SlideShare uma empresa Scribd logo
 
                                                Escola Secundária de Ermesinde
                                            Geografia A‐ 10º Ano – Teste de Avaliação 
                                                                              
    Ano Lectivo 2010/2011                                                                                                    1 de fevereiro de 2021 
    Nome: _________________________________________________________ Nº: _________ Turma: I 
 
    Encarregado de Educação: ____________________________________________________________ 
 
                                                                                                 Classificação: _____________________ 
 
                                                                                                 O Professor:   ______________________
 
                                                                       TESTE A 
                                                                        
                                                                 Recomendações 
‐ Leia atentamente todo o enunciado.                                              
‐ O teste é constituído por sete páginas, divididas em dois grupos I e II. 
                                                      
‐ Identifique claramente todas as respostas. Na sua elaboração deve ter em conta: 
                                                   
            ‐ a objectividade e a capacidade de síntese; 
                                                                                  
            ‐ a coerência e a relevância das ideias; 
                                                                                  
            ‐ a correcção linguística (ortografia, pontuação, acentuação e construção frásica) e científica. 
                                                             
            ‐  nos  itens  de  resposta  aberta  com  cotação  igual  ou  superior  a  15  pontos,  cerca  de  10%  da 
                                                       
            cotação é atribuída à comunicação em língua portuguesa. 
‐ Durante o teste de avaliação deverá haver silêncio absoluto. 
                                                    
‐ Este teste terá a duração de sessenta minutos.   

 
                                                                         Cotações: 
                                                                             
                            Grupo I                                     Grupo II  
                 1.1        10 pontos             1.1        10 pontos               3.2      10 pontos  
                 1.2        10 pontos             1.2        10 pontos               3.3      10 pontos               
                 1.3        10 pontos             1.3     10 pontos      3.4 
                                                                                              15 pontos 
                 2.         10 pontos             1.4        10 pontos     4.1                10 pontos              Total 200 pontos 
                                                                                  
                 2.1          5 pontos            2.         25 pontos               4.2        5 pontos 
                                                                                  
                 3.         25 pontos             (2.1, 2.2, 2.3, 2.4 e 2.5)  4.3               5 pontos 
                                                                                  
                 (3.1, 3.2, 3.3, 3.4 e 3.5)  3.1             10 pontos 
                                                                                  
 
                                                                  Bom trabalho
                                                                        
                                                                                                                                                       1
Grupo I 
    1 O gráfico 1 representa a evolução do valor da produção da indústria extrativa, por subsetor, 
       em Portugal. 
                                                                                        Gráfico 1
 
 
 
 
 
 
 
 
    1.1 Indique os dois subsectores que têm vindo a assumir uma crescente importância económica, 
        no contexto da indústria extrativa. 
        Subsectores das rochas industriais e das rochas ornamentais. 
    1.2  Mencione a localização das principais jazidas de rochas ornamentais, relacionando‐a com as 
        unidades geomorfológicas que constituem o território nacional. 
       A maior jazida de mármore localiza-se na faixa Estremoz/Borba/Vila Viçosa, no Maciço Antigo.
       O granito, extraído para fins ornamentais, explora-se também no Maciço Antigo, mas as jazidas
       podem encontrar-se por todo o território continental, em especial no Centro e no Norte.
    1.3  Explique a evolução verificada no valor da produção do subsector das águas. 
       O subsector das águas tem conhecido um crescimento extraordinário, como resultado do aumento
       do consumo. Esta situação deve-se fundamentalmente à mudança de comportamento da
       população, que se deve à modificação dos hábitos alimentares, falta de confiança na qualidade da
       água da rede pública e, ainda, à melhoria do nível de vida.
_______________________________________________________________________ 
    2. Assinale, na folha de teste, com verdadeiro (V) ou falso (F) as seguintes afirmações.  
    2.1 Corrija as afirmações falsas. 
        
    A. O  subsector  dos  minerais  energéticos  apresenta  o  maior  valor  de  produção  da  indústria 
       extrativa portuguesa.  
    F ‐  A produção de minerais energéticos é escassa e sem representatividade no contexto da indústria
    extrativa portuguesa.
    B. O ferro constitui uma matéria‐prima fundamental para a indústria siderúrgica. ‐ V 
    C. Portugal é o maior produtor de cobre da União Europeia. ‐ V 
    D. O  Maciço  Antigo  constitui  a  unidade  geomorfológica  de  Portugal  continental  mais  rica  em 
       recursos minerais. ‐ V 
                                                                                                         2
E. As  rochas  industriais  mais  exploradas  em  Portugal  são  as  areias,  as  argilas  e  o  calcário 
         sedimentar. ‐ V 
      F. A exploração de mármore é especialmente relevante na faixa Beja‐Évora‐Portalegre. 
         F ‐ A exploração de mármore é especialmente relevante na faixa Estremoz-Borba-Vila Viçosa. 
      G. A exploração de água é especialmente importante no Norte de Portugal. ‐ V 
      H. Atualmente, o volfrâmio é explorado nas minas da Urgeiriça. 
         F ‐ O volfrâmio explora-se, atualmente, nas minas da Panasqueira. 
      I. O urânio pode classificar‐se como um recurso mineral não metálico. 
         F ‐ O urânio classifica-se como um mineral energético. 
      J. A exploração de carvão tem vindo a aumentar nos últimos anos em Portugal. 
         F – Em Portugal não se explora carvão desde 1994, ano em que encerraram as minas do Pejão. 
          
      3. O mapa da figura 2 mostra 
         a localização das principais 
         minas  e  jazidas  minerais, 
         em Portugal continental. 
 
3.1  Os  minérios  existentes  nas 
minas e nas jazidas assinaladas no 
mapa  da  figura  2  classificam‐se 
como... 
A.  recursos  energéticos  e  minerais  não 
metálicos.         
B.  rochas  ornamentais  e  minerais  não 
metálicos. 
C.  rochas  ornamentais  e  minerais 
metálicos.         

D.      recursos      energéticos        e 
minerais metálicos. 
 
3.2  O  investimento  que,  nos  Figura 1
últimos  anos,  se  realizou  no  setor 
mineiro  em  Portugal  deveu‐se, 
sobretudo, à... 
A. valorização dos minérios nos mercados internacionais. 

                                                                                                              3
B. descoberta de novos minérios e de novas jazidas de grande dimensão. 
C. melhoria das condições de trabalho oferecidas aos trabalhadores do setor mineiro. 
D. criação de novas indústrias nacionais que utilizam os minérios explorados. 

 
3.3 A dinâmica registada, nos últimos anos, no setor mineiro contribui para o desenvolvimento das 
regiões onde se localizam as minas, porque... 
A. resolve, a médio prazo, os problemas ambientais associados às minas abandonadas. 
B. reduz a dependência energética do país, relativamente aos combustíveis fósseis. 
C. valoriza, significativamente, as paisagens agrícolas tradicionais consideradas património nacional. 

D. favorece o aparecimento de atividades relacionadas com a exploração das minas. 
 
3.4 Para atenuar os impactos ambientais resultantes da atividade mineira, deve‐se... 
A. investir na qualificação profissional dos mineiros. 

B. executar corretamente os planos de recuperação. 
C. depositar os resíduos perigosos nas pedreiras desativadas. 
D. melhorar a acessibilidade nas áreas envolventes. 

 
3.5 Algumas minas portuguesas cuja atividade foi encerrada por falta de viabilidade económica têm 
sido alvo de intervenção, com o objetivo de minimizar o impacto ambiental, e ainda de... 
A. assegurar as condições de exploração das jazidas, melhorando a qualidade de vida da população. 
B. aumentar a profundidade das perfurações com recurso a novas tecnologias, viabilizando a atividade mineira. 
C. contribuir para que haja a reposição dos recursos do subsolo, garantindo a sua utilização futura. 

D. melhorar as condições de vida da população, através da reconversão das minas para o turismo. 
_______________________________________________________________________ 
                                                          Grupo II 
    1. Leia atentamente o texto 1. 


                                                                                                           Texto 1




 
    1.1 Apresente dois fatores explicativos do elevado número de horas de Sol na Amareleja. 
         A resposta deve apresentar dois dos seguintes fatores explicativos do número de horas de Sol,
         ou outros considerados relevantes:

                                                                                                                     4
• a localização em latitude implica que a região seja pouco afetada pela passagem das
   superfícies frontais e pela nebulosidade que lhes está associada;
   • a localização interior reduz a influência marítima, o que diminui a nebulosidade;
   • o relevo aplanado não favorece a formação de nuvens.

1.2 Mencione uma vantagem e uma desvantagem da produção de energia elétrica a partir de 
   centrais fotovoltaicas. 
   A resposta deve mencionar uma das seguintes vantagens e uma das seguintes desvantagens da
   produção de energia elétrica a partir de centrais fotovoltaicas, ou outras consideradas
   relevantes.
   • Vantagens:
   – recurso a uma fonte de energia renovável;
   – recurso a uma fonte de energia não poluente;
   – utilização de uma fonte de energia endógena.
   • Desvantagens:
   – a produção de energia depende das condições climáticas;
   – a implantação dos painéis solares tem grande impacto visual;
   – o tempo de vida útil das células fotovoltaicas é limitado.
    
1.3 Refira duas consequências, na demografia regional, resultantes de iniciativas como as que 
   constam dos documentos. 
   A resposta deve referir duas das seguintes consequências na demografia regional, ou outras
   consideradas relevantes:
   • atracão de mão-de-obra;
   • diminuição do envelhecimento populacional;
   • fixação da população ao nível regional;
   • aumento da população residente. 
    
1.4 Justifique a necessidade de desenvolvimento de projetos como os ilustrados nos documentos, 
   considerando: 
   ‐ as metas da política energética europeia; 
   ‐ os impactos na balança comercial portuguesa. 
   A resposta deve justificar a necessidade de desenvolvimento de projetos como os ilustrados
   nos documentos, considerando os seguintes pontos:
   • o cumprimento das metas estabelecidas pela política energética europeia, em consequência da
   assinatura do Protocolo de Quioto, que implica o aumento da produção de energia a partir de
   fontes renováveis, contribuindo, assim, para a diminuição das emissões de gases de efeito de
   estufa;
   • a atenuação do desequilíbrio da balança comercial, agravada pela evolução do preço do
   petróleo, o que implica uma maior utilização de recursos energéticos endógenos, diminuindo,
   assim, a dependência externa do país face à importação dos combustíveis de origem fóssil.




                                                                                                 5
2. O mapa da figura 1 mostra a distribuição, em Portugal continental, dos valores médios anuais 
          do número de horas de sol, no período 1931‐1960. 
 
2.1  De  acordo  com  a  informação 
constante  na  figura  2,  as  duas 
áreas        que,      em       Portugal 
continental,  têm  maior  potencial 
para  a  obtenção  de  energia 
térmica  e  de  energia  elétrica,  a 
partir da energia solar, localizam‐
se no... 
A. litoral algarvio e na bacia do Douro. 
B. litoral a norte de Lisboa e na bacia do 
Douro. 

C.  litoral  algarvio  e  na  bacia  do 
Guadiana. 
D. litoral a norte de Lisboa e na bacia do 
Guadiana. 

 
2.2. Em Portugal continental, dois 
                                              Figura 2
dos principais fatores explicativos 
da  diferenciação  norte‐sul,  que  a 
figura 1 mostra, são a... 
A. latitude e as características do relevo.                   B. continentalidade e a exposição geográfica. 
C. latitude e a exposição geográfica.                         D. continentalidade e as características do relevo. 

 
2.3  Os  processos  que  explicam  a  diferença  entre  a  energia  solar  recebida  no  limite  superior  da 
atmosfera e a energia que chega à superfície terrestre são a... 
A. radiação solar, a radiação difusa e a radiação direta. 

B. absorção, a reflexão e a difusão. 
C. radiação terrestre, a radiação difusa e a reflexão. 
D. radiação terrestre, a difusão e a absorção. 

 
2.4  A  maior  quantidade  de  energia  solar  recebida  na  superfície  terrestre,  no  hemisfério  norte, 
durante os meses de Maio, Junho e Julho, deve‐se a uma... 
 
                                                                                                                     6
A. menor massa de atmosfera atravessada pelos raios solares e a uma menor duração do dia natural. 
B. maior massa de atmosfera atravessada pelos raios solares e a um menor ângulo de incidência desses raios. 
C. menor duração do dia natural e a um maior ângulo de incidência dos raios solares. 

D.  maior  duração  do  dia  natural  e  a  uma  menor  massa  de  atmosfera  atravessada  pelos  raios 
solares. 
 
2.5  Os  valores  de  insolação  anual  registados  na  área  assinalada  com  a  letra  A,  relativamente  ao 
restante território nacional, explicam‐se pela ocorrência de... 
A.  menor  nebulosidade,  devido  à  menor  frequência  da  passagem  da  frente  polar  e  à  temperatura  média  anual  mais 
elevada. 
B. maior nebulosidade, devido à orientação do relevo e à temperatura média anual mais elevada. 

C. maior nebulosidade, devido à orientação do relevo e à maior altitude. 
D. menor nebulosidade, devido à maior altitude e à menor frequência da passagem da frente polar. 

___________________________________________________________________________________ 
    3. A  figura  mostra  a  distribuição,  através  das  isotérmicas,  da  temperatura  média  anual  em 
         Portugal continental. 
 
    3.1 Defina linha isotérmica. 
         Linha que une pontos de igual
         temperatura média.
          
    3.2 Descreva  a  distribuição  da 
         temperatura  média  anual  em 
         Portugal continental. 
         A distribuição da temperatura
         média anual é irregular.
         Aumenta de norte para sul, do
         litoral para o interior e diminui
         com a altitude.
         
    3.3 Explique  de  que  forma  a 
         latitude  representa  um  dos 
         fatores  geográficos  mais  importantes  na  distribuição  da  temperatura  média  anual  em 
         Portugal continental. 
         A latitude constitui um dos principais fatores que condicionam a distribuição da temperatura
         devido à inclinação com que os raios solares atingem a superfície terrestre. Assim, quanto maior a
         latitude do lugar, maior é a inclinação dos raios solares, facto que faz aumentar o espaço
         atmosférico atravessado pela radiação, aumentando, dessa forma, a absorção de energia pelos
         gases que compõem essa camada, o que se traduz em menores valores de temperatura junto ao

                                                                                                                             7
solo. Por outro lado, com o aumento da inclinação dos raios, aumenta, também, a superfície a
        aquecer, que se vai traduzir numa dispersão da energia, logo, em menores valores de
        temperatura.
         
    3.4 Elabore um pequeno texto onde aborde a importância e a pertinência do aproveitamento da 
        energia solar, num país com as características de Portugal. 
        No texto elaborado deve ser feita referência:
        – à incidência anual de radiação solar em Portugal, isto é, ao número de horas de sol por ano;
        – às aplicações da energia solar (produção de calor e produção de eletricidade);
        – à caracterização da energia solar como uma energia renovável e alternativa às energias fósseis;
        – às vantagens da utilização das energias renováveis;
        – à importância da utilização de energias alternativas num país como o nosso (diminuição da
        dependência externa; reequilíbrio da balança comercial; diminuição da poluição…).
 
    4. Leia atentamente o texto 2. 

                                                                                                    Texto 2  
    O turismo balnear 
    A  procura  turística  em  Portugal  continental  concentra‐se  em  duas  regiões  determinantes  – 
    Algarve e Lisboa. Fora deste território, a ilha da Madeira tem no turismo o principal suporte da 
    sua economia, graças a uma imagem de qualidade já consolidada, ao clima ameno ao longo do 
 
    ano e à excelência da sua qualidade paisagística, onde importa destacar os valores naturais. No 
    seu conjunto, estas três áreas reúnem mais de 2/3 da capacidade de alojamento nacional, com 
    destaque  para  a  Madeira  que,  em  2002,  registou  a  mais  elevada  taxa  de  ocupação  dos 
    estabelecimentos  hoteleiros  a  nível  nacional  e  um  dos  maiores  valores  em  relação  à  estadia 
 
    média  de  turistas.  O  seu  parque  hoteleiro  destaca‐se  pela  grande  qualificação  e  pelo 
    correspondente volume de receitas que é capaz de gerar, independentemente da sazonalidade.
    A  aposta  no  turismo  balnear  tem  vindo  a  modificar  por  completo  a  região  do  Algarve,  que 
    concentra uma grande parte da oferta e procura turística do nosso país e se mantém, até hoje, 
    como  o  principal  destino  estival  para  os  portugueses  e  para  os  turistas  estrangeiros 
 
    provenientes  maioritariamente  de  vários  países  europeus.  Esta  situação,  que  foi  responsável 
    por um forte dinamismo económico na região, teve como contrapartida problemas graves de 
    ordenamento  territorial,  fruto  de  uma  construção  desenfreada,  pouco  planeada  e  que  se 
    traduziu  numa  grave  descaracterização  da  paisagem,  com  a  evidente  perda  de  qualidade 
 
    ambiental que, atualmente, também é responsável pelo declínio do poder de atração turística 
    que  esta  região  começa  a  demonstrar,  muito  embora  continue  sendo  o  principal  destino 
    turístico português, e tenha mais de quatro dezenas de praias a hastear a bandeira azul. 

 
                                                      Fonte: http://www.igeo.pt/atlas/Cap3/Cap3e_1.html
 
 
 
 


                                                                                                               8
4.1 Relacione  o  desenvolvimento  do  turismo  em  Portugal  com  as  condições  de  radiação  solar 
       existentes. 
       No texto elaborado deve ser feita referência:
       - a localização das principais regiões turísticas em Portugal;
       - a posição geográfica de Portugal no contexto europeu;
       - a radiação solar anual em Portugal.
        
    4.2 Apresente os locais do território português com maior potencial turístico balnear. 
       Lisboa, Algarve e Madeira. 
        
    4.3 Indique  em  que  medida  o  turismo  é  um  instrumento  de  desenvolvimento  económico  para 
       Portugal. 
       No texto elaborado deve ser feita referência:
       - às várias vertentes do turismo como fator de desenvolvimento económico;
       - a radiação solar anual em Portugal e a sua relação com o turismo balnear;
       - ao texto no que diz respeito à economia e ao turismo.
 
 
                                                       Bom Trabalho          O professor Carlos Ferreira 




                                                                                                        9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
IsabelVieira2093
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Carlos Ferreira
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
Graça Gomes
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
manjosp
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
Ministério da Educação
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
gracacruz
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Catarina Castro
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
Celina Medeiros
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
Rosária Zamith
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Fatima Mendonca
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 

Mais procurados (20)

teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 

Destaque

10ºano ficha1
10ºano ficha110ºano ficha1
10ºano ficha1
Geografias Geo
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
Victor Veiga
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1
maria goncalves
 
Posicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundoPosicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundo
Ilda Bicacro
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
inessalgado
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Ficha de trabalho de história e geografia atividade 1 - com as alterações d...
Ficha de trabalho de história e geografia   atividade 1 - com as alterações d...Ficha de trabalho de história e geografia   atividade 1 - com as alterações d...
Ficha de trabalho de história e geografia atividade 1 - com as alterações d...
antoniopedropinheiro
 
Ficha de trabalho de geografia
Ficha de trabalho de geografiaFicha de trabalho de geografia
Ficha de trabalho de geografia
rakeloliveiraborges
 
2º Teste - Correcção
2º Teste - Correcção2º Teste - Correcção
2º Teste - Correcção
Mayjö .
 
Diagnóstico7
Diagnóstico7Diagnóstico7
Diagnóstico7
Mayjö .
 
Correção teste nº 1 versão a
Correção teste nº 1   versão aCorreção teste nº 1   versão a
Correção teste nº 1 versão a
Gina Espenica
 
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
educationinmotion10
 
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
Mayjö .
 
Teste 2 - correcção
Teste 2 - correcçãoTeste 2 - correcção
Teste 2 - correcção
Mayjö .
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Linda Pereira
 
Ficha de avaliação população convertido
Ficha de avaliação   população convertidoFicha de avaliação   população convertido
Ficha de avaliação população convertido
Linda Pereira
 
Teste 1 - Correcção
Teste 1 - CorrecçãoTeste 1 - Correcção
Teste 1 - Correcção
Mayjö .
 
1º Teste 2
1º  Teste 21º  Teste 2
1º Teste 2
Mayjö .
 
1º Teste 3
1º Teste 31º Teste 3
1º Teste 3
Mayjö .
 
Teste 3
Teste 3 Teste 3
Teste 3
Mayjö .
 

Destaque (20)

10ºano ficha1
10ºano ficha110ºano ficha1
10ºano ficha1
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
 
10º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v110º ano teste janeiro_2015_v1
10º ano teste janeiro_2015_v1
 
Posicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundoPosicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundo
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Ficha de trabalho de história e geografia atividade 1 - com as alterações d...
Ficha de trabalho de história e geografia   atividade 1 - com as alterações d...Ficha de trabalho de história e geografia   atividade 1 - com as alterações d...
Ficha de trabalho de história e geografia atividade 1 - com as alterações d...
 
Ficha de trabalho de geografia
Ficha de trabalho de geografiaFicha de trabalho de geografia
Ficha de trabalho de geografia
 
2º Teste - Correcção
2º Teste - Correcção2º Teste - Correcção
2º Teste - Correcção
 
Diagnóstico7
Diagnóstico7Diagnóstico7
Diagnóstico7
 
Correção teste nº 1 versão a
Correção teste nº 1   versão aCorreção teste nº 1   versão a
Correção teste nº 1 versão a
 
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
Ficha de recuperação de Geografia - 7º Ano
 
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
2º Teste _Nov_7ºAno_correcção
 
Teste 2 - correcção
Teste 2 - correcçãoTeste 2 - correcção
Teste 2 - correcção
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
 
Ficha de avaliação população convertido
Ficha de avaliação   população convertidoFicha de avaliação   população convertido
Ficha de avaliação população convertido
 
Teste 1 - Correcção
Teste 1 - CorrecçãoTeste 1 - Correcção
Teste 1 - Correcção
 
1º Teste 2
1º  Teste 21º  Teste 2
1º Teste 2
 
1º Teste 3
1º Teste 31º Teste 3
1º Teste 3
 
Teste 3
Teste 3 Teste 3
Teste 3
 

Mais de Carlos Ferreira

Correção Teste 5
Correção Teste 5Correção Teste 5
Correção Teste 5
Carlos Ferreira
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
Carlos Ferreira
 
Geografia rh conceitos
Geografia rh conceitosGeografia rh conceitos
Geografia rh conceitos
Carlos Ferreira
 
áGua e estado de tempo
áGua e estado de tempoáGua e estado de tempo
áGua e estado de tempo
Carlos Ferreira
 
Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)
Carlos Ferreira
 
Resumos
ResumosResumos
Notas trab população
Notas trab populaçãoNotas trab população
Notas trab população
Carlos Ferreira
 
Notas trab população
Notas trab populaçãoNotas trab população
Notas trab população
Carlos Ferreira
 
Resumos
ResumosResumos
Geografia 10 trab_população
Geografia 10 trab_populaçãoGeografia 10 trab_população
Geografia 10 trab_população
Carlos Ferreira
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
Carlos Ferreira
 
Correção do teste Diagnóstico
Correção do teste DiagnósticoCorreção do teste Diagnóstico
Correção do teste Diagnóstico
Carlos Ferreira
 

Mais de Carlos Ferreira (12)

Correção Teste 5
Correção Teste 5Correção Teste 5
Correção Teste 5
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
 
Geografia rh conceitos
Geografia rh conceitosGeografia rh conceitos
Geografia rh conceitos
 
áGua e estado de tempo
áGua e estado de tempoáGua e estado de tempo
áGua e estado de tempo
 
Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Notas trab população
Notas trab populaçãoNotas trab população
Notas trab população
 
Notas trab população
Notas trab populaçãoNotas trab população
Notas trab população
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Geografia 10 trab_população
Geografia 10 trab_populaçãoGeografia 10 trab_população
Geografia 10 trab_população
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
 
Correção do teste Diagnóstico
Correção do teste DiagnósticoCorreção do teste Diagnóstico
Correção do teste Diagnóstico
 

Teste3 10ºano 10-11-correção

  • 1.     Escola Secundária de Ermesinde Geografia A‐ 10º Ano – Teste de Avaliação    Ano Lectivo 2010/2011                                                                                                    1 de fevereiro de 2021  Nome: _________________________________________________________ Nº: _________ Turma: I    Encarregado de Educação: ____________________________________________________________    Classificação: _____________________    O Professor:   ______________________   TESTE A    Recomendações  ‐ Leia atentamente todo o enunciado.    ‐ O teste é constituído por sete páginas, divididas em dois grupos I e II.    ‐ Identifique claramente todas as respostas. Na sua elaboração deve ter em conta:      ‐ a objectividade e a capacidade de síntese;      ‐ a coerência e a relevância das ideias;      ‐ a correcção linguística (ortografia, pontuação, acentuação e construção frásica) e científica.    ‐  nos  itens  de  resposta  aberta  com  cotação  igual  ou  superior  a  15  pontos,  cerca  de  10%  da    cotação é atribuída à comunicação em língua portuguesa.  ‐ Durante o teste de avaliação deverá haver silêncio absoluto.    ‐ Este teste terá a duração de sessenta minutos.      Cotações:    Grupo I      Grupo II   1.1  10 pontos   1.1  10 pontos    3.2  10 pontos   1.2  10 pontos  1.2  10 pontos    3.3  10 pontos    1.3  10 pontos  1.3     10 pontos      3.4    15 pontos  2.  10 pontos  1.4  10 pontos     4.1  10 pontos  Total 200 pontos    2.1    5 pontos  2.  25 pontos  4.2    5 pontos    3.  25 pontos  (2.1, 2.2, 2.3, 2.4 e 2.5)  4.3    5 pontos    (3.1, 3.2, 3.3, 3.4 e 3.5)  3.1  10 pontos      Bom trabalho   1
  • 2. Grupo I  1 O gráfico 1 representa a evolução do valor da produção da indústria extrativa, por subsetor,  em Portugal.    Gráfico 1                 1.1 Indique os dois subsectores que têm vindo a assumir uma crescente importância económica,  no contexto da indústria extrativa.  Subsectores das rochas industriais e das rochas ornamentais.  1.2  Mencione a localização das principais jazidas de rochas ornamentais, relacionando‐a com as  unidades geomorfológicas que constituem o território nacional.  A maior jazida de mármore localiza-se na faixa Estremoz/Borba/Vila Viçosa, no Maciço Antigo. O granito, extraído para fins ornamentais, explora-se também no Maciço Antigo, mas as jazidas podem encontrar-se por todo o território continental, em especial no Centro e no Norte. 1.3  Explique a evolução verificada no valor da produção do subsector das águas.  O subsector das águas tem conhecido um crescimento extraordinário, como resultado do aumento do consumo. Esta situação deve-se fundamentalmente à mudança de comportamento da população, que se deve à modificação dos hábitos alimentares, falta de confiança na qualidade da água da rede pública e, ainda, à melhoria do nível de vida. _______________________________________________________________________  2. Assinale, na folha de teste, com verdadeiro (V) ou falso (F) as seguintes afirmações.   2.1 Corrija as afirmações falsas.    A. O  subsector  dos  minerais  energéticos  apresenta  o  maior  valor  de  produção  da  indústria  extrativa portuguesa.   F ‐  A produção de minerais energéticos é escassa e sem representatividade no contexto da indústria extrativa portuguesa. B. O ferro constitui uma matéria‐prima fundamental para a indústria siderúrgica. ‐ V  C. Portugal é o maior produtor de cobre da União Europeia. ‐ V  D. O  Maciço  Antigo  constitui  a  unidade  geomorfológica  de  Portugal  continental  mais  rica  em  recursos minerais. ‐ V  2
  • 3. E. As  rochas  industriais  mais  exploradas  em  Portugal  são  as  areias,  as  argilas  e  o  calcário  sedimentar. ‐ V  F. A exploração de mármore é especialmente relevante na faixa Beja‐Évora‐Portalegre.  F ‐ A exploração de mármore é especialmente relevante na faixa Estremoz-Borba-Vila Viçosa.  G. A exploração de água é especialmente importante no Norte de Portugal. ‐ V  H. Atualmente, o volfrâmio é explorado nas minas da Urgeiriça.  F ‐ O volfrâmio explora-se, atualmente, nas minas da Panasqueira.  I. O urânio pode classificar‐se como um recurso mineral não metálico.  F ‐ O urânio classifica-se como um mineral energético.  J. A exploração de carvão tem vindo a aumentar nos últimos anos em Portugal.  F – Em Portugal não se explora carvão desde 1994, ano em que encerraram as minas do Pejão.    3. O mapa da figura 2 mostra  a localização das principais  minas  e  jazidas  minerais,  em Portugal continental.    3.1  Os  minérios  existentes  nas  minas e nas jazidas assinaladas no  mapa  da  figura  2  classificam‐se  como...  A.  recursos  energéticos  e  minerais  não  metálicos.    B.  rochas  ornamentais  e  minerais  não  metálicos.  C.  rochas  ornamentais  e  minerais  metálicos.    D.  recursos  energéticos  e  minerais metálicos.    3.2  O  investimento  que,  nos  Figura 1 últimos  anos,  se  realizou  no  setor  mineiro  em  Portugal  deveu‐se,  sobretudo, à...  A. valorização dos minérios nos mercados internacionais.  3
  • 4. B. descoberta de novos minérios e de novas jazidas de grande dimensão.  C. melhoria das condições de trabalho oferecidas aos trabalhadores do setor mineiro.  D. criação de novas indústrias nacionais que utilizam os minérios explorados.    3.3 A dinâmica registada, nos últimos anos, no setor mineiro contribui para o desenvolvimento das  regiões onde se localizam as minas, porque...  A. resolve, a médio prazo, os problemas ambientais associados às minas abandonadas.  B. reduz a dependência energética do país, relativamente aos combustíveis fósseis.  C. valoriza, significativamente, as paisagens agrícolas tradicionais consideradas património nacional.  D. favorece o aparecimento de atividades relacionadas com a exploração das minas.    3.4 Para atenuar os impactos ambientais resultantes da atividade mineira, deve‐se...  A. investir na qualificação profissional dos mineiros.  B. executar corretamente os planos de recuperação.  C. depositar os resíduos perigosos nas pedreiras desativadas.  D. melhorar a acessibilidade nas áreas envolventes.    3.5 Algumas minas portuguesas cuja atividade foi encerrada por falta de viabilidade económica têm  sido alvo de intervenção, com o objetivo de minimizar o impacto ambiental, e ainda de...  A. assegurar as condições de exploração das jazidas, melhorando a qualidade de vida da população.  B. aumentar a profundidade das perfurações com recurso a novas tecnologias, viabilizando a atividade mineira.  C. contribuir para que haja a reposição dos recursos do subsolo, garantindo a sua utilização futura.  D. melhorar as condições de vida da população, através da reconversão das minas para o turismo.  _______________________________________________________________________  Grupo II  1. Leia atentamente o texto 1.  Texto 1   1.1 Apresente dois fatores explicativos do elevado número de horas de Sol na Amareleja.  A resposta deve apresentar dois dos seguintes fatores explicativos do número de horas de Sol, ou outros considerados relevantes: 4
  • 5. • a localização em latitude implica que a região seja pouco afetada pela passagem das superfícies frontais e pela nebulosidade que lhes está associada; • a localização interior reduz a influência marítima, o que diminui a nebulosidade; • o relevo aplanado não favorece a formação de nuvens. 1.2 Mencione uma vantagem e uma desvantagem da produção de energia elétrica a partir de  centrais fotovoltaicas.  A resposta deve mencionar uma das seguintes vantagens e uma das seguintes desvantagens da produção de energia elétrica a partir de centrais fotovoltaicas, ou outras consideradas relevantes. • Vantagens: – recurso a uma fonte de energia renovável; – recurso a uma fonte de energia não poluente; – utilização de uma fonte de energia endógena. • Desvantagens: – a produção de energia depende das condições climáticas; – a implantação dos painéis solares tem grande impacto visual; – o tempo de vida útil das células fotovoltaicas é limitado.   1.3 Refira duas consequências, na demografia regional, resultantes de iniciativas como as que  constam dos documentos.  A resposta deve referir duas das seguintes consequências na demografia regional, ou outras consideradas relevantes: • atracão de mão-de-obra; • diminuição do envelhecimento populacional; • fixação da população ao nível regional; • aumento da população residente.    1.4 Justifique a necessidade de desenvolvimento de projetos como os ilustrados nos documentos,  considerando:  ‐ as metas da política energética europeia;  ‐ os impactos na balança comercial portuguesa.  A resposta deve justificar a necessidade de desenvolvimento de projetos como os ilustrados nos documentos, considerando os seguintes pontos: • o cumprimento das metas estabelecidas pela política energética europeia, em consequência da assinatura do Protocolo de Quioto, que implica o aumento da produção de energia a partir de fontes renováveis, contribuindo, assim, para a diminuição das emissões de gases de efeito de estufa; • a atenuação do desequilíbrio da balança comercial, agravada pela evolução do preço do petróleo, o que implica uma maior utilização de recursos energéticos endógenos, diminuindo, assim, a dependência externa do país face à importação dos combustíveis de origem fóssil. 5
  • 6. 2. O mapa da figura 1 mostra a distribuição, em Portugal continental, dos valores médios anuais  do número de horas de sol, no período 1931‐1960.    2.1  De  acordo  com  a  informação  constante  na  figura  2,  as  duas  áreas  que,  em  Portugal  continental,  têm  maior  potencial  para  a  obtenção  de  energia  térmica  e  de  energia  elétrica,  a  partir da energia solar, localizam‐ se no...  A. litoral algarvio e na bacia do Douro.  B. litoral a norte de Lisboa e na bacia do  Douro.  C.  litoral  algarvio  e  na  bacia  do  Guadiana.  D. litoral a norte de Lisboa e na bacia do  Guadiana.    2.2. Em Portugal continental, dois  Figura 2 dos principais fatores explicativos  da  diferenciação  norte‐sul,  que  a  figura 1 mostra, são a...  A. latitude e as características do relevo.    B. continentalidade e a exposição geográfica.  C. latitude e a exposição geográfica.      D. continentalidade e as características do relevo.    2.3  Os  processos  que  explicam  a  diferença  entre  a  energia  solar  recebida  no  limite  superior  da  atmosfera e a energia que chega à superfície terrestre são a...  A. radiação solar, a radiação difusa e a radiação direta.  B. absorção, a reflexão e a difusão.  C. radiação terrestre, a radiação difusa e a reflexão.  D. radiação terrestre, a difusão e a absorção.    2.4  A  maior  quantidade  de  energia  solar  recebida  na  superfície  terrestre,  no  hemisfério  norte,  durante os meses de Maio, Junho e Julho, deve‐se a uma...    6
  • 7. A. menor massa de atmosfera atravessada pelos raios solares e a uma menor duração do dia natural.  B. maior massa de atmosfera atravessada pelos raios solares e a um menor ângulo de incidência desses raios.  C. menor duração do dia natural e a um maior ângulo de incidência dos raios solares.  D.  maior  duração  do  dia  natural  e  a  uma  menor  massa  de  atmosfera  atravessada  pelos  raios  solares.    2.5  Os  valores  de  insolação  anual  registados  na  área  assinalada  com  a  letra  A,  relativamente  ao  restante território nacional, explicam‐se pela ocorrência de...  A.  menor  nebulosidade,  devido  à  menor  frequência  da  passagem  da  frente  polar  e  à  temperatura  média  anual  mais  elevada.  B. maior nebulosidade, devido à orientação do relevo e à temperatura média anual mais elevada.  C. maior nebulosidade, devido à orientação do relevo e à maior altitude.  D. menor nebulosidade, devido à maior altitude e à menor frequência da passagem da frente polar.  ___________________________________________________________________________________  3. A  figura  mostra  a  distribuição,  através  das  isotérmicas,  da  temperatura  média  anual  em  Portugal continental.    3.1 Defina linha isotérmica.  Linha que une pontos de igual temperatura média.   3.2 Descreva  a  distribuição  da  temperatura  média  anual  em  Portugal continental.  A distribuição da temperatura média anual é irregular. Aumenta de norte para sul, do litoral para o interior e diminui com a altitude.   3.3 Explique  de  que  forma  a  latitude  representa  um  dos  fatores  geográficos  mais  importantes  na  distribuição  da  temperatura  média  anual  em  Portugal continental.  A latitude constitui um dos principais fatores que condicionam a distribuição da temperatura devido à inclinação com que os raios solares atingem a superfície terrestre. Assim, quanto maior a latitude do lugar, maior é a inclinação dos raios solares, facto que faz aumentar o espaço atmosférico atravessado pela radiação, aumentando, dessa forma, a absorção de energia pelos gases que compõem essa camada, o que se traduz em menores valores de temperatura junto ao 7
  • 8. solo. Por outro lado, com o aumento da inclinação dos raios, aumenta, também, a superfície a aquecer, que se vai traduzir numa dispersão da energia, logo, em menores valores de temperatura.   3.4 Elabore um pequeno texto onde aborde a importância e a pertinência do aproveitamento da  energia solar, num país com as características de Portugal.  No texto elaborado deve ser feita referência: – à incidência anual de radiação solar em Portugal, isto é, ao número de horas de sol por ano; – às aplicações da energia solar (produção de calor e produção de eletricidade); – à caracterização da energia solar como uma energia renovável e alternativa às energias fósseis; – às vantagens da utilização das energias renováveis; – à importância da utilização de energias alternativas num país como o nosso (diminuição da dependência externa; reequilíbrio da balança comercial; diminuição da poluição…).   4. Leia atentamente o texto 2.  Texto 2     O turismo balnear    A  procura  turística  em  Portugal  continental  concentra‐se  em  duas  regiões  determinantes  –    Algarve e Lisboa. Fora deste território, a ilha da Madeira tem no turismo o principal suporte da  sua economia, graças a uma imagem de qualidade já consolidada, ao clima ameno ao longo do    ano e à excelência da sua qualidade paisagística, onde importa destacar os valores naturais. No    seu conjunto, estas três áreas reúnem mais de 2/3 da capacidade de alojamento nacional, com    destaque  para  a  Madeira  que,  em  2002,  registou  a  mais  elevada  taxa  de  ocupação  dos  estabelecimentos  hoteleiros  a  nível  nacional  e  um  dos  maiores  valores  em  relação  à  estadia    média  de  turistas.  O  seu  parque  hoteleiro  destaca‐se  pela  grande  qualificação  e  pelo    correspondente volume de receitas que é capaz de gerar, independentemente da sazonalidade.   A  aposta  no  turismo  balnear  tem  vindo  a  modificar  por  completo  a  região  do  Algarve,  que    concentra uma grande parte da oferta e procura turística do nosso país e se mantém, até hoje,  como  o  principal  destino  estival  para  os  portugueses  e  para  os  turistas  estrangeiros    provenientes  maioritariamente  de  vários  países  europeus.  Esta  situação,  que  foi  responsável    por um forte dinamismo económico na região, teve como contrapartida problemas graves de    ordenamento  territorial,  fruto  de  uma  construção  desenfreada,  pouco  planeada  e  que  se  traduziu  numa  grave  descaracterização  da  paisagem,  com  a  evidente  perda  de  qualidade    ambiental que, atualmente, também é responsável pelo declínio do poder de atração turística    que  esta  região  começa  a  demonstrar,  muito  embora  continue  sendo  o  principal  destino    turístico português, e tenha mais de quatro dezenas de praias a hastear a bandeira azul.    Fonte: http://www.igeo.pt/atlas/Cap3/Cap3e_1.html         8
  • 9. 4.1 Relacione  o  desenvolvimento  do  turismo  em  Portugal  com  as  condições  de  radiação  solar  existentes.  No texto elaborado deve ser feita referência: - a localização das principais regiões turísticas em Portugal; - a posição geográfica de Portugal no contexto europeu; - a radiação solar anual em Portugal.   4.2 Apresente os locais do território português com maior potencial turístico balnear.  Lisboa, Algarve e Madeira.    4.3 Indique  em  que  medida  o  turismo  é  um  instrumento  de  desenvolvimento  económico  para  Portugal.  No texto elaborado deve ser feita referência: - às várias vertentes do turismo como fator de desenvolvimento económico; - a radiação solar anual em Portugal e a sua relação com o turismo balnear; - ao texto no que diz respeito à economia e ao turismo.     Bom Trabalho   O professor Carlos Ferreira  9