SlideShare uma empresa Scribd logo
MICOSES OPORTUNISTAS MicologiaAmanda ThoméCláudia CorreardElieneDantasRaianne Cord
MICOSES OPORTUNISTAS 	Micoses oportunistas são infecções cosmopolita causada por fungos de baixa virulência mas ao encontrar condições favoráveis como distúrbios do sistema imunológico desenvolvem poder patogênico invadindo os tecidos. Raianne
MICOSES OPORTUNISTAS Raianne
FATORES DESENCADEANTES	1- Fatores intrínsecos (próprios dos hospedeiro): neoplasias, diabetes, hemopatias, AIDS, velhice, gravidez e todas as doenças que alteram a imunidade celular. 	2- Fatores extrínsecos: Antibioticoterapia, corticosterapia, antiblástico, cirurgias de transplante e ambientes hospitalares contaminados. Raianne
CRIPTOCOCOSE    A Criptococose também conhecida por Torulose, BlastomicoseEuropeia ou Doença de Busse-Buschke é uma doença, micose causada pelo fungoCryptococcusneoformans. As manifestações mais comuns são a pneumonia e a meningite, sendo esta última de particular importância. Juntamente com a candidíase, a criptococose, são infecções fúngicas oportunistas no portador de HIV.Eliene
CRIPTOCOCOSEOs criptococos crescem no ser humano em formas unicelulares, leveduras encapsuladas com 5 micrómetros, de replicação assexuada por geminação.Existe em todo o mundo. Haverá um caso de meningite em um milhão de pessoas por ano. A infecção é pela inalação de esporos, frequentemente em detritos de pombos.Eliene
CRIPTOCOCOSEA sorologia, com detecção de anticorpos específicos contra o fungo é usada também.O tratamento é com o fármaco antifúngicoanfotericina B, ou com derivados de azol, como itraconazol.Eliene
CRIPTOCOCOSEApós inalação, as leveduras multiplicam-se no pulmão, frequentemente de forma assintomática. Mais tarde disseminam-se pelo sangue, especialmente para o cérebro. Sintomas são aqueles de todas as meningites mas de intensidade mais moderada: dor de cabeça, náuseas, vómitos e fotofobia (sensibilidade exagerada à luz), que podem durar várias semanas (ao contrário da meningite bacteriana que é fatal em apenas algumas horas).Eliene
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
PENICILIOSEPenicilliosis é uma infecção causada por Penicilliummarneffei, um fungo dimórfico, endêmica do sudeste da Ásia e sul da China. Raramente verificadas antes da epidemia de AIDS, marneffei P infecções se tornaram mais prevalentes nas áreas endêmicas, em conjunção com a epidemia de AIDS.Claudia
PENICILIOSEAs características clínicas da infecção são principalmente a febre e perda de peso, ocorrendo em mais de 75% dos pacientesOutras manifestações comuns são lesões cutâneas, linfadenopatia, anemia e hepatomegalia com ou sem esplenomegalia.Claudia
PENICILIOSEA infecção raramente foi documentado antes da epidemia de AIDS. O primeiro relato de infecção natural com marneffei P foi em uma pessoa com linfoma de Hodgkin, que viveu no Sudeste Asiático.Claudia
PENICILIOSEO diagnóstico geralmente é feito pela identificação de fungos de amostras clínicas. As biópsias de lesões de pele, gânglios linfáticos, medula óssea e demonstrar a presença de organismos na histopatologia.Claudia
PENICILIOSEPacientes com penicilliosis têm um prognóstico pobre, sem tratamento.Sensibilidade in vitro a vários antifúngicos incluindo cetoconazol, itraconazol e flucitosina, miconazol, e anfotericina B. As taxas de resposta de até 97% foram relatados com terapia com anfotericina B. Claudia
e
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Cultura mostrando uma saprofítica Penicilliumsp verde comum. Eo amarelo-rosa colônia típica com diffusable pigmento vermelho distintivo da marneffeiPenicillium.
CANDIDÍASEAgente etiológico => Fungos do gênero Candidas.p.Candidaalbicans  
Transmissão => origem endógena e exógena (intra-hospitalar).  
O fungo tem poder invasor em pessoas com doenças crônicas, debilitados por tratamento prolongado com antibióticos e drogas imunossupressoras.   
Fatores de Virulência: Variações de antígeno de parede Enzimas = proteinases e fosfolipases b Variações fenotípicas)  Amanda
CANDIDÍASEPATOGÊNIA: Mucosa oral (estomatite ou sapinho) – placas brancas, isoladas ou confluentes, aderentes à mucosa, com aspecto membranoso, rodeadas por halo eritematoso.  Pacientes gravemente enfermos e recém-nascidos de mãe com candidíase vaginal.  Amanda
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
CandidiaseSistêmicaCandidíase sistêmica – é geralmente grave e suas principais localizações são: rim, cérebro, coração, trato digestivo, brônquios, pulmão e sangue.   Amanda
Candidiase Sistêmica - Sintomas – febre, mal estar em geral, dor muscular, erupção cutânea, endocardites (pacientes com defeitos vasculares, viciados em droga e pacientes imunocomprometidos). Presente em: 20%-40% = pacientes com câncer 25% = pacientes que recebem transplante de M.O.  Amanda
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Candidiase Sistemica:
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Candidiaseem mucosasMucosa vaginal – lesões semelhantes à boca com corrimento.Pacientes grávidas, diabéticas ou com terapêutica antimicrobiana prolongada.No homem = balanite (infecção da glande) como DST.  Mucosa cutânea – lesões eritematosas, crostosas e com exsudatos.Amanda
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
ZIGOMICOSES  Agente etiológico (Gênero):Phizopuss.p.Mucors.p.Absidias.p. As micoses produzidas por zigomicetos são denominados de zigomicoses ou mucormicoses.  As mucormicoses são geralmente graves. A infecção pode se localizar nos seios paranasais e cérebro, pulmões, aparelhos digestivos e em outros órgãos. A característica fundamental é a invasão dos vasos sanguíneos pelas hifas do fungo. A disseminação se faz através dos vasos sanguíneos, cartilagem nasal e nervos.  Amanda
ZIGOMICOSES  Transmissão – A infecção só ocorre em pacientes imunodeprimidos e não se conhece a transmissão de pessoa a pessoa, podendo ser por via aérea, digestiva (pães úmidos) ou mucocutânea.  Diagnóstico laboratorial – Secreções e tecidos. Exame direto (microscópico) – hifas largas e contínuas, não septadas com ramificações em ângulo reto.    Amanda
Corte histológico de lesão ulcero-necrótica da pele, mostrando hifas tortuosas,largas, de paredes finas, não paralelas, não septadas. Algumas apresentambifurcação em ângulo reto. Coloração PAS.
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
Micoses oportunistas
ASPERGILOSE  Agentes etiológicos: - Aspergillusflavus; Aspergillusfumigatus; Aspergillusniger; Aspergillusterreus; Aspergillusnidulans; Aspergillusrestrictus.   Doença que se localizam nos pulmões, ouvido, S.N.C., globos oculares, válvulas cardíacas e caracterizando-se por lesões granulomatoses e necrotizantes. A aspergilose pulmonar é uma das manifestações clínicas mais importantes => Aspergiloma intracavitário (bola fúngica).   
ASPERGILOSE  A aspergilose raramente ocorre como doença primária em indivíduos normais, acometendo indivíduos debilitados, imunodeprimidos ou que usam drogas imunossupressoras. Aspergilosealérgica (bronquite) = granjeiros, horticultores e jardineiros. Transmissão – Inalação de poeira (propágulos) Habitat natural – plantas, solos, materiais orgânicos em geral.  
ASPERGILOSEDiagnóstico laboratorial: Secreções  Exame direto: hifas septadas, ramificadas dicotomicamente, irradiando de um ponto. Cultura: Sabouraud com cicloheximida. 
Micoses oportunistas
Tomografia computadorizada. Ocupação das cavidades paranasais à direita, insuflando-as com captação heterogênia de contraste. Expansão da lesão do seio maxilar para a caviadde nasal adjacente
Micoses oportunistas
Caso Clínico 1Vamos ver se você acerta!Paciente C.B.E , 13 anosSintomas:  Coceira e irritação intensa, aliviada com a aplicação de gelo no local (crioterapia).Apresentou as seguintes lesões....
Micoses oportunistas
Cultura
Qual sua hipótese diagnóstica?
Caso Clínico 2Paciente, masculino R.F.A.,  61 anos.Relata que há cerca de 5 meses apresenta constante mialgia em membro inferior, o qual apresentou lesões ulcerativas após alguns dias do surgimento da dor.É portador de DM e HIV positiva há cerca de 12 anos.
Micoses oportunistas
Após tratamento cirúrgico, paciente fez apenas uso de ATB de largo espectro e limpou a lesão cautelosamente.Em 2 meses paciente entrou em coma.
Micoses oportunistas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 
HanseníAse.Ppt
HanseníAse.PptHanseníAse.Ppt
HanseníAse.Ppt
guest0cc73a
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Nathy Oliveira
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
Brendha Soares
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Nic K
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Micoses superficiais
Micoses superficiaisMicoses superficiais
Micoses superficiais
upload718
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
Simone Alvarenga
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Jaqueline Almeida
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
Nathy Oliveira
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
Lucas Almeida Sá
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
Renato Santos
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
Laboratório Sérgio Franco
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
Beatriz Henkels
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 

Mais procurados (20)

Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
HanseníAse.Ppt
HanseníAse.PptHanseníAse.Ppt
HanseníAse.Ppt
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Micoses superficiais
Micoses superficiaisMicoses superficiais
Micoses superficiais
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 

Destaque

Micoses
MicosesMicoses
Micoses
guest10b3aa
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
Déa Pereira
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
Simone Alvarenga
 
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundasFisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Safia Naser
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
Rafael Serafim
 
Doencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micoseDoencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micose
adainedesire
 
Micose
MicoseMicose
Bacterias y virus
Bacterias y virusBacterias y virus
Bacterias y virus
Dani Palma Carmona
 
Aspergilose
Aspergilose   Aspergilose
Aspergilose
Sheyla Amorim
 
Apres de fungosm
Apres de fungosmApres de fungosm
Apres de fungosm
Annah012
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Manzelio Cavazzana
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
Laboratório Sérgio Franco
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
dapab
 
Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas
robson lucas pontes
 
Pneumocistose
PneumocistosePneumocistose
Coccidioidomicose
CoccidioidomicoseCoccidioidomicose
Coccidioidomicose
Alessandra Gonçalves Natal
 
Coccidioidomicose
CoccidioidomicoseCoccidioidomicose
Coccidioidomicose
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Candidiase
CandidiaseCandidiase
Candidiase
falc8
 
Tc pulmão parte i 03.11.11
Tc pulmão parte i 03.11.11Tc pulmão parte i 03.11.11
Tc pulmão parte i 03.11.11
Norberto Werle
 
Tc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasalTc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasal
Norberto Werle
 

Destaque (20)

Micoses
MicosesMicoses
Micoses
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
 
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundasFisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Doencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micoseDoencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micose
 
Micose
MicoseMicose
Micose
 
Bacterias y virus
Bacterias y virusBacterias y virus
Bacterias y virus
 
Aspergilose
Aspergilose   Aspergilose
Aspergilose
 
Apres de fungosm
Apres de fungosmApres de fungosm
Apres de fungosm
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas
 
Pneumocistose
PneumocistosePneumocistose
Pneumocistose
 
Coccidioidomicose
CoccidioidomicoseCoccidioidomicose
Coccidioidomicose
 
Coccidioidomicose
CoccidioidomicoseCoccidioidomicose
Coccidioidomicose
 
Candidiase
CandidiaseCandidiase
Candidiase
 
Tc pulmão parte i 03.11.11
Tc pulmão parte i 03.11.11Tc pulmão parte i 03.11.11
Tc pulmão parte i 03.11.11
 
Tc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasalTc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasal
 

Semelhante a Micoses oportunistas

Micoses estomato
Micoses   estomatoMicoses   estomato
Micoses estomato
Tamara Pacheco
 
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Estomatologista- Dra Dulce Cabelho
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Nanaxara da Silva
 
Doenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueirozDoenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueiroz
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
Odontologia
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
Flávia Salame
 
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptx
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptxInfecções Fungicas - Microbiologia.pptx
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptx
RodrigoShayd1
 
Monilíase
MonilíaseMonilíase
Monilíase
Ricardo Nunes
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
PsiclogoClinicoclini
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
rnogueira
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
João Pereira
 
Microbiologia e parasitologia em Enfermagem
Microbiologia e parasitologia em EnfermagemMicrobiologia e parasitologia em Enfermagem
Microbiologia e parasitologia em Enfermagem
PauloAngelim2
 
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdfManifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Odontologia Com André
 
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MarcosAntonioOliveir41
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
ITPAC PORTO
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Franzinha2
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
Jonas Cesar Andrade Barbosa
 

Semelhante a Micoses oportunistas (20)

Micoses estomato
Micoses   estomatoMicoses   estomato
Micoses estomato
 
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 
Doenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueirozDoenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueiroz
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptx
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptxInfecções Fungicas - Microbiologia.pptx
Infecções Fungicas - Microbiologia.pptx
 
Monilíase
MonilíaseMonilíase
Monilíase
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
 
Microbiologia e parasitologia em Enfermagem
Microbiologia e parasitologia em EnfermagemMicrobiologia e parasitologia em Enfermagem
Microbiologia e parasitologia em Enfermagem
 
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdfManifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
 
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 

Mais de Amanda Thomé

Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
Amanda Thomé
 
Caso Clínico: Emergências Hipertensivas
Caso Clínico: Emergências HipertensivasCaso Clínico: Emergências Hipertensivas
Caso Clínico: Emergências Hipertensivas
Amanda Thomé
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatria
Amanda Thomé
 
Desidratação no Idoso
Desidratação no IdosoDesidratação no Idoso
Desidratação no Idoso
Amanda Thomé
 
Cardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em NeonatologiaCardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em Neonatologia
Amanda Thomé
 
Amigdalas e vegetações adenóides
Amigdalas e vegetações adenóidesAmigdalas e vegetações adenóides
Amigdalas e vegetações adenóides
Amanda Thomé
 
Tumor do colon
Tumor do colonTumor do colon
Tumor do colon
Amanda Thomé
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
Amanda Thomé
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
Amanda Thomé
 
Saúde do Homem
Saúde do HomemSaúde do Homem
Saúde do Homem
Amanda Thomé
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem Adoecer
Amanda Thomé
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Amanda Thomé
 
Coronariosclerose
CoronarioscleroseCoronariosclerose
Coronariosclerose
Amanda Thomé
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Amanda Thomé
 
Alergia em Anestesia
Alergia em AnestesiaAlergia em Anestesia
Alergia em Anestesia
Amanda Thomé
 
Amamentação e Sua Prevalência
Amamentação e Sua PrevalênciaAmamentação e Sua Prevalência
Amamentação e Sua Prevalência
Amanda Thomé
 
Semiologia do Pescoço
Semiologia do PescoçoSemiologia do Pescoço
Semiologia do Pescoço
Amanda Thomé
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
Amanda Thomé
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Amanda Thomé
 
Via Colinérgica
Via ColinérgicaVia Colinérgica
Via Colinérgica
Amanda Thomé
 

Mais de Amanda Thomé (20)

Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
 
Caso Clínico: Emergências Hipertensivas
Caso Clínico: Emergências HipertensivasCaso Clínico: Emergências Hipertensivas
Caso Clínico: Emergências Hipertensivas
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatria
 
Desidratação no Idoso
Desidratação no IdosoDesidratação no Idoso
Desidratação no Idoso
 
Cardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em NeonatologiaCardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em Neonatologia
 
Amigdalas e vegetações adenóides
Amigdalas e vegetações adenóidesAmigdalas e vegetações adenóides
Amigdalas e vegetações adenóides
 
Tumor do colon
Tumor do colonTumor do colon
Tumor do colon
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Saúde do Homem
Saúde do HomemSaúde do Homem
Saúde do Homem
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem Adoecer
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
 
Coronariosclerose
CoronarioscleroseCoronariosclerose
Coronariosclerose
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
 
Alergia em Anestesia
Alergia em AnestesiaAlergia em Anestesia
Alergia em Anestesia
 
Amamentação e Sua Prevalência
Amamentação e Sua PrevalênciaAmamentação e Sua Prevalência
Amamentação e Sua Prevalência
 
Semiologia do Pescoço
Semiologia do PescoçoSemiologia do Pescoço
Semiologia do Pescoço
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Via Colinérgica
Via ColinérgicaVia Colinérgica
Via Colinérgica
 

Micoses oportunistas

  • 2. MICOSES OPORTUNISTAS  Micoses oportunistas são infecções cosmopolita causada por fungos de baixa virulência mas ao encontrar condições favoráveis como distúrbios do sistema imunológico desenvolvem poder patogênico invadindo os tecidos. Raianne
  • 4. FATORES DESENCADEANTES 1- Fatores intrínsecos (próprios dos hospedeiro): neoplasias, diabetes, hemopatias, AIDS, velhice, gravidez e todas as doenças que alteram a imunidade celular.  2- Fatores extrínsecos: Antibioticoterapia, corticosterapia, antiblástico, cirurgias de transplante e ambientes hospitalares contaminados. Raianne
  • 5. CRIPTOCOCOSE A Criptococose também conhecida por Torulose, BlastomicoseEuropeia ou Doença de Busse-Buschke é uma doença, micose causada pelo fungoCryptococcusneoformans. As manifestações mais comuns são a pneumonia e a meningite, sendo esta última de particular importância. Juntamente com a candidíase, a criptococose, são infecções fúngicas oportunistas no portador de HIV.Eliene
  • 6. CRIPTOCOCOSEOs criptococos crescem no ser humano em formas unicelulares, leveduras encapsuladas com 5 micrómetros, de replicação assexuada por geminação.Existe em todo o mundo. Haverá um caso de meningite em um milhão de pessoas por ano. A infecção é pela inalação de esporos, frequentemente em detritos de pombos.Eliene
  • 7. CRIPTOCOCOSEA sorologia, com detecção de anticorpos específicos contra o fungo é usada também.O tratamento é com o fármaco antifúngicoanfotericina B, ou com derivados de azol, como itraconazol.Eliene
  • 8. CRIPTOCOCOSEApós inalação, as leveduras multiplicam-se no pulmão, frequentemente de forma assintomática. Mais tarde disseminam-se pelo sangue, especialmente para o cérebro. Sintomas são aqueles de todas as meningites mas de intensidade mais moderada: dor de cabeça, náuseas, vómitos e fotofobia (sensibilidade exagerada à luz), que podem durar várias semanas (ao contrário da meningite bacteriana que é fatal em apenas algumas horas).Eliene
  • 13. PENICILIOSEPenicilliosis é uma infecção causada por Penicilliummarneffei, um fungo dimórfico, endêmica do sudeste da Ásia e sul da China. Raramente verificadas antes da epidemia de AIDS, marneffei P infecções se tornaram mais prevalentes nas áreas endêmicas, em conjunção com a epidemia de AIDS.Claudia
  • 14. PENICILIOSEAs características clínicas da infecção são principalmente a febre e perda de peso, ocorrendo em mais de 75% dos pacientesOutras manifestações comuns são lesões cutâneas, linfadenopatia, anemia e hepatomegalia com ou sem esplenomegalia.Claudia
  • 15. PENICILIOSEA infecção raramente foi documentado antes da epidemia de AIDS. O primeiro relato de infecção natural com marneffei P foi em uma pessoa com linfoma de Hodgkin, que viveu no Sudeste Asiático.Claudia
  • 16. PENICILIOSEO diagnóstico geralmente é feito pela identificação de fungos de amostras clínicas. As biópsias de lesões de pele, gânglios linfáticos, medula óssea e demonstrar a presença de organismos na histopatologia.Claudia
  • 17. PENICILIOSEPacientes com penicilliosis têm um prognóstico pobre, sem tratamento.Sensibilidade in vitro a vários antifúngicos incluindo cetoconazol, itraconazol e flucitosina, miconazol, e anfotericina B. As taxas de resposta de até 97% foram relatados com terapia com anfotericina B. Claudia
  • 18. e
  • 21. Cultura mostrando uma saprofítica Penicilliumsp verde comum. Eo amarelo-rosa colônia típica com diffusable pigmento vermelho distintivo da marneffeiPenicillium.
  • 22. CANDIDÍASEAgente etiológico => Fungos do gênero Candidas.p.Candidaalbicans  
  • 23. Transmissão => origem endógena e exógena (intra-hospitalar).  
  • 24. O fungo tem poder invasor em pessoas com doenças crônicas, debilitados por tratamento prolongado com antibióticos e drogas imunossupressoras.   
  • 25. Fatores de Virulência: Variações de antígeno de parede Enzimas = proteinases e fosfolipases b Variações fenotípicas)  Amanda
  • 26. CANDIDÍASEPATOGÊNIA: Mucosa oral (estomatite ou sapinho) – placas brancas, isoladas ou confluentes, aderentes à mucosa, com aspecto membranoso, rodeadas por halo eritematoso. Pacientes gravemente enfermos e recém-nascidos de mãe com candidíase vaginal.  Amanda
  • 31. CandidiaseSistêmicaCandidíase sistêmica – é geralmente grave e suas principais localizações são: rim, cérebro, coração, trato digestivo, brônquios, pulmão e sangue.   Amanda
  • 32. Candidiase Sistêmica - Sintomas – febre, mal estar em geral, dor muscular, erupção cutânea, endocardites (pacientes com defeitos vasculares, viciados em droga e pacientes imunocomprometidos). Presente em: 20%-40% = pacientes com câncer 25% = pacientes que recebem transplante de M.O.  Amanda
  • 43. Candidiaseem mucosasMucosa vaginal – lesões semelhantes à boca com corrimento.Pacientes grávidas, diabéticas ou com terapêutica antimicrobiana prolongada.No homem = balanite (infecção da glande) como DST.  Mucosa cutânea – lesões eritematosas, crostosas e com exsudatos.Amanda
  • 51. ZIGOMICOSES  Agente etiológico (Gênero):Phizopuss.p.Mucors.p.Absidias.p. As micoses produzidas por zigomicetos são denominados de zigomicoses ou mucormicoses.  As mucormicoses são geralmente graves. A infecção pode se localizar nos seios paranasais e cérebro, pulmões, aparelhos digestivos e em outros órgãos. A característica fundamental é a invasão dos vasos sanguíneos pelas hifas do fungo. A disseminação se faz através dos vasos sanguíneos, cartilagem nasal e nervos.  Amanda
  • 52. ZIGOMICOSES  Transmissão – A infecção só ocorre em pacientes imunodeprimidos e não se conhece a transmissão de pessoa a pessoa, podendo ser por via aérea, digestiva (pães úmidos) ou mucocutânea.  Diagnóstico laboratorial – Secreções e tecidos. Exame direto (microscópico) – hifas largas e contínuas, não septadas com ramificações em ângulo reto.    Amanda
  • 53. Corte histológico de lesão ulcero-necrótica da pele, mostrando hifas tortuosas,largas, de paredes finas, não paralelas, não septadas. Algumas apresentambifurcação em ângulo reto. Coloração PAS.
  • 59. ASPERGILOSE  Agentes etiológicos: - Aspergillusflavus; Aspergillusfumigatus; Aspergillusniger; Aspergillusterreus; Aspergillusnidulans; Aspergillusrestrictus.   Doença que se localizam nos pulmões, ouvido, S.N.C., globos oculares, válvulas cardíacas e caracterizando-se por lesões granulomatoses e necrotizantes. A aspergilose pulmonar é uma das manifestações clínicas mais importantes => Aspergiloma intracavitário (bola fúngica).   
  • 60. ASPERGILOSE  A aspergilose raramente ocorre como doença primária em indivíduos normais, acometendo indivíduos debilitados, imunodeprimidos ou que usam drogas imunossupressoras. Aspergilosealérgica (bronquite) = granjeiros, horticultores e jardineiros. Transmissão – Inalação de poeira (propágulos) Habitat natural – plantas, solos, materiais orgânicos em geral.  
  • 61. ASPERGILOSEDiagnóstico laboratorial: Secreções  Exame direto: hifas septadas, ramificadas dicotomicamente, irradiando de um ponto. Cultura: Sabouraud com cicloheximida. 
  • 63. Tomografia computadorizada. Ocupação das cavidades paranasais à direita, insuflando-as com captação heterogênia de contraste. Expansão da lesão do seio maxilar para a caviadde nasal adjacente
  • 65. Caso Clínico 1Vamos ver se você acerta!Paciente C.B.E , 13 anosSintomas: Coceira e irritação intensa, aliviada com a aplicação de gelo no local (crioterapia).Apresentou as seguintes lesões....
  • 68. Qual sua hipótese diagnóstica?
  • 69. Caso Clínico 2Paciente, masculino R.F.A., 61 anos.Relata que há cerca de 5 meses apresenta constante mialgia em membro inferior, o qual apresentou lesões ulcerativas após alguns dias do surgimento da dor.É portador de DM e HIV positiva há cerca de 12 anos.
  • 71. Após tratamento cirúrgico, paciente fez apenas uso de ATB de largo espectro e limpou a lesão cautelosamente.Em 2 meses paciente entrou em coma.
  • 73. Qual sua hipótese diagnóstica?
  • 75. BIBLIOGRAFIAhttp://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:ZiDS5SbxXIIJ:www2.unoeste.br/~aulasmedicina/arquivos/03-termo%25202004/microbiologia/Micoses%2520Oportunistas%25202.ppt+micoses+oportunistas&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=brMicologia Médica à Luz de Autores Contemporâneos - Sidrim, José Júlio Costa; Rocha, Marcos Fábio Gadelha Sigler L, Kennedy MJ. Sigler L, Kennedy MJ. Aspergillus, Fusarium, andOtherOpportunisticMoniliaceous F In: Murray PR, Baron EJ, Pfaller MA, etal, eds. In: eds PR Murray, Barão EJ, Pfaller MA, et al. Manual ofClinicalMicrobiology. Manual de Microbiologia Clínica. 7th ed. 7 ª ed. Washington: AmericanSociety for MicrobiologyPress; 1999:1212-41. Sociedade Americana de Microbiologia Imprensa; 1999:1212-41: Washington. Supparatpinyo K, Sirisanthana T. Newfungalinfections in the Western Pacific. Supparatpinyo K, infecções fúngicasSirisanthana T. Novas no Pacífico Ocidental. JAMA SoutheastAsia 1994;10:Suppl 3:208-9. JAMA Sudeste da Ásia de 1994; 10: Suppl 3:208-9.