SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
As novas representações da
Humanidade

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
5.1 O encontro de culturas e a dificuldade de aceitação do princípio
de unidade do género humano

Os descobrimentos revolucionaram as conceções geográficas;
Colocaram em contacto civilizações, culturas e povos até então
desconhecidos;
Segundo o providencialismo, vigente na Idade Média, Deus
superintendia tudo. Criou Adão como um homem perfeito, e dele
descendia toda a Humanidade;
O pecado original tinha ocasionado que nem todos os homens
falavam a mesma língua e tinham a mesma religião;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

2
Todos eram seres humanos e merecedores de conhecerem a
palavra de Deus, tais eram as afirmações de Santo Agostinho;
O contacto com os novos povos descobertos criou um clima de
estupefação e curiosidade;
Surgem relatos antropológicos sobre os Negros, Ameríndios e
Asiáticos;
Os europeus procuravam compreender os outros povos.

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

3
Este encontro de culturas rapidamente levou ao confronto de
culturas;
Rapidamente surge um olhar desconfiado e hostil;
Os europeus cedo se revelaram preconceituosos e racistas;
Desenvolve-se o princípio da superioridade da raça branca e da
religião cristã;
Em nome dessa superioridade facilmente se recorria às armas e se
aniquilava as raças inferiores;
Na Ásia os islâmicos eram o inimigo principal. Os budistas e hindus,
eram considerados passíveis de se converterem ao cristianismo, e
por isso mereceram alguma consideração;
Os europeus começam a duvidar da humanidade dos Negros e
Ameríndios, o que será um motivo para justificar a escravatura;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

4
5.1.1 A escravatura. Os antecedentes da defesa dos direitos humanos
A escravatura conheceu um amplo desenvolvimento com as
descobertas marítimas;
Vão se desenvolver enormes impérios coloniais;
A escravatura é o melhor método para a criação de grandes massas
de mão de obra necessárias para as grandes plantações e minas que
se desenvolviam no continente americano;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

5
O escravo africano torna-se o suporte fundamental da colonização
europeia da s Américas;
São indispensáveis nas minas, nas grandes plantações de açúcar,
algodão, tabaco, etc.;
Na Europa também se desenvolve a prática da escravatura. São
utilizados nos trabalhos domésticos, agrícolas, ofícios, etc.;
Em Lisboa e Sevilha, em meados do século XVI, representavam
cerca de 10% da população;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

6
Os portugueses e os espanhóis tiveram um papel pioneiro no
tráfico de escravos;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

7
Em 1445, a fundação da feitoria de Arguim, na costa da Mauritânia,
iniciou o tráfico negreiro organizado;
Este tráfico é uma história de violência e de desrespeito dos mais
elementares direitos humanos;
Cerca de 20 milhões de africanos foram levados de África, a maior
parte com destino à América;
Os escravos eram transportados em condições deploráveis;
Eram considerados e tratados como uma mera mercadoria;
Vendidos, marcados com ferros em brasa, separados da família, de
tudo isto forma vítimas.

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

8
As primeiras manifestações de defesa dos direitos humanos
surgiram a propósito da escravização dos índios na América
espanhola;
Senhores de extensas terras, os encomenderos, depressa
esqueceram os seus deveres de protegerem os índios, e passaram a
escravizá-los;
Este brutal tratamento somado às doenças trazidas pelos europeus
para o continente americanos (varíola), dizimaram a população
índia;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

9
Os frades Francisco de Vitória e António de Montesinos
denunciaram esses abusos;
As discussões sobre o estatuto humanos dos índios chegou a Roma.
O Papa Paulo III, na bula Sublimis Deus (1537), defendeu a
humanidade dos índios e foram considerados aptos a receber as
doutrinas de Fé católica;
Bartolomeu de Las Casas (1474-1566), frade dominicano, dedicou a
sua vida à defesa dos índios;
Pelo contrário, o Dr. Juan Ginés de Sepúlveda (1480-1573)
argumentava que os índios eram inferiores aos espanhóis e por isso
era legítimo escravizá-los;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

10
A oposição entre os dois homens levou Carlos V a reunir uma
assembleia para decidir se seria legítimo escravizar índios, sem
nada decidir;
Bartolomeu de Las Casas ficou para a História como um dos
primeiros defensores dos direitos dos índios;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

11
No Brasil destacou-se a ação do Padre António Vieira (1608-1697)
como defensor dos direitos dos índios;
Foi um jesuíta que se destacou pela eloquência dos seus sermões;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

12
Em regra a Igreja católica reconheceu a natureza humana dos índios
americanos;
O mesmo não se verificou em relação aos negros africanos;
Apesar disso algumas vozes defenderam os direitos humanos e
defenderam o princípio de unidade do género humano, foi o caso
de:
Fernando de Oliveira, padre;
Bartolomeu de Las Casas;
António Vieira, padre;
Todos eles condenaram a escravatura.

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

13
5.1.2 O esforço de enraizamento da presença branca: missionação
e miscigenação

O encontro de povos foi sempre ambivalente: tanto se
conquistava com brutalidade e se escravizava como se missionava
e procurava converter os povos, ainda que por vezes à força;
A espada esteve sempre ao lado da Cruz;
A religião constituiu uma força impulsionadora da expansão
portuguesa e espanhola;
Em todo o impérios, português e espanhol, levou-se a cabo uma
gigantesca tarefa de missionação dos povos;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

14
A missionação foi uma estratégia de aculturação dos povos. Foi uma
missionação agressiva e militante;
O contacto entre as culturas orientais e europeias caracterizou-se
pelas dificuldades de entendimento mútuo;
Existiam muitas diferenças culturais, económicas, sociais e
filosóficas;
Existiam duas grandes áreas religiosas e filosóficas: o hinduísmo e o
budismo;
Na Índia a intolerância levou a que todos os indianos que não se
tivessem convertido fossem excluídos dos cargos públicos, e os
templos eram destruídos;
Na China os jesuítas foram expulsos;
No início do século XVII, também foram perseguidos no Japão;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

15
Na América, portuguesa e espanhola, os jesuítas, criaram as
reduções;
Reduções - as missões jesuíticas na América, (reduções), foram os
aldeamentos indígenas administrados pelos jesuítas. O objetivo
principal das missões jesuíticas foi o de criar uma sociedade com os
benefícios e qualidades da sociedade cristã europeia, mas isenta
dos seus vícios e maldades. Ensinavam aos índios a ler, escrever,
trabalhavam nos ofícios e nos campos. Tinham uma educação
religiosa.

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

16
Quer os portugueses quer os espanhóis demoraram a desenvolver
um clero indígena;
O acesso de indígenas ao sacerdócio foi sempre dificultado, e era
mantido numa posição subalterna em relação ao clero europeu;
Inicialmente, na Ásia Portugal favoreceu a miscigenação entre
europeus e orientais;
A mesma política foi levada a cabo na América;
No entanto, os mestiços e mulatos, derivados dessas uniões, foram
sempre discriminados, nomeadamente no acesso a cargos públicos;

Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

17
A América foi o continente onde a aculturação foi mais intensa;

Miscigenação – mistura de grupos étnicos diferentes.

Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, O tempo da História,
COUTO, Célia Pinto e outros, Porto Editora,2011, Porto;
O essencial da História A, Mário Sanches, Edições ASA, 2005
Apresentação História A 10º ano, Módulo 3

18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4Vítor Santos
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalSusana Simões
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalJoana Filipa Rodrigues
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeiaVítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundoCatarinaTavares28
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O IluminismoRui Neto
 

Mais procurados (20)

04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 

Destaque

Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadasVítor Santos
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeiaVítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlizaçãoVítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacionalVítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xxVítor Santos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xxVítor Santos
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoVítor Santos
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoVítor Santos
 
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_aVítor Santos
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017Vítor Santos
 

Destaque (20)

Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
 
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 

Semelhante a 05 as novas representações da humanidade

03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
Os filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasilOs filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasilOdairdesouza
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdiobloghist
 
Encontros culturais
Encontros culturaisEncontros culturais
Encontros culturaiscattonia
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaJorge Miklos
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabaritoKellyCarvalho2011
 
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilO Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilLuci Bonini
 
3 capitulo a colonização espanhola na américa
3 capitulo a colonização espanhola na américa3 capitulo a colonização espanhola na américa
3 capitulo a colonização espanhola na américaVitor Ferreira
 
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígenaNara Oliveira
 
História Brasil Colonial
História Brasil Colonial História Brasil Colonial
História Brasil Colonial Laguat
 
QUINHENTISMO Português.pptx
QUINHENTISMO Português.pptxQUINHENTISMO Português.pptx
QUINHENTISMO Português.pptxGabriel113136
 
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxHist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxLucianoFrana19
 

Semelhante a 05 as novas representações da humanidade (20)

03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
Os Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.pptOs Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.ppt
 
Os filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasilOs filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasil
 
Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdio
 
Encontros culturais
Encontros culturaisEncontros culturais
Encontros culturais
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
 
América espanhola e inglesa
América espanhola e inglesaAmérica espanhola e inglesa
América espanhola e inglesa
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
 
A historia dos EUA
A historia dos EUAA historia dos EUA
A historia dos EUA
 
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilO Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
 
3 capitulo a colonização espanhola na américa
3 capitulo a colonização espanhola na américa3 capitulo a colonização espanhola na américa
3 capitulo a colonização espanhola na américa
 
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígena
 
Indios
IndiosIndios
Indios
 
História Brasil Colonial
História Brasil Colonial História Brasil Colonial
História Brasil Colonial
 
QUINHENTISMO Português.pptx
QUINHENTISMO Português.pptxQUINHENTISMO Português.pptx
QUINHENTISMO Português.pptx
 
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxHist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
 

Último

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 

Último (20)

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 

05 as novas representações da humanidade

  • 1. As novas representações da Humanidade http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 2. 5.1 O encontro de culturas e a dificuldade de aceitação do princípio de unidade do género humano Os descobrimentos revolucionaram as conceções geográficas; Colocaram em contacto civilizações, culturas e povos até então desconhecidos; Segundo o providencialismo, vigente na Idade Média, Deus superintendia tudo. Criou Adão como um homem perfeito, e dele descendia toda a Humanidade; O pecado original tinha ocasionado que nem todos os homens falavam a mesma língua e tinham a mesma religião; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 2
  • 3. Todos eram seres humanos e merecedores de conhecerem a palavra de Deus, tais eram as afirmações de Santo Agostinho; O contacto com os novos povos descobertos criou um clima de estupefação e curiosidade; Surgem relatos antropológicos sobre os Negros, Ameríndios e Asiáticos; Os europeus procuravam compreender os outros povos. Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 3
  • 4. Este encontro de culturas rapidamente levou ao confronto de culturas; Rapidamente surge um olhar desconfiado e hostil; Os europeus cedo se revelaram preconceituosos e racistas; Desenvolve-se o princípio da superioridade da raça branca e da religião cristã; Em nome dessa superioridade facilmente se recorria às armas e se aniquilava as raças inferiores; Na Ásia os islâmicos eram o inimigo principal. Os budistas e hindus, eram considerados passíveis de se converterem ao cristianismo, e por isso mereceram alguma consideração; Os europeus começam a duvidar da humanidade dos Negros e Ameríndios, o que será um motivo para justificar a escravatura; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 4
  • 5. 5.1.1 A escravatura. Os antecedentes da defesa dos direitos humanos A escravatura conheceu um amplo desenvolvimento com as descobertas marítimas; Vão se desenvolver enormes impérios coloniais; A escravatura é o melhor método para a criação de grandes massas de mão de obra necessárias para as grandes plantações e minas que se desenvolviam no continente americano; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 5
  • 6. O escravo africano torna-se o suporte fundamental da colonização europeia da s Américas; São indispensáveis nas minas, nas grandes plantações de açúcar, algodão, tabaco, etc.; Na Europa também se desenvolve a prática da escravatura. São utilizados nos trabalhos domésticos, agrícolas, ofícios, etc.; Em Lisboa e Sevilha, em meados do século XVI, representavam cerca de 10% da população; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 6
  • 7. Os portugueses e os espanhóis tiveram um papel pioneiro no tráfico de escravos; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 7
  • 8. Em 1445, a fundação da feitoria de Arguim, na costa da Mauritânia, iniciou o tráfico negreiro organizado; Este tráfico é uma história de violência e de desrespeito dos mais elementares direitos humanos; Cerca de 20 milhões de africanos foram levados de África, a maior parte com destino à América; Os escravos eram transportados em condições deploráveis; Eram considerados e tratados como uma mera mercadoria; Vendidos, marcados com ferros em brasa, separados da família, de tudo isto forma vítimas. Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 8
  • 9. As primeiras manifestações de defesa dos direitos humanos surgiram a propósito da escravização dos índios na América espanhola; Senhores de extensas terras, os encomenderos, depressa esqueceram os seus deveres de protegerem os índios, e passaram a escravizá-los; Este brutal tratamento somado às doenças trazidas pelos europeus para o continente americanos (varíola), dizimaram a população índia; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 9
  • 10. Os frades Francisco de Vitória e António de Montesinos denunciaram esses abusos; As discussões sobre o estatuto humanos dos índios chegou a Roma. O Papa Paulo III, na bula Sublimis Deus (1537), defendeu a humanidade dos índios e foram considerados aptos a receber as doutrinas de Fé católica; Bartolomeu de Las Casas (1474-1566), frade dominicano, dedicou a sua vida à defesa dos índios; Pelo contrário, o Dr. Juan Ginés de Sepúlveda (1480-1573) argumentava que os índios eram inferiores aos espanhóis e por isso era legítimo escravizá-los; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 10
  • 11. A oposição entre os dois homens levou Carlos V a reunir uma assembleia para decidir se seria legítimo escravizar índios, sem nada decidir; Bartolomeu de Las Casas ficou para a História como um dos primeiros defensores dos direitos dos índios; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 11
  • 12. No Brasil destacou-se a ação do Padre António Vieira (1608-1697) como defensor dos direitos dos índios; Foi um jesuíta que se destacou pela eloquência dos seus sermões; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 12
  • 13. Em regra a Igreja católica reconheceu a natureza humana dos índios americanos; O mesmo não se verificou em relação aos negros africanos; Apesar disso algumas vozes defenderam os direitos humanos e defenderam o princípio de unidade do género humano, foi o caso de: Fernando de Oliveira, padre; Bartolomeu de Las Casas; António Vieira, padre; Todos eles condenaram a escravatura. Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 13
  • 14. 5.1.2 O esforço de enraizamento da presença branca: missionação e miscigenação O encontro de povos foi sempre ambivalente: tanto se conquistava com brutalidade e se escravizava como se missionava e procurava converter os povos, ainda que por vezes à força; A espada esteve sempre ao lado da Cruz; A religião constituiu uma força impulsionadora da expansão portuguesa e espanhola; Em todo o impérios, português e espanhol, levou-se a cabo uma gigantesca tarefa de missionação dos povos; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 14
  • 15. A missionação foi uma estratégia de aculturação dos povos. Foi uma missionação agressiva e militante; O contacto entre as culturas orientais e europeias caracterizou-se pelas dificuldades de entendimento mútuo; Existiam muitas diferenças culturais, económicas, sociais e filosóficas; Existiam duas grandes áreas religiosas e filosóficas: o hinduísmo e o budismo; Na Índia a intolerância levou a que todos os indianos que não se tivessem convertido fossem excluídos dos cargos públicos, e os templos eram destruídos; Na China os jesuítas foram expulsos; No início do século XVII, também foram perseguidos no Japão; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 15
  • 16. Na América, portuguesa e espanhola, os jesuítas, criaram as reduções; Reduções - as missões jesuíticas na América, (reduções), foram os aldeamentos indígenas administrados pelos jesuítas. O objetivo principal das missões jesuíticas foi o de criar uma sociedade com os benefícios e qualidades da sociedade cristã europeia, mas isenta dos seus vícios e maldades. Ensinavam aos índios a ler, escrever, trabalhavam nos ofícios e nos campos. Tinham uma educação religiosa. Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 16
  • 17. Quer os portugueses quer os espanhóis demoraram a desenvolver um clero indígena; O acesso de indígenas ao sacerdócio foi sempre dificultado, e era mantido numa posição subalterna em relação ao clero europeu; Inicialmente, na Ásia Portugal favoreceu a miscigenação entre europeus e orientais; A mesma política foi levada a cabo na América; No entanto, os mestiços e mulatos, derivados dessas uniões, foram sempre discriminados, nomeadamente no acesso a cargos públicos; Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 17
  • 18. A América foi o continente onde a aculturação foi mais intensa; Miscigenação – mistura de grupos étnicos diferentes. Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, O tempo da História, COUTO, Célia Pinto e outros, Porto Editora,2011, Porto; O essencial da História A, Mário Sanches, Edições ASA, 2005 Apresentação História A 10º ano, Módulo 3 18