delgada. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Fig. Movimento de passageiros nos aeroportos portugueses e localização dos principais aeródromos civis, 2012. REDE NACIONAL DE AEROPORTOS
  • 15. ATIVIDADE: 1 - Identifique qual o fator responsável pelo volume de tráfego internacional de passageiros no aeroporto de Faro e do Funchal. Fig. Aeroporto da Madeira. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Pág. 174 Verificar resposta
  • 16. Fig. Aeroporto Sá Carneiro, Porto. Pág. 175 A rede de aeroportos serve sobretudo o tráfego internacional de passageiros e de carga. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE
  • 17. Fig. Aeroporto Sá Carneiro.  Atingir níveis superiores à média europeia relativamente à satisfação dos clientes com as infraestruturas e os serviços aeroportuários.  Assegurar a flexibilidade para fazer face à variabilidade e especificidade da procura.  Melhorar a eficiência e a otimização de custos de todo o sistema.  Melhorar o posicionamento face aos aeroportos concorrentes.  Operar em conformidade com os mais elevados padrões de segurança, garantindo o bom estado das infraestruturas do sistema. Desenvolver as infraestruturas e os serviços aeroportuários necessários para dar resposta à duplicação prevista do tráfego a 20 anos. Prestar os serviços requeridos pelos clientes para:  facilitar a competitividade das empresas portuguesas;  contribuir para o desenvolvimento do setor do turismo;  apoiar a ordenação e o desenvolvimento territorial do país (mobilidade, emergências, etc.).  Integrar as infraestruturas aeroportuárias com as redes de outras infraestruturas de transporte nacional e internacionais.  Assegurar a execução dos investimentos racionalmente necessários.  Respeitar os requisitos do meio ambiente e os direitos dos passageiros. POLÍTICA GERAL DE TRANSPORTES. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE DISPONIBILIDADE SERVIÇOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE COMPLEMENTARIDADE SEGURANÇA Pág. 175
  • 18. Fig. Rede de transporte de Gás. Pág. 176 O traçado das redes de distribuição de energia depende:  dos locais de origem e de consumo;  do tipo de energia transportada. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE REDES NACIONAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA
  • 19. Pág. 176 Em Portugal, a distribuição de gás natural e de derivados do petróleo é feita a partir dos pontos de entrada no território nacional. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Fig. Rede nacional de gasodutos, 2013. O gás natural entra em Portugal através do gasoduto do Magrebe e, desde 2003, também pelo terminal de gás liquefeito do porto de Sines. O petróleo chega a Portugal por via marítima e, através de oleodutos, às refinarias petrolíferas de Leça da Palmeira e de Sines.
  • 20. Fig. Rede de transporte de energia. Pág. 176 A distribuição da eletricidade é feita através da Rede Elétrica Nacional – REN, com cerca de 8 mil quilómetros de linhas, com potências de 440 kV (alta tensão), 220 kV e 150 kV. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE As linhas de maior potência encontram-se no litoral, onde se localizam as centrais termoelétricas e as áreas de maior consumo, e nos trajetos de ligação às áreas de maior produção hidroelétrica (vale do Tejo e vale superior do Douro).
  • 21. Pág. 177 A crescente necessidade de fácil acesso a bens e serviços provocou um aumento significativo da procura de transportes. MELHORAR AS REDES DE TRANSPORTE – UMA APOSTA NO FUTURO Fig. Taxa de motorização de veículos ligeiros de passageiros (número de automóveis de passageiros/1000 hab.). Contudo na maioria dos casos continua a predominar a utilização do automóvel particular.
  • 22. Pág. 177  Congestionamento.  Dependência do petróleo.  Emissões de gases com efeito de estufa.  Infraestruturas.  Concorrência. MELHORAR AS REDES DE TRANSPORTE – UMA APOSTA NO FUTURO PRINCIPAIS DESAFIOS DO SETOR DOS TRANSPORTES EUROPEU Para o desenvolvimento do país e para a sua integração plena nas redes europeias é fundamental proceder à modernização das infraestruturas e da logística do setor dos transportes.