SlideShare uma empresa Scribd logo
1
 Concentrar fluxos de mercadorias em cadeias
logísticas de base marítima
 Aumentar a coesão e reduzir os impactos ambientais
 Reduzir os congestionamentos terrestres através da
intermodalidade.
AUTO ESTRADAS DO MAR: objetivos
2
Um conceito baseado numa noção de continuidade
3
Transporte Rodoviário
Transporte Marítimo
de Curta Distância
Conceito ideal de Autoestrada do Mar
Caraterísticas
Sem estrangulamentos que
causem atrasos ou custos
adicionais
Com procedimentos simplificados
e sem papéis
Com intermodalidade ágil nos
pontos de fricção
Serviços com frequência e
fiabilidade assegurada
Entre dois ou mais estados
membros da UE e estados
vizinhos
Pontos de fricção
São rotas de navegação marítimas com a função
intermodal específica de viabilizar a transferência de
cargas e pessoas de forma mais econômica, ecológica
e segura, possuindo comunicação entre terminais
portuários
São rotas que, de forma gradual, permitirão transferir o
transporte de cargas por estrada para a via marítima e
obter melhorias em termos de viagens e custos.
Para tal, associam-se à introdução de novas cadeias
logísticas intermodais e marítimas porta-a-porta
oferecendo serviços eficientes e regulares.
O que são, então, as autoestradas do mar?
4
 1986 - Ato Único Europeu: criada a ideia de uma rede
transeuropeia
 1992 - Tratado de Maastricht: estabelece as regras para o
desenvolvimento de uma rede transeuropeia de transportes;
 1996: definidas as diretrizes para o desenvolvimento da
RTE-T até 2010;
 2001 – decidido o aprofundamento da integração dos
portos marítimos, portos de navegação interior e terminais
intermodais na RTE-T, com vista à total interoperabilidade
dos diferentes modos de transporte.
Como surgiram as AEM no contexto da RTE-
T?
5
Definia como missão prioritária da RTE-T:
 Combater o congestionamento do tráfego rodoviário;
 Realçar a importância do TMCD (transporte marítimo
de curta distância);
 “Traçar” as autoestradas do mar:
 AM do Sudeste Europeu
 AM do Sudoeste Europeu
 AM Báltico
 AM da Europa Ocidental
POLÍTICA EUROPEIA DE TRANSPORTE
PARA 2010
6
7
AE do Sudeste Europeu
AEM Báltico
Portos - Nós fundamentais para a
implementação de AEM
Ações de desenvolvimento em Portugal:
Projeto PORTMOS
Janela Única Portuária
8
Autoestradas do mar o novo caminho
marítimo
Portugal tem duas Autoestradas do Mar (AEM) a
funcionar desde o ano passado, a partir dos portos de
Sines e Leixões, mas o objetivo é alargar esta
possibilidades aos principais portos comerciais
portugueses, como Lisboa, Setúbal e Aveiro. Estas vias
de acesso marítimo, associadas à simplificação e
eficiência de procedimentos introduzidos pela Janela
Única Portuária, são uma das medidas que irão contribuir
para duplicar o volume de carga movimentado nos portos
nacionais até 2015.
16 // Setembro 08 // Portugalglobal
9
As AEM, com rotas predefinidas e carreiras regulares de
transporte de mercadorias … por via marítima, combinadas
com o transporte rodoviário e ferroviário, têm como
finalidade reduzir o tempo de imobilização dos navios nos
portos e os custos de transporte, pois facilitam os
procedimentos administrativos necessários à circulação de
carga no mar... Em Portugal, o projeto PORTMOS preside
à integração do sistema marítimo-portuário nas AEM. É de
realçar que o PORTMOS conceptualizou, desenvolveu e
testou a info-estrutura de apoio não apenas das AEM, mas
também constituiu uma “Janela Única Logística” para toda
a cadeia de transporte, numa lógica de porta-a-porta. 10
(…) considera-se que as autoestradas do mar deverão
constituir-se como substitutos e prolongamentos das
autoestradas terrestres (o que é válido tanto para o
transporte de passageiros como de mercadorias), não só
para evitarem corredores saturados como para permitirem
o acesso rápido a países separados por mar do resto da
União Europeia. Para Portugal, as plataformas logísticas,
o transporte marítimo a curta distância e as autoestradas
do mar constituem peças fundamentais do seu
desenvolvimento e crescimento económico sustentados.
11
Procedimentos simplificados e paperless: caso de Sines
12
A Janela Única Portuária (JUP) foi criada pelo Governo
para permitir a centralização, numa plataforma
tecnológica, da informação, da documentação e dos
processos relativos às várias entidades públicas e agentes
económicos (designadamente, agentes de navegação,
transitários, transportadores terrestres, operadores
logísticos, empresas gestoras dos parques logísticos e
empresas aí sedeadas) que atuam nos portos marítimos.
Deste modo, a JUP liga todos eles – num só sistema,
numa lógica de “balcão único virtual” – que desmaterializa
os processos administrativos e cria condições para a
interoperabilidade dos sistemas de informação das várias
autoridades a operar nos portos: portuária, marítima,
aduaneira, de fronteira, de sanidade e veterinária. 13
Alargamento do conceito de AEM às rotas
intercontinentais
http://www.slideshare.net/portosdeportugal/lidia-sequeira 14
15
Sines procura tirar partido da sua excelente
posição geográfica
16
Localização estratégica no
 Sudoeste da Europa
 Cruzamento das principais rotas
marítimas internacionais Este-
Oeste e Norte-Sul
Características físicas posicionam-no
como
 Grande porto hub da fachada
Ibero Atlantica.
Hinterland de toda a zona sul e
centro de Portugal, a
150 Km de Lisboa
125 Km de Évora
100 Km de Beja
182 Km de Faro.
Localização e hinterland do porto de Sines
17
Latitude: 37º 57'N
Longitude: 08º 53'WSINES
Como hinterland alargado,
o Porto de Sines posiciona-
se de forma muito
competitiva na Extremadura
Espanhola e sobre todo o
corredor até Madrid.
Hub - é um aeroporto que se destaca no contexto
de um país ou região por concentrar um grande
número de voos. Ou, um aeroporto de onde parte
grande fração dos voos de uma certa empresa
aérea, bem como onde esta possui sua sede,
hangares e até mesmo terminais.
Hinterland – zona de influência de um porto, isto
é, a área onde o porto vende os seus serviços e
interage com os seus clientes.
Conceito de HUB e HINTERLAND
18
• Despacho
eletrónico de
mercadorias e
meios de
transporte
• Ferrovia
• Rodovia
• Transporte
Marítimo de
Curta e Média
distância
• Motherships
de 6ª geração
• Serviços
diretos
Serviços
Intercontinen-
tais
Serviços
feeder
Simplifica-
ção
Intermodali-
dade
Caraterísticas de um porto HUB necessárias para um
país se integrar nas Autoestradas marítimas globais
19
Imagens do Porto de SINES
20
Porto de
Sines:
Um
mothership
em operação
Feeders em
operação
21
Porto de Sines movimentou 36,5 milhões de
toneladas de mercadorias e 931.036 TEU em 2013
Os agentes económicos … movimentaram em 2013 nos vários terminais do Porto
de Sines um total de 36,5 milhões de toneladas de mercadorias, o que significa
um crescimento de 28% relativamente ao período homólogo.
Destaca-se o importante contributo de dois segmentos de carga … os granéis
líquidos, com um crescimento homólogo de 21%, e a carga geral, segmento onde
se incluem os contentores, que atingiu um crescimento de 77%.
Nos graneis líquidos as exportações de gasolinas e gasóleos tiveram um
crescimento muito alto, com os principais destinos a serem os EUA, México,
Espanha, Gibraltar, Holanda e França.
Na carga contentorizada foram movimentados …mais 68% que em 2012. Os
principais destinos da movimentação de contentores com Sines foram a China,
EU, Canadá, Turquia, Espanha, Brasil, Singapura e Itália… O número de navios
recebidos cresceu 22%, tendo escalado o Porto de Sines 2.010 embarcações
durante 2013. Globalmente, o seu porte (GT – Gross Tonnage) aumentou 37%.
22
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
Cacilda Basto
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
Hneves
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Helena Coutinho
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
713773
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Plataformas logisticas
Plataformas logisticasPlataformas logisticas
Plataformas logisticas
amattos76
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeias
Ilda Bicacro
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
Idalina Leite
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Idalina Leite
 
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º AnoOs transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
713773
 

Mais procurados (20)

Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Plataformas logisticas
Plataformas logisticasPlataformas logisticas
Plataformas logisticas
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeias
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2
 
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º AnoOs transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
 

Destaque

Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
Idalina Leite
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Idalina Leite
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
Tânia Domingos
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
Idalina Leite
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
Idalina Leite
 
Tr abalho de geografia transportes[1]
Tr abalho de geografia   transportes[1]Tr abalho de geografia   transportes[1]
Tr abalho de geografia transportes[1]
dddjj
 
Geografia - transportes
Geografia - transportesGeografia - transportes
Geografia - transportes
kyzinha
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
Cláudio Carneiro
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
Rui Rodrigues
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de SinesIII Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
Portos de Portugal
 
11ºano ficha5
11ºano ficha511ºano ficha5
11ºano ficha5
Geografias Geo
 
A importância dos transportes 11º ano
A importância dos transportes   11º anoA importância dos transportes   11º ano
A importância dos transportes 11º ano
Florindafranco
 
As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
Patricia Degenhardt
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
Fernando Pedro Moreira
 
Porto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maiaPorto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maia
aeplognorte
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Alfredo Garcia
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Idalina Leite
 

Destaque (20)

Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
 
Tr abalho de geografia transportes[1]
Tr abalho de geografia   transportes[1]Tr abalho de geografia   transportes[1]
Tr abalho de geografia transportes[1]
 
Geografia - transportes
Geografia - transportesGeografia - transportes
Geografia - transportes
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de SinesIII Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
 
11ºano ficha5
11ºano ficha511ºano ficha5
11ºano ficha5
 
A importância dos transportes 11º ano
A importância dos transportes   11º anoA importância dos transportes   11º ano
A importância dos transportes 11º ano
 
As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
 
Porto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maiaPorto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maia
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 

Semelhante a Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2

Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
Feliciana Monteiro
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
A gestão e a concessão das áreas portuárias
A gestão e a concessão das áreas portuáriasA gestão e a concessão das áreas portuárias
A gestão e a concessão das áreas portuárias
Cláudio Carneiro
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
aplop
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Feliciana Monteiro
 
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística GlobalO Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
Gian Gabriel Guglielmelli
 
Distribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporteDistribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporte
InsMonteiro40
 
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 50 – Maio 2010
Revista APS N.º 50 – Maio 2010Revista APS N.º 50 – Maio 2010
A JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única LogísticaA JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única Logística
aplop
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
Cláudio Carneiro
 
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentoresSines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Cláudio Carneiro
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
Cláudio Carneiro
 
Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012
Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
aplop
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 

Semelhante a Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2 (20)

Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
 
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
A gestão e a concessão das áreas portuárias
A gestão e a concessão das áreas portuáriasA gestão e a concessão das áreas portuárias
A gestão e a concessão das áreas portuárias
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
 
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística GlobalO Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global
 
Distribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporteDistribuição espacial das redes de transporte
Distribuição espacial das redes de transporte
 
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
 
Revista APS N.º 50 – Maio 2010
Revista APS N.º 50 – Maio 2010Revista APS N.º 50 – Maio 2010
Revista APS N.º 50 – Maio 2010
 
A JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única LogísticaA JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única Logística
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
 
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentoresSines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
 
Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012
Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012
Revista APS N.º 58 – Dezembro 2012
 
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
 
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
 
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2

  • 1. 1
  • 2.  Concentrar fluxos de mercadorias em cadeias logísticas de base marítima  Aumentar a coesão e reduzir os impactos ambientais  Reduzir os congestionamentos terrestres através da intermodalidade. AUTO ESTRADAS DO MAR: objetivos 2
  • 3. Um conceito baseado numa noção de continuidade 3 Transporte Rodoviário Transporte Marítimo de Curta Distância Conceito ideal de Autoestrada do Mar Caraterísticas Sem estrangulamentos que causem atrasos ou custos adicionais Com procedimentos simplificados e sem papéis Com intermodalidade ágil nos pontos de fricção Serviços com frequência e fiabilidade assegurada Entre dois ou mais estados membros da UE e estados vizinhos Pontos de fricção
  • 4. São rotas de navegação marítimas com a função intermodal específica de viabilizar a transferência de cargas e pessoas de forma mais econômica, ecológica e segura, possuindo comunicação entre terminais portuários São rotas que, de forma gradual, permitirão transferir o transporte de cargas por estrada para a via marítima e obter melhorias em termos de viagens e custos. Para tal, associam-se à introdução de novas cadeias logísticas intermodais e marítimas porta-a-porta oferecendo serviços eficientes e regulares. O que são, então, as autoestradas do mar? 4
  • 5.  1986 - Ato Único Europeu: criada a ideia de uma rede transeuropeia  1992 - Tratado de Maastricht: estabelece as regras para o desenvolvimento de uma rede transeuropeia de transportes;  1996: definidas as diretrizes para o desenvolvimento da RTE-T até 2010;  2001 – decidido o aprofundamento da integração dos portos marítimos, portos de navegação interior e terminais intermodais na RTE-T, com vista à total interoperabilidade dos diferentes modos de transporte. Como surgiram as AEM no contexto da RTE- T? 5
  • 6. Definia como missão prioritária da RTE-T:  Combater o congestionamento do tráfego rodoviário;  Realçar a importância do TMCD (transporte marítimo de curta distância);  “Traçar” as autoestradas do mar:  AM do Sudeste Europeu  AM do Sudoeste Europeu  AM Báltico  AM da Europa Ocidental POLÍTICA EUROPEIA DE TRANSPORTE PARA 2010 6
  • 7. 7 AE do Sudeste Europeu AEM Báltico
  • 8. Portos - Nós fundamentais para a implementação de AEM Ações de desenvolvimento em Portugal: Projeto PORTMOS Janela Única Portuária 8
  • 9. Autoestradas do mar o novo caminho marítimo Portugal tem duas Autoestradas do Mar (AEM) a funcionar desde o ano passado, a partir dos portos de Sines e Leixões, mas o objetivo é alargar esta possibilidades aos principais portos comerciais portugueses, como Lisboa, Setúbal e Aveiro. Estas vias de acesso marítimo, associadas à simplificação e eficiência de procedimentos introduzidos pela Janela Única Portuária, são uma das medidas que irão contribuir para duplicar o volume de carga movimentado nos portos nacionais até 2015. 16 // Setembro 08 // Portugalglobal 9
  • 10. As AEM, com rotas predefinidas e carreiras regulares de transporte de mercadorias … por via marítima, combinadas com o transporte rodoviário e ferroviário, têm como finalidade reduzir o tempo de imobilização dos navios nos portos e os custos de transporte, pois facilitam os procedimentos administrativos necessários à circulação de carga no mar... Em Portugal, o projeto PORTMOS preside à integração do sistema marítimo-portuário nas AEM. É de realçar que o PORTMOS conceptualizou, desenvolveu e testou a info-estrutura de apoio não apenas das AEM, mas também constituiu uma “Janela Única Logística” para toda a cadeia de transporte, numa lógica de porta-a-porta. 10
  • 11. (…) considera-se que as autoestradas do mar deverão constituir-se como substitutos e prolongamentos das autoestradas terrestres (o que é válido tanto para o transporte de passageiros como de mercadorias), não só para evitarem corredores saturados como para permitirem o acesso rápido a países separados por mar do resto da União Europeia. Para Portugal, as plataformas logísticas, o transporte marítimo a curta distância e as autoestradas do mar constituem peças fundamentais do seu desenvolvimento e crescimento económico sustentados. 11
  • 12. Procedimentos simplificados e paperless: caso de Sines 12
  • 13. A Janela Única Portuária (JUP) foi criada pelo Governo para permitir a centralização, numa plataforma tecnológica, da informação, da documentação e dos processos relativos às várias entidades públicas e agentes económicos (designadamente, agentes de navegação, transitários, transportadores terrestres, operadores logísticos, empresas gestoras dos parques logísticos e empresas aí sedeadas) que atuam nos portos marítimos. Deste modo, a JUP liga todos eles – num só sistema, numa lógica de “balcão único virtual” – que desmaterializa os processos administrativos e cria condições para a interoperabilidade dos sistemas de informação das várias autoridades a operar nos portos: portuária, marítima, aduaneira, de fronteira, de sanidade e veterinária. 13
  • 14. Alargamento do conceito de AEM às rotas intercontinentais http://www.slideshare.net/portosdeportugal/lidia-sequeira 14
  • 15. 15
  • 16. Sines procura tirar partido da sua excelente posição geográfica 16
  • 17. Localização estratégica no  Sudoeste da Europa  Cruzamento das principais rotas marítimas internacionais Este- Oeste e Norte-Sul Características físicas posicionam-no como  Grande porto hub da fachada Ibero Atlantica. Hinterland de toda a zona sul e centro de Portugal, a 150 Km de Lisboa 125 Km de Évora 100 Km de Beja 182 Km de Faro. Localização e hinterland do porto de Sines 17 Latitude: 37º 57'N Longitude: 08º 53'WSINES Como hinterland alargado, o Porto de Sines posiciona- se de forma muito competitiva na Extremadura Espanhola e sobre todo o corredor até Madrid.
  • 18. Hub - é um aeroporto que se destaca no contexto de um país ou região por concentrar um grande número de voos. Ou, um aeroporto de onde parte grande fração dos voos de uma certa empresa aérea, bem como onde esta possui sua sede, hangares e até mesmo terminais. Hinterland – zona de influência de um porto, isto é, a área onde o porto vende os seus serviços e interage com os seus clientes. Conceito de HUB e HINTERLAND 18
  • 19. • Despacho eletrónico de mercadorias e meios de transporte • Ferrovia • Rodovia • Transporte Marítimo de Curta e Média distância • Motherships de 6ª geração • Serviços diretos Serviços Intercontinen- tais Serviços feeder Simplifica- ção Intermodali- dade Caraterísticas de um porto HUB necessárias para um país se integrar nas Autoestradas marítimas globais 19
  • 20. Imagens do Porto de SINES 20
  • 22. Porto de Sines movimentou 36,5 milhões de toneladas de mercadorias e 931.036 TEU em 2013 Os agentes económicos … movimentaram em 2013 nos vários terminais do Porto de Sines um total de 36,5 milhões de toneladas de mercadorias, o que significa um crescimento de 28% relativamente ao período homólogo. Destaca-se o importante contributo de dois segmentos de carga … os granéis líquidos, com um crescimento homólogo de 21%, e a carga geral, segmento onde se incluem os contentores, que atingiu um crescimento de 77%. Nos graneis líquidos as exportações de gasolinas e gasóleos tiveram um crescimento muito alto, com os principais destinos a serem os EUA, México, Espanha, Gibraltar, Holanda e França. Na carga contentorizada foram movimentados …mais 68% que em 2012. Os principais destinos da movimentação de contentores com Sines foram a China, EU, Canadá, Turquia, Espanha, Brasil, Singapura e Itália… O número de navios recebidos cresceu 22%, tendo escalado o Porto de Sines 2.010 embarcações durante 2013. Globalmente, o seu porte (GT – Gross Tonnage) aumentou 37%. 22
  • 23. 23