SlideShare uma empresa Scribd logo
Teniase e Cisticercose
Prof. Fernando A. Silva
PMSP – CRS.Sudeste
Teniase e Cisticercose
Complexo teníase/cisticercose são infecções
parasitárias distintas inseridas no grupo das
zoonoses.
As duas infecções são ocasionadas pelo mesmo
parasita em diferentes fases de seu ciclo de vida.
Cisticercose cerebral
Cisticercos na
musculatura
A teníase é uma doença causada pela tênia, um
platelminto, parasita intestinal que não possuem
sistema digestório, absorvendo nutrientes
digeridos pelo hospedeiro.
A teniase é popularmente conhecida como solitária,
visto que é mais comum encontrar apenas um
parasita por indivíduo.
Há duas espécies de tênias: a Taenia solium, que
parasita suínos e a Taenia saginata, parasita de
bovinos.
Taenia
saginata
Taenia
solium
Ventosas
Ganchos
Fotomicrografia de uma Taenia solium
Ambas possuem corpo dividido em vários anéis
denominados proglótides e na extremidade anterior,
denominada escólex, há presença de ventosas que
auxiliam na fixação do animal.
A Taenia solium, possui nesta região, ainda, ganchos
auxiliando também na fixação.
As tênias são hermafroditas, cada proglótide possui
sistema reprodutor masculino e feminino.
No ciclo da teníase, o humano é o hospedeiro definitivo e
suínos e bovinos são hospedeiros intermediários.
Taenia
saginata
Taenia
solium
Ciclo da teniase
Situação típica da infecção
O homem é o hospedeiro definitivo da Taenia solium
ou Taenia saginata, pela ingestão de carne crua ou
mal passada contaminada, desencadeando a
patologia conhecida como teniase.
Situação atípica da infecção
O homem funciona como hospedeiro intermediário,
ingerindo água ou alimentos contaminados com ovos
do parasita, devido a contaminação fecal,
desencadeando a patologia conhecida como
cisticercose.
Ovo de TêniaCisticercose
Observações
A Taenia saginata não transmite ao homem a
cisticercose ou a infecção é muito rara.
Os animais não desenvolvem a teniase, esses são
acometidos pela cisticercose, conhecida
popularmente como canjiquinha.
Lembrando, os animais são hospedeiros
intermediários.
Reservatórios e Fontes de infecção
O paciente infectado com a forma adulta de Taenia
funciona como um agente disseminador, libertando
abundantes quantidades de ovos nas fezes.
O homem é o único hospedeiro definitivo da forma
adulta da Taenia solium e da Taenia saginata.
O suíno ou o bovino são os hospedeiros intermediários
(por apresentarem a forma larvária nos seus tecidos).
Profilaxia
A prevenção da doença assenta, sobretudo, na correta
confecção dos alimentos, cozinhando bem as carnes
e promovendo uma adequada lavagem de legumes e
frutas).
Presença de adequadas medidas sanitárias,
abastecimento com água tratada e uma correta
higiene das fossas são fatores cruciais para a
erradicação da doença.
O abate de animais sem controlo sanitário é a principal
causa para a elevada incidência desta parasitose em
países de África, América do Sul, América Central e
Caribe. A nível mundial, esse valor é estimado em
0,1%, segundo a OMS.
Também é necessário a fiscalização ambiental para
coibir o uso de águas contaminadas com esgotos.
Vigilância Epidemiológica
Notificação: a notificação da teníase/cisticercose
poderá fornecer dados epidemiológicos mais precisos
sobre a prevalência populacional e permitir o
mapeamento geográfico das áreas mais afetadas para
melhor direcionamento das medidas de controle.
Período de Transmissibilidade
Os ovos de Taenia solium e de Taenia saginata podem
permanecer viáveis por vários meses no meio
ambiente, principalmente em presença de umidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
Marcos Santos
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
pHrOzEn HeLL
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
3a2011
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
Gustavo Ribeiro De Almeida Alves
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Adila Trubat
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
Rafael Serafim
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Fernanda Gomes
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
Jakelyne Bezerra
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 
Giardia
GiardiaGiardia
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
Geovanna Borges
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 

Mais procurados (20)

Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 

Semelhante a Teniase e cisticercose

Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
evandroxandi
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
Filipe Bispo
 
Tenias e teníases resumo
Tenias e teníases   resumoTenias e teníases   resumo
Tenias e teníases resumo
ElderENF
 
Principais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptxPrincipais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptx
KarlaBittencourt2
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
Joana Darc Calado
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
Laíz Coutinho
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
pablocristianodemora
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
paulovitormacedo1
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
Aline Vargas
 
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptPlatelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
robson226649
 
Platelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.pptPlatelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.ppt
LussandraMarquez
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Tânia Mascarenhas
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
PatriciaZanoli
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
prevencaonline
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
Patynogueira
 

Semelhante a Teniase e cisticercose (20)

Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Tenias e teníases resumo
Tenias e teníases   resumoTenias e teníases   resumo
Tenias e teníases resumo
 
Principais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptxPrincipais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptx
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptPlatelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
 
Platelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.pptPlatelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.ppt
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 

Mais de feraps

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
feraps
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
feraps
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
feraps
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
feraps
 
Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
feraps
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
feraps
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
feraps
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
feraps
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
feraps
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
feraps
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
feraps
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
feraps
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
feraps
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
feraps
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
feraps
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
feraps
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
feraps
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
feraps
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
feraps
 

Mais de feraps (20)

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
 

Teniase e cisticercose

  • 1. Teniase e Cisticercose Prof. Fernando A. Silva PMSP – CRS.Sudeste
  • 2. Teniase e Cisticercose Complexo teníase/cisticercose são infecções parasitárias distintas inseridas no grupo das zoonoses. As duas infecções são ocasionadas pelo mesmo parasita em diferentes fases de seu ciclo de vida.
  • 4. A teníase é uma doença causada pela tênia, um platelminto, parasita intestinal que não possuem sistema digestório, absorvendo nutrientes digeridos pelo hospedeiro. A teniase é popularmente conhecida como solitária, visto que é mais comum encontrar apenas um parasita por indivíduo.
  • 5. Há duas espécies de tênias: a Taenia solium, que parasita suínos e a Taenia saginata, parasita de bovinos. Taenia saginata Taenia solium Ventosas Ganchos
  • 6. Fotomicrografia de uma Taenia solium
  • 7. Ambas possuem corpo dividido em vários anéis denominados proglótides e na extremidade anterior, denominada escólex, há presença de ventosas que auxiliam na fixação do animal. A Taenia solium, possui nesta região, ainda, ganchos auxiliando também na fixação. As tênias são hermafroditas, cada proglótide possui sistema reprodutor masculino e feminino. No ciclo da teníase, o humano é o hospedeiro definitivo e suínos e bovinos são hospedeiros intermediários. Taenia saginata Taenia solium
  • 9. Situação típica da infecção O homem é o hospedeiro definitivo da Taenia solium ou Taenia saginata, pela ingestão de carne crua ou mal passada contaminada, desencadeando a patologia conhecida como teniase.
  • 10. Situação atípica da infecção O homem funciona como hospedeiro intermediário, ingerindo água ou alimentos contaminados com ovos do parasita, devido a contaminação fecal, desencadeando a patologia conhecida como cisticercose. Ovo de TêniaCisticercose
  • 11. Observações A Taenia saginata não transmite ao homem a cisticercose ou a infecção é muito rara. Os animais não desenvolvem a teniase, esses são acometidos pela cisticercose, conhecida popularmente como canjiquinha. Lembrando, os animais são hospedeiros intermediários.
  • 12. Reservatórios e Fontes de infecção O paciente infectado com a forma adulta de Taenia funciona como um agente disseminador, libertando abundantes quantidades de ovos nas fezes. O homem é o único hospedeiro definitivo da forma adulta da Taenia solium e da Taenia saginata. O suíno ou o bovino são os hospedeiros intermediários (por apresentarem a forma larvária nos seus tecidos).
  • 13. Profilaxia A prevenção da doença assenta, sobretudo, na correta confecção dos alimentos, cozinhando bem as carnes e promovendo uma adequada lavagem de legumes e frutas). Presença de adequadas medidas sanitárias, abastecimento com água tratada e uma correta higiene das fossas são fatores cruciais para a erradicação da doença.
  • 14. O abate de animais sem controlo sanitário é a principal causa para a elevada incidência desta parasitose em países de África, América do Sul, América Central e Caribe. A nível mundial, esse valor é estimado em 0,1%, segundo a OMS. Também é necessário a fiscalização ambiental para coibir o uso de águas contaminadas com esgotos.
  • 15. Vigilância Epidemiológica Notificação: a notificação da teníase/cisticercose poderá fornecer dados epidemiológicos mais precisos sobre a prevalência populacional e permitir o mapeamento geográfico das áreas mais afetadas para melhor direcionamento das medidas de controle.
  • 16. Período de Transmissibilidade Os ovos de Taenia solium e de Taenia saginata podem permanecer viáveis por vários meses no meio ambiente, principalmente em presença de umidade.