SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciências da Natureza e suas
Tecnologias - Física
Ensino Médio, 2º Ano
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Algumas curiosidades...
Antes de responder, vamos conhecer alguns conceitos
fundamentais...
Por que durante o dia é tão
quente no deserto, mas à noite é
tão frio?
Por que, durante o dia, quando
estamos na praia, percebemos
que o vento sopra da água para a
areia, mas à noite esse sentido é
invertido?
Imagem: Capture Queen / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Energia Térmica em trânsito devido a
diferença de temperatura entre corpos.
Costuma-se dizer que calor é
ENERGIA TÉRMICA EM MOVIMENTO.
 Obs.: O Calor SEMPRE flui espontaneamente
do corpo de MAIOR temperatura para o corpo
de MENOR temperatura.
Calor
Imagem: Valo / Creative Commons Atribuição
2.5 Genérica
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Físico, Químico e Médico
escocês, evidenciou-se no seu
trabalho sobre Termodinâmica,
sendo o primeiro a distinguir Calor
de Temperatura. Introduziu a
noção de Calor Específico e de
Calor Latente. É considerado,
juntamente com Cavendish e
Lavoisier, um dos pioneiros da
Química Moderna.
Joseph Black (1728 – 1799)
Imagem: James Heath (engraver) after Henry
Raeburn / Domínio Público
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Por meio de experimentos nos
quais misturava substâncias a
diferentes temperaturas, observou
que os resultados não condiziam
com as teorias da época, que
apontavam o calor como uma
substância fluida (chamada de
calórica) presente na matéria.
XAVIER, Claudio & BENIGNO, Barreto. Física aula por aula. Volume 2. FTD. 1ª ed. 2010.
Imagem:JamesHeath(engraver)afterHenryRaeburn/Domínio
Público
Joseph Black (1728 – 1799)
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor que produz variação de temperatura sem que o
estado físico da matéria seja alterado.
Calor Sensível
Ex.: Quando colocamos
algo para aquecer no fogo,
estamos aumentando sua
temperatura.
Charge disponível no link: http://3.bp.blogspot.com/-
ksA8bKowSVk/T9MppBkJepI/AAAAAAAAKDY/x6Z97-RnG1w/s1600/aquecimento-
global+7.jpg
Imagem: GRAN / GNU Free Documentation License
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
A energia é medida em joules (J) no (S.I.). Como
o calor também é uma forma de energia, possui
a mesma unidade. Por motivos históricos e
práticos, também usamos outra unidade, a
caloria (cal).
Unidade de medida de Calor
1 cal = 4,18 J
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Quantidade de calor necessária
para elevar em 1ºC a temperatura
de um corpo.
Capacidade Térmica
Equivale ao quociente entre a
quantidade de calor recebido ou
cedido pelo corpo e a
correspondente variação de
temperatura.
𝑪 =
𝑸
∆𝑻
Exemplo:
46ºC
26ºC
Neste caso, temos: 𝑪 =
𝟒𝟎 𝒄𝒂𝒍
𝟐𝟎 𝒐 𝑪
Logo:
Esse resultado nos indica que, para variar a
temperatura desse corpo em 1 ºC,
precisaremos fornecer a ele 2 cal.
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Quantidade de calor necessária para elevar em 1ºC a temperatura de
uma unidade de massa de um corpo.
Calor Específico
𝑐 =
𝑄
𝑚 ∙ ∆𝑇
http://d1gnq2svmchsi4.cloudfront.net/wp-content/uploads/2012/02/cryoscope.jpg
Exemplo:
Esse resultado nos indica que, para variar a
temperatura de 1 g do material que compõe
esse corpo em 1 º C, precisaremos fornecer a
ele 0,5 cal.
Nesse caso, temos: 𝒄 =
𝟎, 𝟓 𝒄𝒂𝒍
𝟏𝒈 ∙ 𝟏 𝒐 𝑪
Logo:
27ºC
26ºC
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Equação Fundamental da Calorimetria
Como 𝑐 =
𝑄
𝑚 ∙ ∆𝑇
Temos que: 𝑸 𝑺 = 𝒎 ∙ 𝒄 ∙ ∆𝑻
Essa expressão nos mostra que a Quantidade de Calor Sensível (QS) é
DIRETAMENTE PROPORCIONAL
1. à Massa (m) do corpo  Quanto maior a massa do corpo, maior a
quantidade de calor necessária para variar sua temperatura;
2. ao Calor Específico (c)  Quanto maior o calor específico, maior a
quantidade de calor necessária para variar sua temperatura;
3. à Variação de Temperatura (∆T)  Quanto maior a variação de
temperatura que se deseja obter de um corpo, maior a quantidade de
calor que se deve fornecer.
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
No deserto, durante o
dia, a temperatura
atinge valores muito
elevados; situação que
se inverte à noite, com
temperaturas bem
baixas.
Imagem: Thomas Tolkien / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
Curiosidade
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
A areia do deserto possui calor específico relativamente pequeno, o
que a faz aquecer com muita facilidade durante o dia e se resfriar
facilmente à noite. Por isso, as temperaturas variam muito.
Curiosidade
A explicação dessa variação se
baseia no conceito de calor
específico.
Imagem: Thomas Tolkien / Creative Commons
Attribution 2.0 Generic
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
1 Cal = 1000 cal
Curiosidade
A “Caloria” utilizada por médicos
e nutricionistas é, na realidade, a
quilocaloria (1 kcal = 1000 cal),
também chamada Grande Caloria.
Imagem: Glane23 / GNU Free Documentation
License
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Curiosidade
Brisa Marítima X Brisa Continental
Por que, quando estamos na praia durante o dia,
percebemos que os ventos sopram da água para a
praia e à noite esse sentido é invertido?
Imagem: Tó campos1 / Domínio Público
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Brisa Marítima X Brisa Continental
Durante o dia, a temperatura da terra se
eleva mais rapidamente que a da água.
Isso acontece porque o calor específico da
água é maior que o da terra. Ou seja, é
necessário maior quantidade de calor para
elevar a temperatura de certa massa de
água que elevar a temperatura da mesma
massa de areia. As camadas de ar que
estão em contato com a areia se aquecem
mais, ficam menos densas e sobem. Seu
lugar é ocupado pelo ar frio que está em
contato com a água. Surge assim uma
brisa do mar para a praia (Brisa Marítima).
Dia
z
o ar se esfria e desce
AR DE ALTA
PRESSÃO
AR DE BAIXA
PRESSÃO
o ar é mais frio
sobre o mar
e se move em
direção ao continente
o ar se aquece no
continente e sobe
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
À noite, o movimento se inverte. Devido, ainda, aos diferentes
valores de calores específicos, a terra esfria mais rapidamente. A
água demora mais para esfriar. Assim, à noite, o ar mais quente é o
que está em contato com a água. Por ser menos denso, ele sobe,
dando lugar ao ar mais frio que está em contato com a praia.
Produz-se então a brisa da terra para o mar (Brisa Continental ou
Brisa Terrestre).
Brisa Marítima X Brisa Continental
Noite
z
o ar se esfria em altitude
e desce
AR DE BAIXA
PRESSÃO
AR DE ALTA
PRESSÃO
o ar mais frio sobre o continente se
desloca em direçáo ao mar
o ar mais aquecido
sobre o mar sobe
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Recipiente termicamente isolado
que evita troca de calor entre o seu
conteúdo e o meio externo.
Em princípio, um calorímetro ideal
não deveria trocar calor com os
corpos de seu interior, mas na
prática isso ocorre. Portanto, em
alguns casos, vamos considerar a
capacidade térmica do calorímetro
no equacionamento da troca de
calor.
Imagem: Akshat Goel / Creative Commons Attribution-
Share Alike 3.0 Unported
Calorímetro
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
A garrafa térmica é um tipo de
calorímetro.
Calorímetro
Com a finalidade de isolar termicamente o
conteúdo de uma garrafa térmica do meio
ambiente, adotam-se os seguintes
procedimentos:
• As paredes internas são feitas de vidro, que,
por ser mau condutor, atenua a troca de
calor por condução;
• as paredes internas são duplas, separadas
por uma região de vácuo, cuja função é
evitar a condução do calor que passa pelas
paredes de vidro.
Imagem: Henna / Creative Commons
Attribution-Share Alike 1.0 Generic
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
• O vidro de que são feitas as paredes internas da
garrafa é espelhado, para que o calor radiante seja
refletido, atenuando assim as trocas por irradiação.
• Para evitar as possíveis trocas de calor por
convecção, basta fechar a garrafa, pois dessa
forma as massas fluidas internas não conseguem
sair do sistema.
• É evidente que não existe o isolamento térmico
perfeito; assim, apesar dos cuidados citados, após
um tempo relativamente grande (várias horas), o
conteúdo da garrafa térmica acaba atingindo o
equilíbrio térmico com o meio ambiente.
A garrafa térmica é um tipo de
calorímetro.
Imagem:Henna/CreativeCommons
Attribution-ShareAlike1.0Generic
Calorímetro
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Trocas de calor
Num sistema de vários corpos, termicamente isolados do meio externo,
a soma das quantidades de calor por eles trocados é igual a zero.
𝑸 𝒄𝒆𝒅𝒊𝒅𝒐 + 𝑸 𝒓𝒆𝒄𝒆𝒃𝒊𝒅𝒐 = 𝟎
Para um sistema de n corpos, escrevemos:
𝑄1 + 𝑄2 + 𝑄3 + ⋯ + 𝑄 𝑛 = 0
No caso de o sistema não estar termicamente isolado ou de o
calorímetro não ser ideal, devemos levar em conta a troca de calor dos
corpos com o ambiente.
𝑄1 + 𝑄2 + 𝑄3 + ⋯ + 𝑄 𝑛 + 𝑄 𝑎𝑚𝑏𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 = 0
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Vamos
Exercitar?
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Exercício 01
(VUNESP-SP) Massas iguais de cinco líquidos distintos, cujos
calores específicos estão dados na tabela adiante, encontram-se
armazenadas, separadamente e à mesma temperatura, dentro de
cinco recipientes com boa isolação e capacidade térmica
desprezível. Se cada líquido receber a mesma quantidade de calor,
suficiente apenas para aquecê-lo, mas sem alcançar seu ponto de
ebulição, aquele que apresentará temperatura mais alta, após o
aquecimento, será:
a) a água.
b) o petróleo.
c) a glicerina.
d) o leite.
e) o mercúrio.
Tabela
Líquido Calor Específico
(J/9°C)
Água
Petróleo
Glicerina
Leite
Mercúrio
4,19
2,09
2,43
3,93
0,14
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Resolução
Pela equação geral da calorimetria (Qs = m.c.∆T), percebemos
que a variação de temperatura é inversamente proporcional ao
calor específico da substância. Ou seja, vai sofrer MAIOR
VARIAÇÃO DE TEMPERATURA aquela substância que apresentar
MENOR CALOR ESPECÍFICO.
Resposta:
e) o mercúrio: c = 0,14 J/g.ºC
Resposta: e)
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Exercício 02
(FUVEST-SP) Um bloco de massa 2,0 kg, ao receber
toda energia térmica liberada por 1000 g de água que
diminuem a sua temperatura de 1°C, sofre um
acréscimo de temperatura de 10°C. O calor específico
do bloco, em cal/g.°C, é: (Adote: cágua: 1,0 cal/g.°C)
a) 0,2
b) 0,1
c) 0,15
d) 0,05
e) 0,01
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Sabemos que:
𝑚 𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜 = 2,0 𝑘𝑔 = 2000 𝑔
∆𝑇𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜= 10 ℃
𝑐 𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜 =?
𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 1000 𝑔
∆𝑇á𝑔𝑢𝑎= 1 ℃
𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃)
Resolução
Como todo calor liberado pela
água vai ser aproveitado para
aquecer o bloco, temos que:
𝑸 𝒃𝒍𝒐𝒄𝒐 = 𝑸á𝒈𝒖𝒂
𝒎 𝒃 ∙ 𝒄 𝒃 ∙ ∆𝑻 𝒃= 𝒎 𝒂 ∙ 𝒄 𝒂 ∙ ∆𝑻 𝒂

𝟐𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝒄 𝒃 ∙ 𝟏𝟎 = 𝟏𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝟏 ∙ 𝟏
Substituindo os valores,
obtemos:

𝟐𝟎𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝒄 𝒃 = 𝟏𝟎𝟎𝟎

𝒄 𝒃 =
𝟏𝟎𝟎𝟎
𝟐𝟎𝟎𝟎𝟎
Resposta: d)
𝒄 𝒃 = 𝟎, 𝟎𝟓 𝒄𝒂𝒍/(𝒈 ∙ ℃)
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Exercício 03
(FATEC-SP) Um frasco contém 20 g de água a 0°C. Em
seu interior é colocado um objeto de 50 g de alumínio a
80°C. Os calores específicos da água e do alumínio são
respectivamente 1,0 cal/g°C e 0,10 cal/g°C.
Supondo não haver troca de calor com o frasco e com o
meio ambiente, a temperatura de equilíbrio dessa
mistura será:
a) 60°C
b) 16°C
c) 40°C
d) 32°C
e) 10°C
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Resolução
Sabemos
que:
𝑚 𝐴𝑙 = 50 𝑔
𝑇𝑖,𝐴𝑙 = 80 ℃
𝑐 𝐴𝑙 = 0,10 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃)
𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 20 𝑔
𝑇𝑖,á𝑔𝑢𝑎 = 0 ℃
𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃)
𝑇𝑓,𝐴𝑙 = 𝑇𝑓,á𝑔𝑢𝑎 = 𝑇𝑒𝑞.
Como não vai haver troca de calor
com o meio externo, temos que:
𝑸 𝒑𝒆𝒓𝒅𝒊𝒅𝒐 + 𝑸 𝒓𝒆𝒄𝒆𝒃𝒊𝒅𝒐 = 𝟎
𝟓𝟎 ∙ 𝟎, 𝟏𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟖𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝟏 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟎 = 𝟎
Substituindo os valores, obtemos:

𝑻 𝒆𝒒𝒖𝒊𝒍í𝒃𝒓𝒊𝒐 = 𝟏𝟔℃
𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟖𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟎
𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟒𝟎𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟎
𝟐𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟒𝟎𝟎 = 𝟎  𝟐𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟒𝟎𝟎
 𝑻 𝒆𝒒 =
𝟒𝟎𝟎
𝟐𝟓


Resposta: b)
𝑸 𝑨𝒍𝒖𝒎í𝒏𝒊𝒐 + 𝑸á𝒈𝒖𝒂 = 𝟎
𝒎 𝑨𝒍 ∙ 𝒄 𝑨𝒍 ∙ ∆𝑻 𝑨𝒍 + 𝒎 𝒂 ∙ 𝒄 𝒂 ∙ ∆𝑻 𝒂= 𝟎

FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Exercício 04
a) o corpo maior é o mais quente.
b) o corpo menor é o mais quente.
c) não há troca de calor entre os corpos.
d) o corpo maior cede calor para o corpo menor.
e) o corpo menor cede calor para o corpo maior.
(FEI-SP) Quando dois corpos de tamanhos diferentes estão em
contato e em equilíbrio térmico, e ambos isolados do meio
ambiente, pode-se dizer que:
Resolução
Como os corpos estão em equilíbrio térmico, não vai existir calor,
visto que CALOR É A ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO devido a
diferenças de temperatura entre os corpos.
Resposta: c)
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Exercício 05
(PUC-SP - Modificada) É preciso
abaixar de 3°C a temperatura da
água da bacia, para que o nosso
amigo possa tomar banho
confortavelmente. Para que isso
aconteça, quanto calor deve ser
retirado da água?
O caldeirão contém 10 kg de água
e o calor específico da água é 1
cal/g°C.
a) 20 kcal
b) 10 kcal
c) 50 kcal
d) 30 kcal
e) Precisa-se da temperatura inicial da água para determinar
a resposta.
Imagem: Richfife / Domínio Público
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Resolução
Sabemos que:
Da equação geral da calorimetria, temos
Resposta: d)
𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 10 𝑘𝑔 = 10000 𝑔
∆𝑇á𝑔𝑢𝑎= −3 ℃
𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃)
𝑸 𝒔 = 𝒎á𝒈𝒖𝒂 ∙ 𝒄á𝒈𝒖𝒂 ∙ ∆𝑻á𝒈𝒖𝒂
𝑸 𝒔 = 𝟏𝟎𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝟏 ∙ (−𝟑)
Substituindo os valores, obtemos:
 𝑸 𝒔 = −𝟑𝟎𝟎𝟎𝟎 𝒄𝒂𝒍
𝑸 𝒔 = −𝟑𝟎 𝒌𝒄𝒂𝒍 O sinal negativo indica que o
calor foi retirado da água.
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Extras
VÍDEO DO YOUTUBE
Calor específico
Link: http://www.youtube.com/watch?v=dLZVp4m49kA
Calorimetria
Link: http://www.youtube.com/watch?v=X_JR7OpoNxE
SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL
Transferência de calor entre um metal e a água
Link: http://group.chem.iastate.edu/Greenbowe/sections/projectfolder/flashfiles/thermochem/heat_metal.html
Equilíbrio térmico
Link: http://group.chem.iastate.edu/Greenbowe/sections/projectfolder/flashfiles/thermochem/thermoEquiv.html
EXPERIÊNCIAS/ EXPERIMENTOS
Capacidade térmica do calorímetro (Determinação)
Link: http://www.feiradeciencias.com.br/sala08/08_32.asp
CURIOSIDADES
Equivalente mecânico do calor
Link: http://www.feiradeciencias.com.br/sala08/ET_05.asp
LISTAS DE EXERCÍCIOS
Cola da Web
Link: http://www.coladaweb.com/exercicios-resolvidos/exercicios-resolvidos-de-fisica/calorimetria
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Obrigado pela
Atenção!
FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Bibliografia
• BENIGNO, Barreto Filho; XAVIER, Cláudio da Silva. Física aula por aula. 1. ed.
Vol. 02. São Paulo: Editora FTD, 2010.
• GASPAR, Alberto. Compreendendo a Física. Vol. 02. São Paulo: Editora Ática,
2011.
• GUALTER; HELOU; NEWTON. Física. Vol. 02. São Paulo: Editora Saraiva, 2011.
• MÁXIMO, Antônio; ALVARENGA, Beatriz. Curso de Física. 1. ed. Vol. 02. São
Paulo: Editora Scipione, 2011.
• <http://educar.sc.usp.br> Acesso em 12/06/2012.
• <http://pt.wikipedia.org> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.ciencia-cultura.com/Pagina_Fis> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.coladaweb.com/fisica> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.fisica.ufs.br> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.fisicafacil.pro.br> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.if.ufrj.br> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.infoescola.com/fisica> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.mundoeducacao.com.br> Acesso em 12/06/2012.
• <http://www.sofisica.com.br/conteudos> Acesso em 12/06/2012.
Tabela de Imagens
n° do
slide
direito da imagem como está ao lado da
foto
link do site onde se conseguiu a informação Data do
Acesso
2 Capture Queen / Creative Commons
Attribution 2.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ameen.jpg 13/09/2012
3 Valo / Creative Commons Atribuição 2.5
Genérica
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flametail.j
pg?uselang=pt-br
13/09/2012
4 James Heath (engraver) after Henry
Raeburn / Domínio Público
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Black_Joseph.j
pg
13/09/2012
5 James Heath (engraver) after Henry
Raeburn / Domínio Público
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Black_Joseph.j
pg
13/09/2012
6 GRAN / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Boiling_wa
ter.jpg
13/09/2012
11 Thomas Tolkien / Creative Commons
Attribution 2.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:(Men_and
_camels_in_the_desert.).jpg
13/09/2012
12 Thomas Tolkien / Creative Commons
Attribution 2.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:(Men_and
_camels_in_the_desert.).jpg
13/09/2012
13 Glane23 / GNU Free Documentation Licensehttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pringles_c
hips.JPG
13/09/2012
14 Tó campos1 / Domínio Público http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Brisa.jpg 13/09/2012
17 Akshat Goel / Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bomb_Cal
orimeter.png
13/09/2012
Tabela de Imagens
n° do
slide
direito da imagem como está ao lado da
foto
link do site onde se conseguiu a informação Data do
Acesso
18 Henna / Creative Commons Attribution-
Share Alike 1.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Thermos_
bottle.jpg
13/09/2012
19 Henna / Creative Commons Attribution-
Share Alike 1.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Thermos_
bottle.jpg
13/09/2012
29 Richfife / Domínio Público http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Baby_vs._
Bathwater.JPG
13/09/2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9 ano leis de newton
9 ano leis de newton9 ano leis de newton
9 ano leis de newton
crisbassanimedeiros
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Edinei Chagas
 
Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
Bruno De Siqueira Costa
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
Warlle1992
 
1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica
luciene12345
 
Primeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmicaPrimeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmica
Bruno De Siqueira Costa
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
Adrianne Mendonça
 
Dilatação térmica dos sólidos
Dilatação térmica dos sólidosDilatação térmica dos sólidos
Dilatação térmica dos sólidos
O mundo da FÍSICA
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
João André
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
fismatromulo
 
Maquinas simples
Maquinas simplesMaquinas simples
Maquinas simples
Elisabete Trentin
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
O que é a Física?
O que é a Física?O que é a Física?
O que é a Física?
Sergio Madureira
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
fisicaatual
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
Bruno De Siqueira Costa
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
Micaela Neiva
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
GiseleTavares18
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
Pibid Física
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
Denise Marinho
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Karol Maia
 

Mais procurados (20)

9 ano leis de newton
9 ano leis de newton9 ano leis de newton
9 ano leis de newton
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 
1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica
 
Primeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmicaPrimeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmica
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
 
Dilatação térmica dos sólidos
Dilatação térmica dos sólidosDilatação térmica dos sólidos
Dilatação térmica dos sólidos
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
 
Maquinas simples
Maquinas simplesMaquinas simples
Maquinas simples
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
O que é a Física?
O que é a Física?O que é a Física?
O que é a Física?
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
 

Semelhante a Calor sensível, capacidade térmica e calor específico

44380 72-1339869334752
44380 72-133986933475244380 72-1339869334752
44380 72-1339869334752
Eva Pri
 
Atualização dos Conteúdos do Enem
Atualização dos Conteúdos do EnemAtualização dos Conteúdos do Enem
Atualização dos Conteúdos do Enem
UsurioAnnimo3
 
Conceitos de temperatura e calor
Conceitos de temperatura e calorConceitos de temperatura e calor
Conceitos de temperatura e calor
Daniel Lavouras (Bagual)
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Salomão Alves de Lima
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdfconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
falecomivo4561
 
Aulacalorimetria (1)
Aulacalorimetria (1)Aulacalorimetria (1)
Aulacalorimetria (1)
Paaoollaa
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptxconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
falecomivo4561
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptxconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
falecomivo4561
 
Termoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptxTermoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptx
Márcia Moura
 
Calorimetria aula 1.pdf
Calorimetria aula 1.pdfCalorimetria aula 1.pdf
Calorimetria aula 1.pdf
PatriciodaConceicao
 
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
Santos Raimundo
 
02 calorimetria
02 calorimetria02 calorimetria
Capacidade térmica (C).pptx
Capacidade térmica (C).pptxCapacidade térmica (C).pptx
Capacidade térmica (C).pptx
Ivanhoé Jandrey Santos Leal
 
micro aula (fisica)
micro aula (fisica)micro aula (fisica)
micro aula (fisica)
davia sousa
 
Curiosidades de termologia
Curiosidades de termologiaCuriosidades de termologia
Curiosidades de termologia
Roberto Bagatini
 
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
GIOVANIBARRETO4
 
Aula 5 calorimetria 1
Aula 5   calorimetria 1Aula 5   calorimetria 1
Aula 5 calorimetria 1
Montenegro Física
 
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médioQuestões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
Henryk Martins
 
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2 Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
Larissa Ribeiro
 

Semelhante a Calor sensível, capacidade térmica e calor específico (20)

44380 72-1339869334752
44380 72-133986933475244380 72-1339869334752
44380 72-1339869334752
 
Atualização dos Conteúdos do Enem
Atualização dos Conteúdos do EnemAtualização dos Conteúdos do Enem
Atualização dos Conteúdos do Enem
 
Conceitos de temperatura e calor
Conceitos de temperatura e calorConceitos de temperatura e calor
Conceitos de temperatura e calor
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdfconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pdf
 
Aulacalorimetria (1)
Aulacalorimetria (1)Aulacalorimetria (1)
Aulacalorimetria (1)
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptxconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
 
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptxconceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
conceitosdetemperaturaecalor-220907105417-f44a1d2c.pptx
 
Termoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptxTermoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptx
 
Calorimetria aula 1.pdf
Calorimetria aula 1.pdfCalorimetria aula 1.pdf
Calorimetria aula 1.pdf
 
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
 
CALORIMETRIA
CALORIMETRIACALORIMETRIA
CALORIMETRIA
 
02 calorimetria
02 calorimetria02 calorimetria
02 calorimetria
 
Capacidade térmica (C).pptx
Capacidade térmica (C).pptxCapacidade térmica (C).pptx
Capacidade térmica (C).pptx
 
micro aula (fisica)
micro aula (fisica)micro aula (fisica)
micro aula (fisica)
 
Curiosidades de termologia
Curiosidades de termologiaCuriosidades de termologia
Curiosidades de termologia
 
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
 
Aula 5 calorimetria 1
Aula 5   calorimetria 1Aula 5   calorimetria 1
Aula 5 calorimetria 1
 
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médioQuestões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
Questões sobre o conteúdo Calorimetria nivel ensino médio
 
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2 Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
Capitulo 1 e Capitulo 2 - Livro: Química vol 2
 

Mais de Paulo Alexandre

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Paulo Alexandre
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
Paulo Alexandre
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
Paulo Alexandre
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
Paulo Alexandre
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
Paulo Alexandre
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
Paulo Alexandre
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
Paulo Alexandre
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
Paulo Alexandre
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
Paulo Alexandre
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
Paulo Alexandre
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
Paulo Alexandre
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
Paulo Alexandre
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
Paulo Alexandre
 

Mais de Paulo Alexandre (20)

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 

Calor sensível, capacidade térmica e calor específico

  • 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias - Física Ensino Médio, 2º Ano Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
  • 2. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Algumas curiosidades... Antes de responder, vamos conhecer alguns conceitos fundamentais... Por que durante o dia é tão quente no deserto, mas à noite é tão frio? Por que, durante o dia, quando estamos na praia, percebemos que o vento sopra da água para a areia, mas à noite esse sentido é invertido? Imagem: Capture Queen / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
  • 3. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Energia Térmica em trânsito devido a diferença de temperatura entre corpos. Costuma-se dizer que calor é ENERGIA TÉRMICA EM MOVIMENTO.  Obs.: O Calor SEMPRE flui espontaneamente do corpo de MAIOR temperatura para o corpo de MENOR temperatura. Calor Imagem: Valo / Creative Commons Atribuição 2.5 Genérica
  • 4. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Físico, Químico e Médico escocês, evidenciou-se no seu trabalho sobre Termodinâmica, sendo o primeiro a distinguir Calor de Temperatura. Introduziu a noção de Calor Específico e de Calor Latente. É considerado, juntamente com Cavendish e Lavoisier, um dos pioneiros da Química Moderna. Joseph Black (1728 – 1799) Imagem: James Heath (engraver) after Henry Raeburn / Domínio Público
  • 5. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Por meio de experimentos nos quais misturava substâncias a diferentes temperaturas, observou que os resultados não condiziam com as teorias da época, que apontavam o calor como uma substância fluida (chamada de calórica) presente na matéria. XAVIER, Claudio & BENIGNO, Barreto. Física aula por aula. Volume 2. FTD. 1ª ed. 2010. Imagem:JamesHeath(engraver)afterHenryRaeburn/Domínio Público Joseph Black (1728 – 1799)
  • 6. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Calor que produz variação de temperatura sem que o estado físico da matéria seja alterado. Calor Sensível Ex.: Quando colocamos algo para aquecer no fogo, estamos aumentando sua temperatura. Charge disponível no link: http://3.bp.blogspot.com/- ksA8bKowSVk/T9MppBkJepI/AAAAAAAAKDY/x6Z97-RnG1w/s1600/aquecimento- global+7.jpg Imagem: GRAN / GNU Free Documentation License
  • 7. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico A energia é medida em joules (J) no (S.I.). Como o calor também é uma forma de energia, possui a mesma unidade. Por motivos históricos e práticos, também usamos outra unidade, a caloria (cal). Unidade de medida de Calor 1 cal = 4,18 J
  • 8. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Quantidade de calor necessária para elevar em 1ºC a temperatura de um corpo. Capacidade Térmica Equivale ao quociente entre a quantidade de calor recebido ou cedido pelo corpo e a correspondente variação de temperatura. 𝑪 = 𝑸 ∆𝑻 Exemplo: 46ºC 26ºC Neste caso, temos: 𝑪 = 𝟒𝟎 𝒄𝒂𝒍 𝟐𝟎 𝒐 𝑪 Logo: Esse resultado nos indica que, para variar a temperatura desse corpo em 1 ºC, precisaremos fornecer a ele 2 cal.
  • 9. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Quantidade de calor necessária para elevar em 1ºC a temperatura de uma unidade de massa de um corpo. Calor Específico 𝑐 = 𝑄 𝑚 ∙ ∆𝑇 http://d1gnq2svmchsi4.cloudfront.net/wp-content/uploads/2012/02/cryoscope.jpg Exemplo: Esse resultado nos indica que, para variar a temperatura de 1 g do material que compõe esse corpo em 1 º C, precisaremos fornecer a ele 0,5 cal. Nesse caso, temos: 𝒄 = 𝟎, 𝟓 𝒄𝒂𝒍 𝟏𝒈 ∙ 𝟏 𝒐 𝑪 Logo: 27ºC 26ºC
  • 10. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Equação Fundamental da Calorimetria Como 𝑐 = 𝑄 𝑚 ∙ ∆𝑇 Temos que: 𝑸 𝑺 = 𝒎 ∙ 𝒄 ∙ ∆𝑻 Essa expressão nos mostra que a Quantidade de Calor Sensível (QS) é DIRETAMENTE PROPORCIONAL 1. à Massa (m) do corpo  Quanto maior a massa do corpo, maior a quantidade de calor necessária para variar sua temperatura; 2. ao Calor Específico (c)  Quanto maior o calor específico, maior a quantidade de calor necessária para variar sua temperatura; 3. à Variação de Temperatura (∆T)  Quanto maior a variação de temperatura que se deseja obter de um corpo, maior a quantidade de calor que se deve fornecer.
  • 11. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico No deserto, durante o dia, a temperatura atinge valores muito elevados; situação que se inverte à noite, com temperaturas bem baixas. Imagem: Thomas Tolkien / Creative Commons Attribution 2.0 Generic Curiosidade
  • 12. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico A areia do deserto possui calor específico relativamente pequeno, o que a faz aquecer com muita facilidade durante o dia e se resfriar facilmente à noite. Por isso, as temperaturas variam muito. Curiosidade A explicação dessa variação se baseia no conceito de calor específico. Imagem: Thomas Tolkien / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
  • 13. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico 1 Cal = 1000 cal Curiosidade A “Caloria” utilizada por médicos e nutricionistas é, na realidade, a quilocaloria (1 kcal = 1000 cal), também chamada Grande Caloria. Imagem: Glane23 / GNU Free Documentation License
  • 14. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Curiosidade Brisa Marítima X Brisa Continental Por que, quando estamos na praia durante o dia, percebemos que os ventos sopram da água para a praia e à noite esse sentido é invertido? Imagem: Tó campos1 / Domínio Público
  • 15. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Brisa Marítima X Brisa Continental Durante o dia, a temperatura da terra se eleva mais rapidamente que a da água. Isso acontece porque o calor específico da água é maior que o da terra. Ou seja, é necessário maior quantidade de calor para elevar a temperatura de certa massa de água que elevar a temperatura da mesma massa de areia. As camadas de ar que estão em contato com a areia se aquecem mais, ficam menos densas e sobem. Seu lugar é ocupado pelo ar frio que está em contato com a água. Surge assim uma brisa do mar para a praia (Brisa Marítima). Dia z o ar se esfria e desce AR DE ALTA PRESSÃO AR DE BAIXA PRESSÃO o ar é mais frio sobre o mar e se move em direção ao continente o ar se aquece no continente e sobe
  • 16. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico À noite, o movimento se inverte. Devido, ainda, aos diferentes valores de calores específicos, a terra esfria mais rapidamente. A água demora mais para esfriar. Assim, à noite, o ar mais quente é o que está em contato com a água. Por ser menos denso, ele sobe, dando lugar ao ar mais frio que está em contato com a praia. Produz-se então a brisa da terra para o mar (Brisa Continental ou Brisa Terrestre). Brisa Marítima X Brisa Continental Noite z o ar se esfria em altitude e desce AR DE BAIXA PRESSÃO AR DE ALTA PRESSÃO o ar mais frio sobre o continente se desloca em direçáo ao mar o ar mais aquecido sobre o mar sobe
  • 17. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Recipiente termicamente isolado que evita troca de calor entre o seu conteúdo e o meio externo. Em princípio, um calorímetro ideal não deveria trocar calor com os corpos de seu interior, mas na prática isso ocorre. Portanto, em alguns casos, vamos considerar a capacidade térmica do calorímetro no equacionamento da troca de calor. Imagem: Akshat Goel / Creative Commons Attribution- Share Alike 3.0 Unported Calorímetro
  • 18. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico A garrafa térmica é um tipo de calorímetro. Calorímetro Com a finalidade de isolar termicamente o conteúdo de uma garrafa térmica do meio ambiente, adotam-se os seguintes procedimentos: • As paredes internas são feitas de vidro, que, por ser mau condutor, atenua a troca de calor por condução; • as paredes internas são duplas, separadas por uma região de vácuo, cuja função é evitar a condução do calor que passa pelas paredes de vidro. Imagem: Henna / Creative Commons Attribution-Share Alike 1.0 Generic
  • 19. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico • O vidro de que são feitas as paredes internas da garrafa é espelhado, para que o calor radiante seja refletido, atenuando assim as trocas por irradiação. • Para evitar as possíveis trocas de calor por convecção, basta fechar a garrafa, pois dessa forma as massas fluidas internas não conseguem sair do sistema. • É evidente que não existe o isolamento térmico perfeito; assim, apesar dos cuidados citados, após um tempo relativamente grande (várias horas), o conteúdo da garrafa térmica acaba atingindo o equilíbrio térmico com o meio ambiente. A garrafa térmica é um tipo de calorímetro. Imagem:Henna/CreativeCommons Attribution-ShareAlike1.0Generic Calorímetro
  • 20. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Trocas de calor Num sistema de vários corpos, termicamente isolados do meio externo, a soma das quantidades de calor por eles trocados é igual a zero. 𝑸 𝒄𝒆𝒅𝒊𝒅𝒐 + 𝑸 𝒓𝒆𝒄𝒆𝒃𝒊𝒅𝒐 = 𝟎 Para um sistema de n corpos, escrevemos: 𝑄1 + 𝑄2 + 𝑄3 + ⋯ + 𝑄 𝑛 = 0 No caso de o sistema não estar termicamente isolado ou de o calorímetro não ser ideal, devemos levar em conta a troca de calor dos corpos com o ambiente. 𝑄1 + 𝑄2 + 𝑄3 + ⋯ + 𝑄 𝑛 + 𝑄 𝑎𝑚𝑏𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 = 0
  • 21. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Vamos Exercitar?
  • 22. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Exercício 01 (VUNESP-SP) Massas iguais de cinco líquidos distintos, cujos calores específicos estão dados na tabela adiante, encontram-se armazenadas, separadamente e à mesma temperatura, dentro de cinco recipientes com boa isolação e capacidade térmica desprezível. Se cada líquido receber a mesma quantidade de calor, suficiente apenas para aquecê-lo, mas sem alcançar seu ponto de ebulição, aquele que apresentará temperatura mais alta, após o aquecimento, será: a) a água. b) o petróleo. c) a glicerina. d) o leite. e) o mercúrio. Tabela Líquido Calor Específico (J/9°C) Água Petróleo Glicerina Leite Mercúrio 4,19 2,09 2,43 3,93 0,14
  • 23. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Resolução Pela equação geral da calorimetria (Qs = m.c.∆T), percebemos que a variação de temperatura é inversamente proporcional ao calor específico da substância. Ou seja, vai sofrer MAIOR VARIAÇÃO DE TEMPERATURA aquela substância que apresentar MENOR CALOR ESPECÍFICO. Resposta: e) o mercúrio: c = 0,14 J/g.ºC Resposta: e)
  • 24. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Exercício 02 (FUVEST-SP) Um bloco de massa 2,0 kg, ao receber toda energia térmica liberada por 1000 g de água que diminuem a sua temperatura de 1°C, sofre um acréscimo de temperatura de 10°C. O calor específico do bloco, em cal/g.°C, é: (Adote: cágua: 1,0 cal/g.°C) a) 0,2 b) 0,1 c) 0,15 d) 0,05 e) 0,01
  • 25. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Sabemos que: 𝑚 𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜 = 2,0 𝑘𝑔 = 2000 𝑔 ∆𝑇𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜= 10 ℃ 𝑐 𝑏𝑙𝑜𝑐𝑜 =? 𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 1000 𝑔 ∆𝑇á𝑔𝑢𝑎= 1 ℃ 𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃) Resolução Como todo calor liberado pela água vai ser aproveitado para aquecer o bloco, temos que: 𝑸 𝒃𝒍𝒐𝒄𝒐 = 𝑸á𝒈𝒖𝒂 𝒎 𝒃 ∙ 𝒄 𝒃 ∙ ∆𝑻 𝒃= 𝒎 𝒂 ∙ 𝒄 𝒂 ∙ ∆𝑻 𝒂  𝟐𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝒄 𝒃 ∙ 𝟏𝟎 = 𝟏𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝟏 ∙ 𝟏 Substituindo os valores, obtemos:  𝟐𝟎𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝒄 𝒃 = 𝟏𝟎𝟎𝟎  𝒄 𝒃 = 𝟏𝟎𝟎𝟎 𝟐𝟎𝟎𝟎𝟎 Resposta: d) 𝒄 𝒃 = 𝟎, 𝟎𝟓 𝒄𝒂𝒍/(𝒈 ∙ ℃)
  • 26. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Exercício 03 (FATEC-SP) Um frasco contém 20 g de água a 0°C. Em seu interior é colocado um objeto de 50 g de alumínio a 80°C. Os calores específicos da água e do alumínio são respectivamente 1,0 cal/g°C e 0,10 cal/g°C. Supondo não haver troca de calor com o frasco e com o meio ambiente, a temperatura de equilíbrio dessa mistura será: a) 60°C b) 16°C c) 40°C d) 32°C e) 10°C
  • 27. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Resolução Sabemos que: 𝑚 𝐴𝑙 = 50 𝑔 𝑇𝑖,𝐴𝑙 = 80 ℃ 𝑐 𝐴𝑙 = 0,10 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃) 𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 20 𝑔 𝑇𝑖,á𝑔𝑢𝑎 = 0 ℃ 𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃) 𝑇𝑓,𝐴𝑙 = 𝑇𝑓,á𝑔𝑢𝑎 = 𝑇𝑒𝑞. Como não vai haver troca de calor com o meio externo, temos que: 𝑸 𝒑𝒆𝒓𝒅𝒊𝒅𝒐 + 𝑸 𝒓𝒆𝒄𝒆𝒃𝒊𝒅𝒐 = 𝟎 𝟓𝟎 ∙ 𝟎, 𝟏𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟖𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝟏 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟎 = 𝟎 Substituindo os valores, obtemos:  𝑻 𝒆𝒒𝒖𝒊𝒍í𝒃𝒓𝒊𝒐 = 𝟏𝟔℃ 𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟖𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟎 𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟒𝟎𝟎 + 𝟐𝟎 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟎 𝟐𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 − 𝟒𝟎𝟎 = 𝟎  𝟐𝟓 ∙ 𝑻 𝒆𝒒 = 𝟒𝟎𝟎  𝑻 𝒆𝒒 = 𝟒𝟎𝟎 𝟐𝟓   Resposta: b) 𝑸 𝑨𝒍𝒖𝒎í𝒏𝒊𝒐 + 𝑸á𝒈𝒖𝒂 = 𝟎 𝒎 𝑨𝒍 ∙ 𝒄 𝑨𝒍 ∙ ∆𝑻 𝑨𝒍 + 𝒎 𝒂 ∙ 𝒄 𝒂 ∙ ∆𝑻 𝒂= 𝟎 
  • 28. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Exercício 04 a) o corpo maior é o mais quente. b) o corpo menor é o mais quente. c) não há troca de calor entre os corpos. d) o corpo maior cede calor para o corpo menor. e) o corpo menor cede calor para o corpo maior. (FEI-SP) Quando dois corpos de tamanhos diferentes estão em contato e em equilíbrio térmico, e ambos isolados do meio ambiente, pode-se dizer que: Resolução Como os corpos estão em equilíbrio térmico, não vai existir calor, visto que CALOR É A ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO devido a diferenças de temperatura entre os corpos. Resposta: c)
  • 29. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Exercício 05 (PUC-SP - Modificada) É preciso abaixar de 3°C a temperatura da água da bacia, para que o nosso amigo possa tomar banho confortavelmente. Para que isso aconteça, quanto calor deve ser retirado da água? O caldeirão contém 10 kg de água e o calor específico da água é 1 cal/g°C. a) 20 kcal b) 10 kcal c) 50 kcal d) 30 kcal e) Precisa-se da temperatura inicial da água para determinar a resposta. Imagem: Richfife / Domínio Público
  • 30. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Resolução Sabemos que: Da equação geral da calorimetria, temos Resposta: d) 𝑚á𝑔𝑢𝑎 = 10 𝑘𝑔 = 10000 𝑔 ∆𝑇á𝑔𝑢𝑎= −3 ℃ 𝑐á𝑔𝑢𝑎 = 1 𝑐𝑎𝑙/(𝑔 ∙ ℃) 𝑸 𝒔 = 𝒎á𝒈𝒖𝒂 ∙ 𝒄á𝒈𝒖𝒂 ∙ ∆𝑻á𝒈𝒖𝒂 𝑸 𝒔 = 𝟏𝟎𝟎𝟎𝟎 ∙ 𝟏 ∙ (−𝟑) Substituindo os valores, obtemos:  𝑸 𝒔 = −𝟑𝟎𝟎𝟎𝟎 𝒄𝒂𝒍 𝑸 𝒔 = −𝟑𝟎 𝒌𝒄𝒂𝒍 O sinal negativo indica que o calor foi retirado da água.
  • 31. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Extras VÍDEO DO YOUTUBE Calor específico Link: http://www.youtube.com/watch?v=dLZVp4m49kA Calorimetria Link: http://www.youtube.com/watch?v=X_JR7OpoNxE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Transferência de calor entre um metal e a água Link: http://group.chem.iastate.edu/Greenbowe/sections/projectfolder/flashfiles/thermochem/heat_metal.html Equilíbrio térmico Link: http://group.chem.iastate.edu/Greenbowe/sections/projectfolder/flashfiles/thermochem/thermoEquiv.html EXPERIÊNCIAS/ EXPERIMENTOS Capacidade térmica do calorímetro (Determinação) Link: http://www.feiradeciencias.com.br/sala08/08_32.asp CURIOSIDADES Equivalente mecânico do calor Link: http://www.feiradeciencias.com.br/sala08/ET_05.asp LISTAS DE EXERCÍCIOS Cola da Web Link: http://www.coladaweb.com/exercicios-resolvidos/exercicios-resolvidos-de-fisica/calorimetria
  • 32. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Obrigado pela Atenção!
  • 33. FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Calor sensível, capacidade térmica e calor específico Bibliografia • BENIGNO, Barreto Filho; XAVIER, Cláudio da Silva. Física aula por aula. 1. ed. Vol. 02. São Paulo: Editora FTD, 2010. • GASPAR, Alberto. Compreendendo a Física. Vol. 02. São Paulo: Editora Ática, 2011. • GUALTER; HELOU; NEWTON. Física. Vol. 02. São Paulo: Editora Saraiva, 2011. • MÁXIMO, Antônio; ALVARENGA, Beatriz. Curso de Física. 1. ed. Vol. 02. São Paulo: Editora Scipione, 2011. • <http://educar.sc.usp.br> Acesso em 12/06/2012. • <http://pt.wikipedia.org> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.ciencia-cultura.com/Pagina_Fis> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.coladaweb.com/fisica> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.fisica.ufs.br> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.fisicafacil.pro.br> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.if.ufrj.br> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.infoescola.com/fisica> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.mundoeducacao.com.br> Acesso em 12/06/2012. • <http://www.sofisica.com.br/conteudos> Acesso em 12/06/2012.
  • 34. Tabela de Imagens n° do slide direito da imagem como está ao lado da foto link do site onde se conseguiu a informação Data do Acesso 2 Capture Queen / Creative Commons Attribution 2.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ameen.jpg 13/09/2012 3 Valo / Creative Commons Atribuição 2.5 Genérica http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flametail.j pg?uselang=pt-br 13/09/2012 4 James Heath (engraver) after Henry Raeburn / Domínio Público http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Black_Joseph.j pg 13/09/2012 5 James Heath (engraver) after Henry Raeburn / Domínio Público http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Black_Joseph.j pg 13/09/2012 6 GRAN / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Boiling_wa ter.jpg 13/09/2012 11 Thomas Tolkien / Creative Commons Attribution 2.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:(Men_and _camels_in_the_desert.).jpg 13/09/2012 12 Thomas Tolkien / Creative Commons Attribution 2.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:(Men_and _camels_in_the_desert.).jpg 13/09/2012 13 Glane23 / GNU Free Documentation Licensehttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pringles_c hips.JPG 13/09/2012 14 Tó campos1 / Domínio Público http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Brisa.jpg 13/09/2012 17 Akshat Goel / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bomb_Cal orimeter.png 13/09/2012
  • 35. Tabela de Imagens n° do slide direito da imagem como está ao lado da foto link do site onde se conseguiu a informação Data do Acesso 18 Henna / Creative Commons Attribution- Share Alike 1.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Thermos_ bottle.jpg 13/09/2012 19 Henna / Creative Commons Attribution- Share Alike 1.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Thermos_ bottle.jpg 13/09/2012 29 Richfife / Domínio Público http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Baby_vs._ Bathwater.JPG 13/09/2012