SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Trabalho realizado por:
- Diogo Veríssimo, nº9, 11ºJ
Nos séculos XVII e XVIII verificou-se na Europa
um importante desenvolvimento científico
sobretudo nos domínios da Matemática, da
Astronomia, da Física, da Química e da Medicina
no qual podemos falar de uma verdadeira
Revolução Científica.
   Interessados pela Física, pela Química, pela
    Medicina ou pela Astronomia, os “filósofos
    experimentais”, como eram chamados na
    Inglaterra, tornaram-se mais sistemáticas as
    observações iniciadas no Renascimento.
   Libertos do excessivo respeito pelos Antigos que
    constrangia ainda muitos dos seus
    contemporâneos, partilhavam entre si três ideias
    fundamentais:

    - primeiro, que só a observação direta conduz ao
    conhecimento da Natureza;
    - segundo, que esse conhecimento pode
    aumentar constantemente;
    - terceiro, que o progresso científico contribui
    para melhorar o destino da Humanidade.
 Impressionados com os erros
  grosseiros que
  constantemente descobriam
  nos tratados das
  “autoridades”, os
  “experimentalistas”
  procuraram desenvolver um
  método que os guiasse nas
  suas pesquisas, evitando o
  erro e as conclusões
  apressadas.
 Este desempenho conduziu a
  teorizações, mais ou menos
  exaustivas, sobre as regras
  que deviam guiar o
  pensamento e a investigação
  científica.
   Foi então que Francis
    Bacon expôs as suas
    etapas do método
    indutivo (ou
    experimental), que
    considerou a única
    forma de atingir a
    verdade: observar factos
    precisos; formular
    explicativas; provocar a
    repetição dos factos
    através de experiências
   Embora tenha sido um
    matemático e físico notável,
    Descartes procurou
    conceber uma forma
    estruturada de pensar,
    aplicável ao raciocínio em
    geral e não só às ciências.
    Sobre este assunto publicou
    o célebre “Discurso de
    Método”, considerado uma
    das pedras basilares do
    pensamento racionalista.
 «Não é suficiente ter o espírito bom, mas o
  principal é aplicá-lo bem».
 «Toda a filosofia é como uma árvore, cujas raízes
  são a metafísica, o tronco é a física e os ramos
  que saem do tronco são todas as outras ciências,
  que se reduzem a três principais, a saber, a
  medicina, a mecânica e a moral».
 «Não devemos pensar que as verdades eternas
  dependem do entendimento humano (...) mas
  apenas da vontade de Deus que, como soberano
  legislador, as ordenou e estabeleceu para toda a
  eternidade».
   Neste grupo que acabámos de referir contam-se
    nomes grandes da Ciência como Galileu, Kepler,
    Newton, Boyle, Harvey, entre muitos outros. Em
    conjunto, protagonizaram uma “Revolução
    Científica” que não só transformou
    profundamente as antigas conceções sobre o
    Homem e a Natureza como criou uma forma nova
    de atingir o conhecimento.
   Galileu Galilei era considerado o
    “pai da ciência moderna”. O
    físico desenvolveu ainda vários
    instrumentos como a balança
    hidrostática, um tipo
    de compasso geométrico que
    permitia medir ângulos e áreas,
    o termómetro de Galileu e o
    precursor do relógio de pêndulo.
Compasso geométrico




Relógio de Pêndulo
                     Balança Hidrostática
   É conhecido por ter formulado
    três leis fundamentais
    da mecânica celeste,
    conhecidas como Leis de
    Kepler, Nova, Harmonices
    Mundi, e Epítome da
    Astronomia de Copérnico.
    Kepler fez um trabalho no
    campo da óptica, inventou
    um telescópio refrator e ajudou
    as descobertas telescópicas de
    Galileu Galilei.
Telescópio
refrator de
Kepler
   Foi um cientista inglês, mais
    reconhecido
    como físico e matemático,
    embora tenha sido
    astrônomo, alquimista, filósofo
    natural e teólogo. Sua obra ,
    "Philosophiae Naturalis
    Principia Mathematica", é
    considerada uma das mais
    influentes na história da
    ciência. Esta obra descreve
    a lei da gravitação universal e
    as três leis de Newton, que
    fundamentaram a mecânica
    clássica.
Telescópio
newtoniano
   Boyle é atraído pela química,
    notadamente no seu tratado
    "Of the Atomicall Philosophy"
    onde aparecem ideias
    atomísticas. Emite também
    críticas ao "Químico Vulgar",
    aquele que não tem um
    método filosófico para
    estudar a natureza.
   Seus estudos inspiraram as
    ideias de René Descartes,
    que em sua "Descrição do
    Corpo Humano" disse que
    as artérias e as veias eram
    canos que carregavam
    nutrientes pelo corpo. Muitos
    acreditam que ele descobriu
    e expandiu as técnicas de
    medicina muçulmana,
    particularmente o trabalho
    de Ibn Nafis, que lançou os
    primeiros estudos sobre a
    maioria das veias e artérias
    no século XIII.
   O inglês William Harvey (1578-1657) descreveu
    com precisão a circulação do sangue no corpo,
    confirmando os achados de estudiosos
    anteriores (como Ibn Nafis e europeus mais
    recentes). Ele acrescentou o achado
    experimental crítico de que o sangue é
    “bombeado” para todo o corpo pelo coração.
 Richard Lower (1631-91) e
  o filósofo britânico Robert
  Hooke (1635-1703)
  descobriram que o sangue
  faz alguma coisa durante a
  sua passagem pelos
  pulmões, mudando a sua
  cor para vermelho vivo.
 No século XVIII o químico
  francês Antoine Lavoisier
  (1743-1794) descobriu o
  oxigênio.
 Galileua partir da
 informação da construção do
 primeiro telescópio, na
 Holanda, construiu a primeira
 luneta astronómica e, com
 ela, pôde observar a
 composição estelar da Via
 Látea, os satélites de Júpiter,
 as manchas do Sol e as
 fases de Vênus.
                                   Luneta Astronómica
Foi através da
observação das fases
de Vênus, que Galileu
passou a enxergar
embasamento na visão
de Copérnico
(Heliocêntrico – O Sol
como centro do
Universo) e não na de
Galileu, onde a Terra era
vista como o centro do
                          Heliocentrismo
Universo.
 Nas primeiras décadas do século XVIII , as
  academias de carácter científico tinham
  aumentado exponencialmente e existiam já nas
  principais capitais da Europa.
 A publicação de boletins periódicos , iniciada
  pelo “Philosophical Transactions da Royal
  Society”, tornara-se corrente, permitindo a
  divulgação rápida e barata dos estudos
  desenvolvidos.
 A partir destas academias organizaram-se
  laboratórios modernos bem equipados com
  instrumentos de observação, e medida
  desenvolvidos na centúria anterior no qual :
 o telescópio foi aperfeiçoado por Galileu;
 o barómetro resultante das experiências de
  Torricelli;
 O termómetro foi melhorado por Fahrenheit;
 O relógio pêndulo de Huygens que tornou mais
  exata a medição do tempo.
   No fim do século XVIII, o Deste modo, o mundo
    público tinha-se          natural separou-se, com
    apaixonado pela ciência, nitidez, do sobrenatural e
    assistindo, entusiasmado, as razões de fé deixaram
    a sessões experimentais de ser aceites como
    e aos seus resultados     explicações credíveis dos
                              factos da Natureza.
    espetaculares.




                               Subida do aeróstato
                               construído pelos
                               irmãos Montgolfier, no
                               verão de 1783
 O desenvolvimento científico nos
  séculos XVII e XVIII foi grande devido,
  principalmente, ao método científico e
  ao abandono da explicações ligadas a
  Deus.
 Alguns exemplos desse grande
  desenvolvimento são a descoberta da
  gravidade e da confirmação da teoria
  heliocêntrica.
   “O Tempo da História”-1ªParte -11ºAno



• slideshare.net
• wikipedia.org
• infopedia.pt
• planetseed.com
• http://mundo-afora.com
• entre outros…
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...200166754
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução CientíficaRui Neto
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5Vítor Santos
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismocattonia
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Naturezananasimao
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundoVítor Santos
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoSara Guerra
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica13_ines_silva
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Miguel Sargento
 

Mais procurados (20)

A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 

Destaque

Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científicacattonia
 
22 metodo experimental
22 metodo experimental22 metodo experimental
22 metodo experimentalJoao Balbi
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiCarlos Pinheiro
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIImmarijose
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiAlan
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãOHist8
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIJosé Alemão
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europaHCA_10I
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaAlan
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialAna Batista
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimentalPablo Aguilar
 

Destaque (20)

Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
22 metodo experimental
22 metodo experimental22 metodo experimental
22 metodo experimental
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
 
RevoluçãO Industrial
RevoluçãO IndustrialRevoluçãO Industrial
RevoluçãO Industrial
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
 
A revolução científica
A revolução científicaA revolução científica
A revolução científica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimental
 

Semelhante a O método experimental e o progresso do conhecimento

A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaSusana Simões
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientificaTiago Simoes
 
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8Joao Lapa
 
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiDinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiSílvia Mendonça
 
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptxÉtica, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptxSamaraSilva883286
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa Duda Pequena
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxMatildeGonalves23
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestrealemisturini
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientificoSamuel Moura
 
Historia da ciência inércia 2
Historia da ciência   inércia 2Historia da ciência   inércia 2
Historia da ciência inércia 2Alexandre Abdalla
 
Pode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistasPode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistaslucasuperior
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalAlan
 
Historia da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaHistoria da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaAlexandre Abdalla
 
Breve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência ModernaBreve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência ModernaElcielle .
 

Semelhante a O método experimental e o progresso do conhecimento (20)

A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeia
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
 
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiDinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
 
Historia da fisica
Historia da fisica Historia da fisica
Historia da fisica
 
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptxÉtica, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
 
História da ciência
História da ciênciaHistória da ciência
História da ciência
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestre
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientifico
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Historia da ciência inércia 2
Historia da ciência   inércia 2Historia da ciência   inércia 2
Historia da ciência inércia 2
 
Pode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistasPode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistas
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
Historia da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaHistoria da ciência - Inércia
Historia da ciência - Inércia
 
Breve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência ModernaBreve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência Moderna
 

O método experimental e o progresso do conhecimento

  • 1. Trabalho realizado por: - Diogo Veríssimo, nº9, 11ºJ
  • 2. Nos séculos XVII e XVIII verificou-se na Europa um importante desenvolvimento científico sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina no qual podemos falar de uma verdadeira Revolução Científica.
  • 3. Interessados pela Física, pela Química, pela Medicina ou pela Astronomia, os “filósofos experimentais”, como eram chamados na Inglaterra, tornaram-se mais sistemáticas as observações iniciadas no Renascimento.
  • 4. Libertos do excessivo respeito pelos Antigos que constrangia ainda muitos dos seus contemporâneos, partilhavam entre si três ideias fundamentais: - primeiro, que só a observação direta conduz ao conhecimento da Natureza; - segundo, que esse conhecimento pode aumentar constantemente; - terceiro, que o progresso científico contribui para melhorar o destino da Humanidade.
  • 5.  Impressionados com os erros grosseiros que constantemente descobriam nos tratados das “autoridades”, os “experimentalistas” procuraram desenvolver um método que os guiasse nas suas pesquisas, evitando o erro e as conclusões apressadas.  Este desempenho conduziu a teorizações, mais ou menos exaustivas, sobre as regras que deviam guiar o pensamento e a investigação científica.
  • 6. Foi então que Francis Bacon expôs as suas etapas do método indutivo (ou experimental), que considerou a única forma de atingir a verdade: observar factos precisos; formular explicativas; provocar a repetição dos factos através de experiências
  • 7. Embora tenha sido um matemático e físico notável, Descartes procurou conceber uma forma estruturada de pensar, aplicável ao raciocínio em geral e não só às ciências. Sobre este assunto publicou o célebre “Discurso de Método”, considerado uma das pedras basilares do pensamento racionalista.
  • 8.  «Não é suficiente ter o espírito bom, mas o principal é aplicá-lo bem».  «Toda a filosofia é como uma árvore, cujas raízes são a metafísica, o tronco é a física e os ramos que saem do tronco são todas as outras ciências, que se reduzem a três principais, a saber, a medicina, a mecânica e a moral».  «Não devemos pensar que as verdades eternas dependem do entendimento humano (...) mas apenas da vontade de Deus que, como soberano legislador, as ordenou e estabeleceu para toda a eternidade».
  • 9. Neste grupo que acabámos de referir contam-se nomes grandes da Ciência como Galileu, Kepler, Newton, Boyle, Harvey, entre muitos outros. Em conjunto, protagonizaram uma “Revolução Científica” que não só transformou profundamente as antigas conceções sobre o Homem e a Natureza como criou uma forma nova de atingir o conhecimento.
  • 10. Galileu Galilei era considerado o “pai da ciência moderna”. O físico desenvolveu ainda vários instrumentos como a balança hidrostática, um tipo de compasso geométrico que permitia medir ângulos e áreas, o termómetro de Galileu e o precursor do relógio de pêndulo.
  • 11. Compasso geométrico Relógio de Pêndulo Balança Hidrostática
  • 12. É conhecido por ter formulado três leis fundamentais da mecânica celeste, conhecidas como Leis de Kepler, Nova, Harmonices Mundi, e Epítome da Astronomia de Copérnico. Kepler fez um trabalho no campo da óptica, inventou um telescópio refrator e ajudou as descobertas telescópicas de Galileu Galilei.
  • 14. Foi um cientista inglês, mais reconhecido como físico e matemático, embora tenha sido astrônomo, alquimista, filósofo natural e teólogo. Sua obra , "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica", é considerada uma das mais influentes na história da ciência. Esta obra descreve a lei da gravitação universal e as três leis de Newton, que fundamentaram a mecânica clássica.
  • 16. Boyle é atraído pela química, notadamente no seu tratado "Of the Atomicall Philosophy" onde aparecem ideias atomísticas. Emite também críticas ao "Químico Vulgar", aquele que não tem um método filosófico para estudar a natureza.
  • 17. Seus estudos inspiraram as ideias de René Descartes, que em sua "Descrição do Corpo Humano" disse que as artérias e as veias eram canos que carregavam nutrientes pelo corpo. Muitos acreditam que ele descobriu e expandiu as técnicas de medicina muçulmana, particularmente o trabalho de Ibn Nafis, que lançou os primeiros estudos sobre a maioria das veias e artérias no século XIII.
  • 18. O inglês William Harvey (1578-1657) descreveu com precisão a circulação do sangue no corpo, confirmando os achados de estudiosos anteriores (como Ibn Nafis e europeus mais recentes). Ele acrescentou o achado experimental crítico de que o sangue é “bombeado” para todo o corpo pelo coração.
  • 19.  Richard Lower (1631-91) e o filósofo britânico Robert Hooke (1635-1703) descobriram que o sangue faz alguma coisa durante a sua passagem pelos pulmões, mudando a sua cor para vermelho vivo.  No século XVIII o químico francês Antoine Lavoisier (1743-1794) descobriu o oxigênio.
  • 20.  Galileua partir da informação da construção do primeiro telescópio, na Holanda, construiu a primeira luneta astronómica e, com ela, pôde observar a composição estelar da Via Látea, os satélites de Júpiter, as manchas do Sol e as fases de Vênus. Luneta Astronómica
  • 21. Foi através da observação das fases de Vênus, que Galileu passou a enxergar embasamento na visão de Copérnico (Heliocêntrico – O Sol como centro do Universo) e não na de Galileu, onde a Terra era vista como o centro do Heliocentrismo Universo.
  • 22.  Nas primeiras décadas do século XVIII , as academias de carácter científico tinham aumentado exponencialmente e existiam já nas principais capitais da Europa.  A publicação de boletins periódicos , iniciada pelo “Philosophical Transactions da Royal Society”, tornara-se corrente, permitindo a divulgação rápida e barata dos estudos desenvolvidos.
  • 23.  A partir destas academias organizaram-se laboratórios modernos bem equipados com instrumentos de observação, e medida desenvolvidos na centúria anterior no qual :  o telescópio foi aperfeiçoado por Galileu;  o barómetro resultante das experiências de Torricelli;  O termómetro foi melhorado por Fahrenheit;  O relógio pêndulo de Huygens que tornou mais exata a medição do tempo.
  • 24. No fim do século XVIII, o Deste modo, o mundo público tinha-se natural separou-se, com apaixonado pela ciência, nitidez, do sobrenatural e assistindo, entusiasmado, as razões de fé deixaram a sessões experimentais de ser aceites como e aos seus resultados explicações credíveis dos factos da Natureza. espetaculares. Subida do aeróstato construído pelos irmãos Montgolfier, no verão de 1783
  • 25.  O desenvolvimento científico nos séculos XVII e XVIII foi grande devido, principalmente, ao método científico e ao abandono da explicações ligadas a Deus.  Alguns exemplos desse grande desenvolvimento são a descoberta da gravidade e da confirmação da teoria heliocêntrica.
  • 26. “O Tempo da História”-1ªParte -11ºAno • slideshare.net • wikipedia.org • infopedia.pt • planetseed.com • http://mundo-afora.com • entre outros…
  • 27. Fim