SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 1 de 20
Evolução do litoral português continental
Apontamentos retirados da leitura do relatório elaborado pelo Grupo de Trabalho do
Litoral, “Gestão da Zona Costeira – O Desafio da Mudança”
Lisboa (ISBN: 978-989-99962-1-2)
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 2 de 20
Na versão anterior da sebenta sobre o relevo litoral continental traçou-se um
panorama exaustivo do que é o litoral, quais as caraterísticas que apresenta e a
evolução que sofreu ao longo dos tempos até chegar à configuração atual.
A leitura deste relatório sobre o litoral, disponível na internet, sugeriu-me que será útil
extrair partes do seu texto de modo a melhorar o conhecimento que já temos sobre
esta faixa do território continental. Isso mesmo é o que tentei fazer procurando não
adulterar o sentido original, mas enveredando pelas adaptações que entendi
adequadas ao nível de ensino da disciplina de Geografia A.
Começamos pela Introdução, e retiremos o objetivo do trabalho:
No âmbito do despacho nº6574/2014, de 20 de maio, foi constituído o Grupo de
Trabalho para o Litoral (GTL) com o objetivo de “desenvolver uma reflexão
aprofundada sobre as zonas costeiras, que conduza à definição de um conjunto de
medidas que permitam, no médio prazo, alterar a exposição ao risco, incluindo nessa
reflexão o desenvolvimento sustentável em cenários de alterações climáticas”.
Desta nota, podemos extrair duas ideias chave:
Que o litoral continua em formação e que as alterações climáticas ocupam um
papel de destaque entre os fatores que contribuem para isso.
Reconhecendo-se que as ações antrópicas são apontadas como responsáveis
diretas pela aceleração das alterações climáticas, então, competirá à
sociedade, isto é, a todos nós, contrariar as consequências que podem advir
das opções erradas dos decisores políticos e/ou económicos.
Mas, antes de prosseguirmos a consulta da introdução, de que falámos exatamente
quando referimos a zona costeira, o litoral, orla costeira ou linha de costa? É
indiferente a aplicação de qualquer um destes termos afins? Não exatamente segundo
lemos no relatório datado de dezembro de 2014.
Seguindo as definições propostas na Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da
Zona Costeira – ENGIZC:
Zona costeira - é a porção de território influenciada direta e indiretamente, em
termos biofísicos, pelo mar (ondas, marés, ventos, biota ou salinidade) e que
tem, para o lado de terra, a largura de 2 km medida a partir da linha da máxima
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 3 de 20
preia-mar de águas vivas equinociais e se estende, para o lado do mar, até ao
limite das águas territoriais (até às 12 milhas), incluindo o leito
Litoral - conjunto das porções de território que são influenciadas direta e
indiretamente pela proximidade do mar
Orla costeira - porção do território onde o mar, coadjuvado pela ação eólica,
exerce diretamente a sua ação e que se estende, a partir da margem até
500 m, para o lado de terra e, para o lado do mar, até à batimétrica dos 30 m;
Linha de costa - fronteira entre a terra e o mar, assumindo-se como referencial
a linha da máxima preia-mar de águas vivas equinociais.
Voltemos à introdução do relatório e selecionemos os traços essenciais da
caraterização da zona costeira continental. Assim, retirámos que, esta faixa:
Tem uma extensão aproximada de 987 km (da foz do rio Minho à foz do rio
Guadiana).
Apresenta uma grande diversidade litológica, morfológica, biológica e
paisagística.
Concentra 3/4 da população continental nos concelhos que a constituem.
Contribui com cerca de 80% para o PIB do país através das atividades
económicas que aqui se desenvolvem.
Continua a atrair uma corrente migratória persistente, que faz aumentar a
atividade económica, especialmente o turismo
É palco de frequentes pressões e conflitos ambientais fruto do excesso de
ocupação.
Porque merece tanto interesse a zona costeira e o litoral em geral? Será apanágio só
de Portugal ou é algo que afeta as zonas ribeirinhas à escala global?
Fig.1 – Esquema exemplificativo dos
conceitos associados ao de Zona
costeira
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 4 de 20
Uma fração importante da ocupação humana à escala mundial está situada no litoral,
desde tempos remotos, devido às atividades de navegação, comércio e pescas. A
partir de meados do século XIX as populações foram atraídas para o litoral por outras
razões, relacionadas com os seus efeitos benéficos sobre a saúde, e também por ser
um local privilegiado para uma grande variedade de atividades de lazer, desporto e
turismo. Esta procura intensa valorizou imenso o território e as edificações situadas no
litoral. Porém, desde meados do século XX, que se observam por todo o mundo,
incluindo Portugal, fenómenos crescentes de erosão costeira resultantes em grande
parte de desequilíbrios provocados por ações antrópicas. Este conflito será
progressivamente agravado a médio (2050) e longo (2100) prazo pelas alterações
climáticas. Criou-se assim uma situação de conflito crescente, em que se torna
imperioso proteger o litoral para que os residentes, ou os que ali se deslocam
periodicamente, possam continuar a usufruir dos seus benefícios e para que o
território e as edificações em risco não se desvalorizem. (pág.7)
Como se deduz deste pequeno excerto, o litoral e a zona costeira são áreas de
densidade demográfica e económica que justificam uma atualização constante do seu
conhecimento aprofundado do que nela se passa e antever o seu futuro.
Comecemos, então, pelas causas da evolução da linha de costa. O seu aspeto
depende de um conjunto alargado de fatores interativos, tais como:
ondas, marés, correntes costeiras, nível médio do mar
sobre-elevação meteorológica1
e regimes de precipitação e vento
sedimentos (natureza, dimensão, disponibilidade)
contexto geomorfológico (incluindo praias, arribas, estuários, lagoas e ilhas
barreira)
intervenção antrópica
1
A sobre-elevação do nível do mar com origem meteorológica é definida como a diferença entre o nível
do mar observado e a altura da maré astronómica previsto. Como sabemos, as marés são induzidas pela
atração da Lua e do Sol, principalmente. A sobre-elevação, “storm surge” é causada pelo vento e pela
pressão atmosférica associados a perturbações frontais muito ativas.
De forma simplificada, pode-se
afirmar que a evolução da posição da
linha de costa pode ser, em grande
medida, explicada através da
interação entre as ondas, o
fornecimento sedimentar e as
variações do nível médio relativo do
mar
Fig.2 – Esquema dos processos que
condicionam a posição da linha de costa
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 5 de 20
Destacando a subida do nível do mar, uma das consequências já diagnosticada como
sendo um efeito direto das alterações climáticas, que soluções podem ser encaradas
desde já? Para os autores há três tipos de Estratégias de adaptação: relocalização,
acomodação e proteção em cenários de alterações climáticas, sendo que, na prática,
as soluções escolhidas incluem frequentemente uma combinação das três estratégias.
De forma sucinta o que significa cada uma delas?
Relocalização – é a deslocalização dos usos e da ocupação para uma área
mais afastada do litoral (usada quando falham a proteção e a acomodação)
Acomodação – é a alteração da ocupação e das atividades humanas no litoral
e a adaptação flexível das infraestruturas
Proteção – é a manutenção, ou mesmo o avanço, da linha de costa por meio
da alimentação artificial com sedimentos (areia e cascalho), com a construção
de dunas artificiais ou, ainda, com a construção de estruturas rígidas tais como
esporões, quebra-mares destacados e proteções longitudinais, por exemplo,
diques.
Fig.3 – As três estratégias de adaptação.
Fonte: http://www.apambiente.pt/_zdata/DESTAQUES/2015/GTL_Relatorio Final_20150416.pdf
Conhecidas as causas mais imediatas da evolução do litoral e as três estratégias
apontadas como possíveis soluções, perguntemos, agora, o que mais tem influenciado
a configuração da linha de costa?
A variação do nível médio do mar (NMM):
o há cerca de 18 000 anos, em pleno último máximo glaciar (UMG)
 NMM entre 120 a 140 m abaixo do nível atual
 posição da linha de costa algumas dezenas de quilómetros da
atual
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 6 de 20
o Entre os 18 000 e os 7 000 anos atrás, com o aumento geral da
temperatura
 degelo e consequente subida global do NMM
 inundação dos vales e das terras baixas
 configuração costeira mais recortada, com rias e estuários
profundamente embutidos para o interior.
Dominância do fornecimento sedimentar:
o Há́ aproximadamente 3500 anos atrás, estabilização do NMM e padrão
de circulação atmosférica sem grandes alterações
 o balanço sedimentar influenciou a mobilidade da linha de costa
 superavit sedimentar, costa migrou em direção ao mar
 défice sedimentar, a linha de costa migrou em direção a terra
(erosão/recuo).
 assoreamento generalizado dos estuários, lagunas, golfos e
rias.
Tendência regressiva (recuo) do litoral facilitando “invasões do mar”:
o A partir de finais do século XIX, geralmente relacionado com a redução
do fornecimento sedimentar associado à atividade antrópica
 construção de barragens (responsáveis pela retenção de mais
de 80% dos volumes de areias antes transportadas pelos rios)
 extração de inertes (areias) nos cursos de água e albufeiras
 práticas agrícolas que visam a conservação do solo
 construção de obras portuárias
Como facilmente reconhecemos, o balanço sedimentar continua, hoje, a ser o principal
responsável pela evolução da linha de costa, facto que vem dos finais do século XIX.
Aliás, a nível comunitário, este balanço está de tal modo associado à erosão costeira
que foi desenvolvido o projeto europeu Conscience.
Fig.4 – Representação de uma célula
sedimentar, uma unidade autónoma
do ponto de vista sedimentar que
permite gerir de forma coerente o
balanço sedimentar, definido através
da quantificação das entradas (fontes)
e saídas (sumidouros) de sedimento da
célula sedimentar
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 7 de 20
Partindo do conceito de célula sedimentar, os autores do relatório delimitaram a orla
costeira continental em 8 células e caraterizaram a situação atual de cada uma delas.
Vejamos cada uma dessas células sedimentares.
Célula 1 – Minho à Nazaré
Subcélula 1a – Minho a Douro
Subcélula 1b – Douro a cabo
Mondego
Subcélula 1c – Mondego à Nazaré
Célula 2 – Nazaré a Peniche
Célula 3 – Peniche a cabo Raso
Célula 4 – cabo Raso a cabo Espichel
Célula 5 – cabo Espichel a Sines
Célula 6 – Sines a cabo S. Vicente
Célula 7 – cabo S. Vicente a Olhos de
Água (Barlavento algarvio)
Célula 8 – Olhos de Água a foz do rio
Guadiana (Sotavento)
Fig. 5 – Geomorfologia simplificada do
litoral português e divisão em células
sedimentares
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 8 de 20
Célula 1 – Foz do rio Minho à Nazaré
Subcélula 1a – Foz do rio Minho à foz do rio Douro
Fig.5
Caraterísticas principais:
costa rochosa e baixa com orientação NNW-SSE
numerosas praias de areia e cascalho
pequenos tômbolos enraizados em afloramentos graníticos (Maciço Antigo)
planície litoral que corresponde a uma plataforma de abrasão, por vezes,
coberta por dunas (regressão marinha)
Situação atual:
acentuada redução no fornecimento sedimentar potenciada pela intensa
atividade antrópica no litoral e nas bacias hidrográficas (construção de
barragens com diminuição significativa do caudal sólido arenoso transportado
pelos rios até à foz)
tendência de erosão, consequentemente
recuo generalizado das praias arenosas
existência de numerosas obras rígidas de engenharia costeira (paredões e
esporões) para contrariar a situação, logo, crescente artificialização da linha de
costa
numerosas operações de dragagem e extração de sedimentos realizadas no
domínio hídrico numa combinação que tem levado a que, o estuário de alguns
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 9 de 20
rios passasse, na prática, a funcionar como sumidouro (escoadouro)
sedimentar.
Subcélula 1b – Foz do rio Douro ao cabo Mondego
Fig.6
Caraterísticas principais:
troço norte, da foz do Douro até Espinho, costa rochosa e baixa de orientação
NNW-SSE
troço central de orientação NNE-SSW (orientação alpina), mais extenso, de
costa arenosa e baixa, com extensas praias lineares limitadas por dunas
interrompidas pela barra de Aveiro; integra o cordão litoral que separa a laguna
de Aveiro do oceano
troço sul em arriba marginado por praia e que termina no cabo Mondego
(constitui uma barreira natural ao transporte sedimentar)
Situação atual:
défice sedimentar extremamente elevado a sul da foz do rio Douro
forte erosão do litoral a sul de Espinho (recuo médio de 3m/ano entre Maceda
e Torrão do Lameiro entre 1958-2010)
progradação da linha de costa (aumento da largura da praia) a sul da Torreira
elevada estabilidade da praia a sul da praia de Mira
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 10 de 20
Subcélula 1c – Cabo Mondego à Nazaré
Fig.7
Caraterísticas principais:
costa rochosa talhada em arriba e com presença de plataforma de abrasão
imediatamente a sul do cabo Mondego
praia arenosa a norte da barra do Mondego por efeito de acumulação a
barlamar2
do molhe do porto da Figueira da Foz
recuo da linha de costa a sotamar do molhe
litoral baixo, arenoso e retilíneo a sul da Figueira da Foz com orientação NNE-
SSW (orientação alpina)
costa de arriba a sul de S. Pedro de Moel
costa arenosa a norte do promontório da Nazaré
sumidouro a coincidente com o canhão da Nazaré.
2 A construção de estruturas pesadas de engenharia, tais como molhes e esporões,
perpendiculares à linha de costa, são, atualmente, considerados verdadeiros desastres como
solução para obstar ao avanço do mar. Como a deriva litoral tem uma orientação N/S, paralela
à linha de costa, a barlamar (parte a norte das estruturas, mais batida pela deriva) regista-se
sedimentação, ao passo que, a sotamar (parte a sul das estruturas, abrigada da deriva) vai
verificar-se avanço do mar e consequente erosão.
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 11 de 20
Situação atual:
sedimentação volumosa a sul do cabo Mondego
retenção sedimentar a barlamar do molhe norte da barra do Mondego com
crescimento excecional da praia da Figueira da Foz
erosão acentuada na costa a sotamar da Figueira da Foz
subtração de enorme volume sedimentar na canhão da Nazaré (sumidouro)
Fig.8 – Praia de Ofir: resultado da construção de um esporão para proteção das Torres de Ofir.
Sedimentação a barlamar e erosão a sotamar.
Fig.9 – Esquema que mostra o que sucede, frequentemente, com a edificação de estruturas
fixas perpendiculares à linha de costa. Para resolver a erosão causada pelo primeiro esporão
construído cria-se novo esporão e, assim, sucessivamente. Para além das alterações na linha
de costa é-se confrontado com custos de construção e manutenção elevadíssimos. Donde, a
discussão que se mantém acesa sobre este tipo de soluções.
Fonte das imagens - lugar-pedrinhas.blogspot.pt
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 12 de 20
Célula 2 – Nazaré a Peniche
Fig.10
Caraterísticas principais/ situação atual:
Litoral de orientação NE-SW (orientação alpina)
Costa de arribas a norte da lagoa de Óbidos
Praias lineares, geralmente estreitas, a sul da lagoa de Óbidos
Concha de S. Martinho, um dos acidentes mais caraterísticos da costa
ocidental
Sumidouros significativos desempenhados pela lagoa de Óbidos e pelo
sistema dunar de Peniche
Fraca influência antrópica no processo de sedimentação.
Fig. 11
Lagoa de
Óbidos
(Reparemos na costa de arriba a N da lagoa, o cordão em frente ao sumidouro, a própria lagoa)
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 13 de 20
Célula 3 – Peniche a cabo Raso
Fig.12
Caraterísticas principais/situação atual:
Costa geralmente em arriba, calcária, de orientação sensivelmente N-S
Numerosas praias encaixadas, as mais largas e curtas na dependência das
fozes de linhas de água, as estreitas e extensas associadas a promontórios
naturais que contribuem para a retenção de sedimentos
Sumidouro principal associado ao sistema dunar do Guincho
Fig.13 – Cabo Raso, concelho de Cascais
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 14 de 20
Célula 4 – Cabo Raso a cabo Espichel
Caraterísticas principais/situação atual:
Litoral em arriba entre o cabo Raso e Carcavelos
Praias encaixadas e abrigadas da agitação de NW de pequena dimensão
Costa arenosa e contínua da Costa da Caparica até à praia das Bicas
Das Bicas até ao cabo Espichel, costa em arriba viva em rochas calcárias
Pequenas praias encaixadas de areia e cascalho
Presença de várias estruturas costeiras – esporões e paredões – para
combater o processo de erosão iniciado no segundo quartel do século XX no
litoral da Costa da Caparica
Fornecimento de areia garantido pelo corredor eólico do Guincho, antes, ativo
Enorme défice sedimentar, atualmente, em parte devido a extrações e
dragagens muito volumosas desde os anos 40 do século XX
Alguma diminuição do risco costeiro obtida com recurso a operações de
alimentação artificial.
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 15 de 20
Célula 5 – Cabo Espichel a Sines
Caraterísticas principais/situação atual
Costa em arribas altas entre o cabo Espichel e a foz do rio Sado
Pequenas praias encaixadas
Costa arenosa, contínua, entre a foz do rio Sado e Sines
Lagoas costeiras de Melides, Sancha e Santo André
Fornecimento sedimentar quase exclusivamente sustentado pela erosão das
arribas da costa da Galé (entre a praia do Carvalhal e a lagoa de Melides)
Fig.14 – Sines: Praia do Cerro da Águia (pequena praia encaixada numa costa rochosa)
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 16 de 20
Célula 6 – De Sines a Cabo de São Vicente
Caraterísticas principais/situação atual:
Costa em arribas, geralmente altas, no contacto entre o mar e rochas da
Meseta Ibérica, muito antigas e resistentes
Numerosas praias de areias e cascalho e de largura reduzida
Costa de direção N-S
Cabedelos formados nas desembocaduras das linhas de água
Principais sumidouros: sistemas dunares que se desenvolvam na foz das
principais linhas de água.
Fig.15 – Foz do rio Mira: forte acumulação sedimentar
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 17 de 20
Célula 7 – Cabo de São Vicente a Olhos de Água (Barlavento Algarvio)
Caraterísticas principais/situação atual:
Costa em arribas talhadas em rochas calcárias
Praias formadas entre promontórios resistentes
Frequentes leixões, arcos e algares
Sedimentação deficitária
Fig.16 – Cabo de S. Vicente:
arribas vigorosas no
contacto do mar com rochas
calcárias
Fig.17 – Armação de
Pera: forte
sedimentação num
cordão a separar o mar
de um sistema lagunar
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 18 de 20
Célula 8 – Olhos de Água à foz do rio Guadiana
Caraterísticas principais/situação atual:
Costa arenosa fruto de forte acumulação, dominada pelo sistema de
ilhas-barreira da ria Formosa e pela planície costeira da Manta Rota – Vila
Real de Stº António
Adaptação na zona costeira (pág. 231)
Algumas notas retiradas deste item da obra consultada:
A ocupação do litoral em Portugal continental é um fenómeno recente
A reduzida ocupação do litoral no passado justificava-se por duas razões
principais: tempestades mais danosas nas zonas baixas e arenosas e atos de
pirataria que tornavam inseguros os territórios ribeirinhos
Exemplos de modificações em costa arenosa são os aglomerados
populacionais da região Centro entre Ovar e Marinha Grande – 2, Buarcos e
Figueira da Foz (ambos assentes em estrato rochoso), são anteriores ao
século XX, e, 16, são posteriores e todos em áreas arenosas. Ovar, Ílhavo,
Vagos, Mira, Cantanhede, Pombal, Leiria e Marinha Grande são sedes de
concelho que se localizam fora da atual orla costeira de sedimentação recente.
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 19 de 20
Um exemplo do risco a que está sujeito o nosso litoral é o que se passou em
Espinho, em particular, entre o final do século XIX e o início do século XX, uma
sucessão de intensos galgamentos que destruíram parte da frente de mar
Para alguns especialistas, as investidas de mar foram consequência das obras
de construção do porto artificial de Leixões e foz do Douro
Os dois primeiros esporões transversais (distanciados entre si 90 m)
construídos no país foram, exatamente, em 1911 em Espinho
Foi no século XX até à década de sessenta, que foram construídas a maioria
das grandes barragens e arrancaram ou consolidaram os trabalhos nos
principais portos nacionais, conjunto de obras de engenharia que inverteram
drasticamente o ciclo sedimentar nas bacias hidrográficas e nas áreas
portuárias devido ao volume de dragagens efetuadas, com reflexos negativos
na evolução do litoral
Igualmente negativo é o período de tempo a partir da década de 70, do século
XX, com uma ocupação urbana progressiva da faixa litoral
Isto é, além da ação da Natureza, a erosão costeira tem origem
predominantemente antrópica: 90% do recuo da linha de costa do nosso litoral
Contudo, o que se tem verificado é uma opção que tem privilegiado a defesa
da ocupação humana junto ao mar
Construção de esporões de forma progressiva tem conduzido a uma
artificialização crescente e corresponde a uma atuação reativa em vez de se
optar por uma política de planeamento prospetivo.
há essencialmente três estratégias de adaptação:
Fig. 18 - A função principal de um esporão é a
de reter a deriva litoral minimizando os
problemas de erosão costeira a barlamar da
estrutura (na costa ocidental, a N do esporão).
Devido à sua disposição transversal, os
esporões interrompem a deriva litoral (pelo
menos na fase inicial), o que induz acumulação
de areia a barlamar e, consequentemente,
confere proteção efetiva às construções aí
existentes.
Por outro lado, pela mesma razão, provocam
erosão suplementar a sotamar (na costa
ocidental, a S do esporão), o que,
normalmente, obriga à construção de outros
esporões. Por essa razão, nos trechos
costeiros intervencionados existem,
geralmente, campos de esporões, isto é,
conjuntos, maiores ou menores, de estruturas
deste tipo.
Geografia A _ Recursos marítimos
Pág. 20 de 20
Os autores do relatório:
defendem três estratégias de adaptação a aplicar na defesa do litoral, a
saber, relocalização (recuo planeado), proteção e acomodação.
Identificaram os troços da orla costeira que podem ser atingidos por
galgamento, inundação e erosão
Indicaram as causas de ordem humana responsáveis por estes riscos,
por um lado, obras de engenharia que influenciam as fontes de
sedimentos, por outro lado, a excessiva ocupação urbana em zonas
costeiras vulneráveis
Preveem o agravamento dos riscos devido às alterações climáticas
motivadas pelo aquecimento global, nomeadamente, com a subida do
nível médio das águas do mar
Apontam para duas soluções preferenciais para reduzir o risco costeiro:
alimentação artificial para redução da erosão e relocalização ordenando
a ocupação do espaço costeiro.
Se não tivessem destruído as dunas para construir casas se não tivessem ampliado o molhe do porto
para poderem sair ao mar com os vossos maravilhosos veleiros (a ria não chega!), nada disto
acontecia... E quando o mar galgar o que resta das dunas e chegar às casas, quem é que paga?
Fonte - Arcádia
Fig.19
Fig.20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
mariamoraisgeo
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
Tiago Lobao
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
Maria Adelaide
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºano
Idalina Leite
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
713773
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
Iga Almeida
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
Rosária Zamith
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
Ilda Bicacro
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
Rosária Zamith
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
Geografia .
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
Ilda Bicacro
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
Joana Marques
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
Ilda Bicacro
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
713773
 
A posição de Portugal
A posição de PortugalA posição de Portugal
A posição de Portugal
Idalina Leite
 

Mais procurados (20)

Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºano
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
 
A posição de Portugal
A posição de PortugalA posição de Portugal
A posição de Portugal
 

Semelhante a Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental

VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
Cláudio Carneiro
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Rita Oliveira
 
ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL  ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL
Cláudio Carneiro
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
CientistasMalucas
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
CientistasMalucas
 
A Gestão da Zona Costeira Portuguesa
A Gestão da Zona Costeira PortuguesaA Gestão da Zona Costeira Portuguesa
A Gestão da Zona Costeira Portuguesa
Cláudio Carneiro
 
Visita ao litoral norte guião de atividades
 Visita ao litoral norte guião de atividades Visita ao litoral norte guião de atividades
Visita ao litoral norte guião de atividades
Maria Manuela Torres Paredes
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
CientistasMalucas
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
CientistasMalucas
 
Gestao da zona_costeira
Gestao da zona_costeiraGestao da zona_costeira
Gestao da zona_costeira
Nuno Ratão
 
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL: UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL:  UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL:  UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL: UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
Cláudio Carneiro
 
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
Fátima Cunha Lopes
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
sshjj2
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
sshjj2
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
sshjj2
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
Maria Paredes
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
biomaniacas
 
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
Fernanda Luccas
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
Carla Domingos
 

Semelhante a Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental (20)

VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL  ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
A Gestão da Zona Costeira Portuguesa
A Gestão da Zona Costeira PortuguesaA Gestão da Zona Costeira Portuguesa
A Gestão da Zona Costeira Portuguesa
 
Visita ao litoral norte guião de atividades
 Visita ao litoral norte guião de atividades Visita ao litoral norte guião de atividades
Visita ao litoral norte guião de atividades
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
Gestao da zona_costeira
Gestao da zona_costeiraGestao da zona_costeira
Gestao da zona_costeira
 
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL: UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL:  UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL:  UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
RISCO DE EROSÃO NO LITORAL NORTE DE PORTUGAL: UMA QUESTÃO DE ORDENAMENTO DO ...
 
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
Parte X - Adaptação e Vulnerabilidade de Zonas Costeiras Urbanas a Mudanças C...
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017Retrato dos Jovens2017
Retrato dos Jovens2017
 

Último

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental

  • 1. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 1 de 20 Evolução do litoral português continental Apontamentos retirados da leitura do relatório elaborado pelo Grupo de Trabalho do Litoral, “Gestão da Zona Costeira – O Desafio da Mudança” Lisboa (ISBN: 978-989-99962-1-2)
  • 2. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 2 de 20 Na versão anterior da sebenta sobre o relevo litoral continental traçou-se um panorama exaustivo do que é o litoral, quais as caraterísticas que apresenta e a evolução que sofreu ao longo dos tempos até chegar à configuração atual. A leitura deste relatório sobre o litoral, disponível na internet, sugeriu-me que será útil extrair partes do seu texto de modo a melhorar o conhecimento que já temos sobre esta faixa do território continental. Isso mesmo é o que tentei fazer procurando não adulterar o sentido original, mas enveredando pelas adaptações que entendi adequadas ao nível de ensino da disciplina de Geografia A. Começamos pela Introdução, e retiremos o objetivo do trabalho: No âmbito do despacho nº6574/2014, de 20 de maio, foi constituído o Grupo de Trabalho para o Litoral (GTL) com o objetivo de “desenvolver uma reflexão aprofundada sobre as zonas costeiras, que conduza à definição de um conjunto de medidas que permitam, no médio prazo, alterar a exposição ao risco, incluindo nessa reflexão o desenvolvimento sustentável em cenários de alterações climáticas”. Desta nota, podemos extrair duas ideias chave: Que o litoral continua em formação e que as alterações climáticas ocupam um papel de destaque entre os fatores que contribuem para isso. Reconhecendo-se que as ações antrópicas são apontadas como responsáveis diretas pela aceleração das alterações climáticas, então, competirá à sociedade, isto é, a todos nós, contrariar as consequências que podem advir das opções erradas dos decisores políticos e/ou económicos. Mas, antes de prosseguirmos a consulta da introdução, de que falámos exatamente quando referimos a zona costeira, o litoral, orla costeira ou linha de costa? É indiferente a aplicação de qualquer um destes termos afins? Não exatamente segundo lemos no relatório datado de dezembro de 2014. Seguindo as definições propostas na Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira – ENGIZC: Zona costeira - é a porção de território influenciada direta e indiretamente, em termos biofísicos, pelo mar (ondas, marés, ventos, biota ou salinidade) e que tem, para o lado de terra, a largura de 2 km medida a partir da linha da máxima
  • 3. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 3 de 20 preia-mar de águas vivas equinociais e se estende, para o lado do mar, até ao limite das águas territoriais (até às 12 milhas), incluindo o leito Litoral - conjunto das porções de território que são influenciadas direta e indiretamente pela proximidade do mar Orla costeira - porção do território onde o mar, coadjuvado pela ação eólica, exerce diretamente a sua ação e que se estende, a partir da margem até 500 m, para o lado de terra e, para o lado do mar, até à batimétrica dos 30 m; Linha de costa - fronteira entre a terra e o mar, assumindo-se como referencial a linha da máxima preia-mar de águas vivas equinociais. Voltemos à introdução do relatório e selecionemos os traços essenciais da caraterização da zona costeira continental. Assim, retirámos que, esta faixa: Tem uma extensão aproximada de 987 km (da foz do rio Minho à foz do rio Guadiana). Apresenta uma grande diversidade litológica, morfológica, biológica e paisagística. Concentra 3/4 da população continental nos concelhos que a constituem. Contribui com cerca de 80% para o PIB do país através das atividades económicas que aqui se desenvolvem. Continua a atrair uma corrente migratória persistente, que faz aumentar a atividade económica, especialmente o turismo É palco de frequentes pressões e conflitos ambientais fruto do excesso de ocupação. Porque merece tanto interesse a zona costeira e o litoral em geral? Será apanágio só de Portugal ou é algo que afeta as zonas ribeirinhas à escala global? Fig.1 – Esquema exemplificativo dos conceitos associados ao de Zona costeira
  • 4. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 4 de 20 Uma fração importante da ocupação humana à escala mundial está situada no litoral, desde tempos remotos, devido às atividades de navegação, comércio e pescas. A partir de meados do século XIX as populações foram atraídas para o litoral por outras razões, relacionadas com os seus efeitos benéficos sobre a saúde, e também por ser um local privilegiado para uma grande variedade de atividades de lazer, desporto e turismo. Esta procura intensa valorizou imenso o território e as edificações situadas no litoral. Porém, desde meados do século XX, que se observam por todo o mundo, incluindo Portugal, fenómenos crescentes de erosão costeira resultantes em grande parte de desequilíbrios provocados por ações antrópicas. Este conflito será progressivamente agravado a médio (2050) e longo (2100) prazo pelas alterações climáticas. Criou-se assim uma situação de conflito crescente, em que se torna imperioso proteger o litoral para que os residentes, ou os que ali se deslocam periodicamente, possam continuar a usufruir dos seus benefícios e para que o território e as edificações em risco não se desvalorizem. (pág.7) Como se deduz deste pequeno excerto, o litoral e a zona costeira são áreas de densidade demográfica e económica que justificam uma atualização constante do seu conhecimento aprofundado do que nela se passa e antever o seu futuro. Comecemos, então, pelas causas da evolução da linha de costa. O seu aspeto depende de um conjunto alargado de fatores interativos, tais como: ondas, marés, correntes costeiras, nível médio do mar sobre-elevação meteorológica1 e regimes de precipitação e vento sedimentos (natureza, dimensão, disponibilidade) contexto geomorfológico (incluindo praias, arribas, estuários, lagoas e ilhas barreira) intervenção antrópica 1 A sobre-elevação do nível do mar com origem meteorológica é definida como a diferença entre o nível do mar observado e a altura da maré astronómica previsto. Como sabemos, as marés são induzidas pela atração da Lua e do Sol, principalmente. A sobre-elevação, “storm surge” é causada pelo vento e pela pressão atmosférica associados a perturbações frontais muito ativas. De forma simplificada, pode-se afirmar que a evolução da posição da linha de costa pode ser, em grande medida, explicada através da interação entre as ondas, o fornecimento sedimentar e as variações do nível médio relativo do mar Fig.2 – Esquema dos processos que condicionam a posição da linha de costa
  • 5. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 5 de 20 Destacando a subida do nível do mar, uma das consequências já diagnosticada como sendo um efeito direto das alterações climáticas, que soluções podem ser encaradas desde já? Para os autores há três tipos de Estratégias de adaptação: relocalização, acomodação e proteção em cenários de alterações climáticas, sendo que, na prática, as soluções escolhidas incluem frequentemente uma combinação das três estratégias. De forma sucinta o que significa cada uma delas? Relocalização – é a deslocalização dos usos e da ocupação para uma área mais afastada do litoral (usada quando falham a proteção e a acomodação) Acomodação – é a alteração da ocupação e das atividades humanas no litoral e a adaptação flexível das infraestruturas Proteção – é a manutenção, ou mesmo o avanço, da linha de costa por meio da alimentação artificial com sedimentos (areia e cascalho), com a construção de dunas artificiais ou, ainda, com a construção de estruturas rígidas tais como esporões, quebra-mares destacados e proteções longitudinais, por exemplo, diques. Fig.3 – As três estratégias de adaptação. Fonte: http://www.apambiente.pt/_zdata/DESTAQUES/2015/GTL_Relatorio Final_20150416.pdf Conhecidas as causas mais imediatas da evolução do litoral e as três estratégias apontadas como possíveis soluções, perguntemos, agora, o que mais tem influenciado a configuração da linha de costa? A variação do nível médio do mar (NMM): o há cerca de 18 000 anos, em pleno último máximo glaciar (UMG)  NMM entre 120 a 140 m abaixo do nível atual  posição da linha de costa algumas dezenas de quilómetros da atual
  • 6. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 6 de 20 o Entre os 18 000 e os 7 000 anos atrás, com o aumento geral da temperatura  degelo e consequente subida global do NMM  inundação dos vales e das terras baixas  configuração costeira mais recortada, com rias e estuários profundamente embutidos para o interior. Dominância do fornecimento sedimentar: o Há́ aproximadamente 3500 anos atrás, estabilização do NMM e padrão de circulação atmosférica sem grandes alterações  o balanço sedimentar influenciou a mobilidade da linha de costa  superavit sedimentar, costa migrou em direção ao mar  défice sedimentar, a linha de costa migrou em direção a terra (erosão/recuo).  assoreamento generalizado dos estuários, lagunas, golfos e rias. Tendência regressiva (recuo) do litoral facilitando “invasões do mar”: o A partir de finais do século XIX, geralmente relacionado com a redução do fornecimento sedimentar associado à atividade antrópica  construção de barragens (responsáveis pela retenção de mais de 80% dos volumes de areias antes transportadas pelos rios)  extração de inertes (areias) nos cursos de água e albufeiras  práticas agrícolas que visam a conservação do solo  construção de obras portuárias Como facilmente reconhecemos, o balanço sedimentar continua, hoje, a ser o principal responsável pela evolução da linha de costa, facto que vem dos finais do século XIX. Aliás, a nível comunitário, este balanço está de tal modo associado à erosão costeira que foi desenvolvido o projeto europeu Conscience. Fig.4 – Representação de uma célula sedimentar, uma unidade autónoma do ponto de vista sedimentar que permite gerir de forma coerente o balanço sedimentar, definido através da quantificação das entradas (fontes) e saídas (sumidouros) de sedimento da célula sedimentar
  • 7. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 7 de 20 Partindo do conceito de célula sedimentar, os autores do relatório delimitaram a orla costeira continental em 8 células e caraterizaram a situação atual de cada uma delas. Vejamos cada uma dessas células sedimentares. Célula 1 – Minho à Nazaré Subcélula 1a – Minho a Douro Subcélula 1b – Douro a cabo Mondego Subcélula 1c – Mondego à Nazaré Célula 2 – Nazaré a Peniche Célula 3 – Peniche a cabo Raso Célula 4 – cabo Raso a cabo Espichel Célula 5 – cabo Espichel a Sines Célula 6 – Sines a cabo S. Vicente Célula 7 – cabo S. Vicente a Olhos de Água (Barlavento algarvio) Célula 8 – Olhos de Água a foz do rio Guadiana (Sotavento) Fig. 5 – Geomorfologia simplificada do litoral português e divisão em células sedimentares
  • 8. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 8 de 20 Célula 1 – Foz do rio Minho à Nazaré Subcélula 1a – Foz do rio Minho à foz do rio Douro Fig.5 Caraterísticas principais: costa rochosa e baixa com orientação NNW-SSE numerosas praias de areia e cascalho pequenos tômbolos enraizados em afloramentos graníticos (Maciço Antigo) planície litoral que corresponde a uma plataforma de abrasão, por vezes, coberta por dunas (regressão marinha) Situação atual: acentuada redução no fornecimento sedimentar potenciada pela intensa atividade antrópica no litoral e nas bacias hidrográficas (construção de barragens com diminuição significativa do caudal sólido arenoso transportado pelos rios até à foz) tendência de erosão, consequentemente recuo generalizado das praias arenosas existência de numerosas obras rígidas de engenharia costeira (paredões e esporões) para contrariar a situação, logo, crescente artificialização da linha de costa numerosas operações de dragagem e extração de sedimentos realizadas no domínio hídrico numa combinação que tem levado a que, o estuário de alguns
  • 9. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 9 de 20 rios passasse, na prática, a funcionar como sumidouro (escoadouro) sedimentar. Subcélula 1b – Foz do rio Douro ao cabo Mondego Fig.6 Caraterísticas principais: troço norte, da foz do Douro até Espinho, costa rochosa e baixa de orientação NNW-SSE troço central de orientação NNE-SSW (orientação alpina), mais extenso, de costa arenosa e baixa, com extensas praias lineares limitadas por dunas interrompidas pela barra de Aveiro; integra o cordão litoral que separa a laguna de Aveiro do oceano troço sul em arriba marginado por praia e que termina no cabo Mondego (constitui uma barreira natural ao transporte sedimentar) Situação atual: défice sedimentar extremamente elevado a sul da foz do rio Douro forte erosão do litoral a sul de Espinho (recuo médio de 3m/ano entre Maceda e Torrão do Lameiro entre 1958-2010) progradação da linha de costa (aumento da largura da praia) a sul da Torreira elevada estabilidade da praia a sul da praia de Mira
  • 10. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 10 de 20 Subcélula 1c – Cabo Mondego à Nazaré Fig.7 Caraterísticas principais: costa rochosa talhada em arriba e com presença de plataforma de abrasão imediatamente a sul do cabo Mondego praia arenosa a norte da barra do Mondego por efeito de acumulação a barlamar2 do molhe do porto da Figueira da Foz recuo da linha de costa a sotamar do molhe litoral baixo, arenoso e retilíneo a sul da Figueira da Foz com orientação NNE- SSW (orientação alpina) costa de arriba a sul de S. Pedro de Moel costa arenosa a norte do promontório da Nazaré sumidouro a coincidente com o canhão da Nazaré. 2 A construção de estruturas pesadas de engenharia, tais como molhes e esporões, perpendiculares à linha de costa, são, atualmente, considerados verdadeiros desastres como solução para obstar ao avanço do mar. Como a deriva litoral tem uma orientação N/S, paralela à linha de costa, a barlamar (parte a norte das estruturas, mais batida pela deriva) regista-se sedimentação, ao passo que, a sotamar (parte a sul das estruturas, abrigada da deriva) vai verificar-se avanço do mar e consequente erosão.
  • 11. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 11 de 20 Situação atual: sedimentação volumosa a sul do cabo Mondego retenção sedimentar a barlamar do molhe norte da barra do Mondego com crescimento excecional da praia da Figueira da Foz erosão acentuada na costa a sotamar da Figueira da Foz subtração de enorme volume sedimentar na canhão da Nazaré (sumidouro) Fig.8 – Praia de Ofir: resultado da construção de um esporão para proteção das Torres de Ofir. Sedimentação a barlamar e erosão a sotamar. Fig.9 – Esquema que mostra o que sucede, frequentemente, com a edificação de estruturas fixas perpendiculares à linha de costa. Para resolver a erosão causada pelo primeiro esporão construído cria-se novo esporão e, assim, sucessivamente. Para além das alterações na linha de costa é-se confrontado com custos de construção e manutenção elevadíssimos. Donde, a discussão que se mantém acesa sobre este tipo de soluções. Fonte das imagens - lugar-pedrinhas.blogspot.pt
  • 12. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 12 de 20 Célula 2 – Nazaré a Peniche Fig.10 Caraterísticas principais/ situação atual: Litoral de orientação NE-SW (orientação alpina) Costa de arribas a norte da lagoa de Óbidos Praias lineares, geralmente estreitas, a sul da lagoa de Óbidos Concha de S. Martinho, um dos acidentes mais caraterísticos da costa ocidental Sumidouros significativos desempenhados pela lagoa de Óbidos e pelo sistema dunar de Peniche Fraca influência antrópica no processo de sedimentação. Fig. 11 Lagoa de Óbidos (Reparemos na costa de arriba a N da lagoa, o cordão em frente ao sumidouro, a própria lagoa)
  • 13. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 13 de 20 Célula 3 – Peniche a cabo Raso Fig.12 Caraterísticas principais/situação atual: Costa geralmente em arriba, calcária, de orientação sensivelmente N-S Numerosas praias encaixadas, as mais largas e curtas na dependência das fozes de linhas de água, as estreitas e extensas associadas a promontórios naturais que contribuem para a retenção de sedimentos Sumidouro principal associado ao sistema dunar do Guincho Fig.13 – Cabo Raso, concelho de Cascais
  • 14. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 14 de 20 Célula 4 – Cabo Raso a cabo Espichel Caraterísticas principais/situação atual: Litoral em arriba entre o cabo Raso e Carcavelos Praias encaixadas e abrigadas da agitação de NW de pequena dimensão Costa arenosa e contínua da Costa da Caparica até à praia das Bicas Das Bicas até ao cabo Espichel, costa em arriba viva em rochas calcárias Pequenas praias encaixadas de areia e cascalho Presença de várias estruturas costeiras – esporões e paredões – para combater o processo de erosão iniciado no segundo quartel do século XX no litoral da Costa da Caparica Fornecimento de areia garantido pelo corredor eólico do Guincho, antes, ativo Enorme défice sedimentar, atualmente, em parte devido a extrações e dragagens muito volumosas desde os anos 40 do século XX Alguma diminuição do risco costeiro obtida com recurso a operações de alimentação artificial.
  • 15. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 15 de 20 Célula 5 – Cabo Espichel a Sines Caraterísticas principais/situação atual Costa em arribas altas entre o cabo Espichel e a foz do rio Sado Pequenas praias encaixadas Costa arenosa, contínua, entre a foz do rio Sado e Sines Lagoas costeiras de Melides, Sancha e Santo André Fornecimento sedimentar quase exclusivamente sustentado pela erosão das arribas da costa da Galé (entre a praia do Carvalhal e a lagoa de Melides) Fig.14 – Sines: Praia do Cerro da Águia (pequena praia encaixada numa costa rochosa)
  • 16. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 16 de 20 Célula 6 – De Sines a Cabo de São Vicente Caraterísticas principais/situação atual: Costa em arribas, geralmente altas, no contacto entre o mar e rochas da Meseta Ibérica, muito antigas e resistentes Numerosas praias de areias e cascalho e de largura reduzida Costa de direção N-S Cabedelos formados nas desembocaduras das linhas de água Principais sumidouros: sistemas dunares que se desenvolvam na foz das principais linhas de água. Fig.15 – Foz do rio Mira: forte acumulação sedimentar
  • 17. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 17 de 20 Célula 7 – Cabo de São Vicente a Olhos de Água (Barlavento Algarvio) Caraterísticas principais/situação atual: Costa em arribas talhadas em rochas calcárias Praias formadas entre promontórios resistentes Frequentes leixões, arcos e algares Sedimentação deficitária Fig.16 – Cabo de S. Vicente: arribas vigorosas no contacto do mar com rochas calcárias Fig.17 – Armação de Pera: forte sedimentação num cordão a separar o mar de um sistema lagunar
  • 18. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 18 de 20 Célula 8 – Olhos de Água à foz do rio Guadiana Caraterísticas principais/situação atual: Costa arenosa fruto de forte acumulação, dominada pelo sistema de ilhas-barreira da ria Formosa e pela planície costeira da Manta Rota – Vila Real de Stº António Adaptação na zona costeira (pág. 231) Algumas notas retiradas deste item da obra consultada: A ocupação do litoral em Portugal continental é um fenómeno recente A reduzida ocupação do litoral no passado justificava-se por duas razões principais: tempestades mais danosas nas zonas baixas e arenosas e atos de pirataria que tornavam inseguros os territórios ribeirinhos Exemplos de modificações em costa arenosa são os aglomerados populacionais da região Centro entre Ovar e Marinha Grande – 2, Buarcos e Figueira da Foz (ambos assentes em estrato rochoso), são anteriores ao século XX, e, 16, são posteriores e todos em áreas arenosas. Ovar, Ílhavo, Vagos, Mira, Cantanhede, Pombal, Leiria e Marinha Grande são sedes de concelho que se localizam fora da atual orla costeira de sedimentação recente.
  • 19. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 19 de 20 Um exemplo do risco a que está sujeito o nosso litoral é o que se passou em Espinho, em particular, entre o final do século XIX e o início do século XX, uma sucessão de intensos galgamentos que destruíram parte da frente de mar Para alguns especialistas, as investidas de mar foram consequência das obras de construção do porto artificial de Leixões e foz do Douro Os dois primeiros esporões transversais (distanciados entre si 90 m) construídos no país foram, exatamente, em 1911 em Espinho Foi no século XX até à década de sessenta, que foram construídas a maioria das grandes barragens e arrancaram ou consolidaram os trabalhos nos principais portos nacionais, conjunto de obras de engenharia que inverteram drasticamente o ciclo sedimentar nas bacias hidrográficas e nas áreas portuárias devido ao volume de dragagens efetuadas, com reflexos negativos na evolução do litoral Igualmente negativo é o período de tempo a partir da década de 70, do século XX, com uma ocupação urbana progressiva da faixa litoral Isto é, além da ação da Natureza, a erosão costeira tem origem predominantemente antrópica: 90% do recuo da linha de costa do nosso litoral Contudo, o que se tem verificado é uma opção que tem privilegiado a defesa da ocupação humana junto ao mar Construção de esporões de forma progressiva tem conduzido a uma artificialização crescente e corresponde a uma atuação reativa em vez de se optar por uma política de planeamento prospetivo. há essencialmente três estratégias de adaptação: Fig. 18 - A função principal de um esporão é a de reter a deriva litoral minimizando os problemas de erosão costeira a barlamar da estrutura (na costa ocidental, a N do esporão). Devido à sua disposição transversal, os esporões interrompem a deriva litoral (pelo menos na fase inicial), o que induz acumulação de areia a barlamar e, consequentemente, confere proteção efetiva às construções aí existentes. Por outro lado, pela mesma razão, provocam erosão suplementar a sotamar (na costa ocidental, a S do esporão), o que, normalmente, obriga à construção de outros esporões. Por essa razão, nos trechos costeiros intervencionados existem, geralmente, campos de esporões, isto é, conjuntos, maiores ou menores, de estruturas deste tipo.
  • 20. Geografia A _ Recursos marítimos Pág. 20 de 20 Os autores do relatório: defendem três estratégias de adaptação a aplicar na defesa do litoral, a saber, relocalização (recuo planeado), proteção e acomodação. Identificaram os troços da orla costeira que podem ser atingidos por galgamento, inundação e erosão Indicaram as causas de ordem humana responsáveis por estes riscos, por um lado, obras de engenharia que influenciam as fontes de sedimentos, por outro lado, a excessiva ocupação urbana em zonas costeiras vulneráveis Preveem o agravamento dos riscos devido às alterações climáticas motivadas pelo aquecimento global, nomeadamente, com a subida do nível médio das águas do mar Apontam para duas soluções preferenciais para reduzir o risco costeiro: alimentação artificial para redução da erosão e relocalização ordenando a ocupação do espaço costeiro. Se não tivessem destruído as dunas para construir casas se não tivessem ampliado o molhe do porto para poderem sair ao mar com os vossos maravilhosos veleiros (a ria não chega!), nada disto acontecia... E quando o mar galgar o que resta das dunas e chegar às casas, quem é que paga? Fonte - Arcádia Fig.19 Fig.20