SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
LEIS DAS REAÇÕES
QUÍMICAS
As leis das reações químicas podem ser
divididas em dois grupos:
LEIS PONDERAIS
São as leis relativas às massas
das substâncias que participam
das reações químicas

LEIS VOLUMÉTRICAS
São as leis relativas aos
volumes das substâncias que
participam das reações
químicas
As principais leis ponderais são:
L da conservação das massas
ei
ou
L de L
ei
avoisier

L das proporções múltiplas
ei
ou
L de Dalton
ei

L das proporções constantes
ei
ou
L de Proust
ei
Le i da co nse rvação das massas
ou
Le i de Lavo isie r
me tano

+

o xig ê nio
16 g

4g

g ás carbô nico
11 g

re ag e nte s
4g

+ 16 g

+

ág ua
9g

pro duto
11 g

= 20 g

+ 9g

= 20 g

N AREA O QUÍ I AM SSATO TA DO S REA
UM
ÇÃ
M CA
A
L
GEN
TES
ÉI
GUA ÀM SSATO TA DO S PRODUTO S
L
A
L
o u ainda

N N TUREZA N DASE PERDE, N DASE CRI ;
A A
, A
A
A
TUDO SE TRA SFORM
N
A
0 1 ) A re ação e ntre 23g de álco o l e tílico e 48 g de
o xig ê nio pro duziu 27 g de ág ua, ao lado de g ás
carbô nico . Amassa de g ás carbô nico o btida fo i de :
a) 44g .
b) 22g .
c) 6 1 g .
d) 8 8 g .
e) 1 8 g.

álcool etílico

+

oxigênio

23g

23 + 48
7 1 – 27 =

48g

=

gás carbônico

mg

m + 27
m

m = 44g

+

água

27g
0 2) A rca de uma re ação q uímica, co nside re as
ce
se g uinte s afirmaçõ e s:
I Amassa se co nse rva.
.

V

I . A mo lé culas se co nse rvam.
I s
I I O s áto mo s se co nse rvam.
I.
São co rre tas as afirmaçõ e s:
a) Ie I ape nas.
I
b) I e I Iape nas.
I I
c) Ie I Iape nas.
I
d) Iape nas.
e ) I Iape nas.
I

F
V
Le i das pro po rçõ e s co nstante s
ou
Le i de Pro ust
hidro g ê nio

+

o xig ê nio

ág ua

1 ª e xpe riê ncia:

2g

16 g

18 g

2ª e xpe riê ncia:

4g

32 g

36 g

1 ª e xpe riê ncia:

2ª e xpe riê ncia:

massa de hidro g ê nio
massa de o xig ê nio
massa de hidro g ê nio
massa de o xig ê nio

=

=

2g
16 g
4g
32 g

=

=

1 g
8 g
1 g
8 g

QUA
LQUER QUE SEJAO M
ÉTO DO DE O B
TEN O DE UM
ÇÃ
A
SUB N A ELAÉ SEM
STÂ CI ,
PRE FO RM DAPELO S M
A
ESM S
O
ELEM TO S QUÍ I S CO M I A S N AM
EN
M CO
B N DO
UM ESM PRO PO RÇÃ
A
O
CON
SEQÜÊN A DALEIDE PRO UST
CI S
CÁ
LCULO ESTEQUI ÉTRI
OM
CO

É o cálculo pe lo q ual pre ve mo s
as q uantidade s das substâncias
q ue participarão de
uma re ação q uímica
01) Sabemos que 7g de nitrogênio reagem todo com
1,5g de hidrogênio, produzindo gás amônia.
A massa de gás amoníaco que iremos obter nessa
reação quando misturamos 2,1g de nitrogênio
com uma quantidade suficiente de hidrogênio é:
nitrogênio
+ hidrogênio
gás amoníaco
a) 8,1g.
7g
1,5 g
8,5 g
b) 10,2g.
mg
2,1 g
c) 2,55g.
7
8,5
=
d) 4,00g.
2,1
m
e) 3,60g.

7

m =

2,1 x 8,5
7 x m = 17,85
17,85
m = 2,55g
m =
7
x
02) A combustão completa do metano (CH ) produz
4
dióxido de carbono (CO2) e água.
A alternativa que representa o número de mols
de CO2 produzido na combustão de 0,3 mol de
CH é:
4
CH + 2 O2  CO2 + 2 H O
4
2
a) 1,2 mols.
b) 0,6 mol.
c) 0,9 mol.
d) 0,3 mol.
e) 1,5 mol.

1 mol
0,3 mol

1 mol
n mol
n = 0,3 mol
03) Quantos gramas de H são liberados na reação
2
completa de 1 mol de cálcio metálico com ácido
clorídrico ?
Dado: H = 2 g/
2
mol
Ca + 2 H  CaCl2 + H
Cl
2

a) 1g.
b) 2g.
c) 3g.

mol

massa

d) 4g.

1 mol

12mol
g

e) 5g.
04) O brometo de cálcio encerra 20% de cálcio em
massa. J
untando-se 4g de cálcio e 4g de bromo
teremos, no máximo:
a) 8g de brometo de cálcio.
b) 7g de brometo de cálcio.
c) 6g de brometo de cálcio.
d) 5g de brometo de cálcio.
e) 4g de brometo de cálcio.
cálcio

+

bromo

+

80 g
ou
4g
4g
4g =

20 g
1g
1g
4g
1g

brometo de cálcio
100 g

x

5g
xg
x = 5g
05) E relação ao quesito anterior, haverá uma
m
sobra de:
a) 3g de bromo.
b) 2g de bromo.
c) 1g de bromo.
d) 3g de cálcio.
e) 2g de cálcio.

4g

– 1g =

3 g de cálcio
CO M SI O CEN
PO ÇÃ
TESI A
ML

São as po rce ntag e ns, e m massa, do s
e le me nto s fo rmado re s de uma substância
carbono

hidrogênio

+

metano

1ª experiência:

12 g

4g

16 g

2ª experiência:

xg

yg

100 g

12
x =
12
x
16

x

4
y
16

=

100

16

x = 1200
=

x

16

16
100

y = 400

x

x

x =
16

x

y =

4
y

= 12

16
100

=

100

x

1200
16

y = 4
400
16

x

x =

75 % de C

100
y

= 25 % de H
01) O carbonato de cálcio é formado por 40% de
cálcio, 12% de carbono e x% de oxigênio, em
massa. E 50g do referido sal à quantidade de
m
oxigênio é igual a:
cálcio

+

carbono

+

a) 8g.
b) 16g.
c) 24g.
d) 32g.
e) 48g.

48 %
x g

48
m
100

100 g

mg

40%

12%

carbonato de cálcio

oxigênio

50 g

=
x

100
50

100

m = 2400

40 + 12 + x = 100 g
x = 48 g

x

m = 48

m =

2400
100

m = 24 g

x

50
02) A porcentagem em massa do carbono no CH 3
Cl
(clorofórmio) é:
Dados: H = 1 u; C = 12 u; Cl = 35,5 u
a) 1%.

12
119,5
=
100
x

b) 10%.
c) 12%.

119,5

d) 24%.

x =

e) 50%.
carbono
12 g
xg

x

119,5
x

1200

x

x = 12

x

100

= 1200
= 10 %

119,5
+

hidrogênio
1g

+ cloro
106,5 g

clorofórmio
119,5 g
100 g
L I DAS P OP
E
R ORÇÕE M T L
S ÚL IP AS
ou
L I DE DAL ON
E
T
Quando dois elementos reagem formando substâncias
diferentes, se a massa de um dos dois permanecer constante,
a massa do outro irá variar segundo valores múltiplos ou
submúltiplos
1ª experiência:

hidrogênio
4g

+

2ª experiência:

hidrogênio
4g

+ oxigênio
64 g

32 g
64 g

=

32 g : 32 =
64 g : 32

1
2

oxigênio
32 g

água
36 g
água oxigenada
68 g

A proporção é de 1 : 2
Lei das proporções
recíprocas ou lei de Richter –
Wenzel – Berzelius
• Essa lei refere-se à massa fixa de ma de um
elementos A que é combinado com as massas
mb e mc dos elementos B e C, respectivamente,
se acaso B e C combinarem entre si, usaram as
massas m’b e m’c de maneira que:
É necessária extrema atenção, pois essa lei é
bastante complexa, observe o seguinte esquema,
que se trata de três elementos químicos A, B C.
Observe:
Caso B e C reagirem entre si, pode-se
concluir que:

Onde teremos:

onde p e q serão números inteiros,
em geral, pequenos.
Vejamos um exemplo:

Verificando por meio de experiências, que:
- 6g de carbono + 2g de hidrogênio → metano
- 6g de carbono + 71g de cloro → tetracloreto de carbono
Foi verificado também, que
- 2g de hidrogênio + 71g de cloro → gás clorídrico
Neste composto estão combinados, hidrogênio e
cloro na proporção (2 : 71), e se haviam
combinado na massa fixa (6g) de carbono, desta
forma o resultado correspondente é:
L IS VOL É R
E
UM T ICAS
São as leis relativas aos volumes das
substâncias que
participam de uma reação

As relações entre os volumes dos gases
que reagem foram determinada foram
determinadas por
GAY-L
USSAC
E
stas leis podem ser resumidas em um
único enunciado

“ Quando medidos nas mesmas condições de
temperatura e pressão, os volumes reagentes e
dos produtos gasosos formam uma proporção
constante, de números inteiros e pequenos “
Na reação entre os gases hidrogênio e cloro, foram
medidos os seguintes volumes:
+

hidrogênio
15 L

cloro
15 L

gás clorídrico
30 L

Simplificando-se esses valores teremos a
seguintes relação 1 : 1 : 2
que é uma relação de números inteiros e
pequenos
Na reação entre os gases hidrogênio e oxigênio
foi medidos os seguintes volumes:
hidrogênio
6L

+

oxigênio
3L

água
6L

Simplificando-se esses valores teremos a
seguintes relação 2 : 1 : 2
que é uma relação de números inteiros e
pequenos
H ÓT SE DE AVOGADRO
IP E

Volumes iguais de gases quaisquer, medidos nas
mesmas condições de temperatura e pressão
encerram o mesmo número de moléculas
01) Um balão A contém 8,8g de CO2 e um balão B
contém N2. Sabendo que os dois balões têm igual
capacidade e apresentam a mesma pressão e
temperatura, calcule a massa de N2 no balão B
.
Dados: C = 12 g/
mol; O = 16 g/
mol; N = 14 g/
mol.
mCO2
m N2
n CO2 = n N2
MCO2
MN2

a) 56g.
b) 5,6g.

8,8
44

=

m
28

c) 0,56g.
44

d) 4,4g.
e) 2,8g.
N
C
O

44

CO2
N2
1 XX12 = 12
2 14 = 28
2 X 16 = 32
44

x
x

m = 8,8

x

28

m = 246,4
m=

246,4
44

= 5,6 g
02) (Covest-90) Como produto da eletrólise da água,
recolhe-se gás oxigênio no eletrodo positivo
(ânodo) e gás hidrogênio no eletrodo negativo
(cátodo). Assinale que afirmativa representa a
razão entre os volumes dos gases recolhidos, nas
mesmas condições de temperatura e pressão.
2

HO
2

1

O2

+

2 H
2

a) 1 volume de oxigênio para 1 volume de hidrogênio.
b) 2 volumes de oxigênio para 1 volume de hidrogênio.
c) 1 volume de oxigênio para 3/ volumes de hidrogênio.
2
d) 1 volume de oxigênio para 2 volumes de hidrogênio.
e) 3/ volumes de oxigênio para 1 volume de hidrogênio.
2
03) P
ara a reação 2 SO2(g)

+ O2(g)  2 SO3(g),

quantos litros de trióxido de enxofre (SO3) serão
produzidos a partir de 10 L de O2, considerando
que todos os volumes foram medidos nas mesmas
condições de temperatura e pressão?
a) 5 L
.
b) 10 L
.

2 SO2 + 1 O2

c) 20 L
.

1L

d) 30 L
.

2 SO3

10 L

e) 40 L
.

2L
V
V = 20 L
DE E INAÇÃO DE F
T RM
ÓRM AS
UL
As substâncias podem ser representadas pelas fórmulas
CE E AL M
NT SIM , ÍNIM e M E AR
A
OL CUL
F
ÓRM A CE E AL
UL
NT SIM
É a fórmula que indica os elementos químicos e as porcentagens,
em massa, de cada átomo que forma a substância
MT
E ANO

C75% H

25%

Indica que:
O metano é constituído por carbono e hidrogênio
E 100g de metano existem 75g de carbono e 25g de hidrogênio
m
F
ÓRM A M E AR
UL
OL CUL
É a fórmula que indica os elementos químicos que
constituem a substância e o número de átomos de cada
elemento na molécula
GL
ICOSE
C6H O6
12
Indica que:
A glicose é constituída por carbono, hidrogênio e oxigênio
E uma molécula de glicose existem 6 átomos de carbono,
m
12 átomos de hidrogênio e 6 átomos de oxigênio
F
ÓRM A M
UL
ÍNIM
A
É a fórmula que indica os elementos químicos que constituem
a substância e a proporção em número de átomos desses
elementos, expressa em números inteiros e os menores
possíveis
GL
ICOSE

fórmula molecular

GL
ICOSE

fórmula mínima

C6H O6
12
CH O
2

Indica que:
A glicose é constituída por carbono, hidrogênio e oxigênio
E uma molécula de glicose existe uma proporção de
m
1 átomo de carbono, 2 átomos de hidrogênio e
1 átomo de oxigênio
P
odemos calcular a fórmula mínima partindo da fórmula
molecular,fórmula centesimal
ou das massas que participam da reação
01) (Covest – 2005) Uma substância pura foi analisada em
laboratório e foram obtidos os seguintes resultados:
T
eor de H = 0,4 g, teor de C = 2,4 g e teor de O = 3,2 g.
Sendo a fórmula mínima desta substância H CmOn,
ℓ
calcule a soma ℓ + m + n.
Dados H (A = 1 u.), C (A = 12 u.), O (A = 16 u.).
H
:
C:
O:

0,4
1
2,4
12
3,2
16

= 0,4 mol : 0,2 =

2 mol

= 0,2 mol : 0,2 =

1 mol

= 0,2 mol : 0,2 =

1 mol

fórmula mínima
soma:

H C1O1
2
2 + 1 + 1

= 04
Podemos calcular a fórmula molecular partindo da fórmula molecular,fórmula
centesimal
ou das massas que participam da reação
02) (M
odificado) Uma substância pura foi analisada em laboratório
e foram obtidos os seguintes resultados: T
eor de H = 0,4 g,
teor de C = 2,4 g, teor de O = 3,2 g e massa molar 90 g/
mol.
A fórmula mínima desta substância é H CmOn, escreva a
ℓ
fórmula molecular da substância.
Dados H (A = 1 u.), C (A = 12 u.), O (A = 16 u.).
H
:
C:
O:
n =

0,4
1
2,4
12
3,2
16

=

0,4 mol : 0,2 =

fórmula mínima

2 mol

=

0,2 mol : 0,2 =

1 mol

=

0,2 mol

: 0,2 =

H C1O1
2

1 mol

massa molar
massa da fórmula mínima
fórmula molecular:

=

fórmula molecular

(H C1O1) n
2
90

= 3

30

H C3O3
6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Reações químicas ppt
Reações químicas pptReações químicas ppt
Reações químicas ppt
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Leis ponderais e_modelo_de_dalton
Leis ponderais e_modelo_de_daltonLeis ponderais e_modelo_de_dalton
Leis ponderais e_modelo_de_dalton
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Leis ponderais e o modelo atmico de dalton
Leis ponderais e o modelo atmico de daltonLeis ponderais e o modelo atmico de dalton
Leis ponderais e o modelo atmico de dalton
 
Aula sobre grandezas químicas
Aula sobre grandezas químicasAula sobre grandezas químicas
Aula sobre grandezas químicas
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Slide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeSlide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidade
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Misturas Homogêneas e Heterogêneas
Misturas Homogêneas e HeterogêneasMisturas Homogêneas e Heterogêneas
Misturas Homogêneas e Heterogêneas
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 

Destaque

Destaque (20)

Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Dalton /Gay Lussac
Dalton /Gay LussacDalton /Gay Lussac
Dalton /Gay Lussac
 
Leis Da Química
Leis Da QuímicaLeis Da Química
Leis Da Química
 
Lei de lavoisier
Lei de lavoisierLei de lavoisier
Lei de lavoisier
 
Reações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierReações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisier
 
Antoine Lavoisier
Antoine LavoisierAntoine Lavoisier
Antoine Lavoisier
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Leis ponderais 2
Leis ponderais 2Leis ponderais 2
Leis ponderais 2
 
Evolução dos modelos atômicos e analogias empregadas no
Evolução dos modelos atômicos e analogias empregadas noEvolução dos modelos atômicos e analogias empregadas no
Evolução dos modelos atômicos e analogias empregadas no
 
Química
QuímicaQuímica
Química
 
Modelos atomicos
Modelos atomicos Modelos atomicos
Modelos atomicos
 
Separacao de mist
Separacao de mistSeparacao de mist
Separacao de mist
 
Transp Celular
Transp CelularTransp Celular
Transp Celular
 
Leis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicosLeis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicos
 
"Somos Físicos" Transformações Químicas
"Somos Físicos" Transformações Químicas"Somos Físicos" Transformações Químicas
"Somos Físicos" Transformações Químicas
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Simbolos químicos, unidades estruturais e iões cópia
Simbolos químicos, unidades estruturais e iões   cópiaSimbolos químicos, unidades estruturais e iões   cópia
Simbolos químicos, unidades estruturais e iões cópia
 
Tipos de reações químicas
Tipos de reações químicasTipos de reações químicas
Tipos de reações químicas
 

Semelhante a Leis ponderais

ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..ppt
ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..pptESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..ppt
ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..pptFabianoSales13
 
09 calculo estequiometrico
09 calculo estequiometrico09 calculo estequiometrico
09 calculo estequiometricoresolvidos
 
Cálculos estequiométricos
Cálculos estequiométricosCálculos estequiométricos
Cálculos estequiométricosMarilia Estevao
 
Aula 02 - Estequiometria.pptx
Aula 02 - Estequiometria.pptxAula 02 - Estequiometria.pptx
Aula 02 - Estequiometria.pptxJosBorges56
 
2016 aulas 4 e 5 - progressao ext noite
2016   aulas 4 e 5 - progressao ext noite2016   aulas 4 e 5 - progressao ext noite
2016 aulas 4 e 5 - progressao ext noitepaulomigoto
 
Exercicio reagente limitante
Exercicio reagente limitanteExercicio reagente limitante
Exercicio reagente limitanteRogerio Andrade
 
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptxAula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptxNivaldoJnior16
 
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdf
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdfestequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdf
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdfRicardoBrunoFelix
 
Estequiometria conceitos e aplicações
Estequiometria   conceitos e aplicaçõesEstequiometria   conceitos e aplicações
Estequiometria conceitos e aplicaçõesProfª Alda Ernestina
 
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manual
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manualaula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manual
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manualhensonmateus035
 

Semelhante a Leis ponderais (20)

ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..ppt
ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..pptESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..ppt
ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES QUIMICAS..ppt
 
leis ponderais 02.pdf
leis ponderais 02.pdfleis ponderais 02.pdf
leis ponderais 02.pdf
 
Reacoes
ReacoesReacoes
Reacoes
 
123
123123
123
 
09 calculo estequiometrico
09 calculo estequiometrico09 calculo estequiometrico
09 calculo estequiometrico
 
Cálculos estequiométricos
Cálculos estequiométricosCálculos estequiométricos
Cálculos estequiométricos
 
Aula 02 - Estequiometria.pptx
Aula 02 - Estequiometria.pptxAula 02 - Estequiometria.pptx
Aula 02 - Estequiometria.pptx
 
Lista 9 2014
Lista 9   2014Lista 9   2014
Lista 9 2014
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 
2016 aulas 4 e 5 - progressao ext noite
2016   aulas 4 e 5 - progressao ext noite2016   aulas 4 e 5 - progressao ext noite
2016 aulas 4 e 5 - progressao ext noite
 
103
103103
103
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 
Exercicio reagente limitante
Exercicio reagente limitanteExercicio reagente limitante
Exercicio reagente limitante
 
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptxAula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdf
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdfestequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdf
estequiometria-conceitoseaplicaes-140415075418-phpapp02.pdf
 
Estequiometria conceitos e aplicações
Estequiometria   conceitos e aplicaçõesEstequiometria   conceitos e aplicações
Estequiometria conceitos e aplicações
 
Aula de estequiometria
Aula de estequiometriaAula de estequiometria
Aula de estequiometria
 
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manual
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manualaula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manual
aula2estequiometria.pdf e mais do que um simples manual
 
Apresentação de estequiometria
Apresentação de estequiometriaApresentação de estequiometria
Apresentação de estequiometria
 

Mais de Escola Modelo de Iguatu

Mais de Escola Modelo de Iguatu (20)

Apostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no ArApostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no Ar
 
Era JK
Era JKEra JK
Era JK
 
Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2
 
Globalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos EconômicosGlobalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos Econômicos
 
Formação Territorial
Formação TerritorialFormação Territorial
Formação Territorial
 
Era Vargas - Parte II
Era Vargas - Parte IIEra Vargas - Parte II
Era Vargas - Parte II
 
Desastre ambiental atualidades
Desastre ambiental   atualidadesDesastre ambiental   atualidades
Desastre ambiental atualidades
 
Aula - China
Aula - ChinaAula - China
Aula - China
 
3° Ano - Aula 16 - 19 - Brasil República / República Velha
3° Ano - Aula 16 - 19 - Brasil República / República Velha3° Ano - Aula 16 - 19 - Brasil República / República Velha
3° Ano - Aula 16 - 19 - Brasil República / República Velha
 
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
 
Função oxigenadas e nitrogenadas
Função oxigenadas e nitrogenadasFunção oxigenadas e nitrogenadas
Função oxigenadas e nitrogenadas
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Números complexos I – Gabarito
Números complexos I – GabaritoNúmeros complexos I – Gabarito
Números complexos I – Gabarito
 
Números complexos
Números complexosNúmeros complexos
Números complexos
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
 
Processo de Eletrização [Aula 01]
Processo de Eletrização [Aula 01]Processo de Eletrização [Aula 01]
Processo de Eletrização [Aula 01]
 

Último

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 

Último (20)

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 

Leis ponderais

  • 2. As leis das reações químicas podem ser divididas em dois grupos: LEIS PONDERAIS São as leis relativas às massas das substâncias que participam das reações químicas LEIS VOLUMÉTRICAS São as leis relativas aos volumes das substâncias que participam das reações químicas
  • 3. As principais leis ponderais são: L da conservação das massas ei ou L de L ei avoisier L das proporções múltiplas ei ou L de Dalton ei L das proporções constantes ei ou L de Proust ei
  • 4. Le i da co nse rvação das massas ou Le i de Lavo isie r me tano + o xig ê nio 16 g 4g g ás carbô nico 11 g re ag e nte s 4g + 16 g + ág ua 9g pro duto 11 g = 20 g + 9g = 20 g N AREA O QUÍ I AM SSATO TA DO S REA UM ÇÃ M CA A L GEN TES ÉI GUA ÀM SSATO TA DO S PRODUTO S L A L o u ainda N N TUREZA N DASE PERDE, N DASE CRI ; A A , A A A TUDO SE TRA SFORM N A
  • 5. 0 1 ) A re ação e ntre 23g de álco o l e tílico e 48 g de o xig ê nio pro duziu 27 g de ág ua, ao lado de g ás carbô nico . Amassa de g ás carbô nico o btida fo i de : a) 44g . b) 22g . c) 6 1 g . d) 8 8 g . e) 1 8 g. álcool etílico + oxigênio 23g 23 + 48 7 1 – 27 = 48g = gás carbônico mg m + 27 m m = 44g + água 27g
  • 6. 0 2) A rca de uma re ação q uímica, co nside re as ce se g uinte s afirmaçõ e s: I Amassa se co nse rva. . V I . A mo lé culas se co nse rvam. I s I I O s áto mo s se co nse rvam. I. São co rre tas as afirmaçõ e s: a) Ie I ape nas. I b) I e I Iape nas. I I c) Ie I Iape nas. I d) Iape nas. e ) I Iape nas. I F V
  • 7. Le i das pro po rçõ e s co nstante s ou Le i de Pro ust hidro g ê nio + o xig ê nio ág ua 1 ª e xpe riê ncia: 2g 16 g 18 g 2ª e xpe riê ncia: 4g 32 g 36 g 1 ª e xpe riê ncia: 2ª e xpe riê ncia: massa de hidro g ê nio massa de o xig ê nio massa de hidro g ê nio massa de o xig ê nio = = 2g 16 g 4g 32 g = = 1 g 8 g 1 g 8 g QUA LQUER QUE SEJAO M ÉTO DO DE O B TEN O DE UM ÇÃ A SUB N A ELAÉ SEM STÂ CI , PRE FO RM DAPELO S M A ESM S O ELEM TO S QUÍ I S CO M I A S N AM EN M CO B N DO UM ESM PRO PO RÇÃ A O
  • 8. CON SEQÜÊN A DALEIDE PRO UST CI S CÁ LCULO ESTEQUI ÉTRI OM CO É o cálculo pe lo q ual pre ve mo s as q uantidade s das substâncias q ue participarão de uma re ação q uímica
  • 9. 01) Sabemos que 7g de nitrogênio reagem todo com 1,5g de hidrogênio, produzindo gás amônia. A massa de gás amoníaco que iremos obter nessa reação quando misturamos 2,1g de nitrogênio com uma quantidade suficiente de hidrogênio é: nitrogênio + hidrogênio gás amoníaco a) 8,1g. 7g 1,5 g 8,5 g b) 10,2g. mg 2,1 g c) 2,55g. 7 8,5 = d) 4,00g. 2,1 m e) 3,60g. 7 m = 2,1 x 8,5 7 x m = 17,85 17,85 m = 2,55g m = 7 x
  • 10. 02) A combustão completa do metano (CH ) produz 4 dióxido de carbono (CO2) e água. A alternativa que representa o número de mols de CO2 produzido na combustão de 0,3 mol de CH é: 4 CH + 2 O2  CO2 + 2 H O 4 2 a) 1,2 mols. b) 0,6 mol. c) 0,9 mol. d) 0,3 mol. e) 1,5 mol. 1 mol 0,3 mol 1 mol n mol n = 0,3 mol
  • 11. 03) Quantos gramas de H são liberados na reação 2 completa de 1 mol de cálcio metálico com ácido clorídrico ? Dado: H = 2 g/ 2 mol Ca + 2 H  CaCl2 + H Cl 2 a) 1g. b) 2g. c) 3g. mol massa d) 4g. 1 mol 12mol g e) 5g.
  • 12. 04) O brometo de cálcio encerra 20% de cálcio em massa. J untando-se 4g de cálcio e 4g de bromo teremos, no máximo: a) 8g de brometo de cálcio. b) 7g de brometo de cálcio. c) 6g de brometo de cálcio. d) 5g de brometo de cálcio. e) 4g de brometo de cálcio. cálcio + bromo + 80 g ou 4g 4g 4g = 20 g 1g 1g 4g 1g brometo de cálcio 100 g x 5g xg x = 5g
  • 13. 05) E relação ao quesito anterior, haverá uma m sobra de: a) 3g de bromo. b) 2g de bromo. c) 1g de bromo. d) 3g de cálcio. e) 2g de cálcio. 4g – 1g = 3 g de cálcio
  • 14. CO M SI O CEN PO ÇÃ TESI A ML São as po rce ntag e ns, e m massa, do s e le me nto s fo rmado re s de uma substância
  • 15. carbono hidrogênio + metano 1ª experiência: 12 g 4g 16 g 2ª experiência: xg yg 100 g 12 x = 12 x 16 x 4 y 16 = 100 16 x = 1200 = x 16 16 100 y = 400 x x x = 16 x y = 4 y = 12 16 100 = 100 x 1200 16 y = 4 400 16 x x = 75 % de C 100 y = 25 % de H
  • 16. 01) O carbonato de cálcio é formado por 40% de cálcio, 12% de carbono e x% de oxigênio, em massa. E 50g do referido sal à quantidade de m oxigênio é igual a: cálcio + carbono + a) 8g. b) 16g. c) 24g. d) 32g. e) 48g. 48 % x g 48 m 100 100 g mg 40% 12% carbonato de cálcio oxigênio 50 g = x 100 50 100 m = 2400 40 + 12 + x = 100 g x = 48 g x m = 48 m = 2400 100 m = 24 g x 50
  • 17. 02) A porcentagem em massa do carbono no CH 3 Cl (clorofórmio) é: Dados: H = 1 u; C = 12 u; Cl = 35,5 u a) 1%. 12 119,5 = 100 x b) 10%. c) 12%. 119,5 d) 24%. x = e) 50%. carbono 12 g xg x 119,5 x 1200 x x = 12 x 100 = 1200 = 10 % 119,5 + hidrogênio 1g + cloro 106,5 g clorofórmio 119,5 g 100 g
  • 18. L I DAS P OP E R ORÇÕE M T L S ÚL IP AS ou L I DE DAL ON E T Quando dois elementos reagem formando substâncias diferentes, se a massa de um dos dois permanecer constante, a massa do outro irá variar segundo valores múltiplos ou submúltiplos 1ª experiência: hidrogênio 4g + 2ª experiência: hidrogênio 4g + oxigênio 64 g 32 g 64 g = 32 g : 32 = 64 g : 32 1 2 oxigênio 32 g água 36 g água oxigenada 68 g A proporção é de 1 : 2
  • 19. Lei das proporções recíprocas ou lei de Richter – Wenzel – Berzelius
  • 20. • Essa lei refere-se à massa fixa de ma de um elementos A que é combinado com as massas mb e mc dos elementos B e C, respectivamente, se acaso B e C combinarem entre si, usaram as massas m’b e m’c de maneira que:
  • 21. É necessária extrema atenção, pois essa lei é bastante complexa, observe o seguinte esquema, que se trata de três elementos químicos A, B C. Observe:
  • 22. Caso B e C reagirem entre si, pode-se concluir que: Onde teremos: onde p e q serão números inteiros, em geral, pequenos.
  • 23. Vejamos um exemplo: Verificando por meio de experiências, que: - 6g de carbono + 2g de hidrogênio → metano - 6g de carbono + 71g de cloro → tetracloreto de carbono
  • 24. Foi verificado também, que - 2g de hidrogênio + 71g de cloro → gás clorídrico Neste composto estão combinados, hidrogênio e cloro na proporção (2 : 71), e se haviam combinado na massa fixa (6g) de carbono, desta forma o resultado correspondente é:
  • 25. L IS VOL É R E UM T ICAS São as leis relativas aos volumes das substâncias que participam de uma reação As relações entre os volumes dos gases que reagem foram determinada foram determinadas por GAY-L USSAC
  • 26. E stas leis podem ser resumidas em um único enunciado “ Quando medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão, os volumes reagentes e dos produtos gasosos formam uma proporção constante, de números inteiros e pequenos “
  • 27. Na reação entre os gases hidrogênio e cloro, foram medidos os seguintes volumes: + hidrogênio 15 L cloro 15 L gás clorídrico 30 L Simplificando-se esses valores teremos a seguintes relação 1 : 1 : 2 que é uma relação de números inteiros e pequenos
  • 28. Na reação entre os gases hidrogênio e oxigênio foi medidos os seguintes volumes: hidrogênio 6L + oxigênio 3L água 6L Simplificando-se esses valores teremos a seguintes relação 2 : 1 : 2 que é uma relação de números inteiros e pequenos
  • 29. H ÓT SE DE AVOGADRO IP E Volumes iguais de gases quaisquer, medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão encerram o mesmo número de moléculas
  • 30. 01) Um balão A contém 8,8g de CO2 e um balão B contém N2. Sabendo que os dois balões têm igual capacidade e apresentam a mesma pressão e temperatura, calcule a massa de N2 no balão B . Dados: C = 12 g/ mol; O = 16 g/ mol; N = 14 g/ mol. mCO2 m N2 n CO2 = n N2 MCO2 MN2 a) 56g. b) 5,6g. 8,8 44 = m 28 c) 0,56g. 44 d) 4,4g. e) 2,8g. N C O 44 CO2 N2 1 XX12 = 12 2 14 = 28 2 X 16 = 32 44 x x m = 8,8 x 28 m = 246,4 m= 246,4 44 = 5,6 g
  • 31. 02) (Covest-90) Como produto da eletrólise da água, recolhe-se gás oxigênio no eletrodo positivo (ânodo) e gás hidrogênio no eletrodo negativo (cátodo). Assinale que afirmativa representa a razão entre os volumes dos gases recolhidos, nas mesmas condições de temperatura e pressão. 2 HO 2 1 O2 + 2 H 2 a) 1 volume de oxigênio para 1 volume de hidrogênio. b) 2 volumes de oxigênio para 1 volume de hidrogênio. c) 1 volume de oxigênio para 3/ volumes de hidrogênio. 2 d) 1 volume de oxigênio para 2 volumes de hidrogênio. e) 3/ volumes de oxigênio para 1 volume de hidrogênio. 2
  • 32. 03) P ara a reação 2 SO2(g) + O2(g)  2 SO3(g), quantos litros de trióxido de enxofre (SO3) serão produzidos a partir de 10 L de O2, considerando que todos os volumes foram medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão? a) 5 L . b) 10 L . 2 SO2 + 1 O2 c) 20 L . 1L d) 30 L . 2 SO3 10 L e) 40 L . 2L V V = 20 L
  • 33. DE E INAÇÃO DE F T RM ÓRM AS UL As substâncias podem ser representadas pelas fórmulas CE E AL M NT SIM , ÍNIM e M E AR A OL CUL F ÓRM A CE E AL UL NT SIM É a fórmula que indica os elementos químicos e as porcentagens, em massa, de cada átomo que forma a substância MT E ANO C75% H 25% Indica que: O metano é constituído por carbono e hidrogênio E 100g de metano existem 75g de carbono e 25g de hidrogênio m
  • 34. F ÓRM A M E AR UL OL CUL É a fórmula que indica os elementos químicos que constituem a substância e o número de átomos de cada elemento na molécula GL ICOSE C6H O6 12 Indica que: A glicose é constituída por carbono, hidrogênio e oxigênio E uma molécula de glicose existem 6 átomos de carbono, m 12 átomos de hidrogênio e 6 átomos de oxigênio
  • 35. F ÓRM A M UL ÍNIM A É a fórmula que indica os elementos químicos que constituem a substância e a proporção em número de átomos desses elementos, expressa em números inteiros e os menores possíveis GL ICOSE fórmula molecular GL ICOSE fórmula mínima C6H O6 12 CH O 2 Indica que: A glicose é constituída por carbono, hidrogênio e oxigênio E uma molécula de glicose existe uma proporção de m 1 átomo de carbono, 2 átomos de hidrogênio e 1 átomo de oxigênio
  • 36. P odemos calcular a fórmula mínima partindo da fórmula molecular,fórmula centesimal ou das massas que participam da reação 01) (Covest – 2005) Uma substância pura foi analisada em laboratório e foram obtidos os seguintes resultados: T eor de H = 0,4 g, teor de C = 2,4 g e teor de O = 3,2 g. Sendo a fórmula mínima desta substância H CmOn, ℓ calcule a soma ℓ + m + n. Dados H (A = 1 u.), C (A = 12 u.), O (A = 16 u.). H : C: O: 0,4 1 2,4 12 3,2 16 = 0,4 mol : 0,2 = 2 mol = 0,2 mol : 0,2 = 1 mol = 0,2 mol : 0,2 = 1 mol fórmula mínima soma: H C1O1 2 2 + 1 + 1 = 04
  • 37. Podemos calcular a fórmula molecular partindo da fórmula molecular,fórmula centesimal ou das massas que participam da reação 02) (M odificado) Uma substância pura foi analisada em laboratório e foram obtidos os seguintes resultados: T eor de H = 0,4 g, teor de C = 2,4 g, teor de O = 3,2 g e massa molar 90 g/ mol. A fórmula mínima desta substância é H CmOn, escreva a ℓ fórmula molecular da substância. Dados H (A = 1 u.), C (A = 12 u.), O (A = 16 u.). H : C: O: n = 0,4 1 2,4 12 3,2 16 = 0,4 mol : 0,2 = fórmula mínima 2 mol = 0,2 mol : 0,2 = 1 mol = 0,2 mol : 0,2 = H C1O1 2 1 mol massa molar massa da fórmula mínima fórmula molecular: = fórmula molecular (H C1O1) n 2 90 = 3 30 H C3O3 6