SlideShare uma empresa Scribd logo
 Corynebacterium  diphtheriae
 Enterococcus faecalis e Enterococcus faecium
 Haemophilus influenzae, H. ducreyi e H.
  aphrophilus
 Pseudomonas aeruginosa



                           UNIGRARIO
                                 Elaine Ribeiro
                                       Marcela
                               Maria de Fátima
                              Nanaxara da Silva
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 Doença  transmissível aguda, que ataca as
  mucosas do trato respiratória alto.
 Atinge principalmente as crianças até 10
  anos de idade.
 Pode matar se não for tratada.
 O sistema de vacinação tornou a doença de
  forma endêmica com alguns surtos
  esporádicos.
Transmissão:
 Causado por Corynebacterium diphtheriae,
  um bacilo gram-positivo.
 Transmitido por contágio direto com doentes
  ou portadores assintomáticos através das
  secreções nasais.
 Também pode ocorrer a transmissão indireta,
  através de objetos ou leite que tenham sido
  contaminados recentemente.
 Em ambientes fechados pode acontecer a
  transmissão de difteria.
Fator de Virulência:
   Corynebacterium diphtheriae multiplica-se localmente no nariz, amídalas, faringe e
    laringe.
   Caracteriza-se pelo pequeno poder invasivo, sem bacteriemia.
   A toxina da difteria é o principal factor de virulência.
   Produzir poderosa exotoxina -AB.
    Esta toxina proteica ocorre no local da infecção e é disperso através do sangue para
    provocar os sintomas clínicos de difteria.
   No local da infecção, os leucócitos, depósitos de fibrina, tecido necrótico, bacilos
    diftéricos (tox+ ou tox-) e outras bactérias vão formar a pseudomembrana típica da
    difteria.
   Se a cepa for toxigênica, a toxina produzida no local da infecção cai na corrente sangüínea
    atingindo músculo cardíaco e tecido nervoso, principalmente.
   O mecanismo de ação da toxina no interior da célula, através do fragmento A, é a inibição
    da síntese protéica.
   A partir daí, pode-se imaginar os sérios distúrbios que são causados no metabolismo celular
    e suas conseqüências, gerando quadros clínicos tão mais graves quanto maior a absorção
    da toxina.
   No tecido nervoso ocorre a desmielinização.
   No miocárdio, ocorre a degeneração gordurosa e miocardite, com distúrbios no sistema de
    condução.
Diagnóstico:
 Exames clínico, físico, laboratoriais e estudos
  radiológicos.
                        Diagnóstico laboratorial:
          Realizado mediante a identificação e
                  isolamento do C. diphtheriae.
O diagnóstico diferencial da difteria deverá ser
  feito com as patologias descritas a seguir:
 difteria cutânea – impetigo, ectima, eczema,
  úlceras;
 difteria nasal – rinite estreptocócica, rinite
  sifilítica, corpo estranho nasal;
 difteria amigdaliana ou faríngea – amigdalite
  estreptocócica, angina monocítica, angina de
  Plaut Vicent, agranulocitose;
 difteria laríngea – crupe viral, laringite
  estridulosa, epiglotite aguda, inalação de
  corpo estranho.
Os fatores associados ao mau prognóstico
  são:
 tempo da doença sem instituição de
  tratamento - pior se acima de 3 dias;
 presença de edema periganglionar;
 presença de manifestações hemorrágicas;
 presença de placas extensas na orofaringe;
 miocardite precoce;
 presença de insuficiência renal.
Prevenção:
                                            Vacinação;
Tratamento:
 Observação;
 Soro antidiftérico;
 Isolamento respiratório;
 Antibioticoterapia;
 Traqueostomia;
 Repouso absoluto;
 Manutenção do equilíbrio hidreletrolítico;
 Dieta leve;
 Nebulização ou vaporização.
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 Os enterococos são bactérias que nos últimos
  20 anos tem crescido.
 É conhecido por sua baixa virulência em
  comparação com os outros Gram-positivos.
 Bactéria com alta capacidade de adaptação e
  sobrevivência.
 São anaeróbios facultativo.
 Está presente na flora do trato
  gastrointestinal do homem pode também ser
  encontrada na mucosa oral, vaginal e na
  pele.
 Habita no solo e nos alimentos.
 cocos gram+ em cadeias ou aos pares
 Capsulados, não esporulados, imóveis
 Catalase
 grupo diversificado: comensais/ invasores
 grande variabilidade na patogenicidade e
  susceptibilidade aos
 antimicrobianos
Habitat
Trato gastrintestinal
Trato geniturinário
Cavidade oral
Solo, Água, Vegetais e Alimentos
Sobrevive em ambientes
 contaminados
Transmissão:
 Através da água contaminada;
 Alimentos;
 Contato direto;
                                    Virulência:
                 Substancia do trato urinário,
                         Infecções de feridas,
                     Endocardite nos adultos,
      Meningite bacteriana no recém-nascido.
Diagnóstico:
 Isolamento;
 Identificação presuntiva: gram, morfologia
  colonial, padrão de hemólise e catalase.

Tratamento:
 Combinação da gentamicina com penicilina
  ou ampicilina;
 linezolida ou daptomicina;
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Éuma bactéria gram-negativa,
aeróbia, baciliforme
É uma bactéria oportunista, ou
 seja, raramente causa doenças
 em um sistema imunológico
 saudável, ela atua explorando
 eventuais fraquezas do
 organismo para estabelecer seu
 quadro de infecção.
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Uma  das suas principais
características é sua
resistência natural a um
grande número de
antibióticos e
antissépticos.
O diagnóstico é realizado
através de amostras de
lesões cutâneas, exsudato,
urina, sangue, LCR, e
escarro, dependendo da
infecção.
O tratamento é realizado
através da associação de
alguns antibióticos como:
Aztreonam, Imipenem,
Gentamicina, amicacina
entre outros.
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 HAEMOPHILUS É UMA BACTÉRIA GRAM
 NEGATIVA PODENDO SER CAPSULADA OU NÃO
 NORMALMENTE  É RESPONSÁVEL POR
 DIVERSAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS
TRANSMISSÃO
 a transmissão se dá pelo contato com pessoas
  infectadas com a bactéria , mesmo aqueles
  que não apresentam manifestação clinica.
 A gripe é uma doença viral causada pelo vírus
  influenza
FONTES DE INFECÇÃO
 A aquisição da infecção está relacionada
  ao tipo de germe associado. Geralmente
  pode estar asssociado a um quadro
  infeccioso respiratório podendo ser viral
  ou bacteriano.

Ex. viral – gripe
bacteriano – meningite
PATOGENIA
 A cápsula polissacaridea é o principal fator
  de virulência e é usado como antígeno
  vacinal
DIAGNÓSTICO
amostras do local
 infectado
exames de sangue
Tratamento
 vacinas contra haemophilus influenzae tipo b
  (HIB) é dicada para imunização ativa a partir
  das 6 semanas de vida
 ampicilina
 cefalosporinas
 azitromicina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estreptococos
EstreptococosEstreptococos
Estreptococos
Isabel Figueiredo
 
Doenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por BactériasDoenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por Bactérias
Rafael Serafim
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
Antonio Carlos Stradiotto
 
Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4
Elisângela Bispo
 
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungias
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungiasCap 17 principais doenças bacterianas e fungias
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungias
Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Pernambuco
 
Bacterias Doenças Provocadas
Bacterias Doenças ProvocadasBacterias Doenças Provocadas
Bacterias Doenças Provocadas
Mariana Rei Ferreira
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
GabrielaMansur
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Rafael Serafim
 
Patogenia
PatogeniaPatogenia
Patogenia
Tatiana Santos
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Rafael Serafim
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Euripedes A Barbosa
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
2° Ta - cotuca
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
profatatiana
 
Aula 6 - M
Aula 6 - MAula 6 - M
Trabalho de Doenças
Trabalho de DoençasTrabalho de Doenças
Trabalho de Doenças
2° MEC
 
Aula bacterioses x viroses
Aula   bacterioses x virosesAula   bacterioses x viroses
Aula bacterioses x viroses
alunond
 
Virologia
VirologiaVirologia
O VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças viraisO VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças virais
Junio Henrique
 
Apres de fungosm
Apres de fungosmApres de fungosm
Apres de fungosm
Annah012
 

Mais procurados (20)

Estreptococos
EstreptococosEstreptococos
Estreptococos
 
Doenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por BactériasDoenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por Bactérias
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4
 
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungias
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungiasCap 17 principais doenças bacterianas e fungias
Cap 17 principais doenças bacterianas e fungias
 
Bacterias Doenças Provocadas
Bacterias Doenças ProvocadasBacterias Doenças Provocadas
Bacterias Doenças Provocadas
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Patogenia
PatogeniaPatogenia
Patogenia
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Aula 6 - M
Aula 6 - MAula 6 - M
Aula 6 - M
 
Trabalho de Doenças
Trabalho de DoençasTrabalho de Doenças
Trabalho de Doenças
 
Aula bacterioses x viroses
Aula   bacterioses x virosesAula   bacterioses x viroses
Aula bacterioses x viroses
 
Virologia
VirologiaVirologia
Virologia
 
O VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças viraisO VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças virais
 
Apres de fungosm
Apres de fungosmApres de fungosm
Apres de fungosm
 

Destaque

Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicasProcesso laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
gabrielleminacio
 
Corynebacterium diphtheriae
Corynebacterium diphtheriaeCorynebacterium diphtheriae
Corynebacterium diphtheriae
alejafigueroa
 
Resumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaResumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinica
Tamara Garcia
 
Vacinas da meningite
Vacinas da meningiteVacinas da meningite
Vacinas da meningite
Pedro Oliveira Santos
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Generos Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira ProvaGeneros Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira Prova
lidypvh
 
B I O F I L M E S B U C A I S
B I O F I L M E S  B U C A I SB I O F I L M E S  B U C A I S
B I O F I L M E S B U C A I S
guest712f83
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
Rodrigo Caixeta
 
Difteria
DifteriaDifteria
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
renato89enfermeiro
 
Difteria
DifteriaDifteria
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Slide bacterias
Slide bacteriasSlide bacterias
Slide bacterias
Jordan Rodrigues
 
Haemophilus influenzae B
Haemophilus influenzae BHaemophilus influenzae B
Haemophilus influenzae B
Gabriela Bruno
 
Haemophilus influenzae
Haemophilus influenzaeHaemophilus influenzae
Haemophilus influenzae
camanejotonto
 
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
Lais Valente
 
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacterianoMorfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
Pedro Filho
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
Elaine Carvalho
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 

Destaque (20)

Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicasProcesso laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
Processo laboratorial de identificação de bactérias patogênicas
 
Corynebacterium diphtheriae
Corynebacterium diphtheriaeCorynebacterium diphtheriae
Corynebacterium diphtheriae
 
Resumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaResumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinica
 
Vacinas da meningite
Vacinas da meningiteVacinas da meningite
Vacinas da meningite
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Generos Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira ProvaGeneros Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira Prova
 
B I O F I L M E S B U C A I S
B I O F I L M E S  B U C A I SB I O F I L M E S  B U C A I S
B I O F I L M E S B U C A I S
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Slide bacterias
Slide bacteriasSlide bacterias
Slide bacterias
 
Haemophilus influenzae B
Haemophilus influenzae BHaemophilus influenzae B
Haemophilus influenzae B
 
Haemophilus influenzae
Haemophilus influenzaeHaemophilus influenzae
Haemophilus influenzae
 
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
Diagnóstico Microbiológico das Infecções de Pele e do Tecido Subcutâneo.
 
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacterianoMorfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
Morfologia, metabolismo, genética e crescimento bacteriano
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 

Semelhante a Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico

Trabalho cap. 17
Trabalho cap. 17Trabalho cap. 17
Trabalho cap. 17
claudiasorelle
 
Amigdalite Bacteriana
Amigdalite  BacterianaAmigdalite  Bacteriana
Amigdalite Bacteriana
Vânia Caldeira
 
Amigdalite Bacteriana
Amigdalite BacterianaAmigdalite Bacteriana
Amigdalite Bacteriana
guest58bcdaa
 
Doenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueirozDoenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueiroz
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
danilo oliveira
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
Flávia Salame
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
2° Ta - cotuca
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
Marcus Magarinho
 
Engenharia sanitária e ambiental
Engenharia sanitária e ambientalEngenharia sanitária e ambiental
Engenharia sanitária e ambiental
Maria Fenicia Ugulino
 
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesDoenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Carlos Priante
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
pdprevencao
 
As principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasAs principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanas
Letícia Oliveira
 
viroses
virosesviroses
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
ProfDeboraCursinho
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 
Bactérias.
Bactérias.Bactérias.
Bactérias.
Raquell Lopes
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
Adriana Mércia
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 

Semelhante a Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico (20)

Trabalho cap. 17
Trabalho cap. 17Trabalho cap. 17
Trabalho cap. 17
 
Amigdalite Bacteriana
Amigdalite  BacterianaAmigdalite  Bacteriana
Amigdalite Bacteriana
 
Amigdalite Bacteriana
Amigdalite BacterianaAmigdalite Bacteriana
Amigdalite Bacteriana
 
Doenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueirozDoenças bio-katiaqueiroz
Doenças bio-katiaqueiroz
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
 
Engenharia sanitária e ambiental
Engenharia sanitária e ambientalEngenharia sanitária e ambiental
Engenharia sanitária e ambiental
 
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesDoenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
As principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasAs principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanas
 
viroses
virosesviroses
viroses
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Bactérias.
Bactérias.Bactérias.
Bactérias.
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 

Mais de Nanaxara da Silva

Explicando o 1 capítulo do apocalpse
Explicando o 1 capítulo do apocalpseExplicando o 1 capítulo do apocalpse
Explicando o 1 capítulo do apocalpse
Nanaxara da Silva
 
Estudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipseEstudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipse
Nanaxara da Silva
 
Como entender a mensagem do apocalpse
Como entender a mensagem do apocalpseComo entender a mensagem do apocalpse
Como entender a mensagem do apocalpse
Nanaxara da Silva
 
Como entender a mensagem do apocalipse
Como entender a mensagem do apocalipseComo entender a mensagem do apocalipse
Como entender a mensagem do apocalipse
Nanaxara da Silva
 
Como entender a mensagem do apocalipse(1)
Como entender a mensagem do apocalipse(1)Como entender a mensagem do apocalipse(1)
Como entender a mensagem do apocalipse(1)
Nanaxara da Silva
 
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
Nanaxara da Silva
 
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp017 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
Nanaxara da Silva
 
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
Nanaxara da Silva
 
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
Nanaxara da Silva
 
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
Nanaxara da Silva
 
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
Nanaxara da Silva
 

Mais de Nanaxara da Silva (11)

Explicando o 1 capítulo do apocalpse
Explicando o 1 capítulo do apocalpseExplicando o 1 capítulo do apocalpse
Explicando o 1 capítulo do apocalpse
 
Estudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipseEstudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipse
 
Como entender a mensagem do apocalpse
Como entender a mensagem do apocalpseComo entender a mensagem do apocalpse
Como entender a mensagem do apocalpse
 
Como entender a mensagem do apocalipse
Como entender a mensagem do apocalipseComo entender a mensagem do apocalipse
Como entender a mensagem do apocalipse
 
Como entender a mensagem do apocalipse(1)
Como entender a mensagem do apocalipse(1)Como entender a mensagem do apocalipse(1)
Como entender a mensagem do apocalipse(1)
 
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
8 igreja olhe para as oportunidades e no para os obstculos
 
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp017 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
7 reavivamentoousepultamento-101210042351-phpapp01
 
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
6 uma igreja debaixo do olhar investigador do cristo
 
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo
 
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
5 o perigo de a igreja misturar-se como mundo(1)
 
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
Estudo sobre as sete igrejas da asia 3
 

Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico

  • 1.  Corynebacterium diphtheriae  Enterococcus faecalis e Enterococcus faecium  Haemophilus influenzae, H. ducreyi e H. aphrophilus  Pseudomonas aeruginosa UNIGRARIO Elaine Ribeiro Marcela Maria de Fátima Nanaxara da Silva
  • 3.  Doença transmissível aguda, que ataca as mucosas do trato respiratória alto.  Atinge principalmente as crianças até 10 anos de idade.  Pode matar se não for tratada.  O sistema de vacinação tornou a doença de forma endêmica com alguns surtos esporádicos.
  • 4. Transmissão:  Causado por Corynebacterium diphtheriae, um bacilo gram-positivo.  Transmitido por contágio direto com doentes ou portadores assintomáticos através das secreções nasais.  Também pode ocorrer a transmissão indireta, através de objetos ou leite que tenham sido contaminados recentemente.  Em ambientes fechados pode acontecer a transmissão de difteria.
  • 5. Fator de Virulência:  Corynebacterium diphtheriae multiplica-se localmente no nariz, amídalas, faringe e laringe.  Caracteriza-se pelo pequeno poder invasivo, sem bacteriemia.  A toxina da difteria é o principal factor de virulência.  Produzir poderosa exotoxina -AB.  Esta toxina proteica ocorre no local da infecção e é disperso através do sangue para provocar os sintomas clínicos de difteria.  No local da infecção, os leucócitos, depósitos de fibrina, tecido necrótico, bacilos diftéricos (tox+ ou tox-) e outras bactérias vão formar a pseudomembrana típica da difteria.  Se a cepa for toxigênica, a toxina produzida no local da infecção cai na corrente sangüínea atingindo músculo cardíaco e tecido nervoso, principalmente.  O mecanismo de ação da toxina no interior da célula, através do fragmento A, é a inibição da síntese protéica.  A partir daí, pode-se imaginar os sérios distúrbios que são causados no metabolismo celular e suas conseqüências, gerando quadros clínicos tão mais graves quanto maior a absorção da toxina.  No tecido nervoso ocorre a desmielinização.  No miocárdio, ocorre a degeneração gordurosa e miocardite, com distúrbios no sistema de condução.
  • 6. Diagnóstico:  Exames clínico, físico, laboratoriais e estudos radiológicos. Diagnóstico laboratorial:  Realizado mediante a identificação e isolamento do C. diphtheriae.
  • 7. O diagnóstico diferencial da difteria deverá ser feito com as patologias descritas a seguir:  difteria cutânea – impetigo, ectima, eczema, úlceras;  difteria nasal – rinite estreptocócica, rinite sifilítica, corpo estranho nasal;  difteria amigdaliana ou faríngea – amigdalite estreptocócica, angina monocítica, angina de Plaut Vicent, agranulocitose;  difteria laríngea – crupe viral, laringite estridulosa, epiglotite aguda, inalação de corpo estranho.
  • 8. Os fatores associados ao mau prognóstico são:  tempo da doença sem instituição de tratamento - pior se acima de 3 dias;  presença de edema periganglionar;  presença de manifestações hemorrágicas;  presença de placas extensas na orofaringe;  miocardite precoce;  presença de insuficiência renal.
  • 9. Prevenção:  Vacinação; Tratamento:  Observação;  Soro antidiftérico;  Isolamento respiratório;  Antibioticoterapia;  Traqueostomia;  Repouso absoluto;  Manutenção do equilíbrio hidreletrolítico;  Dieta leve;  Nebulização ou vaporização.
  • 11.  Os enterococos são bactérias que nos últimos 20 anos tem crescido.  É conhecido por sua baixa virulência em comparação com os outros Gram-positivos.  Bactéria com alta capacidade de adaptação e sobrevivência.  São anaeróbios facultativo.  Está presente na flora do trato gastrointestinal do homem pode também ser encontrada na mucosa oral, vaginal e na pele.  Habita no solo e nos alimentos.
  • 12.  cocos gram+ em cadeias ou aos pares  Capsulados, não esporulados, imóveis  Catalase  grupo diversificado: comensais/ invasores  grande variabilidade na patogenicidade e susceptibilidade aos  antimicrobianos
  • 13. Habitat Trato gastrintestinal Trato geniturinário Cavidade oral Solo, Água, Vegetais e Alimentos Sobrevive em ambientes contaminados
  • 14. Transmissão:  Através da água contaminada;  Alimentos;  Contato direto; Virulência:  Substancia do trato urinário,  Infecções de feridas,  Endocardite nos adultos,  Meningite bacteriana no recém-nascido.
  • 15. Diagnóstico:  Isolamento;  Identificação presuntiva: gram, morfologia colonial, padrão de hemólise e catalase. Tratamento:  Combinação da gentamicina com penicilina ou ampicilina;  linezolida ou daptomicina;
  • 18. É uma bactéria oportunista, ou seja, raramente causa doenças em um sistema imunológico saudável, ela atua explorando eventuais fraquezas do organismo para estabelecer seu quadro de infecção.
  • 20. Uma das suas principais características é sua resistência natural a um grande número de antibióticos e antissépticos.
  • 21. O diagnóstico é realizado através de amostras de lesões cutâneas, exsudato, urina, sangue, LCR, e escarro, dependendo da infecção.
  • 22. O tratamento é realizado através da associação de alguns antibióticos como: Aztreonam, Imipenem, Gentamicina, amicacina entre outros.
  • 24.  HAEMOPHILUS É UMA BACTÉRIA GRAM NEGATIVA PODENDO SER CAPSULADA OU NÃO
  • 25.  NORMALMENTE É RESPONSÁVEL POR DIVERSAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS
  • 26. TRANSMISSÃO  a transmissão se dá pelo contato com pessoas infectadas com a bactéria , mesmo aqueles que não apresentam manifestação clinica.  A gripe é uma doença viral causada pelo vírus influenza
  • 27. FONTES DE INFECÇÃO  A aquisição da infecção está relacionada ao tipo de germe associado. Geralmente pode estar asssociado a um quadro infeccioso respiratório podendo ser viral ou bacteriano. Ex. viral – gripe bacteriano – meningite
  • 28. PATOGENIA  A cápsula polissacaridea é o principal fator de virulência e é usado como antígeno vacinal
  • 29. DIAGNÓSTICO amostras do local infectado exames de sangue
  • 30. Tratamento  vacinas contra haemophilus influenzae tipo b (HIB) é dicada para imunização ativa a partir das 6 semanas de vida  ampicilina  cefalosporinas  azitromicina